A relatividade e a psicanálise - o impacto

2.444 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.444
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
252
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A relatividade e a psicanálise - o impacto

  1. 1. 4 de Dezembro de 2009 Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise” <ul><li>Trabalho realizado por: </li></ul><ul><li>Joana de Oliveira, nº 7 – 12º6ª </li></ul>
  2. 2. <ul><li>A Teoria da Relatividade </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  3. 3. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  4. 4. <ul><li>A Teoria da Relatividade Geral, por Einstein </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  5. 5. <ul><li>Afirma que o espaço-tempo tem uma estrutura quadridimensional. </li></ul><ul><li>A curvatura é determinada pela presença de matéria. </li></ul><ul><li>A gravitação manifesta-se enquanto curvatura do espaço-tempo e não como uma força entre duas massas </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise” O que defende?
  6. 6. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  7. 8. <ul><li>Origem da Teoria: duas situações-problema </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  8. 9. <ul><li>Postulados </li></ul>
  9. 10. <ul><li>Disfunção dos raios luminosos pela gravidade </li></ul><ul><li>Um raio luminoso, que sofresse a acção da gravidade, seria deflectido </li></ul><ul><li>Previsão feita pelo Princípio de Equivalência </li></ul>A distinção entre um compartimento acelerado e um compartimento com velocidade nula ou constante é impossível
  10. 11. <ul><li>Massa e energia </li></ul><ul><li>Aspecto mais conhecido na Teoria da Relatividade </li></ul><ul><li>Equação E=MXC2 Pode ser usada para calcular a energia potencial armazenada no núcleo dos átomos </li></ul>
  11. 12. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  12. 13. <ul><li>Matéria e radiação </li></ul><ul><li>Séc. XX : os físicos concluem que para cada partícula existe uma anti-partícula </li></ul><ul><li>Quando se encontram, transformam-se em radiação </li></ul>
  13. 14. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  14. 15. <ul><li>Filosofia e a Teoria da Relatividade </li></ul><ul><li>Positivismo: Concepção que vigorava na Idade Moderna, representada por August Comte. Afirmava que o conhecimento científico tinha três fases: a abstracção, o uso rudimentar da ciência e o “Estado Positivo” </li></ul><ul><li>Relativismo: Abordagem científico-filosófica que admite a impossibilidade do conhecimento absoluto e defende que o conhecimento varia segundo o tempo, o meio e o sujeito que conhece. </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  15. 16. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  16. 17. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  17. 18. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  18. 19. <ul><li>A Teoria da Relatividade e a Cultura </li></ul><ul><li>Cubismo: vanguarda cultural contemporânea do expressionismo, que surge em Paris, no ano de 1908. </li></ul><ul><li>Movimento cubista: </li></ul><ul><li>Fase cézaniana </li></ul><ul><li>Fase analítica </li></ul><ul><li>Cubismo sintético </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  19. 20. <ul><li>Cubismo analítico: </li></ul><ul><li>Decomposição dos motivos em planos – articulação de pequenos sólidos geométricos </li></ul><ul><li>Eliminação dos acessórios e monocromatismo em azuis, cinzentos e castanhos </li></ul><ul><li>Separação figurativa dos objectos e a sua realidade natural </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise ”
  20. 21. <ul><li>Quadro As Meninas de Avinhão de Picasso </li></ul><ul><li>As “meninas” são mostradas em todos os seus ângulos e em diferentes tempos (o objecto figurado é destruído) </li></ul>A interpretação (a verdade) depende do tempo, do meio e do sujeito que a faz. INTERPRETAÇÕES SUBJECTIVAS E RELATIVAS Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  21. 22. <ul><li>A Teoria da Psicanálise </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  22. 23. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  23. 24. <ul><li>Teoria da Psicanálise, por Freud </li></ul><ul><li>Tem origem no tratamento da histeria: a CURA PELA PALAVRA , por Breuer </li></ul>Associação de palavras que leva a recordações reprimidas e liberta os pacientes dos sintomas Levou à HIPNOSE , por Freud Exploração do inconsciente, estado parecido do sono parcial, induzido por palavras/actos, alterações no estado de consciência, memória, controlo psicomotor Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  24. 25. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  25. 26. <ul><li>Primeira Tópica </li></ul><ul><li>INCONSCIENTE </li></ul><ul><li>PRÉ-CONSCIENTE </li></ul><ul><li>CONSCIENTE </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  26. 27. <ul><li>Segunda Tópica </li></ul>ID EGO SUPER-EGO Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  27. 28. Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  28. 29. <ul><li>Pulsão: </li></ul><ul><li>Subjacente à estrutura do aparelho psíquico </li></ul><ul><li>Freud dá uma especial importância às pulsões sexuais e agressivas </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  29. 30. <ul><li>Conflito intra-psíquico </li></ul><ul><li>Entre o Id e o Superego, ou seja, entre os dois extremos do aparelho intra-psíquico </li></ul><ul><li>Acontece quando o Superego é pressionado em demasia </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise ”
  30. 31. <ul><li>Metateoria organicista </li></ul><ul><li>Desenvolvimento descontínuo, dá-se por fases </li></ul><ul><li>O sujeito tem uma função substancialmente activa, porque são as suas carências orgânicas que o fazem dirigir para a acção </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise ”
  31. 32. <ul><li>A Teoria do Desenvolvimento Psicossexual </li></ul><ul><li>Freud considerava que até um recém-nascido tinha pulsões sexuais. </li></ul><ul><li>As pulsões sexuais eram as carências orgânicas que o direccionavam para a acção </li></ul><ul><li>Tinha cinco estádios: oral, anal, fálico, latente, genital </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise ”
  32. 33. <ul><li>Críticas à Psicanálise </li></ul><ul><li>Método de recolha de dados </li></ul><ul><li>Limitações do método </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise ”
  33. 34. <ul><li>A Teoria da Psicanálise e a Cultura </li></ul><ul><li>Surrealismo: </li></ul><ul><li>Estreita ligação ao pensamento freudiano </li></ul><ul><li>Expressão do inconsciente, do sonho, do desejo </li></ul>
  34. 35. <ul><li>Conclusão – A Crise de Valores </li></ul><ul><li>A Teoria da Relatividade destruiu as mais sólidas bases da Física, ao negar o absolutismo do espaço e do tempo. “2+2=4” deixou de ser uma verdade inquestionável. </li></ul><ul><li>A Psicanálise veio dizer ao mundo que o ser humano não era de perto tão racional como se pensava e que até um recém-nascido já tinha pulsões sexuais. </li></ul><ul><li>Foram duas revoluções extraordinárias na ciência, na cultura e na sociedade. </li></ul>Escola Secundária José Gomes Ferreira História A -12º - 2009/2010 “ O Relativismo e a Psicanálise”
  35. 36. <ul><li>Bibliografia: </li></ul><ul><li>www.resistir.info/rui/einstein.html </li></ul><ul><li>www.cosmo.fis.fc.ul.pt/~crawford/artigos/Albert%20Einstein16.pdf </li></ul><ul><li>www.mysree.wordpress.com/2007/10/05/10-things-i-bet-you-didnt-know-about-einstein </li></ul><ul><li>www.netprof.pt/netprof/servlet/getDocumento?id-versão=1577 </li></ul><ul><li>http://pt.shvoong.com/humanities/1692956-comte-positivismo/ </li></ul><ul><li>www.youtube.com/wacth?v=njTOAZrphko&feature=related </li></ul><ul><li>www.youtube.com/wacth?v=wRUUBH2oKxQ </li></ul><ul><li>www.youtube.com/wacth?v=Uiao6tt8dxQ </li></ul><ul><li>http://ginasiomental.com/artigos/relatividade.pdf </li></ul><ul><li>www.atomico.no.sapo.pt/08_11.html </li></ul><ul><li>http://teoria-net.blogspot.com/2009/10/objeto-luminaria-buscou-se-trabalhar.html </li></ul><ul><li>  </li></ul>

×