.

1.121 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

.

  1. 1. ÍNDICE  Introdução  Emblemas  Criação A Mocidade Portuguesa Feminina  Os Comissários Nacionais  As reorganizações  Conclusão  Web/Bibliografia
  2. 2.  Realizamos este trabalho acerca da Mocidade Portuguesa para a disciplina de História e Geografia de Portugal, inserido-se na matéria acerca do Estado Novo.  Foi uma instituição paralela ao ensino gerida pelo Estado com o intuito de controlar os ideais dos jovens portugueses.
  3. 3. A Organização Nacional Mocidade Portuguesa foi criada em 19 de Maio de .  Pretendia abranger toda a juventude escolar.  O seu Regulamento foi publicado em 4 de Dezembro de . Á Mocidade Portuguesa deveriam pertencer, obrigatoriamente, os jovens dos sete aos catorze anos e depois dos catorze aos vinte cinco não sendo obrigatoriamente.  A Mocidade Portuguesa estava dotada de um hino.
  4. 4. A 8 de Dezembro de , foi criada a Mocidade Portuguesa Feminina .  De acordo com o texto, esta organização «cultivará o trabalho colectivo e as várias formas do espírito social próprias do sexo».
  5. 5. A Mocidade Portuguesa tinha no topo da hierarquia um comissário nacional, nomeado pelo ministro da .  O primeiro comissário nacional a dirigir a Mocidade Portuguesa foi , de a .  O segundo comissário nacional foi , de a .  A sua acção marcou de maneira significativa por muito tempo .
  6. 6.  Marcello Caetano foi substituído interinamente por Soares Franco, até à nomeação de , que ocupou o cargo de até .  Seguiram-se António Gonçalves Rodrigues e , que ocupou interinamente o cargo, desde , enquanto subsecretário de Estado da Educação Nacional.  Desde , foram comissários nacionais, o general Pereira de Castro, Leopoldino de Almeida, o tenente-coronel Gomes Bessa, o arquitecto Melo Raposo, o tenente-coronel Fonseca Dores e, por último, Lourenço Antunes, até .
  7. 7.  Em de , o Governo procedeu à reorganização da Mocidade Portuguesa, no que foi então denominada uma «actualização no intuito de renovar a Organização, de a adaptar melhor às circunstâncias dos tempos presentes e lhe permitir, assim rejuvenescida, servir cada vez melhor o alto ideal da formação da juventude à luz dos imperecíveis princípios e valores da civilização cristã, que sempre têm presidido, e continuarão a presidir, aos destinos de Portugal.»
  8. 8.  Em , a Mocidade Portuguesa e a Mocidade Portuguesa Feminina foram transformadas em associações nacionais de juventude, reconhecidas de interesse público e abertas à adesão voluntária de jovens de ambos os sexos.  Esta remodelação conduziu a uma diminuição progressiva da importância destas organizações do Estado Novo.
  9. 9.  Em , a procedeu à sua extinção imediata.
  10. 10.  Concluímos com este trabalho que na época do Estado Novo existiam poucas liberdades e que, através da Mocidade, o Estado tentava controlar as ideias e ideais dos jovens de Portugal.
  11. 11. Web/Bibliografia  Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Mocidad e_Portuguesa  Trabalho realizado por Marta, por Catarina M. e por Jiaqi. 6ºA

×