PráTicas Baseadas Em EvidêNcias

4.657 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.657
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

PráTicas Baseadas Em EvidêNcias

  1. 1. PRÁTICAS BASEADAS EM EVIDÊNCIAS “A MBE é o uso mais consciencioso, explícito e judicioso da melhor evidência existente na tomada de decisões a respeito do cuidado de pacientes” (Sackett et al, 1996). A Medicina Baseada em Evidências (MBE) surgiu no Canadá (Mc Master University) e no Reino Unido (Oxford University) em 1992. As práticas clínicas baseadas em evidências partem do princípio segundo o qual a decisão a respeito da condução do caso do paciente deve estar baseada na melhor evidência científica disponível. Existe um consenso na literatura segundo o qual decisões sobre status e cobertura de novas tecnologias devem ser feitas baseadas em evidências com boa qualidade de eficácia1 O primeiro ensaio clínico publicado e que resultou em flagrante benefício aos sujeitos da pesquisa (ou pacientes) foi realizado em 1747 por Lind, um médico da Marinha Real Britânica. Separando em grupos indivíduos acometidos por escorbuto, Lind tratou-os com cidra, óleo de vitríolo (ácido sulfúrico), vinagre, água marinha, laranjas, limões e mostarda. Os indivíduos dos grupos em que foram usadas as frutas cítricas, recuperaram-se rapidamente. É digno de nota lembrar que, mesmo diante de flagrante evidência, o próprio Lind recomendava o “ar fresco” como primeira opção de tratamento do escorbuto, seguido da ingestão de frutas e vegetais. Pior ainda, a Marinha Britânica demorou 50 anos para incorporar o suco de limão aos suprimentos fornecidos aos marinheiros2. Em um mundo ideal, informações provenientes de estudos de alta qualidade abordando todos os resultados de interesse seriam facilmente disponíveis e incorporadas à tomada de decisão. A realidade, entretanto, é bem mais complicada porque a informação sobre diversos resultados de diferentes fontes deve ser sintetizada. Incrivelmente não estamos muito distantes da realidade enfrentada por Lind: as evidências científicas – por mais contundentes que sejam – demoram muito para que sejam incorporadas à prática médica diária.
  2. 2. Figura: A Tríade da Medicina Baseada em Evidências (MBE): Experiência clínica individual X Melhor evidência externa X Valores & expectativas do Paciente Nos últimos anos o termo MBE tem aparecido para descrever sua aplicação em Avaliação de tecnologias em saúde (ATS). O papel da ATS é o de facilitar a introdução e o uso apropriados das novas tecnologias em saúde. Trata-se de um campo de estudo que objetiva contribuir com a regulação da difusão tecnológica, agindo como uma ponte entre o mundo da pesquisa científica e o da tomada de decisão 3. O nível de evidência deve ser utilizado para dar transparência e orientação ao tomador de decisão quanto à qualidade do estudo que sustentaria sua conduta e decisão clínica. O nível de evidência constitui-se em um dos elementos, que associado à avaliação crítica da pesquisa e aos fatores relacionados à aplicabilidade ao paciente, permitem que os tomadores de decisão elaborem protocolos baseados em evidência. Protocolos de conduta clínica ou diretrizes clínicas são recomendações, desenvolvidas por meio de revisão sistemática da literatura científica existente, para apoiar a decisão do profissional e do paciente sobre o cuidado médico mais apropriado, em relação às condutas preventivas, diagnósticas ou terapêuticas dirigidas para determinada agravo em saúde ou situação clínica. Assim, os protocolos (guidelines) buscam sistematizar o conhecimento disponível e oferecer um padrão ouro de manejo clínico mais seguro e consistente do ponto de vista científico para determinado problema de saúde. A variação da prática clínica desenvolvida a partir de diferentes realidades e espaços onde o ensino médico se desenrola é enorme. Suas implicações no resultado final da assistência são importantes e já se sabe que a variabilidade sem contenção leva à elevação dos custos assistenciais e eventualmente a intervenções pouco eficazes. Por isso, considera-se que o desenvolvimento de diretrizes clínicas ou protocolos contribui para assegurar que a melhor terapêutica existente e/ou disponível seja, de fato, empregada. A produção e a incorporação de novos conhecimentos vêm ocorrendo de forma tão rápida e em tal volume, que muitos países, especialmente aqueles com sistemas de saúde abrangentes e que possuem rede de atenção primária centrada em médicos "generalistas" têm investido na elaboração e divulgação de protocolos clínicos
  3. 3. como forma de garantir acesso dos profissionais ao conhecimento mais moderno e mais eficaz, diminuir a variação na prática e garantir boas práticas na assistência, melhorando os resultados esperados. Existem duas áreas clínicas em que a utilização de protocolos de conduta está incorporada na forma de prestação do serviço. Nas emergências, a utilização de padrões de atendimento (Protocolos ATLS e ACLS) para traumas e urgências cardiológicas tem sido considerada como pré-requisitos para atendimento de urgência nos hospitais de bom padrão. A aderência dos profissionais aos procedimentos preconizados é excelente e os resultados na melhoria da assistência são comprovados4. Finalmente, é difícil dissociar a decisão de qual será o tratamento direcionado ao paciente do contexto econômico em que ele está inserido, pois a limitação de recursos requer uma tomada de decisão que atenda à tríade: qualidade da assistência, acesso à tecnologia e a melhor relação custo-efetividade5. Economia da Saúde é a aplicação de alguns conceitos da economia na assistência médica. A área da saúde se preocupa em oferecer intervenções que sejam eficazes e efetivas; a Economia da Saúde vai mais além, procurando intervenções eficientes – isto é, estabelece relação entre o custo da intervenção e o benefício que ela proporciona. A análise econômica em saúde é a análise das opções de escolha de alocação dos recursos escassos destinados à área de saúde, entre as alternativas que competem pelo seu uso. São Paulo, maio de 2010. Dra. Isabella V. de Oliveira Gerente de Regulação - Tempo Saúde
  4. 4. Referências 1. HAILEY D.; HARSTALL C. Decisions on the status of Health Technologies – AHFMR , 2001. 2. HARDMAN JG, LIMBIRD LE, GILMAN AG. Goodman & Gilman’s. The Pharmacological basis of therapeutics. Québec: McGraw-Hill; 2001. 3. BATTISTA RN, HODGE MJ. The evolving paradigm of health technology assessment: Reflections for the millennium. Can Med Assoc J. 1999;160:1464-1467. 4. SAÚDE E CIDADANIA. Práticas Relacionadas à Qualidade – Protocolos de Conduta Clínica ou Diretrizes Clínicas. Disponível em http://www.saude.sc.gov.br/gestores/sala_de_leitura/saude_e_cidadania/ed_03/04_ 03.html. Acessado em Julho de 2007. 5. VIANNA, D. Análise econômica em saúde – contribuição para tomada de decisão em medicina – Farmacoeconomia Roche p. 8, 2003.

×