Serviço+s[1]..

474 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
474
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
26
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Serviço+s[1]..

  1. 1. Serviço Social e as Contemporaneidade e os desafios do mundo do trabalho Curso preparatório do Serviço Social – UNISUAM Prof. Maurício Caetano Outubro/2009
  2. 2. SERVIÇO SOCIAL  Profissão prático-interventiva;  inserida na divisão sócio e técnica do trabalho;  Dotada de instrumentalidades;  Objeto de intervenção: “problematização construída a partir da especificidade do espaços institucionais nos quais a questão social se materializa sob a forma da relação entre s serviços que devem ser prestados e a busca pelo acesso a estes pelo usuário como sujeitos do direito de cidadania” (REZENDE, 2006)  Política Sociais como fio condutor de suas ações
  3. 3. Desafio posto a prática  “Desenvolver sua capacidade de decifrar a realidade e construir propostas de trabalho criativas e capazes de preservar e efetivar direitos, a partir de demandas emergentes no cotidiano. Enfim, ser um profissional propositivo e não só executivo.” IAMAMOTO, 2001, P. 20)
  4. 4. PRESSUPOSTOS 1. Instrumentalidade profissional:  Garante uma sintonia do SS com os tempos atuais por meio do rompimento da visão endógena da profissão.  Competência técnica para propor, negociar e defender suas qualificações e funções profissionais;  Identificar possibilidades dadas na realidade para serem apropriadas e reproduzidas como projetos e frentes de trabalho;  Nega a visão fatalista e messiânica da profissão
  5. 5. PRESSUPOSTOS 2. Significado social da profissão:  “O SS é uma especialização do trabalho, uma profissão particular inscrita na divisão social e técnica do trabalho coletivo da sociedade” (IAMAMOTO, 2001, p. 22);  “supõe apreender a chamada “prática profissional” profundamente condicionada pelas relações ente Estado e a sociedade civil, ou seja, pelas relações entre as classes na sociedade, rompendo com endogenia no Serviço Social” (IAMAMOTO, 2001, p. 22)
  6. 6. PRESSUPOSTOS  O A.S “é um trabalhador especializado, que vende a sua capacidade de trabalho para algumas entidades empregadoras, predominantemente de caráter patronal, empresarial ou estatal, que demandam essa força de trabalho qualificada e a contratam.” (IAMAMOTO, 2001, p. 23)
  7. 7. PRESSUPOSTOS 3. Condição de trabalhador:  O A.S é um trabalhador que pertence a classe que vive do trabalho;  “O trabalho é, pois, uma atividade que se inscreve na esfera da produção e reprodução da vida material” (IAMAMOTO, 2001, p. 26)  “ O SS é considerado como uma especialização do trabalho e a atuação do A.S uma manifestação de seu trabalho, inscrito no âmbito da produção e reprodução da vida social” (IAMAMOTO, 2001, p. 27)
  8. 8. INSTRUMENTALIDADE  Sujeito histórico  Dotado de capacidade teleológica  Projeta ações  Cria e modela instrumentos e mediações  Atua na esfera da totalidade  Aparato técnico  Aporte teórico  Práxis social  Competência – saber fazer bem (RIOS, 1993)
  9. 9. SIGNIFICADO SOCIAL DA PROFISSÃO  Pra que serve o A.S?  Porque ele existe?  Qual a sua contribuição para a sociedade?  Qual a importância no mercado de trabalho?  Por que eu quero contratar um A.S?
  10. 10. SIGNIFICADO SOCIAL DA PROFISSÃO  Possui um valor de uso  Atuam no processo de distribuição e redistribuição da riqueza social  Produz efeito na produção ou na redistribuição do valor e da mais valia  Ex.: participa do processo de reprodução do trabalho e ou criação da riqueza social;  Partilhamento do poder  Democratização do poder  Imprimi direção social ao seu trabalho  Interfere nas relações de classes
  11. 11. SIGNIFICADO SOCIAL DA PROFISSÃO  As profissões se criam a partir das necessidades sociais e se desenvolvem a partir da utilidade social
  12. 12. CONDIÇÃO DE TRABALHADOR  Mudanças no modo de produção  Políticas sociais  Idéias neoliberais 1. Fragilidade dos sindicatos 2. Precarização das relações trabalhistas 3. Nova balança econômica Condições de trabalho; Competição entre iguais; Absorção de novas demandas; Mudanças no conjunto das práticas sociais Intervém no processo de reprodução material e espiritual da força de trabalho Novas modalidades de trabalho REFUNCIONALIZAÇÃO (REARRANJOS)
  13. 13. CONDIÇÃO DE TRABALHADOR REFUNCIONALIZAÇÃO Exercício profissional Novas problemáticas Ética e competência profissional Novas demandas para o Serviço Social Excluídos do emprego formal; Inclusão social; Trabalho desprotegido
  14. 14. MERCADO DE TRABALHO  Desemprego;  Subemprego  Precarização do trabalho  Novas formas de contratação  Qualidade X quantidade (metas)  Interesses divergentes e/ou diferentes  Novas competências e atribuições  Qualidade na intervenção profissional
  15. 15. MERCADO DE TRABALHO  Mediações:  Ameaça ao desemprego;  Achatamento salarial  Precarização das condições de trabalho  Aprofundamento do processo de pauperização  Mudanças nos parâmetros legais e institucionais, que orientam as relações de trabalho  Precário contrato de trabalho  Desespecialização/desprofissionalização  Alienação no/do trabalho
  16. 16. MERCADO DE TRABALHO Lógica mercadológica Exigência de valorização do capital Coisificação do indivíduo e das relações sociais
  17. 17. NOVO PADRÃO DE ENFRENTAMENTO DA QUESTÃO SOCIAL  Medidas focais e paliativas de combate à pobreza  Redes de proteção social  Crescimento do Terceiro Setor  Prática voluntária e voluntarista  Economia Solidária  Corporativismo “HUMANIZAÇÃO DO CAPITAL”
  18. 18. ATUAÇÃO PROFISSIONAL  Prática profissional REDIMENSIONAMENTO (altera) Formas de trabalho Formas de sociabilidade Relações de trabalho
  19. 19. PROJETO PROFISSIONAL “os projetos profissionais se organizam em torno de um conjunto de conhecimentos teóricos e de saberes interventivos, de valores, princípios e diretrizes éticas e políticas, de orientações sobre o perfil de profissional que se deseja formar e diretrizes para tal. Compõem-se de orientações sobre as bases normativas e valorativas pelas quais a profissão se relaciona internamente e com a sociedade, um conjunto de referências metodológicas para a intervenção, posturas e modos de operar construídos e legitimados pela categoria profissional, cujos conteúdos objetivem a crítica da sociedade capitalista.” (GUERRA, 2007, p. 8)
  20. 20. PROJETO PROFISSIONAL “Para uma profissão, ser orientada por um projeto profissional crítico significa, ainda, a possibilidade de construção permanente de perfis profissionais dentre eles o do profissional que conhece suas competências e imprime qualidade técnica `s suas ações com uma direção crítica clara e consciente, visando a defesa permanente dos direitos sociais e humanos, considerados como conquista da humanidade, herança das lutas dos movimentos sociais e trabalhistas progressistas, de modo a superar a histórica vinculação do profissional com o conservadorismo.” (GUERRA, 2007, p. 9)
  21. 21. ATUAÇÃO PROFISSIONAL COMPROMETIDA  Trabalhar com estratégias sociopolíticas em oposição aos ajustes neoliberais e à barbárie do capitalismo;  Remar contra a maré  Enfrentar o desafio profissional em direção a um novo projeto societário Ser crítico é dar respostas as demandas dos segmentos da sociedade que recebem os serviços prestados pelo assistente social, e não apenas
  22. 22. ATUAÇÃO PROFISSIONAL COMPROMETIDA  Projeto profissional O que fazer? Com que meios e estratégias? Quando? Para onde? Como e com quem avançar? Quais medidas podem ser desenvolvidas no interior da profissão visando uma atuação mais crítica, qualificada e vinculada aos movimentos sociais em busca de alianças na construção das condições capazes de instituir uma cultura democrátrica e de respeito aos direitos conquistados pelas classes excluídas do acesso à riqueza socialmente produzida
  23. 23. BIBLIOGRAFIA  GUERRA, Y. O projeto profissional crítico: estratégias de enfrentamento das condições contemporâneas. In: Revista Serviço Social e Sociedade, n.91, Cortez, SP, 2007, p. 5 -33  IAMAMOTO, Marilda V. O Serviço Social na Contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo, Cortez, 2001, p. 17-49;  MOTA, Ana E. A nova fábrica de consensos. São Paulo, Cortez, 2000.  RIOS, Terezinha R. Ética e Competência, Cortez, São Paulo, 1995, cap.3

×