Novo jornalismo

1.467 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Novo jornalismo

  1. 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIACENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO CURSO DE JORNALISMO Novo Jornalismo (New Journalism)Jornalismo Literário
  2. 2. História• Pré-História do jornalismo (1631 – 1790) – Forma semelhante ao livro • Assuntos econômicos• Primeiro Jornalismo (1789-1830 ) – Conteúdo literário e político • Comandada por escritores e intelectuais • Pega o período da revolução francesa.• Segundo jornalismo (1830-1900) – Nascimento da imprensa de massa e profissionalização dos jornalistas • Reportagens, manchetes, tudo bem dividido.• Terceiro jornalismo (1900-1960) – Fortes grupos começam a liderar os diferentes tipos de mídia.• Quarto jornalismo (1960 em diante) – Marcada pela informação eletrônica e interativa.
  3. 3. Jornalismo e Literatura
  4. 4. Jornalismo e Literatura• Início do Jornalismo – Boletim pessoal ou panfletário partidário• Inserção da informação nos jornais – Séculos XVIII e XIX • Utilização mecânica da impressão • Empresa de Informação – Espalhar notícias, ideias e diversão
  5. 5. Jornalismo e Literatura• Pilares que sustentam a informação jornalística – Atualidade e Periodicidade• Liberdade de Imprensa – Imprensa marrom • Mistura de propaganda e manipulação de ideias• Difusão dos públicos – Linguagem cotidiana – Folhas de suplemento literário
  6. 6. Escritores de Reportagens Especiais• Estados Unidos – 1960 • Tom Wolfe, Gay Talese, Norman Mailer e Truman Capote• Reportagens Especiais – Expressão jornalística para uma matéria que escapava à categoria da notícia pura e simples • Pequenos fatos “divertidos”, engraçados, do movimento policial, história de interessa humano • Davam ao repórter espaço para escrever – Michel Mok » Guerra do Vietnã
  7. 7. Romance: sem espaço para jornalistas• Romance realista americano – 1930 • Não havia espaço para jornalista• Reportagens Especiais – 1960 – Escrever jornalismo para ser lido como um romance • Roubou do romance o lugar de principal acontecimento da literatura
  8. 8. Características• Jornalismo de Revista dos anos 1950 – Usar elementos que remetem a outros estilos literários • Remetento a intimidade• Conto: – Joe Louis: o Rei da meia-idade • Cenas da vida privada deum herói dos esportes que estava ficando velho – “Oi, meu bem”, Joie Louis disse a sua mulher, ao vê-la esperando por ele no aeroporto de Los Angeles. Ela sorriu, foi até ele , e estava quase se pondo na ponta dos pés para beijá-la quando, de repente, parou. “Joe”, disse ela, “cadê sua gravata?
  9. 9. Características• Jornalismo de Revista dos anos 1950 – Revistas Time, Esquire, True, Life e Sport Illustrated – Jornais Herald Tribune• Revistas – Passagens narrativas criticadas pelos jornalistas da época • Eram inventadas• Jornais – Como escrever bem com um prazo diário?
  10. 10. Características• Algo novo no jornalismo• Usar recursos literários – Vinhetas – Erudição – Memórias – Sociologia • Tudo o que for necessário para contar a história• Não-ficção apurada – Ponto de vista
  11. 11. Características• O Narrador - ponto de vista – Personalidade – Para além da discussão de objetividade e subjetividade – Imaginar a sensação do leitor ao ler a matéria• Referências – Truman Capote – A sangue frio • Coletânea de artigos de revista – Romance de não-ficção
  12. 12. Recursos• Construção cena a cena para contar a história• Resgistrar o diálogo completo – Diálogo Realista • Para testemunhar as cenas da vida de outras pessoas • Envolver o leitor• Realidade Emocional • Sem usar os sentimentos do jornalista • Entrevista – Ponto de vista da terceira pessoa » Apresentar cada cena ao leitor por intermédio dos olhos de um personagem particular » Sensação de estar dentro da cabeça do personagem• Detalhes simbólicos do cotidiano – Fazem com que o leitor lembre-se de seu próprio status de vida • Registro dos gestos, hábitos, maneiras e costumes • Estilos da mobília, roupas, decoração, comportamentos, maneiras de viajar, comer, manter a casa, etc • Detalhes simbólicos – Olhares, poses, estilos de andar
  13. 13. Recursos• Entrevista – Contato do repórter com a pessoa • Século XIX – Emprego da entrevista na apuração • Meados do Século XX – Brasil: João do Rio
  14. 14. Reportagens e o Novo Jornalismo• Origens – Literatura de viagem Século XIX • Autobiografias• Unidade básica da reportagem – Cena • Ficar o tempo suficiente para qe as cenas possam ser descritas • Penetrar na vida de pessoas desconhecidas – Delicadeza – Sem bombardear com perguntas
  15. 15. Jornalismo Gonzo• Dr. Hunter S. Thompson (1960) – Pai do Jornalismo Gonzo• Surge junto com o New Journalism• Características – Trabalho próximo da antropologia – Defende a idéia de que a literatura é realista • Abre mais espaço para o uso de fição, ou alucinação, na narrativa
  16. 16. Jornalismo Gonzo• Felipe Pena – “estilo de reportagem, caracterizado por um envolvimento pessoal com a ação que estava descrevendo, sem medir conseqüências, por mais perigosas que fossem”.• Usa técnicas não convencionais: – Uso do humor é freqüente – Uso de narcóticos aparece em algumas das obras • Em outras, o uso de bebidas – Interagir com o entrevistado, no sentido participativo • Chegando até a xingá-lo, se for o caso
  17. 17. Características• Narrativa em primeira pessoa – O autor participa da notícia e deixa isso explícito ao leitor.• Utilização do humor – O humor está sempre presente, muitas vezes disfarçado de ironia.• Opinião: – O jornalista participa da ação e emite opinião sobre o fato.• Uso de palavrões: – Na maioria dos textos de Thompson o palavrão é um re-curso, principalmente para caracterizar o humor do texto.• Linguagem clara: – O jornalista utiliza linguagem coloquial, de fácil compreensão.
  18. 18. Características• Reportagem especial sobre moradores de rua – O repórter moraria uma semana ou um mês na rua, sem qualquer ajuda, para vivenciar o dia-a- dia daqueles que não têm um teto. – No momento de confeccionar a reportagem, além das entrevistas coletadas • Dar sua própria versão dos fatos • Contar o que viveu nos dias em que dormiu ao relento.
  19. 19. Jornalismo Gonzo• Usa técnicas jornalísticas – Narração da ação – Uso de sequências alineares • Mudando tempo e espaço continuamente
  20. 20. “um estilo de reportagem baseadana idéia de William Faulkner de que a melhor ficção é muito mais verdadeira que qualquer tipo de jornalismo – e os melhoresjornalistas sempre souberam disso”. (THOMPSON, 2004, p. 46)
  21. 21. Thompson• Entra no jornalismo através da Força Aérea Americana – Bate a caminhonete do patrão e, por isso, se inscreve nas Forças• Entra como editor de esportes do jornal da Força• Quando sai, vai procurar emprego no jornalismo – Tenta um jornal esportivo, mas não é aceito• Publica Hells Angels – Livro que o torna conhecido• Passa a contribuir com matérias para veículos de comunicação• Atua em outros setores – Candidata-se a delegado de uma cidadezinha
  22. 22. Thompson• Quebra a imagem do jornalista como bem comportado – Usa drogas e armas e dirige em alta velocidade• Questiona o establishment norte americano – Critica duramente Bush e Nixon• Faz matérias clássicas – Entrevista com Muhamed Ali• A grande caçada aos tubarões – Coletânea de reportagens de Thompson publicadas na imprensa norte-americana• Rum: Diário de um jornalista bêbado – Conta, como romance, sua passagem por um jornal de língua inglesa de Porto Rico, quando ele tinha 22 anos
  23. 23. Livros• Medo e Delírio em Las Vegas – Viaja com seu advogado para fazer uma matéria sobre rally em Las Vegas e depois ficam para uma conferência sobre narcóticos• Hells Angeles – Se insere no grupo de motoqueiros durante um ano e meio• Medo do Medo – Coletânea de textos que revelam um pouco da biografia de Thompson
  24. 24. O jornalismo gonzo na contemporaneidade• 50 anos a mil – Lobão e o jornalista Claudio Tognolli • Narrador, em primeira pessoa, participa dos acontecimentos • Aborda questões com potencial jornalístico – Música e denúncias de abusos de poder• CQC – O repórter participa da notícia, e, inclusive, retruca as agressões dos entrevistados
  25. 25. Uma espiadinha na semana Rede Record Documentário Jornalístico Diário do Inferno http://maureliomello.blogspot.com.br/20 12/04/o-diario-do-inferno-versao-de.html
  26. 26. • Falcão – Meninos do tráfico – Fantástico – Maio de 2006

×