Marcio noronha investimento em acoes

6.238 visualizações

Publicada em

2 comentários
12 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Excelente apostila, 326 páginas, é um livro na verdade
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
  • interesanto presentacion sobre bolsa de valores, me fue de mucha utilidad en mis estudios, tambien comparto con ustedes la noticia de Cesar Alierta http://www.invertia.com/noticias/noticia.asp?idNoticia=2322292 espero ver mas aportes, saludos.
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
414
Comentários
2
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Marcio noronha investimento em acoes

  1. 1. O que é (ou representa) uma açãoSuponha que você e seus amigos pretendam fazer um investimento para criar um site na Internet voltado parao mercado financeiro denominado ®Aplicar.com e, para tal, desejem criar uma empresa. O valor doinvestimento a ser efetuado será o capital social da empresa.Mas, como cada um dos amigos deseja investir valores diferentes resolveu-se dividir o capital por um númerodeterminado de unidades iguais. Assim, cada um dos investidores terá um número determinado de unidades,representativas da proporção do seu investimento.Supondo que o investimento inicial seja de R$100.000,00 dividido em 100 partes iguais, podemos dizer, então,que cada uma das 100 ações desta empresa vale R$1.000,00, ou que o capital social desta empresa está *representado por 100 ações no valor de R$1.000,00 cada uma. Assim, temos:Capital social: R$100,001 1 1 1 1 1 1 1 1 11 1 1 1 1 1 1 1 1 O quadrado externo (o todo, a linha mais espessa), ao lado,1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 representa a 100% do capital social da empresa, dividido em 1001 1 1 1 1 1 1 1 1 1 partes (ações) no valor de R$1.000,00 cada.1 1 1 1 1 1 1 1 1 11 1 1 1 1 1 1 1 1 11 1 1 1 1 1 1 1 1 1 Cada quadrado interno representa 1/100% do capital social, no1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 caso representado por uma ação no valor de R$1.000,00.1 1 1 1 1 1 1 1 1 11 1 1 1 1 1 1 1 1 1Uma vez criada a empresa, vamos supor que tenham sido atendidos junto aos órgãos competentestodos os requisitos para que a ela possa, a partir de agora, ter as suas ações negociadas em bolsa.A partir deste momento, deparamo-nos com o problema que todo e qualquer investidor tem, ou seja,avaliar de algum modo se o preço destas ações, agora cotadas em bolsa, está caro ou barato, se vaipermanecer onde está, se vai subir ou se vai cair.Existem várias maneiras de fazer esta análise, mais duas possuem mais seguidores: a análisetécnica e a análise fundamentalista.Embora ambas tentem resolver o mesmo problema da direção do preço, elas diferem na sua formade avaliação. A escola fundamentalista estuda as causas do movimento do preço, enquanto a escolatécnica estuda os efeitos. O analista técnico argumenta que os efeitos são tudo que ele quer ounecessita saber e que as razões pelas quais os preços se movimentam são desnecessárias. Oanalista fundamentalista, por outro lado, sempre tem de saber o porquê. A escola fundamentalistatrabalha com dados provenientes do estudo econômico-financeiro da empresa dentro do cenáriomicro e macro econômico, eventualmente, associado ao cenário internacional, enquanto a escolatécnica trabalha com dados disponibilizados pela movimentação dos preços e volumes, bem como,indicadores matemático-estatístico a eles relacionados.* Maiores esclarecimentos poderão ser obtidos no site do Investshop trilhando o seguinte percurso: página principal/euquero acessar a área de aprendizado/curso virtual/introdução ao mercado financeiro/em primeiros passos: acessar o ícone do( $ ) - clicar em 3 – ações. 2
  2. 2. IntroduçãoAdepto da análise técnica como instrumento para tomadas de decisões nas operações de compra evenda dos diversos ativos negociados nas bolsas de valores, em 1996 lancei o livro “Análise Técnica:Teorias, Ferramentas e Estratégias”. Minha intenção foi a de preencher uma lacuna no mercadoeditorial brasileiro e colocar, ao alcance do leitor, uma visão abrangente de algumas das várias,teorias da escola técnica, bem como mostrar sua enorme utilidade.Ao escrevê-lo, procurei fazer uma obra didática acessível a qualquer pessoa d isposta a encará-locomo um livro de estudos, imaginando que, para absorver seu conteúdo, seriam necessárias muitashoras de trabalho combinado de leitura, papel, lápis, régua e borracha e releitura. Em vias de lançar asegunda edição, percebi, ao longo destes anos, graças ao advento da Internet como um meio decomunicação rápida e barata, que meu intento foi praticamente atingido. Um ou outro conceito básicoque aos meus olhos parecia fácil de ser assimilados pelo leigo, mostrou-se, na prática, um poucocomplexo. Felizmente, como disse, a Internet gerou o elo de comunicação para que, aqueles poucosque ficaram com algumas dúvidas diante do texto, pudessem esclarecê-las.Há um ano e meio atrás, com a Internet começando a se disseminar pelo Brasil, organizei umarevista eletrônica (arquivo enviado pelo correio eletrônico) integrada com cursos de análise técnica.De fato, pensei na revista como sendo o complemento dinâmico do curso, uma oportunidade demostrar, num cenário real e quase ao vivo, as aplicações práticas das teorias, ferramentas eestratégias ali apresentadas. Foi uma experiência pioneira que persiste até hoje e que agora, graçasà nossa integração com a Investshop, certamente se ampliará, pois, além do curso e da revista, serãopromovidos chats complementares para esclarecimento de eventuais dúvidas dos cursos, chats deavaliação do mercado, palestras ao vivo, enfim, tudo o que for necessário e estiver ao nosso alcancepara prepará-lo para um confronto vitorioso contra este adversário astuto e enganador: o mercado.Nossa intenção, nesta experiência inicial, é a de lhe oferecer um curso que começa dos conceitostécnicos elementares e termina com a conquista do conhecimento teórico e prático de umametodologia operacional. Ainda que, no futuro, possa vir a discordar desta metodologia, garanto quesó o fará porque, no decorrer deste curso, terá adquirido conhecimento suficiente para permitir aopção por novos caminhos.O que é análise técnica?Análise técnica, de uma maneira simples, é uma abordagem que permite ao seu praticante avaliarqual o melhor momento (timing) para se iniciar e encerrar uma operação de compra ou de venda deum ativo financeiro ou quando ficar fora do mercado. Para tanto, utiliza gráficos e teorias formuladassobre sua dinâmica e, mais recentemente, estudos matemáticos -estatísticos complementares queconhecerão ao longo deste e de outros cursos que aqui serão ministrados.As primeiras teorias e métodos operacionais surgiram no início do século XX1. Pesquisando,encontrei que, em 1901, durante a fusão da U.S.Steel, um dos seus diretores James R. Keeneutilizava a técnica dos gráficos Ponto-Figura intensamente. Posteriormente, alguns “scalpers”(operadores de pregão) passaram a utilizá-la nas suas operações day-trade (intra dia) e a prática domercado acabou convertendo-a numa teoria de uso comum, não se sabendo ao certo quem foi o seucriador.1 Cabe registrar, porém, que o método técnico mais antigo que se tem registro para analisar preços data da segunda metadedo século XVIII. Trata-se do Candelabro Japonês. Entretanto, esta técnica só se popularizou no ocidente a partir da décadade 90. 3
  3. 3. Na mesma época, Charles H. Dow, proprietário de um serviço de informações voltado para omercado financeiro - Dow-Jones Financial News - e a quem é creditada a invenção dos índices nomercado de ações, em artigos escritos para o Wall Street Journal definiu os conceitos básicos doviria a se tornar uma teoria. Após sua morte em 1902, seu sucessor na editoria do jornal, William P.Hamilton, continuou escrevendo nos 27 anos seguintes novos editoriais e dando forma àquilo quehoje é mundialmente conhecido como “A Teoria de Dow”, na minha opinião a essência da análisetécnica e por onde começaremos. Mas, antes, será preciso que conheça algumas noções básicaspara melhor entendimento de suas regras e conceitos.Noções básicas 1) A BARRA DE PREÇOS: Uma barra de preços, simbolizada por uma barra vertical, é o registro pictográfico (o traçado) de um dia de atividade do preço (um pregão) de um ativo financeiro (podem ser índices, ações ou mercadorias agro-pecuárias/financeiras), onde cada preço é um consenso momentâneo de valor de todos os participantes do mercado, expresso em movimento. Cada barra de preço fornece alguns pedaços de informação sobre o equilíbrio de forças entre compradores e vendedores. Não saber interpretá-la é como tentar ler desconhecendo o alfabeto. Nabarra vertical, através de um traço (tique) horizontal à sua esquerda está representado o nível depreço do primeiro negócio do dia, a abertura. O último negócio do dia, o fechamento, érepresentado por um tique horizontal à sua direita. As extremidades superior e inferior representamrespectivamente a máxima e a mínima atingidas neste dia.O preço de abertura de uma barra reflete a opinião de valor dos leigos. Depois de ler o jornal damanhã e dar alguns telefonemas, ligam para seus assessores passando-lhes ordens para seremexecutadas na abertura do pregão.O preço de fechamento de uma barra tende a refletir a atividade dos investidores profissionais. Elesobservam o mercado durante o dia, respondem às mudanças e tornam-se bastante ativosespecialmente no final do pregão, próximo do fechamento.A máxima de cada barra representa a força máxima dos compradores naquele dia, isto é, o limite atéonde suas compras empurraram o preço para cima até esbarrarem na resistência oferecida pelosvendedores.A mínima de cada barra representa a força máxima dos vendedores naquele dia, isto é, o limite atéonde suas vendas empurraram o preço para baixo até esbarrarem no suporte oferecido peloscompradores.A distância entre a máxima e a mínima de qualquer barra revela a intensidade do conflito entrecompradores e vendedores. Uma barra de tamanho médio define um mercado relativamentetranqüilo. Uma barra que é apenas metade da de tamanho médio revela um mercado sonolento edesinteressado. Uma barra que é o dobro da média mostra um mercado em ebulição, ondecompradores e vendedores batalham em todos os momentos.Para que possa entender melhor ainda o significado de uma barra, de como se processa a luta entrecompradores e vendedores ao longo de um dia de pregão, vou dissecá-la, criando umdesdobramento hipotético. Imagine, agora, que o pregão fosse dividido em 18 períodos de 15 minutos 4
  4. 4. com intervalos de 1 minuto entre eles e que cada barra de 15 minutos fosse construída de maneiraidêntica à barra diária, com o valor da abertura, o valor da máxima, o valor da mínima e o valor dofechamento. No final do dia, utilizando dois eixos perpendiculares ( horizontal representando uma oescala de tempo e o vertical de valor), é possível verificar, através da movimentação das barras de 15minutos, como foi o pregão daquele dia.No exemplo acima, na primeira barra de 15 minutos, a abertura (o primeiro negócio concretizado) foia R$4,20. Depois, o preço cedeu ligeiramente até R$4,00 (registrando a mínima desta barra), subiuaté 9,20 (registrando a máxima desta barra) e cedeu fechando (o último negócio executado destabarra) a 7,40.Na barra seguinte, o primeiro negócio (abertura) foi feito a 7,40. Em seguida o preço subiuligeiramente atingindo a máxima de 7,50, de onde começou a declinar até chegar a uma mínima de4,50 e fechar com uma ligeira melhora a 5,20.Na terceira barra, o primeiro negócio (abertura) foi fechado a 6,10. Coincidentemente, em função de oprimeiro negócio ter sido executado no valor máximo desta barra, o preço da máxima ficou sendoigual ao da abertura. No restante do período, o preço foi cedendo gradualmente até o último negóciorealizado a 3,20. Como o valor do último negócio foi feito no preço mais baixo da barra, a mínima e ofechamento ficaram com os mesmos valores.Com base no que foi visto, proponho um teste de assimilação: Quais são os valores (aproximados) deabertura, máxima, mínima e fechamento das ÚLTIMAS 14 barras? Na próxima página encontraráuma tabela pronta para fazer o exercício. 5
  5. 5. B5 B6 B7 B8 B9 B10 B11 B12 B13 B14 B15 B16 B17 B18AbeMáxMínFechA combinaç ão destas idas e vindas das barras de periodicidade de 15 minutos, que abrangem um diainteiro de negociações (um pregão), forma uma única barra de periodicidade diária. No diagrama dapágina anterior está representada pela barra em negrito, a última e a maior de todas. Ela incorpora opreço do primeiro negócio do dia (abertura), a maior máxima e a menor mínima registradas dentro dodia e o último negócio do dia (fechamento). Você será capaz de fornecer os valores desta barra como que foi exposto até agora?Abertura ____ Máxima ____ Mínima ____ Fechamento ____Como pode observar, apesar de não detalhar todas as oscilações do mercado naquele dia, o quevimos através das barras de 15 minutos revela uma boa parte do todo. Neste dia, os compradoresvenceram a batalha.Ao longo deste curso e das revistas, freqüentemente você lerá textos com referências a gráficosintradia, diários, semanais e mensais. São assim designados em função da periodicidade (freqüência)da barra.Num gráfico semanal, uma única barra tem o mesmo padrão de combinação do exemplo que vimoscom as barras de 15 minutos formando uma única barra diária. Só que, em vez de reunirmos aabertura, a máxima, a mínima e o fechamento de 18 barras de 15 minutos, combinamos os mesmosvalores das barras diárias que se formaram durante a semana (5 barras numa semana sem feriado.Se tivermos um feriado na semana, a barra semanal assume o valor combinado das quatro restantes.Se a semana tiver apenas 1 dia útil, as barras diária e semanal serão iguais).Num gráfico mensal, uma única barra representa a combinação dos valores de abertura, máxima,mínima e fechamento das barras diárias que se formaram dentro daquele mês. E, assim por diante. 2) SUPORTES E RESISTÊNCIASAgora que já sabe como se constrói e o que representa uma barra de preços, vamos examinar doisconceitos básicos na análise dos gráficos: Suporte e Resistência. Antes, porém, é preciso queconheça o significado de ponto de retorno, topo e fundoPonto de retorno é todo local onde ocorre uma inversão na direção prévia de uma seqüência debarras de preços, conforme exemplo abaixo: TOPO PONTO DE RETORNO Fig. 1 Fig. 2 PONTO DE RETORNO FUNDOTopo é o nível de preço mais alto atingido por uma sucessão de duas ou mais barras de preço antesda ocorrência de um ponto de inversão, conforme exemplo da figura 1, acima. 6
  6. 6. Fundo é o nível de preço mais baixo atingido por uma sucessão de duas ou mais barras de preçoantes da ocorrência de um ponto de inversão, conforme exemplo da figura 2, da página anterior.Diante do exposto acima, posso afirmar que: a) Suportes são níveis de preços onde as compras feitas pelos investidores são fortes o suficiente para interromper durante algum tempo e, possivelmente, reverter um processo de queda, gerando um ponto de retorno; b) Resistências são níveis de preços onde as vendas feitas pelos investidores são fortes o suficiente para interromper durante algum tempo e, possivelmente, reverter um processo de subida, gerando um ponto de retorno.Assim, topos são zonas de resistência e fundos são zonas de suporte. Uma vez definida umaregião de suporte ou resistência, seus papéis podem-se alternar, isto é, uma região de resistênciarecente, uma vez rompida para cima pode transformar-se numa área de suporte e um suporterecente, uma vez rompido para baixo, transformar-se numa área de resistência, conforme ilustra odiagrama abaixo:O que leva à interrupção de uma seqüência de barras ascendentes/descendentes? Existem suporte eresistência porque as pessoas têm memória. Nossa memória nos induz a comprar e a vender acertos níveis. As compras e as vendas, por parte do universo de investidores, criam suporte eresistência. Se os investidores se lembram que recentemente os preços pararam de cair e, a partirdaí subiram até um certo nível, provavelmente uma volta a esses níveis os induzirão a comprarnovamente. Se os investidores se lembram que uma subida recente reverteu, após atingir um certotopo, tenderão a vender quando os preços voltarem a esse nível novamente. Geralmente, este tipo decomportamento acaba criando regiões onde os preços ficam -se alternando do suporte para aresistência e vice-versa, sem assumir uma direção. Nestes casos, os níveis de suporte e resistênciaficam fáceis de serem vistos e a formação recebe o nome de congestão. 3) A FORÇA DOS SUPORTES E RESISTÊNCIASA força de cada área de suporte ou resistência está baseada em três fatores: no seu comprimento, nasua altura e no volume negociado durante sua formação. Assim, temos:1. Quanto mais longa uma área de suporte ou resistência - sua duração no tempo ou o número de vezes que foi atingida - mais forte ela é.Uma área de congestão de uma ou duas semanas fornece apenas um mínimo de suporte ouresistência. Já uma área de dois meses dá às pessoas tempo de usá-la criando suportes e 7
  7. 7. resistências intermediárias, enquanto uma área de congestão de dois anos é aceita como padrão devalor e oferece os principais suportes e resistências. Resistência intermediária Resistência principal Suporte principal Suporte intermediárioA força de um suporte ou resistência aumenta cada vez que a área é atingida. Quanto mais vezesuma área de suporte ou resistência é tocada com o preço voltando a subir ou cair respectivamente,mais confiável ela se torna. Quando os investidores vêem que os preços têm revertido a um certonível, tendem a apostar numa reversão na próxima vez em que o preço atingir aquele nível.Lembrete: A lembrança de sucesso ou insucesso de compras e vendas feitas em certosníveis de preço é uma das principais razões para que estes se transformem em suporte ouresistência.À medida em que os níveis de suporte e resistência vão envelhecendo, gradualmente vão tornando-se mais fracos. Os perdedores se retiraram do mercado e foram substituídos por outros que não têmo mesmo comprometimento emocional com os velhos níveis de preço. Somente pessoas queperderam dinheiro recentemente lembram-se do que aconteceu com eles. Provavelmente ainda estãono mercado, sentindo dor e arrependimento, tentando buscar seu dinheiro de volta. Pessoas queanos atrás tomaram decisões erradas, provavelmente estão fora do mercado e suas memórias nãotêm importância para o corrente desenvolvimento do mercado.2. Quanto maior a amplitude de uma área de congestão, mais forte ela é.Assim como numa propriedade, quanto mais alto o muro, mais difícil ultrapassar. Isto se deve àenergia despendida durante a longa caminhada de um extremo ao outro da congestão. Assim,quando o preço se aproxima de um dos limites, já chega sem gás e sem força para o rompimento.Por esse motivo, o rompimento da congestão ocorre porque o impulso que a provocou é muito forte enão vai parar tão cedo, gerando movimentos prolongados na direção do rompimento. Amplitude da congestão 8
  8. 8. 3. Quanto maior o volume das operações numa área de suporte/ resistência, mais forte ela é.Até agora ainda não falamos sobre o volume. Nas próximas aulas, ele será tratado detalhadamente,dada a sua importância na análise técnica. Por ora, entenda o volume como a medida que expressa ovalor financeiro negociado num dia de pregão (tanto pode ser global – do mercado como um todo,como individual – de apenas um ativo). Também pode ser expresso fisicamente pelo total dos títulosnegociados ou individualmente. Nos gráficos de barra ele é registrado (plotado) na parte inferior dajanela, através de uma barra vertical, onde se encontra uma escala de valor.Alto volume numa área de congestão mostra o envolvimento ativo dos investidores - um sinal de fortecomprometimento emocional. Baixo volume mostra que os investidores tiveram pouco interesse emtransacionar naqueles níveis - sinalizando que os níveis de suporte ou resistência são fracos. Escala do volume Barras do volumeApesar da simulação, a idéia deste diagrama é mostra-lhe que, nos limites externos da congestão, ovolume cresce de maneira sensível, fornecendo uma pista importante de que nesses extremosaumenta consideravelmente a transferência de títulos entre os compradores e vendedores, gerandoum suporte ou resistência mais importante do que nos níveis de suporte e resistência intermediários.Na próxima aula começaremos a ver a Teoria de Dow.Para que possa fazer uma avaliação da evolução do seu aprendizado estou lhe disponibilizando umasérie de exercícios cujas respostas serão fornecidas no Chat do curso e na próxima aula.Este curso só atingirá seu objetivo se não ficarem dúvidas. Por isto, fique à vontade e não se sintaacanhado em solicitar ajuda. Este curso é para quem ainda não sabe! 9
  9. 9. Testes de assimilação do conteúdo da aula1 1. Supondo que a barra do diagrama represente um dia de pregão de Petrobrás, no ponto III da barra o preço é: I a) 150 III b) 152 c) 140 II d) 143 IV 2. Supondo que estivesse observando a barra do dia anterior, qual o valor do seu fechamento? I a) 150 b) 152 III c) 140 II d) 143 IV3. Numere de acordo com a resposta certa: Fechamento ___ 1. Reflete a opinião dos leigos Máxima ___ 2. Reflete a força máxima dos vendedores Abertura ___ 3. Reflete a força máxima dos compradores Mínima ___ 4. Reflete a opinião dos profissionais4. Qual destas barras reflete um mercado em ebulição? a b c5. Defina com apenas uma palavra o motivo principal para formação de suportes e resistências. ___________________ 10
  10. 10. 6. Observando o diagrama abaixo, responda: 1) Que linhas pontilhadas representam níveis de suporte? F a) A e B b) B e D c) A e D D 2) Que linhas pontilhadas representam níveis de E resistência? B a) A e B b) B e D c) A e D H G 3) Que linhas cheias representam nitidamente o A rompimento de uma resistência? a) H e E b) G e F c) G e H d) E e F7. Selecione a resposta certa: Num nível de suporte: a) as compras e vendas estão equilibradas; b) a pressão das vendas supera a das compras; c) os preços viram para baixo; d) a pressão das compras supera a das vendas.8. Selecione qual a afirmação correta sobre resistência: a) não pode ser penetrada; b) a pressão das compras supera a das vendas; c) é um nível de preço acima do mercado; d) é um nível de preço abaixo do mercado.9. Referindo-me ao gráfico acima, como são chamadas as áreas delimitadas pelas linhas pontilhadas(A e B) e (B e D)? a) resistência; b) congestão; c) suporte.10. Das teorias abaixo, qual é a mais antiga? a) Dow b) Candelabro Japonês c) Ponto-Figura11. Em qual destas situações um suporte ou uma resistência podem inverter seu papel? a) Quando o volume fica alto b) Quando a amplitude de uma congestão é muito grande c) Quando eles são ultrapassadosNa próxima página lanço dois desafios que requerem muita observação e imaginação, visto que exigeque vá um pouco além do que vim os nesta aula. Principalmente, requer bom senso. Se nãoconseguir respondê-los, não se aflija. Tenho certeza que com mais uma aula achará estes desafiosexercícios primários. 11
  11. 11. DESAFIO1. No quadro abaixo, temos, fora de ordem, 4 gráficos de um mesmo ativo em 4 periodicidadesdiferentes (hora, dia, semana e mês). Apenas contando com a observação você seria capaz declassificá-los nesta ordem? RESPOSTAS a) B, A, C e D b) B, D, A e C c) C, B, D e A d) C, D, A e B e) D, B, C e A f) D, B, A e C g) A, C, B e D h) A, C, D e B Observação: Se acertar esta questão de modo consciente, pode considerar que está começando a pegar o espírito da coisa. 2. Baseado nas definições de topos e fundos e no diagrama superior da página 6, que mostra níveis desuporte/resistência principal e intermediário, marque com TP, TI, FP e FI os topos e fundos principais eintermediários no gráfico abaixo. 12
  12. 12. Treinamento com uso de gráficos e ferramentasEm parceria com o Investshop.com, a Apligraf está disponibilizando aos alunos do curso e aos clientes doInvestshop.com em geral, um programa de análise técnica, com banco de dados atualizados diariamente, quepermite acessar alguns gráficos em periodicidade de 15 minutos e diária, bem como algumas ferramentas paraque possa ir se ambientando e acompanhando o curso de análise técnica.Para usa-lo, siga os seguintes passos: 1) Conectado na Internet acesse: www2.apligraf.com.br/scripts/telaCotacoesp Observação: Note que o primeiro “C” de Cotacoesp é maiúsculo. 2) Ao acessar a página, encontrará um layout parecido com este: © Smartrack WEB Pro© Incluir ativos Remover ativos ok ok Tipo de gráfico Indexador Tamanho Clique aqui para mais gráficos FastGraphic Clique sobre o nome do ativo para obter o gráfico correspondente Ativo Data/hora Abertura Máxima Mínima Última Var% Volume F.Anterior IBOVESPA 3) Para plotar um gráfico, clique no botão ( ) da janela “Incluir ativos” que ela se abrirá com uma lista de ativos que poderão ser selecionados um da cada vez, clicando-se sobre o nome do ativo, seguido de um clique no botão ( ok ). 4) Na janela “Remover ativos”, clicando sobre o nome de um ativo seguido por ( ok ) o excluirá da lista selecionada; 5) Em seguida, se quiser selecionar algum estudo, entre na janela “Tipo de gráfico” e faça sua escolha e clique sobre ele para que fique aparecendo na janela; 6) Se quiser indexar o gráfico ao dólar, ou ao CDI, o procedimento é o mesmo na janela correspondente; 7) À medida que for selecionando, notará que a seção “Clique sobre o nome do ativo para obter o gráfico selecionado” vai crescendo para baixo com os nomes dos gráficos selecionados; 8) Clicando sobre o nome de qualquer um deles, se abrirá uma nova janela onde aparecerá o gráfico escolhido; 9) Se quiser trabalhar com ele, na parte superior encontrará vários botões: Se clicar em Grid, aparecerá um plano de fundo quadriculado. Para remove-lo, clique em Grid novamente. Se quiser ver o gráfico de barras no formato das velas do Candlestick, clique em Candle. Para retornar para barras, clique em cima de Candle novamente. Z+, Z 0 e ZH são formas de zoom; O ZH é o zoom histórico que lhe -, permite ver um longo período de dados. O botão “Cur” é para inserir um cursor de modo a trafegar pelo gráfico; se clicar duas vezes sobre ele, além do ponteiro abrem-se duas linhas perpendiculares, que lhe permite a leitura de uma barra. Para desfazer clique em cima novamente. O botão “Diário converte o gráfico de 15 minutos em diário e vice-versa, se clicar novamente sobre ele. Na janela das ferramentas, poderá traçar retas e apaga-las. Ao clicar em retas, clique com o cursor num ponto selecionado e arraste-o até um outro, que a reta se formará. Magnética é um atributo semelhante a um ímã, atraindo a reta para as mínimas ou máximas, conforme o caso. O “IFR 9/5” (Índice de Força Relativa calculado sobre as últimas 9 barras com uma média móvel das 5 últimas) pode ter suas variáveis alteradas. Para tanto, clique no botão “IFR9/5” e altere a seu gosto. O percentual de retracement é uma medida de quanto o mercado já corrigiu, partindo de um fundo ou de um topo selecionado.
  13. 13. Respostas dos testes de assimilação da aula11. O ponto III é a abertura. Conforme pode notar no diagrama, ela é menor do que a máxima e maiordo que o fechamento e a mínima. O fechamento é maior do que a mínima. Portanto, temos:Ponto III (abertura) = 150Ponto I (máxima) = 152Ponto II (fechamento) = 143Ponto IV (mínima) = 1402. O fechamento é o ponto II. Ele é menor do que a máxima e a abertura e maior do que a mínima.Portanto, temos:Fechamento (ponto II) = 143Abertura (ponto III) = 150Máxima (ponto I) = 152Mínima (ponto IV) = 1403.Fechamento 1. Reflete a opinião dos leigosMáxima 2. Reflete a força máxima dos vendedoresAbertura 3. Reflete a força máxima dos compradoresMínima 4. Reflete a opinião dos profissionais4. A maior delas: a5. Memória ou Lembrança6.1. As linhas pontilhadas que representam níveis de suporte são A e B. A linha D é uma resistência.6.2. As linhas pontilhadas que representam níveis de resistência são B e D. A linha A é um suporte.6.3. As linhas cheias que representam nitidamente o rompimento de uma resistência são E e F.7. A pressão das compras supera a das vendas ( d ).8. È um nível de preço acima do mercado ( c ).9. São chamadas de área de congestão ( b ).10. A teoria mais antiga utilizada na análise técnica moderna é o Candelabro Japonês.11. Quando eles são ultrapassados ( c ).12. Na ordem hora-dia-semana-mês, a seqüência correta é a g: (A, C, B e D).
  14. 14. 13. A noção de topos e fundos principais e secundários, de uma certa forma, é subjetiva. Eles serãodefinidos com precisão quando forem classificados de acordo com a sua periodicidade. Por ora,minha intenção era apenas informar que existem topos e fundos mais e menos importantes. Nográfico abaixo, os topos mais importantes (principais) são aqueles cujo ponto de inversão ocorreuapós um movimento mais prolongado numa determinada direção e os menos importantes(secundários) são aqueles que inverteram a direção do preço por um curto período de tempo e quena seqüência formam um movimento mais amplo, cuja inversão no extremo cria um topo ou fundoprincipal.___________________________________________________________________________Na aula passada você tomou contato com as noções básicas de barra de preços, topos e fundos,ponto de retorno, suporte, resistência e congestão. Para facilitar seu entendimento antes deentrarmos na Teoria de Dow, ficaram faltando dois conceitos, ziguezagues e tendências, queveremos a seguir. 1. ZIGUEZAGUEO ziguezague é o padrão básico da direção dos preços. Como podem observar no quadro da páginaanterior, os preços de um ativo negociado nas bolsas, quando se movimentam, geralmente, não ofazem em linha reta, eles serpenteiam.A observação de uma barra, como vimos, permite que você extraia alguns pedaços de informaçõessobre o equilíbrio das forças entre compradores e vendedores, mas por si só, ela não é suficientepara nos fornecer a direção do mercado.
  15. 15. Para que tenhamos uma sinalização da direção de um preço (ou de um mercado) é preciso que elese movimente até um nível qualquer, formando um extremo (topo ou fundo) e que este movimentoseja seguido por dois pontos de retorno, o primeiro na direção oposta e o segundo na direção inicialrompendo (ou penetrando) o extremo do topo ou fundo prévio. O diagrama abaixo ajudará nacompreensão do texto: T T T T T T T T F F F F F F F Sinalização de alta Sinalização de baixa Sinalização indefinida T T T T T F F F F FRepresentação simbólica de um Representação simbólica de um Representação simbólica de um ziguezague ascendente ziguezague descendente ziguezague lateralPara efeito didático, daqui em diante, chamarei de zigue à combinação do movimento inicial comprimeiro retorno [( ) ou ( )] e de zague a perna da penetração [( / ) ou ( ). No gráfico abaixo, do
  16. 16. Bovespa diário assinalei alguns exemplos de ziguezagues reais ocorridos durante seudesdobramento. Com o objetivo de ir treinando sua visão, observe e vá se acostumando com o fatode que a amplitude dos ziguezagues é variável, alternando entre pequenos, médios e grandes,indistintamente. 5. AS TENDÊNCIASVimos no estudo do ziguezague que ele é o padrão básico da direção dos preços, podendo serascendente, indefinido e descendente. A permanência de um preço numa determinada direção,durante um período de tempo, nos leva ao conceito de tendência. Assim, temos que:Tendência de Alta é uma sucessão de topos e fundos ascendentes (uma sucessão de ziguezaguespara cima).Tendência de Baixa é uma sucessão de topos e fundos descendentes (uma sucessão deziguezagues para baixo).Tendência Lateral ou em Linha é uma sucessão de topos e fundos horizontalmente irregulares (umasucessão lateral de ziguezagues irregulares). No diagrama abaixo, os conceitos acima ficarão maisevidentes: T T T T T T T T T T T T T F F F F T F T F T F T F F F F F F F F F F FTendência de Alta Tendência de Baixa Tendência Indefinida e em LinhaAproveite o gráfico utilizado para exemplificar os ziguezagues e veja quantas tendências de alta,baixa e indefinidas consegue identificar.Examinados estes conceitos básicos, necessários para melhor compreensão do curso, podemoscomeçar a nossa caminhada pela estrada da análise técnica. Apesar das muitas variantes da escolatécnica, neste curso inicial nos concentraremos sobre o desenvolvimento de um método operacionalconstruído através da combinação de algumas das suas principais teorias. Acredito, convictamente,que ao seu término estará capacitado a enfrentar o mercado como nunca esteve antes.
  17. 17. PRINCÍPIOS E DEFINIÇÕES BÁSICAS DA TEORIA DE DOWA Teoria de Dow é a espinha dorsal da análise gráfica. Acredita-se que Charles Dow foi o primeiro afazer um verdadeiro esforço para expressar a tendência geral (ou, mais corretamente, o nível) domercado de ações em termos de uma média de preços de um grupo selecionado de açõesrepresentativas. São os seus princípios e conceitos que nos permitem observar um gráfico de preçose avaliar a situação corrente, bem como, fazer projeções futuras sobre sua evolução.Apesar dos seus princípios e definições terem sido formulados com base no comportamento dos doisíndices 2 que ele havia criado, ela pode ser aplicada em qualquer mercado onde os preços se formemlivremente (oferta x procura).No curso que ministrei na revista Timing, só abordei dois princípios da Teoria porque eram os quemais tinham a ver com o objetivo do curso, o que poderia se repetir aqui. Entretanto, para criar umacultura, neste curso veremos mais alguns.Referências básicas 1. Os Índices Descontam Tudo (exceto “Atos de Deus”): porque eles refletem a atividadecombinada de milhares de investidores, incluindo aqueles possuidores de melhores previsões einformações sobre tendências e eventos. Os índices, nas suas flutuações do dia-a-dia, descontamtudo que de alguma forma possa afetar a oferta e a procura dos ativos negociados. Mesmocalamidades naturais imprevisíveis, quando ocorrem, são rapidamente avaliadas e, seus possíveisefeitos, descontados.Comentário: O sentido deste princípio é de que as oscilações diárias dos preços já têm embutidas(descontadas) no seu valor os eventos futuros, desconhecidos pela maioria dos participantes domercado e, que quando ocorre algum evento desconhecido por todos, tais como uma catástrofenatural (um terremoto numa região industrial, por exemplo), num primeiro momento provoca fortesoscilações no mercado, que são logo seguidas de reajuste até ser encontrada uma nova zona denormalidade.2. As Três Tendências: O “Mercado”, significando o preço das ações em geral, move-se emtendências das quais as mais importantes são as Primárias. Elas são longos movimentos para cimaou para baixo que duram normalmente um ano ou mais e resultam em grandes valorizações oudesvalorizações dos preços. Os movimentos na direção da tendência Primária são, algumas vezes,interrompidos, em intervalos, por oscilações Secundárias na direção oposta  reações ou“correções” quando o movimento Primário foi além de si mesmo (exagerou) e precisa, então,recuperar forças para prosseguir. Finalmente, as tendências Secundárias são compostas pelastendências Terciárias que refletem a oscilação do dia-a-dia.Diante do exposto no parágrafo anterior podemos dizer que uma Tendência Primária de Alta éformada por uma sucessão de subidas e descidas secundárias, onde cada movimento (perna) de altaultrapassa o topo do movimento (perna) de alta precedente e cada movimento (perna) de baixa voltaa subir (reverte) de um nível mais alto que o fundo do movimento (perna) de baixa precedente. Isto éo que definido, pela Teoria de Dow, como Mercado de Alta. Inversamente, Tendência Primária deBaixa é formada por uma sucessão de subidas e descidas secundárias, onde cada movimento(perna) de baixa ultrapassa o fundo do movimento (perna) de baixa precedente e cada movimento2 Quando Dow estudou as tendências do mercado criou dois índices Dow-Jones. Um era composto por ações de 20empresas ferroviárias (empresas dominantes naquela época) denominado Índice Dow-Jones Ferroviário e o outro,representado inicialmente por 12 empresas industriais, aumentado para 20 empresas em 1916 e finalmente para 30 em 1928,denominado Índice Dow-Jones Industrial.
  18. 18. (perna) de alta volta a cair (reverte) de um nível mais baixo que o topo do movimento (perna) de altaprecedente. Isto é o que definido, pela Teoria de Dow, como Mercado de Baixa.De maneira idêntica podemos afirmar que uma Tendência Secundária de Alta é formada por umasucessão de subidas e descidas terciárias, onde cada movimento (perna) de alta ultrapassa o topo domovimento (perna) de alta precedente e cada movimento (perna) de baixa volta a subir (reverte) deum nível mais alto que o fundo do movimento (perna) de baixa precedente. Inversamente, TendênciaSecundária de Baixa é formada por uma sucessão de subidas e descidas terciárias, onde cadamovimento (perna) de baixa ultrapassa o fundo do movimento (perna) de baixa precedente e cadamovimento (perna) de alta volta a cair (reverte) de um nível mais baixo que o topo do movimento(perna) de alta precedente.As Tendências Secundárias geralmente duram de três semanas a alguns meses, raramente mais.Costumam retroceder (corrigir) de um terço a dois terços da Tendência Primária precedente.As Tendências Terciárias seguem o mesmo padrão das duas anteriores, mas formadas porflutuações que em si mesmas são pouco significativas. Estes movimentos são de curta duração, emgeral menos de seis dias, raramente mais do que três semanas.Com o intuito de facilitar o entendimento da classificação das tendências, segue-se um diagrama.Esclareço, entretanto, que no mundo real, os ziguezagues raramente desdobram-se de maneira tãocertinha assim. Muitas vezes, terá que lançar mão de recursos complementares para melhoridentificá-las. Alguns desses recursos podem ser: traçar linhas de tendência ou marcar o canal,visualizar o gráfico em linha utilizando apenas os preços de fechamento, subir de periodicidade, o usode indicadores complementares (médias móveis), etc. Tudo isto será visto mais para frente. Tendência Primária de Baixa Tendência Primária de Alta Tendência Secundária de Alta Tendência Secundária de Baixa Tendência Terciária de Alta Tendência Terciária de BaixaParece um quadro do Volpi, mas não é. É o uso das cores com objetivo didático. A linha pretacontínua é o gráfico de preços computados apenas pelos fechamento. Todo o desdobramento incluso
  19. 19. na área azul mais escura até o topo mais alto é o que chamamos de uma tendência primária de alta.Todo desdobramento incluso na área cinza a partir do topo mais alto (à sua direita) é o quechamamos de uma tendência primária de baixa.Reforçando, ambas são formadas por tendências secundárias de alta (área azul claro) e de baixa(área vermelha). Estas, por sua vez, são formadas por tendências terciárias de alta (área verde) e debaixa (área amarela). Com estes esclarecimentos acredito que não fique nenhuma dúvida sobe aclassificação das tendências. Mas, se ainda restou alguma, entenda deste modo: As tendênciassecundárias são subdivisões das Tendências Primárias (um grau abaixo); as Tendências Terciáriassão subdivisões das Tendências Secundárias (um grau abaixo). As tendências terciárias sãosubdivisões da Tendência primária (um grau abaixo da secundária e dois graus abaixo da primária).Finalmente, resta comentar que, algumas vezes as pernas das tendências secundárias e terciárias seconfundem, isto é, devido à velocidade do movimento e à sua extensão, podem ser a mesma. Umexemplo pode ser visto na última secundária de baixa da Tendência primária de baixa, onde as setasvermelha e amarela estão superpostas no mesmo movimento.Dica: Quando for classificar a Tendência Primária de um ativo qualquer terá seu trabalho facilitado seutilizar o gráfico de periodicidade mensal. De modo idêntico, o gráfico semanal facilitará na percepçãoda Tendência Secundária e o diário a da Tendência terciária.Veja a seguir um gráfico mensal do Bovespa onde pode observar sua evolução nos últimos 12 anos.Poderá constatar que em alguns níveis, a seqüência dos topos e fundos ascendentes passam porperíodos de difícil identificação, interrompendo o padrão anterior (ficando indefinidos). Aproveitando oexemplo abaixo, marque os topos principais e intermediários e, em seguida, verifique quantastendências primárias de alta e de baixa consegue identificar:
  20. 20. 3. Deve Ser Assumido Que Uma Tendência Continua Em Andamento Até O Momento Que UmaReversão Tenha Sido Definitivamente Assinalada: Enquanto uma sucessão de topos e fundosascendentes (Tendência de Alta) ou topos e fundos descendentes (Tendência de Baixa) mantiveremo padrão, deve ser assumido que a Tendência continua em andamento, até o momento em que umareversão estiver caracterizada. A reversão de uma Tendência de Alta se caracterizará, quandohouver uma falha na tentativa de ultrapassagem do topo precedente (ou anterior), seguida de umapenetração do fundo precedente (ou anterior). A reversão de uma Tendência de Baixa ocorrerá,quando houver uma falha na tentativa de ultrapassar o fundo precedente (ou anterior), seguida depenetração do fundo precedente (ou anterior). Assim, temos: Falha na penetração Falha na penetração do fundo anterior do topo precedente Penetração do topo precedente: reversão para tendência de alta Penetração do fundo precedente: reversão para tendência de baixa Falha na Tendência de Alta Falha na Tendência de BaixaFreqüentemente, durante a evolução das tendências, o mercado produz uma falha que não é seguidapela penetração do fundo ou do topo anterior, conforme pode ser visto, entre as setas vermelhas, nodiagrama acima.Algumas vezes estes movimentos são rápidos e outras, mais demorados. Para efeito da classificaçãoda tendência em andamento, apesar da falha, não se caracterizou uma reversão. Deste modo, atendência prévia segue em andamento ( e fica indefinida temporariamente). É como se o mercadotivesse dado uma parada para reagrupar suas forças. Eventualmente, consegue e retoma a tendênciaprévia; outras, não consegue retomá-la e o mercado acaba revertendo sua direção. Estes momentos,denominados de indefinição, são onde o mercado passa a maior parte do seu tempo.Estatisticamente, dois terços. Ficou faltando: quando expliquei o que eram topos e fundos, como ainda não havia introduzido o conceito de tendência, evitei falar em topos anteriores e fundos anteriores para não complicar. Como notará, ao ler a revista e no andamento do curso, são os termos mais utilizados nas formulações das estratégias operacionais. Por isto, é preciso que fique bem entendido. T2 T1 T T T1 T3 T1 T F1 F F1 F1 F F F3 F2 Figura A Figura B Figura C
  21. 21. Assim,Na figura A (tendência de alta): situando-se em “F”, “T” é o topo anterior; situando-se em “T1”, “T” é o topo anterior e “F” o fundo anterior; situando-se em “F1”, “F” é o fundo anterior e “T1” o topo anterior.Na figura B (tendência de baixa): situando-se em “T”, “F” é o fundo anterior; situando-se em “F1”, “T” é o topo anterior e “F” o fundo anterior; situando-se em “T1”, “T” é o topo anterior e “F1” o fundo anterior.Na figura C (tendência indefinida): situando-se em “F”, “T” é o topo anterior; situando-se em “T1”, “T” é o topo anterior e “F” o fundo anterior; situando-se em “F1”, “T1” é o topo anterior e “F” o fundo anterior; situando-se em “T2”, “T1” é o topo anterior e “F1” o fundo anterior; situando-se em “F2”, “T2” é o topo anterior e “F1” o fundo anterior; situando-se em “T3”, “T2” é o topo anterior e “F2” o fundo anterior; situando-se em “F3”, “T3” é o topo anterior e “F2” o fundo anterior; CURIOSIDADE: ARTIGOS DE DAVID HAMILTON
  22. 22. Testes de assimilação do conteúdo da aula 2 1. Contorne no gráfico abaixo 4 (quatro) seqüências de: ziguezagues ascendentes, ziguezagues descendentes e ziguezagues lateralmente irregulares. 2. Identifique no gráfico acima, dois níveis de resistência que uma vez penetrados reverteram seu papel e funcionaram como suporte. 3. Numere de acordo com a definição correta: Tendência de Alta ____ 1. É uma sucessão de topos e fundos laterais Tendência de Baixa ____ 2. É uma sucessão de topos e fundos ascendentes Tendência Indefinida ____ 3. É uma sucessão de topos e fundos descendentes 4. Observe o GRÁFICO I da próxima página e responda: De acordo com as definições de tendências, como as classificaria nos seguintes pontos de retorno: T4 _______________ F4 _______________ T5 _______________ F5 _______________ T6 _______________ F6 _______________ T7 _______________ F7 _______________ T8 _______________
  23. 23. 5. Sabendo que os gráficos do quadro acima se referem à RCTB41 (recibo de Telebrás) e que o I está numa periodicidade mensal, o II na semanal, o III na diária e o IV na intradia (hora), defina as tendências primária, secundária, terciária e intradia corrente. Primária _____________ Secundária _____________ Terciária _____________ Intradia _____________6. Observe o GRÁFICO II do quadro acima e responda: quais seriam os topos e fundos anteriores se estivesse nos seguintes pontos de retorno: T1: ___ e ___ F3: ___ e ___ T4: ___ e ___ F6: ___ e ___ F7: ___ e ___7. Observe o GRÀFICO IV e responda: qual a tendência do preço em F3 e T4? F3 _____________ T4 _____________
  24. 24. 8. Observe o GRÁFICO II e responda: qual a tendência do preço nos pontos de retorno T6, F6 e T7? T6 _____________ F6 _____________ T7 _____________ 9. Quais são os requisitos mínimos para se detectar uma reversão de tendência? _____________ e _____________________________________________Palavras cruzadas (mesclada) para fixação de conceitos e definições. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 1819 20 21 22 23 24 25 26 27 2829 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 4647 48 49 50 51 52 53 54 55 56 5758 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 7576 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 8889 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105106 107 108 109 110 111 112 113 114115 116 117 118 119 120 121 122 123124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154155 156 157 158 159 160 161 162163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176Horizontais2. A teoria de análise técnica mais antiga que se tem registro; 8. Meio de 163. O índice mais abrangente da Bolsa de Nova Iorque; 165. Carlos Vargastransporte; 11. Árvore da família das bignoniáceas que na florada perde as Rangel; 166. Símbolo do Mercado de Alta; 169. Neste lugar; 172. Eduardofolhas e fica coberta de flores; 13. Informação de mercado; 17. Constante Araújo; 173. Reflete a opinião dos investidores profissionais; 174. Notamatemática; a 16a letra do alfabeto grego; 19. Nível de preço mais alto musical; 175. Todo local onde ocorre uma inversão na direção prévia; 176.atingido por uma sucessão de duas ou mais barras de preço após a Iniciais do apelido dado a um ex-ministro, senador, escritor, economista,ocorrência de um ponto de inversão; 22. América Latina; 23. Haver; 24. membro da Academia Brasileira de Letras, etc..Repetição; 27. Local onde os operadores das corretoras se encontram paraexecutar suas ordens de compra e venda; 29. Orelha, em inglês; 30. Primeiro Verticaisnome do “pai da análise gráfica”; 33. Índice da Bolsa de Valores de SãoP aulo; 34. Tendência formada por uma sucessão de subidas e descidas 1. Mulher de físico provocante; 3. Jogo muito praticado nos “Pubs”Secundárias; 38. Grito, berro; 39. Cantora baiana do movimento tropicália; londrinos; 4. Nome de famosa cantora de Jazz; 5. Empresa telefônica41. Jogo de Tabuleiro; 42. Sigla do Estado de Sergipe; 43. Forma átona do inglesa (iniciais); 6. Sobrenome do presidente da Bolsa de Valores do Riopronome eu, correspondente a: a mim; 44. Ato ou efeito de limar; 47. de Janeiro; 7. Esfera, globo, redondeza; 8. Tipo de freio automobilístico;9.Designação dada ao gráfico que é atualizado uma vez por dia; 48. A 21 a Pessoa muito importante; 10. É, em inglês; 12. Código alfabético naletra do alfabeto grego; 49. Nome dado ao gráfico cujas barras representam Bovespa para Paranapanema; 14. Investidor Profissional; 15. Oposto dea combinação das barras diárias no decorrer de uma semana; 52. São níveis cozido; 16. Aerofagia; 17. Alimento feito de massa de farinha de trigo oude preç os onde as compras feitas pelos investidores são fortes o suficiente outros cereais; 18. Eu, em italiano; 19. Sucessão de topos e fundospara interromper durante algum tempo e, possivelmente, reverter um ascendentes; 21. Código alfabético na Bovespa para Perdigão; 25. Reuniu eprocesso de queda, gerando um ponto de retorno; 54. Ocorre quando numa organizou os artigos de Dow dando forma àquilo que hoje é mundialmentesucessão de ziguezagues descendentes ou ascendentes um fundo ou topo conhecido como “A Teoria de Dow” – Nome; 26. Padrão básico de direçãoanterior não é ultrapassado; 56. O maior Fundo de Pensão brasileiro; 57. dos preços; 28. Sobrenome do presidente do Federal Reserve;30. ConjuntoSobrenome de um famoso escritor norte-americano autor da obra “O corvo e de condições meteorológicas; 31. Estado Maior das Forças Armadas; 32.outras poesias”; 58. Nome da Bolsa Eletrônica de Nova Iorque; 61. Despido, Navegar, em inglês; 34. Diz-se quando uma resistência ou suporte ésem roupa; 62. Departamento de Aeronáutica Civil; 64. Mitra do Pontífice; ultrapassada; 35. Nota musical; 36. Dá pé, lugar em que a água é pouco66. Deus supremo da mitologia grega, filho de Cronus e Réia; 68. profunda; 37. Associação das Escolas e Professores; 40. Camada gasosa queRunaround ..... , grande sucesso do cantor Dion na década de 60; 70. envolve a terra, atmosfera; 43. Grande extensão de água; 45. Pedra de
  25. 25. Universidade de Brasília; 72. Exímio jogador de futebol; 73. Direção;74. moinho; 46. Nome pelo qual a Bolsa de Valores de São Paulo é conhecidaDeus grego, filho de Hermes, normalmente representado pela figura de um no mercado; 49. A tendência que é formada por uma sucessão de subidas ejovem com aparência metade homem, metade carneiro, sempre tocando descidas terciárias; 50. Medida Provisória; 51. Animal artrópode,flauta; 75. Programa de Integração Social; 76. Diz-se quando o preço (ou o crustáceo,decápode,macruro,da família dos sergestídeos, de porte diminutomercado) se encontra numa área de congestão; 79. Revólver, em inglês; 80. (cerca de 3 cm de comprimento) e corpo muito fino (pl). Ocorre sobretudoFeminino de dois; 81. Provedor gratuito da Internet; 82. Código alfabético na foz do rio Tocantins, principalmente nos meses de julho e agosto; 53. Sãona Bovespa para Vidraçaria Santa Marina; 83. Abreviação de índice; 84. níveis de preços onde as vendas feitas pelos investidores são fortes oChorou, em inglês; 86. Para onde se espera ir depois da morte; 87. Ser de suficiente para interromper durante algum tempo e, possivelmente, reverteroutro planeta; 88. Como veio ao mundo (feminino); 89. Nome do índice da um processo de subida, gerando um ponto de retorno; 54. É o nível de preçoBolsa de Nova Iorque; 93. Sistema Operacional do Mercado de Ativos; 94. mais baixo atingido por uma sucessão de duas ou mais barras de preço apósMenor fração do Capital Social de uma S.A.; 95. Foi chefe de gabinete dos a ocorrência de um ponto de inversão; 55. Provérbios; diz-se do andamentogovernos Geisel e Figueiredo; 96. Código alfabético na Bovespa para lento, vagaroso, pausado, entre o largo e o andante; 57. Ferramenta deEmpresa Paulista de Transmissão e Energia; 97. Nós, em inglês; 98. escavação; 60. Sobrenome do ator principal de “Zorba, o grego”; 63. DoAparelho utilizado na detecção de objetos em águas profundas utilizando a lado de cá; abaixo de; por menos de; 65. Lista; relação; 67. Energia Nuclear;emissão de pulsos de ultra-sons e a recepção e identificação do eco; 100. 69. Grito de dor; 71. Banco de fomento às atividades industriais no Brasil;Código alfabético na Bovespa para Samitri; 102. Capital da Nicarágua; 106. 74. Torta, em inglês; 77. Último sobrenome do pai da análise gráfica; 78.O “Guga” faz uma média de 15 por partida; 109. Fenômeno acústico que Porção de metal, muito flexível, de seção circular com diâmetro muitoconsiste na propagação de ondas sonoras pelo ar; 111. Diz-se das ações de reduzido em relação ao comprimento (pl); 80. Clérigo no segundo grau dasterceira e quarta linhas (pl); 113. Sobrenome do meio de um ex-ditador de ordens maiores, imediatamente inferior ao padre; 82. Proíbe, desaprova; 85.Uganda; 114. Empresa de difusão de cotações do mercado concorrente da Rod Stewart; 86. Trilha; percurso; rota; 90. Direito; ser merecedor de; 91.Broadcast e da Meca; 115. Percorrer com a vista o que está escrito; 118. Pedido de socorro; 92. Período; 95. Reuniu e organizou os artigos de DowPrincipal motivo da criação dos níveis de suporte e resistência nos gráficos; dando forma àquilo que hoje é mundialmente conhecido como “A Teoria de120 . A parte mais dura da madeira; 122. Denominação dada aos gráficos Dow” – sobrenome; 99. Em análise técnica, o mesmo que penetração;100.com barras de periodicidade inferior a de um dia, em geral de 5 minutos a Sociedade Anônima; 101. Rede de comunicação mundial; 103. Saboruma hora; 124. Tendências formadas por flutuações que em si mesmas são desagradável; 104. Símbolo químico de gálio; 105. O primeiro negócio dopouco significativas. Seus movimentos são de curta duração, em geral dia; 107. Comunidade Econômica Européia; 109. Incorreção, inexatidão;menos de seis dias, raramente mais do que três semanas. 127. Compositor e 110. Símbolo químico do molibdênio; 111. Força máxima dos vendedorespianista brasileiro da década de 40, intérprete de Choppin; 128. Qualquer num dia de pregão; 112. Maior fabricante de eletro-eletrônicos japonesa;elemento que estabelece ligação, contato, comunicação ou transição entre 116. Imagem, representação, forma; 117. Ave pernalta, da família dospessoas ou coisas; 129. Pronome pessoal; 130. Dispor ou encaixar peças ou cultrirrostros; 121. Mudança de direção; 123. Nome do presidente dopartes de um objeto de determinada maneira; 133. Grêmio Beneficiente de Federal Reserve; 125. Sigla da Associação Brasileira das CompanhiasOficiais do Exército; 134. Média de preços de um grupo selecionado de Abertas; 126. Isto é; 128. Coragem (figurado); 131. Porém, todavia,ações representativas; 136. Relativo a vetor; 139. General Agreement on entretanto; 132. Atrás, sem o ás; 135. Aqui; 137. Pronome pessoal femininoTariffs and Trade (Acordo Geral de Tarifas e Comércio); 140. Apelido dado da 3a pessoa; 138. Líder, em inglês; 140. Grêmio Recreativo de Francana;pelo mercado aos analistas ou investidores com muitos seguidores; 141. 142. Símbolo químico do cálcio; 143. Lolita, sem a pedra; 145. Mar, emImposto sobre Circulação de Mercadorias; 143. Correio Eletrônico;145. No inglês; 148. Bolsa de Mercadorias & Futuros; 149. Capital da Irlanda; 151.Brasil, um dos mais valorizados é o da série “Olho de Boi”; 146. Nordeste; Lulu Santos; 152. Abreviação de Sudeste; 154. Reitor, nas universidades147. Símbolo do Mercado de Baixa, de trás para frente; 148. Registro inglesas e americanas; 155. Nós, em inglês; 157. Comissão de Valorespictográfico de um dia de atividade do preço de um ativo financeiro;149. Mobiliários; 159. O primeiro satélite de Júpiter, descoberto por Galileu;Código alfabético na Bovespa para “Empresa Metropoli tana de Águas e 160. Pedro ..... , personagem humorístico dos programas do Chico Anísio;Energia”; 150. Pacientes, indulgentes; 153. Anno Domini; 155. Unidade; 162. Instituto de Resseguros do Brasil; 164. Sigla do Estado de156. Bainha ou faixa que reveste músculos e vários órgãos do corpo;158. Pernambuco; 167. Cidade onde nasceu Abraão; 169. Marcha de automóvel;Símbolo químico do Nióbio; 160. Local onde são negociados diariamente 170. A parte mais profunda da psique; 171. Universidade Rural.diferentes ativos financeiros, utensílio feminino (pl); 161. Seqüência detopos e fundos numa determinada direção, por algum período de tempo;
  26. 26. Respostas dos testes de assimilação da aula 21. As linhas azuis identificam ziguezagues ascendentes, as vermelhas ziguezagues descendentes essetas cinzas ziguezagues lateralmente irregulares. Note que em alguns ziguezagues laterais podemser encontrados ziguezagues ascendentes e descendentes que vão fazer parte de um movimentolateral um grau acima.2.
  27. 27. 3. Tendência de Alta ____ 2. É uma sucessão de topos e fundos ascendentes Tendência de Baixa ____ 3. É uma sucessão de topos e fundos descendentes Tendência Indefinida ____ 1. É uma sucessão de topos e fundos laterais4. T4 ALTA F4 ALTA T5 ALTA F5 INDEFINIDA T6 INDEFINIDA F6 BAIXA T7 BAIXA F7 BAIXA T8 ALTA5. Primária ALTA Secundária BAIXA Terciária INDEFINIDA Intradia BAIXA6. T1: T e F F3: T2 e F2 T4: T3 e F3 F6: T6 e F5 F7: T7 e F67. F3 BAIXA T4 ALTA8. T6 ALTA F6 INDEFINIDA
  28. 28. T7 ALTA9. FALHA e PENETRAÇÃOSOLUÇÃO DAS PALAVRAS CRUZADAS B C A N D E L A B R O A V I A O I P E D I C A P IT O P O A L T E R B I S W M Z P R E G A OE A R C H A R L E S I B V S P P R I M A R I A U R R ON G A L D A M A S E M E L I M A G E M E BD I A R I O O F I S E M A N A L S U P O R T E OE M F A L H A E P R E V I P O E E N VN A S D A Q N U D A C T I A R A Z E U S S U EC O U B N C R A Q U E R U M O P A N I P I SI N D E F I N I D O G U N D U A S L I G V S M A PA O I N D O C R I E D I Ç C E U E T N U AD O W J O N E S F S O M A A Ç A O H A E P T EE U S S O N A R S R C O S A M I M A N A G U AA C E S S S O M M I C O S A M I N C M A BL E R F G M E M O R I A N O R I N T R A D I A ET E R C I A R I A P E N P O N T E L H E L A R M A RA O G B O E X I N D I C E Y V E T O R I A L G A T T G U R U I C M E M A I L S E L O N N E O S R U B A R R A E M A E A T O L E R A N T E S A D RU M F A S C I A N I B O L S A S T E N D E N C I AS & P C V R T O U R O A I U E A R F E C H A M E N T O R E P O N T O D E R E T O R N O B F
  29. 29. 4. O Princípio da Confirmação - A tendência deve ser confirmada pelo menos por dois índicesde composição distintas: Seu significado é que nenhum sinal válido de mudança de tendência podeser gerado apenas por um índice. Na época em que a teoria de Dow foi desenvolvida, existiam doisíndices. O índice das Ferrovias (composto por ações de 20 de empresas Ferroviárias) e o Industrial(composto por ações de 30 indústrias).Assim, se o índice Dow Jones Industrial tivesse rompido um nível de suporte ou de resistênciasinalizando o início de uma nova tendência ou a retomada da tendência prévia, a sinalização só seriaválida se o índice ferroviário fizesse um movimento idêntico, confirmando um ao outro.Para facilitar seu entendimento, segue-se abaixo um diagrama de uma situação hipotética, partindoda base de uma congestão: B R B D RESISTÊNCIA R D X Y SUPORTE A A C CSuponha que as figuras “X” e “Y” do quadro acima representem o desdobramento de dois índices damesma família. Admita que antes da congestão começar a se formar eles vinham subindo emtendência de alta, confirmando um ao outro. Assuma que todo o ponto de retorno designado pelasletras R, A, B, etc. é equivalente em tempo, isto é, a virada ocorreu no mesmo dia, ou com umapequena defasagem.De acordo com o que estabelece o princípio da confirmação, somente após a ultrapassagem do topo“R” pelos índices “X” e “Y” a continuação da tendência de alta em andamento estaria confirmada.No ponto de retorno “B”, o índice “X” não conseguiu superar a resistência proporcionada pelo topoanterior (R). Entretanto, o índice “X” conseguiu suplanta-la, sinalizando continuação da tendência dealta. Se dois investidores estivessem acompanhando apenas cada um deles, o que estivesseacompanhando o índice “X” esperando por um sinal de compra na ultrapassagem do topo “R”, nãoteria iniciado uma compra, pois ela não ocorreu. Já o que estivesse acompanhando o índice “Y”, emcontrapartida, teria iniciado uma compra na ultrapassagem do topo “R”.Observação: No índice “Y”, devido à penetração não confirmada no ponto “B” pelo índice “X” e oregistro de uma nova máxima, o ponto “B” passa a ser o topo a ser ultrapassado para confirmação daalta, quando o índice “X” ultrapassar o topo principal.Como deve ter notado, é uma boa técnica acompanhar dois índices da mesma família e esperar queambos ultrapassem o mesmo obstáculo de modo a filtrar, ou diminuir, a probabilidade de operar emcima de um sinal falso e levar um “violino”, ou cair numa armadilha.No ponto C, os papéis se inverteram. Enquanto o índice “X” rompeu o suporte sinalizando venda, oíndice “Y” não confirmou a ruptura e, conseqüentemente, o sinal de venda.
  30. 30. Observação: No índice “X”, devido à penetração não confirmada no ponto “C” pelo índice ”Y”, o ponto“C” passa a ser o fundo a ser penetrado para confirmação da baixa quando o índice “Y” penetrar ofundo principal.No ponto D, repete-se o alarme falso novamente. O índice “X” corta a linha de resistência, mas apenetração não foi confirmada, até aquele momento, pelo índice “Y”.Observação: No índice “X”, devido à penetração não confirmada no ponto “D” pelo índice “Y”, o ponto“D” passa a ser o topo a ser ultrapassado para confirmação da alta quando o índice “Y” ultrapassar otopo principal (topo “B”).Finalmente, quando o topo “D” do índice “X” e o topo “B” no índice “Y” foram ultrapassados, ficouconfirmada a retomada da tendência de alta, com os índices confirmando um ao outro.Esta técnica pode ser aplicada para confirmações entre ações on e pn da mesma empresa, tipo aPetrobrás on e pn.Aqui no Brasil, no caso dos índices, pode-se comparar o BOVESPA e o IBX que são da mesmafamília. Apesar de possuírem um grupo de ações em comum com pesos diferentes, o IBX tem umas50 ações a mais. Veja abaixo, num exemplo real comparando os gráficos do índice Bovespa semanaldolarizado e do IBX semanal dolarizado, algumas não confirmações.Apesar de discretamente, o topo A do Bovespa foi ultrapassado, mas o IBX não confirmou a ruptura.No ponto C, o fundo foi penetrado no Bovespa, mas o IBX não confirmou a penetração até omomento em que escrevo estas linhas.A Teoria de Dow não se encerra aqui. Entretanto, para o desenvolvimento da metodologiaoperacional que mostrarei ao longo deste curso, isto é tudo o que precisa conhecer sobre a Teoria deDow para que possa aplicar a metodologia eficientemente. Se quiser ir mais fundo, recomendo a
  31. 31. leitura dos seguintes livros: “The Stock Market Barometer” por William Peter Hamilton e “The DowTheory” por Robert Rhea. Ambos podem ser adquiridos no site da Amazon.com.Dos quatro princípios que abordamos na Teoria de Dow, três deles de alguma forma versam sobretendências. Dada a sua grande importância dentro da análise técnica, vamos dissecá-las mais umpouco, porque este conceito deve ficar gravado a fogo na sua memória já que, juntamente com ostopos e os fundos, desempenharão um papel predominante na formulação das estratégiasoperacionais.O que está por trás das tendências - o aspecto psicológicoTendências de Alta se iniciam quando os compradores são mais fortes que os vendedores e suascompras empurram os preços para cima. Se os vendedores atuam para empurrar os preços parabaixo, os compradores retornam com força, interrompendo o declínio e empurrando os preços paranovas altas. Tendências de Baixa ocorrem quando os vendedores são mais fortes e suas vendasempurram o preço para baixo. Quando um alvoroço de compras suspende os preços, os vendedorescom suas vendas interrompem a subida e empurram os preços para novas baixas.Quando compradores e vendedores estão equilibrados, os preços permanecem numa Área deIndefinição (congestão – sem tendência definida). E’ como um cabo de guerra com forçasequilibradas, vai pra cá vai pra lá e não chega a lugar nenhum. Já uma tendência é como um cabo deguerra onde de um lado estão o Mike Tyson, o Holyfield, o Rocky Marciano, o Muhamed Ali e dooutro o Nelson Ned, o Rodolfo, o ET e o Marco Maciel. O grupo mais forte puxa o mais fraco e, devez em quando, dá uma paradinha para uma cuspidela na mão e volta a puxar.Tendências e Áreas de Indefinição aparecem nitidamente no passado dos gráficos. Professoresmostram esses gráficos nos seminários e nos fazem ver como é fácil identificar as tendências. Só quenão é bem assim. O passado está feito e é fácil de analisar. O futuro é fluído e incerto. No momentoem que você consegue identificar a Tendência, um bom pedaço dela já ficou para traz. O mercadonão apita quando uma Tendência deriva para uma Área de Indefinição. No momento em quereconhecer essa mudança terá perdido algum dinheiro tentando operar como se o mercado aindaestivesse em Tendência.As periodicidades conflitantes das tendênciasA maioria dos investidores ignora o fato de que o mercado está simultaneamente em Tendência e emÁrea de Indefinição. Olham para uma periodicidade tal como diária ou horária e procuram poroperações sobre os gráficos diários. Com sua atenção fixa sobre gráficos diários ou horários,Tendências de outras periodicidades, tais como semanal ou de 15 minutos, passam por ele edestroem seus planos.Uma Tendência pode parecer de alta num gráfico diário e de baixa num gráfico semanal e vice-versa.Os sinais de um mesmo mercado em diferentes periodicidades, freqüentemente se contradizem umao outro. Qual deles você seguirá?Os sinais conflitantes de diferentes periodicidades de um mesmo mercado são um dos grandesquebra-cabeças da análise do mercado. Quando estiver em dúvida, suba sua análise para umaperiodicidade mais longa. Dê um passo atrás e examine o gráfico de uma periodicidade mais longado que a que está tentando operar. Procure olhar a floresta e, não, as árvores mais próximas.Observe os gráficos mensal, semanal e diário de Petrobrás preferencial da próxima página, todoscom a mesma data de fechamento, e defina qual sua tendência na época.
  32. 32. Alguém que estivesse apenas observando o gráfico diário, diria que é de baixa. Um outro queestivesse observando o gráfico semanal diria que está indefinida e, finalmente, um terceiro queestivesse observando o gráfico mensal diria que é de alta. Qual delas operar? Se pretender operarutilizando o gráfico diário observe a tendência predominante no semanal e opere o diário priorizandoa direção da semanal. Se pretender operar um gráfico de hora, opere priorizando a direção do gráficodiário e assim sucessivamente.Linha de TendênciaEmbora muitos investidores possam desprezar a importância das linhas de tendência, elas são umasdas ferramentas mais importantes da análise técnica. Na metodologia que estamos desenvolvendo,como disse anteriormente, elas são um dos pilares.As pessoas marcam as linhas de tendência de muitos modos diferentes, mas de um modo geral, achave para plotar as linhas de forma correta é traça-las conectando dois fundos ou dois topos numaseqüência. Portanto, a condição inicial para se traçar uma linha de tendência num gráfico de barras é aexistência de no mínimo dois fundos ou dois topos num gráfico de barras qualquer (também vale para ográfico de velas – Candelabro, mas no gráfico ponto-figura sua concepção é completamente diferente).A linha de tendência pode ser de baixa ou de alta: uma linha de tendência de alta é representadagraficamente por uma linha reta conectando as correções (os fundos) numa tendência de alta. A linhade tendência de baixa é o inverso; conecta as correções (os topos) numa tendência de baixa. Sãousadas para identificar a direção das tendências. Quando dois topos ou dois fundos estãohorizontalmente nivelados, também é possível conecta-los com linhas horizontais, mas, ao invés delinha de tendência, a linha é denominada respectivamente de linha de resistência ou linha de suporte.O diagrama da próxima página facilitará a compreensão do texto.
  33. 33. T LR T1 T T1 LTB T2 T1 T2 F T F1 F2 F2 F1 LTA F LS F1 F2 F LINHA DE TENDÊNCIA DE ALTA LINHA DE TENDÊNCIA DEBAIXA LINHA DE RESISTÊNCIA/SUPORTEReforçando, para que se possa traçar uma linha de tendência de alta, será necessário a existênciade, pelo menos, dois fundos (F e F1) intercalando um topo (T1) e que o segundo fundo (F1) estejanum nível mais alto do que o primeiro (F). A linha de tendência de baixa é o inverso. Você precisa terdois topos (T e T1) intercalando um fundo (F) e o segundo topo (T1) tem que estar num nível inferiorao primeiro (T). A confirmação da validade dessas linhas ocorre quando o terceiro toque se confirmar(F2 E T2 respectivamente), isto é, respeitar essa linha e reverter seu movimento na direção oposta. Aprojeção dessas linhas para frente nos ajudará a antecipar futuros pontos de compra e venda. Alémdo diagrama acima, encontrará nos gráficos analisados na revista uma série de exemplos reais delinhas de tendência em andamento.Entre no site da Apligraf no SmartrackWEB e selecione uns gráficos, conforme as instruçõesfornecidas na aula 2. Depois, clique sobre o gráfico selecionado e vá para a página de trabalho. Lápoderá converter o gráfico de 15 minutos em diário e vice-versa. Dê um zoom histórico (clicando emZH) e comece a traçar suas próprias linhas. Trabalhe nas duas periodicidades. Diminua seu campode trabalho clicando em Z enfim, risque a vontade. Só com treinamento alcançará o grau de “olho de -,águia”. Brincadeira à parte, treine bastante a colocação das linhas de tendência. Como já disse, seráum elemento essencial na definição das estratégias.Ângulo de InclinaçãoÉ o aspecto mais importante da linha de tendência  se estiver inclinada para cima, mostra que oscompradores são a força dominante nesse momento e procurará operar do lado mais forte; seestiver inclinada para baixo, mostra que os vendedores são a força dominante e operará comeles. Assim, se estivermos acompanhando, por exemplo, uma linha de tendência de alta, toda vezque os preços retrocederem para essa linha, poderemos tentar uma compra, evidentemente com umestope de entrada (estope de entrada ou inicial é o nível definido simultaneamente com o ponto decompra para, se a compra que tiver feito n evoluir favoravelmente, limitar sua perda) um pouco ãoabaixo da linha. Para uma linha de tendência de baixa o raciocínio é o inverso. Veja nos desenhosabaixo alguns exemplos representativos da inclinação das linhas de tendências de alta e de baixa. α=30o α=45o α=60o α=30 o α=45o α=60 o
  34. 34. Linha de retornoÉ uma linha traçada paralelamente à linha de tendência original, que liga os extremos opostos. Isto é,se tivermos uma linha de tendência de alta (traçada pela conexão dos fundos), a paralela estaráconectando os topos e os preços ficarão contidos dentro dessas paralelas, criando um corredordenominado canal de alta. Se estivermos diante de uma tendência de baixa (traçada pela conexãodos topos), a linha de retorno paralela estará conectando os fundos, formando um corredor conhecidopor canal de baixa. Exemplos reais nos gráficos da revista. LINHA DE RETORNO LINHA DE TENDÊNCIA DE BAIXA LINHA DE TENDÊNCIA DE ALTA LINHA DE RETORNO CANAL DE ALTA CANAL DE BAIXANem sempre, porém, será possível traçar um canal. Alguns movimentos na direção oposta da linhade tendência têm amplitudes irregulares, dificultando a definição de uma linha de retorno paralela.Porém, sempre que possível, não se esqueça de marcá-la, pois será grande de auxílio nas projeçõesdos próximos níveis de suporte e resistência do movimento, possibilitando operações de compra evenda nos seus limites, na medida em que o canal for se desenvolvendo. De vez em quando,também encontrará um canal menor contido dentro do canal principal. Na revista Timing, encontraráoutros exemplos reais.Observe, no gráfico acima, como o corte da linha de tendência de alta do canal de alta interno, resultou numa quedaaté o suporte proporcionado pelo canal de alta principal.
  35. 35. Importância da linha de tendênciaAvalia-se a importância de uma linha de tendência através da análise de cinco fatores: suaperiodicidade, seu comprimento, o número de vezes em que foi tocada pelos preços, sua inclinação eseu volume.• Quanto mais longa a periodicidade, mais significativa: uma linha de tendência num gráfico semanal revela uma tendência mais importante do que uma linha de tendência diária. Uma mensal, mais do que uma semanal; uma diária mais do que uma horária, e assim por diante. Se estivesse analisando apenas o gráfico diário, poderia pensar que a linha de tendência de baixa (LTB1) fosse a resistência principal rumo ao teste do topo de 4,17. Entretanto, subindo da periodicidade diária para a semanal, perceberá que a linha de tendência principal, aquela que tem que ser realmente rompida, rumo novas máximas é a LTB.• Quanto mais longa for (em tempo), mais válida: uma linha de tendência de curta duração reflete o comportamento da massa durante um curto período de tempo. Uma, de prazo mais longo, reflete o comportamento da massa durante um longo período de tempo. A linha de tendência de alta, plotada no gráfico de Embraer on, continua válida desde junho de 99. Observe quantas oportunidades de compra, com estopes iniciais curtíssimos, foram proporcionadas nas vezes em que o preço retornou próximo à linha, a partir do primeiro toque assinalado pela mancha amarela.
  36. 36. • Quanto maior o número de contatos (toques) entre os preços e a linha de tendência, mais válida: maior o número de vezes que o preço tocar na linha e, daí, reverter, mais confiável ela se torna, mostrando com isso que a força dominante tem o mercado sobre controle. O exemplo de Embraer também serve para esta consideração.• O ângulo de inclinação reflete a intensidade emocional do grupo dominante no mercado: uma linha muito inclinada mostra que o grupo dominante está se movendo rapidamente. Uma linha pouco inclinada mostra que o grupo dominante está se movendo lentamente. No gráfico ao lado (Bovespa diário), a linha azul mais estreita mostra um período em que o grupo dominante está se movendo lentamente, provavelmente num processo de acumulação conforme sugere o OBV. Posteriormente, o gráfico mostra um período em que a linha de tendência aumenta substancialmente sua inclinação, provavelmente no momento em que o público em geral entra na compra.• Volume: se o volume aumenta quando os preços se movimentam na direção da linha de tendência,ele confirma essa linha. Se o volume diminui quando os preços, corrigindo, voltam a essa linha,também confirma essa linha. Se o volume se expande quando os preços voltam a essa linha, é umsinal de advertência de uma possível penetração. Se o volume se retrai quando os preços se afastamda linha de tendência, é uma advertência de que a linha está em perigo. FIG. 1 FIG. 2 BARRAS DO VOLUME BARRAS DO VOLUME
  37. 37. Na figura 1 do diagrama da página anterior, você pode perceber o comportamento do volume idealdurante o desenvolvimento de uma tendência de alta. Na figura 2, as linhas pontilhadas rosas indicamqual deveria ter sido a evolução correta do volume de acordo com a tendência de alta em andamento.Entretanto, em vez de subir durante a perna de alta, o volume foi secando e voltou a subir durante aformação da perna de queda, advertindo sobre a possibilidade de algo errado com a tendência.Verifique neste gráfico semanal de Vale pna, o comportamento do volume durante a tendência dealta.Note, quando os preços se afastam da linha de tendência como o volume cresce e quando seaproxima decresce, tal como seria de esperar numa tendência de alta.Observação: embora ainda não tenhamos visto o assunto volume, assinalei com uma seta vermelhauma divergência baixista. Ainda que o padrão do volume esteja de acordo com o esperado numatendência de alta, cada novo topo é atingido com menos volume, indicando menor disposição decompra aos preços cada vez mais altos. Ficou Faltando: Embora tivesse considerado que tudo o que precisava saber sobre a Teoria de Dow já tinha sido apresentado, me dei conta, ao preparar os exercícios, que esqueci de um princípio muito importante, que afirma o seguinte: Para efeito de avaliação das condições do mercado são usados apenas Preços de Fechamentos. A Teoria de Dow não presta atenção à qualquer máxima ou mínima que possa ter sido registrada durante o dia e antes do mercado fechar, considerando apenas os preços de fechamento.

×