e-book Educadores Empreendedores

119 visualizações

Publicada em

Já imaginou em ampliar as suas oportunidades de obter novas fontes de renda? O conhecimento que você possui pode se transformar em um novo negócio de sucesso! Crise? Que crise? Saiba que você é a fonte do seu próprio sucesso!
Neste eBook, você obterá informações que poderão lhe auxiliar no processo para:
- identificar novas oportunidades;
- planejar seu novo negócio de sucesso;
- conhecer o mercado em que irá atuar;
- identificar seus clientes (alvo);
- qual o produto ou serviço a ser lançado;
- inovar e muito mais!
www.inovaclass.com.br

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

e-book Educadores Empreendedores

  1. 1. EMPREENDEDORES Ferramentas e dicas para o seu planejamento de SUCESSO EDUCADORES Inova Class | www.inovaclass.com.br Em tempos de grandes mudanças, identifique oportunidades e desenvolva o seu negócio de sucesso!
  2. 2. SUMÁRIO Apresentação: Educador empreendedor ............................................. 3 Unidade 1: Oportunidades de negócios .............................................. 7 Unidade 2: Planejamento ................................................................... 9 Unidade 3: Oportunidades e ameaças ................................................ 12 Unidade 4: Análise de mercado .......................................................... 16 Unidade 5: Análise do cliente .............................................................. 19 Unidade 6: Inovação ............................................................................ 20 Unidade 7: Objetivos ........................................................................... 21 Unidade 8: Plano de ação .................................................................... 22 Unidade 9: Lançamento de novos produtos ou serviços .................... 24 Unidade 10: Estratégias de marketing Marca ............................................................................... 26 Preço ................................................................................ 27 Distribuição ...................................................................... 28 E-Commerce ..................................................................... 29 Propaganda ...................................................................... 30 Bons motivos para empreender .......................................................... 33 As 10 características do empreendedor .............................................. 34 Conclusão ............................................................................................. 35 Sobre a Inova Class .............................................................................. 36 2
  3. 3. APRESENTAÇÃO: EDUCADOR EMPREENDEDOR Empreendedor é o sujeito que desafia o que é feito, como é feito, impactando a economia. Para o empreendedor, a mudança e o movimento são a norma. A importância e interesse pelo tema empreendedorismo cresceu no mundo todo, desde a década de 1980, devido à dinâmica da economia atual. A globalização exige a inovação constante, como fator de crescimento e sustentabilidade das empresas e dos profissionais. A inovação pode ser relacionada a produtos, serviços, processos ou tecnologia. A constatação de que, cada vez mais, as pessoas se tornam substituíveis nos processos produtivos tradicionais – em decorrência da automação – só faz crescer o interesse pelo assunto. O empreendedor busca sempre a mudança, responde a ela e a explora como uma oportunidade. O sucesso do empreendedorismo depende do conhecimento e da utilização de ferramentas de gestão apropriadas. O sucesso de um empreendimento – citando Thomas Edison – depende 1% de inspiração e 99% de transpiração. 3
  4. 4. APRESENTAÇÃO: EDUCADOR EMPREENDEDOR Boas ideias, muitos as têm, mas capacidade e persistência para colocá-las em prática, apenas uns poucos. Esse é o diferencial do sucesso. Transformar uma boa ideia em realidade exige dedicação de tempo e diversos sacrifícios. A área de educação, tem passado por grandes inovações e mudanças de paradigmas nos últimos anos. A tecnologia foi inserida na sala de aula, as aulas tornaram-se virtuais e a distância. Não são apenas provas comuns que conseguem testar o conhecimento dos estudantes. A última tendência na educação são os educadores empreendedores – você sabe quem são? Além de darem aulas, palestras, treinamentos e desenvolverem futuros profissionais, eles também buscam soluções para melhorar a área em que atuam e oferecem uma nova experiência de aprendizado. Basicamente, são educadores com boas ideias e espírito empreendedor. As tendências no aprendizado podem ser ótimas e solucionar diversos problemas, porém, se não estiverem dispostos a implementá-las, não adianta desenvolver boas ideias. 4
  5. 5. APRESENTAÇÃO: EDUCADOR EMPREENDEDOR Atitudes empreendedoras podem promover mudanças não só nos ambientes empresarial e de sala de aula, mas também na sociedade. Ao ajudar a formar alunos e profissionais mais autônomos, proativos e interessados, estão contribuindo para que esses tenham também um melhor desempenho educacional, profissional e pessoal. O educador empreendedor é pró-ativo, resiliente, tem iniciativa, desenvolve competências e habilidades para criar projetos que promovam a formação, é entusiasmado, otimista, autoconfiante e acredita no potencial dos seus alunos ou colaboradores. Identificar uma oportunidade de negócio é apenas a primeira etapa do ciclo empreendedor. É preciso verificar a viabilidade de aproveitar a oportunidade, obter recursos para sua implementação e gerenciá-la. 5
  6. 6. APRESENTAÇÃO: EDUCADOR EMPREENDEDOR O ciclo empreendedor apresenta as quatro fases necessárias ao sucesso de um empreendimento, expressa nos itens, apresentados a seguir, de 1 a 4. Vejamos: 1 – identificação de oportunidades de negócio - A ação empreendedora pressupõe identificar novas necessidades dos clientes e das formas de atendê-las, prospectar e abordar novos mercados, mudar processos de negócios. Em resumo, pressupõe inovar. 6 2 – avaliação de oportunidades de negócio - Um empreendedor deve desenvolver sua capacidade de compreender necessidades de mercado e identificar formas de atendê-las, muitas vezes, a partir de ideias pouco – ou não – experimentadas. Para a implementação, é necessário compreender a concorrência atual, a necessidade de recursos, os conhecimentos e as parcerias, bem como o esforço – inclusive, pessoal – que será exigido. 3 – elaboração de roteiro de implementação - apresenta a necessidade de desdobrar as análises anteriores em uma sequência viável de etapas de implementação – o denominado plano de negócios. O plano de negócios deve ser a bússola do empreendimento, evidenciando desde sua viabilidade de implementação até a exigência de recursos – sobretudo, financeiros – além daquilo que é esperado em termos de participação de mercado e retorno financeiro. 4 – gerenciamento da implementação - Um plano só é bom se é materializado. Refere-se, à implementação e à necessidade do gerenciamento. Conhecer e aplicar técnicas de gestão é um requisito fundamental nesta etapa. O plano de negócio deve ser acompanhado para avaliar mudanças de rota e identificar a melhor alternativa de ação, compreendendo seus impactos sobre o resultado final.
  7. 7. OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Uma oportunidade de negócio é um ambiente que uma empresa ou um empreendedor individual encontra para ampliar as vendas de seus produtos e serviços. Identificar uma oportunidade de negócio é, certamente, uma das principais características do empreendedor de sucesso. Muitas vezes, se não aproveitamos o tempo da oportunidade, perdemos a própria oportunidade. Um negócio deve ser percebido como a satisfação de uma demanda ou necessidade e como um benefício entregue via determinado produto ou serviço. Identificar oportunidades de negócio é uma questão tão importante para o empreendedor que não pode depender apenas da intuição. É preciso desenvolver um processo sistemático de exploração do ambiente de negócios para identificar essas oportunidades. 7
  8. 8. OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS Identificação de deficiências no atendimento a necessidades atuais - Muitas vezes, pequenas inovações em produtos e serviços que melhoram a forma como um grupo de clientes é atendido podem criar ou ampliar uma fatia de mercado. 8 Mecanismos e estratégias podem ser trabalhados para a identificação de oportunidades de negócio: Importação e imitação - Empreendedores devem sempre estar monitorando o que outras empresas estão fazendo e verificar a possibilidade de introduzir uma inovação em um novo mercado. É possível reproduzir estratégias de sucesso de grandes empresas dentro de um mercado limitado, ou seja, oferecer um produto em um pequeno segmento de mercado. Identificação de benefícios esperados não atendidos - É uma das mais usuais formas de empreendedorismo. Envolve uma mudança de perspectiva do empreendedor. Ao contrário de olhar do ponto de vista do produto ou serviço ofertado, o empreendedor deve compreender como se sente o cliente, o que ele espera. Análise das tendências do ambiente - Devemos observar como estão se modificando os hábitos das pessoas, as inovações tecnológicas, as mudanças econômicas, o ambiente de trabalho, as formas de fazer negócio, o uso de canais de distribuição. Identificação de novas aplicações para produtos atuais - Muitas vezes, a tecnologia disponível em produtos existentes no mercado pode ser aplicada a novas soluções, criando todo um novo mercado. Também soluções utilizadas em uma área, quando transpostas a outras aplicações, podem representar oportunidades de negócio interessantes. Associação de duas ou mais estratégias de identificação de oportunidades de negócio - Normalmente, as estratégias anteriores são usadas de forma conjugada para a identificação de oportunidades de negócio.
  9. 9. PLANEJAMENTO Planejar é uma das funções básicas da administração, que está presente na atividade diária de qualquer gestor de negócio. Planejar é um processo em permanente execução. Um negócio pode sobreviver sem um plano, mas dificilmente sobreviverá sem planejar. No caso da ação empreendedora, o plano assume um papel crítico. O plano ajuda a conter um otimismo, muitas vezes, exagerado do empreendedor quando o empreendedor apenas vê os aspectos positivos do negócio, esquecendo-se de analisar riscos e ameaças. Os planos podem ser divididos em plano estratégico, plano de negócios e plano de marketing. 9
  10. 10. PLANEJAMENTO Visão significa a explicitação do que se idealiza para o negócio. A visão da empresa é seu estado projetado para um futuro. A visão de negócio pode ser formulada a partir de algumas questões-chave, como: - Que tipo de negócio ofereceremos? O que desejamos nos tornar? - Como se afigurará o negócio para nós e para nossos clientes quando atingirmos a visão? - O que queremos que falem de nós como resultado de nosso trabalho? - Quais valores são mais importantes para nós? - De que modo essa visão representa o interesse de nossos clientes e os valores que prezamos? - Qual o papel de cada pessoa nessa visão do futuro? 10
  11. 11. PLANEJAMENTO Missão é a expressão da razão da existência do negócio, é a função que uma empresa ou profissional desempenha para tornar útil sua ação. A missão expressa onde e como uma empresa ou profissional espera obter lucros por meio da prestação de um serviço considerado útil e desejável. Para elaborar sua missão, você deverá responder às seguintes questões... 11 Para elaborar sua missão, você deverá responder às seguintes questões... 1. Negócio: Fazer o quê? Qual o negócio? 2. Cliente: Para quem? Quem é o cliente? 3. Local: Onde será minha / nossa base? 4. Metas: Quais são nossas prioridades? 5. Segmentação: Qual é nossa estratégia de segmentação? 6. Estratégias: Como atingiremos isso? 7. Desafio: Qual é o nosso desafio? 8. Diferencial: Qual é nosso diferencial? 9. Objetivos: Com que finalidade estamos neste negócio? 10. Mercado: Atendemos a que grupos de interesse?
  12. 12. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS As oportunidades são situações ou acontecimentos externos que podem contribuir, positivamente, para o exercício de sua missão e o alcance de sua visão. As ameaças são situações ou acontecimentos externos que podem prejudicar o exercício de sua missão e o alcance de sua visão. Com as tendências, oportunidades e ameaças identificadas, é possível começar a agir. Um plano de negócio detalha o tempo, as atividades para a consecução de um objetivo, mostra sua viabilidade, comunica seus objetivos – o que é fundamental para orientar parceiros, colaboradores, empregados e, principalmente, auxiliar na obtenção de recursos financeiros para a empreitada. Um plano de negócio é, principalmente, um instrumento útil de gestão. Veremos a sua estrutura logo a seguir... 12
  13. 13. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS 13 Uma estrutura básica de um plano de negócio deve conter os seguintes capítulos... 1 - sumário executivo 2 - descrição do negócio 3 - oportunidade de negócio 4 - análise estratégica e de mercado 5 - produtos e serviços 6 - plano de marketing 7 - plano de vendas 8 - plano financeiro 9 - principais riscos do negócio Para mais informações, clique aqui!!!
  14. 14. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS Plano de marketing - Tanto pode estabelecer as ações de marketing para a empresa como um todo quanto aquelas ações específicas do plano de negócios. O plano de marketing deve contemplar tanto o nível estratégico quanto o nível tático. O plano de marketing e vendas deve conter informações sobre as formas por meio das quais a empresa ou os empreendedores pretendem colocar o produto – ou serviço – no mercado, segundo uma estratégia de marketing. Uma estratégia de marketing deve definir os denominados 4Ps – que se referem a: - produto - as características do produto ou serviço; - preço - as políticas de preço – preço no varejo e atacado, políticas de pagamento; - ponto de distribuição/venda - processo de distribuição – Onde será vendido? Quem irá vender? Como irá chegar aos compradores finais?; - promoção - quais serão os mecanismos de promoção utilizados – Haverá propaganda? E descontos?. - O plano de marketing e vendas deve estabelecer os objetivos do negócio e responder às perguntas centrais do empreendimento: Quanto eu quero vender do produto/serviço X para o cliente Y a um preço Z? 14
  15. 15. OPORTUNIDADES E AMEAÇAS O plano financeiro é destinado a registrar as projeções de entrada e saída de dinheiro e controlar o realizado e as provisões. Muitos empreendimentos novos fracassam por um excesso de otimismo do empreendedor. O empreendedor costuma acreditar que os recursos financeiros disponíveis serão suficientes. As pesquisas que buscam entender as razões de insucesso de pequenas empresas mostram que esses motivos são diversos. 15 Os problemas se relacionam, por exemplo... São fatores de sucesso de uma empresa... a sistemas contábeis inadequados o controle de custos e de produção à falta de orçamento de capital; equipamento e tecnologia à provisão para contingências inadequada a linha de produtos a registros inadequados a escolha de fornecedores à falta de planejamento formal o capital à má gestão do dinheiro a qualidade da gerência à inabilidade para lidar com o crescimento o conhecimento da concorrência a empregados indiferentes as promoções
  16. 16. ANÁLISE DE MERCADO É necessário fazer a análise de um mercado para compreender sua atratividade, ou seja, a possibilidade de se realizarem lucros. O importante na segmentação é sua utilidade para definir, com clareza, o foco da atuação do negócio e conseguir mensurar o tamanho do mercado e das oportunidades. Podemos responder a um conjunto de perguntas para escolher a estratégia de atuação em um segmento: 16 Como delimitamos o segmento de mercado em que vamos focar? Qual é nossa vantagem competitiva nesse segmento de mercado? Qual é o tamanho daquele mercado? Qual o seu potencial? Qual é a participação dos concorrentes naquele mercado, ou seja, a que parcela cada um atende no total? Quais são as características dos consumidores e do processo de compra? Quem são, como compram, com que frequência, o que valorizam no atendimento, como preferem pagar?
  17. 17. ANÁLISE DE MERCADO É fundamental conhecer os concorrentes no âmbito do empreendimento e entender suas estratégias de atuação. A análise da concorrência pode ser dividida em três passos: 1 - Identificar os principais concorrentes do empreendimento. 2 - Levantar informações sobre esses concorrentes. 3 - Identificar e descrever as estratégias dos concorrentes. 17 Para ser coerente, é preciso definir as possíveis oportunidades e ameaças. A matriz SWOT facilita a visualização da situação do empreendimento e as análises das estratégias a serem adotadas. Os objetivos da análise SWOT são esclarecer como os movimentos são percebidos no mercado – oportunidades e ameaças. Definir quais são as principais capacidades e fraquezas que permitem o negócio atuar nesse mercado – seus pontos fortes e fracos.
  18. 18. ANÁLISE DE MERCADO A força ou o ponto forte é uma característica interna que facilita o exercício de sua missão e o alcance de seus objetivos. A fraqueza ou ponto fraco é uma deficiência interna, capaz de prejudicar o exercício da missão e o alcance dos objetivos do negócio. Podemos analisar também os cruzamentos entre as principais ameaças e os principais pontos fracos, identificando as estratégias para minimizar seus efeitos entre as maiores oportunidades e os maiores pontos fortes, formas de aproveitá-los. 18 Avaliar as forças e fraquezas de um negócio é realizar o diagnóstico interno que ajuda a entender que tipos de estratégias podem ser realizadas. Desenvolver o diagnóstico do ambiente interno é responder, fundamentalmente, às seguintes perguntas... Quais são os recursos de que dispomos para desempenhar bem a missão e atingir os objetivos? Quais são as capacidades e competências que precisamos desenvolver? Que características internas possuímos que podem ser identificadas como forças ou fraquezas? Quais são as principais causas das forças e fraquezas? Como está o desempenho interno em relação ao desempenho da concorrência?
  19. 19. ANÁLISE DO CLIENTE O ponto de partida de qualquer análise do cliente é determinar quem usará o produto ou serviço e identificar todas as suas possíveis características. Devemos distinguir a pessoa que realmente compra e aquele que o utiliza. O potencial de mercado baseia-se no indivíduo ou na empresa para quem o produto se destina. Exemplificando, embora muitas mulheres comprem roupas para homens, o potencial de mercado de roupas masculinas é determinado pelo número de usuários homens e não pelo número de mulheres que compram. 19 Informações sobre o estilo de vida do cliente também podem ser usadas na estratégia de vendas, como os tipos de exercícios e lazer nos quais o usuário está interessado. Devem ser coletados nomes e cargos das pessoas que influenciam a decisão de compra e informações sobre os concorrentes da empresa. Produtos e serviços, em sua maioria, são comprados para atender a uma necessidade. Conhecer essa necessidade pode melhorar o grau de exatidão das estimativas relacionadas ao potencial de mercado e às previsões de vendas.
  20. 20. INOVAÇÃO Os negócios sejam grandes, médios ou pequenos, vivem uma época difícil e complexa em função: - das incertezas econômicas globais; - de uma concorrência maior e mais acirrada; - do ciclo de vida mais curto dos produtos; - de altos custos operacionais. Essas pressões resultam, fundamentalmente, no enxugamento das margens de lucro dos negócios. No limite, a maioria das empresas está apenas preocupada em chegar ao final do mês, do trimestre. 20 Não será essa simples preocupação com os resultados de curto prazo que garantirá a perpetuidade dos negócios de forma sustentável. É fundamental empreender e inovar, buscando, constantemente, a diferenciação. A prática da inovação, no entanto, é uma tarefa difícil, pois adotar uma postura inovadora pressupõe a disposição de romper com algumas barreiras – os famosos paradigmas estabelecidos. Ser inovador é trazer para si a administração de conflitos, o que nem sempre é muito agradável para alguns.
  21. 21. OBJETIVOS Vencida a etapa de reflexão e análise do contexto de negócios, temos a etapa de definição dos objetivos. Objetivos são resultados quantitativos e qualitativos que precisamos alcançar em prazo determinado. Os objetivos devem estar alinhados pelos principais referenciais estratégicos da organização, isto é, as diretrizes estratégicas, a análise ambiental e o estudo de cenários. Do ponto de vista da organização, dois tipos de objetivos são encontrados: - objetivos financeiros; - objetivos estratégicos. 21 Os objetivos financeiros são importantes porque um desempenho financeiro aceitável é fundamental para manter a vitalidade e assegurar os recursos de que organização precisa para sobreviver no curto prazo. Os objetivos estratégicos servem para induzir esforços gerenciais para reforçar o que a organização deve fazer hoje a fim de conquistar uma posição competitiva no longo prazo. Os objetivos devem ser claros, e mensuráveis quantitativa e qualitativamente ter perspectivas realistas, porém desafiadoras e possuir temática coerente.
  22. 22. PLANO DE AÇÃO O plano de ação é uma ferramenta significativa no processo de desdobramento, organização e execução da estratégia. O plano de ação é formado por um conjunto de objetivos gerais, estabelecidos em função da missão, os quais, por sua vez, são desdobrados em estratégias. Cada estratégia sinaliza como o objetivo deve ser atingido, qual o prazo de início e término, quem é o responsável por sua execução e quais os recursos necessários para implantação. 22 O processo de formulação do plano de ação visa: - conscientizar, envolver e treinar as pessoas ligadas ao problema ou tarefa; - estabelecer, com clareza, os novos padrões, por meio de documentação que se torne base de avaliação confiável; - definir, com clareza, autoridade e responsabilidade daqueles envolvidos no processo; - identificar a adequação dos equipamentos, dos materiais, do ambiente de trabalho; - monitorar os resultados.
  23. 23. PLANO DE AÇÃO 23 Para uma rápida identificação dos elementos necessários a sua implementação, o plano de ação pode estruturar-se por meio da ferramenta 5W2H, que significa: What? O que será feito? Determinamos os objetivos. Who? Quem fará o quê? Definimos quem será o responsável pelo planejamento, pela avaliação e pela realização dos objetivos. When? Quando será feito o quê? Estabelecemos os prazos para planejamento, avaliação e realização dos objetivos. Where? Onde será feito o quê? Determinamos o local ou espaço físico para os diversos objetivos propostos. Why? Por que será feito o quê? Formulamos quais são os indicativos da necessidade, da importância e da justificativa de se executar cada objetivo. How? Como será feito o quê? Planejamos os meios para a execução, avaliação e realização dos objetivos. How much? Quanto custará o quê? Levantamos os esforços e os custos para a realização dos objetivos.
  24. 24. LANÇAMENTO DE NOVOS PRODUTOS OU SERVIÇOS A seguir, um roteiro básico das etapas do processo de lançamento de um produto ou serviço, segundo uma adaptação à proposição de Kotler. O roteiro das etapas do processo de lançamento do produto é composto de oito etapas... - geração de ideias; - análise e triagem; - desenvolvimento do conceito e testes; - desenvolvimento das estratégias de marketing; - análise do negócio; - desenvolvimento do produto; - teste de mercado; - comercialização. 24 O processo de desenvolvimento de novos produtos ou serviços se inicia com a geração de ideias. Diversas técnicas podem ser utilizadas para a geração de novos produtos/serviços. Entre elas, destacam-se a listagem de atributos, a análise e a identificação da necessidade ou do problema.
  25. 25. LANÇAMENTO DE NOVOS PRODUTOS OU SERVIÇOS Uma das técnicas mais conhecidas de geração de ideia é o brainstorming. A proposta é que em, no máximo, cinco sessões rápidas de brainstorming, consigamos estruturar uma ideia para a decisão de sua seleção. Os cinco passos para o brainstorming são: 25 No teste de conceito, a empresa se propõe a avaliar as dimensões de: - comunicabilidade e credibilidade; - nível de necessidade; - nível de lacuna; - valor percebido; - intenção de compra; - clientes-alvo, com suas ocasiões e frequências de compras. identificação de requisitos do cliente; determinação de requisitos do produto/serviço associados a essas necessidades dos clientes; descrição da ideia do produto; coleta de dados sobre essa ideia para suportar sua decisão; desenvolvimento para a apresentação e tomada de decisão.
  26. 26. MARCA 26 Marca é um nome, uma designação, um sinal, um símbolo ou uma combinação desses. Ela tem o propósito de identificar bens ou serviços de um vendedor ou grupo de vendedores e de diferenciá-los de concorrentes. Mais do que uma promessa, uma marca é um símbolo que carrega seis níveis de significado... Atributos - Uma marca traz à mente certos atributos. A Mercedes sugere automóveis caros, bem construídos, de boa engenharia, duráveis e de alto prestígio. Benefícios - Os atributos devem ser traduzidos em benefícios funcionais e emocionais. O atributo durável poderia traduzir o benefício funcional – não terei que comprar outro carro por muitos anos. O atributo caro significa o carro me faz sentir importante, admirado. Por que pagar R$ 200 por uma camiseta de marca se podemos comprar uma num mercado por R$ 15? Valores - A marca também diz alguma coisa sobre os valores da empresa. Um terno Armani significa elegância, status, poder. Cultura - A marca pode representar aspectos de uma certa cultura. Quer coisa mais francesa do que um champanhe?
  27. 27. PREÇO O preço impacta no nível de vendas e na margem de contribuição pela qual o produto ou serviço é responsável. Fundamentalmente, ele determina a posição estratégica do produto ou serviço no mercado. Para determinarmos o preço de nosso produto, devemos ponderar sobre: - o que, de fato, nossos clientes estão comprando – valor percebido? - quais são suas opções competitivas? - o quanto eles estão dispostos a pagar por nosso produto? 27 O verdadeiro desafio é elaborar um produto ou serviço que ofereça um pacote de benefícios reconhecido pelos clientes como desejável.Quando o objetivo da empresa é a lucratividade, o preço é estipulado em função da estrutura de custos e da estimativa de demanda do mercado. O preço é o melhor instrumento para posicionar a imagem desejada da organização nos casos em que os objetivos dela sejam criar ou manter uma imagem de qualidade superior à concorrência ou oferecer produtos exclusivos. O preço do produto deve ser suficientemente alto para que cubra: custo total = custos fixos + custos variáveis de produção e de comercialização.
  28. 28. DISTRIBUIÇÃO 28 Distribuição é a função de marketing responsável por fazer com que nossos clientes tenham, de fato, acesso a nossos produtos e serviços, de forma eficiente e eficaz. No que tange à distribuição, as empresas buscam garantir que seus produtos estejam disponíveis em quantidade, sortimento e no momento exato que seus consumidores desejarem. A distribuição pode ser: - direta – quem produz o produto também o vende; - indireta – quem produz o produto comercializa-o por meio de intermediários.
  29. 29. E-COMMERCE O comércio eletrônico aumentou as chances de fechar negócios das empresas, pois tornou o processo de venda mais rápido, reduzindo os custos e estimulando a competitividade. O e-commerce incrementou a comunicação do negócio e facilitou a participação da empresa no mercado. Isso ocorreu, uma vez que ficou mais fácil ter contato com clientes, fornecedores e distribuidores. As tecnologias estão avançando e aproximando-se, cada vez mais, dos consumidores. O comércio eletrônico significa redução de custos. Isso ocorre porque elimina-se as figuras dos distribuidores, atacadistas e varejistas. A redução dos custos intermediários permite que as empresas ofereçam preços mais competitivos. 29 O e-commerce possui inúmeras vantagens... menor investimento inicial em relação às lojas que necessitam de um espaço físico; possibilidade de alcance de um público maior; funcionamento ininterrupto, 24 horas por dia; possibilidade de oferecimento de serviços personalizados conforme as características do consumidor; possibilidade de contato direto entre empreendedor e cliente; possibilidade de um grupo pequeno de funcionários atender um altíssimo nível de demanda por meio de tecnologias e sistemas.
  30. 30. PROPAGANDA A propaganda, por sua vez, é uma técnica paga de comunicação de massa ou não cujas finalidades são... - fornecer informações; - desenvolver atitudes; - provocar ações benéficas para os anunciantes. Geralmente, a intenção é vender produtos ou serviços. A propaganda serve para realizar as tarefas de comunicação de massa com economia, velocidade e volume maiores que os obtidos por meio de quaisquer outros meios. A melhor maneira de acabar com um mau produto é fazer uma boa campanha de propaganda. 30 O trabalho de planejamento em propaganda divide-se em seis grandes etapas... - determinar objetivos de propaganda; - definir público-alvo; - alocar verba; - desenvolver campanha; - planejar veiculação; - mensurar.
  31. 31. PROPAGANDA Em outras palavras, o papel da campanha de propaganda é... - captar a atenção; - despertar o interesse na mensagem; - levar à experimentação. A propaganda eficiente é aquela que faz com que as marcas sejam presença constante na mente das pessoas. Com, relativamente, pouco dinheiro, pequenos negócios podem desenvolver... - material impresso; - websites; - peças para ponto de venda; - eventos para demonstrar produtos ao cliente. 31 O cliente é uma força indispensável para a empresa. Ele é o alvo de seus produtos e serviços, e deve sentir-se plenamente atendido. O cliente deve perceber que o preço a ser pago é justo e que os produtos e serviços correspondem à qualidade esperada. Em resumo, a boa comunicação deve... • chamar a atenção do público; • destacar o melhor do produto; • indicar onde o potencial cliente pode adquiri-lo – telefone, endereços; • ser inteligente na argumentação e bonita na forma.
  32. 32. PROPAGANDA 32 O cliente é uma força indispensável para a empresa. Ele é o alvo de seus produtos e serviços, e deve sentir-se plenamente atendido. O cliente deve perceber que o preço a ser pago é justo e que os produtos e serviços correspondem à qualidade esperada. Um bom anúncio contém os seguintes elementos... • bom título – atrai e prende a atenção logo de saída; • bom significado – leva a mensagem correta, posicionando o produto; • impacto – chama a atenção, destaca-se dos demais; • diferenciação – não se parece com os da concorrência; • destaque para o produto – esse é o foco; • simplicidade – é fácil de ser entendido por qualquer pessoa; • credibilidade – ganha a confiança do consumidor; • originalidade – diz as mesmas coisas de forma diferente; • informação relevante – informa onde comprar, facilidades; • objetividade – mostra exatamente aquilo que o público precisa saber; • promessa básica – justifica o que o consumidor ganhará adotando seu produto; • justificativa – explica de que forma é possível esse ganho; • verdade – nem a promessa nem a justificativa podem ser falsas; • emoção – quem compra produtos é gente como a gente; • argumentação inteligente – argumentos articulados; • beleza – nossos olhos são atraídos por fotos e desenhos mais bonitos.
  33. 33. BONS MOTIVOS PARA EMPREENDER 33 Por que empreender? Você pode trabalhar sozinho(a) ou criar a sua própria empresa; É possível ter um negócio próprio e legalizado a baixo custo; A sua experiência, o seu conhecimento, podem se transformar numa ótima fonte de valorização para sua imagem e rendimentos financeiros; De acordo com seu plano, o seu negócio pode ser parcialmente ou totalmente pela internet; Você pode gerenciar o seu negócio conforme a sua disponibilidade pessoal; Você pode contribuir para um enriquecimento pessoal e social; Você pode conciliar com seu trabalho atual, até tornar o negócio sustentável; É possível obter prazer e bons lucros com um novo negócio – basta você encontrar o segmento que mais lhe agradar e criar um plano para alcançar seu objetivo.
  34. 34. AS 10 CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR 34 Boas ideias: Ter boas ideias é comum a muitas pessoas, mas a diferença está em colocá-las em prática. O empreendedor é aquele que faz as coisas acontecerem; Paixão: Entusiasmo e paixão pelo que se faz são as principais características de um empreendedor; Objetividade: O empreendedor tem foco e por isso consegue escolher entre várias alternativas, sem ficar pensando no que deixou para trás; Conhecimento: O empreendedor tem profundo conhecimento daquilo que quer e daquilo que faz e se esforça continuadamente para ampliar esse conhecimento; Tenacidade: O empreendedor não desiste. Ele é tenaz e segue sempre em frente; Autoconfiança: Sem ela não se vai longe. Por isso, o empreendedor acredita na sua própria capacidade e força; Senso de aprendizado: Fracassos? Não. Para o empreendedor todas as experiências servem como aprendizado; Imaginação positiva: O empreendedor faz uso da imaginação sempre para se ver como um vencedor; Visão: O empreendedor tem a visão de vários cenários pela frente e com isso busca criar várias alternativas para vencer; Proatividade: “Fazer acontecer” é o espírito do empreendedor. Ele nunca se vê como “vítima”, mas sim como um realizador e modificador de realidades. Está faltando em você ou em sua equipe alguma dessas características? Então busque desenvolvê-las, sem desistência e nem desculpas!
  35. 35. CONCLUSÃO Gostou das informações? Está preparado para desenvolver o seu novo negócio? Tem escutado muito sobre crise? E daí? Que crise é essa? Podemos decidir não entrar em crise? Acreditamos que sim! Este é o momento de mudar, projetando novas possibilidades e identificando oportunidades. Inovar é preciso e todos temos esta capacidade! 35 Se você faz sempre a mesma coisa, os resultados serão sempre os mesmos! Depois de uma tempestade, as nuvens se desfazem e um novo dia surge ensolarado. Alguns choram e reclamam da crise, porque em algum momento ganharam mais no passado. Decida mudar e investir no seu potencial! Citando um comentário de Nizan Guanaes “enquanto uns choram, eu vendo lenços”. Vamos vender lenços!!!
  36. 36. SOBRE A INOVA CLASS A Inova Class surge no mercado tendo como foco o oferecimento de cursos, treinamentos e soluções educacionais. Mais que isso, com ideias inovadoras que agregam a esse novo perfil educacional que envolve o uso das tecnologias da informação, por meio da Internet. Nossa proposta é que além de compartilhar o conhecimento, oferecendo valor à sociedade, também oferecemos uma excelente oportunidade de negócio para os nossos clientes. 36 GOSTARIA DE INFORMAÇÕES ADICIONAIS? Não deixe de entrar em contato conosco, clicando aqui! Podemos lhe ajudar em seus planos! Já imaginou em ter seu próprio negócio online de sucesso, com tudo estruturado para que você possa se promover e vender ? Baixe a apresentação da nossa solução, clicando aqui! CURTA E COMPARTILHE! NOS ACOMPANHE! Se você gostou deste e-book, curta nossa página no Facebook e compartilhe com outras pessoas. Receba nossos e-books e outras novidades. www.inovaclass.com.br | (21) 3576-8640 | Whatsapp (21) 98812-8216

×