SlideShare uma empresa Scribd logo

Lingua legal

O texto discute a importância do aprendizado de línguas, mencionando congressos recentes sobre a língua francesa e esperanto. O autor reflete sobre como gostaria de aprender mais línguas, mas que o tempo é pouco, e que o domínio de apenas uma língua já é valioso. O esperanto continua sendo promovido como uma possível língua auxiliar internacional para facilitar a comunicação.

1 de 3
Baixar para ler offline
Artigo publicado por na sua coluna em O GLOBO, de 02/08/1981, p. 8. Gentilmente indicado ao KCE
peloSr.FernandoMarinho.
* Otto de Oliveira Lara Resende, jornalista e escritor brasileiro, membro da Academia Brasileira de
Letras.SãoJoãodel-Rei,1demaiode1922–RiodeJaneiro,28dedezembrode1992.
"Diziaum amigo meu que os tradutoreserama causa de grande partedos males
dahumanidade".PauloRónai
Reuniu-se no Rio, há poucos dias, um congresso internacional de professores de
francês. Pelo escasso noticiário que vi na imprensa (e sou um leitor atento de jornais e
revistas), estiveram presentes cerca de 60 nações. Encerrado o encontro, estive com
dois jornalistas franceses que vinham ao Brasil pela primeira vez. Tinham vindo cobrir
o congresso. Pouco me disseram sobre o que decidiram os professores, reunidos a
cada três anos por iniciativa de uma associação internacional empenhada no
conhecimento e na difusão da língua francesa. Antes do Rio, a última reunião foi em
Bruxelas, cidade em que o francês é língua oficial, mas vive acossado pelo flamengo,
semfalarnosnumerososdialetosemquesetrancamteimosasminorias.
Quase simultaneamente abriu-se em Brasília um congresso internacional de
esperanto, que se pretende uma língua capaz de levar-nos todos de volta à véspera da
Torre de Babel. O seu engenhoso inventor, o médico polonês Zamenhof, teve mais
sorte do que outros colegas de utopia idiomática. O volapuque, por exemplo, que é
outra tentativa de comunicação universal, também do século XIX, mal passou de seu
criador, o padre alemão Martin Schleyer. No Brasil, já teríamos perdido a memória da
simples existência do volapuque, se não fosse um verso de Carlos Drummond de
Andrade.
O Esperanto não é uma língua de farrapos, pelo menos aos olhos de nossas
autoridades, que prestigiaram o congresso de Brasília. O Presidente não pôde
comparecer. Mas a imprensa, o rádio e a televisão noticiaram que o Vice-Presidente
Língua legal
por Otto Lara Resende*
(Aureliano Chaves) interrompeu o repouso na sua fazenda em Minas e foi bater um
papo, quem sabe em Esperanto, com os congressistas decididos a pacificar o mundo à
sombradopreceitozamenhofianodeumsórebanhoeumsóidioma.Nãodeixadeser
curiosa a existência de tantos sacerdotes a celebrar na ara da língua única
internacional.
Sou um pecador de muitos pecados, mas de repente a omissão do Esperanto
ganha em mim proporções dramáticas. O tempo é pouco para aprender tudo que
desejo saber e principalmente tudo que preciso conhecer. Nunca me esqueci da
admiração com que, menino, tomei conhecimento de que Machado de Assis, aos 69
anos, já prometido de morte, insistia em estudar grego. Alguns anos depois, João
Guimarães Rosa me contaria como é que, médico em Barbacena, mergulhava de
manhãzinha numa banheira de água gelada, a fim de chicotear o corpo e preparar o
espírito para o aprendizado autodidático das línguas que o levaram ao Itamaraty.
Pouco antes de morrer, os olhos claros rindo quase fechados, Rosa me confidenciou
que estava estudando o vietnamita arcaico, não por causa da guerra do Vietnam, mas
paraconheceraricaliteraturavietnamitaantiga.
Não sei se gostaria de conhecer todas as línguas, mas gostaria de conhecer bem,
à perfeição ao menos uma só língua, fosse ela qual fosse, inclusive e sobretudo a
portuguesa-brasileira. O dom de entender e de falar línguas estrangeiras, sabe-se que
éumtalentosecundário.Bastadizerqueestáaoalcancedequalquerportariadehotel
e de outras úteis profissões que, sem desdouro, dispensam nível intelectual acima da
cota zero. Afinal, a língua é um instrumento de expressão. Onde não há o que dizer,
não é preciso língua nenhuma. Os poliglotas acabam sabendo e empregando uma
forma coloquial de uma só língua, ainda que sujeita a umas tantas variáveis. Falo dos
poliglotas que papagueiam meia dúzia de frases feitas, suficientes para entreter, por
exemplo,comumilustredesconhecido,umaconversameteorológica.
Alheias ao esnobismo dos adultos, as crianças só falam mais de uma língua se de
fato isto lhes é indispensável, se o convívio reclama delas mais de um instrumento de
comunicação. E porque falam por necessidade, falam também à vontade. De resto,
necessária, a língua acaba se impondo ao mais empedernido monoglota. Basta ver a
facilidadecomqueosbrasileirosricoscompramegastamemParisouemNovaYork.O
conhecimentodofrancêsedoinglêsédispensável;sónãosedispensaodinheiro,ouo
dólar, senha de circulação universal, que confirma a viabilidade do Esperanto, pelo
menosdoEsperantomonetário.
Os dois jornalistas franceses com quem falei estavam mais preocupados com as
tendências da cultura brasileira neste momento do que propriamente com o
predomínio ou a decadência de sua língua materna no Brasil e no mundo. Como bons
franceses, sabiam pouco do nosso país. Ou melhor: sabiam o essencial. Hospedados
em Copacabana, tinham sido alertados para não se deixarem roubar. Viam-se
cercados de pivetes, trombadinhas e assaltantes. Por mal dos pecados, um deles
perdeuosóculosquandofalavacomigo.Levementeculpado,revisteibolsoporbolsoe
concluícomalívioqueaindadestaveznãofuieu.
Gostaria de saber o que se concluiu no congresso de língua francesa no Rio,
como também gostaria de conhecer os debates de universal confraternização que
ergueram sua voz em Brasília. No Esperanto há um radical latino de esperança. Tudo
que contribui para o entendimento dos homens é positivo. No Brasil estamos
precisando de um cânon, de um código para que nos entendamos. O caminho
democrático pode passar pelo Esperanto e – quem sabe um dia? – chegamos assim à
Constituição, depois de passar pela Constituinte. Afinal, a nossa crise tem sido
diagnosticada também como crise de palavras. Escrevemos e falamos cada vez com
mais desleixo, com mais pobreza vocabular. Até a linguagem oficial perdeu-se numa
algaravia cujos solecismos ofendem pessoalmente um linguista da competência de
AbgarRenault.
Foi-se o tempo em que Ruy chovia torrencialmente no Senado a sua polêmica
sobre a redação do Código Civil. Um código se faz hoje do pé para a mão. Tudo é legal,
no sentido estrito, da lei, e no sentido amplo, de tudo bem. Mas temos de reconhecer
que a indigência linguística não é só brasileira. Os franceses também se queixam e
ainda recentemente uma revista de Paris divulgava um inquérito desanimador, feito
entre jovens, e concluía que será preciso reaprender o francês. Nos Estados Unidos
não é diferente. Com o orgulho que lhes é próprio, os franceses dizem que o inglês se
impõecomolínguadocomércio,enquantoofrancêséveículodecultura.Agentesabe
que não é bem assim. Num livro de 1947, "Território de Epidauro", Pedro Nava
denunciava uma campanha contra a França, com a "tentativa de obstar a difusão do
livro francês e a sugestão criminosa e parricida da eliminação da língua francesa como
disciplina obrigatória dos nossos cursos ginasiais". Não sei se Pedro Nava ainda
subscreve esta indignação francófila. Quanto a mim, fiz a minha opção: caminho para
oEsperantobásico,vésperadosilêncio.
www.intraespo.org/brasil
www.falesperanto.com.br
Organização Mundial para o
Desenvolvimento da Economia Esperantista

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Padrões linguísticos no ENEM
Padrões linguísticos no ENEMPadrões linguísticos no ENEM
Padrões linguísticos no ENEMma.no.el.ne.ves
 
Contribuições lexicais no enem
Contribuições lexicais no enemContribuições lexicais no enem
Contribuições lexicais no enemma.no.el.ne.ves
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaVinicius Fernandes
 
Evolução da Língua e Literatura Portuguesa
Evolução da Língua e Literatura PortuguesaEvolução da Língua e Literatura Portuguesa
Evolução da Língua e Literatura PortuguesaAna Nunes
 
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNT
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNTCOMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNT
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNTmarcelo diniz
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemma.no.el.ne.ves
 
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013ma.no.el.ne.ves
 
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira a , manhã
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira  a , manhãProva de língua portuguesa e literatura brasileira  a , manhã
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira a , manhãma.no.el.ne.ves
 
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)Isaquel Silva
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1ma.no.el.ne.ves
 

Mais procurados (20)

Padrões linguísticos no ENEM
Padrões linguísticos no ENEMPadrões linguísticos no ENEM
Padrões linguísticos no ENEM
 
Contribuições lexicais no enem
Contribuições lexicais no enemContribuições lexicais no enem
Contribuições lexicais no enem
 
Utopia ou solucao
Utopia ou solucaoUtopia ou solucao
Utopia ou solucao
 
Introdução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesaIntrodução a lingua portuguesa
Introdução a lingua portuguesa
 
Linguistica
LinguisticaLinguistica
Linguistica
 
Mito e realidade
Mito e realidadeMito e realidade
Mito e realidade
 
Evolução da Língua e Literatura Portuguesa
Evolução da Língua e Literatura PortuguesaEvolução da Língua e Literatura Portuguesa
Evolução da Língua e Literatura Portuguesa
 
Língua pdf
Língua pdfLíngua pdf
Língua pdf
 
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNT
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNTCOMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNT
COMO EVITAR PLÁGIO EM TCCS UTILIZANDO AS NORMAS DE CITAÇÃO E REFERÊNCIA DA ABNT
 
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enemAspectos de história da língua portuguesa no enem
Aspectos de história da língua portuguesa no enem
 
Ufmg 2001
Ufmg 2001Ufmg 2001
Ufmg 2001
 
Variacao linguistica
Variacao linguisticaVariacao linguistica
Variacao linguistica
 
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013
Prova b de língua portuguesa e literatura, ufmg 2013
 
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira a , manhã
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira  a , manhãProva de língua portuguesa e literatura brasileira  a , manhã
Prova de língua portuguesa e literatura brasileira a , manhã
 
Simulado1ºano.março
Simulado1ºano.marçoSimulado1ºano.março
Simulado1ºano.março
 
Dicionário de tupi antigo
Dicionário de tupi antigoDicionário de tupi antigo
Dicionário de tupi antigo
 
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
I PROVÃO - PROVAS DO PRIMEIRO DIA - 1º ANO (COM GABARITOS)
 
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
Prova aberta de literatura brasileira ufmg 2012-1
 
Aula 2 Pre/SEED INN
Aula 2 Pre/SEED INNAula 2 Pre/SEED INN
Aula 2 Pre/SEED INN
 
Níveis de linguagem
Níveis de linguagemNíveis de linguagem
Níveis de linguagem
 

Destaque

Книга в кругу семьи
Книга в кругу семьиКнига в кругу семьи
Книга в кругу семьиDmitry Sushkov
 
Londres yassine-aziz
Londres yassine-azizLondres yassine-aziz
Londres yassine-azizcollegecath
 
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTA
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTATraining Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTA
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTADr Aneek Gupta
 
1969 Columbus Yearbook Student Life
1969 Columbus Yearbook Student Life1969 Columbus Yearbook Student Life
1969 Columbus Yearbook Student Lifediazgonzalo2
 
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, Omnia
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, OmniaTyöelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, Omnia
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, OmniaTopLaaja
 
Juego ajedrez
Juego ajedrezJuego ajedrez
Juego ajedrezalexmere
 
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönä
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönäKiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönä
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönämyrtsikata
 
Karl marx educacion
Karl marx educacionKarl marx educacion
Karl marx educacionMarc Pineda
 
JJO - Principais Atividades
JJO - Principais AtividadesJJO - Principais Atividades
JJO - Principais Atividadesjjobrasil
 

Destaque (19)

Um velho pinheiro (1)
Um velho pinheiro (1)Um velho pinheiro (1)
Um velho pinheiro (1)
 
Qnet india
Qnet indiaQnet india
Qnet india
 
MOBITOP - Mobiilia työpaikkaohjausta
MOBITOP - Mobiilia työpaikkaohjaustaMOBITOP - Mobiilia työpaikkaohjausta
MOBITOP - Mobiilia työpaikkaohjausta
 
Kamu Lodge
Kamu Lodge Kamu Lodge
Kamu Lodge
 
Книга в кругу семьи
Книга в кругу семьиКнига в кругу семьи
Книга в кругу семьи
 
Londres yassine-aziz
Londres yassine-azizLondres yassine-aziz
Londres yassine-aziz
 
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTA
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTATraining Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTA
Training Employees And Managers Boosts Business by ANEEK GUPTA
 
Lähetystyö 2009
Lähetystyö 2009Lähetystyö 2009
Lähetystyö 2009
 
1969 Columbus Yearbook Student Life
1969 Columbus Yearbook Student Life1969 Columbus Yearbook Student Life
1969 Columbus Yearbook Student Life
 
Man Up intention car powerpoint
Man Up intention car powerpointMan Up intention car powerpoint
Man Up intention car powerpoint
 
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, Omnia
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, OmniaTyöelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, Omnia
Työelämälähtöisiin toimeksiantoihin perustuvat laajennetut polut, Omnia
 
Juego ajedrez
Juego ajedrezJuego ajedrez
Juego ajedrez
 
Two pages magazines:media:rufus
Two pages magazines:media:rufusTwo pages magazines:media:rufus
Two pages magazines:media:rufus
 
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönä
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönäKiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönä
Kiravo – kirjastot avoimena oppimisympäristönä
 
Karl marx educacion
Karl marx educacionKarl marx educacion
Karl marx educacion
 
The match second draft
The match second draftThe match second draft
The match second draft
 
Presentacion tlc bogota 38
Presentacion tlc bogota 38Presentacion tlc bogota 38
Presentacion tlc bogota 38
 
JJO - Principais Atividades
JJO - Principais AtividadesJJO - Principais Atividades
JJO - Principais Atividades
 
Ruby Graphic Storyboard
Ruby Graphic StoryboardRuby Graphic Storyboard
Ruby Graphic Storyboard
 

Semelhante a Lingua legal

variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docEdilmaBrando1
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docEdilmaBrando1
 
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfA invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfMarília Vieira
 
A mitologia do preconceito linguístico final
A mitologia do preconceito linguístico finalA mitologia do preconceito linguístico final
A mitologia do preconceito linguístico finalAdriana Rocha de Jesus
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfEdilmaBrando1
 
Monteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesMonteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesTânia Sampaio
 
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuuEnsiname
 
As línguas minoritárias na Rússia
As línguas minoritárias na RússiaAs línguas minoritárias na Rússia
As línguas minoritárias na Rússiapiorambo
 
O dialeto de comunidades minoritárias na Russia
O dialeto de comunidades minoritárias na RussiaO dialeto de comunidades minoritárias na Russia
O dialeto de comunidades minoritárias na Russiapiorambo
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaElza Silveira
 
José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6Carla Nunes
 
Breve história da língua portuguesa
Breve história da língua portuguesaBreve história da língua portuguesa
Breve história da língua portuguesaFabiana Pinto
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniSâmara Lopes
 

Semelhante a Lingua legal (20)

variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
 
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.docvariacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
variacoes linguisticas - eventos e guia de turismo.doc
 
Fundamentos do Esperantismo Econômico
Fundamentos do Esperantismo EconômicoFundamentos do Esperantismo Econômico
Fundamentos do Esperantismo Econômico
 
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdfA invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
A invenção do monolinguismo e da língua nacional.pdf
 
A mitologia do preconceito linguístico final
A mitologia do preconceito linguístico finalA mitologia do preconceito linguístico final
A mitologia do preconceito linguístico final
 
O desafio das línguas
O desafio das línguasO desafio das línguas
O desafio das línguas
 
A linguagem nos faz humanos
A linguagem nos faz humanosA linguagem nos faz humanos
A linguagem nos faz humanos
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
 
Monteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - UrupesMonteiro lobato - Urupes
Monteiro lobato - Urupes
 
Variação linguística
Variação linguística Variação linguística
Variação linguística
 
A importancia do ridiculo
A importancia do ridiculoA importancia do ridiculo
A importancia do ridiculo
 
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
9789897525049 portugues foco3_cadexercicios_issuu
 
Milhões de linguistas
Milhões de linguistasMilhões de linguistas
Milhões de linguistas
 
As línguas minoritárias na Rússia
As línguas minoritárias na RússiaAs línguas minoritárias na Rússia
As línguas minoritárias na Rússia
 
O dialeto de comunidades minoritárias na Russia
O dialeto de comunidades minoritárias na RussiaO dialeto de comunidades minoritárias na Russia
O dialeto de comunidades minoritárias na Russia
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Fenomenos
FenomenosFenomenos
Fenomenos
 
José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6José Jorge Letria 6
José Jorge Letria 6
 
Breve história da língua portuguesa
Breve história da língua portuguesaBreve história da língua portuguesa
Breve história da língua portuguesa
 
Lingua e linguagem perini
Lingua e linguagem periniLingua e linguagem perini
Lingua e linguagem perini
 

Mais de Intraespo - Organização Mundial para o Desenvolvimento da Economia Esperantista (8)

Nao apenas para ver a vitoria
Nao apenas para ver a vitoriaNao apenas para ver a vitoria
Nao apenas para ver a vitoria
 
A lingua mundial
A lingua mundialA lingua mundial
A lingua mundial
 
Stelo
SteloStelo
Stelo
 
Intraespo-Statuto
Intraespo-StatutoIntraespo-Statuto
Intraespo-Statuto
 
устав на русском
устав на русскомустав на русском
устав на русском
 
Estatuto em Persa
Estatuto em PersaEstatuto em Persa
Estatuto em Persa
 
Esperanto: sucesso em todas as frentes de uma língua viva
Esperanto: sucesso em todas as frentes de uma língua vivaEsperanto: sucesso em todas as frentes de uma língua viva
Esperanto: sucesso em todas as frentes de uma língua viva
 
Estatuto da Intraespo
Estatuto da IntraespoEstatuto da Intraespo
Estatuto da Intraespo
 

Último

2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...GraceDavino
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...azulassessoriaacadem3
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...apoioacademicoead
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...azulassessoriaacadem3
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...excellenceeducaciona
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...azulassessoriaacadem3
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.Prime Assessoria
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptxAndreia Silva
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...azulassessoriaacadem3
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...excellenceeducaciona
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdfCludiaFrancklim
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;azulassessoriaacadem3
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...apoioacademicoead
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...azulassessoriaacadem3
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...excellenceeducaciona
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da MulherMary Alvarenga
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...azulassessoriaacadem3
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...excellenceeducaciona
 

Último (20)

2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
610854 (4).pptx Linguagem da música. Diferentes gêneros da musica tradicional...
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
3 – As principais características de cada tendência pedagógica, na ordem: o p...
 
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
Com base nas informações apresentadas, responda: a. Qual o Índice de Massa Co...
 
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...Considere a imagem abaixo:  Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
Considere a imagem abaixo: Fonte: ROSA, Tomás Amado. No âmbito do Direito, a...
 
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
A) Cite inicialmente as três dimensões do desenvolvimento sustentável e estab...
 
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
Depois de refletir sobre essas etapas, o planejamento será registrado por mei...
 
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
A) DESCREVA no mínimo três pontos-base do princípio da cromatografia gasosa.
 
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
01_Apresentacao_25_CIAED_2019_Ambientação_GRAD.pptx
 
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
A partir desse panorama, suponha, então, que você foi contratado(a) pela Natu...
 
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
a. Cite e explique os três princípios básicos da progressão do treinamento de...
 
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdfPlanejamento Anual Matemática para o ENEM -  1º ano 1, 2 e 3  anos-.pdf
Planejamento Anual Matemática para o ENEM - 1º ano 1, 2 e 3 anos-.pdf
 
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
2 – A data de implantação de cada tendência pedagógica no Brasil;
 
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
4. Descreva como a empresa funciona e de que maneira a teoria da ORT é observ...
 
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
2. É possível a denúncia do Estado agressor junto ao Tribunal Penal Internaci...
 
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
2. Como o entrevistado descreve a gestão e execução dos principais processos ...
 
08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher08 de março - Dia Internacional da Mulher
08 de março - Dia Internacional da Mulher
 
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
Desenvolva um texto dissertativo sobre como a experiência de Deus pode ser re...
 
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
Discuta as principais mudanças e desafios enfrentados pelos profissionais de ...
 

Lingua legal

  • 1. Artigo publicado por na sua coluna em O GLOBO, de 02/08/1981, p. 8. Gentilmente indicado ao KCE peloSr.FernandoMarinho. * Otto de Oliveira Lara Resende, jornalista e escritor brasileiro, membro da Academia Brasileira de Letras.SãoJoãodel-Rei,1demaiode1922–RiodeJaneiro,28dedezembrode1992. "Diziaum amigo meu que os tradutoreserama causa de grande partedos males dahumanidade".PauloRónai Reuniu-se no Rio, há poucos dias, um congresso internacional de professores de francês. Pelo escasso noticiário que vi na imprensa (e sou um leitor atento de jornais e revistas), estiveram presentes cerca de 60 nações. Encerrado o encontro, estive com dois jornalistas franceses que vinham ao Brasil pela primeira vez. Tinham vindo cobrir o congresso. Pouco me disseram sobre o que decidiram os professores, reunidos a cada três anos por iniciativa de uma associação internacional empenhada no conhecimento e na difusão da língua francesa. Antes do Rio, a última reunião foi em Bruxelas, cidade em que o francês é língua oficial, mas vive acossado pelo flamengo, semfalarnosnumerososdialetosemquesetrancamteimosasminorias. Quase simultaneamente abriu-se em Brasília um congresso internacional de esperanto, que se pretende uma língua capaz de levar-nos todos de volta à véspera da Torre de Babel. O seu engenhoso inventor, o médico polonês Zamenhof, teve mais sorte do que outros colegas de utopia idiomática. O volapuque, por exemplo, que é outra tentativa de comunicação universal, também do século XIX, mal passou de seu criador, o padre alemão Martin Schleyer. No Brasil, já teríamos perdido a memória da simples existência do volapuque, se não fosse um verso de Carlos Drummond de Andrade. O Esperanto não é uma língua de farrapos, pelo menos aos olhos de nossas autoridades, que prestigiaram o congresso de Brasília. O Presidente não pôde comparecer. Mas a imprensa, o rádio e a televisão noticiaram que o Vice-Presidente Língua legal por Otto Lara Resende*
  • 2. (Aureliano Chaves) interrompeu o repouso na sua fazenda em Minas e foi bater um papo, quem sabe em Esperanto, com os congressistas decididos a pacificar o mundo à sombradopreceitozamenhofianodeumsórebanhoeumsóidioma.Nãodeixadeser curiosa a existência de tantos sacerdotes a celebrar na ara da língua única internacional. Sou um pecador de muitos pecados, mas de repente a omissão do Esperanto ganha em mim proporções dramáticas. O tempo é pouco para aprender tudo que desejo saber e principalmente tudo que preciso conhecer. Nunca me esqueci da admiração com que, menino, tomei conhecimento de que Machado de Assis, aos 69 anos, já prometido de morte, insistia em estudar grego. Alguns anos depois, João Guimarães Rosa me contaria como é que, médico em Barbacena, mergulhava de manhãzinha numa banheira de água gelada, a fim de chicotear o corpo e preparar o espírito para o aprendizado autodidático das línguas que o levaram ao Itamaraty. Pouco antes de morrer, os olhos claros rindo quase fechados, Rosa me confidenciou que estava estudando o vietnamita arcaico, não por causa da guerra do Vietnam, mas paraconheceraricaliteraturavietnamitaantiga. Não sei se gostaria de conhecer todas as línguas, mas gostaria de conhecer bem, à perfeição ao menos uma só língua, fosse ela qual fosse, inclusive e sobretudo a portuguesa-brasileira. O dom de entender e de falar línguas estrangeiras, sabe-se que éumtalentosecundário.Bastadizerqueestáaoalcancedequalquerportariadehotel e de outras úteis profissões que, sem desdouro, dispensam nível intelectual acima da cota zero. Afinal, a língua é um instrumento de expressão. Onde não há o que dizer, não é preciso língua nenhuma. Os poliglotas acabam sabendo e empregando uma forma coloquial de uma só língua, ainda que sujeita a umas tantas variáveis. Falo dos poliglotas que papagueiam meia dúzia de frases feitas, suficientes para entreter, por exemplo,comumilustredesconhecido,umaconversameteorológica. Alheias ao esnobismo dos adultos, as crianças só falam mais de uma língua se de fato isto lhes é indispensável, se o convívio reclama delas mais de um instrumento de comunicação. E porque falam por necessidade, falam também à vontade. De resto, necessária, a língua acaba se impondo ao mais empedernido monoglota. Basta ver a facilidadecomqueosbrasileirosricoscompramegastamemParisouemNovaYork.O conhecimentodofrancêsedoinglêsédispensável;sónãosedispensaodinheiro,ouo dólar, senha de circulação universal, que confirma a viabilidade do Esperanto, pelo menosdoEsperantomonetário. Os dois jornalistas franceses com quem falei estavam mais preocupados com as tendências da cultura brasileira neste momento do que propriamente com o predomínio ou a decadência de sua língua materna no Brasil e no mundo. Como bons franceses, sabiam pouco do nosso país. Ou melhor: sabiam o essencial. Hospedados
  • 3. em Copacabana, tinham sido alertados para não se deixarem roubar. Viam-se cercados de pivetes, trombadinhas e assaltantes. Por mal dos pecados, um deles perdeuosóculosquandofalavacomigo.Levementeculpado,revisteibolsoporbolsoe concluícomalívioqueaindadestaveznãofuieu. Gostaria de saber o que se concluiu no congresso de língua francesa no Rio, como também gostaria de conhecer os debates de universal confraternização que ergueram sua voz em Brasília. No Esperanto há um radical latino de esperança. Tudo que contribui para o entendimento dos homens é positivo. No Brasil estamos precisando de um cânon, de um código para que nos entendamos. O caminho democrático pode passar pelo Esperanto e – quem sabe um dia? – chegamos assim à Constituição, depois de passar pela Constituinte. Afinal, a nossa crise tem sido diagnosticada também como crise de palavras. Escrevemos e falamos cada vez com mais desleixo, com mais pobreza vocabular. Até a linguagem oficial perdeu-se numa algaravia cujos solecismos ofendem pessoalmente um linguista da competência de AbgarRenault. Foi-se o tempo em que Ruy chovia torrencialmente no Senado a sua polêmica sobre a redação do Código Civil. Um código se faz hoje do pé para a mão. Tudo é legal, no sentido estrito, da lei, e no sentido amplo, de tudo bem. Mas temos de reconhecer que a indigência linguística não é só brasileira. Os franceses também se queixam e ainda recentemente uma revista de Paris divulgava um inquérito desanimador, feito entre jovens, e concluía que será preciso reaprender o francês. Nos Estados Unidos não é diferente. Com o orgulho que lhes é próprio, os franceses dizem que o inglês se impõecomolínguadocomércio,enquantoofrancêséveículodecultura.Agentesabe que não é bem assim. Num livro de 1947, "Território de Epidauro", Pedro Nava denunciava uma campanha contra a França, com a "tentativa de obstar a difusão do livro francês e a sugestão criminosa e parricida da eliminação da língua francesa como disciplina obrigatória dos nossos cursos ginasiais". Não sei se Pedro Nava ainda subscreve esta indignação francófila. Quanto a mim, fiz a minha opção: caminho para oEsperantobásico,vésperadosilêncio. www.intraespo.org/brasil www.falesperanto.com.br Organização Mundial para o Desenvolvimento da Economia Esperantista