Ajustes do bebê à vida extrauterina

1.068 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.068
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ajustes do bebê à vida extrauterina

  1. 1. AJUSTES DO BEBÊ À VIDA EXTRAUTERINA Isabela Lima Oliveira – Turma 59 Medicina / UnimontesRespiração:O RN comoça a respirar dentro de segundos , atingindo ritmo no 1º minuto (em mães nãodeprimidas por anestésicos).As causas prováveis do fenômeno são leve asfixia do processo denascimento e impulsos sensoriais de resfriamento da pele.Retardo ao respirar pode sercausado por depressão da mãe por anestesia, fazendo com que a respiração demore algunsminutos para surgir no RN. Outras causas são traumatismos cranioencefálicos e hipóxiacausada por período expulsivo prolongado ( compressão do cordão umbilical, contraçãoexcessiva do útero, separação prematura da placenta, anestesia excessiva da mãe).Contudo, ahipóxia, no recém-nascido, é mais bem tolerada, podendo ser suportada até 10’.As primeirasrespirações, em geral, são mais potentes, para gerar uma pressão intrapleural de 60mmHgcapaz de descolabar os alvéolos.Circulação:Os ajustes deste sistema aumentam progressivamente o aporte de sangue para o fígado, alémdas demais importâncias vitais. O coração do feto, que antes bombeava muito sangue para a
  2. 2. placenta, agora precisa fazê-lo para o fígado e os pulmões. O sangue oxigenado retornava pelaveia umbilical, passando pelo ducto venoso, pouco irrigando o fígado, em direção ao átrioesquerdo através do forame oval. O sangue desoxigenado da cabeça do feto (veia cavasuperior) passava pela valva tricúspide para o ventrículo direito e , através do ducto arterioso,era bombeado para a aorta descendente e ,em seguida, para as artérias umbilicais para seroxigenado na placenta. Com o nascimento, há perda enorme do fluxo de sangue da placenta,implicando em aumento da resistência vascular sistêmica, duplicando a P.Aórtica e doventrículo e átrio esquerdos ; há diminuição da resistência vascular pulmonar (expansão dopulmão). Tudo isso diminui a pressão arterial pulmonar, a pressão ventricular e atrialdireitas.Em consequência da baixa pressão atrial direita e alta esquerda, o sangue tende a fluirpelo lado contrário do forame oval, fechando sua válvula. O ducto arterioso também sefechará , pois a pressão aórtica aumentada e a R.Vasc. Pulmonar diminuída fazem o sanguemfluir da aorta de volta para a artéria pulmonar e , depois de algumas horas a parede musculardo ducto arterioso se contrai, produzindo um fechamento funcional que, depois de 1-4 meses,estará anatomicamente ocluído pelo crescimento de tecido fibroso no seu lúmen. A contraçãodo ducto está relacionada a menor oxigenação dessa região no período pós parto. Ofechamento do ducto venoso também se dá. No pós-parto imediato o sangue deixa de fluir doducto da placenta para a veia cava, mas boa parte do sangue porta ainda usa essa passagem.Com 1-3horas pós-parto, esse ducto se contrai e fecha, aumentando muito a pressão venosa,de maneira que o sangue banhe os sinusoides hepáticos.  Observações:  Não-aderência da válvula ao forame oval : ocorre em 1/3 das pessoas , mas não chega a ser patológico se a pressão atrial esquerda se mantiver 2 a 4 mmHg maior que a direita.  Ducto arterioso patente: ocorre em 1/ 1000 RNs. Sua provável causa é a dilatação excessiva do ducto por protaglandinas. O tratamento se dá com indomectina, que bloqueia a síntese de prostaglandinas .  Não- fechamento do ducto venoso: evento raro e de causa pouco conhecida.
  3. 3. Nutrição:Após o nascimento, as reservas de glicogênio são baixas e a via de gliconeogênese (fígado) nãoé eficiente, portanto a glicose plasmática situa-se até em torno de 30 – 40 mg/dl no primeirodia. O bebê também tem uma velocidade de renovação de líquido maior do que a do adulto.Somando-se a isso o suprimento ainda pequeno de leite materno, nota-se uma perda ponderalno RN referente aos líquidos corporais. Porém, os pais devem ser tranquilizados quanto a isso,pois a perda é fisiológica.Problemas Funcionais Especiais: Sistema Respiratório:  F.R.: aprox.. 40 incurssões/min. com vol de 16ml, resultando em 640ml/min.  Como a capacidade residual do RN é metade da do adulto em relação ao peso, uma bradipneia pode ter efeito mais grave, pois é o ar residual o que compensa as variações. Sistema Circulatório:  Vol sg. de aprox.. 300ml, mas a demora no clampeamento do cordão umbilical pode trazer uma carga de até 75ml a mais para o RN. Isso pode aumentar o hematócrito e alguns pediatras acreditam que esse volume extra possa levar a edema pulmonar.  Débito Cardíaco: 500ml/min, mas pode ser menor por hemorragia placentária.  P.A. : 70 x 50 mmHg, aumentando lentamente para 90 x 60.  Icterícia Neonatal : há hiperbilirrubinemia fisiológica por aumento da demanda do fígado (a maioria da bilirrubina passava pela placenta), mas desaparece. Porém, deve- se observar possível consequência de uma DHRN. Classificar a icterícia em zonas de Kramer.
  4. 4.  Balanço Hídricao / Função Renal : desenvolvimento renal incompleto até cerca de 1 mês. Os rins concentram apenas 1,5 vezes a osmolaridade do plasma. Há facilidade de desbalanço hídrico e acidose.  Digestão, Absorção e Metabolismo de Alimentos: o fígado tem a capacidade de produção (conjugar bilirrubina, produção de proteínas plasmáticas, gliconeogênese, fatores de coagulação) muito deficitária nos 2 primeiros dias. A amilase pancreática no RN é deficiente,a absorção de gordura pelo TGI é menor que da criança mais velha.O bebê possui grande área corporal superficial em relação à massa e alto metabolismo, o que gera uma tendência de regulação térmica deficitária. Referências:Tratado de Fisiologia Médica / John E. Hall. – 12.ed. – Rio de Janeiro : Elsevier 2011.

×