Bullying

253 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Bullying

  1. 1. O objetivo desta apresentação é identificar, orientar e combater o preconceito, a violência e os conflitos no ambiente escolar, no trabalho e nas ruas. O público alvo são os alunos de 4º e 5º ano e também pais de alunos ( Reuniões de pais).
  2. 2. Talvez já ouviu falar ou não conhece. Mas é provável que já sofreu ou presenciou alguém sendo vítima desse mal. O problema atinge principalmente os alunos nas escolas, mas acontece também em casa, no trabalho, na rua. O assunto é tão grave que nos últimos anos vem preocupando pais, educadores e autoridades.
  3. 3. O bullying é um termo ainda pouco conhecido do grande público. De origem inglesa e sem tradução ainda no Brasil, é utilizado para qualificar comportamentos agressivos no âmbito escolar, praticados tanto por meninos quanto para meninas.  Bullying é o conjunto de atitudes agressivas (físicas ou não), intencionais repetidas que ocorrem sem motivação evidente, adotado por um ou mais alunos contra um outro, causando dor e angústia, é executado dentro de uma relação de desigual poder.
  4. 4. O indivíduo vítima do bullying geralmente é mais frágil e é exposto às mais diferentes formas de agressão, não sendo capaz de se defender. Esse desequilíbrio de poder determina a repetição e a manutenção do comportamento agressivo dos que exercem o bullying e que tentam , a todo custo, dominar, intimidar e humilhar o outro. Quando observamos dois jovens brigando e não existe um desequilíbrio de forças, isto é, os dois têm capacidade física e psicológica semelhantes nessas relações de poder, certamente não estamos presenciando uma situação de bullying.  Caracteriza-se bullying atos de violência e perversidade ou quando apenas alguns se divertem às custas de um ou de outros que sofrem, daí a brincadeira deixa de ser saudável.
  5. 5. As formas de bullying são as mais variadas VERBAL: que inclui insultar, ofender, falar mal, colocar apelidos pejorativos e “zoar”. FÍSICA E MATERIAL: que vai desde bater, empurrar, beliscar até roubar, furtar ou destruir pertences da vítima. PSICOLÓGICA E MORAL: entre outras maneiras estão humilhar, excluir, discriminar, chantagear, intimidar e difamar. SEXUAL: inclui abusar, violentar, assediar e insinuar. VIRTUAL OU CIBERBULLYING: é a forma de bullying que se utiliza de ferramentas tecnológicas: celulares, filmadoras, internet, entre outros.
  6. 6. ÀS VÍTIMAS - Desinteresse pelos estudos - Prejuízo na aprendizagem - Reprovação escolar - Mudanças sucessivas de escolas - Abandono escolar - Estresse - Insegurança - Medo - Problemas de autoestima - Isolamento social - Insônia - Ansiedade - Fobia escolar - Depressão - TEPT ( transtorno do estresse pós-traumático) - Em casos mais graves, podem-se observar quadros de esquizofrenia, homicídio e suicídio. AOS BULLIES - Aumentam as chances de fazer o uso abusivo de álcool e outras drogas Maior envolvimento em brigas corporais Criminalidade Posse de armas Problemas com a justiça Atos delinquentes Furtos Agressões Destruição de patrimônio público Repetição do padrão de comportamento na vida adulta, no trabalho e na vida familiar e social.
  7. 7. Promova reuniões com estudantes e com pais para discutir regras de convivência e questões de segurança na escola; Insira o assunto bullying como tema transversal; Crie um comitê de integração para alunos novos; Estabeleça o uso de uniforme escolar. Ele não impedirá o bullying, mas eliminará um fator de provocações: as roupas. Crie com os alunos regras antibullying, do tipo: em nossa escola o bullying não será tolerado; vamos incluir os colegas que ficam de lado no recreio, nos jogos e brincadeiras; contar sempre a um professor qualquer ato suspeito; Busque a cooperação de outras instituições, como os centros de saúde, conselhos tutelares e redes de apoio social sempre que
  8. 8. A parceria pais-escola é fundamental para o trabalho de prevenção ao bullying. O combate ao comportamento agressivo e transgressor entre estudantes deve ser incorporado no dia-a-dia da escola de forma continuada e deve fazer parte da vida acadêmica de alunos, professores, pais e demais profissionais de educação. Os pais e educadores devem se munir de informações sobre o tema, ter consciência do seu papel e procurar ajuda especializada sempre que sentirem necessidade. Atitudes descompassadas não podem ser toleradas, mas sim coibidas de forma responsável e comprometida. Fique alerta! A omissão dos profissionais da escola incorre em uma infração administrativa grave, segundo o artigo 245 do ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE.
  9. 9. COMO DAR AO FILHO UM BOM COMEÇO Estimule o diálogo, a escuta atenta e empática ( se coloque no lugar do filho nas diferentes situações); Construa vínculos afetivos fortes; proporcione espaços para reflexão crítica; Dê atenção e amor incondicional; Ensine valores como respeito, solidariedade, tolerância, justiça, amor e partilha; Crie e implemente regras e limites bem definidos desde os primeiros anos de vida; Estimule seu filho a ter pelo menos um bom amigo; Se seu filho tiver alguma característica que se destaque dos demais do grupo, procure observar e ver o que pode ser trabalhado com ele ou até melhorado; Seja um encorajador e ajude seu filho a desenvolver a autoestima. Encontre um tempo para a convivência saudável com seus filhos, para que possam expressar seus sentimentos e pensamentos.
  10. 10. MUDANÇAS SÚBITAS MERECEM ATENÇÃO: Quer mudar o roteiro de caminho de ida à escola; Queda repentina nas notas; Parece feliz nos finais de semana, mas fica preocupado e tenso na segunda-feira; Mudanças frequentes e intensas de estado de humor, com explosões repentinas de irritação ou raiva; Tem um súbito interesse em filmes, videogames e revistas de violência; Passa repentinamente a roer unha; Seus pertences com frequência são “perdidos” ou danificados; De repente prefere a companhia de adultos; Queixas de dores de cabeça, enjoo, dor de estômago, tonturas, vômitos, perda de apetite, insônia. Com sintomas mais intensos no período que antecede o horário de ida para a escola. IMPORTANTE: o aparecimento de qualquer um desses sinais não significa necessariamente que seu filho está sendo vítima de bullying, mas que você deve prestar atenção com carinho, principalmente se vários desses indicativos se fizerem presentes com muita frequência.
  11. 11. JORNAL AMIGOS DA NATUREZA EDITORA AMIGOS DA NATUREZA LTDA. amigos@revistaamigosdanatureza.com.br

×