Contextualização do episódio "Inês de Castro"

4.124 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
165
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Contextualização do episódio "Inês de Castro"

  1. 1. D. PeDro I e D. Inês De Castro Picture 4 Picture 2Uma hIstórIa De amor no séCUlo XIV
  2. 2. IDentIfICação D. PeDro Picture 4 Picture 2 D. InêsData de nascimento: 8 de Abril de1320 Data de nascimento: 1325Local de nascimento: Coimbra Local de nascimento: Monforte – Lugo (Galiza)Nome do pai: D. Afonso IV Nome do pai: Pedro Fernandes de CastroNome da mãe: D. Beatriz de Castela Nome da mãe: Aldonça Lourenço de ValadaresData de falecimento: 18 de Janeiro de 1367 Data de falecimento: 7 de Janeiro de 1355Local da morte: Lisboa Local da morte: Coimbra
  3. 3. ePIsóDIos marCantes na VIDa De D. Picture 11PeDro e D. InêsCasamentos De os De Castro D. PeDroO primeiro casamento data de 1328 com D. Branca de Castela, que viria a seranulado por causa da debilidade física e mental da noiva.O segundo casamento realizou-se em 1336 com D. Constança Manuel, princesade Castela. Deste matrimónio resultaram três filhos: D. Luís, D. Maria e D.Fernando. Este casamento ficou marcado pela relação adultera que D. Pedromanteve com D. Inês, uma das aias de D. Constança. Porém, em 1345, 13 diasdepois do parto de D. Fernando, morre D. Constança Manuel.O terceiro casamento terá sido com D. Inês de Castro, com quem D. Pedroafirma ter casado em segredo, anunciando tal situação após a morte da referidadama. Este facto baseia-se na palavra do rei uma vez que não existem registos detal união.
  4. 4. o amor De D. PeDro e D. Picture 2 InêsInês de Castro chegou a Portugal acompanhando o séquito de D. ConstançaManuel, sendo uma das suas aias. A sua beleza encantou D. Pedro e os doisapaixonaram-se. Era uma relação adultera, pois D. Pedro estava casado com D.Constança.Este relacionamento com D. Inês não agradou a D. Afonso IV que, em 1344,mandou exilar Inês no castelo de Albuquerque, na fronteira castelhana. Noentanto, a distância não teria apagado o amor entre Pedro e Inês que, segundo alenda, continuavam a corresponder-se com frequência. D. Constança convidou D.Inês para madrinha do seu segundo filho com o objectivo de afastar o casal, mastal não sucedeu.Quando D. Constança faleceu, D. Pedro mandou Inês regressar do exílio e osdois foram viver juntos para sua casa, o que provocou grande escândalo na corte,para enorme desgosto de El – Rei, seu pai. Começou então uma desavença entre oRei e o Infante.Do relacionamento entre D. Pedro e D. Inês, nasceram quatro filhos: Afonso em1346 (morreu pouco depois de nascer), João, em 1349; Dinis em 1354 e Beatriz em1347.
  5. 5. motIVos qUe leVaram à ConDenação DoO relacionamento entre D. Pedro e D. Inês suscitou forte oposição por relaCIonamentomotivos de ordem moral, religiosa e política:Era uma relação adultera;D. Inês e D. Pedro eram primos em segundo grau;D. Inês era madrinha do segundo filho de D. Pedro com Constança;Receio de que os filhos de D. Inês com D. Pedro viessem a ser considerados herdeiros eafastassem D. Fernando do trono.
  6. 6. assassInato De Inês De CastroInstigado por D. Diogo Lopes Pacheco, Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves, D.Afonso IV ordena a execução de D. Inês de Castro, aproveitando a ausência de D.Pedro.No dia 7 de Janeiro de 1355, em Coimbra, D. Inês é assassinada. Segundo a lenda,as lágrimas derramadas, no rio Mondego, pela morte de Inês teriam criado a Fontedos Amores da Quinta das Lágrimas, e algumas algas avermelhadas, que alicrescem, seriam o seu sangue.A morte de Inês provocou a fúria em D. Pedro que se revoltou contra o pai.Quando subiu ao trono, em 1357, anunciou o casamento com Inês, realizado emsegredo antes da sua morte, e a sua intenção de a ver lembrada como Rainha dePortugal.
  7. 7. atItUDe De D. PeDro aPós a Depois de ter sido coroado rei, De D. Inês dos assassinos de morte D. Pedro capturou doisInês e mandou executá-los (Pêro Coelho e Álvaro Gonçalves) com muitabrutalidade: a um foi arrancado o coração pelo peito e a outro pelas costas.Diogo Lopes Pacheco conseguiu escapar para França e, posteriormente, seriaperdoado pelo Rei no leito da morte. Segundo a lenda, D. Pedro teria feito desenterrar a amada, coroando-a como Rainha de Portugal e obrigou os nobres a procederem à cerimónia do beija-mão real ao cadáver, sob pena de morte.Mandou construir dois túmulos no Mosteiro de Alcobaça, tendo transladadopara um deles o corpo de D. Inês. Juntar-se-ia a ela em 1367 e os restos deambos jazem juntos até hoje, para que, segundo a lenda, «possam olhar-se nosolhos quando despertarem no dia do juízo final.» Túmulo de D. Inês Túmulo de D. Pedro
  8. 8. reInaDo De D. PeDro D. Pedro reinou durante dez anos e foi extremamente popular, ao ponto de sedizer que «taes dez annos nunca houve em Portugal como estes, que reinara El-Rei Dom Pedro.»D. Pedro ficou conhecido como O Justiceiro, O Cruel, O Cru ou O Vingativo. Revelou-se um bom administrador, corajoso na defesa do país contra ainfluência papal( foi ele que promulgou o famoso Beneplácito Régio, queimpedia a livre circulação de documentos eclesiásticos no país sem a suaautorização expressa) e justo na defesa das camadas menos favorecidas dapopulação.
  9. 9. ÁrVore GenealóGICo De D. PeDro D. Afonso IV D. Beatriz de CastelaD. CONSTANÇA D. PEDRO I D. INÊS DE CASTROD. MARIA D. LUÍS D. AFONSO D. D. DINIS D. BEATRIZ JOÃO D. LEONOR TELES D. FERNANDO I Linha legítima Linha ilegítima D. BEATRIZ D. JOÃO I DE CASTELA
  10. 10. Inês De CastroDa triste, bela Inês, inda os clamoresAndas, Eco chorosa, repetindo;Inda aos piedosos Céus andas pedindoJustiça contra os ímpios matadores;Ouvem-se inda na Fonte dos AmoresDe quando em quando as náiades carpindo;E o Mondego, no caso reflectindo,Rompe irado a barreira, alaga as flores:Inda altos hinos o universo entoaA Pedro, que da morte formosuraConvosco, Amores, ao sepulcro voa:Milagre da beleza e da ternura!Abre, desce, olha, geme, abraça e croaA malfadada Inês na sepultura. Bocage

×