Apocalipse - Capítulo 09

302 visualizações

Publicada em

Seminário Bíblico Apocalipse
Apocalipse Capítulo 09

Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br/

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
302
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
24
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apocalipse - Capítulo 09

  1. 1. Apocalipse Capítulo 9 Aula 15
  2. 2. As três últimas trombetas!
  3. 3. Na semana passada abordamos os juízos das quatro primeiras trombetas, pois aprendemos que tais juízos estão divididos em duas partes. 1.A primeira parte compõe os juízos das quatro primeiras trombetas. 2.A segunda parte é composta dos juízos das três últimas.
  4. 4. Enquanto as quatro primeiras trombetas foram dirigidas contra a natureza, essas três últimas são dirigidas às pessoas. Quais pessoas?
  5. 5. Aquelas que rejeitaram a Deus e perseguiram seu povo. O que faz desses juízos piores que os primeiros porque são dirigidos diretamente contra os ímpios. E mais, tais juízos provam aos habitantes da terra, de uma vez por todas, que os falsos deuses e os “poderes” que eles seguiram são forças demoníacas, portanto, do mal...
  6. 6. E que chegam e chegarão ao ponto de torturar seus próprios adoradores. Como veremos, durante cinco meses os gafanhotos (os demônios) torturarão seus seguidores de tal modo que ele perseguirão a morte.
  7. 7. Entretanto, como veremos também, a tragédia do pecado continuará, pois a despeito da prova absoluta da onipotência de Deus e do ódio dos falsos deuses por seus seguidores, as pessoas más não se arrependerão, rejeitarão a oferta de Deus e voltarão a adorar os poderes malignos, mesmo tendo sido torturados e visto que muitos morreram em suas mãos.
  8. 8. Diz o texto: A esta altura de minha visão, eu ouvi e vi uma águia que voava pelo meio dos céus, clamando em alta voz: Ai, ai, ai dos habitantes da terra, por causa dos restantes sons das trombetas dos três Anjos que ainda vão tocar. Apocalipse 8:13
  9. 9. Sobre a ‘águia’ precisamos considerar alguns fatores: 1. Os romanos tinham uma águia desenhada em sua bandeira de guerra. 2. As águias eram vistas como mensageiras dos deuses. 3. No AT as águias eram vistas como presságio de morte e destruição
  10. 10. Assim João fala de algo que não precisa de muita explicação, pois havia historicamente uma similaridade com este animal e suas possíveis implicações que, dentro do contexto muito provavelmente simboliza o juízo iminente da parte de Deus.
  11. 11. O juízo anunciado é iminente. Assim, cabe aos habitantes da terra escolherem entre os dois destinos, e os três “ais” são parte tanto da última oportunidade para responder o chamado ao arrependimento, quanto do anúncio da condenação para os que rejeitam esse chamado.
  12. 12. E quem são estes que rejeitarão esse último chamado? São os que seguem a besta / São os que se opõem aos santos e os matam. (13.8 / 17.8) (6.10 / 11.10) Deste modo, é natural que eles sejam objetos da ira de Deus.
  13. 13. Primeiro “ai”!
  14. 14. Como lemos, fala de uma invasão particularmente terrível de gafanhotos sobrenaturais saindo do “poço do inferno” (abismo) que acumularão torturas contra os habitantes da terra durante cinco meses.
  15. 15. A principal ênfase está no fato de que os demônios se voltam contra seus próprios seguidores e demonstram total desprezo e sua crueldade incomparável ao torturarem seus adoradores. Diz o texto: E O QUINTO anjo tocou a sua trombeta, e vi uma estrela que do céu caiu na terra; e foi-lhe dada a chave do poço do abismo.
  16. 16. ‘e vi uma estrela que do céu caiu na terra” Que ou quem é essa ‘estrela’?
  17. 17. Há quem afirme tratar-se de um demônio; há quem diga tratar-se do próprio satanás. Mas o fato é que tais possibilidades faria deste episódio o único lugar de Apocalipse que Deus usou um anjo mau para executar sua vontade. E mais, como se poderia confiar a um anjo caído as chaves de sua própria prisão?
  18. 18. Deste modo, a probabilidade mais viável é que se trate do mesmo ser de 20.1 que diz: 1 E VI descer do céu um anjo, que tinha a chave do abismo, e uma grande cadeia na sua mão.
  19. 19. Assim, o anjo de 9.1 é mais um dos mensageiros angélicos enviados do céu para executar a vontade de Deus. Note-se que esse anjo não tem poder e autoridade em si mesmo, Deus é quem dá a chave mostrado mais uma vez seu poder e soberania.
  20. 20. Deste modo, abriu o poço do abismo, e subiu fumaça do poço, como a fumaça de uma grande fornalha, e com a fumaça do poço escureceu-se o sol e o ar. Como se não bastasse, da nuvem saltam “gafanhotos sobre a terra”. ...
  21. 21. Sobre os ‘gafanhotos’, algumas considerações: 1.Eram um dos poucos insetos considerados puros como alimento. 2.Suas nuvens e pragas eram comuns. 3. No texto em questão, tais gafanhotos, na verdade, são demônios com aparência de gafanhotos sobrenaturais, pois sei rei é Abadom...
  22. 22. ... Que, como foi lido no texto não tem poder ou autoridade em si mesmo, mas recebe de Deus. Deus concede aos gafanhotos autoridade sobre os habitantes da terra e também lhes dá poder para infligir sofrimento a eles. Quer dizer, nem as forças demoníacas podem fazer coisa alguma, a menos que Deus permita.
  23. 23. Muitas pessoas têm a ideia equivocada de que satanás recebeu autonomia de Deus para fazer o que bem quiser. Mentira! Ele é impotente e já foi derrotado na cruz; tudo o que ele e seus seguidores fazem nesse livro só pode ser realizado com a permissão divina.
  24. 24. Não considero importante ater-me à descrição pormenorizada destes ‘gafanhotos’ até mesmo por se tratar de algo sobrenatural, incomum e realmente difícil de explicar, fazendo com que se tenha apenas conjecturas sobre sua aparência e significado.
  25. 25. E sim, refletir sobre o propósito de sua vinda que não é outro, se não, intimidar, desmoralizar, aterrorizar, dolorizar a vida dos habitantes da terra e isso, durante cinco meses.
  26. 26. Porque cinco meses?
  27. 27. São duas as possibilidades: 1.Pode referir-se ao tempo aproximado de vida do gafanhoto. 2.Pode referir-se à estação de seca na palestina (abril – agosto) quando os gafanhotos geralmente apareciam.
  28. 28. Por fim, tinham sobre si rei, o anjo do abismo; em hebreu era o seu nome Abadom, e em grego Apoliom.
  29. 29. Quem é esse rei?
  30. 30. Há quem acredite se tratar do próprio satanás. Entretanto há um maior consenso para se acreditar que trata- se de um dos principais comandantes de satanás, cujo nome numa tradução literal tanto do hebraico quanto do grego significa: Destruidor.
  31. 31. Assim, a quinta trombeta soará e o destruidor e seu exército assolarão a terra por cinco meses. A grande síntese deste capítulo é que as forças demoníacas são organizadas, poderosas, amedrontadoras e cheias de ódio e desprezo contra seus próprios seguidores.
  32. 32. Essa verdade é para nos servir de advertência para este tempo presente, pois se esses seres são capazes de fazer todas essas coisas contra àqueles que são seus; que dirá sobre os que se negam a servi-los e adorá-los.
  33. 33. Ainda sim, tudo isso faz parte do plano divino e tal plano é redentor. Pois mediante as terríveis ações dos demônios, Deus ainda está chamando as nações ao arrependimento.
  34. 34. Apocalipse 9 (Vers.12 ao 21) Continuação: Aula 15b
  35. 35. A sexta Trombeta!
  36. 36. Eis o que devemos, já neste primeiro momento entender: “O que começou com o primeiro ‘ai’ ou na quinta trombeta, quero dizer, (a guerra dos demônios contra os habitantes da terra levando-os a tormentos e torturas insuportáveis) chegará ao seu fim no segundo ‘ai’, quero dizer, na sexta trombeta.
  37. 37. Entretanto, a sexta trombeta não está relacionada somente com a quinta trombeta, ela também tem uma corelação com os selos que, por meio da espada, fome e praga, levam à morte um quarto dos habitantes da terra.
  38. 38. Aqui, mais uma vez, vemos essa questão progressiva dos juízos. Pois ao ser tocada um terço dos habitantes da terra morrerão. Quer dizer, até esse momento, quase metade dos habitantes da terra sofrerão a morte por conta dos juízos de Deus.
  39. 39. Contudo, qual o tema central abordado por estes versículos?
  40. 40. A Oportunidade Para O Arrependimento!
  41. 41. Apesar de todas essas coisas – dos desastres naturais das quatro primeiras trombetas, do tormento sobrenatural da quinta trombeta e da cavalaria demoníaca desta trombeta que produz o maior número de mortes na história mundial, as pessoas continuarão rejeitando o DEUS do universo e se recusando ao arrependimento.
  42. 42. Sabe o que se deve concluir deste fato? Em nenhum outro momento ou lugar se pode encontrar um quadro mais preciso de pecaminosidade humana levada ao extremo...
  43. 43. Como disse em aulas anteriores: a tendência natural e humana é que diante de todos esses acontecimentos sobrenaturais os homens e mulheres – inimigos da cruz de Cristo e daqueles que por Ele foram salvos – certamente se curvariam diante Da onipotência Divina.
  44. 44. Mas, não é isso que acontece. Ao juízo que busca conduzi-los ao arrependimento, eles respondem com maior rebeldia e descrença. Sua rebeldia e seus pecados não permitem, se quer, que se comovam com as misericórdias de Deus. Uma verdadeira tragédia para a humanidade!
  45. 45. Isso porque ao soar a sexta trombeta, os quatro anjos retidos no capítulo 7 serão aqui liberados e suas forças destrutivas igualmente liberadas de suas restrições também em resposta às orações dos santos que são feitas do altar e é do altar que esses anjos são liberados.
  46. 46. Basta lembrar a progressão dos fatos: Em 6.10 os santos oravam E clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Dominador, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?
  47. 47. Em 8. 3 e 4 essas orações são oferecidas a Deus pelo anjo do altar: E veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono. E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus.
  48. 48. Em 8.5 o anjo dá a primeira resposta a essas orações ao lançar o incensário sobre a terra e iniciar os juízos das trombetas: E o anjo tomou o incensário, e o encheu do fogo do altar, e o lançou sobre a terra; e houve depois vozes, e trovões, e relâmpagos e terremotos.
  49. 49. Aqui, na sexta trombeta, o mesmo anjo dá a segunda resposta a essas orações ao ordenar que os anjos da morte sejam soltos com sua cavalaria de 200 milhões de soldados.
  50. 50. E isso acontece, diz o texto: E foram soltos os quatro anjos, que estavam preparados para a hora, e dia, e mês, e ano, a fim de matarem a terça parte dos homens.
  51. 51. As quatro designações de tempo (hora, dia, mês e ano) revelam a determinação exata de Deus sobre tempo do escaton. Quando, por exemplo, Deus pediu que os santos tivessem paciência, Ele sabia exatamente a hora, o dia, o mês e o ano em que seriam vingados.
  52. 52. Era preciso completar o número dos que seriam mortos. Era preciso completar o número dos que seriam salvos (selados e protegidos). E, aí sim, as forças de destruição seriam soltas culminado no desenrolar das trombetas. O que resultará, repito, com a morte de um terço dos não selados.
  53. 53. Contudo, como também revelado antes, o propósito dessa destruição em massa é resgatador. É um advertência para o restante da humanidade que deve acertar sua vida com Deus ou sofrerão as outras consequências. Essa é a conclusão não somente da sexta trombeta, mas da seção inteira.
  54. 54. Vimos que cada um dos juízos provou a onipotência de Deus sobre os deuses desse mundo e também mostrou às nações que elas não podem confiar e depender das coisas deste mundo as quais de voltarão contra elas. Aliás, o chamado ao arrependimento é frequente no apocalipse.
  55. 55. O encontramos nas sete cartas e também fora delas. Deus chamando os crentes e não crentes ao arrependimento. Este é um dos propósitos de seus juízos (selos, trombetas e taças): Apresentar uma oferta final de salvação para as nações. Mas o que acontece é uma rejeição generalizada!
  56. 56. E qual foi o motivo apresentado por João para essa rejeição?
  57. 57. A idolatria!
  58. 58. A gravidade nesta prática está no fato de haver uma profunda ligação entre a idolatria e a adoração aos demônios. O bíblia nos ensina assim: Deut. 32:17 Sacrifícios ofereceram aos demônios, não a Deus; aos deuses que não conheceram, novos deuses que vieram há pouco, aos quais não temeram vossos pais.
  59. 59. Mas, a verdade é, e o que foge à nossa compreensão é que os habitantes da terra se voltaram para esses seres que se voltam contra seus próprios seguidores. Preferirão ‘adorar’ ao encardido que os maltrata do ao Deus de amor e se arrependerem. Tamanha é a sedução com que foram seduzidos.
  60. 60. Fato é que ainda há tempo para o arrependimento, mas ninguém sabe quanto tempo falta ou quando ele se esgotará. Isso nos alcança, pois também temos sobre o que nos arrepender, mas ainda sim teimamos em caminhar com as nossas ‘idolatrias’. Deus nos ajude!

×