SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
PROBLEMAS COMUNS DA
INFÂNCIA
Alessandra Marques- CFBS
Gleida Pêgo -CFAAN
IDENTIFICANDO A CRIANÇA
GRAVE
AIDIPI neonatal (2m) :
-Está mamando no peito? Está vomitando?
-Febre?
-Letargia ou Irritabilidade?
-Apresentou convulsao?
-Gemido ou Sibilancia?
-Distensao abdominal
- Sangramento? Equimose, Petéquia ou Hemorragia
-Enchimento capilar >2s
-Peso < 2000g
-Ictericia < 24hs de vida
-Secrecao purulenta do ouvido, conjuntiva (edema) ou umbigo?
IDENTIFICANDO A CRIANÇA GRAVE
-Ha sinais de esforço espiratorio?
Tiragem subcostal
Retracao furcula esternal
Batimento de asa de nariz
Cianose central
-Frequencia respiratoria:
2m: 60
2m-1a: 50
1a-4a:40
5a: 20
-Frequencia cardiaca (bpm):
Rn: 160
2m a 2a: 120
3a a 6a: 100
7a a 11a:90
OTITES
OMA
-30% IVAS em <3a
-Diferenciar entre OMA e OME.
-Febre+ otalgia
irritabilidade
IVAS
- Uso de ATB: otite bilateral, <6m, Tax >39, sem possibilidade
de follow up,
(Dose dobrada de ATB)
Amoxacilina- 50mg/kg/dia, 12/12hs, 7d.
Clavulin- 50-90mg/kg/dia, 12/12, 7d.
DOENCAS RESPIRATÓRIAS
O meu filho está com...
-Nunca banalizar a queixa!!!
-Proceder a coleta de dados e ex. fisico sistemático
‘’ muita tosse`` ``ta resfriado``
``cheio de catarro no pulmão’’
`` o nariz ta entupido``
``o catarro ta verde!``
SISTEMATIZANDO O MEU EXAME
-Dados da história:
quais sintomas;início;
tempo de duração;
entender bem a evolução;
presença de febre;
padrão alimentar;
hábitos fisiológicos
-NÃO examinar: ao choro, em
decubito, enquanto mama
- Criança maior: pedir para
tossir!
- Frequências respiratória e cardíaca
-Saturação O2: >92%
cianose
- Esforco batimento de asa de nariz,
retracao furcula
tiragem subcostal
-AR estertoracao
roncos grosseiros
sibilos
ronco de transmissao
MINHAS PRINCIPAIS HIPÓTESES
PNEUMONIA
Febre,taquipneia, sinal de esforco,
tosse,taquicardia,estertor (roncos)
ATB (idade) :amoxacilina ou
macrolideo (>5a)
Atencao aos a criterios de
internação
Intervalo curto entre revisões
BRONQUIOLITE
Sazonal,
Febre, tosse, sibilancia,
Tto suporte: antitermico, O2,
Controverso- NBZ fenoterol
corticoesteroide
Intervalos entre revisões
AVAL. NIVEL SECUNDARIO/ INTERNAÇÃO:
<6m, Sat O2 < 92%, taquipneia, sinal de esforco, letargia,
desidratacao, falha a terapeutica, imunodeficiencia, dificuldade
de organizacao familiar (BQL- prematuro, dca cardiopulmonar)
FEZES DO RECÉM NASCIDO
-Mecônio: ate o 3º dia de vida
-Frequencia >10x/dia
-Consistencia: Amamentada X Leite de vaca
Como diferenciar da diarréia?
Nesta idade, diarréia costuma ser bacteriana. Além dela tambem
haverá: febre, distensao , perda de peso, desidratacao, odor fetido.
A CRIANCA ESTÁ COM DIARRÉIA?
Há quanto tempo?
N episodios? (>4)
Há sangue ou muco nas fezes?
OBSERVAR:
-Condição geral da criança: Letargia ou Irritabilidade
- Avaliar hidratação: olhos, língua, sinal da prega
-Oferecer líquidos à criança
⚫ Não consegue beber.
⚫ Bebe avidamente, com sede?
HIDRATACAO (EV ou VO) + AMAMENTAÇÃO
CONSTIPAÇÃO INTESTINAL
IMPORTANTE:
• Desvincular a ideia de Intervalo
• Associar ao aspecto das fezes
• Hábito Intestinal
• Entender o que é Constipacão
Funcional
COMO AVALIAR:
• Exame fisico detalhado
• Distensão abdominal
• Fezes endurecidas no abdome
• Fissuras anais
• Localizacao do anus
• Toque retal (5º dedo ou sonda)
• Avaliar Crescimento: mostrar a
familia no cartão - ganho de peso e
altura.
• Alimentacão Mista: incentivar suco
de fruta (ameixa, pera ou maca
• NÃO orientar uso de óleo mineral,
laxativo ou enema
• Preservar uso de supositório de
glicerina
Atenção : AM + fezes duras+
volumosas +distensão
CÓLICAS DO LACTENTE
Quando pensar em cólica?
``Episódios repetidos de choro e irritação em intensidade suficientes para
causar dificuldade e apreensao familiar``
→Comum! Mas, sem causas estabelecidas!
1) alergia ao leite de vaca? intolerancia a lactose? excesso de gases?
2) Pouco vínculo mãe- bebe?
3) choro extremo da criança?
4)entidades clinicas de dificil diferenciacao
CÓLICAS DO LACTENTE
Tratamento: Empirico.
Retirar leite de vaca da mae (complementacao calcio)
Retirar ovos, trigo, nozes e frutas citricas
Indicar uso de chá (cuidado com amamentacao exclusiva)
Nao esta indicado: antiespasmódico, analgesico, supositorio.
IMPORTANTE: Orientação aos pais- desaparecem nos primeiros meses, não
deixam sequelas!
Anamnese e exame fisico detalhados: diagnostico de exclusao!
Afastar: ITU, RGE, otoscopia, lesões cutâneas…
MONILÍASE ORAL
• “Sapinho”: placas esbranquicadas, halo hiperemiado.
• Contaminação: canal do parto, mãos contaminadas, bicos de mamadeira e
chupetas- C. albicans
• Área acometida: língua, lábios, gengiva, bochechas
• Diagnostico clinico.
• Tratamento: nistatina- 1ml/ 6hrs, 7dias.
miconazol gel- 4x/dia, 7dias ( se resistência)
• Tratar a mãe?- Inspecionar as mamas
• Recorrencia ou dificil tratamento: imunodeficiencia?
PROBLEMAS DA PELE
-Descamação da pele do Rn :
furfuracea.
- pós maduro
-resolução espontânea (2 semanas)
- Atentar a bolhas e exsudacao
MILIÁRIA: ‘’brotoejas’’
-Áreas de calor
-Protejer do calor
solucao acetato de aluminio (maceração)
tratar infecção secundária (bact. ou fungo)
DERMATITE SEBORREICA
- Fungo Malassesia furfur
-Em geral ocorre no 1 ano de vida
-Exantema eritematoso oleoso: areas com concentracao de gl.
sebaceas
- Inicia em couro cabeludo, dispersando por face, retroauricular
- Conduta expectante- autolimitada
-Recorrência: oleo vegetal pela noite - remocao das crostas pela
manha
IMPETIGO
BOLHOSO
S. aureus
Rn face e periumbilical
Pouco sinal sistemico
Cefalexina ou clavulin-
90mg/kg/dia,12/12,10d
NAO BOLHOSO
S. pyogenes
MMII
Precedido por cocadura, picada
Pen.benzatina 50.000UI
Contagioso
Macula eritematosa- bolha ou vesicula- secrecao amarela- crosta
15 dias: remissao espontanea
Tto Topico: tirar bolhas e vesiculas- agua quente e sabao +
neomicna- ate cicatrizacao
Higiene do cuidador
Tto sistemico: lesao extensa ou sinal sistemico
BOLHOSO E NÃO BOLHOSO
DERMATITE DAS FRALDAS
- Área acometida: úmida e quente!
-Como ocorre? contato com urina e fezes + maceração da pele + infecção
secundária (C.albicans)
-Dermatite em ‘’W’’
-Afecções: irritação primária
dermatite de contato alérgica
dermatite atópica
dermatite seborréica
impetigo bolhoso
psoríase
sifilis congênita
SÍFILIS CONGÊNITA IRRITATIVA PRIMÁRIA
-Deixar sem fralda
-Trocar com frequência
-Sabão Neutro
-Acetato de alumínio 1:30
Eritema
-Principal diag diferencial!
-Lesoes que nao melhoram
-Mácula, papula, bolha + erosões
-Palma da mão, planta dos pes
CANDIDOSE CONTATO ALÉRGICA
Descamação leve
Incomum <2a
Creme de barreira+ retirar alérgeno
Borda bem delimitada
Miconazol- 10d
DERMATITE SEBORRÉICA DERMATITE POR PSORÍASE
Lesao gordurosa
Couro cabeludo, face, pescoco
CE tópico
1a de vida: inicia em area da fralda
Descamacao intensa
Cotovelo, joelho
RGE- REFLUXO GASTROESOFAGICO
• Caracterizado por retorno de conteúdo gastrico para o esôfago,
com ou sem regurgitação (sem esforco, pós prandial, ruminacao).
• Como se apresenta?
Lactente: refluxo e/ ou vomito.
Pre escolares e Escolares: epigastalgia e pirose
• 50% : epsiodio diario ate os 3m.
• Ansiedade dos pais = maior N de consultas.
• 100% resolucao espontanea ate os 18m (sem sequelas).
DRGE
-IMPORTANTE: sempre diferenciar →DRGE.
-DRGE (1:300) : refluxo + baixo ganho pondero- estatural
esofagite
sintomas respiratorios persistentes
-Condicoes clinicas associadas: prematuridade, hernia hiatal, hist.
familiar, acalasia, dca respiratoria cronica.
RGE- Como abordar?
- Explorar preocupacoes dos pais; experiencia com sintomas;
esclarecer carater benigno e evolucao autolimitada.
- Dados importantes da entrevista:
-Historia alimentar: tipo, quantidade, frequencia, posicao,
comportamento da crianca.
-``Diario de sintomas``: correlacionar sintomas com alimentacao.
-Sintomas respiratorios:
sibilancia? estridor laringeo? PNM aspiracao? apneia?
RGE- O que fazer?
• Exame fisico, em geral sem
alteracoes.
• Buscar sempre por sinais de
alerta.
-Tecnica aleitamento :posicao e
quantidade.
-Sinais vitas (Tax e Fr)
-Graficos: peso e altura
-Irritabilidade e Choro: Esofagite?
-Opistotono ou Torcicolo: SINAIS
ESPECIFICOS
-Sinais cutaneos de atopia: alergia
alimentar
• Investigacao Complementar:
1) pHmetria: frequencia e
duracao episodios, resposta ao
tratamento medicamentoso.
2) Rx do trato digestivo superiror:
hernia hiatal, estenose piloro,
acalasia. Baixa sensibilidade e
especificidade- DRGE.
3) EDA: nenhum achado endo ou
histo e especifico.
RGE- Tratamento
NAO MEDICAMENTOSO
*Quem tem bom crescimento
e ausencia de sinais de
alerta.
-Espessamento da dieta, nao
amamentado.
- Alimento Frequencia
- Ambiente tranquilo
- Posicao vertical apos
- Decubito Lateral ou
pronacao para dormir
- Nao alimentar no choro
MEDICAMENTOSO E
ENCAMINHAMENTO
*TTO: Sem beneficio para RGE
nao complicado
*ENCAMINHAMENTO :
- suspeita DRGE
-persistencia do RGE apos 18m
-recorrencia apos 18m, mesmo
com medidas nao
farmacologicas
FIMOSE E PARAFIMOSE
FIMOSE
• Dificuldade na exposicao da
glande (anel prepucial)
• 96% nasce com fimose
• Descolamento fisiologico:
• -25%- 6m
• -50%-1a
• -80%- 2a
• -94%- 5a
• 6%: correcao cirurgica
Massagem no penis???
PARAFIMOSE
-Quando o prepucio nao recobre
a glande
-Perigo: comprometer retorno
venoso e linfatico da glande
-Tto: reducao manual com
anestesico topico ou reducao
cirurgica
ICTERICIA
-Hiperbilirrubinemia
-98%>1mg/dL nas 1as semanas- adaptacao ao metabolismo Bb
-Principal complicacao: Kernicterus- sequela neurologica permanente
- Periodo neonatal: pre termo e termo sadios
-Nosso papel: estar atento a identificacao da ictericia neonatal
avaliacao de sua gravidade.
Sinais de alerta: ictericia nas primeiras 24 hs, Bb> 12mg/dl.
UMBIGO DO RN
-Queda entre a 2 e 3 semana
de vida
-potencial porta de entrada
-manter limpo: alcool 70%
-apos queda: agua + sabao
-lesao vegetante, umida, rosa-
palido
-sol nitrato de prata 10%
-S. pyogenes e estafilo- grave
-edema, hiperemia, calor local,
sinais sistemicos- ao redor
umbigo
-requer internacao
-ausente ao nascer, surge 1-2m
-remissao espontaneo 4 m
-correcao:apos 3-4 ano de vida
-NAO: moeda, faixas e cintos
Cuidados com o coto:
Granuloma umbilical:
Onfalite:
Hernia:
HERNIA INGUINAL E HIDROCELE
-Presente ao nascimento ou
surgir apos.
-Abaulamento, massa ou nodulo
em regiao inguinal com esforco
ou choro.
-Correcao cirurgica imediata: 17%
encarceramento
Cirurgia + comum da infancia!
- Dificuldade para palpar
testiculo
- Lanterna em ambiente escuro:
tranluminacao do escroto
-Correcao cirurgica, se:
esvaziamento do escroto
durante a compressao-
comunicacao com peritoneo.
-Expectante- remissao aos 12m.
TESTICULO RETIDO
-Uni ou bilateral, D>E (70%)
-Por onde procurar: canal inguinal (72%), pre escrotal (20%), intra
abdominal (8%)
-Descida espontanea: ate 3m- a termo e ate 6m- prematuros
(pode estender ate 1a)
-Potencial para tumor testicular
-Apos prazo: avaliacao cirurgia pediatrica
DISPLASIA DO QUADRIL
-Cabeca do femur esta fora da fossa acetabular
-Fatores de risco: cesariana, apresentacao pelvica, macrossomia
-Pesquisa atraves da manobra de Ortolani : abducao do quadril
repetir ao longo do 1 semestre: pode manifestar se tardiamente
estar atento a correta posicao das maos
-Suspeita: USG- <6m ou Rx- >6m → Avaliacao Ortopedica
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A higienização do recen nascido
A higienização do recen  nascido A higienização do recen  nascido
A higienização do recen nascido Luiz Ramos Vieira
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericulturablogped1
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infânciablogped1
 
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...gilcevieira
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIACentro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

A higienização do recen nascido
A higienização do recen  nascido A higienização do recen  nascido
A higienização do recen nascido
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
 
Ostomias
OstomiasOstomias
Ostomias
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Triagem neonatal
Triagem neonatalTriagem neonatal
Triagem neonatal
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
IVAS na infância
IVAS na infânciaIVAS na infância
IVAS na infância
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
A IMPORTÂNCIA DA AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS QUE DEVEM SER TOMADOS AO SE ADMINI...
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Triagem Neonatal
Triagem NeonatalTriagem Neonatal
Triagem Neonatal
 
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIASAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
SAÚDE DA CRIANÇA E A SAÚDE DA FAMÍLIA DOENÇAS PREVALENTES NA INFÂNCIA
 
Medicamentos na gravidez
Medicamentos na gravidezMedicamentos na gravidez
Medicamentos na gravidez
 

Destaque

Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1pryloock
 
Hernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoHernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoMarcelo Falcao
 
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo Jihan Simon Hasbun
 
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/Obstetrícia
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/ObstetríciaSangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/Obstetrícia
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/ObstetríciaUFRN
 
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...Urovideo.org
 
Displasia Coxofemural na Veterinária
Displasia Coxofemural na VeterináriaDisplasia Coxofemural na Veterinária
Displasia Coxofemural na VeterináriaAndré Ferreira
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Brenda Lahlou
 
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitaçãoSimpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitaçãoIsabel Teixeira
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLaped Ufrn
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e  PediculoseEscabiose e  Pediculose
Escabiose e Pediculosebubuzinhapj
 

Destaque (20)

Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1
 
Hipospádia
HipospádiaHipospádia
Hipospádia
 
Neurologico22 04 2014
Neurologico22 04 2014Neurologico22 04 2014
Neurologico22 04 2014
 
Hernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoHernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcão
 
HIDROCELE
HIDROCELEHIDROCELE
HIDROCELE
 
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo
Torsion Testicular, Fimosis, Parafimosis, Priapismo, Hidrocele: Escroto Agudo
 
Hidrocele
HidroceleHidrocele
Hidrocele
 
Impétigo Bulloso
Impétigo BullosoImpétigo Bulloso
Impétigo Bulloso
 
Cesar ictericia
Cesar ictericiaCesar ictericia
Cesar ictericia
 
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/Obstetrícia
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/ObstetríciaSangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/Obstetrícia
Sangramento Uterino Disfuncional - Ginecologia/Obstetrícia
 
HIPERBILIRRUBINEMIA
HIPERBILIRRUBINEMIAHIPERBILIRRUBINEMIA
HIPERBILIRRUBINEMIA
 
Hipospádia
HipospádiaHipospádia
Hipospádia
 
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...
Uso de Testosterona Tópica antes da Cirurgias de Hipospádia – Avaliação Histo...
 
Displasia Coxofemural na Veterinária
Displasia Coxofemural na VeterináriaDisplasia Coxofemural na Veterinária
Displasia Coxofemural na Veterinária
 
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
Pênfigo Vulgar (Caso clínico Lesões Vesicobolhosas e Úlceras Orais)
 
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitaçãoSimpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
 
Penfigo
PenfigoPenfigo
Penfigo
 
Fimose e hipospádia
Fimose e hipospádiaFimose e hipospádia
Fimose e hipospádia
 
Lesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RNLesões Cutâneas do RN
Lesões Cutâneas do RN
 
Escabiose e Pediculose
Escabiose e  PediculoseEscabiose e  Pediculose
Escabiose e Pediculose
 

Semelhante a Principais problemas da infância

Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"blogped1
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseNúbia Fernanda
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso luzienne moraes
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlinePedro Marques
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme luzienne moraes
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasDario Hart
 
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIV
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIVCaso clinico odinofagia no Contexto de HIV
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIVEdy Nacarapa
 
Disturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticosDisturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticosNady Ribeiro
 
Aula 3 dermatologia i 2015
Aula 3 dermatologia i  2015Aula 3 dermatologia i  2015
Aula 3 dermatologia i 2015ReginaReiniger
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaDario Hart
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfDiogoSouza688960
 
Protocolo de sinais e sintomas em pediatria
Protocolo de sinais e sintomas em pediatriaProtocolo de sinais e sintomas em pediatria
Protocolo de sinais e sintomas em pediatriagisa_legal
 
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...estudiosojuliano
 
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinalSee afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinalDanielle Giannini
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfUnicesumar
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosCutrim Junior
 

Semelhante a Principais problemas da infância (20)

Flavia Regina Ferreira
Flavia Regina FerreiraFlavia Regina Ferreira
Flavia Regina Ferreira
 
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
Atendimento Pediatrico Ambulatorial: " Dicas e lembretes"
 
Agentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomoseAgentes virais 01 cinomose
Agentes virais 01 cinomose
 
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso enfermagem saúde do adulto estudo de caso
enfermagem saúde do adulto estudo de caso
 
Doencas comuns canarios
Doencas comuns canariosDoencas comuns canarios
Doencas comuns canarios
 
Clínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para onlineClínica das dermatoses parasitárias para online
Clínica das dermatoses parasitárias para online
 
Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme Estudo de caso anemia falciforme
Estudo de caso anemia falciforme
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIV
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIVCaso clinico odinofagia no Contexto de HIV
Caso clinico odinofagia no Contexto de HIV
 
Disturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticosDisturbios hidreletroliticos
Disturbios hidreletroliticos
 
Aula 3 dermatologia i 2015
Aula 3 dermatologia i  2015Aula 3 dermatologia i  2015
Aula 3 dermatologia i 2015
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdfAula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
Aula 7- Doenças prevalentes na Infância.pdf
 
Protocolo de sinais e sintomas em pediatria
Protocolo de sinais e sintomas em pediatriaProtocolo de sinais e sintomas em pediatria
Protocolo de sinais e sintomas em pediatria
 
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...
ESF Pirinã G2 (2).pdf diabetes, hipertensão, ists, plantas medicinais e alime...
 
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinalSee afeccoes do_trato_gastrointestinal
See afeccoes do_trato_gastrointestinal
 
Demodicidose 2012.1
Demodicidose 2012.1Demodicidose 2012.1
Demodicidose 2012.1
 
Aula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdfAula 02. Giardíase.pdf
Aula 02. Giardíase.pdf
 
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinosAula   sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
Aula sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos
 

Mais de Inaiara Bragante (20)

Aula Abordagem Comunitária
Aula Abordagem ComunitáriaAula Abordagem Comunitária
Aula Abordagem Comunitária
 
Edital prmfc2018
Edital prmfc2018Edital prmfc2018
Edital prmfc2018
 
Regimento2017
Regimento2017Regimento2017
Regimento2017
 
Rmnf2222
Rmnf2222Rmnf2222
Rmnf2222
 
Cmaj.140703.full
Cmaj.140703.fullCmaj.140703.full
Cmaj.140703.full
 
Pós teste
Pós testePós teste
Pós teste
 
Pré teste
Pré testePré teste
Pré teste
 
Pós teste
Pós testePós teste
Pós teste
 
Comunicando más notícias
Comunicando más notíciasComunicando más notícias
Comunicando más notícias
 
Ciclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiarCiclo de vida individual e familiar
Ciclo de vida individual e familiar
 
Bb dm – extra
Bb dm – extraBb dm – extra
Bb dm – extra
 
Bb dm2
Bb dm2Bb dm2
Bb dm2
 
Conduta terapeutica
Conduta terapeuticaConduta terapeutica
Conduta terapeutica
 
Caso clinico alcool
Caso clinico alcoolCaso clinico alcool
Caso clinico alcool
 
M1 d2a6q1 cage_2009-03-13
M1 d2a6q1 cage_2009-03-13M1 d2a6q1 cage_2009-03-13
M1 d2a6q1 cage_2009-03-13
 
Tratamento farmacológico em dependência química helio -sandra
Tratamento farmacológico em dependência química  helio -sandraTratamento farmacológico em dependência química  helio -sandra
Tratamento farmacológico em dependência química helio -sandra
 
Rz clin residentes_brasil_2
Rz clin residentes_brasil_2Rz clin residentes_brasil_2
Rz clin residentes_brasil_2
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
Aula31 07 2014
Aula31 07 2014Aula31 07 2014
Aula31 07 2014
 
Casos clínicos (3)
Casos clínicos (3)Casos clínicos (3)
Casos clínicos (3)
 

Principais problemas da infância

  • 1. PROBLEMAS COMUNS DA INFÂNCIA Alessandra Marques- CFBS Gleida Pêgo -CFAAN
  • 2. IDENTIFICANDO A CRIANÇA GRAVE AIDIPI neonatal (2m) : -Está mamando no peito? Está vomitando? -Febre? -Letargia ou Irritabilidade? -Apresentou convulsao? -Gemido ou Sibilancia? -Distensao abdominal - Sangramento? Equimose, Petéquia ou Hemorragia -Enchimento capilar >2s -Peso < 2000g -Ictericia < 24hs de vida -Secrecao purulenta do ouvido, conjuntiva (edema) ou umbigo?
  • 3. IDENTIFICANDO A CRIANÇA GRAVE -Ha sinais de esforço espiratorio? Tiragem subcostal Retracao furcula esternal Batimento de asa de nariz Cianose central -Frequencia respiratoria: 2m: 60 2m-1a: 50 1a-4a:40 5a: 20 -Frequencia cardiaca (bpm): Rn: 160 2m a 2a: 120 3a a 6a: 100 7a a 11a:90
  • 4. OTITES OMA -30% IVAS em <3a -Diferenciar entre OMA e OME. -Febre+ otalgia irritabilidade IVAS - Uso de ATB: otite bilateral, <6m, Tax >39, sem possibilidade de follow up, (Dose dobrada de ATB) Amoxacilina- 50mg/kg/dia, 12/12hs, 7d. Clavulin- 50-90mg/kg/dia, 12/12, 7d.
  • 5. DOENCAS RESPIRATÓRIAS O meu filho está com... -Nunca banalizar a queixa!!! -Proceder a coleta de dados e ex. fisico sistemático ‘’ muita tosse`` ``ta resfriado`` ``cheio de catarro no pulmão’’ `` o nariz ta entupido`` ``o catarro ta verde!``
  • 6. SISTEMATIZANDO O MEU EXAME -Dados da história: quais sintomas;início; tempo de duração; entender bem a evolução; presença de febre; padrão alimentar; hábitos fisiológicos -NÃO examinar: ao choro, em decubito, enquanto mama - Criança maior: pedir para tossir! - Frequências respiratória e cardíaca -Saturação O2: >92% cianose - Esforco batimento de asa de nariz, retracao furcula tiragem subcostal -AR estertoracao roncos grosseiros sibilos ronco de transmissao
  • 7. MINHAS PRINCIPAIS HIPÓTESES PNEUMONIA Febre,taquipneia, sinal de esforco, tosse,taquicardia,estertor (roncos) ATB (idade) :amoxacilina ou macrolideo (>5a) Atencao aos a criterios de internação Intervalo curto entre revisões BRONQUIOLITE Sazonal, Febre, tosse, sibilancia, Tto suporte: antitermico, O2, Controverso- NBZ fenoterol corticoesteroide Intervalos entre revisões AVAL. NIVEL SECUNDARIO/ INTERNAÇÃO: <6m, Sat O2 < 92%, taquipneia, sinal de esforco, letargia, desidratacao, falha a terapeutica, imunodeficiencia, dificuldade de organizacao familiar (BQL- prematuro, dca cardiopulmonar)
  • 8. FEZES DO RECÉM NASCIDO -Mecônio: ate o 3º dia de vida -Frequencia >10x/dia -Consistencia: Amamentada X Leite de vaca Como diferenciar da diarréia? Nesta idade, diarréia costuma ser bacteriana. Além dela tambem haverá: febre, distensao , perda de peso, desidratacao, odor fetido.
  • 9. A CRIANCA ESTÁ COM DIARRÉIA? Há quanto tempo? N episodios? (>4) Há sangue ou muco nas fezes? OBSERVAR: -Condição geral da criança: Letargia ou Irritabilidade - Avaliar hidratação: olhos, língua, sinal da prega -Oferecer líquidos à criança ⚫ Não consegue beber. ⚫ Bebe avidamente, com sede? HIDRATACAO (EV ou VO) + AMAMENTAÇÃO
  • 10. CONSTIPAÇÃO INTESTINAL IMPORTANTE: • Desvincular a ideia de Intervalo • Associar ao aspecto das fezes • Hábito Intestinal • Entender o que é Constipacão Funcional COMO AVALIAR: • Exame fisico detalhado • Distensão abdominal • Fezes endurecidas no abdome • Fissuras anais • Localizacao do anus • Toque retal (5º dedo ou sonda) • Avaliar Crescimento: mostrar a familia no cartão - ganho de peso e altura. • Alimentacão Mista: incentivar suco de fruta (ameixa, pera ou maca • NÃO orientar uso de óleo mineral, laxativo ou enema • Preservar uso de supositório de glicerina Atenção : AM + fezes duras+ volumosas +distensão
  • 11. CÓLICAS DO LACTENTE Quando pensar em cólica? ``Episódios repetidos de choro e irritação em intensidade suficientes para causar dificuldade e apreensao familiar`` →Comum! Mas, sem causas estabelecidas! 1) alergia ao leite de vaca? intolerancia a lactose? excesso de gases? 2) Pouco vínculo mãe- bebe? 3) choro extremo da criança? 4)entidades clinicas de dificil diferenciacao
  • 12. CÓLICAS DO LACTENTE Tratamento: Empirico. Retirar leite de vaca da mae (complementacao calcio) Retirar ovos, trigo, nozes e frutas citricas Indicar uso de chá (cuidado com amamentacao exclusiva) Nao esta indicado: antiespasmódico, analgesico, supositorio. IMPORTANTE: Orientação aos pais- desaparecem nos primeiros meses, não deixam sequelas! Anamnese e exame fisico detalhados: diagnostico de exclusao! Afastar: ITU, RGE, otoscopia, lesões cutâneas…
  • 13. MONILÍASE ORAL • “Sapinho”: placas esbranquicadas, halo hiperemiado. • Contaminação: canal do parto, mãos contaminadas, bicos de mamadeira e chupetas- C. albicans • Área acometida: língua, lábios, gengiva, bochechas • Diagnostico clinico. • Tratamento: nistatina- 1ml/ 6hrs, 7dias. miconazol gel- 4x/dia, 7dias ( se resistência) • Tratar a mãe?- Inspecionar as mamas • Recorrencia ou dificil tratamento: imunodeficiencia?
  • 14. PROBLEMAS DA PELE -Descamação da pele do Rn : furfuracea. - pós maduro -resolução espontânea (2 semanas) - Atentar a bolhas e exsudacao MILIÁRIA: ‘’brotoejas’’ -Áreas de calor -Protejer do calor solucao acetato de aluminio (maceração) tratar infecção secundária (bact. ou fungo)
  • 15. DERMATITE SEBORREICA - Fungo Malassesia furfur -Em geral ocorre no 1 ano de vida -Exantema eritematoso oleoso: areas com concentracao de gl. sebaceas - Inicia em couro cabeludo, dispersando por face, retroauricular - Conduta expectante- autolimitada -Recorrência: oleo vegetal pela noite - remocao das crostas pela manha
  • 16. IMPETIGO BOLHOSO S. aureus Rn face e periumbilical Pouco sinal sistemico Cefalexina ou clavulin- 90mg/kg/dia,12/12,10d NAO BOLHOSO S. pyogenes MMII Precedido por cocadura, picada Pen.benzatina 50.000UI Contagioso Macula eritematosa- bolha ou vesicula- secrecao amarela- crosta 15 dias: remissao espontanea Tto Topico: tirar bolhas e vesiculas- agua quente e sabao + neomicna- ate cicatrizacao Higiene do cuidador Tto sistemico: lesao extensa ou sinal sistemico
  • 17. BOLHOSO E NÃO BOLHOSO
  • 18. DERMATITE DAS FRALDAS - Área acometida: úmida e quente! -Como ocorre? contato com urina e fezes + maceração da pele + infecção secundária (C.albicans) -Dermatite em ‘’W’’ -Afecções: irritação primária dermatite de contato alérgica dermatite atópica dermatite seborréica impetigo bolhoso psoríase sifilis congênita
  • 19. SÍFILIS CONGÊNITA IRRITATIVA PRIMÁRIA -Deixar sem fralda -Trocar com frequência -Sabão Neutro -Acetato de alumínio 1:30 Eritema -Principal diag diferencial! -Lesoes que nao melhoram -Mácula, papula, bolha + erosões -Palma da mão, planta dos pes
  • 20. CANDIDOSE CONTATO ALÉRGICA Descamação leve Incomum <2a Creme de barreira+ retirar alérgeno Borda bem delimitada Miconazol- 10d
  • 21. DERMATITE SEBORRÉICA DERMATITE POR PSORÍASE Lesao gordurosa Couro cabeludo, face, pescoco CE tópico 1a de vida: inicia em area da fralda Descamacao intensa Cotovelo, joelho
  • 22. RGE- REFLUXO GASTROESOFAGICO • Caracterizado por retorno de conteúdo gastrico para o esôfago, com ou sem regurgitação (sem esforco, pós prandial, ruminacao). • Como se apresenta? Lactente: refluxo e/ ou vomito. Pre escolares e Escolares: epigastalgia e pirose • 50% : epsiodio diario ate os 3m. • Ansiedade dos pais = maior N de consultas. • 100% resolucao espontanea ate os 18m (sem sequelas).
  • 23. DRGE -IMPORTANTE: sempre diferenciar →DRGE. -DRGE (1:300) : refluxo + baixo ganho pondero- estatural esofagite sintomas respiratorios persistentes -Condicoes clinicas associadas: prematuridade, hernia hiatal, hist. familiar, acalasia, dca respiratoria cronica.
  • 24. RGE- Como abordar? - Explorar preocupacoes dos pais; experiencia com sintomas; esclarecer carater benigno e evolucao autolimitada. - Dados importantes da entrevista: -Historia alimentar: tipo, quantidade, frequencia, posicao, comportamento da crianca. -``Diario de sintomas``: correlacionar sintomas com alimentacao. -Sintomas respiratorios: sibilancia? estridor laringeo? PNM aspiracao? apneia?
  • 25. RGE- O que fazer? • Exame fisico, em geral sem alteracoes. • Buscar sempre por sinais de alerta. -Tecnica aleitamento :posicao e quantidade. -Sinais vitas (Tax e Fr) -Graficos: peso e altura -Irritabilidade e Choro: Esofagite? -Opistotono ou Torcicolo: SINAIS ESPECIFICOS -Sinais cutaneos de atopia: alergia alimentar • Investigacao Complementar: 1) pHmetria: frequencia e duracao episodios, resposta ao tratamento medicamentoso. 2) Rx do trato digestivo superiror: hernia hiatal, estenose piloro, acalasia. Baixa sensibilidade e especificidade- DRGE. 3) EDA: nenhum achado endo ou histo e especifico.
  • 26. RGE- Tratamento NAO MEDICAMENTOSO *Quem tem bom crescimento e ausencia de sinais de alerta. -Espessamento da dieta, nao amamentado. - Alimento Frequencia - Ambiente tranquilo - Posicao vertical apos - Decubito Lateral ou pronacao para dormir - Nao alimentar no choro MEDICAMENTOSO E ENCAMINHAMENTO *TTO: Sem beneficio para RGE nao complicado *ENCAMINHAMENTO : - suspeita DRGE -persistencia do RGE apos 18m -recorrencia apos 18m, mesmo com medidas nao farmacologicas
  • 27. FIMOSE E PARAFIMOSE FIMOSE • Dificuldade na exposicao da glande (anel prepucial) • 96% nasce com fimose • Descolamento fisiologico: • -25%- 6m • -50%-1a • -80%- 2a • -94%- 5a • 6%: correcao cirurgica Massagem no penis??? PARAFIMOSE -Quando o prepucio nao recobre a glande -Perigo: comprometer retorno venoso e linfatico da glande -Tto: reducao manual com anestesico topico ou reducao cirurgica
  • 28. ICTERICIA -Hiperbilirrubinemia -98%>1mg/dL nas 1as semanas- adaptacao ao metabolismo Bb -Principal complicacao: Kernicterus- sequela neurologica permanente - Periodo neonatal: pre termo e termo sadios -Nosso papel: estar atento a identificacao da ictericia neonatal avaliacao de sua gravidade. Sinais de alerta: ictericia nas primeiras 24 hs, Bb> 12mg/dl.
  • 29. UMBIGO DO RN -Queda entre a 2 e 3 semana de vida -potencial porta de entrada -manter limpo: alcool 70% -apos queda: agua + sabao -lesao vegetante, umida, rosa- palido -sol nitrato de prata 10% -S. pyogenes e estafilo- grave -edema, hiperemia, calor local, sinais sistemicos- ao redor umbigo -requer internacao -ausente ao nascer, surge 1-2m -remissao espontaneo 4 m -correcao:apos 3-4 ano de vida -NAO: moeda, faixas e cintos Cuidados com o coto: Granuloma umbilical: Onfalite: Hernia:
  • 30. HERNIA INGUINAL E HIDROCELE -Presente ao nascimento ou surgir apos. -Abaulamento, massa ou nodulo em regiao inguinal com esforco ou choro. -Correcao cirurgica imediata: 17% encarceramento Cirurgia + comum da infancia! - Dificuldade para palpar testiculo - Lanterna em ambiente escuro: tranluminacao do escroto -Correcao cirurgica, se: esvaziamento do escroto durante a compressao- comunicacao com peritoneo. -Expectante- remissao aos 12m.
  • 31. TESTICULO RETIDO -Uni ou bilateral, D>E (70%) -Por onde procurar: canal inguinal (72%), pre escrotal (20%), intra abdominal (8%) -Descida espontanea: ate 3m- a termo e ate 6m- prematuros (pode estender ate 1a) -Potencial para tumor testicular -Apos prazo: avaliacao cirurgia pediatrica
  • 32. DISPLASIA DO QUADRIL -Cabeca do femur esta fora da fossa acetabular -Fatores de risco: cesariana, apresentacao pelvica, macrossomia -Pesquisa atraves da manobra de Ortolani : abducao do quadril repetir ao longo do 1 semestre: pode manifestar se tardiamente estar atento a correta posicao das maos -Suspeita: USG- <6m ou Rx- >6m → Avaliacao Ortopedica