Brasil23 a 08 a de de novembro de 2010 De 30 12 maio de 2011
Facetas do design                      O design tem sim diversas faces, e todas elas                                      ...
Você escutou ultimamente alguém falar que está“Temço”?                          saindo para "tomar uns bons drink" ou rece...
A “Geração Touchscreen” também se cansa das telas.Papel e tesoura                      Já escrevemos sobre o resgate de al...
Quer ser entrevistado por uma grande emissora deJornalismo 3.0                          televisão, rádio, jornal ou revist...
Faz tempo que a internet, em especial as redesRevolta virtual                          sociais, tem sido uma ferramenta ag...
Weekly Report-30 Maio 2011
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Weekly Report-30 Maio 2011

1.830 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.830
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
894
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Weekly Report-30 Maio 2011

  1. 1. Brasil23 a 08 a de de novembro de 2010 De 30 12 maio de 2011
  2. 2. Facetas do design O design tem sim diversas faces, e todas elas aderiram a um padrão estético que amamos: as próprias facetas. Além do efeito visual incrível, a maneira como o objeto se comporta é encantadora. As facetas estão definitivamente na moda, nas mais variadas formas, como sapatos, sofás, objetos de decoração, arte gráfica e até mesmo acessórios para crianças. O estilo ganha ganham um ar “lapidado”, como nas jóias, mesmo que o seu material não seja exatamente nobre. Além da estética, as facetas são funcionais levando em consideração que os tecidos podem se armar e objetos podem mudar de posição constantemente. Imagens ilustrativas
  3. 3. Você escutou ultimamente alguém falar que está“Temço”? saindo para "tomar uns bons drink" ou recebendo o convite para ficar pois "vai ter bolo"? Essas expressões ou evoluções culturais são chamadas de “memes”, ideias propagadas pela internet através de vídeos ou fotos que se expandem para outros meios e criam a febre de um novo vocabulário popular em mídias mais tradicionais e no dia-a-dia da cultura pop. As expressões são criadas por pessoas comuns e populares no Twitter, evoluindo e espalhando-se pela rede de forma orgância e com rapidez. Exemplos dessas "pessoas diferenciadas" são alteregos como @katylene a @hebecamargo e @nairbello do twitter, que sem a presença da repressão moral do super-ego, liberam suas pulsões, entretendo e conquistando a simpatia do grande público Agora "vamos acompanhar" quais serão as novas expressões e novos personagens que irão nos divertir e diversificar, para o bem ou para o mal, o nosso cotidiano. Imagens ilustrativas
  4. 4. A “Geração Touchscreen” também se cansa das telas.Papel e tesoura Já escrevemos sobre o resgate de algumas atividades manuais pelos jovens, como o tricô e a pintura. Mas o que nos chama atenção agora são as atividades feitas com o papel, quase esquecido no dia-a-dia digitalizado. Em Nova York, mais precisamente no Brooklyn, onde a vida criativa parece ter se instalado, uma nova loja tem atraído a atenção dos antenados, de todas as idades: a Dumbelle, inaugurada este mês, traz de volta aquela antiga mania de colecionar bonecas de papel, prontas para serem coloridas de lápis de cor ou canetinha. Tudo à mão. Amantes da moda, crianças e criativos estão voltando ao início de tudo para buscar inspirações diferentes. Um movimento parecido que também reforça a volta papel foi feito pela estilista Adriana Barra, que para lançar sua nova coleção de inverno, enviou um set de papéis estampados com instruções de como fazer origamis de Tsuru para seus clientes. Além disso, há uma enorme variedade de sets de papel para baixar e fazer em casa, como estes do Mibo Studio. O que vale é desligar-se das telas e começar a dobrar e colorir. Imagens ilustrativas
  5. 5. Quer ser entrevistado por uma grande emissora deJornalismo 3.0 televisão, rádio, jornal ou revista e ter os seus segundos (ou minutos) de fama? Agora está mais fácil ser uma fonte para uma matéria jornalística ou trabalhos de marketing. Um novo movimento de twitters como o Ajude um Repórter (@ajudeumreporter) e o Me Entrevista (@me_entrevista) está surgindo aos poucos e começando a ser indispensável para jornalistas e marqueteiros que procuram fontes para suas matérias. Essa ferramenta funciona de maneira simples: quem está procurando uma fonte para seu trabalho, seja ela especialista em algum assunto ou que apenas teve algum problema com a justiça, anuncia nesses Twitters especialistas no assunto. Quem quiser – e se identificar – com o anúncio, pode entrar em contato com o anunciante, torcer para que ele escolha o seu perfil e se preparar para os flashes dos paparazzi. E você, que achava que aquela sua especialização em cães chihuahuas e suas habilidades no corte e costura não fossem ser relevantes um dia, né? Imagens ilustrativas
  6. 6. Faz tempo que a internet, em especial as redesRevolta virtual sociais, tem sido uma ferramenta agregadora; Primeiro simplesmente como ambiente social, depois para compras. O que temos visto recentemente são as pessoas se organizando virtualmente para protestar “no mundo real”. Um exemplo muito recente visto em São Paulo foi o “Churrascão da gente diferenciada”; movimento de repúdio ao cancelamento da construção de uma estação de metrô no bairro de Higienópolis, depois da pressão da associação do bairro frente ao governo. As manifestações e embates ocorridos na Grécia também tiveram origem na internet. Esta semana temos visto manifestações em diversas capitais europeias em solidariedade ao movimento de jovens que acamparam na Plaza del Sol em Madri desde a semana passada com o “Real Democracia YA!”, que protestam contra a má gestão dos reflexos da crise europeia, como o desemprego. Este movimentos são a evidência de que encontramos uma maneira rápida e eficaz de organização para protestarmos contra o que não condiz com o que é justo. Quem disse que os jovens de hoje em dia não se mobilizam, mesmo? Imagens ilustrativas

×