Av. República, 300                2750-475 Cascais                                                                        ...
3. Objectivos gerais:                                - Executar uma politica de acção sustentável, a médio/longo prazo, co...
5.2. Diversificar - Integrar :                                Criação de uma rede de colaboradores externos, constituída p...
Av. República, 300                2750-475 Cascais                                                                        ...
3. General objectives:                                - To implement a policy of sustainable action in the medium to long ...
5.2. Diversify - Integrate:                                To create a network of external partners, made up of artists, c...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Serviços Educativos Casa das História

593 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
593
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serviços Educativos Casa das História

  1. 1. Av. República, 300 2750-475 Cascais 25. Setembro 2010 Info tel. +351 214 826 970 info@casadashistorias.com www.casadashistoriaspaularego.comO ATELIÊ - SErvIçO EducATIvOcASA dAS HISTórIAS1. Missão Educativa CHPRO plano de acção educativa d’O Ateliê | serviço educativo da CHPR defende que, por um lado a educação nãoformal é uma das funções centrais do Museu e, por outro, que o serviço educativo deve agenciar a dinâmicae a actuação no âmbito da captação e formação de públicos. Este serviço trabalha em estreita parceria coma direcção e restantes departamentos, tendo por objectivo estabelecer conexões e articulações com o universode projectos programados.O serviço educativo assume premissas pedagógicas de orientação construtivista, sendo a sua prioridadeodesenvolvimento de competências críticas, criativas e expressivas, transmitindo conceitos e práticas nosdomínios das artes visuais e do diálogo que estas estabelecem com outras manifestações criativas nas áreasdas expressões, permitindo desta forma um efectivo enriquecimento da oferta programática.A programação de actividades que o serviço educativo oferece visa proporcionar aos seus visitantesvivências dinâmicas lúdico-pedagógicas, que facilitem a aprendizagem ao longo da vida, através de processoscomunicativos activos.Faz parte da sua missão trabalhar em estreita colaboração com os seus pares, financiadores, patrocinadorese parceiros, a fim de promover e desenvolver políticas, projectos e linhas orientadoras comuns que promovamo acesso aos espaços, conteúdos e programação do Museu e a compreensão, o uso e a fruição dos mesmospor pessoas da comunidade, de todas as idades.2. Metas e objectivos do plano de acção educativa2.1 Metas- Captar, sensibilizar e formar públicos- Forjar redes de parcerias e contactos externos que permitam aprofundar e sustentar a acção do SE- Fidelizar audiências através da criação de relações próximas e duradouras com as comunidades- Apostar na diversificação, na qualificação e na formação contínua da equipa do SE- Envolver a equipa da CHPR nos projectos de SE
  2. 2. 3. Objectivos gerais: - Executar uma politica de acção sustentável, a médio/longo prazo, coerente com características da envolvente sócio-cultural; - Promover correntes de público, estimulando os seus interesses e participação através de mecanismos de divulgação e sensibilização, estruturados em função de cada projecto; - Oferecer uma programação educativa diversificada, capaz de satisfazer os interesses e necessidades dos públicos-alvo; - Promover a literacia visual, a expressão plástica e criativa, bem como a reflexão crítica, a interpretação, o diálogo e o confronto com as obras em exposição; - Desenvolver actividades que fomentem a confluência das artes; - Promover a multiplicidade de leituras e versões, contextualmente fundamentadas; - Potenciar a dimensão social e emocional da aprendizagem; - Responder e satisfazer as múltiplas inteligências e estilos de aprendizagem dos visitantes; - Proporcionar momentos de fruição e lazer onde se descobrem novas formas de ver e sentir as artes, a narrativa e a expressão criativa. 4. Estratégias de gestão-acção A tónica do plano de acção assenta em três premissas chave que orientam a educação museal:Info pag.2 1. A participação construtiva da CHPR no tecido sociocultural; 2. A atracção dos públicos fundamentada na motivação intrínseca para a aprendizagem ao longo da vida; 3. A concepção da acção/programação do SE em função da articulação entre as necessidades dos públicos e o pressuposto de difusão das exposições e da colecção.O ATELIÊ - Serviço Educativo cinco eixos para uma gestão sustentável de recursos INOvAr PArTIcIPArcasa das Histórias Paula rego dIvErSIFIcAr ENvOLvEr AvALIAr INTEGrAr PArTILHAr QuALIFIcAr FruIr INTErPrETAr 5.1. Envolver - Partilhar: Favorecer a participação activa dos membros da comunidade na construção de projectos que apoiem as politicas da CHPR - seguindo as directivas do ICOM para a área de SE: Constituição de uma rede de parcerias com as comunidades educativa, cultural e social, de forma a permitir uma colaboração dinâmica construtiva desses parceiros com a CHPR e, por outro lado, rentabilizar conhecimentos, recursos, projectos, materiais, espaços e equipamentos; viabilizar economicamente acções que envolvam recursos humanos; divulgar e alargar a acção do serviço educativo no território cultural nacional. Participação em congressos e seminários de divulgação da CHPR e do seu espólio; acolhimento de estágios no âmbito da formação académica e profissional (integrados em cursos nas áreas da museologia e educação).
  3. 3. 5.2. Diversificar - Integrar : Criação de uma rede de colaboradores externos, constituída por artistas, especialistas e agentes culturais e educativos, especializados em diferentes áreas das expressões artísticas, com vista ao desenvolvimento de projectos que promovam a diversidade da programação e a concepção de projectos integrados no âmbito da educação museal. Adopção do modelo de voluntariado cultural em áreas especificas da acção / programação do SE e na produção e logística da organização das actividades. Aposta na formação contínua dos técnicos de serviço educativo, de molde a promover a reflexão contextualizada do trabalho, bem como a avaliação da oferta e das metodologias que estruturam a missão do serviço educativo. Esta formação contínua é regular e operacionaliza-se em sessões de trabalho dinamizadas pelos próprios agentes, pontualmente por especialistas convidados. 5.3. Fruir - Interpretar: Concepção de uma oferta de programação eclética, destinada a um conjunto abrangente de públicos-alvo, (com idades, vivências, proveniências e interesses distintos), através da qual se pretendem desenvolver as capacidades de observação, interpretação e comunicação dos visitantes, proporcionar experiências de partilha e de lazer e aproximar a obra do fruidor, numa atitude de contemplação, confronto e questionamento, onde mais do que respostas e conceitos se encontram novas perguntas, novas formas de ver e sentir as obras.Info pag.3 Concepção e publicação de recursos pedagógicos lúdico-didácticos, de divulgação e interpretação. O enfoque destes recursos deve centrar-se na abordagem ao museu enquanto espaço arquitectónico; biografia e obra de Paula Rego e de Victor Willing; outros artistas e colecções expostas; materiais e meios técnicos do desenho, da pintura e da gravura; criatividade e expressão plástica; diálogos nas artes: teatro e música; arte e literatura;; contos tradicionais, entre outros temas que se considerem pertinentes.O ATELIÊ - Serviço Educativo 5.4. Inovar - Participar: Dinamização de projectos inovadores de continuidade, envolvendo a participação de segmentos de publico prioritários, designadamente o público escolar e os agentes representativos da comunidade do município e do país. Estes projectos são desenvolvidos em efectiva parceria, a partir de um conceito ou problemática definida pela CHPR. 5.5. Avaliar - Qualificar : Avaliação processual e sumativa das metodologias de acção educativa e da gestão implementada, o grau de satisfação dos públicos, a adequação às expectativas e experiência global do visitante.casa das Histórias Paula rego
  4. 4. Av. República, 300 2750-475 Cascais 25. September 2010 Info tel. +351 214 826 970 info@casadashistorias.com www.casadashistoriaspaularego.comO ATELIÊ - EducATION SErvIcEcASA dAS HISTórIAS1. CHPR Education MissionThe Educational Action Plan of The Workshop | The Education Service of the CHPR believes that non-formaleducation is one of the museum’s core functions and that the education service should be responsible forattracting and educating visitors. The service works closely with the management and other departments, andaims to establish links with its panoply of planned projects.The Education Service uses constructive education techniques, prioritising the development of a critical eye,creativity and expression, transmitting concepts and practices related to the visual arts and the dialogue whichis established with other kinds of artistic expression; this allows the CHPR to enrich the activities it has onoffer.The activities carried out by the Education Service aim to give the museum’s visitors dynamic, fun, educationalexperiences, which promote lifelong learning through active communication.Part of the museum’s mission is to work with partners, sponsors and financers to promote and developcommon policies, projects and guidelines which facilitate access to the museum, its content and activities, aswell as and the understanding, use and enjoyment of these things by people of all ages.2. Goals and objectives of the education plan2.1 Goals- To attract and educate the public, and raise public awareness- To create networks of external partners and contacts which deepen and maintain the Education Service’sactivities- To encourage visitor loyalty by forging close and long-lasting relationships with the community.- To invest in the diversification, qualification and continuous training for the Education
  5. 5. 3. General objectives: - To implement a policy of sustainable action in the medium to long term, consistent with the socio-cultural context of the surrounding area; - To attract visitors, stimulating their interests and encouraging active participation by using advertising and dissemination appropriate for each project; - To offer a varied programme of educational activities which satisfy the need and interests of target audiences; - To promote visual literacy, artistic and creative expression, as well as critical thinking, interpretation and the establishment of dialogues and contrasts between the works on display; - To develop activities which promote a convergence of the arts; - To multiply the number of contextual readings and interpretations; - To strengthen social and emotional learning; - To meet and respond to the different minds and learning styles of visitors; - To provide time for enjoyment and relaxation, through which visitors can find new ways of seeing and experiencing art, narrative and creative expression. 4. Management and action strategies The focus of the action plan lies on three key concepts which underpin of museum education:Info pag.2 1. CHPR’s constructive participation in the wider socio-cultural environment; 2. Attracting audiences based on fundamental motivation for lifelong learning; 3. Designing Education Service actions/programmes which aim to meet visitors’ needs and publicise exhibitions and the collection.O ATELIÊ - Education Service Five axes of sustainable resource management INNOvATE PArTIcIPATEcasa das Histórias Paula rego dIvErSIFy INvOLvE EvALuATE INTEGrATE SHArE QuALIFy ENjOy INTErPrET 5.1. Involve - Share: To encourage the active participation of members of the community in constructing projects in accordance with CHPR’s policies – following ICOM’s directives for Education Services: To establish a network of partners in the educational, cultural and social community, so as to create dynamic and constructive cooperation between these partners and CHPR. To make use of knowledge, resources, projects, materials, spaces and equipment; to ensure that activities which require human resources are economically viable; to publicise and increase the reach of the education service’s activities in the wider national cultural context. To participate in conferences and seminars to raise awareness of CHPR and its collection; to run internships for academic and vocational training (as part of courses in Museology and Education).
  6. 6. 5.2. Diversify - Integrate: To create a network of external partners, made up of artists, cultural agents and specialists, education professionals, experts in different kinds of artistic expression, with a view to developing projects which diversify the education service’s programme and activities. To adopt a cultural volunteering model in certain areas of the education service’s activities / programme, and in the organisation of activities. To commit to continuous training for the education service team, aiming to promote reflection on their work, as well as the evaluation of the programme and methods which shape the service’s mission. This regular training is carried out in sessions overseen by the team itself, or occasionally by external specialists. 5.3. Enjoy - Interpret: To conceive a broad range of activities, aimed at different target audiences (each with distinct ages, experiences, backgrounds and interests), which develop visitors’ observation, interpretation and communication skills, provide shared, relaxing experiences and which bring the viewer closer to the work on display. This is done through contemplation and questioning which, rather than providing answers and concepts, raises new questions and new ways of seeing and experiencing artworks. To conceive and publish fun, stimulating, educational resources for dissemination and interpretation. These resources should concentrate on: discussing the museum’s architecture; the biography and work ofInfo pag.3 Paula Rego and Victor Willing; other artists and collections exhibited in CHPR; technical materials and media for drawing, painting and engraving; creativity and artistic expression; dialogue between the arts: theatre and music, art and literature; folk tales, among other areas which are considered relevant. 5.4. Innovate - Participate: To stimulate innovative, continuing projects, involving priority audiences - namely schools and representativesO ATELIÊ - Education Service for the local and national community. These projects are developed in partnership, starting with a concept or idea defined by the CHPR. 5.5. Evaluate - Qualify: The progressive and collective evaluation of educational and management activities in use, the satisfaction of the audience, and adjustments according to visitors’ expectations and overall experience.casa das Histórias Paula rego

×