Pintura: rastros, lastros no contemporaneo

296 visualizações

Publicada em

aula sobre pintura no contemporaneo e alguns de seus expoentes atuais.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pintura: rastros, lastros no contemporaneo

  1. 1. Pinturas – lastros, rastros no contemporaneo. Ricardo Macedo
  2. 2. Daniel Senise
  3. 3. Nasceu em 1955 no Rio de Janeiro. Em 1980, se formou em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, tendo ingressado na Escola de Artes Visuais do Parque Lage no ano seguinte, onde participou de cursos livres até 1983. Foi aluno e professor na Escola de Artes Visuais do Parque Lage durante o período de 1986 a 1994. Sua carreira obteve destaque em 1985 ao expor na Grande Tela da 18° Bienal de São Paulo. Daniel Senise percorreu o mundo com algumas exposições individuais, como no Museum of Contemporary Art of Chicago em 1991 e no Museo de Arte Contemporáneo de Monterrey em 1994. No início de sua carreira, sua produção era focada em temas e volumes vazios de imagens indefinidas que eram retiradas de objetos do cotidiano. Ao final da década de 1980 suas telas passam a adquirir cores intensas e variadas, enfocando paisagens imaginárias e descontínuas. As pinturas Renascentistas também foram influência no trabalho de Senise, evocando o passado e a tradição para se compor uma arte contemporânea. Assim as pinturas de Senise são uma mistura de história da arte, imagens e a percepção atual da sociedade, abrindo-se para uma ampla combinação de experiências. Sua idéia é ativar o imaginário do espectador e criar diversas sensações.
  4. 4. Daniel Senise. Paisagem com levitação Acrílica, pó de ferro e laca sobre cretone, 130 x 190 cm 1995
  5. 5. Bumerangue Acrílica, esmalte sintético e óxido de ferro sobre tela, 173 x 260 cm 1995
  6. 6. Laika Acrílica, pó de ferro, pó de madeira e laca sobre cretone, 215 x 160 cm 1995
  7. 7. Levitação Pó de ferro e verniz poliuretânico sobre cretone, 170 x 240 cm 1995
  8. 8. 3 caminos Verniz poliuretânico e pó de ferro sobre tela e voile, 200 x 280 cm 1995
  9. 9. Mãe e filho Acrílica e pó de ferro sobre tela e voile, 274 x 198 cm 1996
  10. 10. J. Haydn Pó de ferro e resina poliuretânica sobre tela, 193 x 167 cm 1996
  11. 11. Sem título Acrílica, pó de ferro e resina poliuretânica sobre tela, 200 x 150 cm 1996
  12. 12. O menino da porteira Acrílica, pó de ferro e resina poliuretânica sobre cretone e voile, 300 x 210 cm 1996
  13. 13. Levitação Acrílica e resina poliuretânica sobre tela, 150 x 200 cm 1997
  14. 14. Sem título Esmalte sintético, pó de ferro e objetos de madeira sobre tela e voile, 200 x 240 cm 1997
  15. 15. Sem título Esmalte sintético e objeto de alumínio sobre tela e voile, 2x 110 x 110 cm 1998
  16. 16. Sem título Esmalte sintético e objeto de ferro sobre tela e voile, 2x 110 x 110 cm 1998
  17. 17. Sem título Acrílica e esmalte sintético sobre voile e tela, 4x 110 x 110 cm 1999
  18. 18. Cometa Acrílica e esmalte sintético sobre tela e voile, 2x 110 x 110 cm 1999
  19. 19. Haus Lange, Krefeld Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 152 x 190 cm
  20. 20. Piscina 1 Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 185 x 290 cm 2003
  21. 21. Piscina 2 Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 185 x 290 cm 2003
  22. 22. Piscina 3 Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 185 x 290 cm 2003
  23. 23. Bobo Box Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 150 x 520 cm 2006
  24. 24. Campo Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre madeira, 135 x 300 cm 2006
  25. 25. Vai que nos levamos as partes que te faltam,Detalhe Aquarela em papel montado em alumínio, 120 x 1000 cm 2008
  26. 26. Mil Papel reciclado, cola branca e gesso, 125 x 168 x 6,35 cm 2010
  27. 27. Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 155 x 200 cm 2010
  28. 28. Sem título Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 125 x 167 cm 2010
  29. 29. Sem Titulo Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 125 x 250 cm 2011
  30. 30. Prodrome II Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 150 x 125 cm 2010
  31. 31. Fronteira do Canadá Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 158 x 150 cm 2010
  32. 32. El Cabildo Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 300 x 310 cm 2011
  33. 33. Sem título Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 244 x 244 cm 2011
  34. 34. Sem título Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 155 x 200 cm 2012
  35. 35. Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 240 x 310 cm 2012
  36. 36. Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 170 x 220 cm 2012
  37. 37. Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 170 x 220 cm 2012
  38. 38. Musée D’Orsay Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 150 x 400 cm 2014
  39. 39. Gemäldegalerie Berlin Medium acrílico e resíduos sobre tecido em colagem sobre alumínio, 150 x 400 cm 2014
  40. 40. SITE Daniel Senise : http://www.danielsenise.com/daniel-senise/home/
  41. 41. Cristina Canale
  42. 42. Cristina Canale é representante da nova pintura brasileira reunida na exposição Como Vai Você, Geração 80? e desde então explora e aprofunda questões presentes nesse período. A artista opta por manter em sua produção a pintura, o uso de cores vivas, a representação de paisagens e temas tradicionais da pintura, formas orgânicas, o trânsito entre abstração e figuração. No início da década de 1990, suas pinturas têm grande dimensão, com espessas camadas de tinta com que são representados oceanos, vales, vulcões e arquipélagos. Posteriormente suas imagens revelam fragmentos e detalhes da natureza, beirando a abstração. O período em que estuda na Alemanha é determinante para as transformações de seu trabalho. É quando pinta sobre papel, produzindo obras com pequenos formatos, e passa a explorar o desenho, com linhas autônomas que acrescentam espacialidade à composição por meio de planos e profundidades. As cores utilizadas adquirem fluidez e suavidade. Em 1999, há um retorno à figura, sobretudo na representação de interiores. Esses trabalhos apresentam formas mais concisas e concentradas. Entre 2000 e 2001 suas representações figurativas referem-se ao lúdico e à infância. Cristina Canale (Rio de Janeiro RJ 1961)
  43. 43. http://www.cristinacanale.com/obras#!__obras http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa9402/cristina- canale
  44. 44. Francis Alys
  45. 45. Francis Alÿs (1959-) nasceu na Antuérpia, Bélgica, e atualmente reside na Cidade do México, capital federal dos Estados Unidos do México. Cursou Arquitetura e Urbanismo no Institut Supérieur d'Architecture Saint-Luc, em Tournai, na Bélgica e, no início da década de 1980, desenvolveu sua tese de doutoramento no Istituto di Architettura di Venezia, na Itália. Em 1986, para evitar o serviço militar, mudou-se para o México, a fim de trabalhar junto a organizações não governamentais que atuavam nas áreas da cidade afetadas pelo terremoto de 1985. Prestes a finalizar seu contrato de trabalho, em 1989, o então arquiteto se via frustrado com as possiblidades do planejamento urbano, ao mesmo tempo em que enfrentava problemas legais para voltar à Bélgica. Nesse mesmo ano, Francis Alÿs passa a se dedicar à prática artística.
  46. 46. Os registros sistemáticos de Alÿs sao uma tentativa de resgatar algumas formas de vida na cidade que correm o risco de desaparecer (12). O interesse específico nos cães se dá, por um lado, porque os animais representam a sensação de liberdade encontrada pelo artista na capital mexicana. Por outro, pelo fato de que Alÿs encontra nesses “parasitas” (13) uma forma de resistência à crescente obsessão pelo controle das ruas das cidades. Além disso, o registro desses personagens urbanos evidencia, simultaneamente, a deterioração e as tentativas de requalificação do Centro Histórico. As séries fotográficas de Alÿs trazem à vista esses personagens do contexto urbano que, frequentemente, são vistos como indesejados. No entanto, ele não parece interessado em criar registros com o caráter de denúncia, não possui um olhar de superioridade de um artista que viria desmascarar os efeitos do processo de gentrificação. Tampouco se trata de uma estetização da miséria ou de uma posição favorável às políticas de revitalização do centro.
  47. 47. O artista se descola da lógica desse processo todo e consegue criar um outro olhar em relação às pessoas que ocupam o centro da capital mexicana. Ele torna visível e sensível a presença viva daqueles que tendem a ser eliminados das ruas da cidade e, com isso, possibilita que se reformulem as sensações em relação ao espaço urbano e às pessoas que o habitam.
  48. 48. http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/drops/15.084/5288

×