1
Lesões Músculo-Esqueléticas (LMERT) Relacionadas com
o Trabalho de Manutenção de Aeronaves
Musculoskeletal Disorders (MS...
2
1. Enquadramento
O sistema músculo-esquelético, sob o controlo do sistema nervoso, é
responsável pelos movimentos e pela...
3
o Posições desadequadas que podem decorrer do equipamento
mal desenhado, das ferramentas ou do Posto de Trabalho.
 De c...
4
Tabela 2 – Factores de Risco e respectivas consequências
Baseado no Decreto Regulamentar Nº76/2007
Não existe, até ao mo...
5
5%, uma percentagem estimada de 50% e um nível de confiança de 95%, a
amostra teria de ser de 239. Para uma amostra igua...
6
Relativamente às patologias existentes, 85% dos indivíduos responderam
que não estão a receber qualquer tipo de reabilit...
7
coxas. Em contrapartida, a zona lombar é a zona em que mais os
mecânicos de aeronaves referem ter dores intensas/muito i...
8
zona do corpo com mais lesões. Os comportamentos posturais que são
apontados pelos Mecânicos de Aeronaves como estando m...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo completo musculo esqueléticas

181 visualizações

Publicada em

Abstract
The musculoskeletal system, acting under the supervision of the nervous system, is responsible for movements and by the support of body postures and also the protection of organs and tissues that are very sensitive.

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
181
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo completo musculo esqueléticas

  1. 1. 1 Lesões Músculo-Esqueléticas (LMERT) Relacionadas com o Trabalho de Manutenção de Aeronaves Musculoskeletal Disorders (MSD) related to Aircraft Maintenance Oliveira Pinto, José1 ; Corticeiro Neves, Miguel2 Resumo O sistema musculosquelético, actuando sob o controlo do sistema nervoso, é responsável pelos movimentos e pela sustentação das posturas do corpo e também pela protecção de órgãos e tecidos muito sensíveis. As modernas aeronaves, independentemente do seu tipo, capazes de atingir elevadíssimos desempenhos, fruto das missões que executam, estão sujeitas a uma manutenção com níveis elevadíssimos de exigência electrónica, mecânica e estrutural. Por esse facto, têm necessidade de uma maior e mais rigorosa intervenção técnica, obrigando a um trabalho exigente do ponto de vista físico e psíquico. A manutenção de aeronaves compreende um conjunto de tarefas e procedimentos que podem potenciar a exposição a diversos factores de risco durante a actividade profissional e que, em contexto ocupacional, poderá levar ao aparecimento de LMERT. Pretende-se, com a realização deste trabalho, responder à pergunta principal que está na base do mesmo: “As actividades de Manutenção de Aeronaves contribuem para o aparecimento de LMERT nos Mecânicos de Aeronaves?” Palavras-Chave: LMERT; Ergonomia na Manutenção; Manutenção de Aeronaves. Abstract The musculoskeletal system, acting under the supervision of the nervous system, is responsible for movements and by the support of body postures and also the protection of organs and tissues that are very sensitive. The modern aircraft, regardless of its type, able to achieve very high performances, fruit of the tasks running, are subject to a very high level maintenance of electronic, mechanical and structural requirement. So, they need greater and more rigorous technical intervention, forcing the demanding work of the physical and psychological point of view. The aircraft maintenance has a set of tasks and procedures that can increase the exposure to risk factors in the occupational context, and it could lead to the development of MSD. It is intended, with the completion of this work, answer the main question that is at the base of it: "Does Aircraft Maintenance activities contribute to the development of MSD in aircraft Mechanics?" Keywords: MSD; Ergonomics in Maintenance; Aircraft Maintenance. 1 Sargento-Ajudante na FAP, Chefe do gabinete de Prevenção de Acidentes da Estação de Radar nº 3 (Montejunto); joseluispinto25@hotmail.com 2 Oficial Superior, Director da Área de Comunicação e Informação da Academia da FAP; Coordenador do Curso de EST no ISLA Leiria; mcneves@emfa.pt; miguel.neves@unisla.pt
  2. 2. 2 1. Enquadramento O sistema músculo-esquelético, sob o controlo do sistema nervoso, é responsável pelos movimentos e pela sustentação das posturas do corpo e também pela protecção de órgãos e tecidos muito sensíveis. Segundo Rio e Pires (2001, p.15),entende-se por sistemas músculo- esquelético o conjunto de músculos, tendões, ossos e membranas (fáscias). Os nervos e os vasos sanguíneos periféricos, associados a estas estruturas, também estão incluídos nesse sistema, cuja função básica principal é a movimentação do corpo. Actualmente, as Lesões Músculo-Esqueléticas Relacionadas com o Trabalho (LMERT) são consideradas doenças profissionais, cuja etiopatogenia está frequentemente associada à exposição do trabalhador a um conjunto de factores relacionados com a actividade profissional, sendo aqui estudada esta matéria em mecânicos de aeronaves. As LMERT, nos últimos anos, têm merecido especial atenção por parte da Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, tendo sido, em 2010, consideradas por esta Agência uma doença emergente. As LMERT são um conjunto amplo e diversificado de patologias, que se sobrepõem, na sua maioria, às doenças reumáticas, mas que diferem destas por incluírem algumas situações de lesões osteo-articulares e das bolsas sinoviais e por apresentarem, na sua origem, factores de risco de natureza ocupacional. De acordo com o Guia de Orientação para a Prevenção, (DGS 2008), podem ser consideradas LMERT as indicadas na tabela 1: Tabela 1 – Classificação das LMERT por zona corporal De acordo com o Atlas da Saúde, há diversos factores de risco que poderão estar na origem do surgimento das LMERT e que poderão ter variadas causas:  De causa ergonómica: o Movimentos repetitivos que requerem aplicação de força; o Choque mecânico; o Força de preensão carga palmar; o Carga externa e muscular estática; o Stress; o Vibrações e temperaturas extremas
  3. 3. 3 o Posições desadequadas que podem decorrer do equipamento mal desenhado, das ferramentas ou do Posto de Trabalho.  De causa organizacional: o Horas e Ritmo de Trabalho; o Trabalho com ritmo externo imposto – por exemplo: linhas de montagem; o Pausas e descanso insuficientes; o Insegurança ou insatisfação laboral;  De risco individual: o Tabagismo; o Ingestão de bebidas alcoólicas em excesso; o Obesidade. Uma outra forma de classificar os factores de risco é a referida, numa adaptação de Serranheira, Uva & Lopes (2004), podendo os mesmos ser agrupados de acordo com a actividade, de carácter individual ou organizacionais e Psicossociais:  Actividade o Aplicação de forças; o Levantamento e transporte; o Choques e impactos; o Repetibilidade (gestos e/ou movimentos); o Postura estática ou repetida no limite articular de conforto; o Contacto com ferramentas vibratórias; o Temperatura extrema – frio.  Individuais: o Idade; o Sexo; o Peso; o Características antropométricas; o Situação da saúde; o Patologias (Diabetes, obesidade, …) o Hábitos de vida não saudáveis (tabagismo, alcoolismo, …).  Organizacionais e Psicossociais o Ritmo intenso de trabalho; o Diminuta latitude decisional, monotonia das actividades, ausência do controlo; o Pressão temporal; ausência de pausas o Estilo de chefia; relacionamento com os colegas; clima organizacional; o Avaliação do desempenho; o Exigências de produtividade; o Trabalho por objectivos;insatisfação profissional. Ainda relativamente aos factores de risco das LMERT, é possível obter uma outra classificação, com base no Decreto Regulamentar 76/2007, conforme a tabela 2.
  4. 4. 4 Tabela 2 – Factores de Risco e respectivas consequências Baseado no Decreto Regulamentar Nº76/2007 Não existe, até ao momento, qualquer outro estudo no mesmo âmbito, na Força Aérea Portuguesa (FAP). Assim, com este estudo, pretende-se identificar o contributo das actividades na Área da Manutenção na prevalência de lesões músculo-esqueléticas em mecânicos de aeronaves. Pretende-se assim, analisar a actividade real do trabalho dos mecânicos de aeronaves, nas várias tarefas desenvolvidas ao longo da jornada de trabalho, possibilitando desta forma, compreender a exposição aos diferentes tipos de factores de risco enunciados anteriormente e verificar a existência de uma relação causa-efeito entre as actividades de manutenção e as LMERT. 2. Metodologia A população em estudo é composta pelos Mecânicos de três especialidades que trabalham na Manutenção das Aeronaves da FAP. As especialidades são: Mecânicos de Material Aéreo (MMA), Mecânicos de Armamento e Equipamento (MARME) e Mecânicos de Electricidade e Instrumentos de Avião (MELIAV). Foi elaborado um questionário com base em outro já validado e utilizado, que é uma adaptação do trabalho de Carrolo (2011), com as alterações consideradas adequadas para o tipo de actividade em análise. O questionário. Foi disponibilizado online, tendo sido solicitado, via telefone e mensagem de correio interno, aos responsáveis da Manutenção das diferentes aeronaves que divulgassem o questionário pelos seus mecânicos e apelassem ao seu preenchimento. Complementarmente, foram contactados pessoalmente alguns mecânicos da Manutenção e foi divulgada uma hiperligação para o questionário, elaborado através da ferramenta online Google Drive, com recurso à Intranet da FAP. Foi ainda enviada, através de correio interno da FAP, uma mensagem a todos os utilizadores registados, tendo sido também abordados pessoalmente alguns elementos das diversas Unidades da FAP, para prestar os esclarecimentos necessários e solicitar o preenchimento do questionário. 3. Resultados e Discussão A população-alvo deste estudo é constituída por 613 indivíduos, conforme descrito na tabela 3. Para esta população, e com uma margem de erro de Código Factor de Risco Doenças ou outras manifestações 44.01 Vibrações Mecânicas (Membros Superiores Doença de Kienböck 44.02 Vibrações Mecânicas de baixa e média frequência (corpo inteiro) Raquialgia por Hérnia Discal (L2 a S1) 45.01 Pressões sobre as bolsas sinoviais devido à posição ou atitude de trabalho Bursite olecraniana ou acromial 45.02 Sobrecarga sobre as bainhas tendinosas, tecidos peritendinosos, inserções tendinosas ou musculares, devido ao ritmo dos movimentos, a força aplicada e à posição ou atitude de trabalho Tendinite, Tenossinovite, Epicondilite, Epitrocleite e Lombalgia 45.03 Pressões sobre os nervos ou plexos nervosos devido à força aplicada, posição, ritmamos, atitude de trabalho ou a utilização de utensílios ou ferramentas Síndrome do túnel Cárpico, Síndrome do canal de Guyon e Síndrome do canal radial
  5. 5. 5 5%, uma percentagem estimada de 50% e um nível de confiança de 95%, a amostra teria de ser de 239. Para uma amostra igual a 120, a margem de erro é de 8%, a percentagem estimada igualmente de 50% e o nível de confiança de 92%. Tabela 3 - População em Estudo Unidade MMA MARME MELIAV Total BA1 36 5 12 53 BA4 8 7 4 19 BA5 129 27 56 212 BA6 116 17 54 187 BA11 81 30 31 142 Total 370 86 157 613 Das 120 respostas obtidas, 115 são respondidas por elementos do sexo masculino e 5 do sexo feminino. Pela análise dos questionários, obtém-se também que a maior fatia (64%) de indivíduos tem mais de 15 anos de trabalho em manutenção de aeronaves. Em termos de prevalência de lesões musculo-esqueléticas, verifica-se a distribuição indicada na tabela 4. 57% dos inquiridos refere não sofrer de nenhuma patologia. Nestes 57% estão incluídas duas respostas (3%) que indicaram sofrer de Diabetes e cinco respostas (6%) que indicaram sofrer de Hipertensão. Tabela 4 – Patologias Patologia % Artrose 5% Hérnia Discal 21% Síndroma do Túnel do Cárpico 3% Tendinite 13% Outra 14% Após análise das respostas, verifica-se que 40% dos indivíduos que responderam ao inquérito apresentam obesidade, tendo sido apresentada por três elementos obesidade excessiva. Os restantes 60%, apresentam o peso ideal para a estatura Constata-se também que 15% efectuam o trabalho em turnos rotativos e os restantes em trabalho fixo. Quanto ao membro superior predominante, apenas 3% indicam ser o esquerdo, tendo 7% indicado a utilização de ambos os membros. Constata-se que 57% dos indivíduos já executam tarefas de manutenção em aeronaves há mais de 15 anos e só 16% indicam menos de 5 anos em acções de manutenção. Constata-se que 45% dos inquiridos indicam não praticar qualquer actividade desportiva, 78% referem não ter hábitos de consumo tabágico, 37% não consomem bebidas alcoólicas e 43% indicam consumo ocasional. Quanto ao consumo de café, 71% consomem regularmente, 21% não consomem e 8% indicam que o fazem ocasionalmente.
  6. 6. 6 Relativamente às patologias existentes, 85% dos indivíduos responderam que não estão a receber qualquer tipo de reabilitação, tendo respondido 8% ser alvo de Fisioterapia e 7% outros métodos de reabilitação. Da análise dos resultados dos questionários pode-se ainda concluir que 66% dos inquiridos indicam que no último ano não consultaram o médico para apresentar queixas patológicas. Relativamente à frequência dos sintomas, 32% dos indivíduos referem ter dores uma vez por semana, 41% indicam queixas dolorosas duas a três vezes semanais, 14% entre quatro a seis vezes e 14% mais de seis vezes, 31% indicam 1 vez e os restantes não indicam situações dolorosas. As tabelas 5 e 6 contemplam os resultados, em termos de zonas do corpo, conjugando-as com a frequência e a intensidade. Tabela 5 – Prevalência das LMERT – Intensidade por zona corporal Intensidade 1 – Ligeiro 2 – Moderado 3 - Intenso 4 – Muito Intenso Pescoço 42% 35% 6% 2% Zona Dorsal 42% 25% 13% 1% Zona Lombar 25% 31% 20% 3% Ombros 42% 13% 7% 2% Cotovelos 42% 9% 3% 1% Punhos/Mãos 37% 16% 3% 2% Coxas 41% 5% 3% 1% Joelhos 41% 18% 8% 0% Tornozelos/Pés 38% 10% 4% 1% Tabela 6 – Prevalência das LMERT – Frequência por zona corporal Frequência 1 – Uma vez 2 – Duas ou três vezes 3 – Quatro a seis vezes 4 – Mais de seis vezes Pescoço 34% 33% 7% 2% Zona Dorsal 38% 21% 17% 4% Zona Lombar 27% 31% 17% 5% Ombros 38% 16% 8% 3% Cotovelos 38% 12% 3% 31% Punhos/Mãos 37% 33% 3% 13% Coxas 39% 7% 1% 3% Joelhos 37% 18% 4% 5% Tornozelos/Pés 35% 15% 3% 1% Das tabelas 5 e 6, pode-se constatar que as dores de menor intensidade se verificam nas zonas das coxas (79%). Em termos de dores moderadas, o pescoço surge como a zona com maior percentagem (40%). Relativamente a dores intensas, a zona lombar surge à frente com 25%. Finalmente, quanto a dores muito intensas, é também a zona lombar que apresenta uma maior prevalência, com um valor de 7%. No que diz respeito à frequência com que são sentidas as dores, por semana, o maior valor para a menor frequência é atribuído à zona das coxas (74%). Para frequências de duas a três vezes, o pescoço aparece com a maior percentagem (51%). No que diz respeito a frequências de quatro a seis vezes, é a zona lombar que apresenta maior valor (23%). Finamente, para a frequência mais elevada, mais de seis vezes, os joelhos apresentam a percentagem mais elevada (15%). Analisando a intensidade e a frequência conjuntamente, verifica-se que os mecânicos apresentam dores ligeiras e pouco persistentes na zona das
  7. 7. 7 coxas. Em contrapartida, a zona lombar é a zona em que mais os mecânicos de aeronaves referem ter dores intensas/muito intensas e com uma frequência elevada. Tendo em conta que a patologia Hérnia Discal é a que foi mais reportada pelos inquiridos, percebe-se porque é que a frequência e a intensidade das dores aparecem na zona lombar. A este aspecto há que juntar o facto de 40% dos respondentes apresentarem obesidade, o que leva a uma sobrecarga da zona lombar, ao mesmo tempo que os músculos que a envolvem se tornam mais fracos, potenciando o surgimento de lesões nesta zona. Importa também ter em conta que a prática desportiva não é a que seria desejável, pois 45% dos inquiridos afirma não praticar desporto regularmente. Apenas 14% pratica desporto quatro ou mais vezes por semana 27% fazem-no três vezes, 29% duas vezes e 30% apenas uma vez por semana. Uma vez que a prática desportiva efectuada de forma correcta ajuda o fortalecimento dos músculos e à prevenção de lesões, é possível verificar que a falta de regularidade nesta prática e a elevada incidência de LMERT poderão estar relacionadas. Facto corroborado com a obesidade apresentada por uma fatia elevada dos Mecânicos de Aeronaves. É ainda possível verificar que as LMERT mais comuns surgem em Mecânicos com mais tempo de trabalho em tarefas de Manutenção de Aeronaves. A tabela 7 apresenta uma relação entre os diversos comportamentos posturais que os Mecânicos adoptam nas suas tarefas e as lesões que surgem. Resulta da conjugação dos gráficos apresentados nas várias questões que fazem parte do questionário aplicado. Tabela 7 – Sintomatologia e Comportamentos Posturais Sintomatologia vs Comportamentos Posturais Sem relação com os sintomas Pouca relação com os sintomas Muita relação com os sintomas Totalmente relacionado com os sintomas Trabalho sentado 55% 18% 18% 9% Trabalho de pé 19% 26% 39% 16% Braços acima da altura dos ombros 38% 18% 30% 13% Inclinar o tronco 16% 14% 46% 19% Rodar o tronco 29% 21% 31% 22% Repetitividade dos movimentos dos braços 31% 28% 27% 15% Repetitividade dos movimentos das mãos 41% 16% 28% 16% Precisão nos movimentos com os dedos 41% 23% 18% 18% Manipular cargas menores que 4kg 41% 27% 23% 10% Manipular cargas entre 4 e 10kg 29% 23% 23% 25% Movimentar cargas entre 10 e 20kg 28% 18% 24% 29% Movimentar cargas superiores a 20kg 37% 11% 18% 35% Pela análise dos resultados expressos na tabela 7,é possível verificar que a Movimentação Manual de Cargas é considerada pelos Mecânicos de Aeronaves como sendo uma das causas relacionadas com as lesões que apresentam. Importa referir que a inclinação do tronco aparece em 1º lugar, o que vai ao encontro do anteriormente referido, relativamente à
  8. 8. 8 zona do corpo com mais lesões. Os comportamentos posturais que são apontados pelos Mecânicos de Aeronaves como estando muito relacionados com as lesões de que padecem são a inclinação do tronco, o trabalho de pé, a elevação dos braços acima dos ombros e a repetibilidade dos movimentos dos braços. 4. Conclusões As Hérnias Discais e as Tendinites são as queixas, em termos de LMERT, que se podem associar às actividades dos Mecânicos de aeronaves, devido à necessidade de posturas exigentes em algumas tarefas e à movimentação manual de cargas ou esforço excessivo. Nota-se alguma obesidade nos indivíduos, sendo esta também, possivelmente, uma das causas, associada à pouca frequência da prática desportiva, para o surgimento de Hérnias Discais. A realização de trabalhos de manutenção em aeronaves no decorrer dos anos pode ser também um factor potenciador do surgimento de LMERT, pois os Mecânicos com mais tempo de serviço apresentam uma maior incidência dos sintomas. Não se encontrou uma relação significativa entre factores como a Diabetes, a Hipertensão, hábitos tabágicos ou de consumo de álcool e o surgimento de LMERT. Os resultados agora apresentados, tendo em conta a margem de erro e a fiabilidade da amostra utilizada, poderão sofrer alterações numa amostra mais representativa, pelo que será importante reunir brevemente o número de respostas que permitam aumentar o rigor dos resultados. Este estudo deverá ter continuidade, na medida em que podem ser retiradas outras conclusões mais detalhadas, de uma amostra de maior dimensão, considerando variáveis como a zona do País e os tempos de pausa entre tarefas. 5. Bibliografia Carrolo, A. (2011). Lesões Músculo-esqueléticas Ligadas ao Trabalho (LMELT) nos Cantoneiros de Limpeza/Recolha de Resíduos Urbanos, Mestrado em Segurança e Higiene no Trabalho, Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Lisboa. Rio,R.P., Pires,L. (2001). Ergonomia, Fundamentos da Prática Ergonómica. 3.ed. São Paulo. Serranheira, F., Uva, A., Lopes, F. (2004). Lesões músculo-esqueléticas e trabalho, uma associação muito frequente. Jornal das Ciências Médicas, Tomo CLXVIII,p.59-78. Direcção Geral de Saúde. (2008). Lesões músculo-esqueléticas Relacionadas com o Trabalho. Guia de Orientação para a Prevenção. Programa Nacional contra as Doenças Reumáticas. Ed. Ministério da Saúde. Direcção Geral de Saúde p.1-30. Diário da República, 1ª Série, Nº136 de 17 de Julho de 2007, Decreto Regulamentar 76/2007 do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social.

×