Diagnóstico da tuberculose

262 visualizações

Publicada em

a tuberculose é causada por uma bactéria denominada Mycobacterium tuberculosis, mais conhecida por bacilo de Koch

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
262
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diagnóstico da tuberculose

  1. 1. IMPORTÂNCIA DOS MÉTODOS DE DIAGNÓSTICO NO CUIDADO, TRATAMENTO E CONTROLO DA TUBERCULOSE
  2. 2. INTRODUÇÃO O presente trabalho surge da necessidade de contribuir com dados que permitam observar a vantagem da implementação no Laboratório de Referência Nacional de Micobacteriologia do Instituto Nacional de Saúde Pública, os métodos de identificação para a separação das espécies de micobactérias do complexo tuberculose ou não, bem como os métodos de detecção rápida para o diagnóstico da tuberculose como por exemplo a PCR, para melhor prestação dos serviços de assistência tuberculosa no país.
  3. 3. INTRODUÇÃO Objectivo geral:  Avaliar a qualidade e as insuficiências do diagnóstico laboratorial da tuberculose Objectivos específicos:  Caracterizar os métodos de diagnósticos da tuberculose tendo em conta as suas implicações no cuidado, tratamento e controlo da doença;  Determinar o número de casos positivos confirmados pelo método de identificação utilizado no INSP;  Descrever a importância da identificação de espécies de micobactérias do complexo tuberculose, bem como de estirpes resistentes e multi-resistentes;
  4. 4. INTRODUÇÃO  A tuberculose é uma doença infecciosa, de fácil contágio e que se expande muito facilmente entre as populações.  A espécie responsável por esta patologia humana é o Mycobacterium tuberculosis. • Bacilo imóvel • Não formador de esporos • aeróbia obrigatória • Crescimento lento
  5. 5. INTRODUÇÃO  A forma mais comum de tuberculose é a pulmonar, que constitui também o tipo de tuberculose mais importante do ponto de vista da saúde pública.  Em Angola, a tuberculose tem merecido especial atenção por parte do governo, pois representa uma das maiores causas de óbitos, em jovens adultos e economicamente activos.  Obrigatoriedade na vacinação (BCG)  Acesso gratuito as unidades de diagnóstico  Aquisição gratuita dos medicamentos
  6. 6. INTRODUÇÃO  PATOGÉNESE DAS MICOBACTERIOSES  São oficialmente reconhecidas 125 espécies e 11 subespécies, agrupadas num único género que é Mycobacterium;  Estas espécies são divididas em dois grupos, pertencentes ao Complexo Mycobacterium tuberculosis (CMTB) e as Micobactérias Não causadoras de Tuberculose (MNT);  As micobactérias, são também classificadas conforme a sua capacidade de causar doença no homem;
  7. 7. PATOGÉNICAS M. leprae M. tuberculosis M. bovis M. africanum M. microti M. caprae POTENCIALMENTE PATOGÉNICAS M. avium M. branderi M. genavense M. malmoense M. simeae M. avium subsp paratuberculosis M. celatum M. haemophilum M. marinum M. szulgai M. abscessus M. chelonae M. intracellulare M. peregrinum M. ulcerans M. asiaticum M. fortuitum M. kansassii M. scrofulaceum M. xenopi RARAMENTE PATOGÉNICAS M. agri M. cooki M. gordonae M. phlei M. terrae M. aichiense M. diernhoferi M. hassiacum M. porcinum M. thermoresistible M. alvei M. duvalii M. komossense M. pulveris M. tokaiense M. aurum M. fallax M. lepraemirium M. rhodesiae M. triviale M. brumae M. farcinoges M. mucogenicum M. senegalense M. vaccae M. austroafricanum M. flavescens M. nonchromogenicum M. shimoidei M. chitae M. gadium M. neoaurum M. smegmatis M. chubuense M. gastri M. obuense M. sphagni M. confluentis M. gilvum
  8. 8. INTRODUÇÃO  DIAGNÓSTICO DA TUBERCULOSE PULMONAR  Diagnóstico Clínico  Tuberculose pulmonar primária  Tuberculose pulmonar pós-primária  Tuberculose primária do adulto  Tuberculose na SIDA  Diagnóstico Laboratorial  Exame microscópico  Exame cultural com a identificação  T S A  Diagnóstico molecular
  9. 9. MÉTODO  O estudo foi realizado no LRN de Micobacterologia do INSP em Luanda.  Para o efeito, foram seleccionados 2 livros de registo de exames referente aos anos 2010 e 2011.  Para a colheita dos dados nos livros de registo foram seleccionadas as seguintes variáveis:  Número total de exames  Número de baciloscopias (positivas e negativas)  Número de culturas  Número de culturas positivas (factor corda)  Número TSA realizados
  10. 10. RESULTADOS Variáveis/Anos 2010 2011 Total Exame 550 603 1153 Baciloscopia 183 193 376 Cultura 367 410 777 TSA 10 18 28 Total de Exames Realizados
  11. 11. RESULTADOS 41,4% 58,6% Positivas Negativas Percentagem de exames culturais positivos e negativos registados Culturas 777 Positivas 322 Negativas 455
  12. 12. RESULTADOS Presença e ausência do factor corda 27,9% 72,05% CMTB MNT Culturas (+) 322 CMTB 90 MNT 232
  13. 13. RESULTADOS Percentagem da sensibilidade a todos os antibióticos e resistência a um ou mais antibióticos 10,7% 89,3% Sensibilidade Resistência CMTB 90 TSA 28 Sensib. 3 Resist. 25
  14. 14. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Em termos de número de exames culturais efectuados pelo LRN, é visível a pouca solicitação do mesmo pelos médicos.  Tendo em consideração o número de antibiogramas ou TSA efectuados, embora poucos, é notória a frequência de casos de resistência.
  15. 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Da avaliação feita pode-se dizer que o diagnóstico laboratorial é incompleto, e por isso considera-se insuficiente uma vez que, o LRN não dispõe de métodos que permitam a separação e a identificação das CMTB e MNT.  De acordo com o exposto recomenda-se o seguinte:
  16. 16. CONSIDERAÇÕES FINAIS  Se supere as insuficiências do método de identificação actualmente usado com a criação de condições para a realização de métodos de identificação para o exame definitivo da tuberculose e micobacterioses.  Se preveja o uso de marcadores de DNA, por ser uma técnica rápida e com maior poder discriminatório.  Que sejam disponibilizados materiais e reagentes para cultura em meio sólido, por apresentarem baixo índice de contaminação e serem de baixo custo quando comparados com os meios líquidos.
  17. 17. FIM

×