SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
1. Exposição dos conceitos de prosa, poema e poesia
2. Conteúdo de aprendizagem: Conotação, denotação e a
interlocução (paródia e paráfrase). Observação: fazer uma
exposição do assunto em questão.
3. Atividades
• Com a poesia e poema: Sarau
• Com a prosa: documentário e debate.
4. Método de avaliações (Participação no sarau, ou seja, na atividade
solicitada).
Ética
No sentido etimológico, poesia vem do
grego poiesis, que pode ser traduzido como a atividade
de produção artística ou a de criar ou fazer. Com base
nisso, a poesia pode não estar só no poema, mas
também em paisagens e objetos. Trata-se, enfim, de
uma definição mais ampla, que abarca outras formas de
expressão, além da escrita.
(Brasil escola)
O poema também é uma obra de poesia, mas que usa
palavras como matéria-prima. Na prática, porém,
convencionou-se dizer que tanto o poema quanto a
poesia são textos feitos em versos, que são as linhas que
constituem uma obra desse gênero.
(Brasil escola)
 Denotativo: quando apresentam o sentido próprio do
dicionário.
 Conotativo: quando tem um significado figurado.
RECEITA DE BOLO SIMPLES
INGREDIENTES
2 xícaras de açúcar
3 xícaras de farinha de trigo
4 colheres de margarina bem cheias
3 ovos
1 1/2 xícara de leite aproximadamente
1 colher (sopa) de fermento em pó bem cheia
MODO DE PREPARO
• Bata as claras em neve
• Reserve
• Bata bem as gemas com a margarina e o açúcar
• Acrescente o leite e farinha aos poucos sem parar de bater
• Por último agregue as claras em neve e o fermento
• Coloque em forma grande de furo central untada e enfarinhada
• Asse em forno médio, pré - aquecido, por aproximadamente 40 minutos
• Quando espetar um palito e sair limpo estará assado
Atividades com a conotação e a denotação
RECEITA DE ANO NOVO
Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo
já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às
carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se
nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer
outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)
Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.
Carlos Drummond de Andrade
RECEITA
Ingredientes
2 conflitos de gerações
4 esperanças perdidas
3 litros de sangue fervido
5 sonhos eróticos
2 canções dos beatles
Modo de preparar
Dissolva os sonhos eróticos
nos dois litros de sangue fervido
e deixe gelar seu coração.
Leve a mistura ao fogo,
adicionando dois conflitos
de gerações às esperanças perdidas.
Corte tudo em pedacinhos
e repita com as canções dos
beatles o mesmo processo usado
com os sonhos eróticos, mas desta
vez deixe ferver um pouco mais e
mexa até dissolver.
Parte do sangue pode ser
substituído por suco de
groselha, mas os resultados
não serão os mesmos.
Sirva o poema simples
ou com ilusões.
Nicolas Behr
Prosa é o nome que se dá à forma de um texto escrito em parágrafos. O
termo deriva do latim prosa, que significa discurso direto, livre, em linha reta.
Trata-se da expressão do "não-eu" (ou do objeto ), por meio de metáforas
univalentes. Em um texto em prosa, as metáforas são exploradas com
parcimônia, visando criar uma imagem objetiva e concreta da realidade, o que
o diferencia do texto poético. Porém, a linguagem da prosa não é pura
denotação. Quando a obra chega ao seu epílogo, e termina a narrativa, a
conotação se manifesta fortemente. Portanto, a prosa faz uso da linguagem
denotativa-conotativa, ao contrário da linguagem poética, que é
predominantemente conotativa.
Wikipédia
65 anos da bomba atômica no Japão
A primeira explosão de uma bomba atômica na história da humanidade
aconteceu no dia 6 de agosto de 1945, uma segunda-feira. A bomba foi lançada
sobre o centro da cidade de Hiroshima às 8h15 da manhã. Como o horário
comercial começava às 8h da manhã, muitas pessoas foram atingidas em fábricas
e escritórios. A bomba, chamada pelos norte-americanos de Little Boy, continha 50
quilos de urânio 235, com potencial destrutivo equivalente a 15 mil toneladas de
TNT. O calor liberado pela bomba foi de 100 calorias/cm² no grau zero, 56
calorias/cm² a 500 metros e 23 calorias/cm² a mil metros do centro da explosão.
Nagasaki foi atingida no dia 9 de agosto, às 11h02 da manhã. Inicialmente o
plano do exército americano era de jogar a bomba sobre Kokura, Fukuoka. Mas o
tempo nublado impediu que o piloto visualizasse a cidade, e decidiu-se pela
segunda opção. Nagasaki não era considerado um alvo ideal porque é rodeada por
montanhas, o que diminuiria o poder destrutivo. (...)
(Fonte: NIPPO BRASIL)
Atividades com a interlocução pt. 1
Rosa de Hiroshima
Vinicius de Moraes
Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas, oh, não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroshima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A anti-rosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa, sem nada Imagem da bomba (fonte: Google imagens)
Tradicionalmente, a noção de paráfrase está quase sempre associada
a uma simples retomada de textos ou documentos considerados
matrizes dos quais se mantêm as ideias originais. Com alguma
variação, tem-se apenas que a paráfrase é o modo diverso de
expressar um pensamento.
Assim, sua utilização configuraria pura e simplesmente uma
retomada de um texto, nada acrescentado a não ser um “dizer em
outras palavras”. Conceituada como uma atividade de retomada de
um enunciado anterior, produzindo um outro, mas mantendo com
aquele uma relação de equivalência semântica, o processo de
reformulação parafrástica não só dá conta de resolver problemas
comunicativos, mas também assume funções como as de ênfase e
orientação. Koch (2002)
Paráfrase
CANÇÃO DO EXÍLIO
Gonçalves Dias
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar – sozinho, à noite
– Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem que ainda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Atividades com a interlocução pt. 2
Canção do Exílio
Casimiro de Abreu
Eu nasci além dos mares:
Os meus lares,
Meus amores ficam lá!
– Onde canta nos retiros
Seus suspiros,
Suspiros o sabiá!
Oh que céu, que terra
aquela,
Rica e bela
Como o céu de claro anil!
Que seiva, que luz, que
galas,
Não exalas
Não exalas, meu Brasil!
Oh! que saudades
tamanhas
Das montanhas,
Daqueles campos
natais!
Daquele céu de safira
Que se mira,
Que se mira nos
cristais!
Não amo a terra do
exílio,
Sou bom filho,
Quero a pátria, o meu
país,
Quero a terra das
mangueiras
E as palmeiras,
E as palmeiras tão
gentis!
Como a ave dos palmares
Pelos ares
Fugindo do caçador;
Eu vivo longe do ninho,
Sem carinho;
Sem carinho e sem amor!
Debalde eu olho e
procuro...
Tudo escuro
Só vejo em roda de mim!
Falta a luz do lar paterno
Doce e terno,
Doce e terno para mim.
Distante do solo amado
– Desterrado –
A vida não é feliz.
Nessa eterna primavera
Quem me dera,
Quem me dera o meu país!
Lisboa –– 1855
A paródia não teria assim apenas uma “função destrutiva”, mas uma
função renovadora à medida que vem substituir formas “desgastadas”
ou quase esquecidas por novas formas criadas, no entanto, a partir das
antigas, por mais paradoxal que tal atitude possa parecer. Essa
substituição chama-se reconstrução, visto que, embora reorganize o
discurso, o sujeito-parodista ainda necessita da base do primeiro sobre
a qual ele tece seu dizer, isto é, existirá o discurso parodiado - matriz e
discurso paródico - o novo.
Bakhtin (1981)
Outra Canção do Exílio
Minha terra tem Palmeiras,
Corinthians e outros times
de copas exuberantes
que ocultam muitos crimes.
As aves que aqui revoam
são corvos do nunca mais,
a povoar nossa noite
com duros olhos de açoite
que os anos esquecem jamais.
Em cismar sozinho, ao relento,
sob um céu poluído, sem estrelas,
nenhum prazer tenho eu cá;
porque me lembro do tempo
em que livre na campina
pulsava meu coração, voava,
como livre sabiá; ciscando
nas capoeiras, cantando
nos matagais, onde hoje a morte
tem mais flores, nossa vida
mais terrores, noturnos,
de mil suores fatais.
Minha terra tem primores,
requintes de boçalidade,
que fazem da mocidade
um delírio amordaçado:
acrobacia impossível
de saltimbanco esquizóide,
equilibrado no risível sonho
de grandeza que se esgarça e rompe,
roído pelo matreiro cupim da safadeza.
Minha terra tem encantos
de recantos naturais,
praias de areias monazíticas,
subsolos minerais
que se vão e não voltam mais.
(...)
Eduardo Alves da Costa
 A carta de Pero Vaz de
Caminha
“Senhor
E assim seguimos nosso caminho,
por este mar, de longo, até que,
terça-feira das Oitavas de Páscoa,
que foram 21 dias de abril,
estando da dita Ilha obra de 660
ou 670 léguas, segundo os pilotos
diziam, topamos alguns sinais de
terra, os quais eram muita
quantidade de ervas compridas, a
que os mareantes chamam
botelho, assim como outras a que
dão o nome de rabo-de-asno. E
quarta-feira seguinte, pela manhã,
topamos aves a que chamam fura-
buxos.”
 A carta de Pero (atualizada)
“Olá meu amado Rei, aqui quem
fala é o Pero Vaz. Está me ouvindo
bem? Peguei emprestado o celular de
um nativo aqui da nova terra.
Tudo bem, o Capitão Pedro está
lhe mandando um abraço. Chegamos
na terça, 21 de abril, mas deixei para
ligar no Domingo porque a ligação é
mais barata.
É aqui tem dessas coisas. Os
nativos ficaram espantados com a
nossa chegada por mar, não achavam
que éramos Deuses, Majestade.”
• Documentário: National Geographic (super fácil de acha)
http://www.youtube.com/watch?v=FXoDH36t2RQ
• Debate sobre a bomba atômica.
• Compreender a cidadania como participação social e política,
assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e
sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade,
cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo
para si o mesmo respeito;
(PCN)
JHCOSTA
Encerramento: documentário e debate

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O emprego do s e ss 02
O emprego do s e ss 02O emprego do s e ss 02
O emprego do s e ss 02
Mucio Willamys
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
miesbella
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
colveromachado
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Fernanda Tulio
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
guest4f8ac9b
 
A Carta Formal e Informal
A Carta Formal e InformalA Carta Formal e Informal
A Carta Formal e Informal
vanda300
 

Mais procurados (20)

Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
O emprego do s e ss 02
O emprego do s e ss 02O emprego do s e ss 02
O emprego do s e ss 02
 
Generos textuais
Generos textuaisGeneros textuais
Generos textuais
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Formação das palavras
Formação das palavrasFormação das palavras
Formação das palavras
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
Slides htpc-poesia na escola-25-26-06-13
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
 
Procedimentos de leitura
Procedimentos de leituraProcedimentos de leitura
Procedimentos de leitura
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
Apresentação da disciplina língua portuguesa (ensino médio)
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
Texto normativo
Texto normativoTexto normativo
Texto normativo
 
Literatura de Cordel
Literatura de CordelLiteratura de Cordel
Literatura de Cordel
 
GêNero Textual Carta
GêNero Textual CartaGêNero Textual Carta
GêNero Textual Carta
 
Conjunções
ConjunçõesConjunções
Conjunções
 
Atividade adjetivo - 6 ano
Atividade   adjetivo - 6 anoAtividade   adjetivo - 6 ano
Atividade adjetivo - 6 ano
 
A Carta Formal e Informal
A Carta Formal e InformalA Carta Formal e Informal
A Carta Formal e Informal
 

Semelhante a Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)

C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No BrasilC:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
Eneida da Rosa
 
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No BrasilC:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
Eneida da Rosa
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
telasnorte1
 
Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!
Joanita Artigas
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
cursinhoembu
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
Nome Sobrenome
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
Elvis Live
 

Semelhante a Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre) (20)

C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No BrasilC:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
 
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No BrasilC:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
C:\Fakepath\O Barroco Em Portugal E No Brasil
 
Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1Pp intertextualidade1
Pp intertextualidade1
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Conceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poeticaConceito generos-e-poetica
Conceito generos-e-poetica
 
Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!Sabor de-saber-poetar muito bom!
Sabor de-saber-poetar muito bom!
 
Gonçalves Dias
Gonçalves DiasGonçalves Dias
Gonçalves Dias
 
A poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e CaracterísticassA poesia - Definições e Característicass
A poesia - Definições e Característicass
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Poema de mil faces
Poema de mil facesPoema de mil faces
Poema de mil faces
 
Língua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literaturaLíngua Portuguesa - O que é literatura
Língua Portuguesa - O que é literatura
 
Tipos De Poesias
Tipos De PoesiasTipos De Poesias
Tipos De Poesias
 
Conto crônica poema
Conto crônica poemaConto crônica poema
Conto crônica poema
 
Pés no chão e sonhos no ar - Marcos Samuel Costa
Pés no chão e sonhos no ar - Marcos Samuel Costa Pés no chão e sonhos no ar - Marcos Samuel Costa
Pés no chão e sonhos no ar - Marcos Samuel Costa
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Tropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano velosoTropicalia caetano veloso
Tropicalia caetano veloso
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Paráfrase e intertextualidade (1).ppt
Paráfrase e intertextualidade (1).pptParáfrase e intertextualidade (1).ppt
Paráfrase e intertextualidade (1).ppt
 
Prova 6º c artes
Prova 6º c artesProva 6º c artes
Prova 6º c artes
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

Plano de aula prosa e poesia (4° bimestre)

  • 1.
  • 2. 1. Exposição dos conceitos de prosa, poema e poesia 2. Conteúdo de aprendizagem: Conotação, denotação e a interlocução (paródia e paráfrase). Observação: fazer uma exposição do assunto em questão. 3. Atividades • Com a poesia e poema: Sarau • Com a prosa: documentário e debate. 4. Método de avaliações (Participação no sarau, ou seja, na atividade solicitada).
  • 4.
  • 5. No sentido etimológico, poesia vem do grego poiesis, que pode ser traduzido como a atividade de produção artística ou a de criar ou fazer. Com base nisso, a poesia pode não estar só no poema, mas também em paisagens e objetos. Trata-se, enfim, de uma definição mais ampla, que abarca outras formas de expressão, além da escrita. (Brasil escola)
  • 6. O poema também é uma obra de poesia, mas que usa palavras como matéria-prima. Na prática, porém, convencionou-se dizer que tanto o poema quanto a poesia são textos feitos em versos, que são as linhas que constituem uma obra desse gênero. (Brasil escola)
  • 7.  Denotativo: quando apresentam o sentido próprio do dicionário.  Conotativo: quando tem um significado figurado.
  • 8. RECEITA DE BOLO SIMPLES INGREDIENTES 2 xícaras de açúcar 3 xícaras de farinha de trigo 4 colheres de margarina bem cheias 3 ovos 1 1/2 xícara de leite aproximadamente 1 colher (sopa) de fermento em pó bem cheia MODO DE PREPARO • Bata as claras em neve • Reserve • Bata bem as gemas com a margarina e o açúcar • Acrescente o leite e farinha aos poucos sem parar de bater • Por último agregue as claras em neve e o fermento • Coloque em forma grande de furo central untada e enfarinhada • Asse em forno médio, pré - aquecido, por aproximadamente 40 minutos • Quando espetar um palito e sair limpo estará assado Atividades com a conotação e a denotação
  • 9. RECEITA DE ANO NOVO Para você ganhar belíssimo Ano Novo cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido (mal vivido talvez ou sem sentido) para você ganhar um ano não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; novo até no coração das coisas menos percebidas (a começar pelo seu interior) novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, mas com ele se come, se passeia, se ama, se compreende, se trabalha, você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, não precisa expedir nem receber mensagens (planta recebe mensagens? passa telegramas?) Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver. Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre. Carlos Drummond de Andrade
  • 10. RECEITA Ingredientes 2 conflitos de gerações 4 esperanças perdidas 3 litros de sangue fervido 5 sonhos eróticos 2 canções dos beatles Modo de preparar Dissolva os sonhos eróticos nos dois litros de sangue fervido e deixe gelar seu coração. Leve a mistura ao fogo, adicionando dois conflitos de gerações às esperanças perdidas. Corte tudo em pedacinhos e repita com as canções dos beatles o mesmo processo usado com os sonhos eróticos, mas desta vez deixe ferver um pouco mais e mexa até dissolver. Parte do sangue pode ser substituído por suco de groselha, mas os resultados não serão os mesmos. Sirva o poema simples ou com ilusões. Nicolas Behr
  • 11.
  • 12. Prosa é o nome que se dá à forma de um texto escrito em parágrafos. O termo deriva do latim prosa, que significa discurso direto, livre, em linha reta. Trata-se da expressão do "não-eu" (ou do objeto ), por meio de metáforas univalentes. Em um texto em prosa, as metáforas são exploradas com parcimônia, visando criar uma imagem objetiva e concreta da realidade, o que o diferencia do texto poético. Porém, a linguagem da prosa não é pura denotação. Quando a obra chega ao seu epílogo, e termina a narrativa, a conotação se manifesta fortemente. Portanto, a prosa faz uso da linguagem denotativa-conotativa, ao contrário da linguagem poética, que é predominantemente conotativa. Wikipédia
  • 13. 65 anos da bomba atômica no Japão A primeira explosão de uma bomba atômica na história da humanidade aconteceu no dia 6 de agosto de 1945, uma segunda-feira. A bomba foi lançada sobre o centro da cidade de Hiroshima às 8h15 da manhã. Como o horário comercial começava às 8h da manhã, muitas pessoas foram atingidas em fábricas e escritórios. A bomba, chamada pelos norte-americanos de Little Boy, continha 50 quilos de urânio 235, com potencial destrutivo equivalente a 15 mil toneladas de TNT. O calor liberado pela bomba foi de 100 calorias/cm² no grau zero, 56 calorias/cm² a 500 metros e 23 calorias/cm² a mil metros do centro da explosão. Nagasaki foi atingida no dia 9 de agosto, às 11h02 da manhã. Inicialmente o plano do exército americano era de jogar a bomba sobre Kokura, Fukuoka. Mas o tempo nublado impediu que o piloto visualizasse a cidade, e decidiu-se pela segunda opção. Nagasaki não era considerado um alvo ideal porque é rodeada por montanhas, o que diminuiria o poder destrutivo. (...) (Fonte: NIPPO BRASIL) Atividades com a interlocução pt. 1
  • 14. Rosa de Hiroshima Vinicius de Moraes Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam Da rosa da rosa Da rosa de Hiroshima A rosa hereditária A rosa radioativa Estúpida e inválida A rosa com cirrose A anti-rosa atômica Sem cor sem perfume Sem rosa, sem nada Imagem da bomba (fonte: Google imagens)
  • 15. Tradicionalmente, a noção de paráfrase está quase sempre associada a uma simples retomada de textos ou documentos considerados matrizes dos quais se mantêm as ideias originais. Com alguma variação, tem-se apenas que a paráfrase é o modo diverso de expressar um pensamento. Assim, sua utilização configuraria pura e simplesmente uma retomada de um texto, nada acrescentado a não ser um “dizer em outras palavras”. Conceituada como uma atividade de retomada de um enunciado anterior, produzindo um outro, mas mantendo com aquele uma relação de equivalência semântica, o processo de reformulação parafrástica não só dá conta de resolver problemas comunicativos, mas também assume funções como as de ênfase e orientação. Koch (2002) Paráfrase
  • 16. CANÇÃO DO EXÍLIO Gonçalves Dias Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar – sozinho, à noite – Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem que ainda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá. Atividades com a interlocução pt. 2
  • 17. Canção do Exílio Casimiro de Abreu Eu nasci além dos mares: Os meus lares, Meus amores ficam lá! – Onde canta nos retiros Seus suspiros, Suspiros o sabiá! Oh que céu, que terra aquela, Rica e bela Como o céu de claro anil! Que seiva, que luz, que galas, Não exalas Não exalas, meu Brasil! Oh! que saudades tamanhas Das montanhas, Daqueles campos natais! Daquele céu de safira Que se mira, Que se mira nos cristais! Não amo a terra do exílio, Sou bom filho, Quero a pátria, o meu país, Quero a terra das mangueiras E as palmeiras, E as palmeiras tão gentis! Como a ave dos palmares Pelos ares Fugindo do caçador; Eu vivo longe do ninho, Sem carinho; Sem carinho e sem amor! Debalde eu olho e procuro... Tudo escuro Só vejo em roda de mim! Falta a luz do lar paterno Doce e terno, Doce e terno para mim. Distante do solo amado – Desterrado – A vida não é feliz. Nessa eterna primavera Quem me dera, Quem me dera o meu país! Lisboa –– 1855
  • 18. A paródia não teria assim apenas uma “função destrutiva”, mas uma função renovadora à medida que vem substituir formas “desgastadas” ou quase esquecidas por novas formas criadas, no entanto, a partir das antigas, por mais paradoxal que tal atitude possa parecer. Essa substituição chama-se reconstrução, visto que, embora reorganize o discurso, o sujeito-parodista ainda necessita da base do primeiro sobre a qual ele tece seu dizer, isto é, existirá o discurso parodiado - matriz e discurso paródico - o novo. Bakhtin (1981)
  • 19. Outra Canção do Exílio Minha terra tem Palmeiras, Corinthians e outros times de copas exuberantes que ocultam muitos crimes. As aves que aqui revoam são corvos do nunca mais, a povoar nossa noite com duros olhos de açoite que os anos esquecem jamais. Em cismar sozinho, ao relento, sob um céu poluído, sem estrelas, nenhum prazer tenho eu cá; porque me lembro do tempo em que livre na campina pulsava meu coração, voava, como livre sabiá; ciscando nas capoeiras, cantando nos matagais, onde hoje a morte tem mais flores, nossa vida mais terrores, noturnos, de mil suores fatais. Minha terra tem primores, requintes de boçalidade, que fazem da mocidade um delírio amordaçado: acrobacia impossível de saltimbanco esquizóide, equilibrado no risível sonho de grandeza que se esgarça e rompe, roído pelo matreiro cupim da safadeza. Minha terra tem encantos de recantos naturais, praias de areias monazíticas, subsolos minerais que se vão e não voltam mais. (...) Eduardo Alves da Costa
  • 20.
  • 21.  A carta de Pero Vaz de Caminha “Senhor E assim seguimos nosso caminho, por este mar, de longo, até que, terça-feira das Oitavas de Páscoa, que foram 21 dias de abril, estando da dita Ilha obra de 660 ou 670 léguas, segundo os pilotos diziam, topamos alguns sinais de terra, os quais eram muita quantidade de ervas compridas, a que os mareantes chamam botelho, assim como outras a que dão o nome de rabo-de-asno. E quarta-feira seguinte, pela manhã, topamos aves a que chamam fura- buxos.”  A carta de Pero (atualizada) “Olá meu amado Rei, aqui quem fala é o Pero Vaz. Está me ouvindo bem? Peguei emprestado o celular de um nativo aqui da nova terra. Tudo bem, o Capitão Pedro está lhe mandando um abraço. Chegamos na terça, 21 de abril, mas deixei para ligar no Domingo porque a ligação é mais barata. É aqui tem dessas coisas. Os nativos ficaram espantados com a nossa chegada por mar, não achavam que éramos Deuses, Majestade.”
  • 22. • Documentário: National Geographic (super fácil de acha) http://www.youtube.com/watch?v=FXoDH36t2RQ • Debate sobre a bomba atômica. • Compreender a cidadania como participação social e política, assim como exercício de direitos e deveres políticos, civis e sociais, adotando, no dia-a-dia, atitudes de solidariedade, cooperação e repúdio às injustiças, respeitando o outro e exigindo para si o mesmo respeito; (PCN) JHCOSTA Encerramento: documentário e debate