Apocalipse - Capítulo 08

659 visualizações

Publicada em

Seminário Bíblico Apocalipse
Apocalipse Capítulo 08

Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
659
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
39
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apocalipse - Capítulo 08

  1. 1. Apocalipse 8 Aula 14
  2. 2. Antes de tudo, o que precisamos saber ou lembrar é que com a abertura do sétimo selo, o rolo de manuscrito (Apoc. 5. 1 a 8) agora está aberto ou liberado para tal e os eventos que dão início à eternidade, visto que até então temos “apenas” um prenúncio ou uma introdução, do que está prestes a começar.
  3. 3. Repito, seguindo a imagem do rolo de manuscrito selado com sete selos em 5.1, esse rolo, que contém os últimos eventos da história humana e o plano para o escaton, está agora, ao que tudo indica, liberado e pronto para ser aberto e lido.
  4. 4. Todavia, um evento surpreendente acontece. Em vez de uma ação angelical como nos outros selos, há um dramático... O que?
  5. 5. “E, havendo aberto o sétimo selo, fez-se silênciono céu quase por meia hora.” Apocalipse 8:1
  6. 6. Como podemos entender ou interpretar esse silêncio?
  7. 7. A razão para este silêncio tem sido amplamente discutida, resultando em diversas interpretações distintas. Como veremos a seguir: 1.Silêncio no céu para que as orações do povo de Deus possam ser ouvidas. 2. Uma simples cessação temporária da revelação.
  8. 8. 3. Uma pausa dramática indicando a reverência e o pavor enquanto as hostes celestiais aguardam os eventos vindouros. 4. Uma indicação de que as visões dos selos estão agora completas. 5. Uma expectativa intensa da intervenção divina.
  9. 9. O AT nos ajuda para uma melhor compreensão deste fato. Seus autores, por exemplo, compreendem o “silêncio” como: 1. Uma expectativa da ação iminente de Deus. Ouçamos os textos:
  10. 10. Êxodo 14: 13 Moisés, porém, disse ao povo: Não temais; estai quietos, e vede o livramento do SENHOR, que hoje vos fará; porque aos egípcios, que hoje vistes, nunca mais os tornareis a ver.14 O SENHOR pelejará por vós, e vós vos calareis. Sal. 46.10 "Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra."
  11. 11. Os autores do AT também, compreendem o “silêncio” como: 2. Uma resposta natural à onipotência divina. Habacuque 2.20 Mas o SENHOR está no seu santo templo; cale-se diante Dele toda a terra.
  12. 12. Ainda sim, Os autores do AT também, compreendem o “silêncio” como: 3. Um pavor reverente à luz de sua vinda em juízo. Sofonias 1.7 Cala-te diante do Senhor DEUS, porque o dia do SENHOR está perto.
  13. 13. Para Pierre Prigent, “essa última opção apresenta um pano de fundo mais natural para o silêncio de Apoc. 8.1. Todos no céu – continua – estão em uma intensa expectativa enquanto aguardam as últimas ações de Deus conduzindo a história ao seu fim...o rolo de manuscrito está sendo aberto e mal podem esperar para que os últimos acontecimentos sejam revelados.”
  14. 14. Ainda sim, é preciso ressaltar que tal silêncio não significa que nada estivesse acontecendo. Bauckham, por exemplo, vê as ações do anjo levando o incensário dourado com as orações dos santos como parte deste silêncio. ...
  15. 15. Os seja, mesmo com tantas possibilidades para esta pausa, três são as mais prováveis. 1.A expectativa do juízo de Deus a ser revelado. 2. O silêncio celestial litúrgico diante da oferta do incenso que são as orações dos santos. 3. As duas anteriores juntas.
  16. 16. Findou o silêncio, o conteúdo do manuscrito será agora desvendado nas trombetas e taças. Veremos que, embora as trombetas representam o centro destes três conjuntos de sete juízos, elas estão mais relacionadas em estilo e essência com as taças do que com os selos...
  17. 17. Como vimos, os selos são juízos preliminares que exploram a condição pecaminosa da humanidade e demonstram a necessidade de juízo. Neste ínterim, os santos são selados e protegidos da ira divina, ainda que enfrentem a ira dos habitantes da terra...
  18. 18. Assim chegamos ao silêncio celestial que está mais para uma muda expectativa da ação de Deus e para sua resposta às orações dos santos do que para qualquer outra coisa. Assim, para Osborne, podemos concluir que até mesmo por trás da execução de juízo, há adoração.
  19. 19. Já sobre as trombetas, aprenderemos que são dirigidas contra a idolatria tão predominante nos dias de João (e também em nossos dias); assim como também perceberemos que as quatro primeiras recapitulam as pragas no Egito, as quais foram direcionadas aos deuses do Egito.
  20. 20. Além disso, na quinta e na sexta trombetas – como veremos – outro tema é introduzido: o chamado ao arrependimento. Dessa forma, as trombetas participam da missão divina no mundo, tema presente em todo livro, e tanto estabelecem uma prova divina do poder de Deus sobre os deuses terrenos, quanto também oferecem a última oportunidade para o arrependimento.
  21. 21. O fato de receberem essas trombetas tornou esses anjos como arautos reais das ações do Reis dos reis ( o que encontra paralelo em vários outros momentos da bíblia). Para se ter um ideia, as trombetas não eram tocadas apenas em tempos de guerra (Jer. 51.27), mas também:
  22. 22. Na consagração do templo. Na entronização de um rei. Nas festas religiosas. Na convocação ao arrependimento. Antes dos sacrifícios dos holocaustos. Quando a arca foi levada para Jerusalém. Na consagração dos muros. Na revelação de Deus a Moisés no Sinai...
  23. 23. Mas, talvez a maior identificação do povo com o soar das trombetas, tenha sido como anunciadora do Juízo de Javé. Ouçamos:
  24. 24. Isaías 27: 13 E será naquele dia que se tocará uma grande trombeta, e os que andavam perdidos pela terra da Assíria, e os que foram desterrados para a terra do Egito, tornarão a vir, e adorarão ao SENHOR no monte santo em Jerusalém.
  25. 25. Joel 2:1 TOCAI a trombeta em Sião, e clamai em alta voz no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do SENHOR vem, já está perto; Zacarías 9: 14 E o SENHOR será visto sobre eles, e as suas flechas sairão como o relâmpago; e o Senhor DEUS fará soar a trombeta, e irá com os redemoinhos do sul.
  26. 26. Essa ligação da trombeta com o juízo de Deus se estendeu ao NT. E ele enviará os seus anjos com grande som de trombeta, e estes reunirão os seus eleitos dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus. Mateus 24:31
  27. 27. 1ª Coríntios 15: 52 Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados.
  28. 28. 1ª Tes. 4. 16 Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.
  29. 29. Talvez seja também por isso que a igreja primitiva, segundo a tradição cristã, interpretava os eventos apocalípticos realmente iminentes, como para sua geração. Seria bom se tivéssemos esse mesmo temor!
  30. 30. A revelação continua e assim lemos: Veio outro anjo e parou diante do altar, tendo um turíbulo de ouro; e foi-lhe dado muito incenso para o ajuntar às orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que estava diante do trono. Apocalipse 8:3
  31. 31. Como afirmamos anteriormente, um dos temas dos selos, trombetas e taças é que o derramamento do juízo se dá em resposta às orações dos santos. Aqui vemos Deus aceitando aquelas orações de imprecação como um ‘aroma suave’. Deus não somente ouviu as orações, como às atendeu.
  32. 32. Para Osborne, isso nos mostra que essas orações, ainda que imprecatórias, não somente estão de acordo com sua vontade (Romanos 12.19), como também têm espaço na vida do crente. Vale lembrar, que os juízos de fogo que se seguirão são as respostas de Deus e sua vingança em favor do seu povo por tudo que sofreram por causa do Seu nome.
  33. 33. Tais orações, continua Osborne, nos permitem apresentar nossas feridas profundas diante de Deus e saber que Ele lidará de forma justa com os que nos maltratam. Portanto, podemos vencer as feridas profundas que sofremos e amar as pessoas difíceis de amar, como Paulo nos ensina em Romanos 12. 14-21. Ouçamos:
  34. 34. Abençoai aos que vos perseguem; abençoai, e não amaldiçoeis. Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram. Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; não cuideis nas coisas altivas, mas acomodai-vos às humildes. Não sejais sábios aos vossos olhos.
  35. 35. Não torneis a ninguém mal por mal; cuidai em coisas dignas diante de todos os homens; se for possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens; não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira de Deus; porque está escrito: Minha é a vingança, eu retribuirei, diz o Senhor.
  36. 36. Antes se o teu inimigo tiver fome, dá- lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a cabeça dele. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. Romanos 12:14-21
  37. 37. Não é fácil, mas é assim que Deus espera que oremos em favor dos que querem ou nos fazem mau. Pois assim nossas orações serão recebidas como aroma suave. Ou seja, só assim nossas orações serão agradáveis a Deus! Deus nos abençoe, sempre!
  38. 38. Apocalipse Capítulo 8 Continuação: Aula 14b
  39. 39. As primeiras quatro trombetas!
  40. 40. Como mencionado na aula anterior, os juízos dessas quatro trombetas reproduzem as pragas egípcias e remetem, como veremos, ao problema da idolatria (os deuses terrenos), não somente no Império Romano, como também entre as seitas “cristãs” que contaminavam algumas igrejas da província da Ásia.
  41. 41. Então, com que propósito esses juízos se estabelecerão? 1.Provar o poder e a soberania de Deus. 2. Dar a última oportunidade de arrependimento.
  42. 42. Veremos que em cada uma das trombetas mais uma parte do mundo experimenta a destruição parcial e, cada um dos juízos reproduz a ação de 8.5, na qual um anjo enche o incensário de fogo e o lança sobre a terra. A trombeta será tocada e um juízo será lançado sobre a terra.
  43. 43. Só para ratificar toda questão progressiva já abordada, ressalto que os juízos das trombetas intensificam os juízos dos selos afetando um terço da terra, e são intensificados pelos juízos das taças que afetam o mundo todo.
  44. 44. Primeira trombeta! Tocou o primeiro a trombeta. Seguiu-se saraiva (granizo) e fogo, misturados com sangue, e foram lançados sobre a terra: foi queimada a terça parte da terra, e a terça parte das árvores, e toda a erva verde. Apocalipse 8:7
  45. 45. Vamos ao texto de Êxodo 9: 13-35
  46. 46. Podemos ver então uma correlação inegável com a praga do Egito, mas também precisamos admitir que os acontecimentos da primeira trombeta irão além das coisas que aconteceram no Egito, ainda que Deus tenha feito com que o Egito experimentasse a pior tempestade de sua história, não pode se comparar de modo pleno o que há de acontecer quando a 1ª trombeta for tocada.
  47. 47. Quando lemos o AT, aprendemos que o granizo é um juízo constante em seus acontecimentos. Ouçamos: Josué 10.11 - E sucedeu que fugindo eles de diante de Israel, à descida de Bete-Horom, o SENHOR lançou sobre eles, do céu, grandes pedras, até Azeca, e morreram; e foram muitos mais os que morreram das pedras da saraiva do que os que os filhos de Israel mataram à espada.
  48. 48. Em Jó, encontramos um certo bom humor da parte de Deus até mesmo quando resolve impetrar juízo sobre os inimigos de Jó. Disse o Senhor: “tenho reservado tesouros de granizo para seus inimigos”-(paráfrase de suas palavras – Jó 37...).
  49. 49. Aliás, em vários Salmos Deus é celebrado por usar o granizo em seus juízos. Exemplo: Destruiu com saraiva as vinhas deles, E as suas figueiras com chuva de pedra. Entregou à saraiva o gado deles, E aos raios os seus rebanhos. Salmos 78:47-48
  50. 50. Em fim, como antecipei, o juízo da trombeta ultrapassa o granizo do AT porque ao granizo é acrescentado fogo e ambos são misturados com “sangue”, provável referência a Joel 2.30, 31. – E mostrarei prodígios no céu, e na terra, sangue e fogo, e colunas de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR.
  51. 51. Como resultado do soar da 1ª trombeta, um terço da terra, e um terço das árvores e a relva serão queimados e destruídos. O que é sim uma grande tragédia!
  52. 52. A segunda trombeta destrói um terço das águas do oceano e faz paralelo com a primeira praga do Egito. E o segundo anjo tocou a trombeta; e foi lançada no mar uma coisa como um grande monte ardendo em fogo, e tornou- se em sangue a terça parte do mar. E morreu a terça parte das criaturas que tinham vida no mar; e perdeu-se a terça parte das naus.
  53. 53. Ouçamos o texto: Êxodo 7. 14 a 21
  54. 54. Devemos notar uma diferença. No Egito lemos que a praga foi causada pela vara de Moisés, já em apocalipse, o juízo é causado por um objeto aterrorizador como um grande monte em chamas. Notem – “como” um monte e não literalmente um monte - Talvez uma massa enorme em chamas voando em direção à terra.
  55. 55. Uma das possibilidades mais próximas indica que Deus esteja se referindo a um meteorito, principalmente porque se acreditava que os meteoros eram sinais da ação direta dos deuses. Fato é que quando o “monte” em chamas cai no mar, os resultados foram devastadores...
  56. 56. Devemos pensar que João está falando, primeiramente, para um povo que dependia enormemente do mar para seu comércio e sobrevivência. Para se ter uma ideia, as rotas marítimas eram chamadas de “A força vital de Roma”. Portanto, essa trombeta, significava falência, miséria e devastação de suas estruturas.
  57. 57. Na terceira trombeta encontramos mais uma alusão à 1ª praga do Egito. E o terceiro anjo tocou a sua trombeta, e caiu do céu uma grande estrela ardendo como uma tocha, e caiu sobre a terça parte dos rios, e sobre as fontes das águas.E o nome da estrela era Absinto, e a terça parte das águas tornou-se em absinto, e muitos homens morreram das águas, porque se tornaram amargas.
  58. 58. Aqui são atingidos os rios e as fontes das águas. A diferença que no lugar de um grande ‘monte’, está uma grande estrela queimando como tocha. É igualmente possível que se trate de um meteorito ou uma estrela cadente queimando ao rasgar a atmosfera enquanto caía na terra.
  59. 59. Mais uma vez Deus toca na segurança e na certeza de todo um povo que se orgulhava e tinha nas ‘fontes das águas’ a garantia de que jamais teriam sede. Tais fontes tinham o sentido metafórico de ‘fontes de vida’.
  60. 60. Portanto, esse juízo pode ter o propósito de ressaltar que Deus vai inverter o sentido de ‘fonte de vida’ para ‘fonte de morte’, amargura e tristeza, simbolizados pelo absinto (uma pequena planta extremamente amarga). Pois se recusaram a crer na verdadeira fonte de água viva, que é Cristo!
  61. 61. Chegamos à quarta trombeta que reproduz a nona praga do Egito. E o quarto anjo tocou a sua trombeta, e foi ferida a terça parte do sol, e a terça parte da lua, e a terça parte das estrelas; para que a terça parte deles se escurecesse, e a terça parte do dia não brilhasse, e semelhantemente a noite.
  62. 62. Ouçamos o texto: Êxodo 10. 21 a 23
  63. 63. Ao soar desta trombeta, mais uma vez os luminares celestiais são ‘feridos’ afetando um terço do dia e da noite. Assim, Tanto o dia quanto à noite ficam igualmente sem luz. A escuridão dura um terço de ambos períodos. A escuridão é escuridão mesmo. Não haverá luz alguma...
  64. 64. Devemos admitir que será um tempo de trevas, deste modo, até sobre as trevas Deus tem o controle e a usará para juízo deste mundo que já havia sido predito pelo seu filho, como nos revela Marcos. Ouçamos o texto:
  65. 65. Mas vós vede; eis que de antemão vos tenho dito tudo. Ora, naqueles dias, depois daquela aflição, o sol se escurecerá, e a lua não dará a sua luz. E as estrelas cairão do céu, e as forças que estão nos céus serão abaladas. Marcos 13:23-25
  66. 66. O que fica ou, ao menos, deve permanecer em nossos corações diante do que ouvimos nesta manhã é que por meio das primeiras quatro trombetas Deus prova o seu poder ao desbancar os poderes terrenos e prova que toda confiança não depositada Nele será envergonhada.
  67. 67. O juízo da primeira trombeta mostra que a confiança terrena não é a resposta. Os juízos da segunda e terceira trombetas mostram que o mundo material não é a resposta O juízo da quarta trombeta mostra que a vida centrada em si mesmo não é a resposta.
  68. 68. Em resumo, as quatro trombetas juntas provam que aquele que vive somente para este mundo e fazem deste mundo o seu fim, é um tolo. Pois a verdadeira vida está em Deus. Haverá um dia em que as coisas terrenas se voltarão para este tipo de pessoa, que não sejamos nós. Deus nos abençoe!

×