SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Baixar para ler offline
Literatura, Arte e Educação
Uma abordagem Criativa à Aprendizagem em Contexto
Centro de Arte Contemporânea GraCentro de Arte Contemporânea Graçça Morais | CFAEBN | 2013a Morais | CFAEBN | 2013
onto de Partida
«Pelas precedentes considerações se manifesta
que não é ofício de poeta narrar o que aconteceu;
é, sim, o de representar o que poderia acontecer,
quer dizer: o que é possível segundo a
verossimilhança e a necessidade. Com efeito, não
diferem o historiador e o poeta, por escreverem
verso ou prosa (pois que bem poderiam ser postas
em verso as obras de Heródoto, e nem por isso
deixariam de ser história, se fossem em verso o
que eram em prosa), - diferem, sim, em que diz
um as coisas que sucederam, e outro as que
poderiam suceder.»
Aristóteles | Poética | 335/323 a.C.
arte
História | Literatura
“Presbiter Johannes potentia et virtude Dei...”
«A concepção moderna acentua a sua relação
com a investigação: A historiografia apresenta
um saber histórico que é conseguido através de
processos empíricos de investigação
metodicamente organizados e que, por isso, se
distingue pela qualidade especificamente
científica da sua racionalidade metódica. A
concepção pós-moderna acentua a força
criadora, com a qual os autores formam o seu
saber histórico e se dirigem ao seu público e
que confere à historiografia uma qualidade
primariamente poética ou retórica.»
Rüsen | 1990
«O historiador é obrigado a realizar sempre uma
ficção perspectivista da história, dado que é
impossível a existência de uma história que
recolha simplesmente o passado nos arquivos…
Não se chega, pura e simplesmente, a factos
aprioristicamente estabelecidos por fontes. A
história é, neste sentido, sempre construção de
uma experiência, que tanto reconstrói uma
temporalidade quanto a transpõe em narrativa.»
Pesavento | 2000
«A busca da positividade em História não deve,
porém, fazer esquecer que ela só alcança o
passado por intermédio de sinais e
representações mediadoras da realidade e não
por um exame directo da própria realidade.
Esses sinais são as marcas da passagem do
Homem, mas são também as próprias
representações verbais ou mentais que
permitem escolher entre eles os que são
considerados representativos. A História é,
portanto, uma representação de
representações. É um saber, e não
propriamente uma ciência.»
Mattoso | 1997
"A arte presente atraiçoa a revolução,
corrompe os costumes. De tal forma, ou se há-
de tornar realista ou irá até à extinção completa
pela reacção das consciências. – O modo de a
salvar é fundar o realismo, que expõe o
verdadeiro elevado às condições do belo e
aspirando ao bem, - pela condenação do vício
e pelo engrandecimento do trabalho e o da
virtude” .
Eça de Queiroz | 1871
«[...] será necessário desprezar o termo
«ciência» quando se fala da história, para a
relegar para a categoria de «saber»?
Julgamos que não e que entendê-la como arte
não implica que não a devamos incluir na
categoria de ciência, depois de nos termos
libertado já da concepção positivista e
«moderna» de ciência [...]. A história será
ciência e arte, será uma «literatura
científica», conforme lhe chamámos.»
Torgal | 1996
«Ao contrário dos autores de romances, os
historiadores têm de se preocupar com a
comprobabilidade empírica e com a verificação de
todas as suas afirmações. Pelo contrário, parece-me
que o escritor de romances tem, se desejar, muito
mais liberdade no tratamento do seu assunto e não
se encontra ligado a tais regras de
comprobabilidade.»
Kocka | 1990
«Não podemos esquecer que o discurso crítico é
historicamente condicionado, que cada época e
cada historiador valoriza determinados autores e
deixa cair outros no esquecimento e que esta
escolha não depende de um qualquer valor
intrínseco dos textos , mas daquilo que diferentes
leitores, em diferentes épocas, procuraram neles.»
Vanda Anastácio | 2002
arte
… e Espaços Museológicos…
História | Literatura | Museu
Arte
Palavras Imagens
Significados
Conhecimento
Museus (?)
«Um museu é uma instituição permanente, sem
fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu
desenvolvimento, aberto ao público, e que
adquire, conserva, estuda, comunica e expõe
testemunhos (i)materiais do homem e do seu meio
ambiente, tendo em vista o estudo, a educação e
a fruição.»
ICOM
(Internactional Council of Museums)
Somos nós os mesmos observadores?
Arte?
«(…) as acções museológicas não são processadas
somente a partir dos objectos, das colecções, mas tendo
como referencial o património global, na dinâmica da
vida, tornando assim necessária uma ampla revisão dos
métodos a serem aplicados nas acções de pesquisa,
preservação e comunicação, nos diferentes
contextos.»
Maria Célia Santos
E… então?
«Para que servem os sentimentos? Poder-se-ia argumentar que as
emoções sem sentimentos seriam mais do que suficientes para a
regulação da vida e para a promoção da sobrevivência. Porém, não é
esse o caso. Na orquestração da sobrevivência é extremamente
valioso ter sentimentos. As emoções são úteis em si mesmas, mas é
o processo de sentir que alerta o organismo para o problema que a
emoção começou a resolver.»
António Damásio
Precisamos (re)pensar alguma coisa?
arte
Desafio Colaborativo
Projecto | Ideia
Partindo da literatura e da palavra como
motor para a interpretação da obra de arte
crie um baú de interpretação pessoal para
um quadro da exposição presente no
Centro de Arte Contemporânea | Graça
Morais que permita uma leitura
interpretativa e pedagogicamente criativa.
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreMaria Teresa Fortes
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura BrasileiraProfessor
 
07 ginzburg e o paradigma indiciario
07 ginzburg e o paradigma indiciario07 ginzburg e o paradigma indiciario
07 ginzburg e o paradigma indiciarioOdete Viola
 
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaMitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaAndré Santos Luigi
 
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo Romano
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo RomanoEscravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo Romano
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo RomanoAndré Santos Luigi
 
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo Leandro Bessa
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaSilvana Oliveira
 
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
Paul Ricoeur -  intencionalidade históricaPaul Ricoeur -  intencionalidade histórica
Paul Ricoeur - intencionalidade históricacrislautert
 
Fund. antropológicos da arte nota 9,5
Fund. antropológicos da arte   nota 9,5Fund. antropológicos da arte   nota 9,5
Fund. antropológicos da arte nota 9,5HENRIQUE GOMES DE LIMA
 
21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de rogerEnnilyy
 

Mais procurados (20)

Arte Educao
Arte EducaoArte Educao
Arte Educao
 
Apostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libreApostila literatura brasileira-libre
Apostila literatura brasileira-libre
 
Literatura Brasileira
Literatura BrasileiraLiteratura Brasileira
Literatura Brasileira
 
07 ginzburg e o paradigma indiciario
07 ginzburg e o paradigma indiciario07 ginzburg e o paradigma indiciario
07 ginzburg e o paradigma indiciario
 
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade ClássicaMitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
Mitologia: abordagens metodológicas para o historiador de Antiguidade Clássica
 
His m02t05
His m02t05His m02t05
His m02t05
 
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo Romano
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo RomanoEscravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo Romano
Escravos sem senhores: escravidão, trabalho e poder no Mundo Romano
 
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo
Historiografia e o Ofício do Historiador | Viagens de Clio por Pedro Ivo
 
Aual 2.2 paul veyne
Aual 2.2   paul veyneAual 2.2   paul veyne
Aual 2.2 paul veyne
 
História cultural
História culturalHistória cultural
História cultural
 
Mimese III
Mimese IIIMimese III
Mimese III
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
 
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
Paul Ricoeur -  intencionalidade históricaPaul Ricoeur -  intencionalidade histórica
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
 
Fund. antropológicos da arte nota 9,5
Fund. antropológicos da arte   nota 9,5Fund. antropológicos da arte   nota 9,5
Fund. antropológicos da arte nota 9,5
 
Documento e monumento
Documento e monumentoDocumento e monumento
Documento e monumento
 
21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger21 resenha sobre o livro de roger
21 resenha sobre o livro de roger
 
Introdução entre o mito e a fronteira
Introdução entre o mito e a fronteiraIntrodução entre o mito e a fronteira
Introdução entre o mito e a fronteira
 
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult CapituloA8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
 
História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]
 
Faces da história
Faces da históriaFaces da história
Faces da história
 

Destaque

Literatura aula de apresentação da disciplina - 2014
Literatura   aula de apresentação da disciplina - 2014Literatura   aula de apresentação da disciplina - 2014
Literatura aula de apresentação da disciplina - 2014Marcos Paulo Lopes Pessoa
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaMárcio Hilário
 
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc prOficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc prJosé Antonio Kuller
 
Literatura e a Intertextualidade entre Gêneros Diferentes
Literatura  e a Intertextualidade entre  Gêneros DiferentesLiteratura  e a Intertextualidade entre  Gêneros Diferentes
Literatura e a Intertextualidade entre Gêneros DiferentesCrisBiagio
 
introdução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaintrodução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaelenir duarte dias
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturaAndriane Cursino
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literaturajaquemarcondes
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaFernando Kenji Kamei
 
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaRuptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaMargarida Moreira
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a LiteraturaGlauco Duarte
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra ColonialJoão Lima
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 Faell Vasconcelos
 
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...Fabio Lemes
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaJosé Ricardo Lima
 

Destaque (20)

Literatura aula de apresentação da disciplina - 2014
Literatura   aula de apresentação da disciplina - 2014Literatura   aula de apresentação da disciplina - 2014
Literatura aula de apresentação da disciplina - 2014
 
AP:01/2011 Literatura
AP:01/2011 LiteraturaAP:01/2011 Literatura
AP:01/2011 Literatura
 
A forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literaturaA forma artística e alguns conceitos de literatura
A forma artística e alguns conceitos de literatura
 
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDioTeoria LiteráRia Ensino MéDio
Teoria LiteráRia Ensino MéDio
 
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc prOficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
Oficina de metodologia de desenvolvimento de competências puc pr
 
Literatura e a Intertextualidade entre Gêneros Diferentes
Literatura  e a Intertextualidade entre  Gêneros DiferentesLiteratura  e a Intertextualidade entre  Gêneros Diferentes
Literatura e a Intertextualidade entre Gêneros Diferentes
 
introdução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literaturaintrodução aos estudos da Literatura
introdução aos estudos da Literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da LiteraturaIntrodução à Revisão Sistemática da Literatura
Introdução à Revisão Sistemática da Literatura
 
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na LiteraturaRuptura Inovação nas Artes e na Literatura
Ruptura Inovação nas Artes e na Literatura
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
 
Literatura 1 2013
Literatura 1   2013Literatura 1   2013
Literatura 1 2013
 
Guerra Colonial
Guerra ColonialGuerra Colonial
Guerra Colonial
 
Generos literarios
Generos literariosGeneros literarios
Generos literarios
 
Literatura.ppt
Literatura.pptLiteratura.ppt
Literatura.ppt
 
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1 1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
1ª série Ensino Médio - POSITIVO - Literatura - Unidade 1
 
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...
Projeto Literatura, Diversão e Arte - Trabalhando o Modernismo e a Arte Moder...
 
Conceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da LiteraturaConceito de arte_Funções da Literatura
Conceito de arte_Funções da Literatura
 

Semelhante a Arte e literatura cacgm

ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.Tissiane Gomes
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010adriano braun
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeJoão Lima
 
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpogrupointerartes
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISVIVIAN TROMBINI
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologialukinha10
 
Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41António Nhaposse
 
Antropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografiaAntropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografiaLaís Maíne
 
O que são e para que servem os museus?
O que são e para que servem os museus?O que são e para que servem os museus?
O que são e para que servem os museus?mariavlachoupt
 
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. Garoian
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. GaroianPerformance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. Garoian
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. GaroianPIBID_Teatro2014
 
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdfRelações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdfPatrciaSousa683558
 
Certeau a cultura no plural
Certeau a cultura no pluralCerteau a cultura no plural
Certeau a cultura no pluralMyllena Azevedo
 
A cidade como objeto temporal
A cidade como objeto temporalA cidade como objeto temporal
A cidade como objeto temporalAna Rocha
 
Aula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiênciaAula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiênciaElizeu Nascimento Silva
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalMariano Akerman
 
Práticas artísticas,crítica e educação do gosto na década 1920
Práticas artísticas,crítica  e educação do gosto na década 1920Práticas artísticas,crítica  e educação do gosto na década 1920
Práticas artísticas,crítica e educação do gosto na década 1920Natália Barros
 
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfMARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfDiogoRibeiro981045
 

Semelhante a Arte e literatura cacgm (20)

ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
ARTIGO – COMO A ARTE LITERÁRIA PODE AUXILIAR NO ENSINO DE HISTÓRIA?.
 
Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010Historia e literatura e ensino 2010
Historia e literatura e ensino 2010
 
História, Arte e Criatividade
História, Arte e CriatividadeHistória, Arte e Criatividade
História, Arte e Criatividade
 
Artigo 04
Artigo 04Artigo 04
Artigo 04
 
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo
32 luciana ribeiro_desejodecriacaocorpo
 
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAISARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
ARTE - UEM - CONHECIMENTOS GERAIS
 
A antropologia
A antropologiaA antropologia
A antropologia
 
Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41Antropologia dos objetos_v41
Antropologia dos objetos_v41
 
Antropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografiaAntropologia e educação :o sentido da etnografia
Antropologia e educação :o sentido da etnografia
 
O que são e para que servem os museus?
O que são e para que servem os museus?O que são e para que servem os museus?
O que são e para que servem os museus?
 
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. Garoian
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. GaroianPerformance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. Garoian
Performance Artística como Pedagogia de Resistência - Charles R. Garoian
 
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdfRelações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
Relações entre ficção e história. uma breve revisão teórica (1).pdf
 
Certeau a cultura no plural
Certeau a cultura no pluralCerteau a cultura no plural
Certeau a cultura no plural
 
A cidade como objeto temporal
A cidade como objeto temporalA cidade como objeto temporal
A cidade como objeto temporal
 
Aula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiênciaAula 01 introdução a arte como experiência
Aula 01 introdução a arte como experiência
 
Definindo arte
Definindo arteDefinindo arte
Definindo arte
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História Cultural
 
Módulo 3
Módulo 3Módulo 3
Módulo 3
 
Práticas artísticas,crítica e educação do gosto na década 1920
Práticas artísticas,crítica  e educação do gosto na década 1920Práticas artísticas,crítica  e educação do gosto na década 1920
Práticas artísticas,crítica e educação do gosto na década 1920
 
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdfMARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
MARATONA REVISA 3ª SÉRIE SETEMBRO PROFESSOR (2).pdf
 

Mais de João Lima

Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome João Lima
 
Utopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaUtopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaJoão Lima
 
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoUm Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoJoão Lima
 
Aula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosAula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosJoão Lima
 
Prototype Present
Prototype PresentPrototype Present
Prototype PresentJoão Lima
 
Ideas and Choices
Ideas and ChoicesIdeas and Choices
Ideas and ChoicesJoão Lima
 
Empathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementEmpathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementJoão Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1João Lima
 
Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6João Lima
 
Museu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberMuseu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberJoão Lima
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberJoão Lima
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberJoão Lima
 
Lugares e Não-Lugares - Vítor Tavares
Lugares e Não-Lugares - Vítor TavaresLugares e Não-Lugares - Vítor Tavares
Lugares e Não-Lugares - Vítor TavaresJoão Lima
 

Mais de João Lima (20)

Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome Ensaio sobre a fome
Ensaio sobre a fome
 
Utopias 2014 Programa
Utopias 2014 ProgramaUtopias 2014 Programa
Utopias 2014 Programa
 
Um Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem VelhoUm Gato Verde e um Homem Velho
Um Gato Verde e um Homem Velho
 
Aula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e SilênciosAula Cenários e Silêncios
Aula Cenários e Silêncios
 
Prototype
PrototypePrototype
Prototype
 
Prototype Present
Prototype PresentPrototype Present
Prototype Present
 
Ideas and Choices
Ideas and ChoicesIdeas and Choices
Ideas and Choices
 
Empathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem StatementEmpathy Map and Problem Statement
Empathy Map and Problem Statement
 
Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5Roteiro de exploração pedagógica 5
Roteiro de exploração pedagógica 5
 
Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4Roteiro de exploração pedagógica 4
Roteiro de exploração pedagógica 4
 
Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3Roteiro de exploração pedagógica 3
Roteiro de exploração pedagógica 3
 
Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2Roteiro de exploração pedagógica 2
Roteiro de exploração pedagógica 2
 
Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1Roteiro de exploração pedagógica 1
Roteiro de exploração pedagógica 1
 
Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6Roteiro de exploração pedagógica 6
Roteiro de exploração pedagógica 6
 
Op mni 2
Op mni 2Op mni 2
Op mni 2
 
Op mni 1
Op mni 1Op mni 1
Op mni 1
 
Museu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina WeberMuseu das Comunicações Cristina Weber
Museu das Comunicações Cristina Weber
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
 
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina WeberDa escola ao museu das comunicações Cristina Weber
Da escola ao museu das comunicações Cristina Weber
 
Lugares e Não-Lugares - Vítor Tavares
Lugares e Não-Lugares - Vítor TavaresLugares e Não-Lugares - Vítor Tavares
Lugares e Não-Lugares - Vítor Tavares
 

Arte e literatura cacgm

  • 1. Literatura, Arte e Educação Uma abordagem Criativa à Aprendizagem em Contexto Centro de Arte Contemporânea GraCentro de Arte Contemporânea Graçça Morais | CFAEBN | 2013a Morais | CFAEBN | 2013
  • 3.
  • 4. «Pelas precedentes considerações se manifesta que não é ofício de poeta narrar o que aconteceu; é, sim, o de representar o que poderia acontecer, quer dizer: o que é possível segundo a verossimilhança e a necessidade. Com efeito, não diferem o historiador e o poeta, por escreverem verso ou prosa (pois que bem poderiam ser postas em verso as obras de Heródoto, e nem por isso deixariam de ser história, se fossem em verso o que eram em prosa), - diferem, sim, em que diz um as coisas que sucederam, e outro as que poderiam suceder.» Aristóteles | Poética | 335/323 a.C.
  • 5.
  • 8. “Presbiter Johannes potentia et virtude Dei...”
  • 9. «A concepção moderna acentua a sua relação com a investigação: A historiografia apresenta um saber histórico que é conseguido através de processos empíricos de investigação metodicamente organizados e que, por isso, se distingue pela qualidade especificamente científica da sua racionalidade metódica. A concepção pós-moderna acentua a força criadora, com a qual os autores formam o seu saber histórico e se dirigem ao seu público e que confere à historiografia uma qualidade primariamente poética ou retórica.» Rüsen | 1990
  • 10.
  • 11. «O historiador é obrigado a realizar sempre uma ficção perspectivista da história, dado que é impossível a existência de uma história que recolha simplesmente o passado nos arquivos… Não se chega, pura e simplesmente, a factos aprioristicamente estabelecidos por fontes. A história é, neste sentido, sempre construção de uma experiência, que tanto reconstrói uma temporalidade quanto a transpõe em narrativa.» Pesavento | 2000
  • 12.
  • 13. «A busca da positividade em História não deve, porém, fazer esquecer que ela só alcança o passado por intermédio de sinais e representações mediadoras da realidade e não por um exame directo da própria realidade. Esses sinais são as marcas da passagem do Homem, mas são também as próprias representações verbais ou mentais que permitem escolher entre eles os que são considerados representativos. A História é, portanto, uma representação de representações. É um saber, e não propriamente uma ciência.» Mattoso | 1997
  • 14.
  • 15. "A arte presente atraiçoa a revolução, corrompe os costumes. De tal forma, ou se há- de tornar realista ou irá até à extinção completa pela reacção das consciências. – O modo de a salvar é fundar o realismo, que expõe o verdadeiro elevado às condições do belo e aspirando ao bem, - pela condenação do vício e pelo engrandecimento do trabalho e o da virtude” . Eça de Queiroz | 1871
  • 16.
  • 17. «[...] será necessário desprezar o termo «ciência» quando se fala da história, para a relegar para a categoria de «saber»? Julgamos que não e que entendê-la como arte não implica que não a devamos incluir na categoria de ciência, depois de nos termos libertado já da concepção positivista e «moderna» de ciência [...]. A história será ciência e arte, será uma «literatura científica», conforme lhe chamámos.» Torgal | 1996
  • 18.
  • 19. «Ao contrário dos autores de romances, os historiadores têm de se preocupar com a comprobabilidade empírica e com a verificação de todas as suas afirmações. Pelo contrário, parece-me que o escritor de romances tem, se desejar, muito mais liberdade no tratamento do seu assunto e não se encontra ligado a tais regras de comprobabilidade.» Kocka | 1990
  • 20.
  • 21. «Não podemos esquecer que o discurso crítico é historicamente condicionado, que cada época e cada historiador valoriza determinados autores e deixa cair outros no esquecimento e que esta escolha não depende de um qualquer valor intrínseco dos textos , mas daquilo que diferentes leitores, em diferentes épocas, procuraram neles.» Vanda Anastácio | 2002
  • 22.
  • 23. arte
  • 24. … e Espaços Museológicos…
  • 25. História | Literatura | Museu Arte Palavras Imagens Significados Conhecimento
  • 26. Museus (?) «Um museu é uma instituição permanente, sem fins lucrativos, ao serviço da sociedade e do seu desenvolvimento, aberto ao público, e que adquire, conserva, estuda, comunica e expõe testemunhos (i)materiais do homem e do seu meio ambiente, tendo em vista o estudo, a educação e a fruição.» ICOM (Internactional Council of Museums)
  • 27. Somos nós os mesmos observadores?
  • 28. Arte?
  • 29. «(…) as acções museológicas não são processadas somente a partir dos objectos, das colecções, mas tendo como referencial o património global, na dinâmica da vida, tornando assim necessária uma ampla revisão dos métodos a serem aplicados nas acções de pesquisa, preservação e comunicação, nos diferentes contextos.» Maria Célia Santos E… então?
  • 30. «Para que servem os sentimentos? Poder-se-ia argumentar que as emoções sem sentimentos seriam mais do que suficientes para a regulação da vida e para a promoção da sobrevivência. Porém, não é esse o caso. Na orquestração da sobrevivência é extremamente valioso ter sentimentos. As emoções são úteis em si mesmas, mas é o processo de sentir que alerta o organismo para o problema que a emoção começou a resolver.» António Damásio
  • 31.
  • 33. arte
  • 34.
  • 36.
  • 37. Projecto | Ideia Partindo da literatura e da palavra como motor para a interpretação da obra de arte crie um baú de interpretação pessoal para um quadro da exposição presente no Centro de Arte Contemporânea | Graça Morais que permita uma leitura interpretativa e pedagogicamente criativa.
  • 38.
  • 39. FIM