Organiszação Internacional de Madeiras Tropicais - Oficina de Restauração de Paisagens

1.163 visualizações

Publicada em

Presentation by ITTO (Eduardo Mansur) on Forest Landscape Restoration and its guidelines.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Organiszação Internacional de Madeiras Tropicais - Oficina de Restauração de Paisagens

  1. 1. ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DE MADEIRAS TROPICAIS 1a OFICINA DE RESTAURAÇÃO DE PAISAGENS Rio Branco, 14-15 de outubro de 2009 Eduardo Mansur Diretor Adjunto ITTO
  2. 2. Conteúdo 1. A OIMT (ITTO) 2. O conceito de restauração de paisagem florestal (RPF) 3. O guia da ITTO para restauração de florestas tropicais degradadas 4. A rede de aprendizagem 5. A RPF na Amazônia Ocidental
  3. 3. A Organização Internacional de Madeiras Tropicais - ITTO • Criada em 1983 (ITTA) • Atualmente se baseia no ITTA 1994 • Sede em Yokohama com um secretariado de 40 funcionários
  4. 4. O Conselho Internacional de Madeiras Tropicais • Órgão reitor da Organização • 60 membros governamentais • Reune-se anualmente para debater temas relacionados con • Promove a políticas e participação ativa de estabelecer ONGs e OSC programas e projetos de MFS
  5. 5. Membros • A Organização reune produtores e consumidores de madeiras tropicales como membros em condições de igualdade nos processos de decisão. • Conta com 59 países membros mais a Comunidade Europeia Os membros da OIMT representam: • 90% do comercio mundial de madeiras tropicales • 80% das florestas tropicais do mundo
  6. 6. • Restauração da Paisagem Florestal – Conceito de trabalho
  7. 7. A paisagem florestal nos trópicos 500 m ha 850 m ha 120 m ha 400 m ha Área não acessível, “Florestas degradadas” Áreas de Plantações áreas protegidas Florestas primárias produção florestais, degradadas, sob agrossilvicultura, Florestas secundárias, manejo árvores fora da Terra florestal degradada floresta, etc. 150 m people 300 m people 700-800 m people
  8. 8. A restauração da paisagem florestal (FLR): Ação participativa para identificar e implementar uma combinação de práticas de uso da terra que ajude a restaurar as funções das florestas e ecossistemas de um determinado território ou “paisagem” (por exemplo uma micro-bacia) para gerar benefícios economicos, sociais e ambientais sobretudo para as comundades locais. • Busca fortalecer a relação entre o desenvolvimento rural, o manejo e a conservação das florestas e dos demais recursos naturais. •Busca otimizar a produção de bens e serviços florestais, incluindo recursos hídricos, biodiversidade, conservação do solo, fixação de carbono, obtenção de madeira e produtos não madeireiros, etc.
  9. 9. FLR… • Não se trata de re-estabelecer a cobertura florestal original (primária). • A chave of sucesso é a participação e colaboração. São os atores que devem identificar os vários bens e serviços florestais e ambientais que necessitam e como restaurar a capacidade produtiva destes bens e serviços num determinado território. • Na prática, este exercício requer capacitação, organização comunitária, incentivos e medidas para encorajar práticas favoráveis e inibir práticas destrutivas.
  10. 10. Classificando a degradação 100 Crown Original status ”Undegraded cover forest” % 80 Restoration Rehabilitation Forest ”Degraded forest” A/R 10 ”Non-forest” Time
  11. 11. Graus de Degradação 100 Forest cover % Forest threshold Degree of degradation Non- Slightly Moderatey Severely Deforested degraded degraded degraded degraded (degrated (undisturbed, forest forest forest forest land) little disturbed)
  12. 12. Os “Guias” da ITTO Guidelines para Manejo Guidelines para Florestas Guidelines para Sustentável da Degradadas Plantações Florestais Floresta Natural Floresta Secundária Agricultura itinerante Floresta Pastagem abandonada, Terra Florestal Floresta Primária sobrepastoreio, incendios Degradada Plantada Exploração sem manejo Floresta Primária Degradada Floresta Manejada
  13. 13. O “Guia” para restauração de floresta degradada • 2000: Decisão do Conselho da ITTO para desenvolver os “guidelines” • 2001: Formulação do primeiro rascunho em colaboração com UICN, CIFOR, FAO, WWF • 2002: Conselho adotou os “Guidelines” e recomendou workshops de capacitação; publicação em Novembro 2002 • 2003-2009: Workshops regionais e nacionais; vários projetos de campo nos trópicos • 2005 – Publicação Técnica “Restaurando a Paisagem Florestal” • 2009 – Rede de Aprendizagem sendo estabelecida
  14. 14. Estrutura do Guia Princípios (49) Ações recomendadas (160) Orientação a nível geral para os trópicos
  15. 15. Resultados alcançados • Workshops em quase todos os países membros • Guia usado para definição de políticas e planificação do uso da terra, para fins didáticos e para formulação de projetos • Conceito adotado por várias instituições e programas de desenvolvimento • Experiência prática: Projetos piloto e demonstrativos
  16. 16. O que está em desenvolvimento… • Guias adaptadas às condições locais (África: Grandes Lagos, Ghana, China, Indonésia,… – Amazônia Ociental, Acre (?)… • Necessidade de sistematizar a experiência existente, compartir e disseminar a informação e conhecimento alcançados: – REDE DE APRENDIZAGEM
  17. 17. Um novo impulso • Interesse renovado em florestas degradadas na Convenção Internacional sobre Câmbio Climático (UNFCCC): • O segundo “D” de REDD
  18. 18. O que vimos: • A OIMT (ITTO) • O conceito de restauração de paisagem florestal (RPF) • O guia da ITTO para restauração de florestas tropicais degradadas • A rede de aprendizagem: Aprender da experiência local, nacional e internacional para disseminar e implementar a restauração de paisagens florestais • O que se espera deste workshop: O papel da RPF na Amazônia Ocidental
  19. 19. INTERNATIONAL TROPICAL TIMBER ORGANIZATION Mais informação em: www.itto.int www.ideastransformlandscapes.org http://learning.gpflr.webfactional.com/

×