SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Leitura de Imagens
• A linguagem visual é algo quotidiano que
  nos rodeia e que faz parte das nossas
  vidas.
• As imagens são para a linguagem visual o
  mesmo que as palavras são para a
  linguagem escrita: as suas unidades de
  representação.
• Embora a linguagem visual tenha, desde
  sempre, sido um
    veículo de comunicação, a enorme
  quantidade de mensagens que hoje se
  transmitem através deste sistema de
  comunicação resulta do desenvolvimento
  tecnológico   que    teve    lugar   nas
  sociedades ocidentais desde os anos 60.
• A      linguagem      visual     transmite
  conhecimento, ou seja, a imagem é uma
  coisa que alguém utiliza para algo.
• Temos muitas vezes um conceito
  idealizado de imagem. No entanto, não
  são inocentes, transmitem mensagens
  muito concretas.
• As Ciências da Comunicação e a
  semiótica estudam três sistemas de
  transmissão de mensagens:

• A comunicação verbal
• A comunicação escrita
• A comunicação visual
• Comunicação visual é o sistema de
  transmissão de sinais cujo código é a
  linguagem visual.
• Linguagem visual é o código específico
  da comunicação visual.
• Todos estudamos na escola a morfologia
  e a sintaxe da nossa língua materna, mas
  não estudamos nem a morfologia nem a
  sintaxe da linguagem visual. No entanto,
  sabemos lê-la.
• Vamos aprendendo desde que nascemos
  de forma automática, não formalizada e
  por isso não aprendemos a lê-la de
  maneira profunda, não aprendemos a
  descodificá-la  nem     a     construir
  mensagens.
• A linguagem visual é aquela que mais se
  aproxima da realidade – se disser ou
  escrever o nome de alguém, ou se tiver
  uma fotografia da mesma pessoa,
  obviamente que esta última está muito
  mais próxima da realidade.
•   Fig. 1 – Representação com
    recurso à linguagem visual



                                 • Um avião
                                   aproxima-se das
                                   torres gémeas

                                 •   Representação de um acontecimento através das
                                     linguagens visual e escrita
• No entanto, uma imagem não é a
  realidade.
• A realidade não está nem na imagem,
  nem no texto, mas na imagem parece que
  está.
sexo     corrupção       apple

Na mesma maçã podemos ver (interpretar)
        diferentes realidades.
•   Numa 1ª fase de construção de          pois o autor transporta consigo a
    uma representação visual, o           sua experiência pessoal, ou seja,
    emissor representa a realidade,       nenhuma representação é igual e
    no sentido em que substitui uma       varia de um indivíduo para outro.
    coisa pela outra. No campo da         Assim, como o processo de
    semiologia       da       imagem,     representação não pode ser
    representar consiste em substituir    separado da experiência pessoal
    a realidade através da linguagem      do autor, podemos afirmar que a
    visual.   Não     nos    podemos      representação              implica
    esquecer que o acto em que o          transformação.
    emissor decide o que representar
    se efectua num determinado
    contexto     (momento,       lugar,
    motivos), de maneira que, o acto
    de representar não é neutro,
• Interpretar é dar um
                           certo significado às
                           coisas, sejam elas a
                           própria realidade ou a
• O que é interpretar?     sua     representação.
                           No       campo      da
                           semiologia          da
                           imagem, interpretar é
                           conferir significado a
                           representações      de
                           carácter visual.
• Neste caso, o protagonista, é o receptor
  que traz consigo a sua experiência
  pessoal e, também ele, “consome” a
  mensagem num determinado contexto.
• Assim, também a interpretação varia de
  indivíduo para indivíduo.
• No acto de interpretar, a representação
  em si desaparece; ao interpretar, o
 espectador dá um novo sentido
 aquilo que é representado.
• Aquilo que o espectador realmente vê é
  um somatório de conceitos resultantes da
  sua experiência pessoal, memória e
  imaginação, de modo que podemos dizer
  que o observador é muito mais do que o
  simples receptor da mensagem; é o
  construtor da mensagem, já que o objecto
  não é o objecto em si mas a
  representação que o observador lhe
  associa.
uma
• Podemos assim concluir que
 imagem não é a realidade, mas
 sim um espaço físico onde se misturam
 os interesses de várias pessoas.
• O que é afinal uma imagem?
• Είκωη - “representação visual que possui
  uma certa semelhança com o objecto que
  representa”.
• Mais tarde aparece a raiz latina imago –
  “figura, sombra ou imitação”.
• Do primeiro vocábulo deriva a palavra
  portuguesa representar, do segundo
  deriva imitar.
• Ambos os termos remetem para um
  processo de substituição – substituição de
  quê através de quê? Trata-se de uma
  substituição da realidade.
• Imagem: unidade de representação criada
  através da linguagem visual.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visualSintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visualBruno Marques
 
Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade Gabicapel
 
O imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispectorO imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispectorELOI DE OLIVEIRA BATISTA
 
Apresentação1 com musica
Apresentação1  com musicaApresentação1  com musica
Apresentação1 com musicaEmilia Gotardo
 
Linguagem audiovisual
Linguagem audiovisualLinguagem audiovisual
Linguagem audiovisualCelso Viviani
 

Mais procurados (11)

Perfil do leitor
Perfil do leitor Perfil do leitor
Perfil do leitor
 
Sintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visualSintaxe da linguagem visual
Sintaxe da linguagem visual
 
Semiótica
SemióticaSemiótica
Semiótica
 
Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade
 
O imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispectorO imaginário na obra de clarice lispector
O imaginário na obra de clarice lispector
 
Cinema e linguagem
Cinema e linguagemCinema e linguagem
Cinema e linguagem
 
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2   linguagem audiovisualAulas 1 e 2   linguagem audiovisual
Aulas 1 e 2 linguagem audiovisual
 
Semiótica Social
Semiótica SocialSemiótica Social
Semiótica Social
 
Apresentação1 com musica
Apresentação1  com musicaApresentação1  com musica
Apresentação1 com musica
 
Linguagem audiovisual
Linguagem audiovisualLinguagem audiovisual
Linguagem audiovisual
 
1 linguagem[1]
1  linguagem[1]1  linguagem[1]
1 linguagem[1]
 

Semelhante a Leitura e interpretação de imagens

Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagensJoão Lima
 
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e Terminologia
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e TerminologiaOs Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e Terminologia
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e TerminologiaFernando Augusto Ferraz Busch
 
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagemPsicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagempsicomania
 
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalhoPapéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalhoCristiano Bodart
 
Apostila de Semiótica
Apostila de SemióticaApostila de Semiótica
Apostila de SemióticaLuci Bonini
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semióticajepireslima
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoVanda Sousa
 
SemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralSemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralLuci Bonini
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagemmartha
 
Dimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leciDimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leciArtetudo
 
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagensA metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagensAntonio Medina
 

Semelhante a Leitura e interpretação de imagens (20)

Leitura de imagens
Leitura de imagensLeitura de imagens
Leitura de imagens
 
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e Terminologia
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e TerminologiaOs Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e Terminologia
Os Quadrinhos Como Linguagem: Com Vocabulário e Terminologia
 
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagemPsicologia  função simbólica e desenvolvimento da linguagem
Psicologia função simbólica e desenvolvimento da linguagem
 
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalhoPapéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
Papéis sociais, conflitos de papéis e as relações sociais no trabalho
 
Apostila de Semiótica
Apostila de SemióticaApostila de Semiótica
Apostila de Semiótica
 
Pagina 8 EdiçãO 9
Pagina 8 EdiçãO 9Pagina 8 EdiçãO 9
Pagina 8 EdiçãO 9
 
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
Oficina: Por uma compreensão do letramento visual e seus suportes - Profª Dra...
 
Comunicação e semiótica
Comunicação e semióticaComunicação e semiótica
Comunicação e semiótica
 
Leitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto IcónicoLeitura de Imagens/Texto Icónico
Leitura de Imagens/Texto Icónico
 
SemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação GeralSemióTica Apresentação Geral
SemióTica Apresentação Geral
 
Teoria Da Imagem
Teoria Da ImagemTeoria Da Imagem
Teoria Da Imagem
 
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...5.12.2013 Oficina Letramento visual:  Matrizes de linguagem e seus suportes p...
5.12.2013 Oficina Letramento visual: Matrizes de linguagem e seus suportes p...
 
Apostila jurídica
Apostila jurídicaApostila jurídica
Apostila jurídica
 
Linguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptxLinguagem e pensamento.pptx
Linguagem e pensamento.pptx
 
Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
 
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdfPSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
PSICOPATOLOGIA _ ALTERAÇÕES DAS REPRESENTAÇÕES.pdf
 
Dimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leciDimensoes da imagem_leci
Dimensoes da imagem_leci
 
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagensA metodologia da pesquisa e a importância das imagens
A metodologia da pesquisa e a importância das imagens
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Teoria literária 2013
Teoria literária 2013Teoria literária 2013
Teoria literária 2013
 

Mais de João Lima

Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome João Lima
 
Utopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaUtopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaJoão Lima
 
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoUm Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoJoão Lima
 
Aula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosAula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosJoão Lima
 
Prototype Present
Prototype PresentPrototype Present
Prototype PresentJoão Lima
 
Ideas and Choices
Ideas and ChoicesIdeas and Choices
Ideas and ChoicesJoão Lima
 
Empathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementEmpathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementJoão Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2João Lima
 
Arte e literatura cacgm
Arte e literatura cacgmArte e literatura cacgm
Arte e literatura cacgmJoão Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6João Lima
 
Museu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberMuseu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberJoão Lima
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberJoão Lima
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberJoão Lima
 

Mais de João Lima (20)

Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome
 
Utopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaUtopias 2014 Programa
Utopias 2014 Programa
 
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoUm Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
 
Aula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosAula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e Silêncios
 
Prototype
PrototypePrototype
Prototype
 
Prototype Present
Prototype PresentPrototype Present
Prototype Present
 
Ideas and Choices
Ideas and ChoicesIdeas and Choices
Ideas and Choices
 
Empathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementEmpathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem Statement
 
Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5
 
Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4
 
Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3
 
Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2
 
Arte e literatura cacgm
Arte e literatura cacgmArte e literatura cacgm
Arte e literatura cacgm
 
Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1
 
Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6
 
Op mni 2
Op mni 2Op mni 2
Op mni 2
 
Op mni 1
Op mni 1Op mni 1
Op mni 1
 
Museu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberMuseu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina Weber
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdfProfGleide
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdfPLANEJAMENTO anual do  3ANO fundamental 1 MG.pdf
PLANEJAMENTO anual do 3ANO fundamental 1 MG.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 

Leitura e interpretação de imagens

  • 2. • A linguagem visual é algo quotidiano que nos rodeia e que faz parte das nossas vidas.
  • 3.
  • 4. • As imagens são para a linguagem visual o mesmo que as palavras são para a linguagem escrita: as suas unidades de representação.
  • 5. • Embora a linguagem visual tenha, desde sempre, sido um veículo de comunicação, a enorme quantidade de mensagens que hoje se transmitem através deste sistema de comunicação resulta do desenvolvimento tecnológico que teve lugar nas sociedades ocidentais desde os anos 60.
  • 6. • A linguagem visual transmite conhecimento, ou seja, a imagem é uma coisa que alguém utiliza para algo.
  • 7.
  • 8. • Temos muitas vezes um conceito idealizado de imagem. No entanto, não são inocentes, transmitem mensagens muito concretas.
  • 9.
  • 10. • As Ciências da Comunicação e a semiótica estudam três sistemas de transmissão de mensagens: • A comunicação verbal • A comunicação escrita • A comunicação visual
  • 11. • Comunicação visual é o sistema de transmissão de sinais cujo código é a linguagem visual.
  • 12. • Linguagem visual é o código específico da comunicação visual.
  • 13. • Todos estudamos na escola a morfologia e a sintaxe da nossa língua materna, mas não estudamos nem a morfologia nem a sintaxe da linguagem visual. No entanto, sabemos lê-la.
  • 14. • Vamos aprendendo desde que nascemos de forma automática, não formalizada e por isso não aprendemos a lê-la de maneira profunda, não aprendemos a descodificá-la nem a construir mensagens.
  • 15. • A linguagem visual é aquela que mais se aproxima da realidade – se disser ou escrever o nome de alguém, ou se tiver uma fotografia da mesma pessoa, obviamente que esta última está muito mais próxima da realidade.
  • 16. Fig. 1 – Representação com recurso à linguagem visual • Um avião aproxima-se das torres gémeas • Representação de um acontecimento através das linguagens visual e escrita
  • 17. • No entanto, uma imagem não é a realidade. • A realidade não está nem na imagem, nem no texto, mas na imagem parece que está.
  • 18.
  • 19. sexo corrupção apple Na mesma maçã podemos ver (interpretar) diferentes realidades.
  • 20. Numa 1ª fase de construção de pois o autor transporta consigo a uma representação visual, o sua experiência pessoal, ou seja, emissor representa a realidade, nenhuma representação é igual e no sentido em que substitui uma varia de um indivíduo para outro. coisa pela outra. No campo da Assim, como o processo de semiologia da imagem, representação não pode ser representar consiste em substituir separado da experiência pessoal a realidade através da linguagem do autor, podemos afirmar que a visual. Não nos podemos representação implica esquecer que o acto em que o transformação. emissor decide o que representar se efectua num determinado contexto (momento, lugar, motivos), de maneira que, o acto de representar não é neutro,
  • 21. • Interpretar é dar um certo significado às coisas, sejam elas a própria realidade ou a • O que é interpretar? sua representação. No campo da semiologia da imagem, interpretar é conferir significado a representações de carácter visual.
  • 22. • Neste caso, o protagonista, é o receptor que traz consigo a sua experiência pessoal e, também ele, “consome” a mensagem num determinado contexto. • Assim, também a interpretação varia de indivíduo para indivíduo.
  • 23. • No acto de interpretar, a representação em si desaparece; ao interpretar, o espectador dá um novo sentido aquilo que é representado.
  • 24. • Aquilo que o espectador realmente vê é um somatório de conceitos resultantes da sua experiência pessoal, memória e imaginação, de modo que podemos dizer que o observador é muito mais do que o simples receptor da mensagem; é o construtor da mensagem, já que o objecto não é o objecto em si mas a representação que o observador lhe associa.
  • 25. uma • Podemos assim concluir que imagem não é a realidade, mas sim um espaço físico onde se misturam os interesses de várias pessoas.
  • 26. • O que é afinal uma imagem?
  • 27. • Είκωη - “representação visual que possui uma certa semelhança com o objecto que representa”. • Mais tarde aparece a raiz latina imago – “figura, sombra ou imitação”.
  • 28. • Do primeiro vocábulo deriva a palavra portuguesa representar, do segundo deriva imitar. • Ambos os termos remetem para um processo de substituição – substituição de quê através de quê? Trata-se de uma substituição da realidade.
  • 29. • Imagem: unidade de representação criada através da linguagem visual.