1

PREFEITURA
DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL - A.P. 5.3

PROJETO TÉCNICO DO
CENT...
2

SUMÁRIO

DADOS INSTITUCIONAIS

3

INTRODUÇÃO

3

DESCRIÇÃO DO PROJETO

4

ÁREA DE COBERTURA

5

CENÁRIO E JUSTIFICATIVA...
3

PREFEITURADA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL- A.P. 5.3

Projeto Técnico CAPSad Jú...
4

Este dispositivo de saúde mental visa atender a clientela de pessoas em uso
abusivo de substâncias psicoativas. Propõe-...
5

rede de referências para gerir seu cotidiano, objetivando a sustentabilidade de seu
tratamento.
O projeto também visa o...
6

comunidades terapêuticas. Entretanto, novos investimentos na saúde e assistência social
entraram em cena.
Neste cenário...
7

OBJETIVO GERAL
Promover atendimento qualificado e ações de saúde a pessoas em uso abusivo de
substâncias psicoativas, n...
8

Os atendimentos individuais realizados pelos profissionais da equipe e as visitas
domiciliares e institucionais poderão...
9

DISTRIBUIÇÃO SEMANAL DA EQUIPE

Este projeto foi construído com a participação da equipe inicial do CAPSad Júlio Cesar
...
10

ANEXO I
Ficha de registro do plano terapêutico singular

PREFEITURA
DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO
Secretaria Municipal d...
11

REFEIÇÕES
Segunda

Terça

Quarta

Quinta

Sexta

Sábado

Domingo

Café
Almoço
Lanche
Janta

Atividades no Território:
...
12

____________________________________________________________________________
_________________________________________...
13
Alexsandra Rodrigues da Silva
Alessandra Pinheiro A. Germano
Alessandro Werneck da Silva
Alex Sandre de Assis Gomes
Ale...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Projeto cap sad jcc em 6 jan 2013

433 visualizações

Publicada em

CAPS AD SANTA CRUZ RJ

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
433
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto cap sad jcc em 6 jan 2013

  1. 1. 1 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL - A.P. 5.3 PROJETO TÉCNICO DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL ÁLCOOL E DROGAS Júlio Cesar de Carvalho Janeiro 2013 Rio de Janeiro
  2. 2. 2 SUMÁRIO DADOS INSTITUCIONAIS 3 INTRODUÇÃO 3 DESCRIÇÃO DO PROJETO 4 ÁREA DE COBERTURA 5 CENÁRIO E JUSTIFICATIVA 5 OBJETIVO GERAL 6 OBJETIVOS ESPECÍFICOS 6 FUNCIONAMENTO NA SEDE 7 GRADE DE ATIVIDADES 7 DISTRIBUIÇÃO SEMANAL DA EQUIPE 8 ANEXO I- Ficha de registro do plano terapêutico singular 10 ANEXO II- Equipe inicial do CAPSad Júlio Cesar de Carvalho 13
  3. 3. 3 PREFEITURADA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E DEFESA CIVIL- A.P. 5.3 Projeto Técnico CAPSad Júlio Cesar de Carvalho DADOS INSTITUCIONAIS Endereço da sede: Rua Severiano das Chagas, 196. Centro. Santa Cruz. E-mail: capsad5.3@gmail.com Blog: capsad53.blogstpot.com.br Telefones: ____________ INTRODUÇÃO O desenvolvimento do modelo de reabilitação psicossocial, traduzido em montagens institucionais do tipo CAPS tem se constituído como eixo central das ações inovadoras que nos últimos anos perpassam o campo da Saúde Mental Brasileira e se 1 oferece como uma alternativa consequente para atenção ao usuário de drogas . O CAPSad Júlio Cesar de Carvalho realizaatendimentos e ações de promoção de saúde, especificamente ligadas a saúde mental na política de redução de danos. Sua proposta inclui interação com as unidades básicas de saúde, hospitais, centros de atenção psicossocial, NASFs, ambulatórios de saúde mental e ESF.Abrange a intersetorialidade como premissa, o que permite interfaces com outras secretarias e serviços e também segmentos da sociedade civil organizada. 1 Este projeto técnico baseia-se na PORTARIA GM Nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011 e na PORTARIA GM/MS 336 de 19 de fevereiro de 2002. Disponíveis em: http://saudementalrj.blogspot.com.br/.
  4. 4. 4 Este dispositivo de saúde mental visa atender a clientela de pessoas em uso abusivo de substâncias psicoativas. Propõe-se à atendimentos, atividades e ações para o tratamento e melhoria da qualidade de vida desta população, familiares e rede de apoio social. A construção do Sistema Único de Saúde implica em tornar viáveis ações que respeitem a cidadania, com um atendimento que responda às necessidades da população, compreendendo a complexidade e o desafio da reorganização da assistência à saúde no espaço de uma cidade em permanente transição. Pressupondo o modelo nacional de regionalização da assistência, o CAPSad Júlio Cesar de Carvalho promoverá uma abordagem assistencial sensível às questões que emergem do universo metropolitano. O dispositivo CAPSad engendra-se de forma interrelacional. Convoca desta forma ao debate e à ação vários atores sociais e os implica igualmente no enfrentamento do problema, questão crucial quando se trata do uso abusivo de álcool e outras drogas. A intersetorialidade orienta esta perspectiva, visando a sustentabilidade deste projeto de criação do CAPSad Júlio Cesar de Carvalho. O recurso à internação deve estar disponibilizado para o cuidado de casos pontuais, sem contudo, constituir-se como eixo central das ações de cuidado. Dada esta necessidade, o CAPSad Júlio Cesar de Carvalho atualmente conta com outros dispositivos assistenciais: CAREad e leitos em hospitais gerais. Todas as ações, atividades e atendimentos deste CAPSad estão embasadas na Política Nacional de Redução de Danos. DESCRIÇÃO DO PROJETO População alvo: pessoas em uso abusivo de substâncias psicoativas moradoras da AP. 5.3. Adultos e idosos. Ressalvamos a retaguarda no atendimento a adolescentes nestas condições. A perspectiva de cuidado no CAPS se engendrará a partir de um projeto terapêutico singular, constituído através da escuta de suas demandas e agenciamento das possibilidades do serviço: território assistencial e subjetivo. Inclua-se nesta mesma perspectiva o trabalho com familiares ou responsáveis (quando existirem) e/ou com a
  5. 5. 5 rede de referências para gerir seu cotidiano, objetivando a sustentabilidade de seu tratamento. O projeto também visa oferecer atenção à população que tenha envolvimento com o uso abusivo de drogas e estejam em situação de vulnerabilidade para infecção pelas DSTs e o HIV/AIDS sob a lógica da redução de danos à saúde. ÁREA DE COBERTURA O Centro de Atenção Psicossocial Júlio Cesar de Carvalho abrangerá a Área Programática 5.3. Santa Cruz, Sepetiba e Paciência. Em 2010, o contingente populacional da AP. 5.3 era 368.000 habitantes com projeção para 2012 de 417.000 habitantes (segundo último senso do IBGE). A Unidade CAPS deverá atender, inicialmente, um fluxo médio diário de 40 (quarenta) pacientes. O funcionamento da Unidade será de segunda a sexta-feira, no horário de 8:00 às 20:00 h, e sábados, de 8:00 às 12:00h. Estima-se que, em média, boa parte do contingente populacional da área de abrangência referida para o desenvolvimento deste projeto possa ser indiretamente atingida por suas ações, incluindo-se aí os familiares, responsáveis e as comunidades de referência dos usuários do serviço. CENÁRIO E JUSTIFICATIVA A região da AP 5.3 foi historicamente marcada a partir da década de 1980 pela criação de conjuntos habitacionais destinados aos servidores públicos e de outros para acolher populaçõesoriundas de remoções advindas de áreas de risco social e desastres naturais, havia também invasão de terras. Neste período, iniciaram-se os programas populacionais de habitação (CEHAB, dentre outros). Com o aumento do contingente populacional e precariedades dos serviços, constituindo um deserto sanitário, nesta região se desenvolveram organizações do tráfico de drogas e violências. Institui-se certo domínio territorial de facções criminosas, milícias e disputas pelos poderes locais, demarcando a área em risco e vulnerabilidade social. Em promoção de saúde, contava inicialmente com parcos recursos assistenciaise
  6. 6. 6 comunidades terapêuticas. Entretanto, novos investimentos na saúde e assistência social entraram em cena. Neste cenário, na última década, várias ações governamentais foram implementadas. Cabe ressaltar que atualmente a AP 5.3 conta com quase 100% de cobertura da Estratégia da Saúde da Família. Nesta região, os dispositivos assistenciais incluem o NASF, CAPS para adultos, Hospital Geral, Ambulatórios de Saúde Mental eorganizações não governamentais. Na proposta da intersetorialidade, a região possui CRE, CRAS, CREAS, Conselho Tutelar, Policlínica, Vila Olímpica, dispositivos culturais/artísticos e Centros Municipais de Saúde. O crescente uso abusivo de substâncias psicoativas lícitas e ilícitas, sobretudo nos grandes centros urbanos do Brasil, vem constituindo-se em um grave problema de saúde pública, acarretando, além disso, um dramático quadro de ingresso precoce de jovens no comércio ilegal de substâncias psicoativas, prostituição e violência. Torna-se, portanto, imprescindívela oferta de atenção voltada para este segmento da população, com o propósito de criar condições favoráveis de adesão ao tratamento, estimulando a busca de alternativas de vida. O CAPSad é um dispositivo assistencial na perspectiva da atenção psicossocial de seus usuários. Prioriza ainda a construção de uma rede integrada de atendimento à população-alvo, procurando abordar suas múltiplas demandas sociais. Em 02 de julho de 2012 o CAPSad Júlio Cesar de Carvalho iniciou suas atividades ainda sem uma sede. A equipe começou suas práticas de atendimentos dividida em seis mini-equipes distribuídas nas Clínicas de Saúde da Família da 5.3. Uma mini-equipe mais numerosa foi destinada a unidade Sávio Antunes para oferecer atendimento focado na população do abrigo Rio Acolhedor. Esta atuação territorializada permitiu a esta equipe AD conhecer e interagir com os serviços e modos de funcionamentos comunitários. No dia 07 de janeiro de 2013 a equipe começa na sede oficial do CAPSad Júlio Cesar de Carvalho, localizada na rua Severiano de Chagas, n. 196, lugar central em Santa Cruz.O advento da sede viabiliza maiores recursos terapêuticos e operacionais para o trabalho e pretende-se realizá-lo na mesma lógica territorializada inicial.
  7. 7. 7 OBJETIVO GERAL Promover atendimento qualificado e ações de saúde a pessoas em uso abusivo de substâncias psicoativas, na perspectiva da Política Nacional de Redução de Danos. OBJETIVOS ESPECÍFICOS Desenvolver tratamento ao usuário conforme projeto terapêutico singularizado; Oferecer atendimento interdisciplinarindividual e/ou em grupos; Realizar oficinas terapêuticas, educativas e de geração de renda no CAPSad e nas comunidades; Prestar atendimento a familares e redes de apoio social; Desenvolver grupo de estudos permanente sobre o tema da dependência química e assuntos afins; Manter dois leitos para desintoxicação e repouso, conforme portarias336 e 3088 já citadas; Atuar em inter-relação com outras unidades de saúde e outros setores; Agenciar o tratamento de pessoas em uso abusivo de substâncias psicoativas na AP 5.3; Disponibilizar profissionais para treinamento de outras equipes de saúde como capacitação ao atendimento especializado; Realizar ações de promoção de saúde nas comunidades do território assistencial do CAPSad; Efetivar visitas domiciliares e institucionais. FUNCIONAMENTO NA SEDE O CAPSad Júlio Cesar de Carvalho disponibilizará acolhimento 2 e convivência3 durante todo o seu horário de funcionamento. 2 O acolhimento constitui-se no primeiro encontro da pessoa com dependência química no CAPSad. Nesta modalidade de atendimento, ela será recebida com uma escuta inicial, uma avaliaçãoda demanda, obervando-se as necessidades e encaminhamentos para o caso. Procedimento que será registrado no CAPSad assim como seus dados pessoais. 3 A convivência se constitui numa modalidade de atendimento em que o usuário do serviço permanece amistosamente com outros usuários e profissionais em atividades supostamente informais e/ou
  8. 8. 8 Os atendimentos individuais realizados pelos profissionais da equipe e as visitas domiciliares e institucionais poderão ser realizados durante todo o período de funcionamento. QUADRODE ATIVIDADES Segue abaixo oquadro de atividades previstas, as quais poderão ser modificadas conforme as necessidades clínicas e técnicas. Terça Reunião de Inicio de dia Grupos de recepção Oficina de Mosaico Oficina de Mosaico Manhã Segunda Reunião de Inicio de dia Oficina de Música Quarta Reunião de inicio de dia Oficina de Mosaico Oficina Monte Coisas Tarde Assembleia Grupo de gestão autônoma de medicamento Grupos de estudos, supervisão e Reunião de equipe Grupo de recepção Oficina Era uma Vez Quinta Reunião de Inicio de dia Grupo Educação em Saúde Oficina Barro Gravura Oficina de Pintura em Madeira Sexta Reunião de Inicio de dia Sábado Atividade Livre Grupo de Musicoterapia Acolhimento Grupo de Benefício Social e Cidadanina Grupo Porta pra Fora Oficina de Culinária Oficina de Vídeo Oficina de Bijouteria Noite Reunião final de dia Acolhimento Acolhimento Reunião final de dia Grupo de Família Reunião final de dia Grupo de recepção Reunião de final de dia Acolhimento realizandoAtividades de Vida Diária (AVD). Estes recursos são utilizados conforme previsto em seu projeto terapêutico definido com os profissionais que o atendem/assistem.
  9. 9. 9 DISTRIBUIÇÃO SEMANAL DA EQUIPE Este projeto foi construído com a participação da equipe inicial do CAPSad Júlio Cesar de Carvalho. Os profissionais estarão disponibilizados conforme quadro abaixo: Segunda Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Monica (Psi) Bianca (Ofi) Rodrigo (ARD) Gilvan (Farma) Marcos (Tec. Farma) Terça Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Monica (Psi) Campbell (Psi) Luciana (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Alex (ARD) Rodrigo (ARD) Werneck (ARD) Leandro (MT) Gisele (Nut) Kelly (AS) Gilvan (Farma) Marco (Tec. Farma) Sonia (TO) Quarta Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Monica (Psi) Campbell (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Valeria (Tec. Enf) Werneck (ARD) Leandro (MT) Kelly (AS) Marco (Farma) Priscila (Ofi) Segunda Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Monica (Psi) Rodrigo (ARD) Gilvan (Farma) Marcos (Tec. Farma) Terça Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Monica (Psi) Campbell (Psi) Luciana (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Alex (ARD) Rodrigo (ARD) Werneck (ARD) Leandro (MT) Gisele (Nut) Kelly (AS) Gilvan (Farma) Marco (Tec. Farma) Sonia (TO) Quarta Samira (Enfª) Alessandra (Tec. Enf) Monica (Psi) Campbell (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Werneck (ARD) Leandro (MT) Kelly (AS) Marco (Farma) Manhã Tarde Segunda Noite Vivian (Enfª) Rodrigo (ARD) Gilvan (Farma) Terça Vivian (Enfª) Rodrigo (ARD) Sonia (TO) Quarta Samira (Enfª) Monica (Psi) Kelly (AS) Quinta Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Luciana (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Alex (ARD) Rodrigo (ARD) Gisele (Nut) Gilvan (Farma) Marco (Tec. Farma) Sonia (TO) Sexta Vivian(Enfª) Dayanna (Tec Enf) Valeria (Tec. Enf) Campbell (Psi) Luciana (Psi) Alex (ARD) Werneck (ARD) Leandro (MT) Kelly (AS) Gilvan (Farma) Sonia (TO) Priscila (Ofi) Sábado Funcionamento de acordo com escala de profissionais. 2 nivel Superior 2 NivelMédio Quinta Vivian (Enfª) Samira (Enfª) Dayanna (Tec. Enf) Alessandra (Tec. Enf) Valeria (Tec. Enf) Luciana (Psi) Antonio (Ofi) Bianca (Ofi) Alex (ARD) Rodrigo (ARD) Gisele (Nut) Gilvan (Farma) Marco (Tec. Farma) Sonia (TO) Sexta Vivian(Enfª) Dayanna (Tec Enf) Valeria (Tec. Enf) Campbell (Psi) Luciana (Psi) Alex (ARD) Werneck (ARD) Leandro (MT) Kelly (AS) Gilvan (Farma) Sonia (TO) Sábado Quinta Sexta Sábado Vivian (Enfª) Rodrigo (ARD) Sonia (TO) Alex (ARD) Kelly (AS) Valeria (Tec. Enf) OBS.: Administrativos e copeiras estarão de segunda a sexta das 08h00min as 17h00min.
  10. 10. 10 ANEXO I Ficha de registro do plano terapêutico singular PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil CAPS AD JULIO CESAR DE CARVALHO – A.P 5.3 e-mail: capsad5.3@gmail.com PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR PRONTUÁRIO Nº Nome: _________________________________________________________________________ Técnico(s) de Referência: _____________________________ Médico Psiquiatra:_____________ Modalidade: ( ) Intensivo ( ) Semi-intensivo ( ) Não Intensivo Equipe de Saúde da Família: _____________________________ACS: _________________ Atividades no CAPS: ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Manhã Tarde Noite Dieta: _______________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________
  11. 11. 11 REFEIÇÕES Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Café Almoço Lanche Janta Atividades no Território: ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Manhã Tarde Noite Acolhimento Noturno (Repouso): ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Acompanhamento em Outros Equipamentos de Saúde ou Intersetoriais: ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Rendas, Benefícios e Documentos: ____________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________ Toma Medicação no CAPS: ( ) Sim Vem ao CAPS: ( ) Sozinho ( ) Não ( ) Acompanhado – Responsável: _________________________ Observações: ____________________________________________________________________________
  12. 12. 12 ____________________________________________________________________________ ___________________________________________________________________________ Data da Construção do PTS: _________ Avaliação do PTS Data: _______________ _________________________ Técnico de Referência
  13. 13. 13 Alexsandra Rodrigues da Silva Alessandra Pinheiro A. Germano Alessandro Werneck da Silva Alex Sandre de Assis Gomes Alexandre Campbell Ferreira Alexandre V. Gil Amanda da Conceicao Antonio Augusto R. de Castro Bianca Candido Werling de Oliveira Claudia de Franca Lima Dayanna Leiras de Araujo Denyse Aparecida de Melo Everton Tavares da Silva Gilvan da Silva Araujo Gisele da Silva Souza Jupiara dos Santos Copeira Técnica em Enfermagem Agente Redutor de Danos Agente Redutor de Danos Psicologo Supervisor Copeira Oficineiro Oficineira Agente Admnistrativo Técnica em Enfermagem Auxiliar Administrativo Auxiliar Administrativo Farmaceutico Nutricionista Gerente Kelly Christiane Vieira Borrego Silva Porto Leandro Guimarães da Silva Luciana Lemos Mesquita dos Santos Marco AntonioR. deLeos Monica Miziara Priscila Amaral Raquel Siqueira da Silva Rodrigo Gomes Barreira Samira Pereira Rodrigues Sonia Regina da Silva Valeria Martins da Silva Souza Vivian Santos Teixeira Assistente Social Musicoterapeuta Psicologa Auxiliar de Farmacia Psicologa Oficineira Coordenadora Técnica Agente Redutor de Danos Enfermeira Terapeuta Ocupacional Tecnica em Enfermagem Enfermeira _____________________________ Dra. Raquel Siqueira da Silva Coordenadora Técnica _____________________________ Jupiara dos Santos Diretora

×