SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Aula 3
Fluxos migratórios
Retirantes (1936) – Cândido Portinari
Conteúdo da Aula 3
Definição
Migrações Externas
Migrações Internas
Tipos
Números sobre a migração internacional
Ciclos migratórios internacionais
Consequências das migrações internacionais
Imigração no Brasil
Questões para discussão
Definição
Fluxos migratórios (movimento migratório ou migração) é o
deslocamento da população de um lugar para outro podendo ser
definitivos ou temporários
Diversos motivos levam as pessoas a migrar: guerras, condições
econômicas desfavoráveis, adversidades naturais como climas
extremamente frios ou quentes, atividade vulcânica intensa, entre
outros.
Os movimentos migratórios podem ser:
Internos Externos
Migrações Externas
A migração externa, também denominada migração internacional,
ocorre quando a população se desloca entre países. Há dois tipos de
migração externa:
IMIGRAÇÃO
• Corresponde ao
movimento de entrada
das pessoas
estrangeiras em um
país. Elas são imigrantes
nesse país.
EMIGRAÇÃO
• Refere-se ao
movimento de saída
das pessoas de seu país
de origem. Essas
pessoas são emigrantes
no seu país de origem.
Migrações Internas
A migração interna ocorre quando a população se desloca no interior de
um país.
Existem outros dois tipos de migração interna:
MIGRAÇÃO PENDULAR
• Movimento diário de
vaivém da população
que desloca da
periferia para o
centro e vice-versa.
TRANSUMÂNCIA
• Deslocamento
populacional que
ocorre em certos
períodos do ano.
Tipos
- Migrante: qualquer pessoa que muda de país ou região.
- Emigrante: quem deixa seu local de nascimento.
- Imigrante: quem entrou em uma nova região ou país.
- Refugiado: pessoa que muda de país ou região para fugir de
guerras, conflitos internos, perseguição (política, étnica, religiosa,
de gênero, etc.) e violação de direitos humanos.
- Solicitante de asilo: pessoa que pediu proteção internacional e
aguarda concessão do status de refugiado.
Tipos
- Inter-regional (entre diferentes regiões): 3,4 milhões de pessoas entre 1995
e 2000 no Brasil.
- Intra-regional (dentro de um mesmo estado ou entre estados de uma mesma
região): 4,6 milhões de pessoas entre 2005 e 2010.
- Definitiva: a pessoa passa a residir no novo local.
- Temporária: o migrante fica apenas um tempo pré-determinado.
- Sazonais: o migrante se desloca em determinadas épocas do ano.
- Pendulares: a pessoa sai de sua cidade todos os dias para trabalhar ou estudar.
- Espontânea: a pessoa sai de sua cidade de origem por vontade própria.
- Forçada: o deslocamento ocorre por conta de guerras, conflitos ou outas condições
adversas.
- Êxodo Rural: saída da zona rural para zonas urbanas.
Migrações
Espaço
Duração
Forma
Controle
Êxodo Rural
Êxodo Urbano
Intracontinentais
Intercontinentais
Internas
Externas
Definitivas
Temporárias
Voluntárias
Forçadas
Legais
Clandestinas
Motivos
Causas de Atração
• Melhores condições
de vida.
• Maior oferta de
emprego.
Causas de Repulsão
• Desastres naturais.
• Conflitos
políticos/religiosos.
• Situação econômica
ruim.
Números sobre a migração
internacional
Números sobre a migração
internacional
Fluxo global de
pessoas entre 1990
até 2010
Ciclos migratórios
internacionais
 1º ciclo - Século XV ao XVII
- Descobrimentos
 2º ciclo - Século XVII ao XIX
– Movimento dos escravos
 3º ciclo – Século XIX e início do século XX
- 70 milhões de europeus emigraram para América, Austrália e
África.
 4º ciclo –Século XX década de 30
- Diminuição devido às guerras e crises econômicas.
Ciclos migratórios
internacionais
5º ciclo – Século XX década de 50
- Retomada modesta das migrações para a Europa e Estados
Unidos no período pós-guerra.
6º ciclo – Século XX década de 70
- Interrupção no crescimento das migrações devido à sucessivas
crises econômicas (crise do petróleo, desemprego, fechamento de
indústrias).
7º ciclo – Século XX década de 90
- Movimentos migratórios retomados (fim da URSS, retomada
do crescimento econômico)
Ciclos migratórios
internacionais
8º ciclo – Século XXI
- Aumento das migrações X maior controle das fronteiras.
- Estão sendo feitas políticas públicas que dificultam a entrada e
permanência do imigrante de forma ilegal no país receptor.
Consequências das migrações
internacionais
NAS ÁREAS DE EXPULSÃO
POPULACIONAL
• Diminuição da população;
• Diminuição da taxa de natalidade
devido à escassez de população
jovem e adultos;
• Envelhecimento da população;
• Diminuição da população ativa;
• Entrada de divisas (moeda
estrangeira) enviadas pelos
emigrantes;
NAS ÁREAS DE ATRAÇÃO
POPULACIONAL
• Aumento da população devido à
entrada de imigrantes;
• Aumento da taxa de natalidade
consequência do elevado número
de jovens e adultos;
• Rejuvenescimento da população;
• Aumento da população ativa;
• Possível aparecimento de bairros
degradados;
• Dificuldades de aceitação de novas
culturas, línguas e costumes;
• Xenofobia
Portugueses
Séc. XVI até início do XX
Escravos africanos
Séc. XVI e XIX
Lei Eusébio de Queirós - 1850
Imigração no Brasil
Norte: Principalmente imigrantes portugueses. A
partir do século XX chegaram japoneses que
começaram plantações de chá e juta e também
sírios-libaneses que chegaram à região para
trabalhar com comércio.
Nordeste: Imigrantes portugueses e africanos. Em
alguns momentos franceses e holandeses.
Centro-Oeste: Imigrantes portugueses.
Sudeste: Principalmente imigrantes portugueses
e africanos. O Rio de Janeiro e Espírito Santo
receberam também imigrantes suíços e alemães
no século XIX. São Paulo recebeu italianos,
espanhóis, japoneses, árabes, coreanos,
chineses, bolivianos, nigerianos, angolanos e
haitianos.
Sul: Japoneses, alemães e eslavos.
Operários (1933) – Tarsila do Amaral
Franceses
1555 – Invasão ao Rio de Janeiro
Confederação dos Tamoios
1612 – Invasão ao Nordeste
Holandeses
1630 – 1654 Invasão de Olinda e Recife
Imigrantes Italianos
1870 – Políticas de estimulo para a vinda de
europeus para substituis a mão de obra escrava.
Imigrantes Japoneses
1908 - 1921– Políticas japonesas de estimulo à
emigração.
1928 - 1935 – Emigração pós Segunda Guerra.
Alemães
Ápice entre 1920 e 1930 – Refugiados das
Guerras Mundiais
Bolivianos
Desde 2004 – busca por melhores
condições de vida
Haitianos
Desde 2010 – refugiados (terremoto em
2010) e imigrantes.
Imigração no Brasil
Migrações no Brasil
Migrações no Brasil
a partir de 2000
Êxodo rural no Brasil
Migração em massa da população do campo para a cidade.
A mecanização do campo, concentração da produção e piores condições
de vida serviram como fator de repulsão no Brasil entre os anos 1960 e
1980.
A saída de trabalhadores do campo durante essas duas décadas for
responsável por 20% da urbanização.
O Êxodo rural desacelerou depois dos anos 2000 graças a quantidade já
escassa de trabalhadores rurais (exceto no Nordeste) e também devido a
programas sociais para melhorar as condições de vida no campo.
Emigração do Brasil
Questões para discussão
Questões para discussão
Quais são os prós e contras dessa migração internacional?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poderVinicius Coelho
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroferaps
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasprofacacio
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográficoCarminha
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilLuciano Pessanha
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraprofacacio
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da PopulaçãoEduardo Mendes
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaçoLuciano Pessanha
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etáriascolegiomb
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEsMateus Silva
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIdalina Leite
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilProfessor
 

Mais procurados (20)

Estado nação, território e poder
Estado nação, território e poderEstado nação, território e poder
Estado nação, território e poder
 
Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Espaço geográfico
Espaço geográficoEspaço geográfico
Espaço geográfico
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do Brasil
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Geografia da População
Geografia da PopulaçãoGeografia da População
Geografia da População
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Pirâmides etárias
Pirâmides etáriasPirâmides etárias
Pirâmides etárias
 
Geografia Do Brasil RegiõEs
Geografia Do Brasil   RegiõEsGeografia Do Brasil   RegiõEs
Geografia Do Brasil RegiõEs
 
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoIDH - Índice de Desenvolvimento Humano
IDH - Índice de Desenvolvimento Humano
 
Os continentes
Os continentesOs continentes
Os continentes
 
Geografia 6º ano
Geografia 6º anoGeografia 6º ano
Geografia 6º ano
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Oceania
OceaniaOceania
Oceania
 
Aula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasilAula de hidrografia do brasil
Aula de hidrografia do brasil
 

Semelhante a Aula 3 - fluxos migratórios

Semelhante a Aula 3 - fluxos migratórios (20)

Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Os fluxos populacionais
Os fluxos populacionaisOs fluxos populacionais
Os fluxos populacionais
 
Geografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratóriosGeografia - Fluxos migratórios
Geografia - Fluxos migratórios
 
Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)Aula 7º (cap.3)
Aula 7º (cap.3)
 
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
MIGRAÇÕES
MIGRAÇÕESMIGRAÇÕES
MIGRAÇÕES
 
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdftiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
tiposdemigraes-100601065458-phpapp02.pdf
 
Imigração e xenofobia
Imigração e xenofobiaImigração e xenofobia
Imigração e xenofobia
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Mobilidade das populações
Mobilidade das populaçõesMobilidade das populações
Mobilidade das populações
 
Apresentação de geografia
Apresentação de geografiaApresentação de geografia
Apresentação de geografia
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Migracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartreMigracoes brasileiras sartre
Migracoes brasileiras sartre
 
Migraçõesesrp
MigraçõesesrpMigraçõesesrp
Migraçõesesrp
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 
Tipos de migrações
Tipos de migraçõesTipos de migrações
Tipos de migrações
 
Apresentação geografia 29 11_2011
Apresentação geografia  29 11_2011Apresentação geografia  29 11_2011
Apresentação geografia 29 11_2011
 
Migrações novo
Migrações novoMigrações novo
Migrações novo
 
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
3º ano e.m (mod. 25) Brasil população
 

Mais de Isabela Espíndola

Saneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde PúblicaSaneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde PúblicaIsabela Espíndola
 
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...Isabela Espíndola
 
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...Isabela Espíndola
 
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAIS
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAISANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAIS
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAISIsabela Espíndola
 
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA Isabela Espíndola
 
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambiental
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambientalAnais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambiental
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambientalIsabela Espíndola
 
Recursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América LatinaRecursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América LatinaIsabela Espíndola
 
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...Isabela Espíndola
 
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...Isabela Espíndola
 
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...Isabela Espíndola
 
Management of transboundary water resources in South America
Management of transboundary water resources in South AmericaManagement of transboundary water resources in South America
Management of transboundary water resources in South AmericaIsabela Espíndola
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarelaIsabela Espíndola
 
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon Musk
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon MuskAula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon Musk
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon MuskIsabela Espíndola
 
Fuvest 2018 - comentários da prova
Fuvest 2018 - comentários da provaFuvest 2018 - comentários da prova
Fuvest 2018 - comentários da provaIsabela Espíndola
 

Mais de Isabela Espíndola (20)

Saneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde PúblicaSaneamento Básico e Saúde Pública
Saneamento Básico e Saúde Pública
 
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...
Legal regimes for environmental protection: governance for transboundary natu...
 
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...
Socio, economic and environmental impacts of mariana and brumadinho lessons t...
 
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAIS
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAISANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAIS
ANTROPOCENO, MEIO AMBIENTE E RELAÇÕES INTERNACIONAIS
 
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA
THE LA PLATA BASIN AND ITS TRANSBOUNDARY WATER MANAGEMENT UNDER THE PAE AGENDA
 
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambiental
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambientalAnais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambiental
Anais da-iv-jornada-de-gestao-e-analise-ambiental
 
Recursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América LatinaRecursos naturais na América Latina
Recursos naturais na América Latina
 
Cidadania no brasil
Cidadania no brasilCidadania no brasil
Cidadania no brasil
 
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...
Transboundary waters and water conflicts - current perspectives for the manag...
 
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...
Transboundary water issues on the contemporary International Relations betwee...
 
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...
SIMILARITIES BETWEEN LA PLATA BASIN STATES - NATIONAL FRAMEWORKS FOR WATER GO...
 
Agenda 2030, ODS e empresas
Agenda 2030, ODS e empresasAgenda 2030, ODS e empresas
Agenda 2030, ODS e empresas
 
Management of transboundary water resources in South America
Management of transboundary water resources in South AmericaManagement of transboundary water resources in South America
Management of transboundary water resources in South America
 
Agenda 2030 e os ODS
Agenda 2030 e os ODSAgenda 2030 e os ODS
Agenda 2030 e os ODS
 
La plata basin
La plata basinLa plata basin
La plata basin
 
Aula 3 - Os 70 anos da DUDH
Aula 3 - Os 70 anos da DUDHAula 3 - Os 70 anos da DUDH
Aula 3 - Os 70 anos da DUDH
 
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
Aula 2 -  A luta contra a febre amarelaAula 2 -  A luta contra a febre amarela
Aula 2 - A luta contra a febre amarela
 
Aula 1 - Atualidades 2018
Aula 1 - Atualidades 2018Aula 1 - Atualidades 2018
Aula 1 - Atualidades 2018
 
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon Musk
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon MuskAula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon Musk
Aula 1.5 - Falcon Heavy, Space X e Elon Musk
 
Fuvest 2018 - comentários da prova
Fuvest 2018 - comentários da provaFuvest 2018 - comentários da prova
Fuvest 2018 - comentários da prova
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 

Aula 3 - fluxos migratórios

  • 1. Aula 3 Fluxos migratórios Retirantes (1936) – Cândido Portinari
  • 2. Conteúdo da Aula 3 Definição Migrações Externas Migrações Internas Tipos Números sobre a migração internacional Ciclos migratórios internacionais Consequências das migrações internacionais Imigração no Brasil Questões para discussão
  • 3. Definição Fluxos migratórios (movimento migratório ou migração) é o deslocamento da população de um lugar para outro podendo ser definitivos ou temporários Diversos motivos levam as pessoas a migrar: guerras, condições econômicas desfavoráveis, adversidades naturais como climas extremamente frios ou quentes, atividade vulcânica intensa, entre outros. Os movimentos migratórios podem ser: Internos Externos
  • 4. Migrações Externas A migração externa, também denominada migração internacional, ocorre quando a população se desloca entre países. Há dois tipos de migração externa: IMIGRAÇÃO • Corresponde ao movimento de entrada das pessoas estrangeiras em um país. Elas são imigrantes nesse país. EMIGRAÇÃO • Refere-se ao movimento de saída das pessoas de seu país de origem. Essas pessoas são emigrantes no seu país de origem.
  • 5. Migrações Internas A migração interna ocorre quando a população se desloca no interior de um país. Existem outros dois tipos de migração interna: MIGRAÇÃO PENDULAR • Movimento diário de vaivém da população que desloca da periferia para o centro e vice-versa. TRANSUMÂNCIA • Deslocamento populacional que ocorre em certos períodos do ano.
  • 6. Tipos - Migrante: qualquer pessoa que muda de país ou região. - Emigrante: quem deixa seu local de nascimento. - Imigrante: quem entrou em uma nova região ou país. - Refugiado: pessoa que muda de país ou região para fugir de guerras, conflitos internos, perseguição (política, étnica, religiosa, de gênero, etc.) e violação de direitos humanos. - Solicitante de asilo: pessoa que pediu proteção internacional e aguarda concessão do status de refugiado.
  • 7. Tipos - Inter-regional (entre diferentes regiões): 3,4 milhões de pessoas entre 1995 e 2000 no Brasil. - Intra-regional (dentro de um mesmo estado ou entre estados de uma mesma região): 4,6 milhões de pessoas entre 2005 e 2010. - Definitiva: a pessoa passa a residir no novo local. - Temporária: o migrante fica apenas um tempo pré-determinado. - Sazonais: o migrante se desloca em determinadas épocas do ano. - Pendulares: a pessoa sai de sua cidade todos os dias para trabalhar ou estudar. - Espontânea: a pessoa sai de sua cidade de origem por vontade própria. - Forçada: o deslocamento ocorre por conta de guerras, conflitos ou outas condições adversas. - Êxodo Rural: saída da zona rural para zonas urbanas.
  • 9.
  • 10. Motivos Causas de Atração • Melhores condições de vida. • Maior oferta de emprego. Causas de Repulsão • Desastres naturais. • Conflitos políticos/religiosos. • Situação econômica ruim.
  • 11. Números sobre a migração internacional
  • 12. Números sobre a migração internacional
  • 13. Fluxo global de pessoas entre 1990 até 2010
  • 14.
  • 15. Ciclos migratórios internacionais  1º ciclo - Século XV ao XVII - Descobrimentos  2º ciclo - Século XVII ao XIX – Movimento dos escravos  3º ciclo – Século XIX e início do século XX - 70 milhões de europeus emigraram para América, Austrália e África.  4º ciclo –Século XX década de 30 - Diminuição devido às guerras e crises econômicas.
  • 16. Ciclos migratórios internacionais 5º ciclo – Século XX década de 50 - Retomada modesta das migrações para a Europa e Estados Unidos no período pós-guerra. 6º ciclo – Século XX década de 70 - Interrupção no crescimento das migrações devido à sucessivas crises econômicas (crise do petróleo, desemprego, fechamento de indústrias). 7º ciclo – Século XX década de 90 - Movimentos migratórios retomados (fim da URSS, retomada do crescimento econômico)
  • 17. Ciclos migratórios internacionais 8º ciclo – Século XXI - Aumento das migrações X maior controle das fronteiras. - Estão sendo feitas políticas públicas que dificultam a entrada e permanência do imigrante de forma ilegal no país receptor.
  • 18. Consequências das migrações internacionais NAS ÁREAS DE EXPULSÃO POPULACIONAL • Diminuição da população; • Diminuição da taxa de natalidade devido à escassez de população jovem e adultos; • Envelhecimento da população; • Diminuição da população ativa; • Entrada de divisas (moeda estrangeira) enviadas pelos emigrantes; NAS ÁREAS DE ATRAÇÃO POPULACIONAL • Aumento da população devido à entrada de imigrantes; • Aumento da taxa de natalidade consequência do elevado número de jovens e adultos; • Rejuvenescimento da população; • Aumento da população ativa; • Possível aparecimento de bairros degradados; • Dificuldades de aceitação de novas culturas, línguas e costumes; • Xenofobia
  • 19. Portugueses Séc. XVI até início do XX Escravos africanos Séc. XVI e XIX Lei Eusébio de Queirós - 1850
  • 20. Imigração no Brasil Norte: Principalmente imigrantes portugueses. A partir do século XX chegaram japoneses que começaram plantações de chá e juta e também sírios-libaneses que chegaram à região para trabalhar com comércio. Nordeste: Imigrantes portugueses e africanos. Em alguns momentos franceses e holandeses. Centro-Oeste: Imigrantes portugueses. Sudeste: Principalmente imigrantes portugueses e africanos. O Rio de Janeiro e Espírito Santo receberam também imigrantes suíços e alemães no século XIX. São Paulo recebeu italianos, espanhóis, japoneses, árabes, coreanos, chineses, bolivianos, nigerianos, angolanos e haitianos. Sul: Japoneses, alemães e eslavos. Operários (1933) – Tarsila do Amaral
  • 21. Franceses 1555 – Invasão ao Rio de Janeiro Confederação dos Tamoios 1612 – Invasão ao Nordeste Holandeses 1630 – 1654 Invasão de Olinda e Recife Imigrantes Italianos 1870 – Políticas de estimulo para a vinda de europeus para substituis a mão de obra escrava. Imigrantes Japoneses 1908 - 1921– Políticas japonesas de estimulo à emigração. 1928 - 1935 – Emigração pós Segunda Guerra.
  • 22. Alemães Ápice entre 1920 e 1930 – Refugiados das Guerras Mundiais Bolivianos Desde 2004 – busca por melhores condições de vida Haitianos Desde 2010 – refugiados (terremoto em 2010) e imigrantes.
  • 25. Migrações no Brasil a partir de 2000
  • 26. Êxodo rural no Brasil Migração em massa da população do campo para a cidade. A mecanização do campo, concentração da produção e piores condições de vida serviram como fator de repulsão no Brasil entre os anos 1960 e 1980. A saída de trabalhadores do campo durante essas duas décadas for responsável por 20% da urbanização. O Êxodo rural desacelerou depois dos anos 2000 graças a quantidade já escassa de trabalhadores rurais (exceto no Nordeste) e também devido a programas sociais para melhorar as condições de vida no campo.
  • 28.
  • 29.
  • 31. Questões para discussão Quais são os prós e contras dessa migração internacional?

Notas do Editor

  1. Esse infográfico demonstra da onde as pessoas estão saindo e para onde estão indo