O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

O cristão e a pobreza

2.729 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

O cristão e a pobreza

  1. 1. Desafios da atualidade Lição 3 - O cristão e a pobreza TEXTO BASE Isaías 61 www.ipb706sul.com.br
  2. 2. Introdução Um dos problemas mais cruéis ao longo da história da humanidade: a fome De 7 bilhões de seres humanos, 2,6 bilhões (mais de 40%) carecem de saneamento básico 800 milhões de pessoas vão se deitar todas asnoites com fome, entre elas, 300 milhões decrianças 6 milhões de crianças morrem todos os anospor má nutrição antes dos 5 anos
  3. 3. No Brasil, de 1995 a 2008: A taxa nacional de pobreza absoluta caiu de 43,4% para 28,8% A taxa de pobreza extrema caiu de 20,9% para 10,5% Fonte: IpeaMPI (Índice de Pobreza Multidimensional): 8,5% da população brasileira pode ser considerada pobre Leva em consideração 10 itens relacionados à saúde, à educação e ao padrão de vida
  4. 4. O índice do Banco Mundial émenor: 5% dos brasileiros vivemabaixo de uma linha de pobrezaabsoluta (renda inferior a US$1,25 por dia)
  5. 5. 1. A pobreza é fruto da injustiça Há 3 tipos básicos de pobreza: a. A voluntária (motivação religiosa) b. Ligada à preguiça c. Decorrente da injustiça A ênfase aqui é no 3º tipoNo Brasil, não faltam recursos; somos um país rico,porém, com péssima distribuição de renda: Muito nas mãos de poucos
  6. 6. “O Brasil não é um paíspobre, é um país injusto” Fernando Henrique Cardoso Ex-presidente do Brasil
  7. 7. Nos últimos anos, a desigualdade entre ricos e pobres,no Brasil, tem diminuído, mesmo assim: Enquanto 22,5 milhões de pessoas estão no topo da pirâmide social, 24,6 milhões estão na classe E (renda familiar de até R$ 751)
  8. 8. Desde que o pecadoentrou no mundo, ohomem tornou-seinclinado a explorar oseu semelhante Promovendo assim a injustiça
  9. 9. E o cenário descrito por Isaías é depobreza e miséria, como decorrênciada injustiça:“De que me serve a mim a multidão devossos sacrifícios? — diz o SENHOR. Estoufarto dos holocaustos de carneiros e dagordura de animais cevados e não meagrado do sangue de novilhos, nem decordeiros, nem de bodes. (...) Lavai-vos,purificai-vos, tirai a maldade de vossosatos de diante dos meus olhos; cessai defazer o mal. Aprendei a fazer o bem;atendei à justiça, repreendei ao opressor;defendei o direito do órfão, pleiteai acausa das viúvas”. (Is 1:11;16-17)
  10. 10. O capítulo 61 de Isaías, apesar de descrever outra época, apresenta os mesmos sintomas da pobreza resultante da injustiça: Isaías profetizou numa época de relativa prosperidade, principalmente no Reino do Norte, mas constatou a existência de muita injustiçaUma forte opressão era exercida contra os menosfavorecidos
  11. 11. A injustiça continua promovendo apobreza e a morte em muitaspartes do mundo; os números sãoestarrecedores: Uma mulher da África subsaariana tem 1 possibilidade em 16 de morrer durante a gravidez ou o parto Na América do Norte, o risco é de 1 em cada 3.700 casos
  12. 12. 2. A pobreza deve ser questionada A Bíblia constata a realidade da pobreza, mas não a endossa: Desde as leis no Pentatêuco (Ex 22:25- 27; Lv 25; Dt 15:1-11) O propósito de Deus era claro: “Para que entre ti não haja pobre”. (Dt 15:4)
  13. 13. Quando Jesus definiu suamissão, conforme Lc 4:16-30, ele fez menção ao “anoaceitável do Senhor”É uma referência ao ano dojubileu, que era um tempode libertação para ospobres e oprimidos,ordenado pelo Senhor noAT (Lv 25)
  14. 14. Com base nessas passagens,podemos perceber que o idealde Deus é: Que haja equilíbrio social Assim, devemos questionar os sistemas de opressão que geram desigualdades e miséria
  15. 15. Os profetas foram implacáveisna condenação da injustiçasocial:“O SENHOR entra em juízocontra os anciãos do seupovo e contra os seuspríncipes. Vós sois os queconsumistes esta vinha; oque roubastes do pobre estáem vossa casa”. (Is 3:14)
  16. 16. Diante disso, não podemos serconiventes com os sistemas deinjustiça presentes nasociedade: A opressão do homem pelo seu semelhante é incompatível com os princípios da fé cristã!
  17. 17. 3. A pobreza requer ação cristã A Igreja não tem condições de resolver todas as questões sociais do mundo Nem é sua missão prioritária Mas pode dar uma significativa contribuiçãoA vinda do reino de Deus para que a vontade deestá vinculada à missão da Deus seja feita na terra,Igreja como é feita no céu
  18. 18. A Igreja deve ter a preocupação de preparar os crentes para que eles sejam sal da terra A ética cristã é um fator de transformação do mundo e de promoção da vida Cada cristão pode fazer diferença onde estáA igreja pode apoiar ou desenvolver ações voltadas para aassistência a pessoas necessitadas, visando a promoção desua dignidade
  19. 19. A fé cristã autêntica seexpressa por boas obras e temcomo fator de motivação oamor O discípulo de Jesus preocupa-se com a miséria à sua volta e se apresenta como instrumento de Deus para a transformação social
  20. 20. A fé cristã autêntica seexpressa por boas obras e temcomo fator de motivação oamor O discípulo de Jesus preocupa-se com a miséria à sua volta e se apresenta como instrumento de Deus para a transformação social
  21. 21. Para Pensar “Vós, ricos, o que tendes quando não tendes a Deus... e vós, pobres, o que não tendes quando tendes a Deus?” (Agostinho) 1. A sua igreja tem sido instrumento de Deus para promover a vida entre os excluídos da sociedade? 2. Você acha que na evangelização a igreja deve fazer uma opção preferencial pelos pobres?3. No âmbito da sua comunidade, o que a igreja podefazer para reduzir os efeitos da pobreza? www.ipb706sul.com.br
  22. 22. Site da Igrejawww.ipb706sul.com.br

×