UTILIDADE no sentido de viver

706 visualizações

Publicada em

(*) Nesta crônica tentamos encontrar - na própria vida - o sentido de viver!

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
706
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

UTILIDADE no sentido de viver

  1. 5. Parece-me que, entre nós, exatamente os mais cultos e eruditos já não conseguem acreditar que possa ter existido uma forma de inteligência anterior ao nascimento humano. Eles ainda pensam de maneira local, sem profundidade: “ o estado de inteligência” não existe fora do homem, pois é algo que não existe sem um cérebro e que, então, só se dá do estágio posterior ao nascimento humano até sua morte.
  2. 6. Reconheço que é difícil contestá-los, pois “se nada surge do nada”, quando surge origina-se de algo anterior: do cérebro humano, neste caso relacionado ao que chamamos de inteligência. Mas eu me corrijo logo aqui, pois o que muitos deles falam é que não existe “pensamento” sem cérebro ou sem um cérebro. E é isto que, a meu ver, especialmente observando o que a Vida criou neste mundo sem a participação do pensamento humano, deixa uma margem de credulidade quanto à possível existência de alguma forma de inteligência anterior à existência humana ...
  3. 7. Entretanto, por esta dificuldade que sempre encontramos ao falar de inteligência (sem personalizá-la ou sem estabelecê-la numa “personalidade”) fica clara a razão pela qual os nossos notáveis antigos filósofos preferiram usar o termo “essência”, e não inteligência, ao definirem que “a essência antecede a existência” e ainda a prossegue, numa seqüência natural.
  4. 8. E vamos nos recorrer ao extraordinário filósofo grego Aristóteles para nos ajudar a compreender.
  5. 9. De acordo com o filósofo, a verdadeira essência de qualquer coisa, orgânica ou inorgânica, não está na matéria com que é feita, mas não função que desempenha, no que faz ou para o quê serve.
  6. 10. E, para se explicar, Aristóteles se utilizou de um objeto feio (citado, talvez, como ironia), porém coerente e eficiente: “ Um machado, por exemplo, não tem sua essência no material de ferro com que é feito...; sua essência está em ‘cortar’, que é o seu propósito e a sua utilidade.”
  7. 11. E eu mesmo diria que um machado que não “corta” não precisaria sequer existir...; aliás, nem seria “criado”. Para quê?... Como enfeite?... Ora. Quem iria querer ostentar um enfeite deste? O homem?... E quanto a este? Teria sido criado sem um propósito e uma utilidade?... Para quê? Como enfeite?... Quem iria querer ostentar um enfeite deste? Deus?... Ora. Ora. Por que um Deus iria querer ostentar como enfeite um homem que, por sua vez, ostente na sua mão um machado?... O homem e o seu machado!... Que belos enfeites!...
  8. 12. Assim, a despeito do perigo que representou tocar no corte afiado do machado (esta velha peça criada com várias de suas propostas contrárias à Vida), a primeira conclusão que se pode tirar daqui é esta: o que é criado com um propósito e uma utilidade é “planejado” — algo que se refere à essência que antecede a existência..., e que, então, inegavelmente se refere à inteligência.
  9. 13. Sendo assim, aqui seguramente eu posso confirmar que a essência humana não está na sua existência em si mesma, mas na importância de seu propósito ou, de um modo específico, na sua utilidade. “ Utilidade”: é a palavra chave que conecta essência & existência, e ainda define o conteúdo do que se encontra “ no sentido de viver”. Isto é claro, pois o sentido de viver só pode ser tirado daquilo que nos dá ou nos der a sensação de “utilidade”, quando nos sentimos úteis.
  10. 14. No geral, embora a fórmula anterior não defina qual é o propósito da existência humana, define, claramente, que temos de ser úteis! E para isso temos que estar vivos, existir!
  11. 15. Então, se existimos, há um propósito para isto, e, se há um propósito, seja qual for, está ligado a viver, não a morrer! Portanto, agora neste mundo, o que nos cabe é o esforço para mudar algumas concepções existenciais, ou espirituais, para enfim encontrarmos na própria Vida o sentido de viver!
  12. 16. Então, se existimos, há um propósito para isto, e, se há um propósito, seja qual for, está ligado a viver, não a morrer! Portanto, agora neste mundo, o que nos cabe é o esforço para mudar algumas concepções existenciais, ou espirituais, para enfim encontrarmos na própria Vida o sentido de viver!
  13. 17. E para consolidarmos a importância disso, vamos rever a essência filosófica contida na sabedoria do poeta e escritor francês Exupéry.
  14. 19. Ele tentou mudar esta velha máxima conceitual: “ só aquilo pelo qual estivermos dispostos a morrer nos dará um (satisfatório) sentido para viver.” ... Ao contrário, sabiamente, Saint-Exupéry escreveu: “ só aquilo pelo qual estivermos dispostos a viver nos dará um (satisfatório) sentido para morrer!”
  15. 20. Assim o poeta pôs a Vida antes da morte, ou, de uma maneira muito mais clara, ele pôs a Vida no alto..., sobre a morte!
  16. 21. Enfim, e a propósito, estou certo de que em tudo o que existe e em tudo o que se dá no Universo existe um propósito — ligado não só à possibilidade de existência da Vida, mas também à possibilidade de existência de um Ser..., e então de seres, relacionados à razão de existir, no sentido de viver.
  17. 22. E quanto a vocês, leitores e leitoras, se acham que estas minhas palavras nunca irão acabar, estão certos, porque elas se referem a coisas que não acabam. E entre essas coisas, é claro, em especial eu incluo a Vida, esta que é mesmo finita em suas unidades individuais, mas que universalmente não surgiu para morrer.
  18. 23. Nada nasce destinado à inexistência. Nada é criado para não existir ou para existir sozinho. Ou até melhor dizem certas palavras de outro dos nossos importantes filósofos, o brilhante inglês John Locke:
  19. 25. Na natureza “ nada é criado para o uso vil ou para nenhum uso.” Isso retrata a inteligência da essência que antecede a existência.
  20. 26. Assim, o que John Locke escreveu tem tudo a ver com o que escrevemos aqui, pois se inteligentemente tudo é criado para ter um uso — este que se refere direta e inegavelmente a ser útil —, será a nossa “utilidade” que nos garantirá o futuro, além de nos preencher plenamente, no sentido de viver.
  21. 28. Então que fique claro: refiro-me à nossa utilidade relacionada à Vida..., considerando a importância dela para o próprio Universo, este que, a despeito de sua natureza material, a criou.
  22. 29. Enfim, recapitulando para encerrar, estou certo de que após encontrarmos a nossa utilidade (diretamente relacionada à natureza nativa do talento) encontraremos incluído no sentido de viver o satisfatório sentido para morrer.
  23. 30. Simples assim, estaremos satisfeitos.
  24. 31. Lanier Wcr - cidade de Luz - Setembro de 2011

×