Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro - Sector da Formação                        «ESTA É A NOSSA FÉ,   A FÉ DA IGREJA Q...
Ele é juiz não só enquanto Deus, mas também como homem, por trêsmotivos:   • É necessário, aos que vão ser julgados, verem...
"Aos maus, porém, aparecerá tão irado e cruel, que eles dirão aos       montes: Caí sobre nós, e escondei-nos da ira do co...
• De que forma se manifesta a glória de Deus e de Jesus?  - A glória de Deus porque todos hão de reconhecer a justiça com ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos

777 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
777
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

De onde há de vir a julgar os vivos e os mortos

  1. 1. Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro - Sector da Formação «ESTA É A NOSSA FÉ, A FÉ DA IGREJA QUE NOS GLORIAMOS DE PROFESSAR» *De onde há-de vir a julgar os vivos e os mortos*1. Dinâmica InicialVisionamento do Filme: O Juízo final - O grande dia do julgamento dasobras. (http://www.youtube.com/watch?v=HHCMlWowTPY)Salientar que ao minuto 4:13 se encontra um erro teológico - Estamostodos sujeitos ao juízo final como veremos no decurso da formação.Podemos é livrarmo-nos da condenação eterna.2. Formação"O Rei, que está sentado no trono da justiça, pelo seu olhar dissipa todo omal" (Prov 20,8)Tomando por base esta passagem do livro dos Provérbios, podemos afirmarque julgar é função do rei. Ora, se Cristo subiu ao céu e sentou-Se àdireita de Deus como Senhor de todos, evidentemente compete-lhe ojuízo.Devemos considerar nesse juízo três coisas: a sua forma; segundo, que eledeve ser temido e como nos devemos preparar para o juízo.Mas para que haja juízo é importante perceber quem é o juiz, quem deveser julgado e qual a matéria do julgamento.Cristo é o juiz, conforme se lê no Livro dos Actos: "Ele que foi constituídopor Deus juiz dos vivos e dos mortos" (Act 10,42).
  2. 2. Ele é juiz não só enquanto Deus, mas também como homem, por trêsmotivos: • É necessário, aos que vão ser julgados, verem o juiz. • Porque Ele mereceu este ofício como homem. Ele, enquanto homem, foi injustamente julgado e, por isso, Deus O fez juiz de todos. • Para que os homens não desesperem. Se somente Deus julgasse, os homens ficariam desesperados, devido ao temor.Todos serão julgados pelos atos bons e maus que praticaram.Vejamos na Escritura - Ecle 11,9. 13,14"Segue os caminhos do teu coração. .. mas fica certo de que Deus te levará aojulgamento por causa deles""Deus citará no julgamento todas as tuas ações, até as ocultas, quer sejamboas, quer sejam más"Serão julgados também pelas palavras inúteis e, por fim, pelospensamentos que tiveram.Fica assim esclarecida qual a matéria do julgamento: pensamentos,palavras e actos.O juízo deve ser temido por alguns motivos, são eles: • A sabedoria do juiz, porque Ele conhece todas as coisas, os pensamentos, as palavras e as ações. No entanto, apesar de Deus conhecer o íntimo do nosso coração, a nossa consciência também fará parte no julgamento. • O poder do juiz, porque Ele é em si mesmo todo-poderoso. "Ninguém há que possa livrar-se da Vossa mão" (Jo 10,7). • A justiça inflexível do juiz. Agora é o tempo da misericórdia. Mas o tempo futuro é tempo só de justiça. Por isso, o tempo de agora é nosso; mas o tempo futuro será só de Deus. • A ira do juiz. "Aparecerá aos justos doce e deleitável, porque, conforme diz Isaías: Verão o rei na sua beleza" (Is 33,17).
  3. 3. "Aos maus, porém, aparecerá tão irado e cruel, que eles dirão aos montes: Caí sobre nós, e escondei-nos da ira do cordeiro" (Ap 6,16).Esta ira em Deus significa o efeito da ira, a pena infligida aos pecados, istoé, a pena eterna.Apesar de devermos temer o juízo, São Tomás aponta-nos "remédios" paraconseguirmos superar este temor de forma correcta: - A boa ação; - A confissão dos pecados cometidos e a penitência feita por eles, Na confissão deve haver três coisas: a dor interior, a vergonha da confissão dos pecados e o rigor da satisfação por eles. São essas três coisas que redimem a pena eterna. - A esmola; Quando damos a esmola, de coração sincero e generoso e com o propósito de nos salvar. A esmola só faz sentido quando se realiza com a força da caridade. - A caridade; O amor de Deus e do próximo. Através da caridade (o amor sob a forma de entrega), segundo diz a escritura, cobri-mos uma multidão de pecados.3. Considerações FinaisO Catecismo de São Pio X (antigo catecismo antes da publicação doCatecismo da Igreja Católica há 25 anos atrás) apresenta-nos algumasnoções que devemos reter deste artigo do Credo. • Se cada um, logo depois da morte, há de ser julgado por Jesus Cristo no juízo particular, por que havemos de ser julgados todos no Juízo universal? - Para glória de Deus, de Jesus Cristo, dos Santos, para confusão dos maus e finalmente, para que o corpo, depois da ressurreição universal, tenha juntamente com a alma a sua sentença de prêmio ou de castigo.
  4. 4. • De que forma se manifesta a glória de Deus e de Jesus? - A glória de Deus porque todos hão de reconhecer a justiça com que Deus governa o mundo, embora se vejam às vezes os bons sofrendo e os maus em prosperidade e a de Jesus Cristo porque, tendo Ele sido injustamente condenado pelos homens, aparecerá então à face do mundo inteiro como Juiz supremo de todos• Porque é que no Juízo universal se há de manifestar a glória dos Santos? - Porque muitos deles, que morreram desprezados pelos maus, hão de ser glorificados em presença de todos os homens.• Qual será a confusão dos maus no Juízo universal? - A confusão dos maus será enorme, especialmente a daqueles que oprimiram os justos e a daqueles que, durante a vida, procuraram ser tidos, falsamente, por homens virtuosos e bons, pois verão manifestados à vista de todo o mundo, todos os pecados que cometeram, ainda os mais ocultos. Referências no CIC: 668 a 682 Referências no YouCat: 111, 112

×