Discipulado Cristão na Carta aos Romanos

3.639 visualizações

Publicada em

Estudo 04 - Discipulado Cristão

Publicada em: Espiritual
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.639
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Discipulado Cristão na Carta aos Romanos

  1. 1. O discipulado cristão Estudo 04 O discipulado cristão na Carta aos Romanos Texto bíblico: Romanos 15 e 16 Texto áureo: “ Pois a vossa obediência é conhecida de todos. Comprazo-me, portanto, em vós; e quero que sejais sábios para o bem, mas simples para o mal”
  2. 2. Introdução (I) Depois de termos visto o discipulado cristão, sob os prismas do que é e significa, suas características e seus exemplos bíblicos nas três primeiras lições, vamos a partir de agora ver o que nos ensinam as cartas às igrejas do NT sobre o discipulado cristão.
  3. 3. Introdução (II) Na ordem neotestamentária vamos tirar de cada epístola os conselhos dos apóstolos sobre o melhor exercício do discipulado. Embora escritos há 20 séculos, eles têm muito de atualidade para nós, os discípulos e para as igrejas de nossos tempos.
  4. 4. Introdução (III) Na ordem, a primeira carta, é uma das mais marcantes neste mister. Paulo está escrevendo para uma igreja que não conhece, mas os seus conselhos são de sublime oportunidade para os crentes que conhece e para os demais que formavam a igreja em Roma.
  5. 5. Introdução (IV) Como em toda carta os versículos finais são de saudação e despedida aos crentes da igreja a que está escrevendo. Isto vai acontecer também aqui aos Romanos, mas o que se lê aqui será de sublime ensino para as igrejas de todos os tempos sobre a convivência discipular.
  6. 6. I – A unidade cristã (Rm 15.1-14) Textos em destaque: 1.A necessidade de renúncia por parte de alguns (1-4); 2.A unanimidade cristã como alvo (5-7); 3.Mesmo em meio a diferenças (13); 4.A responsabilidade assim, deve ser mútua, de todos (14).
  7. 7. II – Recomendações pessoais e diretas (Rm 16.1-15) 1.Para a vivência no lar do discipulado (1-5); 2.Para o conhecimento melhor de cada um dos discípulos, saben- do seus nomes e seus atributos (6-15); 3.As características pessoais devem ser reconhecidas pelo discipulador.
  8. 8. III – Discipulado: cuidados especiais (Rm 16.17-27) 1.Com as influências negativas (17,18); 2. Destaque à qualidade positiva e a sua recompensa (19,20); 3.A interação da cadeia discipular (21-24); 4.A necessidade sempre do momento de louvor com o grupo (25-27)
  9. 9. Conclusões 1.Como discípulo você soma ou divide? 2.Você se acha capaz para o exercício que 15.14 nos exorta? 3.E quanto a 16.19 você se inclui ali? 4.Dentre os perfis de Febe, Priscila e Áquila, Maria, Urbano, Apeles, em qual deles você melhor se enquadra?

×