SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Entrevista a Germano Silva sobre
25 de Abril
João Velosa, 5º A
Germano Silva, 82 anos
- Nasceu em Penafiel (S. Martinho de Recezinhos), a 13 de Outubro de 1931.
Veio com a família para o Porto quando tinha somente um ano de idade.
- Foi jornalista, iniciando a sua carreira em 1956 na redação do “Jornal de
Notícias”, onde foi colaborador, estagiário, repórter informador, redator, sub-
chefe e chefe de redação. Aposentou-se em 1996, ao fim de 40 anos.
- Colaborou ainda com o “Expresso”, “O Jornal” e com a revista “Visão”, entre
outras publicações.
- É presidente da Assembleia Geral da Associação dos Jornalistas e Homens de
Letras do Porto
- Como jornalista especializou-se na história da cidade do Porto, sendo autor de
mais de uma vintena de livros versando a história do Porto e da sua gente.
• No 25 de Abril que idade tinha o Sr
Germano Silva?
- No 25 de Abril tinha 42 anos.
• Que profissão exercia nessa altura? - Era jornalista. Trabalhava no “Jornal
de Notícias”.
• Mudou muito a sua vida?
- Como jornalista, sim. A censura, que não nos deixava escrever o que
queríamos, foi abolida. Também a DGS (Direção Geral de Segurança) ou a PIDE
foi extinta.
- Estas instituições condicionavam a vida cívica e política das pessoas. Não era
possível fazer reuniões nem encontros para debater certos temas, por exemplo,
a liberdade das mulheres. Colóquios culturais eram vigiados por agentes da
PIDE. Até pequenos grupos de pessoas a falar na rua eram mandados dispersar.
- As mulheres casadas não podiam viajar para o estrangeiro sem a autorização
dos maridos. Tudo isto acabou. Do ponto de vista profissional a mudança foi
total. Suicídios, consumo de droga e críticas ao governo não podiam antes ser
publicados.
• Onde estava quando o 25 de Abril aconteceu?
- Desde o dia 16 de Março que estávamos à espera que alguma coisa acontecesse,
pois os nossos colegas de Lisboa tinham-nos avisado da revolução.
- No dia 24 de Abril, eu e o Manuel António Pina, que na época era jornalista do JN,
fomos comer uma isca à lapa, vimos então os soldados do quartel todos em fila em
frente da igreja. Foi aí que percebemos que algo poderia acontecer e regressámos
novamente para a redação do jornal.
- Percebemos que era o dia, esperámos toda a noite e na madrugada do dia 25 tudo
aconteceu!
- O jornal de notícias publicou logo pela manhã uma edição especial a dar conta do
sucedido. E ao longo do dia foram saindo novas edições. Foi a primeira vez que
escrevi sem censura.
- A primeira edição ainda foi à censura mas o contínuo que lá estava tinha ido
embora… Foi a primeira vez que escrevi em liberdade!
• Ouviu o “Grândola Vila Morena”? - Sim, pois sabíamos que iria haver um sinal
na rádio. Mas a primeira música a tocar foi
“E depois do adeus” do Paulo de Carvalho.
• E no Porto como se passou tudo? - Para o Porto vieram as tropas de Lamego que
primeiro passaram junto do quartel do
Carmo a fim de perceberem a reação da
Guarda Republicana. O comandante veio à
janela e cruzou os braços, dando sinal às
tropas que não iam mostrar resistência.
- Ocuparam tudo rapidamente e foi pacífico.
Do quartel de Serpa Pinto saíram canhões, o
que fez despertar a curiosidade da
população. As pessoas de manhã foram para
junto do edifício do jornal, para a câmara e,
de rádio na mão, foram tomando
conhecimento de tudo o que se passava.
Libertaram os presos políticos e mandaram
os documentos da censura ao lixo.
- Não, naquela altura os monumentos
estavam quase todos ao abandono.
Havia um descuido muito grande em
relação ao património. Só mais tarde
quando se criaram novos ministérios,
como o da cultura, é que começaram
a ser recuperados.
- O Palácio do Bispo (Passo Episcopal)
no Porto foi um dos monumentos
que foi recuperado. O Largo da Sé foi
melhorado ainda no Estado Novo.
Como gostavam de fazer grandes
paradas militares, fanfarras para
impressionar o povo, recuperavam
lugares com esse objetivo.
• No Porto há algum monumento
relacionado com o 25 de Abril?
- Não propriamente, mas já houve
projetos para um na avenida dos
Aliados, e outro para a avenida 25 de
Abril.
• Os monumentos estavam bem
conservados, podiam ser visitados?
- Sim , pois isto começou quando um
dos meus chefes de redação me disse
que só seria bom repórter se
conhecesse bem a cidade. A partir
daí comecei a interessar-me cada vez
mais pela história da cidade.
- Sim, mas era contada de uma maneira
diferente porque o Estado Novo
condicionava a forma de como se
falava da história...
- Por exemplo: a Câmara do Porto
funcionava numa casa que se chamava
Casa do Senado, até o Estado começar
a chamar-lhe casa dos 24. Muita gente
ainda lhe chama assim.
• Naquela altura já sabia tanto de
história do Porto?
• Ness altura, as pessoas sabiam tanto
sobre história como hoje em dia?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A grécia antiga período pré-homérico
A grécia antiga   período pré-homéricoA grécia antiga   período pré-homérico
A grécia antiga período pré-homéricohistoriando
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesarosivaldo_f_moreira
 
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?Bionutrix S.A.
 
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULO
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULORosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULO
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULOvitaliykolyesnik
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentosCarla Freitas
 
O império português do oriente parte 2
O império português do oriente   parte 2O império português do oriente   parte 2
O império português do oriente parte 2anabelasilvasobral
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIMaria Gomes
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica gréciaAuxiliadora
 
Bioseguridad
BioseguridadBioseguridad
Bioseguridadxhantal
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVCátia Botelho
 
Invasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilInvasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilThiago Leal
 
Rumos da expansao
Rumos da expansaoRumos da expansao
Rumos da expansaocattonia
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípciaVítor Santos
 

Mais procurados (20)

A grécia antiga período pré-homérico
A grécia antiga   período pré-homéricoA grécia antiga   período pré-homérico
A grécia antiga período pré-homérico
 
Fenícios e hebreus
Fenícios e hebreusFenícios e hebreus
Fenícios e hebreus
 
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesaResumo sobre a expansão marítima portuguesa
Resumo sobre a expansão marítima portuguesa
 
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?
Como producir un mejor ternero y mejorar la rentabilidad del criador?
 
Os romanos
Os romanosOs romanos
Os romanos
 
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULO
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULORosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULO
Rosa minha irma rosa PRIMEIRO CAPITULO
 
23 os descobrimentos
23  os descobrimentos23  os descobrimentos
23 os descobrimentos
 
O império português do oriente parte 2
O império português do oriente   parte 2O império português do oriente   parte 2
O império português do oriente parte 2
 
Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
Invasao holandesa
Invasao holandesaInvasao holandesa
Invasao holandesa
 
Antiguidade clássica grécia
Antiguidade clássica   gréciaAntiguidade clássica   grécia
Antiguidade clássica grécia
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
A Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagensA Revolução Francesa em imagens
A Revolução Francesa em imagens
 
Bioseguridad
BioseguridadBioseguridad
Bioseguridad
 
Os Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo VOs Gregos No SéCulo V
Os Gregos No SéCulo V
 
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIVAtividades económicas nos séculos XIII e XIV
Atividades económicas nos séculos XIII e XIV
 
Invasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no BrasilInvasões estrangeiras no Brasil
Invasões estrangeiras no Brasil
 
Rumos da expansao
Rumos da expansaoRumos da expansao
Rumos da expansao
 
O paleolitico
O paleoliticoO paleolitico
O paleolitico
 
A civilização egípcia
A civilização egípciaA civilização egípcia
A civilização egípcia
 

Destaque

Projeto livro livre gonçalo alves 8ºb
Projeto livro livre gonçalo alves 8ºbProjeto livro livre gonçalo alves 8ºb
Projeto livro livre gonçalo alves 8ºbIsabelPereira2010
 
Depoimentos sobre o 25 de Abril
Depoimentos sobre o 25 de AbrilDepoimentos sobre o 25 de Abril
Depoimentos sobre o 25 de AbrilJoão Camacho
 
A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)Ana Cristina F
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilBE Esah
 
Biobibliografia de isabel alçada
Biobibliografia de isabel alçadaBiobibliografia de isabel alçada
Biobibliografia de isabel alçadamariagsargento
 
Viver no estado novo(carolina vala)
Viver no estado novo(carolina vala)Viver no estado novo(carolina vala)
Viver no estado novo(carolina vala)Ana Cristina F
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no portomartinma250
 
Ana maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadaAna maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadamartamedeiros
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonsoPaula Morgado
 
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel AlçadaBiografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçadabecrejovim
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974racatta
 

Destaque (14)

Projeto livro livre gonçalo alves 8ºb
Projeto livro livre gonçalo alves 8ºbProjeto livro livre gonçalo alves 8ºb
Projeto livro livre gonçalo alves 8ºb
 
Rodrigo moreira 10ºg
Rodrigo moreira 10ºgRodrigo moreira 10ºg
Rodrigo moreira 10ºg
 
Depoimentos sobre o 25 de Abril
Depoimentos sobre o 25 de AbrilDepoimentos sobre o 25 de Abril
Depoimentos sobre o 25 de Abril
 
A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)A vida no estado novo (ana mendonça)
A vida no estado novo (ana mendonça)
 
Fotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abrilFotos do antes e pós 25 de abril
Fotos do antes e pós 25 de abril
 
Biobibliografia de isabel alçada
Biobibliografia de isabel alçadaBiobibliografia de isabel alçada
Biobibliografia de isabel alçada
 
Viver no estado novo(carolina vala)
Viver no estado novo(carolina vala)Viver no estado novo(carolina vala)
Viver no estado novo(carolina vala)
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no porto
 
Ana maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçadaAna maria magalhães e isabel alçada
Ana maria magalhães e isabel alçada
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
O estado novo e o 25 de abril afonso
O estado novo e o 25 de abril  afonsoO estado novo e o 25 de abril  afonso
O estado novo e o 25 de abril afonso
 
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel AlçadaBiografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
Biografia de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada
 
O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974O Pós 25 de Abril de 1974
O Pós 25 de Abril de 1974
 
A entrevista
A entrevistaA entrevista
A entrevista
 

Semelhante a Entrevista a germano silva sobre 25 de abril

A Cidade 111 anos
A Cidade 111 anosA Cidade 111 anos
A Cidade 111 anosACIDADE ON
 
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra CivilGeorge Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra CivilWesley Guedes
 
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015Umberto Neves
 
Entrevistas luce-fabbri
Entrevistas luce-fabbriEntrevistas luce-fabbri
Entrevistas luce-fabbrimoratonoise
 
A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1efa2008
 
A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1efa2008
 
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopia
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopiaCubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopia
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopiamoratonoise
 
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasil
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasilJaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasil
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasilmoratonoise
 
Vida e Obra -Mário Viegas
Vida e Obra -Mário ViegasVida e Obra -Mário Viegas
Vida e Obra -Mário Viegas11121112
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugalMara Virginia
 
Centenário da republica
Centenário da republicaCentenário da republica
Centenário da republicaLucilia Fonseca
 
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abrilguest4550a6
 
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques EnciclopédiaUmberto Neves
 

Semelhante a Entrevista a germano silva sobre 25 de abril (20)

Livro 25 de abril
Livro 25 de abrilLivro 25 de abril
Livro 25 de abril
 
Roteiros republicanos do concelho de oeiras ii
Roteiros republicanos do concelho de oeiras iiRoteiros republicanos do concelho de oeiras ii
Roteiros republicanos do concelho de oeiras ii
 
A Cidade 111 anos
A Cidade 111 anosA Cidade 111 anos
A Cidade 111 anos
 
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra CivilGeorge Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
George Orwell - Lutando na Espanha e Recordando a Guerra Civil
 
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015
Destaques Enciclopédia 31-05-2015 a 07-06-2015
 
Entrevistas luce-fabbri
Entrevistas luce-fabbriEntrevistas luce-fabbri
Entrevistas luce-fabbri
 
Cronologia
CronologiaCronologia
Cronologia
 
A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1
 
A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1A Minha Figura HistóRica 1
A Minha Figura HistóRica 1
 
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopia
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopiaCubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopia
Cubero jaime.-o-movimento-anarquista-noa-brasil-entrevista-da-revista-utopia
 
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasil
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasilJaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasil
Jaime cubero e_o_movimento_anarquista_no_brasil
 
Vida e Obra -Mário Viegas
Vida e Obra -Mário ViegasVida e Obra -Mário Viegas
Vida e Obra -Mário Viegas
 
Modernismo em portugal
Modernismo em portugalModernismo em portugal
Modernismo em portugal
 
A imprensa do concelho de oeiras
A imprensa do concelho de oeirasA imprensa do concelho de oeiras
A imprensa do concelho de oeiras
 
Centenário da republica
Centenário da republicaCentenário da republica
Centenário da republica
 
2º ciclo , 25 Abril
2º ciclo ,  25 Abril2º ciclo ,  25 Abril
2º ciclo , 25 Abril
 
Roteiros republicanos do concelho de oeiras i
Roteiros republicanos do concelho de oeiras iRoteiros republicanos do concelho de oeiras i
Roteiros republicanos do concelho de oeiras i
 
Roteiros republicanos do concelho de oeiras i
Roteiros republicanos do concelho de oeiras iRoteiros republicanos do concelho de oeiras i
Roteiros republicanos do concelho de oeiras i
 
1 republica 25 abril
1 republica 25 abril1 republica 25 abril
1 republica 25 abril
 
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia
01-04-2015 a 05-04-2015 Destaques Enciclopédia
 

Mais de IsabelPereira2010

DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRDeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioIsabelPereira2010
 
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfDeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfIsabelPereira2010
 
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfreferenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfDeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfDeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfDeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfDeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfIsabelPereira2010
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfDeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfDeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfDeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfDeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfDeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfIsabelPereira2010
 
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfDeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfIsabelPereira2010
 

Mais de IsabelPereira2010 (20)

DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECRDeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
DeClara n.º 74 março 2024. O Jornal digital do AECR
 
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial AniversárioDeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
DeClara n.º 73 fevereiro 2024 edição especial Aniversário
 
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdfDeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
DeClara n.º72 janeiro 2024.pdf
 
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdfreferenciaL Aprender Media dez2023.pdf
referenciaL Aprender Media dez2023.pdf
 
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdfDeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
DeClara n.º71 dezembro 2023.pdf
 
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdfDeClara n.º70 novembro 2023.pdf
DeClara n.º70 novembro 2023.pdf
 
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdfDeClara n.º69 outubro 2023.pdf
DeClara n.º69 outubro 2023.pdf
 
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdfDeClara n.º68 setembro 2023.pdf
DeClara n.º68 setembro 2023.pdf
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 1_2023.pdf
 
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdfRumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
Rumos a Oeste_cfepo Revista 2 julho 2023.pdf
 
Propostas_RBE_2023_2024.pdf
Propostas_RBE_2023_2024.pdfPropostas_RBE_2023_2024.pdf
Propostas_RBE_2023_2024.pdf
 
Prioridades 2023-2024.pdf
Prioridades 2023-2024.pdfPrioridades 2023-2024.pdf
Prioridades 2023-2024.pdf
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
 
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdfDeClara n.º 67 julho 2023.pdf
DeClara n.º 67 julho 2023.pdf
 
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdfDeClara n.º 66 junho 2023.pdf
DeClara n.º 66 junho 2023.pdf
 
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdfDeClara n.º 65 maio 2023.pdf
DeClara n.º 65 maio 2023.pdf
 
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdfDeClara n.º 64 abril 2023.pdf
DeClara n.º 64 abril 2023.pdf
 
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdfDeClara n.º 63 março 2023.pdf
DeClara n.º 63 março 2023.pdf
 
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdfDeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
DeClara n.º 62 fevereiro 2023.pdf
 
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdfDeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
DeClara n.º 61 janeiro 2023.pdf
 

Entrevista a germano silva sobre 25 de abril

  • 1. Entrevista a Germano Silva sobre 25 de Abril João Velosa, 5º A
  • 2. Germano Silva, 82 anos - Nasceu em Penafiel (S. Martinho de Recezinhos), a 13 de Outubro de 1931. Veio com a família para o Porto quando tinha somente um ano de idade. - Foi jornalista, iniciando a sua carreira em 1956 na redação do “Jornal de Notícias”, onde foi colaborador, estagiário, repórter informador, redator, sub- chefe e chefe de redação. Aposentou-se em 1996, ao fim de 40 anos. - Colaborou ainda com o “Expresso”, “O Jornal” e com a revista “Visão”, entre outras publicações. - É presidente da Assembleia Geral da Associação dos Jornalistas e Homens de Letras do Porto - Como jornalista especializou-se na história da cidade do Porto, sendo autor de mais de uma vintena de livros versando a história do Porto e da sua gente.
  • 3. • No 25 de Abril que idade tinha o Sr Germano Silva? - No 25 de Abril tinha 42 anos. • Que profissão exercia nessa altura? - Era jornalista. Trabalhava no “Jornal de Notícias”. • Mudou muito a sua vida? - Como jornalista, sim. A censura, que não nos deixava escrever o que queríamos, foi abolida. Também a DGS (Direção Geral de Segurança) ou a PIDE foi extinta. - Estas instituições condicionavam a vida cívica e política das pessoas. Não era possível fazer reuniões nem encontros para debater certos temas, por exemplo, a liberdade das mulheres. Colóquios culturais eram vigiados por agentes da PIDE. Até pequenos grupos de pessoas a falar na rua eram mandados dispersar. - As mulheres casadas não podiam viajar para o estrangeiro sem a autorização dos maridos. Tudo isto acabou. Do ponto de vista profissional a mudança foi total. Suicídios, consumo de droga e críticas ao governo não podiam antes ser publicados.
  • 4. • Onde estava quando o 25 de Abril aconteceu? - Desde o dia 16 de Março que estávamos à espera que alguma coisa acontecesse, pois os nossos colegas de Lisboa tinham-nos avisado da revolução. - No dia 24 de Abril, eu e o Manuel António Pina, que na época era jornalista do JN, fomos comer uma isca à lapa, vimos então os soldados do quartel todos em fila em frente da igreja. Foi aí que percebemos que algo poderia acontecer e regressámos novamente para a redação do jornal. - Percebemos que era o dia, esperámos toda a noite e na madrugada do dia 25 tudo aconteceu! - O jornal de notícias publicou logo pela manhã uma edição especial a dar conta do sucedido. E ao longo do dia foram saindo novas edições. Foi a primeira vez que escrevi sem censura. - A primeira edição ainda foi à censura mas o contínuo que lá estava tinha ido embora… Foi a primeira vez que escrevi em liberdade!
  • 5. • Ouviu o “Grândola Vila Morena”? - Sim, pois sabíamos que iria haver um sinal na rádio. Mas a primeira música a tocar foi “E depois do adeus” do Paulo de Carvalho. • E no Porto como se passou tudo? - Para o Porto vieram as tropas de Lamego que primeiro passaram junto do quartel do Carmo a fim de perceberem a reação da Guarda Republicana. O comandante veio à janela e cruzou os braços, dando sinal às tropas que não iam mostrar resistência. - Ocuparam tudo rapidamente e foi pacífico. Do quartel de Serpa Pinto saíram canhões, o que fez despertar a curiosidade da população. As pessoas de manhã foram para junto do edifício do jornal, para a câmara e, de rádio na mão, foram tomando conhecimento de tudo o que se passava. Libertaram os presos políticos e mandaram os documentos da censura ao lixo.
  • 6. - Não, naquela altura os monumentos estavam quase todos ao abandono. Havia um descuido muito grande em relação ao património. Só mais tarde quando se criaram novos ministérios, como o da cultura, é que começaram a ser recuperados. - O Palácio do Bispo (Passo Episcopal) no Porto foi um dos monumentos que foi recuperado. O Largo da Sé foi melhorado ainda no Estado Novo. Como gostavam de fazer grandes paradas militares, fanfarras para impressionar o povo, recuperavam lugares com esse objetivo. • No Porto há algum monumento relacionado com o 25 de Abril? - Não propriamente, mas já houve projetos para um na avenida dos Aliados, e outro para a avenida 25 de Abril. • Os monumentos estavam bem conservados, podiam ser visitados?
  • 7. - Sim , pois isto começou quando um dos meus chefes de redação me disse que só seria bom repórter se conhecesse bem a cidade. A partir daí comecei a interessar-me cada vez mais pela história da cidade. - Sim, mas era contada de uma maneira diferente porque o Estado Novo condicionava a forma de como se falava da história... - Por exemplo: a Câmara do Porto funcionava numa casa que se chamava Casa do Senado, até o Estado começar a chamar-lhe casa dos 24. Muita gente ainda lhe chama assim. • Naquela altura já sabia tanto de história do Porto? • Ness altura, as pessoas sabiam tanto sobre história como hoje em dia?