Criatividade. O que é?

24.333 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
38 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.333
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
412
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
38
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criatividade. O que é?

  1. 1. Criatividade – O que é? Inês Guedes de Oliveira
  2. 2. O que é a criatividade? Como se define a criatividade? Diferentes modos de pensar a criatividade: criatividade enquanto atitude a pessoa criativa criatividade enquanto processo o processo criador criatividade enquanto produto o produto criado Inês Guedes de Oliveira
  3. 3. O que é a criatividade? A criatividade é um dom só de alguns? É uma capacidade? É uma manifestação? A criatividade é uma condição inerente ao ser humano. É uma capacidade do ser humano. A criatividade desenvolve-se e promove-se através do desenvolvimento de competências, habilidades e atitudes. A criatividade educa-se? Inês Guedes de Oliveira
  4. 4. Como se define a criatividade? Não há uma só definição para a criatividade. No senso comum - capacidade do ser humano em exprimir-se de uma forma original. Autores - a criatividade é o processo de gerar ideias novas e manifestá-las, criando algo como resultado. - a criatividade depende da inteligência, porque ser inteligente é ser capaz de interligare, que em latim significa a capacidade de relacionar ou associar conceitos, proporções e/ou coisas . A criatividade é uma condição do ser humano, que se manifesta de diversas maneiras e que produz diversos efeitos . Inês Guedes de Oliveira
  5. 5. Originalidade , invenção , fantasia e imaginação são vocábulos que se encontram com frequência na literatura como sinónimos de criatividade e, não sendo sinónimos, estão associados ao conceito de criatividade. Como se define a criatividade? Inês Guedes de Oliveira
  6. 6. Alguns conceitos básicos: Expressão – disposição para captar estímulos e expressá-los com sensibilidade. (Bellon, 1998) Fantasia – faculdade que pode não ter em conta a viabilidade ou o funcionamento daquilo que pensou. Tem a liberdade de pensar qualquer coisa, mesmo a mais absurda, incrível ou impossível. (Munari,1987) Imaginação – flexibilidade para relacionar as vivências e experiências. (Bellon, 1998) Inês Guedes de Oliveira
  7. 7. Alguns conceitos básicos: Invenção – pensamento de qualquer coisa que anteriormente não existe mas que se relaciona com o que se conhece, e tem o objectivo de uma utilização prática, porém não se preocupa com o aspecto estético.(Munari,1987) Ludicidade – acção de brincar, jogar, recrear, lazer, construção de artefactos lúdicos e humor. Lopes, 1998) Originalidade – modo pessoal de elaborar os conteúdos do pensamento (Bellon, 1998) Inês Guedes de Oliveira
  8. 8. <ul><li>Componentes do pensamento criativo: </li></ul><ul><li>Fluência </li></ul><ul><li>Flexibilidade </li></ul><ul><li>Originalidade </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  9. 9. <ul><li>A pessoa criativa tem sempre como premissas </li></ul><ul><li>pessoais: </li></ul><ul><li>Optimismo </li></ul><ul><li>Tolerância </li></ul><ul><li>Questionamento aos modelos prontos </li></ul><ul><li>Auto-exigência </li></ul><ul><li>Comunicabilidade </li></ul><ul><li>Iniciativa e persistência </li></ul><ul><li>Coragem para correr riscos </li></ul><ul><li>Capacidade de associações de ideias </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  10. 10. <ul><li>Etapas do pensamento criativo </li></ul><ul><li>Modelo de Koberg e Bagnall </li></ul><ul><li>(The All New Universal Traveler: A Soft-Systems Guide To Cretivity, Problem-Solving, and the Process of Reaching Goals, 1981) </li></ul><ul><li>Aceitar a nova situação como um desafio </li></ul><ul><li>Analisar e descobrir o “mundo do problema” </li></ul><ul><li>Definir as principais partes que compõem o problema e os objectivos a alcançar </li></ul><ul><li>Gerar ideias que conduzam a opções </li></ul><ul><li>Seleccionar uma ideia </li></ul><ul><li>Implementar para dar forma à ideia </li></ul><ul><li>Avaliar, rever e reutilizar o procedimento </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  11. 11. Como a mente opera: ABSORVE (aplicando a atenção) RETÉM (através da memória) CRIA (visualizando, prevendo, gerando ideias) JULGA (analisando, comparando, escolhendo) Inês Guedes de Oliveira
  12. 12. Por Jairo Siqueira, consultor em Criatividade, Inovação e Negociação Processo da compreensão Humana Inês Guedes de Oliveira
  13. 13. O que isto significa? Significa que nós não conseguimos ser inteiramente racionais e objectivos. Nas análises e conclusões somos sempre influenciados pelas experiências, emoções, interesses, crenças, valores, etc. Estas influências criam bloqueios à nossa criatividade e à aceitação de novas ideias Inês Guedes de Oliveira
  14. 14. Bloqueios mentais são obstáculos que nos impedem de perceber correctamente o problema ou conceber uma solução. Alguns bloqueios são criados por nós mesmos: temores, percepções, preconceitos, experiências, emoções, etc. Outros são criados pelo ambiente: tradição, valores, regras, falta de apoio, conformismo, entre outros. Segundo Jairo Siqueira, o s bloqueios mentais podem ser classificados em cinco categorias: Bloqueios culturais Bloqueios ambientais e organizacionais Bloqueios intelectuais e de comunicação Bloqueios emocionais Bloqueios de percepção Inês Guedes de Oliveira
  15. 15. <ul><li>Bloqueios culturais : Barreiras que impomos a nós mesmos, geradas por pressões da sociedade, cultura ou grupo a que pertencemos. Eles nos levam à rejeição do modo de pensar de pessoas ou grupos diferentes. Alguns destes bloqueios: </li></ul><ul><li>Nós não pensamos ou agimos desta forma. </li></ul><ul><li>Nossa forma de pensar é o certo. </li></ul><ul><li>Respeitamos nossas tradições. </li></ul><ul><li>Não se mexe em equipa que está ganhando. </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  16. 16. <ul><li>Bloqueios ambientais e organizacionais : Resultantes das condições e do ambiente de trabalho (físico e cultural): </li></ul><ul><li>Distracções no ambiente de trabalho, reais ou imaginárias. </li></ul><ul><li>Ambiente de trabalho opressivo, inseguro, desagradável. </li></ul><ul><li>Atitudes inibidoras à expressão de sentimentos, emoções, humor e fantasia. </li></ul><ul><li>Autoritarismo, estilos de liderança inibidores. </li></ul><ul><li>Falta de apoio, cooperação e confiança. </li></ul><ul><li>Rotina stressante. </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  17. 17. <ul><li>Bloqueios intelectuais e de comunicação : Inabilidade para formular e expressar com clareza problemas e ideias. Podem resultar de vários factores: </li></ul><ul><li>Falta de informação e pouco conhecimento sobre o problema ou situação analisada. </li></ul><ul><li>Informação incorrecta ou incompleta. </li></ul><ul><li>Fixação profissional ou funcional, isto é, procurar soluções unicamente dentro dos limites de sua especialização ou campo de actividade. </li></ul><ul><li>Crença de que para todo problema só há uma única solução válida. </li></ul><ul><li>Uso inadequado ou inflexível de métodos para solução de problemas. </li></ul><ul><li>Inabilidade para formular e expressar com clareza problemas e ideias. </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  18. 18. <ul><li>Bloqueios emocionais : Resultantes do desconforto em explorar e manipular ideias. </li></ul><ul><li>Medo de correr riscos </li></ul><ul><li>Receio de parecer tolo ou ridículo. </li></ul><ul><li>Dificuldade em isolar o problema. </li></ul><ul><li>Desconforto com incertezas e ambiguidades. </li></ul><ul><li>Negativismo: procura prematura de razões para o fracasso, por que não vai dar certo. </li></ul><ul><li>Inabilidade para distinguir entre realidade e fantasia. </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  19. 19. <ul><li>Bloqueios de percepção : Obstáculos que nos impedem de perceber claramente o problema ou a informação necessária para resolvê-lo. Inabilidade para ver o problema sob diversos pontos de vista. Exemplos: </li></ul><ul><li>Estereótipos: ignorar que um objecto pode ter outras aplicações além de sua função usual. </li></ul><ul><li>Fronteiras imaginárias: projectamos fronteiras no problema ou na solução que não existem na realidade. </li></ul><ul><li>Sobrecarga de informação: excesso de informações e de detalhes que restringem a solução que pode ser considerada. </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  20. 20. À mudança de perspectiva e de procura de enfoques não usuais, Edward De Bono chama de Pensamento Lateral (Lateral Thinking) O Pensamento Lateral pode ser definido como uma perspectiva heurística para solução de problemas, em que você tenta olhar o problema de vários ângulos, em vez de atacá-lo de frente. É o uso de um processo não linear de raciocínio, para questionar suposições, mudar perspectivas e gerar novas ideias. Inês Guedes de Oliveira
  21. 21. COMO FAZER UM UP GRADE NAS SUAS IDEIAS... Técnicas de 1 – Brainstorming 2 – Associação de Ideias | Analogias 3 – Listagem de atributos 4 – Mapa Mental 5 – Nove Janelas 6 – Relações Forçadas 7 – Positivo, Negativo, Interessante 8 – Outros Pontos de Vista Inês Guedes de Oliveira
  22. 22. 1 – Brainstorming O que é Brainstorming é uma ferramenta para geração de novas ideias, conceitos e soluções para qualquer assunto ou tópico num ambiente livre de críticas e de restrições à imaginação. 1.º  - Definir o problema 2.º Produção de ideias. 3.º  - Avaliação das ideias. 4.º  - Eliminação de ideias. 5.º  - Registo das ideias finais e das respectivas prioridades e formas de implementação e/ou de resolução dos problemas. Inês Guedes de Oliveira
  23. 23. 2 – Associação de Ideias | Analogias O que é Permitir que a mente faça associações livres de palavras, conceitos e objectos pode gerar rasgos de criatividade.  1. Anunciar o problema/desafio 2. Escolher uma palavra chave 3. Escolher um outro campo de ideias paralelo àquele do problema/desafio 4. Relacioná-los escolhendo particularidades ricas 5. Procurar semelhanças e conexões entre eles 6. Colher os resultados... Inês Guedes de Oliveira
  24. 24. <ul><li>3 – Listagem de atributos </li></ul><ul><li>O que é </li></ul><ul><li>é uma técnica que: </li></ul><ul><li>pega uma entidade, que pode ser um objecto, sistema ou projecto; </li></ul><ul><li>identifica e caracteriza seus diversos atributos; </li></ul><ul><li>identifica os variados valores que estes atributos podem assumir; e então </li></ul><ul><li>combina esses atributos para encontrar novas formas do objecto, sistema ou projecto. </li></ul><ul><li>uma lista de questões: </li></ul><ul><li>Modificar </li></ul><ul><li>Aumentar </li></ul><ul><li>Diminuir </li></ul><ul><li>Substituir </li></ul><ul><li>Adaptar </li></ul><ul><li>Inverter </li></ul><ul><li>Combinar </li></ul>Inês Guedes de Oliveira
  25. 25. Inês Guedes de Oliveira
  26. 26. Inês Guedes de Oliveira
  27. 27. Inês Guedes de Oliveira
  28. 28. Inês Guedes de Oliveira
  29. 29. Inês Guedes de Oliveira
  30. 30. Inês Guedes de Oliveira
  31. 31. Inês Guedes de Oliveira
  32. 32. Inês Guedes de Oliveira
  33. 33. Inês Guedes de Oliveira
  34. 34. Inês Guedes de Oliveira
  35. 35. Inês Guedes de Oliveira
  36. 36. Inês Guedes de Oliveira
  37. 37. Inês Guedes de Oliveira
  38. 38. Inês Guedes de Oliveira
  39. 39. Inês Guedes de Oliveira
  40. 40. Inês Guedes de Oliveira
  41. 41. A criatividade A criatividade tem como efeito a flexibilidade de pensamento, a originalidade das ideias e a fluidez de expressão, potenciando, simultaneamente, a comunicação e a expressão pessoal, ao despertar a curiosidade e o espírito crítico e ao valorizar as manifestações lúdicas Inês Guedes de Oliveira
  42. 42. Quem tem estudado a criatividade? Tradicionalmente a criatividade tem sido estudada pela psicologia. Mas também tem sido alvo de estudo da neurociências , da psicanálise , da epistemologia e da sociologia . As neurociências procuram descrever as estruturas e os mecanismos bioquímicos e bioeléctricos que regulam a actividade criativa. A psicanálise procura compreender quais são os impulsos inconscientes que induzem a criar e quais são os que reprimem esse instinto. A psicologia explorou os tipos de criatividade, as fases do processo criativo, a diferença entre criatividade e inteligência e os modos possíveis de ensinar e desenvolver a criatividade. A epistemologia estuda como se estrutura e desenvolve o conhecimento. A sociologia procura entender quais os relacionamentos entre sociedade e criatividade, como remover os obstáculos sociais à criatividade, quais as particularidades organizacionais que caracterizam a criatividade Inês Guedes de Oliveira

×