SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Novas normas de boas práticas de fabricação para
áreas de saneantes e cosméticos são publicadas
pela ANVISA
Novos regulamentos de Boas Práticas de Fabricação para as indústrias de Saneantes (RDC n°47) e
de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos (RDC n°48), publicados em outubro de 2013 pela
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já estão em vigor.
As normas, publicadas no Diário Oficial da União (DOU) nº 209, de 28 de outubro de 2013, foram
alinhadas a outras normas da ANVISA e ao ordenamento jurídico do MERCOSUL. Com a
publicação foram revogadas as Portarias 327/97 e 348/97, anteriores à criação da Agência.
Além de modernizarem as normas existentes, os regulamentos mudaram a lógica de inspeção ao
reorganizarem os tópicos a serem abordados e porem fim ao roteiro de inspeção. O foco é a
avaliação do risco e o fortalecimento do gerenciamento da qualidade.
 Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente
Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
Novas normas de boas práticas de fabricação para
áreas de saneantes e cosméticos são publicadas
pela ANVISA
Segundo a Anvisa, a RDC para a área de saneantes busca normatizar a fabricação, de modo que os
fatores humanos, técnicos e administrativos (da fabricação) sejam controlados para prevenir,
reduzir e eliminar qualquer deficiência na qualidade dos produtos que possam colocar em risco a
saúde e a segurança do usuário.
Já a RDC 48/2013, estabelece os procedimentos e as práticas que os fabricantes de cosméticos em
geral devem aplicar para assegurar que as instalações, métodos, processos, sistemas e controles
usados para a fabricação de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes sejam
adequados de modo a garantir a qualidade desses produtos.
As empresas fabricantes de Saneantes e Cosméticos têm o prazo de um ano para se adequarem à
norma. Neste período, deverão elaborar todos os protocolos e outros documentos necessários
para a validação de limpeza, metodologia analítica, sistemas informatizados e sistema de água de
processo que já se encontrem instalados.
 Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente
Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
Novas normas de boas práticas de fabricação para
áreas de saneantes e cosméticos são publicadas
pela ANVISA
REFERÊNCIA, NOTAS OU LINKS:
Para ter acesso à RDC 47/2013 clique aqui.
Para ter acesso à RDC 48/2013 clique aqui.
Fonte:
http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+-
+noticias+anos/2013+noticias/saneantes+e+cosmeticos+tem++novos+regulamentos+de+boas+pr
aticas
http://www.crq4.org.br/default.php?p=informativo_mat.php&id=1164
http://www.crq4.org.br/seminario_rdc048_2013
 Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente
Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
COMPARTILHE
SIGA A GENTE
/intertox @intertox_br
atendimento@intertox.com.br
http://www.intertox.com.br/
CONTATO
 Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo
Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_casteloBoas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo
Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_casteloGderlane Santos
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaMeire Yumi Yamada
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriasenaimais
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoClick Farma
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteAna Helena
 
Brc global standard for food safety issue 7 br free pdf
Brc global standard for food safety issue 7 br  free pdfBrc global standard for food safety issue 7 br  free pdf
Brc global standard for food safety issue 7 br free pdfAlexandre Oliveira
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrãoRafael Correia
 
Introdução à ISO 22000
Introdução à ISO 22000Introdução à ISO 22000
Introdução à ISO 22000Carolina Sidrim
 
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteGarantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteNathalie Leite
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Cooperrita
 

Mais procurados (20)

Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo
Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_casteloBoas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo
Boas praticas da_fabricacao_e_pop___aula_castelo
 
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzadaPop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
Pop gq-014 rev00 - prevenção da contaminação cruzada
 
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústriaSegurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
Segurança e qualidade de alimentos: a gestão na indústria
 
Boas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de FabricaçãoBoas Práticas de Fabricação
Boas Práticas de Fabricação
 
Qualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e AmbienteQualidade, Segurança e Ambiente
Qualidade, Segurança e Ambiente
 
Aula de Certificação e Normatização
Aula de Certificação e NormatizaçãoAula de Certificação e Normatização
Aula de Certificação e Normatização
 
Palestra
Palestra Palestra
Palestra
 
RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010RDC Nº 17/2010
RDC Nº 17/2010
 
Programa de treinamento
Programa de treinamentoPrograma de treinamento
Programa de treinamento
 
Brc global standard for food safety issue 7 br free pdf
Brc global standard for food safety issue 7 br  free pdfBrc global standard for food safety issue 7 br  free pdf
Brc global standard for food safety issue 7 br free pdf
 
Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006
 
Pop procedimentos operacionais padrão
Pop   procedimentos operacionais padrãoPop   procedimentos operacionais padrão
Pop procedimentos operacionais padrão
 
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1   controle de qualidade na ind. de alimentosAula 1   controle de qualidade na ind. de alimentos
Aula 1 controle de qualidade na ind. de alimentos
 
Qualif
QualifQualif
Qualif
 
Introdução à ISO 22000
Introdução à ISO 22000Introdução à ISO 22000
Introdução à ISO 22000
 
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000Conceitos e Aplicações da ISO 22000
Conceitos e Aplicações da ISO 22000
 
Iso22000
Iso22000Iso22000
Iso22000
 
Iso 22000
Iso 22000Iso 22000
Iso 22000
 
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leiteGarantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
Garantia da qualidade em abatedouro frigorífico nathalie leite
 
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
Implantacao do-appcc-em-um-laticinio-para-implantacao-da-iso-22000-11014219
 

Destaque

Vendas para quem não nasceu vendedor - Dick Kendall
Vendas para quem não nasceu vendedor  -  Dick KendallVendas para quem não nasceu vendedor  -  Dick Kendall
Vendas para quem não nasceu vendedor - Dick KendallUniversidade do Sucesso
 
Assessoria Técnica Saneantes Líquidos
Assessoria Técnica Saneantes LíquidosAssessoria Técnica Saneantes Líquidos
Assessoria Técnica Saneantes LíquidosJose Carlos Voltan
 
Cartilha saneantes
Cartilha saneantesCartilha saneantes
Cartilha saneantesEveraldo
 
Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2Carima Atiyel
 
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For Men
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For MenPlano de Comunicação para a linha Niely Gold For Men
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For MenRenata Pacheco
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´spapacampos
 
Ana nery indústria de cosméticos e cuidados de higiene
Ana nery   indústria de cosméticos e cuidados de higieneAna nery   indústria de cosméticos e cuidados de higiene
Ana nery indústria de cosméticos e cuidados de higieneJoseval Estigaribia
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeRogério Souza
 

Destaque (12)

Quimica dos cosmeticos
Quimica dos cosmeticosQuimica dos cosmeticos
Quimica dos cosmeticos
 
Vendas para quem não nasceu vendedor - Dick Kendall
Vendas para quem não nasceu vendedor  -  Dick KendallVendas para quem não nasceu vendedor  -  Dick Kendall
Vendas para quem não nasceu vendedor - Dick Kendall
 
Assessoria Técnica Saneantes Líquidos
Assessoria Técnica Saneantes LíquidosAssessoria Técnica Saneantes Líquidos
Assessoria Técnica Saneantes Líquidos
 
Cartilha saneantes
Cartilha saneantesCartilha saneantes
Cartilha saneantes
 
Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2Boas práticas de fabricação 2
Boas práticas de fabricação 2
 
Bpmf Slide Share
Bpmf Slide ShareBpmf Slide Share
Bpmf Slide Share
 
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For Men
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For MenPlano de Comunicação para a linha Niely Gold For Men
Plano de Comunicação para a linha Niely Gold For Men
 
Procedimentos operacionais padrão pop´s
Procedimentos operacionais padrão   pop´sProcedimentos operacionais padrão   pop´s
Procedimentos operacionais padrão pop´s
 
Ana nery indústria de cosméticos e cuidados de higiene
Ana nery   indústria de cosméticos e cuidados de higieneAna nery   indústria de cosméticos e cuidados de higiene
Ana nery indústria de cosméticos e cuidados de higiene
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
 
Cosméticos
CosméticosCosméticos
Cosméticos
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 

Semelhante a Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA

Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...
Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...
Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...Amílcar Duarte
 
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentosRegulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentosAdoilson Amorim Carvalhedo
 
Manual de boas praticas prod mel
Manual de boas praticas prod melManual de boas praticas prod mel
Manual de boas praticas prod melRui Rodrigues
 
Resoluuo rdc27521.10.2002
Resoluuo rdc27521.10.2002Resoluuo rdc27521.10.2002
Resoluuo rdc27521.10.2002Arnaldo15
 
Manual para implementação do REACH
Manual para implementação do REACHManual para implementação do REACH
Manual para implementação do REACHInmetro
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015General Clean
 
Manual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalarManual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalarHigiclear
 
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSAPPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSRegiane Rodrigues
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarGeneral Clean
 
N.Alimento-Portaria nº1428 1.993 responsabilidade técnica
N.Alimento-Portaria nº1428  1.993 responsabilidade técnicaN.Alimento-Portaria nº1428  1.993 responsabilidade técnica
N.Alimento-Portaria nº1428 1.993 responsabilidade técnicavisa343302010
 
1 um modelo de gestao de riscos
1   um modelo de gestao de riscos1   um modelo de gestao de riscos
1 um modelo de gestao de riscosEduardo Sampaio
 
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993Jessika Rayane
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA Larah Oliveira
 
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02Daniel Americano
 

Semelhante a Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA (20)

Guia de microbiologia
Guia de microbiologiaGuia de microbiologia
Guia de microbiologia
 
Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...
Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...
Código de boas praticas de higiene no processamento de citrinos para comercia...
 
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentosRegulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
Regulamento básico de inspeção e sistema de qualidade de alimentos
 
Manual de boas praticas prod mel
Manual de boas praticas prod melManual de boas praticas prod mel
Manual de boas praticas prod mel
 
Resoluuo rdc27521.10.2002
Resoluuo rdc27521.10.2002Resoluuo rdc27521.10.2002
Resoluuo rdc27521.10.2002
 
Manual para implementação do REACH
Manual para implementação do REACHManual para implementação do REACH
Manual para implementação do REACH
 
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
Manual de Higienização Hospitalar Versão 2015
 
Manual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalarManual de higienização hospitalar
Manual de higienização hospitalar
 
Panorama de medidas regulatórias - Abril 2015
Panorama de medidas regulatórias - Abril 2015Panorama de medidas regulatórias - Abril 2015
Panorama de medidas regulatórias - Abril 2015
 
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOSAPPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
APPCC-ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS
 
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção HospitalarManual Higiene e Desinfecção Hospitalar
Manual Higiene e Desinfecção Hospitalar
 
N.Alimento-Portaria nº1428 1.993 responsabilidade técnica
N.Alimento-Portaria nº1428  1.993 responsabilidade técnicaN.Alimento-Portaria nº1428  1.993 responsabilidade técnica
N.Alimento-Portaria nº1428 1.993 responsabilidade técnica
 
Cq cosmetico
Cq cosmeticoCq cosmetico
Cq cosmetico
 
1 um modelo de gestao de riscos
1   um modelo de gestao de riscos1   um modelo de gestao de riscos
1 um modelo de gestao de riscos
 
Trabalho rsa
Trabalho rsaTrabalho rsa
Trabalho rsa
 
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993
Portaria ms n_1428_de_26_de_novembro_de_1993
 
Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006Abnt nbr iso_22000-2006
Abnt nbr iso_22000-2006
 
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
A ATUAÇÃO DO BIOMÉDICO NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA
 
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
Apresentac3a7c3a3o iso-14000-1-130811080258-phpapp02
 
ISO 14000
ISO 14000 ISO 14000
ISO 14000
 

Mais de Intertox Ltda.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTO
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTOUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTO
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTOIntertox Ltda.
 
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014Novas exigências da abnt nbr 14619 2014
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014Intertox Ltda.
 
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?Intertox Ltda.
 
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...Intertox Ltda.
 
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...Intertox Ltda.
 
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anos
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anosO maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anos
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anosIntertox Ltda.
 
27 de janeiro toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon
27 de janeiro  toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon27 de janeiro  toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon
27 de janeiro toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklonIntertox Ltda.
 
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...Intertox Ltda.
 
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015Intertox Ltda.
 
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghs
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghsDiretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghs
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghsIntertox Ltda.
 
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquim
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquimTrabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquim
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquimIntertox Ltda.
 
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)Intertox Ltda.
 
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)Intertox Ltda.
 
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)Intertox Ltda.
 
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)Intertox Ltda.
 

Mais de Intertox Ltda. (15)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTO
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTOUNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTO
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - CARTA DE AGRADECIMENTO
 
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014Novas exigências da abnt nbr 14619 2014
Novas exigências da abnt nbr 14619 2014
 
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?
Toxicologia de Medicamentos: O que é placebo?
 
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...
Transporte de produtos perigosos: Subcomissão de produtos perigosos do alto t...
 
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...
Intertox ministra treinamento Produtos químicos: classificação GHS, rotulagem...
 
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anos
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anosO maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anos
O maior desastre químico da história ainda deixa suas marcas após 30 anos
 
27 de janeiro toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon
27 de janeiro  toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon27 de janeiro  toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon
27 de janeiro toxicologia e história, um triste uso da toxicidade – o zyklon
 
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...
Transporte de produtos perigosos: ABNT NBR 7503 - Nova Emenda - Ficha de Emer...
 
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015
Prazo de implementação do GHS para misturas encerra-se em maio de 2015
 
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghs
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghsDiretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghs
Diretor da intertox realiza palestra na sede do simproquim sobre ghs
 
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquim
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquimTrabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquim
Trabalho desenvolvido pela intertox é apoiado pela abiquim
 
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)
FICHA DE EMERGÊNCIA (Documento gerado pelo SafetyChem)
 
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)
Envelope (Documento gerado pelo SafetyChem)
 
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)
FISPQ (Documento gerado pelo SafetyChem)
 
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)
Rotulo (Documento gerado pelo SafetyChem)
 

Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA

  • 1. Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA Novos regulamentos de Boas Práticas de Fabricação para as indústrias de Saneantes (RDC n°47) e de Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos (RDC n°48), publicados em outubro de 2013 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) já estão em vigor. As normas, publicadas no Diário Oficial da União (DOU) nº 209, de 28 de outubro de 2013, foram alinhadas a outras normas da ANVISA e ao ordenamento jurídico do MERCOSUL. Com a publicação foram revogadas as Portarias 327/97 e 348/97, anteriores à criação da Agência. Além de modernizarem as normas existentes, os regulamentos mudaram a lógica de inspeção ao reorganizarem os tópicos a serem abordados e porem fim ao roteiro de inspeção. O foco é a avaliação do risco e o fortalecimento do gerenciamento da qualidade. Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
  • 2. Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA Segundo a Anvisa, a RDC para a área de saneantes busca normatizar a fabricação, de modo que os fatores humanos, técnicos e administrativos (da fabricação) sejam controlados para prevenir, reduzir e eliminar qualquer deficiência na qualidade dos produtos que possam colocar em risco a saúde e a segurança do usuário. Já a RDC 48/2013, estabelece os procedimentos e as práticas que os fabricantes de cosméticos em geral devem aplicar para assegurar que as instalações, métodos, processos, sistemas e controles usados para a fabricação de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes sejam adequados de modo a garantir a qualidade desses produtos. As empresas fabricantes de Saneantes e Cosméticos têm o prazo de um ano para se adequarem à norma. Neste período, deverão elaborar todos os protocolos e outros documentos necessários para a validação de limpeza, metodologia analítica, sistemas informatizados e sistema de água de processo que já se encontrem instalados. Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
  • 3. Novas normas de boas práticas de fabricação para áreas de saneantes e cosméticos são publicadas pela ANVISA REFERÊNCIA, NOTAS OU LINKS: Para ter acesso à RDC 47/2013 clique aqui. Para ter acesso à RDC 48/2013 clique aqui. Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/wps/content/anvisa+portal/anvisa/sala+de+imprensa/menu+- +noticias+anos/2013+noticias/saneantes+e+cosmeticos+tem++novos+regulamentos+de+boas+pr aticas http://www.crq4.org.br/default.php?p=informativo_mat.php&id=1164 http://www.crq4.org.br/seminario_rdc048_2013 Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br
  • 4. Intertox| www.intertox.com.br | /intertox @intertox_br COMPARTILHE SIGA A GENTE /intertox @intertox_br atendimento@intertox.com.br http://www.intertox.com.br/ CONTATO Intertox: Portal da Toxicologia, Segurança Química e Meio Ambiente