SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
D.S.T. APRESENTA JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA
FORMA DE CONTÁGIO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
NÃO CORRE RISCO DE CONTÁGIO ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
D.S.T. CANCRO MOLE CANDIDÍASE CANDILOMA GONORRÉIA GRANULOMA TRICOMUNÍASE HERPES  LINFOGRANULOMA SÍFILIS AIDS José Antônio Pereira - Químico
CANCRO MOLE Agente: bactéria  Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral  Ocorrência: 01 mulher para cada 20 homens .  Sintomas de 02 a 05 dias após o contágio acompanhado de  dor de cabeça, febre e prostração.pequenas e dolorosas feridas, úlceras, nos  genitais externos .  As úlceras podem ser únicas ou múltiplas   José Antônio Pereira - Químico
Vista superior de úlcera no pênis. As lesões apresentam fundo de aspecto "sujo", a parte central purulenta, amarelada, e as bordas nítidas e irregulares   Úlcerações na vulva.   José Antônio Pereira - Químico
CANDIDÍASE Agente:  Candida albicans  (Microbiota – FUNGO) Infecção da vulva e vagina por fungo da mucosa vaginal que se desenvolve ao encontrar o meio favorável. O contato sexual não é a principal forma de transmissão da candidíase. Considerada um tipo de micose, é decorrência da baixa de resistência do organismo, por estresse ou uso de medicamentos como antibióticos , corticóides e contraceptivos orais de altas dosagens. Pode aparecer também em conseqüência da falta de higiene local ou uso de roupas apertadas que abafam a região genital aumentando a umidade local. É comum afetar as mulheres que freqüentam a praia no verão e ficam muitas horas com o  biquíni molhado .  Transmissão: contato sexual, água  contaminada e  objetos contaminados. Sintomas:  corrimento branco, irritação e coceira  José Antônio Pereira - Químico
Eritema e placas grumosas brancas na glande e no prepúcio, em parceiro de uma paciente com candidíase vulvovaginal. Fatores ligados à higiene pessoal influenciam casos como este, principalmente em homens de prepúcio redundante. Secreção branca e grumosa  aderentes às paredes da vagina com candidíase .
CANDILOMA – “VERRUGAS” Agente: Papiloma Vírus Humano (HPV)  Transmissão: via sexual.  Manifestação clássica: Pele dolorosa, pequenas verrugas rugosas  nas zonas genitais, anais ou garganta. Mulheres: na vulva, períneo, vagina e colo do útero, havendo quase sempre, concomitância de corrimento vaginal.  Homens: na glande, prepúcio e a bolsa testicular José Antônio Pereira - Químico
 
GONORRÉIA Agente: bactéria  Neisseria Gonorrhoeae   Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral.         Sintomas: diferem na mulher  e  no homem, que apresenta  quadro infeccioso mais aparente, caracterizado pela uretrite, que produz secreção purulenta amarelo-esverdeada, pela manhã, provocando odor e ardor ao urinar. Quando não tratada pode acometer próstata, vesículas seminais, epidídimos, pele, articulações, endocárdio, fígado, meninges. José Antônio Pereira - Químico
Secreção purulenta na vulva Gonorréia complicada: edema no testículo, bolsa escrotal com volume aumentado .
GRANULOMA – “CARNE ESPONJOSA”   Agente:  bactéria  Callymatobacterium granulomatis . Sintomas:  lesão inicial  indolor, na forma de vesículas endurecidas na pele dos órgãos genitais, as quais se rompem formando uma única úlcera, que aumenta causando destruição dos tecidos. Os casos não tratados, podem evoluir causando sérias complicações como ulceração estreitamento da uretra, vagina ou ânus. José Antônio Pereira - Químico
 
TRICOMONÍASE Agente Parasita  Trichomonas vaginalis  (Protozoário Unicelular)  Transmissão: relações sexuais ou por ambientes contaminados como banheiros e piscinas.    Nas mulheres, os sintomas são coceira intensa na vagina, corrimento amarelado de odor desagradável e ardor ao urinar.    O processo inflamatório intenso na vagina e no colo do útero pode facilitar a penetração do HIV no organismo.  Nos homens , g eralmente, os sintomas podem ficar ocultos durante semanas ou aparecer na forma de pequena irritação no pênis e ardor ao urinar. José Antônio Pereira - Químico
José Antônio Pereira - Químico
HERPES Agente é o  Herpes vírus II . Transmissão: contato sexual. Manifestação: Relacionada à queda das defesas imunológicas do organismo.  Sintomas: primeiramente prurido, fisgada e sensação de queimadura na pele dos genitais, que evoluem para lesões avermelhadas - pequenas vesículas nos genitais ou anais que se tornam muito dolorosas, as quais cicatrizam-se em algumas semanas com ou sem tratamento. O uso de preservativos não evita a contaminação quando há lesão.  José Antônio Pereira - Químico
José Antônio Pereira - Químico
LINFOGRANULOMA – “MULA OU BUBÃO” Agente: bactéria  Chlamydia trachomatis.  Transmissão: sexo vaginal com pessoa contaminada. Sintomas leve secreção matinal com aspecto de "clara de ovo", ardor ao urinar e às vezes alterações na freqüência urinária, seguida por lesão genital transitória, única e indolor tipo erosão superficial, que cicatriza espontânea e rapidamente em mais ou menos três a quatro dias. Nas mulheres:  vagina, a vulva e, em alguns casos, o colo uterino,  Nos homens as lesões ocorrem   na glande e no prepúcio, formando grandes feridas purulentas. José Antônio Pereira - Químico
Fase Aguda Fase Crônica José Antônio Pereira - Químico
SÍFILIS Doença de caráter sistêmico, causada pela bactéria  Treponema pallidum .  É adquirida através do sexo vaginal, anal ou oral com pessoa contaminada, além de transfusão de sangue ou pelo parto. Apresenta 03 fases: Primária Secundária  Terciária José Antônio Pereira - Químico
Primária Feridas indolores com bordas altas, nítidas e endurecidas, denominadas cancro duro região genital, que também podem aparecer em outros locais do corpo desaparecendo com ou sem tratamento.  José Antônio Pereira - Químico
secundária  Sintomas de febre, inflamação da garganta - faringite, gânglios em várias regiões do corpo, perda de cabelo, de peso, de apetite e erupções cutâneas de aspecto avermelhado ou arroxeado, principalmente nas palmas das mãos e plantas dos pés, denominadas roséolas sifilíticas, bem como lesões úmidas nas áreas genitais que são muito contagiosas.  José Antônio Pereira - Químico
Terciária  Aparecimento de doenças cardiovasculares, cerebrais e da medula espinhal, olhos, conduzindo a pessoa infectada a paralisias, insanidade, cegueira e até mesmo a morte.  José Antônio Pereira - Químico
AIDS   A aids é uma doença que se manifesta após a infecção do organismo humano pelo Vírus da Imunodeficiência Humana, mais conhecido como HIV.  Síndrome   Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença.  Imunodeficiência   Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano para se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc.  Adquirida   Não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A aids não é causada espontaneamente, mas por um fator externo (a infecção pelo HIV). José Antônio Pereira - Químico
COMO SE PEGA AIDS   -         Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV ( sangue, saliva, leite, sêmen secreção vaginal e líquido cegalorraquidiano e fezes )   -         Quando o contato com os líquidos pode contaminar (sexo, amamentação, drogas)   -         Quais  as formas mais comuns de contaminação (sexo, hemotransfusão, drogas)   -         A AIDS do adulto é diferente da criança  (A criança é mais suscetível a infecções bacterianas)   -         A criança recém nascida deve ser amamentada pela mãe portadora? José Antônio Pereira - Químico
ASPECTOS CLÍNICOS   -    Quais os aspectos clínicos da doença ( queda na resistência física da pessoa, como infecções virais e bacterianas como candidíase, pneumonias, herpes )      Podemos reconhecer um aidético simplesmente pela fisionomia   TRATAMENTO     “ Cura”: Uso de anti-retrovirais   José Antônio Pereira - Químico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)Luis Augusto
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Marcelo Henrique
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Adilson P Motta Motta
 
Palestra sobre DST
Palestra sobre DST Palestra sobre DST
Palestra sobre DST Multimix Air
 
TRICOMONÍASE E HERPES GENITAL
TRICOMONÍASE E HERPES GENITALTRICOMONÍASE E HERPES GENITAL
TRICOMONÍASE E HERPES GENITALFrancisca Maria
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Carlos Priante
 
Parasitologia - Tricomonas
Parasitologia - TricomonasParasitologia - Tricomonas
Parasitologia - TricomonaspHrOzEn HeLL
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISconbetcursos
 
D sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoáriosD sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoáriosterceirob
 
Infeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos molesInfeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos molesNadine Sousa
 

Mais procurados (20)

Doenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente TransmissiveisDoenças Sexualmente Transmissiveis
Doenças Sexualmente Transmissiveis
 
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
Doenças sexualmente transmissíveis (DST)
 
DST
DSTDST
DST
 
Vírus
VírusVírus
Vírus
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST's)
 
Reino monera
Reino moneraReino monera
Reino monera
 
IST - Gonorreia
IST - GonorreiaIST - Gonorreia
IST - Gonorreia
 
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
Doenças Sexualmente Transmissíveis (o melhor é prevenir)
 
Palestra sobre DST
Palestra sobre DST Palestra sobre DST
Palestra sobre DST
 
Gonorreia
GonorreiaGonorreia
Gonorreia
 
TRICOMONÍASE E HERPES GENITAL
TRICOMONÍASE E HERPES GENITALTRICOMONÍASE E HERPES GENITAL
TRICOMONÍASE E HERPES GENITAL
 
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
Aula 6 dst (doenças sexualmente transmissíveis)
 
Parasitologia - Tricomonas
Parasitologia - TricomonasParasitologia - Tricomonas
Parasitologia - Tricomonas
 
Dst's
Dst'sDst's
Dst's
 
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses  lucasDermatoviroses e dermatozoonoses  lucas
Dermatoviroses e dermatozoonoses lucas
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRNASMISSÍVEIS
 
D sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoáriosD sts – bactérias a protozoários
D sts – bactérias a protozoários
 
06 herpes
06 herpes06 herpes
06 herpes
 
Dst
Dst Dst
Dst
 
Infeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos molesInfeções da pele e dos tecidos moles
Infeções da pele e dos tecidos moles
 

Destaque

Power Point Informatica.
Power Point   Informatica.Power Point   Informatica.
Power Point Informatica.joaodfm
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisgracindabento
 
Sexualidade Humana - Formação do Sexo
Sexualidade Humana - Formação do SexoSexualidade Humana - Formação do Sexo
Sexualidade Humana - Formação do SexoAndreaSchaf
 
Patologia seudo hermafroditismo
Patologia seudo hermafroditismoPatologia seudo hermafroditismo
Patologia seudo hermafroditismoMonik Daniela
 
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...Tratamento-para-Candidiase
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Cleiton Ribeiro Alves
 

Destaque (7)

Power Point Informatica.
Power Point   Informatica.Power Point   Informatica.
Power Point Informatica.
 
Depilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - AcorporalleDepilacao a Laser - Acorporalle
Depilacao a Laser - Acorporalle
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Sexualidade Humana - Formação do Sexo
Sexualidade Humana - Formação do SexoSexualidade Humana - Formação do Sexo
Sexualidade Humana - Formação do Sexo
 
Patologia seudo hermafroditismo
Patologia seudo hermafroditismoPatologia seudo hermafroditismo
Patologia seudo hermafroditismo
 
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
Fotos de Candidiase Masculina ou Peniana - Principais Sintomas de candidiase ...
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 

Semelhante a Dst formação continuada

Semelhante a Dst formação continuada (20)

IST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.pptIST - 1º ANO.ppt
IST - 1º ANO.ppt
 
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
InfecçõEs%20 Sexualmente%20 TransmissíVeis[1]
 
Treinamento dst
Treinamento dstTreinamento dst
Treinamento dst
 
DST
DSTDST
DST
 
Aula conceição lyra
Aula conceição lyraAula conceição lyra
Aula conceição lyra
 
DST-AIDS.ppt
DST-AIDS.pptDST-AIDS.ppt
DST-AIDS.ppt
 
Palestra dst
Palestra   dstPalestra   dst
Palestra dst
 
Treinamento dst
Treinamento dstTreinamento dst
Treinamento dst
 
DST's
DST'sDST's
DST's
 
Ds ts
Ds tsDs ts
Ds ts
 
Aids
AidsAids
Aids
 
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente TransmissíveisAs Doenças Sexualmente Transmissíveis
As Doenças Sexualmente Transmissíveis
 
Hiv mario martins pereira
Hiv  mario martins pereiraHiv  mario martins pereira
Hiv mario martins pereira
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
Dst aids para adolescentes
Dst   aids para adolescentesDst   aids para adolescentes
Dst aids para adolescentes
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..DoençAs Sexualmente..
DoençAs Sexualmente..
 
Dst
DstDst
Dst
 

Mais de PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO

Mais de PROFESSOR JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA - QUÍMICO (20)

Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de matemática do 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de matemática do 2° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 2° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 2° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012Planejamento de física 1° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de física 1° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012Planejamento de química do 3° ano   1° bimestre 2012
Planejamento de química do 3° ano 1° bimestre 2012
 
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano   1° bimestrePlanejamento de química do 2° ano   1° bimestre
Planejamento de química do 2° ano 1° bimestre
 
Planejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° anoPlanejamento de química do 1° ano
Planejamento de química do 1° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° anoPlano do 4° bimestre de quimica 3° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 3° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° anoPlano do 4° bimestre de quimica 2° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 2° ano
 
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° anoPlano do 4° bimestre de quimica 1° ano
Plano do 4° bimestre de quimica 1° ano
 
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 2° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de química do 3° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de química do 3° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 2° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 2° ano 3° bimestre - cem ary
 
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem aryPlano de aula de física do 1° ano    3° bimestre - cem ary
Plano de aula de física do 1° ano 3° bimestre - cem ary
 
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011Planejamento de ciências da natureza   projovem urbano 2011
Planejamento de ciências da natureza projovem urbano 2011
 
Modelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em químicaModelo de relatório experimental em química
Modelo de relatório experimental em química
 
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2Avaliação de química do 3° bimestre   2° ano - av2
Avaliação de química do 3° bimestre 2° ano - av2
 
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4Avaliação de química do 3° bimestre   3° anos - av4
Avaliação de química do 3° bimestre 3° anos - av4
 

Último

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 

Último (10)

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 

Dst formação continuada

  • 1. D.S.T. APRESENTA JOSÉ ANTÔNIO PEREIRA
  • 2.
  • 3.
  • 4. D.S.T. CANCRO MOLE CANDIDÍASE CANDILOMA GONORRÉIA GRANULOMA TRICOMUNÍASE HERPES LINFOGRANULOMA SÍFILIS AIDS José Antônio Pereira - Químico
  • 5. CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral Ocorrência: 01 mulher para cada 20 homens . Sintomas de 02 a 05 dias após o contágio acompanhado de dor de cabeça, febre e prostração.pequenas e dolorosas feridas, úlceras, nos genitais externos .  As úlceras podem ser únicas ou múltiplas José Antônio Pereira - Químico
  • 6. Vista superior de úlcera no pênis. As lesões apresentam fundo de aspecto "sujo", a parte central purulenta, amarelada, e as bordas nítidas e irregulares Úlcerações na vulva. José Antônio Pereira - Químico
  • 7. CANDIDÍASE Agente: Candida albicans (Microbiota – FUNGO) Infecção da vulva e vagina por fungo da mucosa vaginal que se desenvolve ao encontrar o meio favorável. O contato sexual não é a principal forma de transmissão da candidíase. Considerada um tipo de micose, é decorrência da baixa de resistência do organismo, por estresse ou uso de medicamentos como antibióticos , corticóides e contraceptivos orais de altas dosagens. Pode aparecer também em conseqüência da falta de higiene local ou uso de roupas apertadas que abafam a região genital aumentando a umidade local. É comum afetar as mulheres que freqüentam a praia no verão e ficam muitas horas com o biquíni molhado . Transmissão: contato sexual, água contaminada e objetos contaminados. Sintomas: corrimento branco, irritação e coceira José Antônio Pereira - Químico
  • 8. Eritema e placas grumosas brancas na glande e no prepúcio, em parceiro de uma paciente com candidíase vulvovaginal. Fatores ligados à higiene pessoal influenciam casos como este, principalmente em homens de prepúcio redundante. Secreção branca e grumosa aderentes às paredes da vagina com candidíase .
  • 9. CANDILOMA – “VERRUGAS” Agente: Papiloma Vírus Humano (HPV) Transmissão: via sexual. Manifestação clássica: Pele dolorosa, pequenas verrugas rugosas nas zonas genitais, anais ou garganta. Mulheres: na vulva, períneo, vagina e colo do útero, havendo quase sempre, concomitância de corrimento vaginal. Homens: na glande, prepúcio e a bolsa testicular José Antônio Pereira - Químico
  • 10.  
  • 11. GONORRÉIA Agente: bactéria Neisseria Gonorrhoeae Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral.         Sintomas: diferem na mulher e no homem, que apresenta quadro infeccioso mais aparente, caracterizado pela uretrite, que produz secreção purulenta amarelo-esverdeada, pela manhã, provocando odor e ardor ao urinar. Quando não tratada pode acometer próstata, vesículas seminais, epidídimos, pele, articulações, endocárdio, fígado, meninges. José Antônio Pereira - Químico
  • 12. Secreção purulenta na vulva Gonorréia complicada: edema no testículo, bolsa escrotal com volume aumentado .
  • 13. GRANULOMA – “CARNE ESPONJOSA”   Agente: bactéria Callymatobacterium granulomatis . Sintomas: lesão inicial indolor, na forma de vesículas endurecidas na pele dos órgãos genitais, as quais se rompem formando uma única úlcera, que aumenta causando destruição dos tecidos. Os casos não tratados, podem evoluir causando sérias complicações como ulceração estreitamento da uretra, vagina ou ânus. José Antônio Pereira - Químico
  • 14.  
  • 15. TRICOMONÍASE Agente Parasita Trichomonas vaginalis (Protozoário Unicelular) Transmissão: relações sexuais ou por ambientes contaminados como banheiros e piscinas.    Nas mulheres, os sintomas são coceira intensa na vagina, corrimento amarelado de odor desagradável e ardor ao urinar.    O processo inflamatório intenso na vagina e no colo do útero pode facilitar a penetração do HIV no organismo. Nos homens , g eralmente, os sintomas podem ficar ocultos durante semanas ou aparecer na forma de pequena irritação no pênis e ardor ao urinar. José Antônio Pereira - Químico
  • 17. HERPES Agente é o Herpes vírus II . Transmissão: contato sexual. Manifestação: Relacionada à queda das defesas imunológicas do organismo. Sintomas: primeiramente prurido, fisgada e sensação de queimadura na pele dos genitais, que evoluem para lesões avermelhadas - pequenas vesículas nos genitais ou anais que se tornam muito dolorosas, as quais cicatrizam-se em algumas semanas com ou sem tratamento. O uso de preservativos não evita a contaminação quando há lesão. José Antônio Pereira - Químico
  • 19. LINFOGRANULOMA – “MULA OU BUBÃO” Agente: bactéria Chlamydia trachomatis. Transmissão: sexo vaginal com pessoa contaminada. Sintomas leve secreção matinal com aspecto de "clara de ovo", ardor ao urinar e às vezes alterações na freqüência urinária, seguida por lesão genital transitória, única e indolor tipo erosão superficial, que cicatriza espontânea e rapidamente em mais ou menos três a quatro dias. Nas mulheres: vagina, a vulva e, em alguns casos, o colo uterino, Nos homens as lesões ocorrem na glande e no prepúcio, formando grandes feridas purulentas. José Antônio Pereira - Químico
  • 20. Fase Aguda Fase Crônica José Antônio Pereira - Químico
  • 21. SÍFILIS Doença de caráter sistêmico, causada pela bactéria Treponema pallidum . É adquirida através do sexo vaginal, anal ou oral com pessoa contaminada, além de transfusão de sangue ou pelo parto. Apresenta 03 fases: Primária Secundária Terciária José Antônio Pereira - Químico
  • 22. Primária Feridas indolores com bordas altas, nítidas e endurecidas, denominadas cancro duro região genital, que também podem aparecer em outros locais do corpo desaparecendo com ou sem tratamento. José Antônio Pereira - Químico
  • 23. secundária Sintomas de febre, inflamação da garganta - faringite, gânglios em várias regiões do corpo, perda de cabelo, de peso, de apetite e erupções cutâneas de aspecto avermelhado ou arroxeado, principalmente nas palmas das mãos e plantas dos pés, denominadas roséolas sifilíticas, bem como lesões úmidas nas áreas genitais que são muito contagiosas. José Antônio Pereira - Químico
  • 24. Terciária Aparecimento de doenças cardiovasculares, cerebrais e da medula espinhal, olhos, conduzindo a pessoa infectada a paralisias, insanidade, cegueira e até mesmo a morte. José Antônio Pereira - Químico
  • 25. AIDS A aids é uma doença que se manifesta após a infecção do organismo humano pelo Vírus da Imunodeficiência Humana, mais conhecido como HIV. Síndrome Grupo de sinais e sintomas que, uma vez considerados em conjunto, caracterizam uma doença. Imunodeficiência Inabilidade do sistema de defesa do organismo humano para se proteger contra microorganismos invasores, tais como: vírus, bactérias, protozoários, etc. Adquirida Não é congênita como no caso de outras imunodeficiências. A aids não é causada espontaneamente, mas por um fator externo (a infecção pelo HIV). José Antônio Pereira - Químico
  • 26. COMO SE PEGA AIDS -         Quais os líquidos onde foi encontrado o HIV ( sangue, saliva, leite, sêmen secreção vaginal e líquido cegalorraquidiano e fezes )   -         Quando o contato com os líquidos pode contaminar (sexo, amamentação, drogas)   -         Quais as formas mais comuns de contaminação (sexo, hemotransfusão, drogas)   -         A AIDS do adulto é diferente da criança (A criança é mais suscetível a infecções bacterianas)   -         A criança recém nascida deve ser amamentada pela mãe portadora? José Antônio Pereira - Químico
  • 27. ASPECTOS CLÍNICOS   -   Quais os aspectos clínicos da doença ( queda na resistência física da pessoa, como infecções virais e bacterianas como candidíase, pneumonias, herpes )     Podemos reconhecer um aidético simplesmente pela fisionomia   TRATAMENTO     “ Cura”: Uso de anti-retrovirais   José Antônio Pereira - Químico