SlideShare uma empresa Scribd logo

Apostila de sus do professor juremir abrunhosa

sus para concursos

1 de 80
Baixar para ler offline
Apostila de sus do professor  juremir abrunhosa
• CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF-1988 )  Artigos 196 a 200
Saúde = DIREITO
• Leis 8.080/90:
Regulamenta os serviços de saúde
• Lei 8.142/90:
Regulamenta a Participação da Comunidade no SUS
e Transferências Financeiras
• Normas Operacionais Básicas (NOBs):
NOBs : 01/91, 01/93, 01/96  MUNICIPALIZAÇÃO
• Normas Operacionais de Assistência à Saúde (NOAS):
NOAS 01/2001 e 01/2002  REGIONALIZAÇÃO
Apostila de sus do professor  juremir abrunhosa
A SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERALA SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL
•A influência da VIIIª Conferência Nacional de Saúde
SAÚDE = DIREITO do POVO e
DEVER DO ESTADO (políticas sociais e
econômicas)
•A saúde está regulamentada na CF nos Art. 196 a 200 da CF
“Art. 196 – A saúde é direito de todos e dever do Estado,
garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a
redução do risco de doenças e de outros agravos e ao
acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua
promoção, proteção e recuperação”
Modelo Substitutivo
• Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
• O que é o SUS ?O que é o SUS ?
É um SISTEMASISTEMA formado por várias INSTITUIÇÕES dasINSTITUIÇÕES das
3 esferas de governo3 esferas de governo (MUNICIPAL + ESTADUAL + FEDERALMUNICIPAL + ESTADUAL + FEDERAL)
e pelo SETOR PRIVADOSETOR PRIVADO, de forma COMPLEMENTARCOMPLEMENTAR .
Centros e Postos de Saúde
Hospitais (inclusive HUs)
Laboratórios
Hemocentros
Institutos de Pesquisa
• Como a CF define o SUS (art. 198)??
 Conjunto de ações e serviços de saúde integrantes de uma rede
REGIONALIZADA E HIERARQUIZADA
 Suas ações e serviços são de relevância pública
O Poder Público regulamenta, fiscaliza e controla
Hierarquização X Vinculação HierárquicaHierarquização X Vinculação Hierárquica
As ações e serviços de Saúde integram um Sistema Único
organizado segundo princípios e diretrizes específicos
“ Art.198 - As ações e serviços públicos de saúde integram uma
rede regionalizada e hierarquizada e
constituem um SISTEMA ÚNICO...”
Anúncio

Recomendados

Gestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeGestão Pública e Administração de serviços de saúde
Gestão Pública e Administração de serviços de saúdeangelalessadeandrade
 
Higiene
HigieneHigiene
Higienecederj
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencaskarol_ribeiro
 
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptx
AULA 1 - Introdução Geral a Saúde Coletiva – Princípios e Conceitos.pptxAlefySantos2
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURALmarcelo otenio
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemGabriela Montargil
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaShirley Afonso
 
Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natalLucas Ferreira
 
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)Fernanda Clara
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Valdirene1977
 
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do Trabalhador
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do TrabalhadorAções do Núcleo de Assistência a Saúde do Trabalhador
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do TrabalhadorProfessor Robson
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.luzienne moraes
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúdeferaps
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoJoice Lins
 
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)Saude do idoso caderno de atenção básica (1)
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)Cleicy Almeida
 
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saudePanfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saudeRenata Silva
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasilkellyschorro18
 

Mais procurados (20)

TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURALTECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO  RURAL
TECNOLOGIAS PARA SANEAMENTO BÁSICO RURAL
 
Biosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagemBiosegurança nas ações de enfermagem
Biosegurança nas ações de enfermagem
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natal
 
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)
Regionalização e Hierarquização (Vigilância Epidemiológica e Saúde Pública)
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
bioética
bioéticabioética
bioética
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Curso completo do sus
Curso completo do susCurso completo do sus
Curso completo do sus
 
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do Trabalhador
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do TrabalhadorAções do Núcleo de Assistência a Saúde do Trabalhador
Ações do Núcleo de Assistência a Saúde do Trabalhador
 
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
Saúde do Idoso - Disciplina Processo Saúde Doença e Educação em Saúde.
 
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de SaúdeProcesso Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
Processo Saúde-Doença e Deterninantes Sociais de Saúde
 
Promoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idosoPromoção a-saúde-do-idoso
Promoção a-saúde-do-idoso
 
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)Saude do idoso caderno de atenção básica (1)
Saude do idoso caderno de atenção básica (1)
 
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saudePanfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
Panfleto humanização e acolhimento no atendimento em saude
 
Prevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecçãoPrevenção e controle de infecção
Prevenção e controle de infecção
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Roedores e artropodes
Roedores e artropodesRoedores e artropodes
Roedores e artropodes
 

Semelhante a Apostila de sus do professor juremir abrunhosa

Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfUNEMAT
 
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxLanaMonteiro8
 
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.ppt
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.pptSistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.ppt
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.pptWilberthLincoln1
 
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde BrasileiroO Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde Brasileiroloirissimavivi
 
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxAULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxCarlaAlves362153
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptssuser1b1803
 
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saude
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saudeLei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saude
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da sauderevcarlosjr
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integraLuanapqt
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integraLuanapqt
 
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdfAULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdfARMSTRONGEMANUELDEME
 
Lei nº 8.080
Lei nº 8.080Lei nº 8.080
Lei nº 8.080eriiclima
 
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeIntrodução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeElizabeth- Ceut Monteiro
 
Política de saúde 1
Política de saúde 1Política de saúde 1
Política de saúde 1Ismael Costa
 

Semelhante a Apostila de sus do professor juremir abrunhosa (20)

SUS
SUSSUS
SUS
 
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
 
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptxAULA 01 - LEI 8080.90.pptx
AULA 01 - LEI 8080.90.pptx
 
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.ppt
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.pptSistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.ppt
Sistema_Unico_de_Saude_Base_Legal__Principios_e_Diretrizes.ppt
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde BrasileiroO Sistema Único de Saúde Brasileiro
O Sistema Único de Saúde Brasileiro
 
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxAULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
 
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saude
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saudeLei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saude
Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 lei organica da saude
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
 
Leis do sus na integra
Leis do sus na integraLeis do sus na integra
Leis do sus na integra
 
Lei 8080
Lei 8080Lei 8080
Lei 8080
 
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdfAULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
AULA 01 - POLITICAS PUBLICAS EM SAÚDE LEI 8080.pdf
 
Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142Lei 8080 e lei 8142
Lei 8080 e lei 8142
 
Sus lei8080
Sus   lei8080Sus   lei8080
Sus lei8080
 
Lei nº 8.080
Lei nº 8.080Lei nº 8.080
Lei nº 8.080
 
Lei 8080
Lei 8080Lei 8080
Lei 8080
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúdeIntrodução aula gestão dos serviços de saúde
Introdução aula gestão dos serviços de saúde
 
Política de saúde 1
Política de saúde 1Política de saúde 1
Política de saúde 1
 

Mais de Curso Atryo

Ler dort ppt perícia
Ler dort ppt períciaLer dort ppt perícia
Ler dort ppt períciaCurso Atryo
 
2 cuide seus_olhos
2 cuide seus_olhos2 cuide seus_olhos
2 cuide seus_olhosCurso Atryo
 
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃO
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃOPROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃO
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃOCurso Atryo
 
Módulo língua portuguesa 1
Módulo língua portuguesa 1Módulo língua portuguesa 1
Módulo língua portuguesa 1Curso Atryo
 
Powerpoint aula medicos peritos
Powerpoint aula medicos peritosPowerpoint aula medicos peritos
Powerpoint aula medicos peritosCurso Atryo
 

Mais de Curso Atryo (14)

Redacao oficial
Redacao oficialRedacao oficial
Redacao oficial
 
Sus
SusSus
Sus
 
Ler dort ppt perícia
Ler dort ppt períciaLer dort ppt perícia
Ler dort ppt perícia
 
2 cuide seus_olhos
2 cuide seus_olhos2 cuide seus_olhos
2 cuide seus_olhos
 
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃO
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃOPROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃO
PROJETO CURSO ATRYO QUALIFICARE - CURSO DE EXTENSÃO
 
Módulo língua portuguesa 1
Módulo língua portuguesa 1Módulo língua portuguesa 1
Módulo língua portuguesa 1
 
Dilvo ristoff1
Dilvo ristoff1Dilvo ristoff1
Dilvo ristoff1
 
Adriano
AdrianoAdriano
Adriano
 
Powerpoint aula medicos peritos
Powerpoint aula medicos peritosPowerpoint aula medicos peritos
Powerpoint aula medicos peritos
 
5555555555555
55555555555555555555555555
5555555555555
 
Renasts
RenastsRenasts
Renasts
 
Renast
RenastRenast
Renast
 
Epidemiologia 1
Epidemiologia 1Epidemiologia 1
Epidemiologia 1
 
curso atryo
curso atryocurso atryo
curso atryo
 

Último

1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...azulassessoriaacadem3
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...azulassessoriaacadem3
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaCentro Jacques Delors
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...azulassessoriaacadem3
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...azulassessoriaacadem3
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfkeiciany
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...excellenceeducaciona
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Mary Alvarenga
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...azulassessoriaacadem3
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!Psyc company
 

Último (20)

1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
1) Cálculo completo e o resultado da densidade corporal da Carolina. Utilize ...
 
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
Sobre os princípios da teoria burocrática de Max Weber e com base em suas exp...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
2. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, sabend...
 
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda únicaFicha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
Ficha de trabalho | EURO - 25 anos do lançamento da moeda única
 
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
1. Solicitar ao entrevistado uma breve apresentação da organização, mencionan...
 
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
2) Descreva os princípios fundamentais para uma prescrição de exercícios físi...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
ATIVIDADE PROPOSTA: Considerando o "estudo de caso" apresentado na disciplina...
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 7º ANO.pdf
 
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
CASO: Um determinado perito contábil, especialista em pericias trabalhistas e...
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006Acróstico - Maria da Penha    Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
Acróstico - Maria da Penha Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
O Guia Definitivo para Investir em Bitcoin: Domine o Mercado Hoje!
 

Apostila de sus do professor juremir abrunhosa

  • 2. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF-1988 )  Artigos 196 a 200 Saúde = DIREITO • Leis 8.080/90: Regulamenta os serviços de saúde • Lei 8.142/90: Regulamenta a Participação da Comunidade no SUS e Transferências Financeiras • Normas Operacionais Básicas (NOBs): NOBs : 01/91, 01/93, 01/96  MUNICIPALIZAÇÃO • Normas Operacionais de Assistência à Saúde (NOAS): NOAS 01/2001 e 01/2002  REGIONALIZAÇÃO
  • 4. A SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERALA SAÚDE NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL •A influência da VIIIª Conferência Nacional de Saúde SAÚDE = DIREITO do POVO e DEVER DO ESTADO (políticas sociais e econômicas) •A saúde está regulamentada na CF nos Art. 196 a 200 da CF “Art. 196 – A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem a redução do risco de doenças e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”
  • 5. Modelo Substitutivo • Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde • O que é o SUS ?O que é o SUS ? É um SISTEMASISTEMA formado por várias INSTITUIÇÕES dasINSTITUIÇÕES das 3 esferas de governo3 esferas de governo (MUNICIPAL + ESTADUAL + FEDERALMUNICIPAL + ESTADUAL + FEDERAL) e pelo SETOR PRIVADOSETOR PRIVADO, de forma COMPLEMENTARCOMPLEMENTAR . Centros e Postos de Saúde Hospitais (inclusive HUs) Laboratórios Hemocentros Institutos de Pesquisa
  • 6. • Como a CF define o SUS (art. 198)??  Conjunto de ações e serviços de saúde integrantes de uma rede REGIONALIZADA E HIERARQUIZADA  Suas ações e serviços são de relevância pública O Poder Público regulamenta, fiscaliza e controla Hierarquização X Vinculação HierárquicaHierarquização X Vinculação Hierárquica As ações e serviços de Saúde integram um Sistema Único organizado segundo princípios e diretrizes específicos “ Art.198 - As ações e serviços públicos de saúde integram uma rede regionalizada e hierarquizada e constituem um SISTEMA ÚNICO...”
  • 7. Quais são osQuais são os PRINCÍPIOSPRINCÍPIOS do SUS (CF)?do SUS (CF)? Universalidade = ACESSO GARANTIDO A TODOS Integralidade = acesso garantido a todos os níveis de COMPLEXIDADE Eqüidade = reconhecimento e atendimento das DIFERENTES necessidades
  • 8. Quais são as DIRETRIZES do SUS (CF-Art.198) ? I . DESCENTRALIZAÇÃO, com direção única em cada esfera de governo • Esfera Federal - Ministério da Saúde • Esfera Estadual - Secretaria de Estado de Saúde • Esfera Municipal-Secretaria Municipal de Saúde II. Atendimento Integral, com prioridade para as atividades preventivas sem prejuízo dos serviços assistenciais III. Participação da Comunidade • Conselhos e Conferências de Saúde
  • 9. Quem financia o SUS ?Quem financia o SUS ? (CF Art.198 § único)(CF Art.198 § único) • Recursos do Orçamento da seguridade social + • Recurso dos Orçamentos da União, Estados e Municípios + • Outras Fontes *Seguridade Social = SaúdeSaúde + Previdência + Assistência Social* •COFINS •CPMF •Contr. Sobre o Lucro Líq. das Empresas OS CIDADÃOS através dos impostos e contribuições sociais pagos CF1988 -Art 198-”As ações e serviços.... Parágrafo único: O sistema Único de Saúde será financiado...,com recursos do orçamento da seguridade social , da União, dos Estados, do DF e dos Municípios além de outras fontes”
  • 10. Como o setor privado participa do SUSComo o setor privado participa do SUS ((CF 1988CF 1988 Art 199 § 1º)Art 199 § 1º) ?? • de Forma COMPLEMENTAR, por meio de contratos ou convênios seguindo os princípios e diretrizes do SUS. • Quando as unidades públicas de saúde não forem suficientes para garantir o atendimento as pessoas de uma determinada área • PRIORIDADE para as Instituições Filantrópicas e Sem fins lucrativosPRIORIDADE Não é exclusividade ““CF 1988CF 1988 Art 199 § 1º - As instituições privadasArt 199 § 1º - As instituições privadas poderãopoderão participar departicipar de formaforma complementarcomplementar do SUS, segundo asdo SUS, segundo as diretrizes deste,diretrizes deste, mediante contratomediante contrato de direito público oude direito público ou convênioconvênio tendotendo preferênciapreferência as entidadesas entidades filantrópicasfilantrópicas ee asas sem fins lucrativossem fins lucrativos””
  • 11. CF 1988 - Art. 199 “ A assistência à saúde é livre à iniciativa privada... § 2° É vedada a destinação de recursos públicos para auxílios e subvenções às instituições privadas COM fins lucrativos § 3° É vedada a participação direta ou indireta de empresas ou capitais Estrangeiros na assistência à saúde no País salvo nos casos previstos em lei. §4° A lei disporá sobre as condições e os requisitos que facilitem a remoção de órgãos, tecidos e substâncias humanas para fins de transplante, pesquisa e tratamento , bem como coleta, processamento e transfusão de sangue e seus derivados sendo vedado todo tipo de comercialização”
  • 12. Quais as atribuições do SUS (art. 200 CF 1988) ? Controlar e fiscalizar procedimentos, produtos e substâncias de resse para a saúde e participar da produção de medicamentos, ipamentos, imunobiológicos, hemoderivados e outros insumos; II. Executar as ações de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como as de saúde do trabalhador III. Ordenar a formação de recursos humanos na área de saúde IV. Participar da formulação da política e da execução das ações de saneamento básico; Art. 200 CF 1988 “Ao SUS compete , além de outras atribuições, nos termos da lei:
  • 13. V. Incrementar em sua área de atuação o desenvolvimento científico e tecnológico; VI. Fiscalizar e inspecionar alimentos, compreendido o controle de seu teor nutricional, bem como bebidas e águas para consumo humano; VII. Participar do controle e fiscalização da produção, transporte, guarda e utilização de substâncias e produtos psicoativos, tóxicos e radioativos; VIII. Colaborar na proteção do meio ambiente nele compreendido o trabalho
  • 14. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF-1988 )  Artigos 196 a 200 Saúde = DIREITO • Leis 8.080/90: Regulamenta os serviços de saúde • Lei 8.142/90: Regulamenta a Participação da Comunidade no SUS e Transferências Financeiras • Normas Operacionais Básicas (NOBs): NOBs : 01/91, 01/93, 01/96  MUNICIPALIZAÇÃO • Normas Operacionais de Assistência à Saúde (NOAS): NOAS 01/2001 e 01/2002  REGIONALIZAÇÃO
  • 16. Lei 8.080/90Lei 8.080/90 Criada em 19/09/1990, dispõe sobre : • Condições para PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO da saúde • ORGANIZAÇÃO e FUNCIONAMENTO dos serviços de saúde (públicos ou privados) em todo território nacional “Lei 8.08090 Art 1º - Esta Lei regula em todo o território nacional, as ações e os serviços de saúde , executados isolada ou conjuntamente, em caráter permanente ou eventual ,por pessoas naturais ou jurídicas de direito público ou privado”
  • 18. Disposições GeraisDisposições Gerais (Lei 8.8080/90-Art 2º) SAÚDE = DIREITO fundamental do SER HUMANO = DEVER do Estado  SAÚDE = DEVER DO ESTADO Políticas Sociais e Econômicas Redução dos Riscos e Agravos à Saúde Acesso universal e igualitário PROMOÇÃO PROTEÇÃO E RECUPERAÇÃO DE SAÚDE  SAÚDE = dever do Estado , mas NÃO EXCLUI o das pessoas, da Família, das empresas e da sociedade
  • 19. Disposições GeraisDisposições Gerais (Lei 8.8080/90-Art 3º)  Fatores Determinantes e Condicionantes Alimentação; Moradia; Saneamento básico; Meio ambiente; Trabalho; Renda; Educação; Transporte; Lazer; Acesso aos bens e serviços essenciais, entre outros  Níveis de Saúde  expressam a ORGANIZAÇÃO SOCIAL eORGANIZAÇÃO SOCIAL e ECONÔMICA do paísECONÔMICA do país
  • 20. Como a Lei 8080/90 define o SUS ? (Lei Art. 4º) SUSSUS = conjunto de ações e serviços de saúde, prestados por Instituições públicas federais, estaduais e municipais, da Administração direta e indireta, e pelas Fundações Públicas Instituições (F, E, M) – de controle de qualidade, pesquisa, produção de medicamentos, sangue e hemoderivados, equipamentos para a saúde E de forma COMPLEMENTAR pelas instituições privadas.
  • 21. Quais são os OBJETIVOS DO SUS?Quais são os OBJETIVOS DO SUS? Art. 5º - São objetivos do SUS: I. A identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes de saúde; II. A formulação de política de saúde .... III. A assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação de saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. NÃO CONFUNDIR OBJETIVOSNÃO CONFUNDIR OBJETIVOS COM PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS!COM PRINCÍPIOS E DIRETRIZES DO SUS!
  • 22. Campo de atuação do SUS:Campo de atuação do SUS: (Art.6) a execução de ações de: )) de vigilância sanitáriade vigilância sanitária: ações ligadas ao meio ambiente b) de vigilância epidemiológica: ligada aos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva (medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos) c) Saúde do trabalhador: vigilância epidemiológica + vigilância Sanitária atividade do trabalhador
  • 23.  saneamento básico - formulação da política e execução de ações  ordenação da formação de recursos humanos na área de saúde  vigilância nutricional e a orientação alimentar  proteção do meio ambiente, nele compreendido o do trabalho  a formulação da política de medicamentos, equipamentos, imunobiológicos  o controle e a fiscalização de : serviços, produtos e substâncias de interesse para a saúde  a fiscalização e a inspeção de: alimentos, água e bebidas para consumo humano
  • 24.  a participação no controle e na fiscalização de: produtos psicoativos, tóxicos e radioativos (produção, transporte, guarda e utilização)  desenvolvimento científico e tecnológico  formulação e execução da política de sangue e seus derivados
  • 25. Princípios e Diretrizes do SUS segundo a Lei 8.080/90Princípios e Diretrizes do SUS segundo a Lei 8.080/90(Art.7)(Art.7) As ações e serviços de saúde obedecem as diretrizes previstas no art.198 da CF: • DESCENTRALIZAÇÃO (ênfase nos municípios) • ATENDIMENTO INTEGRAL • PARTICIPAÇÃO DA COMUNIDADE Direito a Informação : Sobre a sua saúde Sobre os serviços de saúde Preservação da Autonomia : Integridade física e moral das pessoas Utilização da epidemiologia para planejamento (alocação de recursos) Regionalização e Hierarquização
  • 26. Integração das ações de saúde, meio ambiente e saneamento básico (fatores condicionantes e determinantes de saúde) Resolutividade – todos os níveis de assistência Conjugação dos Recursos financeiros, tecnológicos, humanos das 3 esferas de governo na prestação de assistência à população
  • 27. Organização Direção e Gestão do SUS (segundo a Lei 8080/90- Art. 8 ao 14) • Ações e serviços de saúde serão organizados e executados de forma regionalizada e hierarquizada em níveis de complexidade crescentes • Direção única em cada esfera de governo: Federal  Ministério da Saúde Estadual / DF Secretaria de Estado de saúde ou órgão equivalente Municipal  Secretaria Municipal de Saúde ou órgão equivalente • Possibilidade de : Formação de Consórcios Intermunicipais
  • 28. • Comissões Intersetoriais (Saúde + áreas diferentes da saúde) Atividades : - alimentação e nutrição; - saneamento e meio ambiente; - vigilância sanitária e farmacoepidemiologia; - recursos humanos; - ciência e tecnologia; e - saúde do trabalhador • Comissões Permanentes de Integração (saúde + instituições de ensino profissional e superior) Finalidade: Prioridades, métodos e estratégias para a formação e educação continuada dos RH do SUS
  • 29. Atribuições e Competências do SUSAtribuições e Competências do SUS segundo a Lei 8.080/90segundo a Lei 8.080/90 Art. 15 – atribuições comuns Art. 16 – Competência da Direção Nacional do SUS Art. 17 – Competência da Direção Estadual do SUS Art 18 – Competência da Direção Municipal do SUS Art. 19 – Competência do DF – agrega competências de Estado + Municípios ATRIBUIÇÕES X COMPETÊNCIASATRIBUIÇÕES X COMPETÊNCIAS = algo inerente à... = faculdade concedida para decidir sobre assunto determinados
  • 30. Saúde Indígena (Art. 19-A ao 19-H da lei 8.080/90)  Instituem o subsistema de saúde indígena (descentralizado, regionalizado e hierarquizado)  Financiamento : União mas estados, municípios, organizações governamentais e não governamentais poderão custeá-lo e executar ações de forma complementar  Distritos Sanitários Indígenas – Base do sub-sistema  Participação da Comunidade A comunidade indígena terá direito a participar dos Conselhos e Conferências de saúde
  • 31. Atendimento e Internação DomiciliarAtendimento e Internação Domiciliar (Art.19-I Lei 8.080/90):(Art.19-I Lei 8.080/90):  Estabelece o sub-sistema de atendimento e internação domiciliar do SUS  Atendimento Integral x equipes multidisciplinares Procedimentos : médicos, de enfermagem, fisioterapêuticos, Psicológico, de assistência social, outros necessários ao cuidado integral dos pacientes em seu domicílio.  O atendimento e a internação domiciliares só poderão ser realizados por indicação médica, com expressa concordância dopor indicação médica, com expressa concordância do
  • 32. Serviços Privados de Assistência à Saúde: (Art. 20 ao 26) Iniciativa própria, de profissionais liberais, legalmente habilitados,e de pessoas jurídicas de direito privado na promoção, proteção e recuperação da saúde. • Que são serviços privados ? • Participação de Empresas e Capitais Estrangeiros: É vedada a participação de empresas e capitais estrangeiros na assistência à saúde, salvo através de doações de: Organismos internacionais vinculados à ONU Entidades de cooperação técnica e de financiamentos e empréstimos
  • 33. Participação ComplementarParticipação Complementar (Art. 24 a 26)(Art. 24 a 26) • A Iniciativa Privada poderá participar do SUS? O SUS poderá recorrer à iniciativa privada quando houver indisponibilidade em atender através de suas Instituições , a necessidade assistencial de uma população em uma determinada área.  Contrato ou convênio  Prioridade para as Instituições filantrópicas e sem fins lucrativos  Valores para remuneração desses serviços são fixados pelo Ministério da Saúde (aprovados no CNS)  As entidades privadas contratadas ou conveniadas se comportam dentro dos princípios e diretrizes do SUS.
  • 34.  A gratuidade das ações e serviços de saúde fica preservada nos Serviços privados contratados e conveniados (art.43)  Proprietários, administradores e dirigentes de entidades ou serviços contratados não poderão exercer cargo de chefia ou função de confiança no SUS É necessário que haja autorização do órgão de direção nacional do SUS Empresas e Capitais Estrangeiros na Assistência à saúde (Art 23 ) É vedada a participação direta ou indireta de empresas ou de capitais Estrangeiros salvo...”  através de doações de organismos internacionais vinculados à ONU,  de entidades de cooperação técnica  de entidades de financiamento e empréstimos
  • 35. Recursos Humanos no SUS:Recursos Humanos no SUS: (Art. 27 e 28) A política de RH será formalizada e executada pelas 3 esferas do SUS de forma ARTICULADA Objetivos da política de RH na área de saúde  “ organização de um sistema de formação de recursos humanos em todos os níveis de ensino, inclusive de pós-graduação, além da elaboração de programas de permanente aperfeiçoamento de pessoal” Art 27 Inc.I  “Os serviços públicos que integram o (SUS) constituem campo de prática para ensino e pesquisa, mediante normas específicas, elaboradas conjuntamente com o sistema educacional. (Art 27 Parágrafo Único)  Valorização da dedicação exclusiva aos serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). (Art 27 Inc IV)
  • 36. “As especializações na forma de treinamento em serviço sob supervisão serão regulamentadas por Comissão Nacional, instituída de acordo com o art. 12 desta Lei, garantida a participação das entidades profissionais correspondentes. “Os servidores que legalmente acumulam dois cargos ou empregos poderão exercer suas atividades em mais de um estabelecimento do SUS” (Art.28 §1º) Exceção: ocupantes de cargos ou função de chefia, direção ou assessoramento. (Art.28 § 2º) Observações :
  • 37. Quem financia o SUS ?Quem financia o SUS ? (CF Art.198 § único)(CF Art.198 § único) • Recursos do Orçamento da seguridade social *Seguridade Social = SaúdeSaúde + Previdência + Assistência Social* •COFINS •CPMF •Contr. Sobre o Lucro Líq. das Empresas OS CIDADÃOS através dos impostos e contribuições sociais pagos Lei 8080/90 Art. 31. “O orçamento da seguridade social destinará ao SUS ..... os recursos necessários à realização de suas finalidades, previstos em proposta elaborada pela sua direção nacional, com a participação dos órgãos da Previdência Social e da Assistência Social, tendo em vista as metas e prioridades estabelecidas na Lei de Diretrizes Orçamentárias”
  • 38. Gestão FinanceiraGestão Financeira do SUSdo SUS Orçamento da seguridade Social Assistência Social Previdência Social Saúde Fundo Nacional de saúde Fundo Estadual de Saúde Fundo Municipal de Saúde Orçamento do Estado Orçamento do Município F u n d o a F u n d o C N S C E S C M S
  • 39. Gestão FinanceiraGestão Financeira do SUSdo SUS (Art 33 ao 35) “Os recursos financeiros do SUS serão depositados em conta especial, em cada esfera de sua atuação, e movimentados sob fiscalização dos respectivos Conselhos de Saúde. (Art. 33)
  • 40. Art. 35. Para o estabelecimento de valores a serem transferidos a Estados, Distrito Federal e Municípios, será utilizada a combinação dos seguintes critérios, segundo análise técnica de programas e projetos: I - perfil demográfico da região; II - perfil epidemiológico da população a ser coberta; III - características quantitativas e qualitativas da rede de saúde na área; IV - desempenho técnico, econômico e financeiro no período anterior; V - níveis de participação do setor saúde nos orçamentos estaduais e municipais; VI - previsão do plano qüinqüenal de investimentos da rede; VII - ressarcimento do atendimento a serviços prestados para outras esferas de governo.
  • 41. Planejamento e Orçamento no SUSPlanejamento e Orçamento no SUS (Art.36 a 38):(Art.36 a 38): São ascendentes tendo como base o município Precisam adequar as necessidades aos recursos financeiros disponíveis Necessidades x Recursos Financeiros Plano de saúde em cada esfera O Conselho Nacional de Saúde dita as diretrizes para a elaboração dos Planos de Saúde em cada esfera (características epidemiológicas/organização dos serviços na jurisdição) Subvenções e auxílios á entidades prestadoras de serviço de saúde , com fins lucrativos, NÃO SÃO PERMITIDOS
  • 43. LEI 8.142/90LEI 8.142/90 Criada em 28/12/1990, dispõe sobre :  Participação da comunidade na gestão do SUS  Transferências intergovernamentais de recursos financeiros Conselhos e Conferências de Saúde COMPOSIÇÃO PARITÁRIA 50% USUÁRIOS 50% REPRESENTANTES DO GOVERNO TRABALHADORES DE SAÚDE PRESTADORES DE SAÚDE
  • 44. Conselhos Conferências Composição Paritária Permanentes e deliberativos 4 em 4 anos (convocada pelo poder Executivo) Formulação de estratégias Controle Execução Propõe diretrizes para formulação de políticas de saúde Instâncias Colegiadas do SUSInstâncias Colegiadas do SUS (Art.1º)(Art.1º)
  • 45. Transferência de Recursos Financeiros (Art 3): Os recursos para cobertura de ações e serviços de saúde serão transferidos de forma regular e automática aos Municípios, Estado e DF • Regular e Automática Fundo a Fundo • Condições para receber a transferência Fundo de saúde Conselho de saúde Plano de Saúde Relatórios de gestão (controle) Contrapartida de recursos da saúde no próprio orçamento Comissão de Elaboração de PCCS (plano de carreira cargos e salários)
  • 46. • CONSTITUIÇÃO FEDERAL (CF-1988 )  Artigos 196 a 200 Saúde = DIREITO • Leis 8.080/90: Regulamenta os serviços de saúde • Lei 8.142/90: Regulamenta a Participação da Comunidade no SUS e Transferências Financeiras • Normas Operacionais Básicas (NOBs): NOBs : 01/91, 01/93, 01/96  MUNICIPALIZAÇÃO • Normas Operacionais de Assistência à Saúde (NOAS): NOAS 01/2001 e 01/2002  REGIONALIZAÇÃO
  • 47. São ESTRATÉGICAS e portanto, DINÂMICAS Visam o alcance de METAS pré- determinadas
  • 48. NORMAS OPERACIONAIS BÁSICAS As mais significativas foram : NOB 01/91, 01/93 e 01/96 NOB 01/96 – Estabelece a MUNICIPALIZAÇÃO como estratégia de funcionamento do SUS. Seu principal instrumento de gestão é a PPI (PROGRAMAÇÃO PACTUADA E INTEGRADA  consórcios intermunicipais
  • 49. Qual a finalidade daQual a finalidade da MUNICIPALIZAÇÃO ?MUNICIPALIZAÇÃO ? É a promoção da consolidação do pleno exercício da função de GESTORGESTOR da atenção à Saúde de seus munícipes, por parte do Poder Público MUNICIPALMUNICIPAL e do DF, através da REDEFINIÇÃO das responsabilidadesREDEFINIÇÃO das responsabilidades dos Estados, doEstados, do DF e da UniãoDF e da União (cooperação técnica e financeira ) Os poderes públicos estadual e federal são o sempre responsáveis, na respectiva competência ou na ausência ção municipal (seg CF art. 23 inc. II)
  • 50. Como a NOB 01/96 reordena o MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE ?MODELO DE ATENÇÃO À SAÚDE ? • Redefine o papel de cada esfera de governo reforçando o • conceito de direção única • Redefine os instrumentos gerenciais fortalecendo a gestão dos municípios Redefine os mecanismos e fluxos de financiamento transferências de caráter global, fundo a fundo com base nas PPIs. • Redefine o vínculo de serviços com os usuários privilegiando os Núcleos Familiares e Comunitários  PSF/PACS
  • 51. • Passa a se utilizar de programações com critérios epidemiológicos e desempenho com qualidade; que são avaliadas através de novos de mecanismos de acompanhamento , controle e avaliação . ANTESANTES da NOB 01/96 DEPOISDEPOIS da NOB 01/96 faturamentofaturamento CritériosCritérios EpidemiológicosEpidemiológicos ++ qualidadequalidade
  • 52. Campos de atenção à saúde :Campos de atenção à saúde : 1) Assistência  atividades dirigidas às pessoas (individual ou coletivamente)  espaço ambulatorial / hospitalar /domiciliar Intervenções ambientais  vigilância epidemiológica e sanitár (ambientes de vida e trabalho) 3) Políticas Externas ao setor de saúde que interferem nos determinantes sociais do processo saúde-doença das coletividades  Ex. emprego, habitação, educação, lazer e à disponibilidade e qualidade dos alimentos. Ações deAções de comunicação e de educaçãocomunicação e de educação tambémtambém compõem, obrigatória e permanentementecompõem, obrigatória e permanentemente, aa
  • 53. SISTEMA DE SAÚDE MUNICIPALSISTEMA DE SAÚDE MUNICIPAL SUS MUNICIPALSUS MUNICIPAL ATENDIMENTO INTEGRALATENDIMENTO INTEGRAL InstituiçõesInstituições ESTATAISESTATAIS Instituições PRIVADAS (conveniadas/ contratadas) Ações de PROMOÇÃO PROTEÇÃO e RECUPERAÇÃO de SAÚDE PRIORIZANDOPRIORIZANDO ações de caráter preventivo
  • 54. RELAÇÃO ENTRE OS SISTEMAS MUNICIPAIS ; Para entender as relações entre os sistemas municipais, é necessária a compreensão da diferença entre GESTÃO E GERÊNCIA GESTÃO GERÊNCIA Federal – Ministro da Saúde Direção de um estabelecimento de saúde Ex.Ambulatório, Hospital,Instituto, Fundação etc... Estadual- Secretário de Est. de Saúde Municipal – Secretário Municipal de Saúde PLANEJAMENTO (estratégico) CONTROLE E AVALIAÇÃO EXECUÇÃO (do planejamento estratégico)
  • 55. Articulação do SUS nas diferentes Esferas de GovernoArticulação do SUS nas diferentes Esferas de Governo: • Se dá através dos fóruns de negociação: CIB = Comissão Intergestores Bipartite  Município x Estado CIT = Comissão Intergestores Tripartite  Município x Estado x União Esfera Federal CITCIT CIBCIB Esfera Estadual Esfera Municipa l
  • 56. DIREÇÃO DO SUSDIREÇÃO DO SUS (nas diferentes esferas de governo): • A direção do SUS é composta pelo ÓRGÃO SETORIAL do poder executivo e pelo respectivo CONSELHO DE SAÚDE. GOVERNO + POVO = DIREÇÃO DO SUS Ministério da Saúde CNS NACIONAL Secretaria de Est. de saúde CES ESTADUAL Secretaria Mun. de Saúde CMS MUNICIPAL
  • 57. O que é a PPI ???O que é a PPI ??? PPI = Programação Pactuada e Integrada Entre gestores Entre as instâncias de governo A PPI é um importante instrumento(de gestão) negociado que traduz para todos os níveis de gestão, as responsabilidades, objetivos, metas, referências de atendimento entre os municípios, recursos e tetos orçamentários e financeiros. A PPI traduz a garantia de acesso universal aos serviços de saúde, diretamente ou por referência a outros municípios sempre por intermédio da relação gestor-gestor.
  • 59. NOAS – Norma Operacional de Assistência à SaúdeNOAS – Norma Operacional de Assistência à Saúde NOAS 01/2001NOAS 01/2001 • Amplia as responsabilidades dos municípios na Atenção Básica; • Estabelece o processo de REGIONALIZAÇÃO (como estratégia de hierarquização • Cria mecanismos de fortalecimento da gestão do SUS • Atualiza os critérios de habilitação/desabilitação de Estados e Municípios
  • 60. NOAS 01/2002NOAS 01/2002 Preconiza: • a hierarquização dos serviços de saúde • o planejamento integrado • a garantia de acesso • resolubilidade • racionalização dos recursos Estabelece: • 2 tipos de gestão para habilitação dos municípios: a) GESTÃO PLENA DA ATENÇÃO BÁSICA - AMPLIADA b) GESTÃO PLENA DOS SISTEMA MUNICIPAL EQÜIDADE
  • 61. GPAB – GESTÃO PLENA DA ATENÇÃO BÁSICA - AMPLIADA • O município passa a gerenciar todas as unidades básicas de saúde em seu território e recebe recursos por habitante/ano • São acrescentadas estratégias mínimas como condição para habilitação tais como: Clínica Médica Pediatria Ginecologia Cirurgia geral Serviços de Vigilância sanitária Ações de Epidemiologia (controle da tuberculose, hipertensão, diabetes mellitus, eliminação da Hanseníase, saúde da mulher, da criança e bucal)O município passa a receber de forma regular e automática os recursos destinados a essas estratégias
  • 62. PAB-A = montante financeiro transferido diretamente do fundo nacional de saúde ao fundo municipal de saúde. • Composição do PAB-A = $$$ x nº de habitantes do município MS Dados IBGE PAB-A – PISO DE ASSISTÊNCIA BÁSICA - AMPLIADA
  • 63. Para entender REGIONALIZAÇÃO: Para que os serviços de saúde pudessem ser executados com eficiência e eficácia cada estado se dividirá em partes menores a fim de que o planejamento fique mais preciso e a execução facilitada. Estado Regiões de Saúde Microrregiões Municípios (polo ou sede) Distritos
  • 64. Definindo conceitos para entender o PDRDefinindo conceitos para entender o PDR : a) Região de SaúdeRegião de Saúde = base territorial de planejamento da atenção à saúde, não necessariamente coincidente com a divisão administrativa do estado, a ser definida pela Secretaria Estadual de Saúde, de acordo com as especificidades e estratégias de regionalização da saúde em cada estado, considerando as características demográficas, sócio-econômicas, geográficas, sanitárias, epidemiológicas, oferta de serviços, relações entre municípios, entre outras.
  • 66. b) Módulo Assistencialb) Módulo Assistencial : • módulo territorial com resolubilidade correspondente ao primeiro nível de referência Ex. atividades ambulatoriais de apoio diagnóstico e terapêutico e de internação hospitalar • constituído por um ou mais municípios • Município sede • Município pólo
  • 68. c) Município-sede do módulo assistencialMunicípio-sede do módulo assistencial • a capacidade de ofertar a totalidade dos serviços M1 -, correspondente ao primeiro nível de referência intermunicipal, com suficiência, para sua população e para a população de outros municípios a ele adscritos. Os municípios-sede de módulos assistenciais deverão dispor de leitos hospitalares, no mínimo, para o atendimento básico em: - Clínica médica; - Clínica pediátrica; - Obstetrícia (parto normal). M1
  • 69. d) Município-pólo (Portaria/GM 2023 de 23/09/04) • de acordo com a definição da estratégia de regionalização de cada estado, apresente papel de referência para outros municípios, em qualquer nível de atenção. Ex. Rio de Janeiro
  • 70. Sobre o PDR .... • P = Plano D= Diretor R= (de) Regionalização • Instrumento de Gestão para a REGIONALIZAÇÃO • Realizado com base nas necessidades assistenciais da população e na garantia de acesso dos cidadãos aos serviços em todos os níveis de atenção à saúde. SISTEMAS FUNCIONAIS E RESOLUTIVOSSISTEMAS FUNCIONAIS E RESOLUTIVOS
  • 71. O PDR deverá garantir: a) O acesso dos cidadãos, o mais próximo possível de sua residência, a um conjunto de ações e serviços vinculados às seguintes responsabilidades mínimas: -assistência pré-natal, parto e puerpério; -acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil; -cobertura universal do esquema preconizado pelo PNI para todas as faixas etárias; -ações de promoção da saúde e prevenção de doenças; - tratamento das intercorrências mais comuns na infância; - atendimento de afecções agudas de maior incidência; - acompanhamento de pessoas com doenças crônicas de alta prevalência; - tratamento clínico e cirúrgico de casos de pequenas urgências ambulatoriais;
  • 72. -tratamento dos distúrbios mentais e psicossociais mais freqüentes; -controle das doenças bucais mais comuns; -suprimento/dispensação dos medicamentos da Farmácia Básica
  • 73. b) O acesso de todos os cidadãos aos serviços necessários à resolução de seus problemas de saúde, em qualquer nível de atenção, diretamente ou mediante o estabelecimento de compromissos entre gestores para o atendimento de referências intermunicipais. PPIs e PDR
  • 74. Complexidades x garantias de atendimento • ações mínimas da média complexidade (M1) devem ser garantidas no âmbito dos módulos assistenciais • média complexidade • garantidas no âmbito microrregional, regional ou estadual, de acordo com : o tipo de serviço, a disponibilidade tecnológica, as características do estado, definição no PDR do estado. • Quem organiza? O gestor estadual, com base nas PPIs .
  • 75. Garantia de acessoGarantia de acesso aos Procedimentos de Alta Complexidadeaos Procedimentos de Alta Complexidade: • é de responsabilidade solidária entre o Ministério da Saúde e as Secretarias de Saúde dos estados e do Distrito Federal. Organização dos Serviços de Alta Complexidade nos Municípios: • Os municípios que tiverem em seu território serviços de alta complexidade/custo, quando habilitados em GPSM, deverão desempenhar as funções referentes à organização dos serviços de alta complexidade em seu território ASSEGURAR COMANDO ÚNICO SOBRE OS PRESTADORES
  • 76. Estado Regiões de Saúde Microrregiões de Saúde Módulos Assistenciais Municípios (pólo e sede) Distritos de Saúde M1 - Clínica médica; - Clínica pediátrica; - Obstetrícia (parto normal). Média Complexidade Alta Complexidade
  • 77. Condição de Habilitação dos Municípios: • GESTÃO PLENA DO SISTEMA MUNICIPAL Condição de Habilitação dos Estados: • GESTÃO AVANÇADA DO SISTEMA ESTADUAL; • GESTÃO PLENA DO SISTEMA ESTADUAL