Apocalipse - Capítulo 05 aula 11

1.215 visualizações

Publicada em

Seminário Bíblico Apocalipse
Apocalipse Capítulo 5

Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br/

Publicada em: Espiritual
1 comentário
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Esse Livro selado é o próprio APOCALIPSE. Pois, segue o LIVRO do APOCALIPSE REVELANDO desde o 1º SELO aos SUBSEQUENTES. Claro e obvio demais, ... Mas, admito, quando o ESPÍRITO SANTO REVELA. Aí é só CRER, porque é VERDADE !@!!. A Paz a todos os amantes do APOCALIPSE e da BIBLIA !!!
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.215
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
1
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apocalipse - Capítulo 05 aula 11

  1. 1. Apocalipse Capítulo 5 Aula 11
  2. 2. E vi na destra do que estava assentado sobre o trono um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos. E vi um anjo forte, bradando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos? E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele.
  3. 3. E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos.
  4. 4. E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete pontas e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra. E veio, e tomou o livro da destra do que estava assentado no trono. Apocalipse 5:1-7
  5. 5. Para primeiro nos ambientarmos devo lembrar que este capítulo nada mais é do que uma continuação do 4. Assim, devemos ter em mente que se trata do mesmo pano de fundo.
  6. 6. João no céu e diante do trono de Deus é convidado a ver. “Mostrar-te-ei” – disse Jesus João viu a porta, viu o trono, viu o que está assentado, viu os vinte e quatro anciãos, viu os quatro seres viventes, viu trovões e relâmpagos, viu a adoração...
  7. 7. O capítulo 5 não somente continua com tais visões, mas também é divido em cenas distintas a partir do que João vê. “e vi” – 5.1 “e vi’ – 5. 2 a 5 “e vi ” – 5. 6 a 10 “e vi’ – 5. 11 a 14
  8. 8. E vi sobre a mão direita daquele que está assentado no trono um livro em forma de rolo escrito de ambos os lados e selado com sete selos. 5.1
  9. 9. “sobre a mão direita” Eu fiz essa diferenciação porque esta expressão ‘sobre a’ é a que melhor representa o grego, pois o termo original traz a ideia de que o livro está sobre a palma aberta da mão direita de Deus. ‘Mão direita’ que simboliza, como já aprendemos, poder e autoridade.
  10. 10. Então, mais do que achar alguém que fosse digno de tomar esse livro e abri-lo, está também em questão o ser digno de receber de Deus poder e autoridade.
  11. 11. Podemos ver que o livro está absolutamente identificado com o tempo e a cultura quando, por exemplo, João afirma não só que o mesmo está escrito por dentro e por fora (opistográfico), mas também que encontra-se selado. O que nos permite entender que se trata de um rolo, lembrando o papiro ou pergaminho.
  12. 12. Assim o rolo está na palma da mão de Deus e precisa ser aberto. Então dá-se o segundo “vi”. Vi um anjo poderoso, proclamando em alta voz: "Quem é digno de romper os selos e de abrir o livro? " Apocalipse 5:2
  13. 13. Sabemos que o propósito dos selos é manter o conteúdo em sigilo até que se cumpras o tempo para sua revelação. Talvez tenha sido essa um pouco da angústia de João. Que livro é esse? Qual o seu conteúdo?
  14. 14. Para Grant Osborne, esse livro “indica uma tábua celestial contendo o propósito e o final da história da redenção. Nesse sentido, ela resume o todo da verdade bíblica começando nos prenúncios desse plano no AT e desvendando-o progressivamente por meio de Cristo... É importante observar aqui que os eventos do capítulo 6 acompanham a abertura dos selos e não constituem o conteúdo do rolo”
  15. 15. Quem é digno? Visto que o próprio Deus não abrirá o livro, uma busca é realizada em toda criação para encontrar um ser que seja digno.
  16. 16. Deus é digno então Ele busca alguém digno de pegar o livro e romper os selos, alguém esse que não foi achado nem no céu, nem na terra, nem debaixo da terra. Essa divisão tripla segue uma crença judaica de que o universo é dividido em três camadas e indica a totalidade da ordem criada...
  17. 17. Ou seja, em toda criação não há um sequer que seja digno de pegar o livro e romper seus selos. Então João chora! Porque ele chora?
  18. 18. Chora, muito provavelmente, por ter cogitado a possibilidade de conseguir descobrir o conteúdo do rolo. Devemos nos lembrar que sobre sua vida havia a seguinte palavra: “mostrar-te-ei as coisas que devem acontecer”
  19. 19. A probabilidade de ter associado tais ‘coisas’ com o conteúdo do livro é muito grande. Agora, não tem ninguém que o abra? Talvez, ainda que por alguns instantes, João deva ter sentido a sensação de ter nadado, nadado, pra morrer na praia...
  20. 20. Aliás, esse termo no grego indica uma profunda tristeza e lamento por algo que é perdido. Só que o texto segue e com ele, mais uma vez, aprendemos que diante do poder de Deus não há motivo para tristeza. Pois há um que é digno de pegar o livro e abrir seus selos!
  21. 21. Eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos". Apocalipse 5:5
  22. 22. Os versículos 5 e 6 são profundamente cristológicos. No 5, em particular, encontramos dois títulos messiânicos para descrever aquele que é digno de abrir o livro, revelando que Jesus de Nazaré é de fato o messias prometido. A profecia se cumpriu. ‘Leão de Judá’ E ‘Raiz de Davi’
  23. 23. Jesus como vencedor é o LEÃO. O animal mais mencionado no AT tendo como sentido figurado poder e força. Notem que esse ‘Leão’ tem dupla qualificação: Primeira: Ele é ‘Da Tribo de Judá.’ Segunda: Ele é ‘A Raiz de Davi.’
  24. 24. A primeira provém de Genesis 49. 8 a 10: Judá, a ti te louvarão teus irmãos; a tua mão será sobre o pescoço de teus inimigos: diante de ti se prostrarão os filhos de teu pai. Judá é um leãozinho. Subiste da presa, meu filho. Ele se encurva e se deita como um leão, e como uma leoa; quem o despertará?
  25. 25. O cetro não se arredará de Judá, nem o bastão de autoridade dentre seus pés, até que venha aquele a quem pertence; e a Ele obedecerão os povos. Aleluia!
  26. 26. A segunda provém de Isaias 11 Então brotará um rebento do toco de Jessé, e das suas raízes um renovo frutificará... Naquele dia a raiz de Jessé será posta por estandarte dos povos, à qual recorrerão as nações; gloriosas lhe serão as suas moradas. Vers. 1 e 10
  27. 27. Entretanto, não somente porque Jesus é o messias encarnado e sim porque também VENCEU, Ele é digno de abrir o livro. Aliás, como muito bem nos revela João: “Não chores; eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e romper os sete selos.”
  28. 28. Então chegamos ao terceiro ‘vi’. Lembro que um dos anciãos disse pra João ficar tranquilo que o Leão era digno de abrir o livro. Mas, João olha e o que ele vê?
  29. 29. Nisto vi, entre o trono e os quatro seres viventes, no meio dos anciãos, um Cordeiro em pé, como havendo sido morto, e tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus, enviados por toda a terra. E veio e tomou o livro da destra do que estava assentado sobre o trono. Apocalipse 5:6-7
  30. 30. Sim! João vê um cordeiro! Jesus é o leão que se fez cordeiro e venceu como cordeiro para se fazer leão novamente! Entenderam?
  31. 31. Essa é uma das mais belas metáforas bíblicas. O Leão é o cordeiro! Os versículos que se seguem mostram como o Leão de Judá venceu, não mediante a força ou ao poder militar, mas por seu sacrifício pascal. Jesus não vence por habilidade física, mas por suportar a hostilidade e pela morte...
  32. 32. Isso é maravilhoso porque indica que a grande vitória de Jesus sobre satanás já ocorreu: a cruz é o ponto central da história e o escaton é a culminação da vitória já alcançada, pois o triunfo de Cristo já ocorreu na cruz...
  33. 33. Osborne nos permite entender que o Armageddon (a grande guerra final) é mais um grito de desespero de satanás do que qualquer outra coisa. Afinal de contas, ele já foi derrotado, pois “ao pregar Cristo na cruz, satanás cometeu seu maior erro tático, pois isso culminou na sua própria derrota”. Aleluia!
  34. 34. Este Cordeiro vencedor “veio e tomou o livro da destra do que estava assentado sobre o trono.” Apocalipse 5:7
  35. 35. O fato do livro estar na mão direita de Deus mostra autoridade sobre tal e controle divino sobre seu conteúdo. Assim, devemos entender que, neste momento, há uma transferência de autoridade de Deus para o Cordeiro, que agora assume o controle.
  36. 36. Jesus Cristo é colocado numa posição junto a seu Pai como Senhor de todos os acontecimentos no céu e na terra. Mais precisamente, Jesus Cristo exerce o reinado de seu Pai que agora lhe foi entregue como cumprimento de Daniel 7. 13 e 14 que diz:
  37. 37. Na minha visão à noite, vi alguém semelhante a um filho de um homem, vindo com as nuvens dos céus. Ele se aproximou do ancião e foi conduzido à sua presença. A ele foram dados autoridade, glória e reino; todos os povos, nações e homens de todas as línguas o adoraram. Seu domínio é um domínio eterno que não acabará, e seu reino jamais será destruído...
  38. 38. Jesus é o Leão, é o cordeiro, é o que venceu, é digno e É o que herdou do Pai autoridade e poder para executar seu plano. Deste modo, a abertura deste livro resultará na consumação da história deste mundo e nossa enquanto parte dele!
  39. 39. Será que estamos preparados? Ou melhor Será que estou preparado?
  40. 40. Que Deus nos dê de sua graça hoje e sempre!
  41. 41. Apocalipse Capítulo 5 Continuação: Aula 11b
  42. 42. E vi na destra do que estava assentado sobre o trono um livro escrito por dentro e por fora, selado com sete selos. E vi um anjo forte, bradando com grande voz: Quem é digno de abrir o livro e de desatar os seus selos? E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele.
  43. 43. E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos. E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete pontas e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.
  44. 44. E veio, e tomou o livro da destra do que estava assentado no trono. E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos. E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação;
  45. 45. E para o nosso Deus nos fizeste reis e sacerdotes; e reinaremos sobre a terra. E olhei, e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares,
  46. 46. Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. E ouvi a toda a criatura que está no céu, e na terra, e debaixo da terra, e que estão no mar, e a todas as coisas que neles há, dizer:
  47. 47. Ao que está assentado sobre o trono, e ao Cordeiro, sejam dadas ações de graças, e honra, e glória, e poder para todo o sempre. E os quatro animais diziam: Amém. E os vinte e quatro anciãos prostraram-se, e adoraram ao que vive para todo o sempre. Apocalipse 5:1-14
  48. 48. Precisamos, antes de entrar no conteúdo inédito, lembrar de alguns pontos que foram dados nas duas últimas aulas.
  49. 49. Primeiro: aprendemos que o capítulo 5 de apocalipse é continuação do quatro e, portanto, tem o mesmo pano de fundo.
  50. 50. Neste mesmo capítulo João é convidado a ver e assim ele se divide.
  51. 51. Aprendemos que o capítulo 5 é divido em cenas distintas a partir do que João vê. “e vi” – 5.1 “e vi’ – 5. 2 a 5 “e vi ” – 5. 6 a 10 “e vi’ – 5. 11 a 14
  52. 52. Na última aula dada refletimos sobre os três primeiros “e vi”... “e vi” – 5.1: e vi um livro sobre a mão direita do que estava assentado sobre o trono. “e vi’ – 5. 2 a 5: E vi um anjo poderoso – forte. “e vi ” – 5. 6 a 10: e vi um cordeiro
  53. 53. Assim, iremos hoje refletir ainda um pouco sobre sua terceira ‘visão’ – a do cordeiro – pois além do cordeiro, neste momento, João também algumas coisas também importantes, como também viu alguns acontecimentos que não podem ser ignorados. Ouçamos o texto novamente:
  54. 54. E olhei, e eis que estava no meio do trono e dos quatro animais viventes e entre os anciãos um Cordeiro, como havendo sido morto, e tinha sete pontas e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra.
  55. 55. E veio, e tomou o livro da destra do que estava assentado no trono. E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos.
  56. 56. E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; E para o nosso Deus nos fizeste reis e sacerdotes; e reinaremos sobre a terra. Apocalipse 5:6-10
  57. 57. Esse foi o cordeiro visto por João?
  58. 58. Não. Na verdade, o cordeiro visto por João era o que poderíamos chamar de um “Cordeiro mutante”. Diz o texto que ele tem ‘sete chifres e sete olhos’. E o que significam estas coisas?
  59. 59. Os chifres desde o mundo antigo indicam poder e força, como os dez chifres do quarto animal de Daniel 7. veremos que em apocalipse os chifres aparecem frequentemente e também indicam poder e força.
  60. 60. Os sete olhos, como em 4, 4 a 8, simbolizam o cordeiro que vê todas as coisas. Zacarias também nos ajuda nesta compreensão quando nos revela que os sete olhos do Senhor percorrem toda a terra.
  61. 61. Sabendo que ‘sete’, na Bíblia, tem o sentido de completude; devemos então concluir que o Cordeiro detém todo poder e dos seus olhos nada escapa. Neste momento a onipotência (sete chifres) e a onisciência (sete olhos) do ‘cordeiro – leão’ são intencionalmente destacadas visando, talvez, o encorajamento de seus leitores.
  62. 62. Assim João vê o Cordeiro que tem sete chifres e sete olhos e que pega o livro da mão direita de Deus. Depois disso o que acontece?
  63. 63. Ele é adorado. O cordeiro é adorado!
  64. 64. E, havendo tomado o livro, os quatro animais e os vinte e quatro anciãos prostraram-se diante do Cordeiro, tendo todos eles harpas e salvas de ouro cheias de incenso, que são as orações dos santos. Apocalipse 5:8
  65. 65. Percebam que a adoração a Deus no capítulo 4 é agora replicada na adoração universal ao Cordeiro, primeiro pelos seres viventes e pelos anciãos e, em seguida, por toda ordem angelical.
  66. 66. ‘prostraram-se diante do cordeiro” Essa é a resposta básica e imediata que se deve ter ante à majestade de Deus. Essa expectativa Divina a nosso respeito deve ter uma profunda ligação com a recriminação que Deus tem sobre os olhos altivos. Ouçamos os textos:
  67. 67. Prov. 6: 16 Estas seis coisas o SENHOR odeia, e a sétima a sua alma abomina: Olhos altivos,... Prov. 16 : 5 Abominação é ao SENHOR todo o altivo de coração; não ficará impune mesmo de mãos postas.
  68. 68. João vê que eles se prostram e, mais do que isso, João vê que cada ser celestial tem em suas mãos dois objetos: uma harpa e uma taça de ouro com incenso.
  69. 69. A harpa, instrumento tocado por Davi, era usado junto a outros instrumentos para acompanhar os hinos e também acrescentar uma atmosfera festiva, de alegria na adoração como nos ensina Neemias 12. 27 E na dedicação dos muros de Jerusalém buscaram os levitas de todos os seus lugares, para trazê-los, a fim de fazerem a dedicação com alegria, com louvores e com canto, saltérios, címbalos e com harpas.
  70. 70. Quanto ao incensário que representa as orações dos santos, assim como no Salmo 141 que nos diz: ...
  71. 71. Salmos 141: 1 SENHOR, a ti clamo, escuta- me; inclina os teus ouvidos à minha voz, quando a ti clamar. 2 Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e as minhas mãos levantadas sejam como o sacrifício da tarde.
  72. 72. Enfim, tem um grande paralelo com o significado que o incenso tem na adoração judaica e que não é outro senão a indicação de um ‘aroma de cheiro agradável’ ou a aceitabilidade do sacrifício a Deus. Assim devemos entender que Deus, de igual modo se agrada e aceita as orações feita pelos santos.
  73. 73. Eles se prostram e entoam um “novo cântico”. Esse termo tem um sentido escatológico e é o mesmo adjetivo usado para nova Jerusalém, novo céu e a nova terra. Ou seja, tudo novo, inclusive um novo cântico para celebrar sua vinda! Aleluia.
  74. 74. Sobre esse novo cântico podemos aprender que é composto de três partes. 1. A aclamação da dignidade do Cordeiro 2. A obra salvadora do Cordeiro. 3. Os resultados para os seguidores do Cordeiro.
  75. 75. A primeira parte – Tu és digno – repete a celebração da dignidade de Deus e dá continuidade ao tema constante do livro no que diz respeito à unidade entre Deus e Cristo. Deus é digno – O Cordeiro é digno
  76. 76. Também tem como ponto de partida a pergunta de abertura deste capítulo: Quem é digno de abrir o livro e desatar os selos? A resposta vem em forma de canção: O Cordeiro é digno!
  77. 77. E porque Ele é digno?
  78. 78. ...porque foste morto, e com o teu sangue nos compraste para Deus de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; E para o nosso Deus nos fizeste reis e sacerdotes; e reinaremos sobre a terra. Apocalipse 5:9-10
  79. 79. Osborne ressalta que a combinação das figuras do sacrifício e do comércio é um tema central da soteriologia do NT. Quer dizer a morte de Jesus foi o pagamento de resgate pelo qual Deus comprou um povo para si mesmo. Povo esse de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; indicando assim a iniversalidade de sua obra redentora. E mais...
  80. 80. O sacrifício de Cristo possibilitou que todos do povo de Deus vindos de todas as nações da terra se tornassem realeza e sacerdotes no novo reino de Deus.
  81. 81. Os santos são coletivamente um ‘reino’ que por meio da morte de Cristo e sua vitória final sobre o mal reinarão com Ele sobre sua criação. Os santos são individualmente ‘sacerdotes’ que servem a Deus por meio da adoração, do testemunho e da missão universal às nações.
  82. 82. Assim chegamos á última parte deste capítulo, ao último “e vi”. E olhei (e vi), e ouvi a voz de muitos anjos ao redor do trono, e dos animais, e dos anciãos; e era o número deles milhões de milhões, e milhares de milhares, Apocalipse 5:11
  83. 83. João viu que os anjos se juntaram à adoração dos seres viventes e dos anciãos e, quanto à expressão “milhões de milhões, e milhares de milhares” devemos entendê-la como menção de uma hoste ou exército inumerável de anjos, o que acrescenta um impacto e beleza ainda maiores à adoração destacando ainda mais a majestade e o esplendor de Deus em seu trono.
  84. 84. Mas, João viu e ouviu a adoração. E o que eles cantavam?
  85. 85. Que com grande voz diziam: Digno é o Cordeiro, que foi morto, de receber o poder, e riquezas, e sabedoria, e força, e honra, e glória, e ações de graças. Vocês conseguem ver um número neste versículo?
  86. 86. O Cordeiro de Deus que tem os sete chifres e os sete olhos é também digno de ser adorado com um louvor ‘sétuplo’. Pois Ele é digno de receber o poder – riquezas – sabedoria – força - honra – glória - ações de graças.
  87. 87. Além de ter uma indicação de um perfeito louvor, cada termo é uma aplicação metafórica à pessoa de Cristo de qualidades que pertencem inerentemente a Deus, dando, mais uma vez, continuidade à ênfase na unidade entre Pai e Filho.
  88. 88. Tais atribuições podem ainda ser divididas em duas partes: Uma de quatro elementos que celebra os atributos de Cristo: poder, riqueza, sabedoria e força. Outra de três elementos que celebra a adoração que lhe é devida como resultado desses atributos: honra, glória e ações de graças ou louvor.
  89. 89. Repito: a adoração ao Cordeiro no cap. 5 faz paralelo com a adoração a Deus no cap. 4 e tudo o que é dito aqui se aplica à nossa adoração a Deus e a Jesus Cristo. E, por vezes, na tentativa de torná-lo mais acessível ao outro tornamos nossa mensagem diminuta apresentando-o como nosso ‘irmão mais velho’ ou como o ‘melhor amigo que alguém pode ter’...
  90. 90. Não que estejamos errados, mas às vezes perdemos a dimensão de que Ele é também Senhor e Soberano. Portanto, devemos recuperar a percepção de que Ele é o nosso Deus e que é digno da mais profunda e sincera adoração por sua soberania e por sua vitória conquistada na Cruz.
  91. 91. Termino citando Rowland: “A escolha do Cordeiro feita por Deus significa que Ele não se volta para os poderosos, mas para as vítimas, não para os fortes, mas para o fraco, dando outro rosto ao ‘sucesso’ e ao ‘exercício de poder’...
  92. 92. ...Esta é uma mensagem importantíssima para a cultura do autoengrandecimento. Apocalipse desmascara a cultura humana e a violência que ela institucionaliza. Essa é uma lição importante para uma igreja que não raro tem escolhido o modo de ação secular, e não o divino no qual líderes frequentemente se tornam ditadores em vez de servos”
  93. 93. Sejam os nosso corações por todo tempo prostrados diante do cordeiro de Deus.

×