Obelisco

594 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Obelisco

  1. 1. Obelisco no Túmulo de Ellen G. White Algumas pessoas têm se surpreendido e demonstrado certa preocupaçãoao encontrar um monumento na forma de um obelisco no túmulo da família deTiago e Ellen G. White, devido à ligação do mesmo a adoração pagã no Egito ea outras associações questionáveis. Entretanto, diversas pessoas no século 19não viam essa questão como um problema. Os adventistas desta épocaestavam todos num só lugar. Recentemente, descobrimos algumascorrespondências de George I. Butler, o qual era o presidente da ConferênciaGeral no ano em que Tiago White faleceu, 1881, e permaneceu por algumtempo depois, que contém informações relacionadas com este assunto. Em 12de fevereiro de 1884, o Sr. Butler escreveu para a Sra. White: "O monumento de cor escura em Battle Creek., o qual você viu, eucomprei para o túmulo do seu esposo, a pedido de seu filho Willie. Ele disseque deveria dá-lo a você. Eu me arrependo de fazer isso, pois o dinheiro queestá em seu escritório foi coletado por seus amigos, em demonstração derespeito por sua memória. Willie quis que eu ficasse com o dinheiro paraempregá-lo no Conselho da Missão Européia, mas eu não me sinto autorizadopara fazê-lo sem o consentimento deles. Há mais ou menos 170 dólares nesteinstante no meu escritório, para este propósito e alguns outros que serãodisponibilizados, se eu assim pedir”. Isso indica que a Sra. White e W. C. White viram o monumento e deramao Sr. Butler a aprovação para comprá-lo. Uma carta do Sr. Butler para Willie C.White, em 10 de fevereiro do mesmo ano, trata dos custos do monumento com“a lápide e outras pedras” e diz que “será erigido logo que você envie adedicatória”. Fica claro que a família White estava envolvida na seleção ecompra do monumento. Vinte anos depois, em 1904, a Sra. White escreveu acerca de umasugestão diferente de Tiago White sobre o monumento:
  2. 2. Depois que meu marido foi colocado em sua sepultura, seus amigosqueriam colocar um eixo quebrado como monumento. “Nunca!” disse eu,“nunca! Ele fez, sozinho, o trabalho de três homens. Nunca será colocado sobreseu túmulo um monumento partido”... (ME1: 105) Nós apenas podemos adivinhar, porém pode ser que em contraste comtal sugestão, ela ficou satisfeita em ter um monumento simétrico e bem feita nolote de sua família. Alguns perguntaram sobre a provável conexão do monumento com amaçonaria. Ao ver o obelisco no túmulo da família, alguns supõem que aprópria Sra. White se envolveu com o movimento maçônico. Esta é umaconclusão infundada. A Sra. White falava claramente contra a maçonaria.Enquanto esteve na Australia, até lhes mostraram os signos secretos dos altosmaçons, o qual ela fez na presença de um trabalhador adventista que era muitoenvolvido com maçonaria. Ela lhe pediu que cortasse sua relação com isso etambém aconselhou outros para que não se envolvessem com as ordensmaçônicas. Então por que um obelisco? Evidentemente Ellen White não oconsiderava de maneira inerente um símbolo maçom ou pagão,independentemente do fato (consciente ou não) de que os maçons e osadoradores do sol usavam o mesmo símbolo. Os símbolos significam o que aspessoas decidem que irão significar. A própria cruz já foi um símbolo detestávelda crueldade e opressão dos romanos, mas hoje os cristãos ao redor do mundoa utilizam como um símbolo de redenção através de Cristo. Símbolos podemmudar seu significado. Quando Tiago White começou a publicar a Review,numa edição que era publicada quinzenalmente (se tornou semanal emsetembro de 1853), juntamente com a data de publicação, ele começou acolocar o nome referente ao dia da semana na qual era publicada, fosse emuma segunda-feira ou quinta-feira (o dia da publicação variava um pouconaqueles dias). No entanto, logo ele fez uma mudança. A edição publicada“Quinta-feira, 12 de Maio de 1853,” foi seguida duas semanas depois por uma
  3. 3. publicada “Quinto-dia, 26 de Maio de 1853.” Durante várias décadas o papeldesignou seu dia de publicação variavelmente como “quinto-dia” e “terceiro-dia” (para terça feira), aparentemente sem se preocupar com o fato destes diasterem sido nomeados para deuses pagãos. Até que dia 1 de janeiro de 1880, aedição da Review por fim voltou a utilizar o termo padrão para os dias dasemana. Aparentemente nossos pioneiros decidiram que a este ponto o usodestes nomes não tinha qualquer relevância com sua fé. Ninguém ao usar estesnomes hoje está se referindo aos deuses pagãos. Estes nomes simplesmentenão simbolizam esses deuses para as pessoas atualmente, independentementede seus significados no passado. Igualmente, qualquer significado oculto quepossa ter comunicado no passado através de um obelisco, até aonde eu sei –pelo século 19 pelo menos, parece não significar mais do que isso para aspessoas em geral, apesar destes significados místicos terem permanecido entreos maçons. No entanto, claramente a Sra. White não tinha estas mesmascrenças.Elder William A. Fagal19 de Setembro de 2007

×