SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
DR ISAÍAS MAVUNICE
1
IMUNIDADE
IMUNIDADE: GENERALIDADES
2
A imunidade é a capacidade do organismo de se defender das agressões estranhas produzidas tanto por
agentes externos (como tóxicos e microrganismos) como por agentes internos (células tumorais do próprio
organismo, mas que escapam do seu controle e se tornam agressivas).
Tipos de Imunidade
1. Imunidade inata (Mecanismos inespecíficos)
 Composta por um conjunto de barreiras físicas e químicas – a 1ª linha de defesa (pele, mucosas, acidez do
estômago, suor, saliva, cílios, etc) e células .
 a 2ª linha de defesa (neutrófilos, macrófagos, que desencadeia a “inflamação”) com o propósito de neutralizar e
fagocitar elementos estranhos de maneira rápida e inespecífica.
IMUNIDADE: GENERALIDADES
3
2. Imunidade adquirida
(linfócitos T e B), se activam selectivamente só após contacto com antígenos específicos, provocando
uma resposta concreta dirigida ao antígeno identificado. É a 3ª linha de defesa.
4
5
 Antígeno é qualquer molécula capaz de gerar uma resposta imune. Normalmente são grandesproteínas,
polissacarídios ou lípidos presentes na membrana de microrganismos, embora também
possam ser moléculas livres (tóxicos, medicamentos,…) associadas ou não a proteínas circulantes.]
 Anticorpos
São glicoproteínas específicas (“imunoglobulinas” ou “gammaglobulinas”) produzidaspelos linfócitos B em
resposta a presença dum antígeno concreto, com o qual se ligam para formar um “complexo” antígeno-
anticorpo, capaz de desencadear os mecanismos da imunidade conducentes à sua destruição e eliminação.
CLASSES DE ANTICORPOS
6
IgG
 IgM
IgA
IgE
IgD
FUNÇÕES DOS ANTICORPOS
7
Fixação e inactivação dos antígenos;
Activação da cascata do complemento (reacções bioquímicas
sequenciais que iniciam oprocesso da inflamação)
 Estimulação para a liberação de mediadores/reguladores da inflamação;
Facilitação da fagocitose de elementos estranhos
1. IMUNIDADE NÃO ESPECÍFICA
8
È uma resposta de defesa imediata e inespecífica contra qualqueragressão externa (mecânica, física,
infecciosa) que se produz como uma sequênciade acontecimentos. Como 2ª linha desta defesa, existe a
inflamação.
 Inflamação (resposta fisiológica protectora a uma agressão ).
Clinicamente: dor, calor, rubor, tumor (edema) e perca de função.
IMUNIDADE ADQUIRIDA OU ESPECÍFICA
9
Características principais:
 Memória imunológica
 (algumas células persistem activadas
contra esse antígeno particular de modo que numa futura agressão pelo mesmo antígeno, essas células
irão desencadear uma resposta imune mais imediata).
 Tolerância imunológica
(Capacidade de distinguir entre antígenos próprios (os presentes em todas as células do próprio
organismo, que não desencadeiam a resposta imune) e estranhos (que provocam resposta imune por não
serem reconhecidos como próprios) Está propriedade faz com que os próprios tecidos do corpo não
sejam atacados pelo próprio sistema imune)- Falhas – DOENÇAS AUTO-IMUNE
 Auto-regulação (Trata-se de um mecanismo homeostático complicado que mantêm um
balanço entre a resposta imune e a tolerância imunológica, para evitar actividade imune
exagerada ou insuficiente em cada momento).
IMUNIDADE ADQUIRIDA OU ESPECÍFICA
10
Existem 2 tipos de sistemas:
 Imunidade humoral (ou mediada por anticorpos), os linfócitos B identificam antígenos estranhos
e produzem anticorpos específicos para se ligarem aos antígenos.
 Imunidade celular (ou mediada por células), participam linfócitos T e outras células imunitárias,
com mínima presença de anticorpos.
11
ÓRGÃOS DO SISTEMA IMUNE
ORGÃOS DO SISTEMA IMUNE 12
 ÓRGÃOS LINFÁTICOS PRIMÁRIOS: medula óssea e timo. É onde se produzem as células
maturas do sistema imune pela divisão dos seus precursores linfóides.
 ÓRGÃOS LINFÁTICOS SECUNDÁRIOS:amígdalas, baço, gânglios, fígado, tecido linfóide
associado às mucosas. São os lugares onde migram as células formadas nos órgãos primários,
paradesempenhar as suas funções.
13
ORGÃOS DO SISTEMA IMUNE
14
 Timo (A sua função é a maturação e capacitação de precursores dos linfócitos T, que
depoismigrarão aos órgãos secundários).
 Tonsilas ou Amígdalas (orgãos linfáticos localizados ao nível da farínge, palato e base da língua,
onde formam um anel de tecido linfóide entre a boca e a faringe).
 Em a função de proporcionar protecção contra a entrada de microrganismos por viadigestiva ou
respiratória, expondo os linfócitos a uma grande diversidade de antígenos que entram
continuamente por essas vias.
 Os antígenos (microrganismos ou células tumorais captados desde os tecidos) chegam ao
gânglios pela linfa. Os macrófagos os fagocitam e apresentam aos linfócitos T, que activam
e estimulam a proliferação de células B produtoras de anticorpos específicos .
 Em casos de estimulação antigénica importante, os gânglios ficam grandes(linfadenopatia) e
dolorosos e facilmente palpáveis (os superficiais). Todo tumor ou infecção provoca uma
reacção linfática regional .
 BAÇO 15
 Destruição de células sanguíneas velhas ou anormais.
Filtração do sangue (o SRE-SMF elimina todo o tipo de elementos não desejados).
 Identificação e apresentação de antígenos estranhos na cascata da resposta imunológica do
organismo.
 Armazenamento do sangue (os seus seios podem guardar até 1 l) que pode-se liberado
rapidamente em caso de necessidade (sangramento ).
OUTROS ÓRGÃOS COM TECIDO LINFÓIDE
16
Muitos dos órgãos do corpo tem células linfóides integradasna sua estrutura geral, com
funções locais de defesa. Destacam-se:
1. Macrófagos. São as células do SRE-SMF, com funções fagocíticas, dispersos por vários
 Pulmões, onde fagocitam elementos não desejáveis do ar inspirado, como poeira
outabaco.
 Fígado, onde fagocitam elementos estranhos procedentes do tubo digestivo.
 Sistema nervoso.
 Osso
17
2. Células dendríticas (são as típicas apresentadoras de antígenos) capazes de identificar
antígenos e os apresentar aos linfócitos.Estão presentes na pele (são as “células
deLangherhans”), rins, coração).
3.Tecido linfóide associado a mucosas. São grupos de linfócitos organizados em folículos,
presentes na submucosa dos tratos digestivo (“placas de Peyer” intestinais), respiratório e
genito-urinário, que defendem a entrada de microrganismos por estas vias.
18
THANK YOU!!!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Aula -Imunidade.pdf

Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo00net
 
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Salie Rodrigues
 
Sistema Imune_Lidiane
Sistema Imune_LidianeSistema Imune_Lidiane
Sistema Imune_LidianeMarcia Regina
 
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagonuria522
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºtrawwr
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas EspecificasLeonor Vaz Pereira
 
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptxufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptxlioMiltonPires1
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologiaMalu Correia
 
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidadeTecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidadewhybells
 

Semelhante a Aula -Imunidade.pdf (20)

Imunologia i completa - arlindo
Imunologia i   completa - arlindoImunologia i   completa - arlindo
Imunologia i completa - arlindo
 
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
 
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docxSISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
 
Sistema imune
Sistema imuneSistema imune
Sistema imune
 
IMUNIDADE II
IMUNIDADE IIIMUNIDADE II
IMUNIDADE II
 
Sistema Imune_Lidiane
Sistema Imune_LidianeSistema Imune_Lidiane
Sistema Imune_Lidiane
 
Revisão de imunologia
Revisão de imunologiaRevisão de imunologia
Revisão de imunologia
 
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zagoImuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
Imuno introdução-ao-sistema-imunológico-zago
 
Sistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12ºSistema Imunitário - Biologia 12º
Sistema Imunitário - Biologia 12º
 
Sist imunológico-08-2017
Sist imunológico-08-2017Sist imunológico-08-2017
Sist imunológico-08-2017
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
 
Sistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o aSistema imunológico 2o a
Sistema imunológico 2o a
 
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia   HipersensibilidadeMicrobiologia & munologia   Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
 
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptxufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
ufcd_6565_-_defesas_nao_especificas-convertido (1).pptx
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
 
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidadeTecido sanguineo e seu papel na imunidade
Tecido sanguineo e seu papel na imunidade
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Aula -Imunidade.pdf

  • 2. IMUNIDADE: GENERALIDADES 2 A imunidade é a capacidade do organismo de se defender das agressões estranhas produzidas tanto por agentes externos (como tóxicos e microrganismos) como por agentes internos (células tumorais do próprio organismo, mas que escapam do seu controle e se tornam agressivas). Tipos de Imunidade 1. Imunidade inata (Mecanismos inespecíficos)  Composta por um conjunto de barreiras físicas e químicas – a 1ª linha de defesa (pele, mucosas, acidez do estômago, suor, saliva, cílios, etc) e células .  a 2ª linha de defesa (neutrófilos, macrófagos, que desencadeia a “inflamação”) com o propósito de neutralizar e fagocitar elementos estranhos de maneira rápida e inespecífica.
  • 3. IMUNIDADE: GENERALIDADES 3 2. Imunidade adquirida (linfócitos T e B), se activam selectivamente só após contacto com antígenos específicos, provocando uma resposta concreta dirigida ao antígeno identificado. É a 3ª linha de defesa.
  • 4. 4
  • 5. 5  Antígeno é qualquer molécula capaz de gerar uma resposta imune. Normalmente são grandesproteínas, polissacarídios ou lípidos presentes na membrana de microrganismos, embora também possam ser moléculas livres (tóxicos, medicamentos,…) associadas ou não a proteínas circulantes.]  Anticorpos São glicoproteínas específicas (“imunoglobulinas” ou “gammaglobulinas”) produzidaspelos linfócitos B em resposta a presença dum antígeno concreto, com o qual se ligam para formar um “complexo” antígeno- anticorpo, capaz de desencadear os mecanismos da imunidade conducentes à sua destruição e eliminação.
  • 6. CLASSES DE ANTICORPOS 6 IgG  IgM IgA IgE IgD
  • 7. FUNÇÕES DOS ANTICORPOS 7 Fixação e inactivação dos antígenos; Activação da cascata do complemento (reacções bioquímicas sequenciais que iniciam oprocesso da inflamação)  Estimulação para a liberação de mediadores/reguladores da inflamação; Facilitação da fagocitose de elementos estranhos
  • 8. 1. IMUNIDADE NÃO ESPECÍFICA 8 È uma resposta de defesa imediata e inespecífica contra qualqueragressão externa (mecânica, física, infecciosa) que se produz como uma sequênciade acontecimentos. Como 2ª linha desta defesa, existe a inflamação.  Inflamação (resposta fisiológica protectora a uma agressão ). Clinicamente: dor, calor, rubor, tumor (edema) e perca de função.
  • 9. IMUNIDADE ADQUIRIDA OU ESPECÍFICA 9 Características principais:  Memória imunológica  (algumas células persistem activadas contra esse antígeno particular de modo que numa futura agressão pelo mesmo antígeno, essas células irão desencadear uma resposta imune mais imediata).  Tolerância imunológica (Capacidade de distinguir entre antígenos próprios (os presentes em todas as células do próprio organismo, que não desencadeiam a resposta imune) e estranhos (que provocam resposta imune por não serem reconhecidos como próprios) Está propriedade faz com que os próprios tecidos do corpo não sejam atacados pelo próprio sistema imune)- Falhas – DOENÇAS AUTO-IMUNE  Auto-regulação (Trata-se de um mecanismo homeostático complicado que mantêm um balanço entre a resposta imune e a tolerância imunológica, para evitar actividade imune exagerada ou insuficiente em cada momento).
  • 10. IMUNIDADE ADQUIRIDA OU ESPECÍFICA 10 Existem 2 tipos de sistemas:  Imunidade humoral (ou mediada por anticorpos), os linfócitos B identificam antígenos estranhos e produzem anticorpos específicos para se ligarem aos antígenos.  Imunidade celular (ou mediada por células), participam linfócitos T e outras células imunitárias, com mínima presença de anticorpos.
  • 12. ORGÃOS DO SISTEMA IMUNE 12  ÓRGÃOS LINFÁTICOS PRIMÁRIOS: medula óssea e timo. É onde se produzem as células maturas do sistema imune pela divisão dos seus precursores linfóides.  ÓRGÃOS LINFÁTICOS SECUNDÁRIOS:amígdalas, baço, gânglios, fígado, tecido linfóide associado às mucosas. São os lugares onde migram as células formadas nos órgãos primários, paradesempenhar as suas funções.
  • 13. 13
  • 14. ORGÃOS DO SISTEMA IMUNE 14  Timo (A sua função é a maturação e capacitação de precursores dos linfócitos T, que depoismigrarão aos órgãos secundários).  Tonsilas ou Amígdalas (orgãos linfáticos localizados ao nível da farínge, palato e base da língua, onde formam um anel de tecido linfóide entre a boca e a faringe).  Em a função de proporcionar protecção contra a entrada de microrganismos por viadigestiva ou respiratória, expondo os linfócitos a uma grande diversidade de antígenos que entram continuamente por essas vias.  Os antígenos (microrganismos ou células tumorais captados desde os tecidos) chegam ao gânglios pela linfa. Os macrófagos os fagocitam e apresentam aos linfócitos T, que activam e estimulam a proliferação de células B produtoras de anticorpos específicos .  Em casos de estimulação antigénica importante, os gânglios ficam grandes(linfadenopatia) e dolorosos e facilmente palpáveis (os superficiais). Todo tumor ou infecção provoca uma reacção linfática regional .
  • 15.  BAÇO 15  Destruição de células sanguíneas velhas ou anormais. Filtração do sangue (o SRE-SMF elimina todo o tipo de elementos não desejados).  Identificação e apresentação de antígenos estranhos na cascata da resposta imunológica do organismo.  Armazenamento do sangue (os seus seios podem guardar até 1 l) que pode-se liberado rapidamente em caso de necessidade (sangramento ).
  • 16. OUTROS ÓRGÃOS COM TECIDO LINFÓIDE 16 Muitos dos órgãos do corpo tem células linfóides integradasna sua estrutura geral, com funções locais de defesa. Destacam-se: 1. Macrófagos. São as células do SRE-SMF, com funções fagocíticas, dispersos por vários  Pulmões, onde fagocitam elementos não desejáveis do ar inspirado, como poeira outabaco.  Fígado, onde fagocitam elementos estranhos procedentes do tubo digestivo.  Sistema nervoso.  Osso
  • 17. 17 2. Células dendríticas (são as típicas apresentadoras de antígenos) capazes de identificar antígenos e os apresentar aos linfócitos.Estão presentes na pele (são as “células deLangherhans”), rins, coração). 3.Tecido linfóide associado a mucosas. São grupos de linfócitos organizados em folículos, presentes na submucosa dos tratos digestivo (“placas de Peyer” intestinais), respiratório e genito-urinário, que defendem a entrada de microrganismos por estas vias.