Patogenia das doenças infecciosas

15.009 visualizações

Publicada em

0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.009
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
199
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Patogenia das doenças infecciosas

  1. 1. Instituto Federal de Educação Ciência eTecnologia de PernambucoCampus PesqueiraPatogenia das Doenças Infecciosas Iasmyn Florencio Jordana Soares Maria Oliveira Roberto Rivelino Sandra Helena
  2. 2. Infecção Vs Doenças Infecciosas Quando um patógeno se aloja noorganismo dar-se o nome de infecção, estapode desenvolver uma doença infecciosa ounão. Doença infecciosa é aquela doençacausada por microrganismo, e osmicrorganismos que causam doenças sãocoletivamente chamados de patógenos.
  3. 3. Porque nem sempre se desenvolve doença infecciosa.• O microrganismo pode “se alojar” em um local anatômico onde é incapaz de se multiplicar.• Muitos patógenos precisam se fixar a específicos receptores locais antes que sejam capazes de se multiplicar e causar dano.• Fatores antibacterianos que destroem ou inibem o crescimento do microorganismo.
  4. 4. • A microbiota endógena local, que pode produzir fatores antibacterianos ou através do antagonismo microbiano.• O estado nutricional ou a saúde do individuo• Imunidade ao patógeno específico• Os leucócitos fagocíticos.
  5. 5. Quatro períodos ou fases no curso de uma doença infecciosa• Período de incubação;• Período prodrômico;• Período da doença;• Período de convalescência.
  6. 6. Curso de uma doença infecciosaExposição ao patógeno Período de incubação Período prodrômico Período da doença MorteConvalescência Incapacidade
  7. 7. Infecções localizadas versus infecções sistêmicas Uma vez que um processo infeccioso tenhasido iniciado, a doença pode permanecer localizadanum determinado local ou se espalhar.Infecções localizadas: espinhas, furúnculos, eabscessos.Infecção sistêmica ou generalizada: tuberculose,que a bactéria causadora pode se espalhar pormuitos órgãos, condição conhecida comotuberculose miliar.
  8. 8. Doença aguda, subaguda e crônica• Aguda tem início repentino recuperação rápida (ex: sarampo, caxumba, gripe);• Crônica tem início insidioso e dura muito tempo (ex: tuberculose, hanseníase e sífilis);• Subaguda surge mais repentinamente do que a crônica e menos subitamente do que a aguda(ex: endocardite bacteriana)
  9. 9. Sintomas versus sinais de uma doença• Sintoma de uma doença é definido como alguma evidência de doença percebido pelo paciente, algo mais subjetivo.• Sinal de doença é definido como algum tipo de evidência objetiva da doença.
  10. 10. Infecções latentes Uma doença infecciosa pode ir desintomática a assintomática, e algum tempodepois voltar a ser sintomática. Tais doençassão referidas como infecções latentes. Exemplos:
  11. 11. Estágios da sífilis Infecção por sífilis (3 semanas) Primária: Cancro (2 a 6 meses)Secundária: Lesões, febre, perda de cabelo (2 a 6 meses)Estágio latente: Sem sintomas (5 a 50 anos) Terciária: Destruição do cérebro, coração, medula espinhal e/ou outros órgãos
  12. 12. Catapora x Cobreiro O cobreiro é uma dolorosa infecção dosnervos, considerada manifestação latente dacatapora.
  13. 13. Infecções primárias e infecções secundárias Em geral, uma doença infecciosa podesurgir depois de outra, caso em que a primeiradoença é chamada de infecção primária e asegunda, infecção secundária.
  14. 14. Etapas na patogenia das doenças infecciosas Em geral a patogenia segue a sequênciaabaixo:• Entrada;• Fixação;• Multiplicação;• Invasão/disseminação;• Evasão das defesas do hospedeiro;• Dano ao(s) tecido(s) do hospedeiro.
  15. 15. Virulência Às vezes se utiliza a palavra virulento comosinônimo de patogênico, ou seja, podem existircepas virulentas (patogênicas) e não virulentas(não patogênicas) de uma determinada espécie. A virulência também é utilizada comomedida/grau de patogenicidade. Algumas vezes a virulência é utilizadacomo referência à gravidade das doençasinfecciosas causadas pelos patógenos, ou seja seum patógeno causa uma doença mais grave quea que outro patógeno causa, o primeiro é maisvirulento que o segundo.
  16. 16. Fatores de virulência Os atributos que possibilitam ao patógenoaderir, escapar dos vários mecanismos de defesado organismo do hospedeiro e desencadear adoença são chamados de fatores de virulência.
  17. 17. Fixação Para causar doença, alguns patógenosprecisam ser capazes de se fixar/prender àscélulas para depois conseguirem ter acesso aocorpo.• Receptores e Adesinas Um determinado patógeno só pode aderirà células que possuam o receptor apropriado. Os termos usuais adesinas e ligantes sãousados para descrever a molécula na superfíciede um patógeno capaz de reconhecer e se ligar aum receptor específico.
  18. 18. • Fímbria Bacteriana (Pili) Projeções longas, finas, flexíveis,semelhantes a pelos, compostas principalmentede um arranjo de proteína chamada pilina. Sãoconsideradas fatores de virulência porquepermitem que as bactérias se fixem àssuperfícies. Pelo fato de a fímbria possibilitar àsbactérias colonizar superfícies, elas são,algumas vezes referidas como fatores decolonização.
  19. 19. Patógenos intracelulares obrigatórios Também chamados de parasitasintracelulares obrigatórios, essesmicrorganismos precisam viver no interior deuma célula hospedeira para sobreviver e semultiplicar.
  20. 20. Patógenos intracelulares facultativos Também chamados de parasitasintracelulares facultativos, esses microrganismospodem sobreviver tanto de forma intracelularquanto extracelular.
  21. 21. Mecanismos de sobrevivência intracelular Os fagócitos desempenham importantefunção em nossa defesa contra os patógenos.Uma vez fagocitados, os patógenos são, nagrande maioria, destruídos no interior dosfagócitos. Entretanto alguns patógenosconseguem sobreviver, uns possuem paredecelular resistente à digestão; outros impedem afusão dos lisossomas; há ainda alguns que sãocapazes de sobreviver através de mecanismosque ainda são desconhecidos.
  22. 22. Cápsulas As cápsulas bacterianas são consideradasfatores de virulência porque servem a umafunção antifagocítica. Os fagócitos são incapazesde se prender às bactérias capsuladas porquenão possuem os receptores de superfície para omaterial polissacarídico do qual a cápsula éconstituída. Já as bactérias não encapsuladas sãofagocitadas e mortas.
  23. 23. Flagelos Os flagelos bacterianos são consideradosfatores de virulência pois permitem às bactériasflageladas invadir áreas aquosas do corpo ondeas bactérias não flageladas não conseguem. Talvez os flagelos também permitam queas bactérias escapem da fagocitose.
  24. 24. Exoenzimas As exoenzimas e/ou toxinas que os patógenosproduzem constituem os principais mecanismospelos quais eles causam doenças. Alguns exemplosde exoenzimas, são:• Enzimas Necrosantes;•Coagulase;•Quinases;•Hialuronidase;•Colagenase;•Hemolisinas;•Lectinase.
  25. 25. Toxinas Vários tipos de substâncias venenosas quedependendo de sua produção e liberação,aumentam a capacidade dos patógenos dedanificarem os tecidos do hospedeiro e causardoença. Sendo endotoxinas e exotoxinas, suasprincipais categorias.
  26. 26. • Endotoxina: pode causar graves efeitos fisiológicos adversos, como febre e choque. As substâncias que causam a febre são chamadas pirógenas. O choque representa condição potencialmente fatal resultante de hipertensão e hipotensão, fornecimento inadequado de sangue aos tecidos e orgãos do corpo.• Exotoxinas: são proteínas venenosas secretadas por inúmeros patógenos. As mais potentes são as neurotoxinas, outros tipos são, chamadas enterotoxinas.
  27. 27. Mecanismos pelos quais os patógenosescapam das respostas imunológicas• Variação Antigênica• Camuflagem e Mimetismo Molecular• Destruição de Anticorpos
  28. 28. Referências BibliográficasBURTON, G.R.W.; ENGELKIRK, P.G. Microbiologiapara ciências da saúde. 7.ed. Rio de Janeiro:Guanabara Koogan, 2005.

×