2.carga cognitiva

582 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

2.carga cognitiva

  1. 1. 1
  2. 2. Quando desejamos apresentar aos alunos algumconteúdo, temos que tomar cuidado para que adensidade de informação apresentada não seja muitogrande – pois isso vai determinar a facilidade com a quala pessoa será capaz de encontrar informações em umatela.Na imagem acima, percebemos como seria difícil, porexemplo, encontrarmos o logotipo da empresa Esso emfunção da multitude de estímulos apresentada. 2
  3. 3. Estas idéias apontam deste modo para a influência damemória na leitura de uma tela, e na dificuldade quepodemos ter quando muitos elementos são apresentadossimultaneamente. 3
  4. 4. 4
  5. 5. Os limites de nossa memória de trabalho foram tornadosexplícitos pela primeira vez por George Miller em seuartigo de 1956 (ver bibliografia no final dessaapresentação). A não ser que as informações sejammantidas ativas na memória de trabalho através darepetição ou do processamento para serem levadas àmemória de longa duração, elas são esquecidas emalguns segundos.No exemplo acima, jogadores experientes (mestres) e ainiciantes foram submetidos a um experimento no qualtinham de visualizar por alguns segundos um tabuleirode xadrez com uma jogo já iniciado (Chase e Simon,1973, apud Clark et al. 2006). Em seguida, tentavamreconfigurar o tabuleiro. Como é possível visualizar nográfico, os aprendizes precisavam voltar ao tabuleirooriginal várias vezes para conseguir posicionar algumaspeças. O desempenho dos mestres enxadristas foi bemmelhor. Nesse caso, como se encaixa nosso conceito de7+-2 para a memória de trabalho? Existe uma diferençaentre aprendizes e especialistas. Os especialistasconseguem agrupar informações em “chunks”, oupedaços compostos de dados. Desse modo, mesmoprocessando um mesmo número de itens na memória detrabalho, conseguem ser mais eficientes. Onde estes 5chunks, ou esquemas, são armazenados? Na memória
  6. 6. A memória de longa duração possui uma capacidademuito grande, ao contrário da memória de trabalho. Noentanto, cumpre um papel mais inerte no processamentode informações, na medida em que todo oprocessamento consciente ocorre na memória detrabalho. Mas ambas funcionam junto, e quanto maisconhecimento e habilidades armazenamos na memóriade longa duração, mais aumentamos a capacidadevirtual da nossa memória de trabalho.Em um segundo experimento, Chase e Simon (1973,apud Clark et al. 2006) verificaram a capacidade deiniciantes e mestres enxadristas de lembrarem de peçascolocadas aleatoriamente em um tabuleiro. O que pôde-se perceber foi que os iniciantes tiveram praticamente omesmo nível de dificuldade que no experimento anterior.Já os mestres tiveram um desempenho PIOR que dosiniciantes. Isso ocorreu provavelmente porque, namedida em que tentavam utilizar inutilmente seusesquemas (chunks) armazenados na memória de longaduração, os especialistas faziam um processamentodesnecessário levando informações de uma memória aoutra, resultando em um desempenho inferior. 6
  7. 7. Para compensar as limitações da memória de trabalhodos iniciantes, é importante fazer a organização dematerial instrucional de modo que, em um dadoinstante, não sejam sobrecarregados de informações(sejam essas textuais, visuais ou auditivas). Jáespecialistas não têm esse problema, porque muitasvezes partes dessas informações já estão armazenadasem seus esquemas mentais (na memória de longaduração) e eles conseguem reconhecê-los como tal, etratá-los na memória de trabalho como uma únicaunidade. Por isso, o material instrucional paraespecialistas e iniciantes deve ser estruturado demaneira diferente.Para iniciantes, o material instrucional deve ser pensadode maneira a substituir os esquemas que os usuáriosexperientes já possuem. É comprovado que esse tipo deabordagem pode prejudicar a aprendizagem de usuáriosespecialistas. No exemplo da imagem acima, podemosapresentar aos aspirantes a piloto de avião ofuncionamento de um relógio de monitoramento (1),depois outro relógio (2), e assim sucessivamente. Só em 7um segundo momento, mostramos o painel completo
  8. 8. A Teoria da Carga Cognitiva define que um materialinstrucional possui três tipos de carga: Intrínseca,Relevante e Irrelevante. Cada uma é explicada naspáginas a seguir. 8
  9. 9. A carga intrínseca diz respeito à facilidade ou dificuldadeque temos em aprender determinado conteúdo. É umtipo de carga inerente àquele conhecimento, ela nãopode ser mudada.Por exemplo, ensinar a operação de adição érelativamente simples na medida em que o domínio depoucos elementos e conceitos são suficientes para seaprender a somar. A interatividade entre elementos ébaixa. Portanto, temos uma carga cognitiva intrínsecaque também é baixa. 9
  10. 10. Já a carga cognitiva instrínseca ao conteúdo relacionadoao cálculo do seno (ou cosseno, tangente, cotangente) ébem maior na medida em que é necessário considerar-semais elementos nesses cálculos, e a interatividade entreelementos é maior.O que isso significa? Significa que mais elementos terãode ser considerados e tratados em nossa memória detrabalho para realizar a tarefa. 10
  11. 11. A aprendizagem de vocabulário em uma línguaestrangeira possui baixa interatividade entre elementos,já que pode ser realizada de maneira serial (aprende-seuma palavra por vez).Ao se aprender a construir frases, a interatividade entreelementos aumenta dramaticamente na medida em quevárias palavras devem ser consideradas, seussignificados, regras sintáticas e gramaticais. Todos esseselementos devem ser coordenados simultaneamentepara produzir uma frase correta.Apesar de não podermos diminuir a carga instínseca dedeterminado conteúdo, ao preparar um materialeducacional é possível gerenciá-la decompondo oconteúdo em um série de atividades menores quelimitam a quantidade de interação entre elementos acada instante. 11
  12. 12. Carga relevante é a carga necessária para promover aaprendizagem de novos conhecimentos. Para ensinardeterminado assunto, podemos apresentar diversosexemplos – como no caso do ensino da previsão dotempo. Se os exemplos forem todos semelhantes,estamos diminuindo a carga cognitiva relevante (seriamais fácil segui-los), mas estamos também limitando aaprendizagem. Se variarmos os exemplos, aumentamosa carga cognitiva relevante, mas promovemos umaaprendizagem mais efetiva. 12
  13. 13. A carga cognitiva irrelevante é aquela que não estádiretamente relacionada ao conteúdo a ser aprendido.Portanto, ela impõe um esforço mental que é irrelevanteao objetivo de aprendizagem e consequentementedesperdiça recursos mentais que são limitados. Estesrecursos poderiam ser empregados para carga relevante. 13
  14. 14. 14
  15. 15. 15

×