O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

A secularizacao da igreja

6.749 visualizações

Publicada em

História da Secularização da Igreja.

Publicada em: Espiritual

A secularizacao da igreja

  1. 1. A SECULARIZAÇÃODA IGREJA TEXTO BASE: 2Tm 4:1-5
  2. 2. Charge
  3. 3. "E não vos conformeis com este século,mas transformai-vos pela renovação davossa mente, para que experimenteisqual seja a boa, agradável e perfeitavontade de Deus." (Rm 12:2)
  4. 4. 1) Humanização e secularização da Igrejaa) Humanização- Se entende por humanização a situação na qual o ser humano se tem alçado ao posto da razão da existência da igreja- Isto é, a igreja está voltada quase que exclusivamente para o homem e seus interesses, de forma- A própria finalidade primordial das ações da Igreja tem sido modificada- A glória declarativa de Cristo, que deveria ser a finalidade primordial, tem cedido lugar à busca da satisfação das necessidades pessoais dos crentes- Dessa forma, as metas são estabelecidas a partir do homem- Também a metodologia é estabelecida a partir do homem
  5. 5. b) Secularização- É a crescente utilização de recursos técnicos seculares para a obtenção de resultados espirituais- O termo secularização aponta também para a atitude na qual se utilizam critérios seculares para estabelecer julgamentos sobre as ações da Igreja [uma igreja é considerada bem-sucedida pelos mesmos critérios que uma empresa]- Finalmente, secularização significa o processo de associação e absorção de princípios alheios ao evangelho de Jesus Cristo por parte dos que trabalham na causa da Igreja, pela simples razão de serem funcionais ou pelo desejo, nem sempre assumido, de serem bem vistos pelo mundo
  6. 6. 2) Origens no neopentecostalismo Neopentecostalismo é a terceira onda do movimento pentecostal (Ricardo Mariano): Primeira onda: Enfatiza a glossolalia (falar em línguas) - Congregação cristã no Brasil (1910) - Assembleia de Deus (1911)Mídia: evangelismo pessoal, distribuição defolhetos e reuniões ao ar livre
  7. 7. Segunda onda: enfatiza a curadivina, a partir dos anos 1950- Igreja do Evangelho Quadrangular(1953)- O Brasil para Cristo (1955)- Deus É Amor (1962)- Entre outrasMídia: os outros métodos e oevangelismo radiofônico
  8. 8. Terceira onda: enfatiza a prosperidade, a partir da segunda metade da década de 1970 - Igreja Universal do Reino de Deus (1977) - Igreja Internacional da Graça (1980) - Igreja Cristo Vive (1986) - Comunidade Sara Nossa Terra (1976) - Comunidade da Graça (1979) - Renascer em Cristo (1986) - Entre outrasMídia: somou todos os outros métodos einvestiu agressivamente no televangelismo
  9. 9. Mudança de paradigma Até os anos 1970, a maior parte do pentacostalismo brasileiro era caracterizada por: - Comportamento rígido - Ostracismo social - Espiritualidade místicaNão havia muita preocupação com os bens terrenos: os tesouros deste mundo deveriam ser desprezados, pois serviriam apenas para atrapalhar a jornada do fiel em direção à pátria celestial
  10. 10. Todo tempo e esforço deveriam ser investidos em: - Oração - Jejum - Leitura da Bíblia - Evangelismo (porta em porta ou nos cultos ao ar livre)Não havia sequer muita preocupação comeducação formal, pois o retorno de Cristo estavaàs portas
  11. 11. Contudo:- Mais e mais fiéis do pentecostalismo brasileirocomeçaram a ingressar nas universidades- O questionamento ao radicalismo defendidocomeçouA pressão contribuiu não só para o surgimento doneopentecostalismo como para sua expansão- Despontava, assim, no cenário brasileiro, uma novageração de crentes que rompeu com as práticasradicais do pentecostalismo e alterou os usos ecostumes, a liturgia, a cosmovisão, a eclesiologia e aespiritualidade
  12. 12. Muita coisa mudou: - Os bens materiais já não são inimigos da fé, mas grandes aliados na busca da felicidade e do sucesso - A preocupação com o céu, com a vida após a morte e com o retorno de Cristo- Renunciar ao mundo arrefeceu sensivelmente,tornou-se tarefa mais dando lugar à busca dasamena, o que levou a bençãos financeiras e daclasse média a aderir solução de problemas eem grande escala ao conflitosneopentecostalismo
  13. 13. A religião se alia às necessidades do contexto econômico global"O individualismo neoliberal fomenta concorrência ecompetição em que vencem os mais fortes, os maispreparados e competentes. Visa ao resultado. Énecessário encontrar uma religião que reforce a vitória,a prosperidade dos melhores. Recorre-se, então, àteologia da benção para os ricos e ao castigo para ospobres (...) É uma teologia feita sob medida paraalimentar igrejas que sustema o sistema neoliberal. (...)É uma religião tipicamente materialista. (...) Concebe avida religiosa como uma transação financeira com oCéu".(João Batista Libânio, em "A religião no início domilênio)
  14. 14. 3) Abordagem histórica da humanização e secularização da Igreja A humanização e a secularização da Igreja têm raízes históricas nos desdobramentos negativos do reavivamentismo dos Séculos 18 e 19O reavivamento ou a renovação foi um movimentoprotestante transatlântico, ocorrendo geralmente em épocasde crise, para conduzir os crentes ao arrependimento por seuspecados e à piedade de vida, de testemunho e obras
  15. 15. Resultados dos avivamentos- Milhares de conversões- Fortalecimento moral nos lares, no trabalho e no lazer- Foram criadas universidades para formar ministros doEvangelho (Princeton, Columbia e outras)- O trabalho missionário foi impulsionado
  16. 16. A partir de 1800, no chamado SegundoGrande Avivamento, as manifestaçõesemocionais ganham nova dimensão: - Passam a ser buscadas, estimuladas e promovidas pelo homem - O avivalista passa a ser importante quanto o avivamento- O evangelista passa a ser tão importante quanto oEvangelho- O avivamento passa a ser um movimento terreno, umprograma da igreja, algo planejado e executado peloshomens
  17. 17. 4) Influências no neopentecostalismo a) Charles Finney - Surgia o reavivalismo, do qual Charles Finney se tornou o principal representante - Ele relatava ter conseguido em suas campanhas de reavivamento 500 mil conversões - Seus métodos geraram polêmicas e ele deixou a Igreja Presbiteriana, tornando-se anticalvinista
  18. 18. - Tinha obsessão por resultados- Polarizou homens de intelecto x homens de Espírito- Desprezava doutrinas e a teologia,tinha aversão pelos pontosdefendidos pelo calvinismo e diziaque a Confissão de Fé deWestminster era "uma maravilhosaobra de ficção teológica"
  19. 19. Sua "teologia" - Adão não era pai da humanidade, mas seu representante, de tal forma que seus descendentes não são culpados e nem foram corrompidos pelo pecado dele - A culpa e corrupção não são inerentes, mas, sim, resultado de escolhas livres [não há natureza pecaminosa]- Logo, é responsabilidade do homem mudar sua direçãoespiritual, de converter-se- Jesus não morreu pelos pecados de ninguém - TeoriaGovernamental: Deus não tinha que exigir qualquer castigopelo pecado; como governador do mundo, podia, pela suavontade, simplesmente ignorar os nossos pecados
  20. 20. Legado- Sua influência é responsável por enormes prejuízos dentro da igreja cristã- Causou controvérsias e divisões- Desproveu a igreja cristã de seu principal fundamento: a centralidade e a superioridade da Palavra de Deus na vida cristã- Ignorou de forma muito acentuadatodo o ensino dos mestres do passado;quebrou a linha de continuidade da sãdoutrina
  21. 21. - O próprio conceito de igreja foi modificado: a Igreja não era mais a comunidade dirigida pelo Cabeça invisível através de seu Espírito, mas uma instituição que escrevia seu próprio caminho, virou mais uma instituição humana- Ao pregar o sucesso sem fidelidade à Palavra, Finney abriu caminho para inúmeros aventureiros- Finney se dedicou intensamente aoPerfeccionismo, e foi dessa ênfase quenasceu o movimento pentecostal noinício do século XX: ressaltou o batismode amor; perfeição se obtinha num ato;esse pensamento foi desenvolvido esurgiu o Batismo no Espírito Santo
  22. 22. b) Confissão Positiva Refere-se literalmente trazer à existência o que declaramos verbalmente, uma vez que a fé é uma confissão: - Uma das correntes doutrinárias que mais conquistou espaço no seio do movimento neopentecostal - Também conhecida como "evangelho da saúde e da prosperidade"- O pregador KennethErwin Hagin valeu-se das - Surge com o norte-ideias e dos escritos de americano Essek WilliamKenyon para desenvolver a Kenyon, influenciado pelaTeologia da Saúde e da Ciência Cristã, que explicaProsperidade, ou confissão que toda causa e todo efeitopositiva, baseado também são mentais, não físicos;em Mc 11:23-24 reduz todas as coisas a pensamentos
  23. 23. 5) Neopentecostalimo focado na confissão positiva De acordo com a teologia neopentecostal, a vida do cristão deve ser livre de qualquer problema: - Ele deve morar em mansões, possuir carros, ter muito- A característica do dinheiro e muita saúdecristão maduro é aplena saúde física e - Se isso não ocorrer, estaráemocional, além da caracterizada a ausência de fé, aprosperidade vida em pecado ou então omaterial domínio de satanás
  24. 24. 6) As palavras duras de Jesus O reverendo John MacArthur lembra que o verdadeiro Evangelho é um chamado à autonegação - Ele não é um chamado à auto- realização - Isso coloca o verdadeiro Evangelho em oposição ao movimento evangélico contemporâneoAs palavras duras de Jesus:"Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir apósmim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me.Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quemperder a vida por minha causa achá-la-á“. (Mt 16:24-25)
  25. 25. O reverendo John MacArthur ressalta que essas palavras não significam "me exaltar", mas sim "perder a minha vida"- É a morte do eu- Você ganha ao perder, você vive ao morrer- E isto é o coração da mensagem do evangelho- É a essência do discipulado
  26. 26. - O entretenimento está rapidamente se tornando a liturgia da igreja pragmática- Dizem-nos que, se as multidões de pessoas que nãofrequentam as igrejas não querem ouvir pregaçõesbíblicas, devemos dar-lhes aquilo que desejam- Igrejas têm pesquisado os incrédulos para saber oque é preciso para que eles passem a frequentá-las
  27. 27. - Sutilmente, em vez de uma vida transformada, é a aceitação por parte do mundo e a quantidade de pessoas presentes aos cultos o que vem se tornando o alvo maior da igreja contemporânea- Pregar a Palavra e confrontar ousadamente o pecado são vistos como coisas antiquadas, meios ineficazes de se alcançar o mundo- Esses métodos são como se, de algumaforma, conseguíssemos que elas aceitassem aCristo, tornando-O, de algum modo, mais agradável outornando a mensagem dEle menos ofensiva
  28. 28. - A Grande Comissão não é um manifesto de marketing- O evangelismo não requer vendedores, e, sim, profetas- É a Palavra de Deus, e não qualquer sedução mundana, que planta a semente que produz o novo nascimento- Nada ganharemos, senão o desprazer de Deus, seprocurarmos remover o escândalo da cruz (Gl 5:11)
  29. 29. "Será que um homem que ama o seu Senhor estaria disposto a ver Jesus vestindo uma coroa de espinhos, enquanto ele mesmo almeja uma coroa de louros? Haveria Jesus de ascender ao trono por meio da cruz, enquanto nós esperamos ser conduzidos para lá nos ombros das multidões, em meio a aplausos?Não seja tão fútil em sua imaginação. Avalie o preço; e, sevocê não estiver disposto a carregar a cruz de Cristo, volteà sua fazenda ou ao seu negócio e tire deles o máximoque puder, mas permita-me sussurrar em seus ouvidos:Que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro eperder a sua alma?" Charles Haddon Spurgeon (1834-1892, pregador bastista reforma britânico)
  30. 30. BibliografiaCairns, Earle E. O cristianismo através dos séculos: uma história daigreja cristã. São Paulo: Vida Nova, 2008.MacArthur, John. Com vergonha do Evangelho: quando a igreja setorna como o mundo. São José dos Campos: Fiel, 2009.MacArthur, John. Crer é difícil: o alto custo e o valor infinito de seguirJesus. São Paulo: Cultura Cristã, 2009.Romeiro, Paulo. Decepcionados com a graça: esperanças e frustraçõesno Brasil neopentecostal. São Paulo: Mundo Cristão, 2005.Sousa, Jadiel Martins. Charles Finney e a Secularização da Igreja. SãoPaulo: Parakletos, 2002.

×