SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP
LICENCIATURA EM PEDAGOGIA E LETRAS
PÓLO BELÉM – PA 23201
ACADÊMICOS:
ALAN MIRANDA DA SILVA – 388319
CLAÚDIA CRISTINA DA SILVA CASTRO – 355661
ECIDIONEIDES MARIA FERNANDES – 388644
JAVÉ DE OLIVEIRA SILVA – 387478
MARIA DOROTELMA BASTOS TAPAJOS – 382391
MISSILENE DA CONCEIÇÃO GONÇALVES COELHO RA: 398311
ATPS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DE CIÊNCIAS
DOCENTE EAD: MA. MARIA CLOTILDE BASTOS
TUTORA / PRESENCIAL: AMANDA PEREIRA MARQUES
BELÉM DO PARÁ, MARÇO DE 2015
1
2
Introdução
A ciência, deve provocar um encontro com o desconhecido, convidando as crianças a
navegar nesse mundo utilizando as ferramentas com as quais poderão enfrentar a ciência
com um olhar mais aguçado.
No mundo atual, e talvez em épocas anteriores, embora em menor grau, a ciência
sempre foi associada à tecnologia. Ciência e tecnologia são diferentes. Enquanto a ciência
é a tentativa de compreender o mundo e de conhecê-lo tal como ele é, a tecnologia é a
tentativa de transformar o mundo naquilo que gostaríamos que fosse, porém elas se
relacionam e estimulam a compreensão dos fenômenos investigados.
3
Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências abrangem
o contexto de vivência da realidade dos alunos na sociedade atual?
Vivemos todos os dias em constantes descobertas em todas as áreas do conhecimento e o saber
científico e quando a busca por resposta s é latente, pois ela tem curiosidade de descobrir a origem das
coisas e as causas de fenômenos da natureza, entre outras.
Por isso cabe a disciplina de Ciências ser bem trabalhada na escola, pois quando isso acontece os
alunos são ajudados a encontrar respostas para muitas questões e faz com que eles e faz com eles esteja em
permanente exercício do raciocínio.
Neste sentido os Parâmetros Curriculares Nacionais orientam para construção de sujeito crítico,
sendo capaz de usar diferentes meios para adquirir informação e posteriormente construir o conhecimento
4
Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências abrangem o
contexto de vivência da realidade dos alunos na sociedade atual?
Segundo os PCNs: “Numa sociedade em que se convive com a supervalorização do
conhecimento científico e com a crescente intervenção da tecnologia no dia-a-dia, não é possível
pensar na formação de um cidadão crítico à margem do saber científico” (BRASIL, 1997, p. 21).
Assim sendo, o professor deve:
Despertar a curiosidade do aluno para uma situação problema;
Proporcionar o aluno a liberdade para encontrar as respostas da situação;
Estimular o educando a procurar uma explicação científica para esclarecer determinado
conceito ou fenômeno cientifico.
As atividades práticas devem ser feitas a partir de aspectos da vida dos alunos, ou seja, que
tenham a ver com problemas reais, do cotidiano da criança. Essas atividades elaboradas pelo
professor devem dar ao aluno a chance de testar e realizar suas ideias e hipóteses sobre todos os
problemas que estão sendo questionados.
5
A relevância do uso das tecnologias para o ensino de Ciências.
A disciplina de Ciências, quando bem trabalhada na escola, ajuda os alunos a encontrar
respostas para muitas questões e faz com que eles estejam em permanente exercício de raciocínio.
Ao trabalhar os conteúdos de Ciências é dar oportunidade a crianças e jovens de entender o
mundo e interpretar as ações e os fenômenos que observam e vivenciam no dia a dia. Usando as
tecnologias e ensino assim como a aprendizagem tornam-se mais prazerosa.
As tecnologias permitem um novo olhar dos alunos para a escola, possibilita a eles a
construção de novos conhecimentos e tornam o ensino mais prazeroso, dinâmico, atrativo.
É importante que os alunos tenham a oportunidade de estarem em contato com esses
recursos tecnológicos, pois eles permitem que o processo de ensino aprendizagem seja mais
produtivo, qualitativo e satisfatório.
6
A relevância do uso das tecnologias para o ensino de Ciências.
Propostas didáticas
Tema objetivos Procedimentos metodológicos Ano
Produção de
energia elétrica
Saber como a energia é
produzida e o caminho
que leva para chegar nas
residências.
-Os alunos vídeo sobre produção de energia elétrica ;
- Pedir que se anote palavras importantes ;
- O professor selecionará diversos textos que falem de outras
várias fontes de produção de energia;
- Criar uma maquete de distribuição da energia.
5°
Observação de
aves: da
internet para a
natureza
Identificar algumas
características
morfológicas das aves
(cor, tamanho, formato
do bico) e resaltar a
necessidade preservas
as espécies nativas.
- Fazer um levantamento com as crianças sobre o tipo de
pássaros que elas conhecem;
- Criar uma lista de pássaros e apresentar para as crianças,
por intermédio da internet, as características das aves;
- Estimular a observação dos pássaros que estão ao redor da
escola;
- Solicitação do levantamento de aves ameaçadas de
extinção.
2°
Conhecendo as
flores
Desperta o interesse
pelas flores conhecendo
suas características e
identificar as partes da
flor responsáveis pela
reprodução.
- No dia que antecede a aula levar os alunos a um jardim e
com ajuda de uma máquina fotográfica solicitar que
registrem detalhes das flores;
- No dia da aula, Serão apresentadas aos alunos algumas
flores naturais;
-Registrar no caderno, por meio de desenho de uma das flores
mostradas;
- Ao ministrar a aula expositiva demonstrar as partes
principais das flores.
1°
7
Muitas situações do cotidiano de desigualdade social e situações ambientais podem
ser problematizadas para serem investigados pela disciplina de Ciências.
Um dos problemas sociais é a fome que possibilita investigação de fatores como a
desnutrição ocasionada pela falta de nutrientes e o baixo consumo de calorias que uma
pessoa precisa.
Disponível em: http://www.surubimnews.com.br/garapa-
retrata-a-fome-no-nordeste/. Acesos em: 15 mar 2015
A relação de situações do cotidiano com os fundamentos e
metodologia de Ciências
Disponível em: http://noticiasdesantaluz.com.br/805-
milhoes-de-pessoas-passam-fome-no-mundo-revela-
estudo/. Acesos em: 15 mar 2015
8
A relação de situações do cotidiano com os fundamentos e
metodologia de Ciências
Quanto aos problemas ambientais a ênfase é a mudança de comportamentos, por exemplo, a questão
dos resíduos sólidos que é frequentemente abordada com destaque apenas a importância de separação para
a coleta seletiva com o surgimento das cooperativas de lixo.
Assim, seguindo os conteúdos escolares ensinados aos alunos são entendidos como parte de um
instrumento necessário para que todos compreendam a realidade à sua volta e adquiram as condições
necessárias para discutir, debater, opinar e o mesmo intervir nas questões sociais e ambientais.
Disponível em: http://iaritalittlewings.blogspot.com.br/2011/04/o-
lixo-e-um-dos-maiores-problemas-da.html. Acesos em: 15 mar
2015
Disponível em: http://www.tribunadabahia.com.br/2012/11/23/so-14-
dos-municipios-brasileiros-fazem-coleta-seletiva-dos-residuos.
Acesos em: 15mar 2015
9
Ações para despertar o interesse dos alunos para a Ciências
Segundo Guimarães, há três pontos importantes que devem ser levados em
consideração para despertar no aluno o interesse pela ciência:
As ações realizadas dentro e aquelas realizadas fora da escola;
Explorar a curiosidade natural das crianças; e
Mostrar a ciências como uma aventura instigante e sem fim.
Disponível em: http://posgraduando.com/blog/e-quando-a-
pesquisa-cientifica-nao-possui-aplicacao-pratica. Acesos em 19
mar 2015
A seguir vejamos algumas sugestões
de atividades que podem ser trabalhadas e
assim vir a despertar o interesse dos alunos
do Ensino Fundamental I para o ensino de
Ciências.
10
Ações para despertar o interesse dos alunos para a Ciências
Tema Objetivo Principal Ano
Os tipos de lixo
Realizando uma pesquisa de campo, a turma compreende a origem dos
resíduos sólidos e quais são os diferentes destinos que eles devem receber.
1° ao 4°
Sistema imunológico e
vacina
Entender o que é e como funciona o sistema imunológico levar a descobrir o
que são e como funcionam as vacinas e relacionar vacinas com prevenção de
doenças.
3° e 5°
A alimentação e o
corpo humano
Compreender que o corpo funciona de forma integrada, relacionando os
sistemas circulatório, respiratório e digestores.
4° e 5°
Fenômenos químicos
no preparo do pão
Reconhecer os fenômenos químicos que ocorrem no dia a dia e formular
hipóteses sobre a transformação de alimento.
4° e 5°
As mudanças do corpo
na puberdade
Promover o conhecimento dos alunos em relação às mudanças físicas, aos
caracteres sexuais primários e secundários na puberdade.
6° ao 9°
Algumas propostas de atividades
11
Conclusão
O ensino de Ciências contribui significativamente para o processo de ensino e
aprendizagem, conforme as orientações do PCN (1997), porém se faz necessário levar em
considerações os conhecimentos prévios dos alunos, sua cultura e o senso comum.
Assim sendo, cabe ao professor estimular a curiosidade e indagações adequadas às
possibilidades cognitivas de sua turma a fim de que possa buscar informações para
reconstruir ou ampliar os conhecimentos do discente.
Referências
BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997;
GUIMARAES, Alberto Passos. Hora de investir na educação científica. Academia Brasileira de Ciências.
2012. Disponível em: http://www.abc.org.br/impressao.php3?id_article=2082. Acesso em 19 de mar. 2015.
TRIVELATO, Sílvia F.; SILVA, Rosana L. F. Ensino de Ciências. São Paulo: Cengage Learning, 2011.
12

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Referencial teórico + abnt3
Referencial teórico  + abnt3Referencial teórico  + abnt3
Referencial teórico + abnt3aula123456
 
Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de PesquisaMetodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de PesquisaKarlandrade26
 
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TIC
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TICEnsino de ciências: tendências e inovações com o uso de TIC
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TICAngelo Branco
 
Plano de aula 01 sistema digestório
Plano de aula 01 sistema digestórioPlano de aula 01 sistema digestório
Plano de aula 01 sistema digestóriofamiliaestagio
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científicaLudmila Moura
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoGhiordanno Bruno
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeGustavo Zanotto
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosFrancislaine Souza
 
Rl educação ambiental
Rl educação ambientalRl educação ambiental
Rl educação ambientalGLEYDSON ROCHA
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científicasheilamayrink
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.Diego Ventura
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaIsabella Marra
 
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio Ambiente
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio AmbienteAula 1 - Educação para Saúde e Meio Ambiente
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio AmbienteThiago Ávila Medeiros
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022dibugiu
 

Mais procurados (20)

Referencial teórico + abnt3
Referencial teórico  + abnt3Referencial teórico  + abnt3
Referencial teórico + abnt3
 
Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de PesquisaMetodologia Científica - Tipos de Pesquisa
Metodologia Científica - Tipos de Pesquisa
 
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TIC
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TICEnsino de ciências: tendências e inovações com o uso de TIC
Ensino de ciências: tendências e inovações com o uso de TIC
 
Plano de aula 01 sistema digestório
Plano de aula 01 sistema digestórioPlano de aula 01 sistema digestório
Plano de aula 01 sistema digestório
 
Bases da investigação científica
Bases da investigação científicaBases da investigação científica
Bases da investigação científica
 
Aula 1 metodologia científica
Aula 1   metodologia científicaAula 1   metodologia científica
Aula 1 metodologia científica
 
Aula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento CientíficoAula 01 - Conhecimento Científico
Aula 01 - Conhecimento Científico
 
Tipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisaTipos de-pesquisa
Tipos de-pesquisa
 
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e CriaitividadeAula 01 - Inovação e Criaitividade
Aula 01 - Inovação e Criaitividade
 
Mapas Mentais: Educação Ambiental - IAVM
Mapas Mentais: Educação Ambiental - IAVMMapas Mentais: Educação Ambiental - IAVM
Mapas Mentais: Educação Ambiental - IAVM
 
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos CientíficosTipos de Pesquisa e Métodos Científicos
Tipos de Pesquisa e Métodos Científicos
 
Rl educação ambiental
Rl educação ambientalRl educação ambiental
Rl educação ambiental
 
Metodologia científica
Metodologia científicaMetodologia científica
Metodologia científica
 
Ética na pesquisa
Ética na pesquisaÉtica na pesquisa
Ética na pesquisa
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científica
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
 
Métodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisaMétodos e tipos de pesquisa
Métodos e tipos de pesquisa
 
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio Ambiente
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio AmbienteAula 1 - Educação para Saúde e Meio Ambiente
Aula 1 - Educação para Saúde e Meio Ambiente
 
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022Plano de aula 1º bimestre   biologia - 2º ano matutino - 2022
Plano de aula 1º bimestre biologia - 2º ano matutino - 2022
 
Inovação e gestão
Inovação e gestãoInovação e gestão
Inovação e gestão
 

Destaque

Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximo
Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximoConhecendo o vale do itajaí e litoral próximo
Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximoMarta Carolina Santos
 
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.Marta Carolina Santos
 
Mapa conceitual e resumo do caderno de educação à distância
Mapa conceitual  e resumo do caderno de educação à distânciaMapa conceitual  e resumo do caderno de educação à distância
Mapa conceitual e resumo do caderno de educação à distânciaMarta Carolina Santos
 
Unidade 3 e 4 políticas educacionais
Unidade 3 e 4   políticas educacionaisUnidade 3 e 4   políticas educacionais
Unidade 3 e 4 políticas educacionaisMarta Carolina Santos
 
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
Unidade 3  pedagogia da educação infantilUnidade 3  pedagogia da educação infantil
Unidade 3 pedagogia da educação infantilMarta Carolina Santos
 
Tecnologias aplicadas a educação
Tecnologias aplicadas a educaçãoTecnologias aplicadas a educação
Tecnologias aplicadas a educaçãomarlene350
 
As novas tecnologias aplicadas à educação
As novas tecnologias aplicadas à educaçãoAs novas tecnologias aplicadas à educação
As novas tecnologias aplicadas à educaçãogeorginalopes
 

Destaque (17)

Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximo
Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximoConhecendo o vale do itajaí e litoral próximo
Conhecendo o vale do itajaí e litoral próximo
 
Tecnologia aplicada a educação
Tecnologia aplicada a educaçãoTecnologia aplicada a educação
Tecnologia aplicada a educação
 
Educação e tecnologias
Educação e tecnologiasEducação e tecnologias
Educação e tecnologias
 
Unidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científicaUnidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científica
 
Unidade 2 educação e tecnologias
Unidade 2 educação e tecnologiasUnidade 2 educação e tecnologias
Unidade 2 educação e tecnologias
 
Jogando com tarsila do amaral
Jogando com tarsila do amaralJogando com tarsila do amaral
Jogando com tarsila do amaral
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
 
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
 
Mapa conceitual e resumo do caderno de educação à distância
Mapa conceitual  e resumo do caderno de educação à distânciaMapa conceitual  e resumo do caderno de educação à distância
Mapa conceitual e resumo do caderno de educação à distância
 
Educacao Tecnologica
Educacao TecnologicaEducacao Tecnologica
Educacao Tecnologica
 
Unidade 3 e 4 políticas educacionais
Unidade 3 e 4   políticas educacionaisUnidade 3 e 4   políticas educacionais
Unidade 3 e 4 políticas educacionais
 
Unidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científicaUnidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científica
 
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
Unidade 3  pedagogia da educação infantilUnidade 3  pedagogia da educação infantil
Unidade 3 pedagogia da educação infantil
 
Tecnologias aplicadas a educação
Tecnologias aplicadas a educaçãoTecnologias aplicadas a educação
Tecnologias aplicadas a educação
 
As novas tecnologias aplicadas à educação
As novas tecnologias aplicadas à educaçãoAs novas tecnologias aplicadas à educação
As novas tecnologias aplicadas à educação
 
Filosofia da educação unidade 1
Filosofia da educação unidade 1Filosofia da educação unidade 1
Filosofia da educação unidade 1
 
Tecnologias na Escola
Tecnologias na EscolaTecnologias na Escola
Tecnologias na Escola
 

Semelhante a UNIDERP - PEDAGOGIA E LETRAS

MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCMPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCprofamiriamnavarro
 
Histórico do PCN
Histórico do PCNHistórico do PCN
Histórico do PCNpibidbio
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01mariacarmcorreia
 
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anoCurrículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anotecnicossme
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpfamiliaestagio
 
Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasBinatto
 
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular   colégio estadual de alagoinhasProposta curricular   colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhasfamiliaestagio
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlakarlajanys
 
Investigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da naturezaInvestigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da naturezaEducacaoIntegralPTC
 
Trabalho interdisciplinar ciências
Trabalho interdisciplinar ciênciasTrabalho interdisciplinar ciências
Trabalho interdisciplinar ciênciasLily Levy
 
Trabalho interdisciplinar ciencias
Trabalho interdisciplinar cienciasTrabalho interdisciplinar ciencias
Trabalho interdisciplinar cienciasLily Levy
 
Estudo sobre as aecs
Estudo sobre as aecsEstudo sobre as aecs
Estudo sobre as aecsElviravilas3
 
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino Médio
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino MédioEnsino de Ciências por Investigação para o Ensino Médio
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino MédioVinicius Cerqueira
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Jorci Ponce
 
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantes
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantesQn 2006-291-173-178-reações-oscilantes
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantesDanilo Souza
 

Semelhante a UNIDERP - PEDAGOGIA E LETRAS (20)

MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCCMPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
MPEMC AULA 9: Ciências na BNCC
 
Histórico do PCN
Histórico do PCNHistórico do PCN
Histórico do PCN
 
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
Cinciasexperimentaisno1ciclo20122013 121028114507-phpapp01
 
Vol3 ciencias
Vol3 cienciasVol3 ciencias
Vol3 ciencias
 
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º anoCurrículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
Currículo referência ciências da natureza 6º ao 9º ano
 
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo pptO ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
O ensino de Ciencias e Biologia arquivo ppt
 
Proposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprpProposta ciencias 2007 cprp
Proposta ciencias 2007 cprp
 
Tendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciênciasTendências atuais para o ensino de ciências
Tendências atuais para o ensino de ciências
 
Resumo Caderno III
Resumo Caderno IIIResumo Caderno III
Resumo Caderno III
 
Caderno III
Caderno IIICaderno III
Caderno III
 
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular   colégio estadual de alagoinhasProposta curricular   colégio estadual de alagoinhas
Proposta curricular colégio estadual de alagoinhas
 
Projeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karlaProjeto feira de ciencias cnpq karla
Projeto feira de ciencias cnpq karla
 
Investigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da naturezaInvestigação no campo das ciencias da natureza
Investigação no campo das ciencias da natureza
 
Trabalho interdisciplinar ciências
Trabalho interdisciplinar ciênciasTrabalho interdisciplinar ciências
Trabalho interdisciplinar ciências
 
Trabalho interdisciplinar ciencias
Trabalho interdisciplinar cienciasTrabalho interdisciplinar ciencias
Trabalho interdisciplinar ciencias
 
Estudo sobre as aecs
Estudo sobre as aecsEstudo sobre as aecs
Estudo sobre as aecs
 
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino Médio
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino MédioEnsino de Ciências por Investigação para o Ensino Médio
Ensino de Ciências por Investigação para o Ensino Médio
 
Ciencias
CienciasCiencias
Ciencias
 
Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015Pnfem 3º caderno fev 2015
Pnfem 3º caderno fev 2015
 
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantes
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantesQn 2006-291-173-178-reações-oscilantes
Qn 2006-291-173-178-reações-oscilantes
 

Mais de JAVE DE OLIVEIRA SILVA

Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdf
Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdfDescrição heráldica do brasão sacerdotal.pdf
Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdfJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e Escolástica
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e EscolásticaA descida aos infernos - A Tradição Patrística e Escolástica
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e EscolásticaJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINTA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINTJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - LiturgiaA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - LiturgiaJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contemp
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contempConcílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contemp
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contempJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendor
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendorAnálise do capítulo i da encíclica veritatis splendor
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendorJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?Por que o povo bíblico é chamado de judeu?
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Santo tomás de aquino mestre espiritual
Santo tomás de aquino mestre espiritualSanto tomás de aquino mestre espiritual
Santo tomás de aquino mestre espiritualJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Historia e geografia biblica planaltos
Historia e geografia biblica planaltosHistoria e geografia biblica planaltos
Historia e geografia biblica planaltosJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1JAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de Aula
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de AulaEstratégias para o Ensino da Leitura na Sala de Aula
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de AulaJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 
Monografia prevencão do uso precoce de álcool
Monografia prevencão do uso precoce de álcoolMonografia prevencão do uso precoce de álcool
Monografia prevencão do uso precoce de álcoolJAVE DE OLIVEIRA SILVA
 

Mais de JAVE DE OLIVEIRA SILVA (20)

Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdf
Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdfDescrição heráldica do brasão sacerdotal.pdf
Descrição heráldica do brasão sacerdotal.pdf
 
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e Escolástica
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e EscolásticaA descida aos infernos - A Tradição Patrística e Escolástica
A descida aos infernos - A Tradição Patrística e Escolástica
 
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...
Resumo do Verbete Cristologia segundo o Dicionário Patrístico e de Antiguidad...
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINTA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - POWER POINT
 
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - LiturgiaA QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
A QUARESMA, PREPARAÇÃO À CELEBRAÇÃO ANUAL DA PÁSCOA - Liturgia
 
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contemp
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contempConcílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contemp
Concílio Vaticano 1_His da igreja id mod e contemp
 
RESUMO DA OBRA "AS CONFISSÕES"
RESUMO DA OBRA "AS CONFISSÕES"RESUMO DA OBRA "AS CONFISSÕES"
RESUMO DA OBRA "AS CONFISSÕES"
 
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...
Teologia moral_O dom da aliança no Antigo Testamento e as normas para o agir ...
 
O contexto pós moderno da liturgia
O contexto pós moderno da liturgiaO contexto pós moderno da liturgia
O contexto pós moderno da liturgia
 
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendor
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendorAnálise do capítulo i da encíclica veritatis splendor
Análise do capítulo i da encíclica veritatis splendor
 
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3
Resumo do capítulo 9 da obra jesus de nazaré vol. 3
 
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?Por que o povo bíblico é chamado de judeu?
Por que o povo bíblico é chamado de judeu?
 
Santo tomás de aquino mestre espiritual
Santo tomás de aquino mestre espiritualSanto tomás de aquino mestre espiritual
Santo tomás de aquino mestre espiritual
 
Seminário sto tomás
Seminário sto tomásSeminário sto tomás
Seminário sto tomás
 
Historia e geografia biblica planaltos
Historia e geografia biblica planaltosHistoria e geografia biblica planaltos
Historia e geografia biblica planaltos
 
Historia da igreja medieval islamismo
Historia da igreja medieval islamismoHistoria da igreja medieval islamismo
Historia da igreja medieval islamismo
 
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1
Grego tradução de versículo 1 CORÍNTIOS 13, 1
 
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de Aula
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de AulaEstratégias para o Ensino da Leitura na Sala de Aula
Estratégias para o Ensino da Leitura na Sala de Aula
 
Monografia prevencão do uso precoce de álcool
Monografia prevencão do uso precoce de álcoolMonografia prevencão do uso precoce de álcool
Monografia prevencão do uso precoce de álcool
 
Politicas Educacionais
Politicas Educacionais Politicas Educacionais
Politicas Educacionais
 

Último

Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdfJorge Andrade
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinhaMary Alvarenga
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADOcarolinacespedes23
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBAline Santana
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirIedaGoethe
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaaulasgege
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 

Último (20)

Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
02. Informática - Windows 10 apostila completa.pdf
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Bullying - Texto e cruzadinha
Bullying        -     Texto e cruzadinhaBullying        -     Texto e cruzadinha
Bullying - Texto e cruzadinha
 
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADOactivIDADES CUENTO  lobo esta  CUENTO CUARTO GRADO
activIDADES CUENTO lobo esta CUENTO CUARTO GRADO
 
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASBCRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
CRÔNICAS DE UMA TURMA - TURMA DE 9ºANO - EASB
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimirFCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
FCEE - Diretrizes - Autismo.pdf para imprimir
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologiaAula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
Aula - 1º Ano - Émile Durkheim - Um dos clássicos da sociologia
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 

UNIDERP - PEDAGOGIA E LETRAS

  • 1. UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP LICENCIATURA EM PEDAGOGIA E LETRAS PÓLO BELÉM – PA 23201 ACADÊMICOS: ALAN MIRANDA DA SILVA – 388319 CLAÚDIA CRISTINA DA SILVA CASTRO – 355661 ECIDIONEIDES MARIA FERNANDES – 388644 JAVÉ DE OLIVEIRA SILVA – 387478 MARIA DOROTELMA BASTOS TAPAJOS – 382391 MISSILENE DA CONCEIÇÃO GONÇALVES COELHO RA: 398311 ATPS DA DISCIPLINA FUNDAMENTOS E METODOLOGIA DE CIÊNCIAS DOCENTE EAD: MA. MARIA CLOTILDE BASTOS TUTORA / PRESENCIAL: AMANDA PEREIRA MARQUES BELÉM DO PARÁ, MARÇO DE 2015 1
  • 2. 2 Introdução A ciência, deve provocar um encontro com o desconhecido, convidando as crianças a navegar nesse mundo utilizando as ferramentas com as quais poderão enfrentar a ciência com um olhar mais aguçado. No mundo atual, e talvez em épocas anteriores, embora em menor grau, a ciência sempre foi associada à tecnologia. Ciência e tecnologia são diferentes. Enquanto a ciência é a tentativa de compreender o mundo e de conhecê-lo tal como ele é, a tecnologia é a tentativa de transformar o mundo naquilo que gostaríamos que fosse, porém elas se relacionam e estimulam a compreensão dos fenômenos investigados.
  • 3. 3 Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências abrangem o contexto de vivência da realidade dos alunos na sociedade atual? Vivemos todos os dias em constantes descobertas em todas as áreas do conhecimento e o saber científico e quando a busca por resposta s é latente, pois ela tem curiosidade de descobrir a origem das coisas e as causas de fenômenos da natureza, entre outras. Por isso cabe a disciplina de Ciências ser bem trabalhada na escola, pois quando isso acontece os alunos são ajudados a encontrar respostas para muitas questões e faz com que eles e faz com eles esteja em permanente exercício do raciocínio. Neste sentido os Parâmetros Curriculares Nacionais orientam para construção de sujeito crítico, sendo capaz de usar diferentes meios para adquirir informação e posteriormente construir o conhecimento
  • 4. 4 Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino de Ciências abrangem o contexto de vivência da realidade dos alunos na sociedade atual? Segundo os PCNs: “Numa sociedade em que se convive com a supervalorização do conhecimento científico e com a crescente intervenção da tecnologia no dia-a-dia, não é possível pensar na formação de um cidadão crítico à margem do saber científico” (BRASIL, 1997, p. 21). Assim sendo, o professor deve: Despertar a curiosidade do aluno para uma situação problema; Proporcionar o aluno a liberdade para encontrar as respostas da situação; Estimular o educando a procurar uma explicação científica para esclarecer determinado conceito ou fenômeno cientifico. As atividades práticas devem ser feitas a partir de aspectos da vida dos alunos, ou seja, que tenham a ver com problemas reais, do cotidiano da criança. Essas atividades elaboradas pelo professor devem dar ao aluno a chance de testar e realizar suas ideias e hipóteses sobre todos os problemas que estão sendo questionados.
  • 5. 5 A relevância do uso das tecnologias para o ensino de Ciências. A disciplina de Ciências, quando bem trabalhada na escola, ajuda os alunos a encontrar respostas para muitas questões e faz com que eles estejam em permanente exercício de raciocínio. Ao trabalhar os conteúdos de Ciências é dar oportunidade a crianças e jovens de entender o mundo e interpretar as ações e os fenômenos que observam e vivenciam no dia a dia. Usando as tecnologias e ensino assim como a aprendizagem tornam-se mais prazerosa. As tecnologias permitem um novo olhar dos alunos para a escola, possibilita a eles a construção de novos conhecimentos e tornam o ensino mais prazeroso, dinâmico, atrativo. É importante que os alunos tenham a oportunidade de estarem em contato com esses recursos tecnológicos, pois eles permitem que o processo de ensino aprendizagem seja mais produtivo, qualitativo e satisfatório.
  • 6. 6 A relevância do uso das tecnologias para o ensino de Ciências. Propostas didáticas Tema objetivos Procedimentos metodológicos Ano Produção de energia elétrica Saber como a energia é produzida e o caminho que leva para chegar nas residências. -Os alunos vídeo sobre produção de energia elétrica ; - Pedir que se anote palavras importantes ; - O professor selecionará diversos textos que falem de outras várias fontes de produção de energia; - Criar uma maquete de distribuição da energia. 5° Observação de aves: da internet para a natureza Identificar algumas características morfológicas das aves (cor, tamanho, formato do bico) e resaltar a necessidade preservas as espécies nativas. - Fazer um levantamento com as crianças sobre o tipo de pássaros que elas conhecem; - Criar uma lista de pássaros e apresentar para as crianças, por intermédio da internet, as características das aves; - Estimular a observação dos pássaros que estão ao redor da escola; - Solicitação do levantamento de aves ameaçadas de extinção. 2° Conhecendo as flores Desperta o interesse pelas flores conhecendo suas características e identificar as partes da flor responsáveis pela reprodução. - No dia que antecede a aula levar os alunos a um jardim e com ajuda de uma máquina fotográfica solicitar que registrem detalhes das flores; - No dia da aula, Serão apresentadas aos alunos algumas flores naturais; -Registrar no caderno, por meio de desenho de uma das flores mostradas; - Ao ministrar a aula expositiva demonstrar as partes principais das flores. 1°
  • 7. 7 Muitas situações do cotidiano de desigualdade social e situações ambientais podem ser problematizadas para serem investigados pela disciplina de Ciências. Um dos problemas sociais é a fome que possibilita investigação de fatores como a desnutrição ocasionada pela falta de nutrientes e o baixo consumo de calorias que uma pessoa precisa. Disponível em: http://www.surubimnews.com.br/garapa- retrata-a-fome-no-nordeste/. Acesos em: 15 mar 2015 A relação de situações do cotidiano com os fundamentos e metodologia de Ciências Disponível em: http://noticiasdesantaluz.com.br/805- milhoes-de-pessoas-passam-fome-no-mundo-revela- estudo/. Acesos em: 15 mar 2015
  • 8. 8 A relação de situações do cotidiano com os fundamentos e metodologia de Ciências Quanto aos problemas ambientais a ênfase é a mudança de comportamentos, por exemplo, a questão dos resíduos sólidos que é frequentemente abordada com destaque apenas a importância de separação para a coleta seletiva com o surgimento das cooperativas de lixo. Assim, seguindo os conteúdos escolares ensinados aos alunos são entendidos como parte de um instrumento necessário para que todos compreendam a realidade à sua volta e adquiram as condições necessárias para discutir, debater, opinar e o mesmo intervir nas questões sociais e ambientais. Disponível em: http://iaritalittlewings.blogspot.com.br/2011/04/o- lixo-e-um-dos-maiores-problemas-da.html. Acesos em: 15 mar 2015 Disponível em: http://www.tribunadabahia.com.br/2012/11/23/so-14- dos-municipios-brasileiros-fazem-coleta-seletiva-dos-residuos. Acesos em: 15mar 2015
  • 9. 9 Ações para despertar o interesse dos alunos para a Ciências Segundo Guimarães, há três pontos importantes que devem ser levados em consideração para despertar no aluno o interesse pela ciência: As ações realizadas dentro e aquelas realizadas fora da escola; Explorar a curiosidade natural das crianças; e Mostrar a ciências como uma aventura instigante e sem fim. Disponível em: http://posgraduando.com/blog/e-quando-a- pesquisa-cientifica-nao-possui-aplicacao-pratica. Acesos em 19 mar 2015 A seguir vejamos algumas sugestões de atividades que podem ser trabalhadas e assim vir a despertar o interesse dos alunos do Ensino Fundamental I para o ensino de Ciências.
  • 10. 10 Ações para despertar o interesse dos alunos para a Ciências Tema Objetivo Principal Ano Os tipos de lixo Realizando uma pesquisa de campo, a turma compreende a origem dos resíduos sólidos e quais são os diferentes destinos que eles devem receber. 1° ao 4° Sistema imunológico e vacina Entender o que é e como funciona o sistema imunológico levar a descobrir o que são e como funcionam as vacinas e relacionar vacinas com prevenção de doenças. 3° e 5° A alimentação e o corpo humano Compreender que o corpo funciona de forma integrada, relacionando os sistemas circulatório, respiratório e digestores. 4° e 5° Fenômenos químicos no preparo do pão Reconhecer os fenômenos químicos que ocorrem no dia a dia e formular hipóteses sobre a transformação de alimento. 4° e 5° As mudanças do corpo na puberdade Promover o conhecimento dos alunos em relação às mudanças físicas, aos caracteres sexuais primários e secundários na puberdade. 6° ao 9° Algumas propostas de atividades
  • 11. 11 Conclusão O ensino de Ciências contribui significativamente para o processo de ensino e aprendizagem, conforme as orientações do PCN (1997), porém se faz necessário levar em considerações os conhecimentos prévios dos alunos, sua cultura e o senso comum. Assim sendo, cabe ao professor estimular a curiosidade e indagações adequadas às possibilidades cognitivas de sua turma a fim de que possa buscar informações para reconstruir ou ampliar os conhecimentos do discente.
  • 12. Referências BRASIL, Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília: MEC/SEF, 1997; GUIMARAES, Alberto Passos. Hora de investir na educação científica. Academia Brasileira de Ciências. 2012. Disponível em: http://www.abc.org.br/impressao.php3?id_article=2082. Acesso em 19 de mar. 2015. TRIVELATO, Sílvia F.; SILVA, Rosana L. F. Ensino de Ciências. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 12