CAPÍTULO 19

FILOSOFIA
Fenomenologia
Fenomenologia
Facticidade
(iminência)

Transcendência

É a dimensão pela qual o ser
humano executa o movimento
de ir além ...
Maurice Merleau-Ponty(1908-1961)
 Ele relaciona a liberdade

à compreensão do corpo
entendido como condição
de nossa expe...
 Para ele, não tenho o

corpo, mas sou meu corpo,
ou seja, meu corpo não é
um objeto no mundo, mas é
aquilo pelo qual o m...
 concretamente o sincronismo entre

sua vida e a vida dos operários e a
comunidade de seus destinos. [...] O
espaço socia...
Jean-Paul Sartre
 Ele afirma que

pelo engajamento,
envolvimento, que
a liberdade deixa
de ser imaginária,
porque o indiv...
A existência precede a
essência
Para Sartre no caso do ser humano é ao
contrario do que ocorre com as coisas e
animais.

....
 Angústia e má-fé
 Liberdade e
responsabilidade
Liberdade e
responsabilidade
Mas se verdadeiramente a existência precede a essência, o
homem é responsável por aquilo que ...
Obrigada!
 Colégio Estadual Argemiro Antônio de








Araújo
I Bimestre
Disciplina: Filosofia
Prof.º: Toninho
Al...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Filosofia: Fenomenologia

906 visualizações

Publicada em

Aqui vamos tratar da fenomenologia no pensamento filosofico fixando os pensadores.
Obrigada...
Ingrit Silva Sampaio

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Filosofia: Fenomenologia

  1. 1. CAPÍTULO 19 FILOSOFIA Fenomenologia
  2. 2. Fenomenologia Facticidade (iminência) Transcendência É a dimensão pela qual o ser humano executa o movimento de ir além dessas determinações, não para negá-las, mas para lhe dar um sentido É a dimensão de “coisa” que todo ser humano tem, é o conjunto das suas determinações.
  3. 3. Maurice Merleau-Ponty(1908-1961)  Ele relaciona a liberdade à compreensão do corpo entendido como condição de nossa experiência no mundo, e o mesmo desfez a idéia tradicional de que de um lado existe o mundo dos objetos, do corpo, da pura facticidade e, do outro, o mundo da consciência e da subjetividade da transcendência.
  4. 4.  Para ele, não tenho o corpo, mas sou meu corpo, ou seja, meu corpo não é um objeto no mundo, mas é aquilo pelo qual o mundo existe para mim. Por isso o corpo não é uma coisa que está no espaço e no tempo, por que ele “habita o espaço e o tempo”
  5. 5.  concretamente o sincronismo entre sua vida e a vida dos operários e a comunidade de seus destinos. [...] O espaço social começa a se polarizar, vê-se surgir uma região dos explorados. [...]A classe se realiza, e dizemos que uma situação é revolucionaria quando a conexão que existe objetivamente entre as partes do proletariado [...] é enfim vivida na percepção de um obstáculo comum á existência de todos.
  6. 6. Jean-Paul Sartre  Ele afirma que pelo engajamento, envolvimento, que a liberdade deixa de ser imaginária, porque o indivíduo compromete-se na ação.
  7. 7. A existência precede a essência Para Sartre no caso do ser humano é ao contrario do que ocorre com as coisas e animais. ...o homem primeiramente existe, se descobre, surge no mundo; e que só depois se define. O homem, tal como o concebe o existencialista, se não é definível, é porque primeiramente não é nada. Só depois será alguma coisa e tal como a si próprio se fizer. Assim, não há natureza humana, visto que não há Deus para a conceber. O homem é, não apenas como ele se concebe, mas como ele quer que seja, como ele se concebe depois da existência, como ele se deseja após este impulso para a existência;o homem não é mais que o que ele fez. Tal é o primeiro principio do existencialismo.
  8. 8.  Angústia e má-fé  Liberdade e responsabilidade
  9. 9. Liberdade e responsabilidade Mas se verdadeiramente a existência precede a essência, o homem é responsável por aquilo que é. Assim, o primeiro esforço do existencialismo é o de pôr todo o homem no domínio do que ele é e de lhe atribuir a total responsabilidade de sua existência. E, quando dizemos que o homem é responsável por si próprio, não queremos dizer que o homem é responsável pela sua restrita individualidade, mas que é responsável por todos os homens. [...] Com efeito, não há dos nossos atos um sequer que, ao criara o homem que desejamos ser, não crie ao mesmo tempo imagem do homem como julgamos que deve ser. [...] Se a existência, por outro lado, precede a essência e se quisermos existir , ao mesmo tempo que construirmos a nossa imagem, esta imagem é valida para todos e para toda nossa época. Assim, a nossa responsabilidade é muito maior do que poderíamos supor, por que ela envolve toda a humanidade.
  10. 10. Obrigada!  Colégio Estadual Argemiro Antônio de        Araújo I Bimestre Disciplina: Filosofia Prof.º: Toninho Aluna: Ingrit Silva Sampaio Série: 2º ano H Data: 12/02/2014 Dia da semana: quarta feira

×