ἈκαθίστοςMaria, co-protagonista da história da Salvaçãoe co-portadora da RedençãoMeditações Marianas
2Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro - Sector MarianoCaminhada MarianaMaria, co-protagonista da história da Salvaçãoe ...
3CÂNTICO DE ENTRADA
41. ANTÍFONAI PARTELITANIA
52. NARRAÇÃO
6DA CARTA APOSTÓLICA ROSARIUM VIRGINIS MARIAE DO BEATO JOÃO PAULO II, PAPARVM 20O primeiro ciclo, o dos “mistérios gozosos...
7O Anjo continua: "cheia de Graça". No texto original Grego podemos ler kekaritomenê (κεχαριτωµένη ),isto é, cheia de Amor...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Encarnacao do Verbo

380 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
380
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Encarnacao do Verbo

  1. 1. ἈκαθίστοςMaria, co-protagonista da história da Salvaçãoe co-portadora da RedençãoMeditações Marianas
  2. 2. 2Juventude Mariana Vicentina do Sobreiro - Sector MarianoCaminhada MarianaMaria, co-protagonista da história da Salvaçãoe co-portadora da RedençãoNota IntrodutóriaEm Outubro de 2002 o Bem-Aventurado João Paulo II escrevia a Carta Apostólica Rosarium VirginisMariae. Nesse texto, que nos acompanhará nesta jornada, diz o Bem-Aventurado Pontífice, citando aExortação Apostólica Marialis cultus de Paulo VI: "a repetição litânica do “Avé Maria”– torna-se tam-bém ele louvor incessante a Cristo, objectivo último do anúncio do Anjo e da saudação da mãe doBaptista: “Bendito o fruto do teu ventre” (Lc 1, 42). Diremos mais ainda: a repetição da Avé Mariaconstitui a urdidura sobre a qual se desenrola a contemplação dos mistérios; aquele Jesus que cadaAvé Maria relembra é o mesmo que a sucessão dos mistérios propõe, uma e outra vez, como Filho deDeus e da Virgem Santíssima." (RVM 18). Animados, então, neste encontro com Jesus por Maria é-noproposta uma meditação, tomando como fonte base o antiquíssimo hino do Akathistos (Ἀκαθίστος),muito caro aos nossos irmãos orientais e que nos narra, de forma tão bela e poética, uma visãoMariológica da história da Salvação. Nele vemos Maria, arrebatada por todos os acontecimentos ful-crais da história (desde a Anunciação até à Parúsia), louvada pela sua grandeza paradoxalmente sim-ples e tida como medianeira da Graça e de todas as graças de Deus. Neste hino não há uma diviniza-ção de Maria, sendo, isso sim, louvores mais do que devidos àquela que trouxe à realidade humana onosso Redentor.1. Esquema da CaminhadaFindo, então, este preâmbulo, olhemos um pouco para o esquema que vai ser seguido: mensalmente(desde Maio de 2013 a Maio de 2014, sempre no encontro mais próximo do dia 13 de cada mês) ire-mos rezar uma das doze partes do hino bizântino e relacioná-lo com a acima referida carta do Pontí-fice Máximo João Paulo II, de modo a, ao recolher da tradição bizântina este hino, o meditarmosconforme o ensinamento da Igreja Romana.Assim, a Caminhada obedecerá ao seguinte esquema:1. Cântico Inicial: Mãe de Deus (previsto no próprio Hino);2. Parte do hino (Constituída por Antífona, Litânia, Narração,Aleluia);3. Excerto da Rosarium Virginis Mariae;4. Meditação;5. Oração Final.
  3. 3. 3CÂNTICO DE ENTRADA
  4. 4. 41. ANTÍFONAI PARTELITANIA
  5. 5. 52. NARRAÇÃO
  6. 6. 6DA CARTA APOSTÓLICA ROSARIUM VIRGINIS MARIAE DO BEATO JOÃO PAULO II, PAPARVM 20O primeiro ciclo, o dos “mistérios gozosos”, caracteriza-se de facto pela alegria que irradia do aconteci-mento da Encarnação. Isto é evidente desde a Anunciação, quando a saudação de Gabriel à Virgem deNazaré se liga ao convite da alegria messiânica: « Alegra-te, Maria ». Para este anúncio se encaminha ahistória da salvação, e até, de certo modo, a história do mundo. De facto, se o desígnio do Pai é recapi-tular em Cristo todas as coisas (cf. Ef 1, 10), então todo o universo de algum modo é alcançado pelofavor divino, com o qual o Pai Se inclina sobre Maria para torná-La Mãe do seu Filho. Por sua vez, todaa humanidade está como que incluída no fiat com que Ela corresponde prontamente à vontade deDeus.Sob o signo da exultação, aparece depois a cena do encontro com Isabel, onde a mesma voz de Maria ea presença de Cristo no seu ventre fazem « saltar de alegria » João (cf. Lc 1, 44). Inundada de alegria é acena de Belém, onde o nascimento do Deus-Menino, o Salvador do mundo, é cantado pelos anjos eanunciado aos pastores precisamente como « uma grande alegria » (Lc 2, 10).Os dois últimos mistérios, porém, mesmo conservando o sabor da alegria antecipam já os sinais dodrama. A apresentação no templo, de facto, enquanto exprime a alegria da consagração e extasia ovelho Simeão, regista também a profecia do « sinal de contradição » que o Menino será para Israel eda espada que trespassará a alma da Mãe (cf. Lc 2, 34-35). Gozoso e ao mesmo tempo dramático é tam-bém o episódio de Jesus, aos doze anos, no templo. Vemo-Lo aqui na sua divina sabedoria, enquantoescuta e interroga, e substancialmente no papel dAquele que “ensina”. A revelação do seu mistério deFilho totalmente dedicado às coisas do Pai é anúncio daquela radicalidade evangélica que põe inclusi-ve em crise os laços mais caros do homem, diante das exigências absolutas do Reino. Até José e Maria,aflitos e angustiados, « não entenderam » as suas palavras (Lc 2, 50).MEDITAÇÃOEis o ponto de partida: a Anunciação. Este belíssimo momento em que a Virgem, que segunda umaantiga tradição bordava o véu do Templo, já como uma antecipação da sua vocação de Trono da Graçae Primeiro Sacrário, é surpreendida pelo Mensageiro Celeste, Gabriel.Este saúda-a com uma expressão invulgar: "Avé, ó cheia de Graça. O Senhor está contigo." Este "Avé",que, na cultura romana, era uma saudação ao imperador, denota claramente a proximidade da Virgemcom o Divino, a predilecção de Deus para com aquela Mulher que O leva a confiar-lhe o nascimentodo Seu Filho.
  7. 7. 7O Anjo continua: "cheia de Graça". No texto original Grego podemos ler kekaritomenê (κεχαριτωµένη ),isto é, cheia de Amor. Cheia do Amor de Deus, plena de bênçãos e de graças, qual Mulher predilectaque Deus preservou de toda a mancha.Para nós, humildes espectadores deste quadro, fica o desafio de prolongar, ao longo de toda a nossavida, os louvores cantados pelo Anjo à Virgem Maria, com o mesmo amor, o mesmo encanto, a mesmadevoção. Que dos nossos lábios brote, a cada "Avé Maria", um canto de louvor, que cada Terço sejauma ladainha que nós, humildemente, entoamos à primeira de todas as mulheres.Avé Maria...ORAÇÃOInfundi, Senhor, a vossa graça em nossas almas, para que nós, que pela anunciação do Anjo conhece-mos a encarnação de Cristo vosso Filho, pela sua paixão e morte na cruz alcancemos a glória da res-surreição. Por Nosso Senhor.Sobreiro

×