Apocalipse - Capítulo 02

1.089 visualizações

Publicada em

Seminário Bíblico Apocalipse
Capítulo 02 (Aula 03, 04, 05 e 06)


Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br/

Publicada em: Espiritual
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.089
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
62
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apocalipse - Capítulo 02

  1. 1. Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse Capitulo 2 Aula 03, 04, 05 e 06
  2. 2. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas O prólogo (Ap. 1:1-8) e a visão inaugural (1:9-20) dão a tônica e introduzem os principais personagens do restante do livro: as forças do bem (Cristo e as Igrejas) e do mal (os governantes mundiais e os poderes cósmicos). Ali, aprendemos que Jesus é, realmente, o Cristo glorificado que está no controle não apenas das igrejas, como também dos governantes seculares e das forças do Mal.
  3. 3. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Portanto, o cenário é preparado para as cartas das igrejas da Ásia Menor, descrevendo os efeitos do conflito entre o bem e o mal na vida dos cristãos, contra quem o mundo está em guerra.
  4. 4. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas A uma discussão teológica sobre a representação das igrejas na carta do Apocalipse, uma antiga opinião era que as cartas foram escritas de forma distinta e enviadas originalmente para cada uma das igrejas, e que depois foram reunidas e editadas para se adequarem ao livro.
  5. 5. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Outros estudiosos já refutam esta ideia e em sentido oposto acreditam que elas não são verdadeiramente, cartas para igrejas específicas, mas um artificio retórico para apresentar os problemas tratados no livro com um todo.
  6. 6. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas A maioria dos outros estudiosos acredita que as cartas são dirigidas tanto às igrejas individualmente, como a toda a Ásia Menor. Afinal as igrejas de Apocalipse eram centro naturais de disseminação de informação para as demais igrejas da província, portanto os problemas naquelas igrejas eram também representativos do restante das comunidades cristãs.
  7. 7. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Há porém, mais uma teoria, ligada ao dispensacionalismo clássico de que essas cartas não são tanto cartas para igrejas individuas, quanto um plano histórico profetizando os sete períodos por vir da era da igreja. Portanto Éfeso representa a igreja primitiva. Esmirna, o período da perseguição na era patrística; Pérgamo aponta para o tempo de Constantino; Tiatira para a era medieval; Sardes indica a época da Reforma. Filadélfia os séculos 18 e 19; e Laodiceia para a era moderna.
  8. 8. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Entretanto, as descrições das sete igrejas não se encaixam apenas em épocas da igreja. É evidente, com base no texto, que as características dessas cartas pretendiam ser atribuídas a todas as igrejas da Ásia Menor e, de fato, a todos os período da história da Igreja.
  9. 9. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Todavia, isso destaca um objetivo importante das cartas: tratar de problemas práticos que são encontrados em todas as igrejas (cada carta termina com “ouça o que o Espírito diz as igrejas”). O que devemos fazer com essas sete cartas é perguntar: “Em que medida tal situação reflete a condição de nossa própria igreja? Como nós podemos maximizar os pontos fortes e minimizar os pontos fracos encontrados nessas igrejas?”
  10. 10. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas A forma da confecção das cartas revela uma estrutura de sete partes, com cada aspecto sendo introduzido por uma fórmula que é repetida nas cartas. O equilíbrio é evidente, com introdução e conclusão contendo duas partes cada uma e o corpo da carta apresentando três divisões.
  11. 11. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Muitos estudiosos têm notado que há, realmente sete partes na forma das cartas, mas várias delas não possuem todos os sete elementos. As cartas à igrejas de Esmirna e de Filadélfia não menciona nenhum ponto fraco, e a carta a Laodiceia não menciona nenhum ponto forte.
  12. 12. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas As sete mensagens são, com poucas exceções, organizadas no seguinte padrão: (1) destinatário; (2) uma descrição de Cristo em conformidade com a visão relatada no capítulo 1; (3) declaração dos Pontos fortes; (4) Pontos fracos; (5) uma proposta de correção para o que está errado; (6) chamado para ouvir; (7) desafio para vencer, com promessas escatológicas dirigidas aos que vencerem.
  13. 13. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas No geral, essa forma está presente e, à luz da organização de sete partes das seções ao longo de todo o Apocalipse, é provável que algum significado lhe deva ser atribuído, especialmente por que há sete igrejas e as cartas endereçadas a elas têm sete partes. Provavelmente, esse número ressalte que tais cartas apresentam uma mensagem perfeita da parte de Deus para essas igrejas.
  14. 14. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Finalmente, muitos estudiosos têm notado a semelhança dessas cartas com as mensagens proféticas e cartas do AT. As fórmulas são elaboradas a partir de padrões literários das mensagens proféticas e têm o propósito de levar os leitores a perceberem semelhanças com a nação de Israel no período profético.
  15. 15. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta às sete Igrejas Particularmente, essa estrutura torna mais impactantes as advertências e as promessas. Os leitores reagirão como o Israel apóstata ou como o remanescente fiel, ao darem ouvidos ao (ou ignorarem o) conteúdo dessas cartas? Elas são exortações que buscam aproximar os leitores de Deus.
  16. 16. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta a Éfeso (2:1-7) Éfeso era uma das quatro cidades mais poderosas do Império Romano. Com mais de 250 mil habitantes, estava localizada no porto onde o rio Caister desembocava no mar Egeu, na parte ocidental da Ásia Menor. Em tempos passados Éfeso havia se tornado uma cidade importante, após ser conquistada por Croeso da Lídia (550 a.C.), que contribuiu grandemente para a reconstrução do tempo de Ártemis e fundou a cidade.
  17. 17. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta a Éfeso (2:1-7) Rapidamente Éfeso transformou-se em um centro de comércio e negócios para toda a parte ocidental da Ásia Menor, uma das mais prósperas províncias do Império Romano. Ela passou para o controle romano em 133 a.C., e se tornou na maior cidade da região, com grandes projetos de construção e exuberante vida comercial e religiosa.
  18. 18. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta a Éfeso (2:1-7) No âmbito religioso, Éfeso era mais conhecida por seu templo dedicado a deusa da fertilidade, Ártemis (a Diana romana). O “Artemision” era a maior construção no mundo antigo e o primeiro templo a ser feito completamente de mármore. Possuía, literalmente, milhares de sacerdotes e sacerdotisas, muitas deles prostitutos e prostitutas rituais.
  19. 19. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta a Éfeso (2:1-7) Pode-se perceber o poder dessa veneração no tumulto descrito em Atos 19.23,24, causado simplesmente pelo clamor: “Grande é a Ártemis dos efésios”. Éfeso abrigava também muitos templos sagrados, e alguns dedicados aos imperadores.
  20. 20. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Carta a Éfeso (2:1-7) Ao que tudo indica, a igreja foi estabelecida por Priscila e Áquila, deixados na cidade por Paulo em 52 d. C., e ajudados por Apolo (At. 18:18-25). Paulo retornou e investiu dois anos e três meses ali (At. 19), provavelmente usando Éfeso como um centro para evangelização de toda a região (At. 19:10). Mais tarde a igreja lutou contra falsos mestres, (Ef. 4:14; 1Tm), o que também é atestado em apocalipse 2:6.
  21. 21. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Destinatário O “anjo da igreja” aqui pode referir-se a um anjo designado pelo Senhor para guardar a Igreja naquela região em meio à guerra espiritual. Como declarado em 1.20, o “anjo” tanto é o guardião da cidade quanto está corporativamente identificado com ela, de modo que a carta é enviada à igreja em Éfeso como um todo por meio do anjo. Isso está de acordo com 1.1,2, em que o Apocalipse é enviado da parte de Deus, por meio de Cristo, a um anjo e, então a João, para que ele dê as igrejas.
  22. 22. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Destinatário Assim, o anjo tem a função bíblica básica de “mensageiro” à igreja. Os anjos porém, funcionam mais do que como mensageiros aqui. Em vários lugares do NT, anjos operam como testemunhas autorizadas, supervisionando o plano de Deus à medida que ele se desenrola entre seu povo. Sua presença numa passagem sempre acrescenta uma conotação escatológica à mensagem, como um aviso de que as forças divinas estão em ação e vigiando.
  23. 23. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Descrição dos atributos do mandatário Ficará claro no decorrer do nosso estudo que os atributos do caráter de Cristo, mencionados em cada carta, são escolhidos de forma precisa e perfeita para tratar das necessidade da igreja à qual se destina. Essas características trazem a memória da igreja de Éfeso as verdades fundamentais que ela começou a negligenciar.
  24. 24. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Descrição dos atributos do mandatário Visto que Éfeso é a igreja-mãe, ela deve reconhecer que Cristo, não ela, “tem as sete estrelas” e “anda no meio dos sete candelabros”. Não há espaço para orgulho, pois apenas Cristo é o soberano, não uma igreja, seja ela qual for. Cristo é apresentado por segurar as estrelas, passando a ideia de controle soberano, e é retratado como andando no meio, combinando a ideia de preocupação pela igreja e autoridade sobre ela.
  25. 25. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Descrição dos atributos do mandatário Cristo está sempre entre seu povo e zelando por ele, bem como vigiando-o. O aspecto disciplinar certamente está presente numa carta que adverte que Cristo viria “contra ti” e tiraria “o teu candelabro do seu lugar” (2:5)
  26. 26. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes No inicio do versículo 2, demostra que Jesus não tem somente mero conhecimento de fatos, mas sim conhecimento incontestável e absoluto, além disso boas obras, fazem referência a toda caminhada espiritual do crente, como indicado pelo sentido de “obras” nas cartas.
  27. 27. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes Com “trabalho”, João quer transmitir a ideia de “trabalho pesado”, mesmo termo usado por Paulo para designar o trabalho árduo que ele realizada para se sustentar (1 Ts 2:9; 2 Ts 3:8) e também para se referir ao trabalho missionário (1 Co 15:58). O vocábulo é empregado duas vezes em Apocalipse (2:2 e 14:13) para o “trabalho” cristão que dará recompensas.
  28. 28. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes A perseverança é também associada à “obra” e ao “trabalho” em 1 Tessalonicenses 1:3, de modo que os três podem ter sido uma tríade catequética antiga para o desenvolvimento da vida cristã.
  29. 29. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes O “trabalho” bem-sucedido da igreja de Éfeso envolvia uma batalha contra os falsos mestres, situação vista em Efésios (4:14), em Colossenses, e em 1 João como um problema recorrente na Ásia Menor. Primeiro eles não suportavam os maus, descrevendo o caráter basicamente como “mau” dos falsos mestres.
  30. 30. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes Além da declaração passiva (“não podes suportar”), João se volta par a resposta ativa deles. Fundamentados sobre as ordenanças do AT, eles “puseram à prova” as alegações desses falsos mestres. O vocábulo é usado para submeter uma pessoa a teste, a fim de verificar se suas alegações são válidas.
  31. 31. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes Este é o termo básico, tanto no AT quanto no NT, para o exame crítico das avaliações de uma pessoa. Em 1 João 4:1-3, os crentes são chamados a “avaliar” os “espíritos” dos falsos mestres. Ao que tudo indica, esses hereges agiam como missionários/mestres itinerantes e circulavam entre as igrejas, nas casas, reivindicando para si mesmos o título de “apóstolos”.
  32. 32. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fortes Os cristãos em Éfeso tinham não apenas permanecidos firmes em meio as perseguições, mas também triunfado sobre os hereges e mantido sua vigilância espiritual.
  33. 33. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fracos Agora um problema extremamente sério, que ameaça a própria vida e o futuro da igreja precisa ser introduzido. Ele indica o descontentamento divino. O grande problema dos Efésios é o abandono do “primeiro amor”.
  34. 34. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fracos Eles haviam perdido o primeiro impulso do entusiasmo e empolgação em sua vida cristã e se acomodado numa fria ortodoxia, que apresentava mais vigor superficial do que profundidade. A segunda geração da igreja provavelmente falhara em preservar o mesmo fervor da primeira. Eles haviam cumprido a profecia de Cristo em Mateus 24:12: “o amor de muitos esfriará”.
  35. 35. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fracos Os convertidos de Éfeso haviam experimentado tal amor em seus primeiros anos, mas a luta com os falsos mestres e seu ódio pelo ensino herético ao que tudo indica haviam produzido insensibilidade e atitudes ásperas na relação uns com os outros, a tal ponto que isso resultara no abandono da virtude cristã suprema do amor.
  36. 36. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fracos Por todo o NT o amor a Deus e a Cristo é enfatizado tanto quanto o amor aos nossos irmãos na fé. De fato, um requer o outro, pois ninguém pode amar a Deus sem amar seus filhos, e vice-versa. Fica claro que os efésios amavam mais a verdade do que a Deus ou do que uns aos outros.
  37. 37. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Pontos fracos Isso não significa que eles não eram crentes ou que não tinham amor algum, pois os elogios dos versículos 2,3 seriam impossíveis neste caso. Antes, seu primeiro amor havia esfriado e sido trocado por um rude zelo pela ortodoxia.
  38. 38. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução A solução toma a forma de uma série de imperativos que exigem arrependimento e mudança, seguidos de uma advertência de juízo caso os membros da igreja não se arrependam. A primeira atitude que eles devem tomar é “lembrar-se”, um imperativo no tempo presente, normalmente usado para uma conduta exigida, nesse caso, a sua “lembrança” do passado.
  39. 39. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução A única reação para essa condição é “arrepender-se”, um imperativo que forma a resposta genuína à “lembrança” contínua. O presente imperativo “lembra-te” é seguido de dois imperativos: “arrepende-te” e “volta à prática das boas obras”.
  40. 40. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução Mais provavelmente, a igreja estava sendo chamada a começar a uma reflexão sobre sua história. Essa reflexão provará sua culpa pelos erros presentes e a levará a “arrepender-se” de suas falhas e a mudar suas ações. Em outras palavras, a lembrança e a base do arrependimento.
  41. 41. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução O juízo que cairá sobre os cristãos de Éfeso, caso se recusem a mudar seus caminhos, será incrivelmente severo: Deus removerá o candelabro deles. Dois debates surgem aqui: O primeiro é se o “virei a ti” se refere a parúsia ou a uma vinda iminente com juízo.
  42. 42. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução Embora a leitura natural do versículo, junto com o fato de ser esta uma carta particular a uma igreja em especial, pudesse dar apoio à segunda possibilidade, há fortes razões para uma interpretação escatológica. Porém esse é o caso de “tanto quanto” em vez de “um ou outro”, pois no livro de Apocalipse a parusia é apresentada como iminente.
  43. 43. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução A segunda questão é quanto à conotação exata da “remoção” do seu candelabro. Isto seria a perda do seu testemunho, implicado na conexão anterior de “candelabro” com o testemunho da igreja? Ou seria uma advertência mais séria quanto à apostasia e a à subsequente perda de sua posição como igreja?
  44. 44. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução A seriedade da linguagem e seu intenso tom de advertência por todo o livro favorecem a segunda ideia. Éfeso em seu passado já havia mudado de lugar três vezes: O perigo era que a grande cidade portuária e a sua forte igreja fossem movidas de volta para debaixo do poder mortal do templo, em outras palavras, assim como a cidade lutou por sua vida contra o assoreamento do porto, a igreja estava lutando por sua vida contra a perda de sua posição como igreja diante de Deus
  45. 45. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução Como encorajamento adicional ao arrependimento e à perseverança, segue-se um novo elogio a igreja, pois ela odeia as obras dos nicolaítas, as mesmas que Ele odeia. Aqui o ódio dos efésios é paralelo ao ódio do próprio Deus.
  46. 46. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução À primeira vista, isso parece contradizer o mandamento de “amar”, porém o amor por Deus e o amor pelos irmãos na fé e por todos os seres humanos feitos a imagem de Deus não requer aceitação dos eu pecado. O ódio aqui não é direcionado às pessoas, mas às suas obras.
  47. 47. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Solução Embora não saibamos quase nada sobre a doutrina dos nicolaítas, podemos ter mais certezas quanto as suas práticas. Uma indicação importante é que as práticas dos nicolaítas estava ligadas a Balaão (2:14- 15) e a Jezabel (2:20-23). Os dois pecados encontrados nessas duas figuras históricas são: idolatria e imoralidade.
  48. 48. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Chamado para ouvir “Quem tem ouvido para ouvir, ouça”, esta exortação está baseada no chamado de Jesus, e funciona como uma advertência profética para que se abram a mente e o coração para as verdades do Reino. A segunda parte da afirmação se encontra no papel do Espírito como o meio da revelação. Em outras palavras, Cristo exaltado fala agora por meio do Espírito, ao mesmo tempo que o Espírito inspira a escrita profética de João dessas cartas.
  49. 49. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Desafio para vencer A dádiva prometida é comer da árvore da vida. Em Gênesis 2:9, a árvore da vida foi colocada no jardim; mas em 3:22-24, Adão e Eva não receberam permissão para comer dessa árvore por causa do seu pecado, e um anjo com uma espada flamejante vigiava a árvore, impedindo que dela comecem e alcançassem a imortalidade.
  50. 50. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Desafio para vencer O teólogo Hemer tem uma defesa convincente que a “árvore da vida” em apocalipse tem a conotação da cruz. Com muita frequência faz referência tanto a cruz como à árvore da vida no NT, e as duas imagens podem muito bem estar conectadas. Em outras palavras, é a cruz de Cristo que produz vida e torna possível a uma pessoa herdar o “paraíso de Deus”.
  51. 51. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Resumo Há muitos paralelos entre a igreja em Éfeso e a nossa situação hoje. O problema da heresia é ainda maior em nosso dias, por haver, literalmente milhares de movimentos religiosos mundiais. Nesse sentido, a igreja de Éfeso é um exemplo positivo a ser seguido.
  52. 52. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Resumo Como Éfeso, precisamos perseverar em meio à perseguição e aos falsos mestres. Precisamos aprender a pôr à prova os líderes em nossas igrejas e certificar de que sua ortodoxia é saudável. Entretanto devemos fazer isso de forma cuidadosa, pois, ao mesmo tempo, há muitos que atacam por qualquer diferença doutrinária parecendo mais interessados em poder do que na Verdade.
  53. 53. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Resumo A lição negativa de Éfeso se relaciona com nosso amor a Deus e a nossos irmãos na fé. Deus quer o nosso todo, não apenas uma pequena parte da nossa vida. Mais ainda, ele requer uma atmosfera intensamente familiar em nossas igrejas.
  54. 54. • Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse 2 – 1 a 7Apocalipse 2 – 1 a 7 Apocalipse Capítulo 2 Aula 04
  55. 55. Apocalipse 2: 8 a 11
  56. 56. 8 Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu: 9 Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não o são, porém são sinagoga de Satanás. 10 Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar- te-ei a coroa da vida. 11 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. O que vencer, de modo algum sofrerá o dano da segunda morte.
  57. 57. Em nossa caminhada pelas cartas do Apocalipse vamos aprender que as coisas que Jesus revelou diz respeito tanto à cidade quanto à Igreja, numa analogia brilhante.
  58. 58. Esmirna era rival de Éfeso. Muitos a achavam a cidade mais bela dentre as sete. Era considerada o ornamento, a coroa e a flor da Ásia. Cidade comercial, ali ficava o principal porto da Ásia. O monte Pagos era coberto de templos e casas formosas.
  59. 59. Esmirna Tinha suntuosos templos dedicados a Cibeles, Zeus, Apolo, Afrodite, Vênus e Esculápio. Hoje essa é a única cidade sobrevivente, com o nome de Izmir, na Turquia asiática, com 255.000 habitantes.
  60. 60. João diz que Esmirna foi uma igreja que enfrentava a morte e, curiosamente, esta igreja estava situada numa cidade que foi morta e que ressurgiu.
  61. 61. Esmirna foi fundada no ano 1000 a. C. Como colônia grega. Invadida e Completamente destruída no ano 600 a. C. pelos Lídios. E reconstruída no ano 200a. C. por Lisímaco (guarda costas de Alexandre o Grande que, após sua morte, tornou-se rei participando da partilha do reino de Alexandre o grande.)
  62. 62. Historicamente Esmirna foi a cidade mais fiel à Roma. Essa fidelidade rendeu-lhe o direito de construir um Templo em homenagem ao imperador Tibério, direito disputado por outras cidades, mas que foi concedido à Esmirna. Diante de toda essa dura realidade Jesus disse: “Sê fiel até a morte!”
  63. 63. Esmirna era também conhecida porque ali aconteciam jogos atléticos anuais onde os atletas disputam uma coroa de louros e para essa igreja Jesus prometeu a coroa da vida.
  64. 64. Sabemos que a fidelidade é um princípio básico da vida cristã. Sabemos também que essa mesma fidelidade requer de cada um de nós um preço possível, porém alto. Isso é o que sempre nos ensinou Jesus, como por exemplo em Marcos 10:29 e 30. que diz...
  65. 65. 29 E Jesus, respondendo, disse: Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, 30 Que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições; e no século futuro a vida eterna.
  66. 66. Mesmo vivendo num tempo de profundo barateamento do evangelho, os verdadeiros discípulos de Jesus Cristo sabem que não é fácil ser fiel – Jesus nunca disso o contrário – Jesus disse ser possível, Esmirna provou ser possível.
  67. 67. Mas, talvez o mais belo de todo este processo vitorioso desta igreja esteja na afirmação de Cristo quando disso: Eu conheço a tua história. A carta cita três coisas que são do conhecimento de Cristo. Quais são?
  68. 68. Tribulação Pobreza Blasfêmia
  69. 69. Notem que na contramão das crenças atuais, essas três coisas jamais seriam consideradas como pontos fortes, mas sim, problemas, quiçá tragédias. Isso porque as igrejas de hoje tem se esquecido da centralidade da ‘participação nos seus sofrimentos’ (Fp. 3:10)...
  70. 70. Para a igreja primitiva sofrer por Cristo era um privilégio, não apenas uma aflição e muito menos motivo para autocomiseração. Esmirna sofreu muito. Há relatos de que centenas de cristãos foram jogados de cima do monte Pagos. Policarpo, bispo da igreja foi caçado e executado Em praça pública.
  71. 71. Tribulação, Pobreza e Blasfêmia Devemos entender que a tribulação descreve o problema básico e que as demais se revelam como aspectos desta perseguição e desdobramento desta.
  72. 72. Por causa da perseguição, por exemplo, que cercou sua liberdade; que saqueou suas casas; que provocou demissões; a igreja experimentou a pobreza. Mas, preciso salientar que tanto no AT como no NT o pobre possuía um relacionamento especial com Deus como seu protetor...
  73. 73. Sabemos que a primeira bem aventurança, por exemplo, centraliza-se no pobre e sua promessa é: deles é o Reino dos Céus. Significa dizer que Deus está atento aos pobres. Podem ter sido esquecidos pelas autoridades competentes, mas não por Deus...
  74. 74. Até porque, esse tipo de pobreza que tem sua origem na perseguição por causa do nome de Cristo, tende a nos levar para mais perto de Deus como aconteceu com a Igreja de Esmirna e que, por isso, para Deus, Esmirna era rica.
  75. 75. O segundo fator que descreve a tribulação é a blasfêmia. O que significa isso?
  76. 76. Blasfemar: dizer palavras indecorosas e ofensivas contra (algo ou alguém), praguejar, insultar, caluniar, etc. http://www.aulete.com.br/blasfemar#
  77. 77. Algo que aprendi na preparação desta aula e que gostaria de compartilhar é que apesar deste termo ser usado geralmente em relação a Deus, biblicamente ela também se aplica de modo negativo e, portanto condenado por Deus, ao seu povo. Leiamos 13:1, 5 e 6
  78. 78. O teólogo Osborne afirma: “a blasfêmia contra o povo de Deus é uma forma de blasfemar contra o próprio Deus.” Eu, por exemplo, que falava mal dos batistas já não falarei mais. Aquele que fala mal do irmão, do pastor, é prudente que não fale mais. Aquele que dá ouvidos para que outros falem mal de terceiros, é prudente que negue seus ouvidos e não peque blasfemando contra Deus.
  79. 79. Tribulação – Pobreza – Blasfêmia Essa era a realidade vivida e conhecida por Deus, mas que na verdade, mostrava-se como um prenúncio do que estava ainda por vir. E como Jesus começou sua palavras sobre as coisas que estavam por vir?
  80. 80. “não tenham medo” A ideia é enfática e proibitiva. Como se ele dissesse: não tenham medo de nada ou de ninguém. O que, aliás é um tema recorrente na bíblia, conforme encontramos em Salmos e nas próprias palavras de Cristo registradas em Mateus.
  81. 81. “Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade. Por isso não temeremos,...” – “Não tenham medo dos que matam o corpo, mas não podem matar a alma. Antes, tenham medo daquele que pode destruir tanto a alma como o corpo no inferno.” Mateus 10:28 e Salmos 46:1-2
  82. 82. Como isso, Deus chama seu povo mesmo em meio à terrível tribulação – presente e futura – ao testemunho destemido acompanhado de perseverança e de fé Nele.
  83. 83. O destinado da igreja de Esmirna não era agradável, mas Deus assegurava àqueles crentes que estaria com eles. Como Jesus afirmou (Mat. 10:30) as recompensas presentes dos crentes viriam ‘com perseguições’. Repito: não há promessa de vida fácil nas Escrituras. Em lugar disso, há promessas de conforto e bênçãos divinos em meio ao sofrimento...
  84. 84. Essa foi certamente a realidade enfrentada por Esmirna em sua história e, sobretudo, nestes ‘dez dias’. O que são exatamente esses ‘dez dias’? O que eles significam?
  85. 85. Não Sei!
  86. 86. Sua ideia diz respeito a um tempo suportável garantido por Deus à semelhança de 1 Coríntios 10:13 que diz:
  87. 87. Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar. 1 Coríntios 10:13
  88. 88. Há quem diga que este seja um número literal. Há quem diga que este número remonta ao teste de Daniel. Há quem diga que este número se refere a 10 imperadores romanos . Há quem diga que este é um número semítico que indica um período completo.
  89. 89. Escolhe um e seja feliz. Ou não escolhe nada e seja feliz também. O que importa é que o aspecto principal é a duração limitada, ainda que bem severa, simbolizada por essa expressão. Esmirna precisava saber e crer que Deus está no controle e não permitirá que este tempo se estenda um segundo sequer. Nós também!
  90. 90. Diante de tudo, uma solução: A perseverança em ser fiel. O interessante é que antes de esperar nossa fidelidade a Ele, Jesus mostra que foi fiel a nós dando-nos exemplo e encorajando-nos. Depois sim, esse termo inverte o sentido e seu sujeito. Como podemos ver a seguir:
  91. 91. ‘Fiel’ Jesus Seus discípulos.
  92. 92. 1. 5 E da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dentre os mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos amou, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados,
  93. 93. 3: 14 “E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira,...” “19:11 E vi o céu aberto, e eis um cavalo branco; e o que estava assentado sobre ele chama-se Fiel e Verdadeiro; e julga e peleja com justiça.
  94. 94. “Fiel” Nós Jesus
  95. 95. 2:10b: Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. 14:12 Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. 17:14 Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, e eleitos, e fiéis.
  96. 96. Assim devemos entender que fé no livro de apocalipse é o meio de perseverarmos ao colocarmos toda nossa confiança em Deus que é soberano sobre a história e que irá, de fato, vindicar seu povo por tudo o que sofreu, ainda que este sofrimento leve a morte...
  97. 97. Aliás, já nos evangelhos o discipulado radical foi definido em termos de morte, como é percebido na declaração clássica de Jesus Cristo: “Negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me. Saibamos que A ‘cruz’ é mais do que uma metáfora para a negação de si mesmo...
  98. 98. Ela indica que o verdadeiro discípulo deve estar disposto a percorrer todo o caminho ao lado de Cristo ainda que o leve a morte, o que, para se ter uma ideia, na concepção de Paulo era lucro.
  99. 99. Seriam vencedores os que assim procedessem e, para estes uma recompensa, a coroa da vida. Significando assim a vitória definitiva do bem contra o mau; da luz sobre as trevas; vitória da vida sobre a morte. Assim Ele vem coroar-nos e ratificar nossa vitória eterna.
  100. 100. Apocalipse Capítulo 2 Aula 05
  101. 101. Igreja de Pérgamo
  102. 102. Pérgamo ficava a cerca de 110 km ao norte de Esmirna, a 24 km do mar, possuindo uma fortaleza e aproximadamente 400 metros de altitude. Somados à sua beleza, Pérgamo era rica, era também um importante centro urbano, assim como uma importante fortaleza militar e cultural,
  103. 103. ...pois nela foi construída uma notória biblioteca, sendo a partir desta cidade que Eumenes II (rei de Pérgamo que governou entre 197 e 159 a.C.) popularizou a ‘folha’ para escrita (feitas de pele de animal) que vieram a ser chamadas de pergaminho.
  104. 104. Quatro grandes templos foram construídos em Pérgamo. Um dedicado a Zeus (rei dos deuses); outro a Atena (deusa da vitória); Outro a Dionísio (padroeiro da dinastia atálida); outro a Asclépio (deus da cura, simbolizado por uma serpente).
  105. 105. Mas, historicamente, os cristãos eram perseguidos em Pérgamo por conta do culto ao imperador que era predominante. Negar-se a este culto significava uma postura ímpia e subversiva.
  106. 106. A história da Igreja, sobretudo da igreja primitiva, documenta verdadeiras atrocidades cometidas com seus fies. Uma delas é o caso de certo bispo da igreja que foi preso e, enquanto preso, um certo governador tentou convencê-lo a negar a fé em Jesus Cristo.
  107. 107. Aliás, permitam-me dizer, mas as pessoas que sucumbiam à esta violência eram recompensadas com um certificado que diz: ‘Não seguidor de Jesus Cristo’. Triste diploma. Enfim, queriam dar a este bispo de quem tenho falado, um diploma assim. Ele não negou sua fé em Jesus Cristo. Não esmoreceu à dor presente e futura e, por conta de sua fidelidade foi martirizado .
  108. 108. Conta-nos a história que este bispo de quem tenho eu falado por causa dessa postura, foi colocado dentro de um boi de bronze e levado à fornalha, onde segundo dados históricos... Ele ficou orando e adorando a Deus enquanto era cozido; e morreu adorando ao Senhor. Assim testemunhou que o amor de Deus e que o amar a Deus é mais forte que a morte!
  109. 109. Esta é a história de Antipas, bispo de Pérgamo. Um homem que recebeu dos próprios apóstolos o privilégio de pastorear a Igreja de Cristo. Aliás, vejam que curioso... A palavra Antipas tem uma dupla etimologia grega que é “anti” que quer dizer: na contramão de, e “pas” que quer dizer: tudo, de onde vem panteísmo.
  110. 110. Antipas, pois, quer dizer: na contramão de tudo; ou seja, que Antipas não aceitou a condição que tentaram lhe impor estando na contramão dela, pagando com a própria vida. acredita-se que, por conta deste fato a tragédia tenha se instaurado no ceio da igreja
  111. 111. A igreja perdera seu referencial humano. A igreja perdera aquele por quem Deus falava e revelava sua vontade. A igreja perdera aquele que com tanto desvelo trabalha pelo seu bem. E agora? O que fazer?
  112. 112. A narrativa desta tragédia se faz necessária não somente pelo enriquecimento histórico que nos traz, mas também e principalmente para nos ensinar a como reagir diante dos percalços da vida e nos mostrar que apesar de, podemos sair vitoriosos.
  113. 113. Pois está aí, algo que não sabemos fazer? Não sabemos, e também é muito comum, encontrar aqueles que não querem aprender. Tanto não sabemos que muitas das circunstancias nas quais somos envolvidos estão longe de ser consideradas como tragédias e já assim nos desesperamos, nos perdemos.. .
  114. 114. Não sabemos como reagir, paralisamos, quando não pioramos, por meio de nossa precipitação, o que já está difícil. Por isso, mesmo não querendo, precisamos ouvir sobre o assunto, mesmo não querendo, precisamos falar sobre o assunto!
  115. 115. Enfim, como Pérgamo reagiu diante das catástrofes que tanto lhes assolaram? Sim, porque suas dificuldades não se resumiram no fato de terem perdido seu líder.
  116. 116. A Igreja enfrentava grandes perseguições. João chega afirmar que ela se encontrava ‘no trono de satanás’ – ‘onde satanás habita’. Já se imaginou morando num lugar como este? Onde você mora? Avenida trono de Satanás, nº 666; Sou vizinho dele. Vers. 13
  117. 117. Loucura pensar que uma igreja estaria inserida nestas circunstâncias, mas é a pura verdade. Este termo se refere a tudo que dizia respeito àquela cidade, sua sociedade, suas tradições, suas crenças, sua cultura, seu governo. Deus olha para esse todo e conclui: é o trono do encardido. Aos olhos humanos a paz era impossível!
  118. 118. E você que acha que sua vida é uma tragédia? Seu trabalho que você esconjura todos os dias? Seu cônjuge? Seu vizinho? Seu filho? A igreja de Pérgamo olhava ao seu redor e não encontrava descanso... A igreja de Pérgamo não tinha descanso nem com os que eram de dentro. Em seu próprio seio havia razão para guerra.
  119. 119. Tão triste essa verdade. Triste quando não encontramos refúgio, descanso, socorro, apoio, cumplicidade; até naqueles que deveriam dividir conosco batalhas que geralmente não são minhas, e sim, nossas. Triste quando nos deparamos com aqueles que pecam por não ajudarem, assim como também pecam por nos atrapalharem.
  120. 120. Esta foi também a experiência desta igreja, pois em seu meio encontravam-se aqueles que por Cristo foram identificados como Balaamitas e Nicolaítas; Balaamitas ou Nicolaítas. No fundo, tudo farinha do mesmo saco, que ensinavam uma ética que não era Cristã, mas pagã, especialmente com relação ao corpo.
  121. 121. Ainda hoje somos assaltados por essas éticas, segundo a qual, por exemplo, tudo é lícito, desde que feito com amor, até o sexo fora do casamento. O importante é o prazer. Vai nessa conversa que o encardido te dá uma rasteira!
  122. 122. Jesus lhes repreendeu por permitirem que em seu meio permanecessem como se fossem mais uma opção. Triste daquele que cria opções para vida. Por isso, logo os chamou ao arrependimento. Como Pérgamo, precisamos aprender que o preço a pagar pela obediência é muito mais suave que o preço a pagar pela desobediência. Escolha obedecer!
  123. 123. O fato é que diante de tantos acontecimentos simultâneos, se, respirar não fosse automático, Pérgamo estaria morta por asfixia espiritual. Não somente ela, mas também suas coirmãs. Era luta por todos os lados. Havia guerra para onde se olhava. Ainda sim, o próprio Cristo nos dá testemunho positivo de Sua conduta.
  124. 124. “Sei onde habitas, que é onde está o trono de satanás; mas reténs o meu nome e não negaste a minha fé, mesmo nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde satanás habita (v. 13).” As duas qualidades dos cristãos de Pérgamo era: reter o nome de Deus e manter a fé mesmo na adversidade.
  125. 125. O próprio enunciado destas virtudes indica o caráter de Deus e o nosso: Deus reconhece nossos méritos e não somos uma nulidade. “Ele nos fez como os mais lindos poemas de sua grande criação” Assim afirma Israel Belo. (Sl 8:5; Ef. 2:4-10). Leiamos estes textos...
  126. 126. “Tu o fizeste um pouco menor do que os seres celestiais e o coroaste de glória e de honra.” Salmos 8:5
  127. 127. “Todavia, Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, deu-nos vida juntamente com Cristo, quando ainda estávamos mortos em transgressões — pela graça vocês são salvos. Deus nos ressuscitou com Cristo e com Ele nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus,
  128. 128. para mostrar, nas eras que hão de vir, a incomparável riqueza de sua graça, demonstrada em sua bondade para conosco em Cristo Jesus. Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie. Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos. Efésios 2:4-10
  129. 129. Deus olha pra você e vê que tudo o que seu filho passou valeu a pena! O inferno olha pra você e diz: perdi. O mundo olha pra você e diz: ele não é dos nossos. Aleluia! Como alcançaram tamanha dádiva? Aqueles cristãos retinham (conservavam) o nome de Jesus. Seu nome é Ele mesmo!
  130. 130. Não havia como dissociar a pessoa de Cristo, seus ensinamentos, seus valores, seus princípios, seus exemplos, do cotidiano daquela igreja. Era como se Cristo ainda permanecesse nesta terra em carne, osso e sangue.
  131. 131. Toda determinação, toda perseverança, toda fidelidade, não vinha de si mesmos e sim do Cristo vivo em cada um deles. Que Deus nos dê tal graça. Aqueles cristãos se mantinham fiéis. Eles assim procederam mesmo quando passaram por enormes perseguições. Lembro-me das palavras de Paulo: "Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé." (1 Timóteo 4 : 7)
  132. 132. Precisamos hoje desta coragem, não só neste tipo de adversidade, mas em todos os outros tipos, até mesmo naquelas de caráter mais pessoal.
  133. 133. Que fazer diante de uma bênção tão esperada e não recebida? Abandonar a fé, porque ela não vale a pena? Que fazer diante de uma derrota no plano profissional? Abandonar a Jesus, porque Ele não o socorreu? Que fazer diante de uma doença insistente e persistente? Abandonar a Deus, porque Ele não foi o Médico dos médicos?
  134. 134. Que fazer quando a tristeza parece a única certeza da vida? Abandonar o Deus de paz, porque a sua esperança não se fez concreta na vida? Não! Não! Não! O que devemos fazer é manter a fé Nele, crendo que Ele agirá, mesmo contra as nossas vontades, mas sempre para nossa felicidade!
  135. 135. Mesmo que não aceitemos o que Ele faz conosco, mantenham a fé Nele. Mesmo que Ele permita que se vá de nós uma pessoa querida, tragada pela morte absurda, mantenhamos a fé Nele. Mesmo que não compreendamos Seu método e Seu tempo, mantenhamos a fé Nele. Mesmo que não queiramos que Ele nos queira no Seu trabalho, mantenhamos a fé Nele!
  136. 136. Mesmo que lutemos muito para viver segundo os seus padrões de verdade e santidade para nós, mantenhamos a fé Nele. É isto que aprendemos com os irmãos de Pérgamo.
  137. 137. Somente assim, seremos capazes de conservar a fé em Jesus Cristo mesmo em meio à adversidade e vencer. E aquele que poderia não prometer coisa alguma, promete. Ao que vencer, diz o Senhor: receberá absolvição de todo juízo contra si.
  138. 138. Ganhará sua entrada pelos portões celestiais. Desfrutará da era messiânica e de suas promessas. Comerá do banquete celestial que para os filhos de Deus está preparado! Deste modo, jamais esmoreça diante dos desafios que sua fé lhe impor!
  139. 139. Apocalipse Capítulo 2 Aula 06
  140. 140. Igreja de Tiatira
  141. 141. Quarta carta, à igreja de Tiatira 18 E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente: 19 Eu conheço as tuas obras, e o teu amor, e o teu serviço, e a tua fé, e a tua paciência, e que as tuas últimas obras são mais do que as primeiras.
  142. 142. 20 Mas tenho contra ti que toleras Jezabel, mulher que se diz profetisa, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria. 21 E dei-lhe tempo para que se arrependesse da sua prostituição; e não se arrependeu. 22 Eis que a porei numa cama, e sobre os que adulteram com ela virá grande tribulação, se não se arrependerem das suas obras.
  143. 143. 23 E ferirei de morte a seus filhos, e todas as igrejas saberão que eu sou aquele que sonda os rins e os corações. E darei a cada um de vós segundo as vossas obras. 24 Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de Satanás, que outra carga vos não porei.
  144. 144. 25 Mas o que tendes, retende-o até que eu venha. 26 E ao que vencer, e guardar até ao fim as minhas obras, eu lhe darei poder sobre as nações, 27 E com vara de ferro as regerá; e serão quebradas como vasos de oleiro; como também recebi de meu Pai. 28 E dar-lhe-ei a estrela da manhã. 29 Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas.
  145. 145. Tiatira era a menor das sete cidades. Não há registro significativo de obrigatoriedade de culto ao imperador, sendo Apollo –filho de Zeus - o principal deus adorado nesta cidade.
  146. 146. Deste modo, é muito possível que a identificação de Jesus como o filho de Deus; “18 E ao anjo da igreja de Tiatira escreve: Isto diz o Filho de Deus, que tem seus olhos como chama de fogo, e os pés semelhantes ao latão reluzente...”
  147. 147. Tenha sido uma resposta à centralidade que Apollo – filho de Zeus - ocupava na cidade. Com isso, a carta diz: O Verdadeiro Filho de Deus é Jesus e não Apollo; título que implica em divindade e majestade que somente Jesus tem.
  148. 148. Apesar do duro discurso, apesar da grave denúncia, apesar da tragédia anunciada, a igreja de Tiatira apresentava quatro marcas que poucas igrejas podem sustentar hoje:
  149. 149. AMOR; FÉ; SERVIÇO E PERSEVERANÇA.
  150. 150. Um grande elogio, e quando consideramos o contexto religioso, cultural, que Tiatira vivenciava podemos dizer que este elogio dado por Cristo ganha um grau ainda maior em sua valorização.
  151. 151. Para se ter uma idéia, Tiatira foi conhecida por suas grandes indústrias de lã e tintas. Lídia (Atos 16), por exemplo, que era uma micro- empresária do ramo de tecidos era natural de Tiatira. Diz-nos o texto:
  152. 152. "E uma certa mulher, chamada Lídia, vendedora de púrpura, da cidade de Tiatira, e que servia a Deus, nos ouvia, e o SENHOR lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia." (Atos 16:14)
  153. 153. Tiatira se tornara famosa por suas grandes associações comerciais. O que conhecemos hoje como ‘cooperativas’... Assim era Tiatira. Mas, haveria alguma dificuldade numa Cooperativa comercial?
  154. 154. O problema era que, segundo dados históricos, estas cooperativas tinham suas próprias leis desenvolvidas a partir de princípios pagãos. Desta maneira, os que dirigiam essas cooperativas exigiam, determinavam que seus cooperativados se adaptassem ao seu estilo de vida regado a festas idólatras e orgíacas.
  155. 155. Mas não tem nada a ver, é só uma festa com meus colegas de trabalho...
  156. 156. Como se não bastasse tais tentações e seduções externas, dentro da própria igreja surge a figura de uma mulher que se auto- intitula profetiza. Agora, uma coisa é o que eu digo sobre mim. Algo comumente distinto e absolutamente mais relevante é o que Deus diz sobre mim.
  157. 157. Aquela que se dizia profetiza, não passava de uma versão moderna da rainha Jezabel. Sobre o nome Jezabel repousava uma imagem ou lembrança tão negativa que os judeus, por exemplo, não colocavam este nome em suas filhas.
  158. 158. Centenas de anos após a primeira Jezabel; surge outra capaz de induzir o seu semelhante aos mesmos erros praticados anteriormente. Mas que erros são estes: negociar o inegociável. Para Valdecir da Silva Santos - a igreja de Tiatira foi repreendida devido à sua flexibilidade moral
  159. 159. Santidade Devoção exclusiva Fé Preservação do corpo Sã doutrina Princípios eternos
  160. 160. Algo que me saltou os olhos sobre esta carta é que não há em suas linhas um apelo ao arrependimento. Notem que Jesus fala de juízo, pois o tempo de arrependimento já havia passado. Concluo desta maneira, que o próprio tempo para o arrependimento já é um apelo ao arrependimento.
  161. 161. Concluo também, que se há um tempo é porque não há como se arrepender fora dele. O tempo foi dado e eles rejeitaram esta graciosa oportunidade.
  162. 162. Sabe qual é o maior inimigo do homem sobre este aspecto? A presunção. A arrogância. Pois acham que ainda é muito cedo. Acham que tem tempo de mais pela frente.
  163. 163. Assim, quando não há arrependimento, não há também nada o que fazer pelo coração altivo e que teima em viver em rebeldia.
  164. 164. É o que o texto nos ensina de uma maneira muito clara, apesar de dura. Vejamos o versículo: 24 “Mas eu vos digo a vós, e aos restantes que estão em Tiatira, a todos quantos não têm esta doutrina, e não conheceram, como dizem, as profundezas de satanás, que outra carga Vos não porei.”
  165. 165. Uma vez impetrado o juízo Deus se volta para os que têm permanecido fiéis e que não se dobraram ante as seduções de Jezabel.
  166. 166. Para estes que o Senhor se volta, para aqueles que verdadeiramente se importam com o que Ele diz. Vejamos as palavras de Cristo à Igreja. “Não porei sobre vós outro carga (outro jugo)”. Segundo Israel Belo, esta é uma alusão ao primeiro concílio da igreja primitiva – Atos 15. 28-29. Vejamos o texto...
  167. 167. Atos 15:28 28 Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias: 29 que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá.
  168. 168. Estas palavras nos ensinam o que pode parecer óbvio: Jesus Cristo não lhes pede nada além do que lhes fora ensinado. Com Jesus não há surpresas. O que Cristo esperava deles era que permanecessem naquelas virtudes essenciais do inicio da carta: AMOR; FÉ; SERVIÇO; TEMPERANÇA.
  169. 169. Pois por meio destas virtudes Deus os tornaria vencedores. Mas há uma condição para que isto se torne verdade ou para que a vitória seja declarada. Vers. 25 Qual é?
  170. 170. O que tendes retende-o até o fim.
  171. 171. Não é para reter até que venha a primeira prova e você chute tudo para o alto. Ou até que venha o primeiro sucesso e você levianamente conclua que já não precisa mais de Deus. Até o fim, e quem diz se o fim chegou ou não, é o próprio Deus. Ele é soberano e Dele é a última palavra.  
  172. 172. Vencerá aquele que chegar até o fim. Sendo contado dentre aqueles que retiveram tais virtudes e guardaram as Práticas de Cristo. E este, considerado por Deus vencedor, será recompensado. Como?
  173. 173. Governará com Cristo – Reinará com cristo. Nesta promessa Deus nos convida a uma parceria. Ele não quer reinar sozinho e sim conosco. Esta promessa é também uma palavra de consolo para os que sofrem, pois podem se fiar na certeza de que um dia reinarão com Cristo.
  174. 174. Tal convicção deve nos servir como fortalecimento rumo à perseverança e fazer com que sejamos ainda mais capazes de suportar as injustiças terrenas. Pois assim como Cristo, do Pai recebeu autoridade, Dele também receberemos ou, porque não dizer: já recebemos! ...
  175. 175. Lucas 10:19 Eis aí vos dei autoridade para pisardes serpentes e escorpiões e sobre todo o poder do inimigo, e nada, absolutamente, vos causará dano. Atos 1:8 E recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo.
  176. 176. Por fim, meus irmãos, A última e maior das promessas: Ao que vencer darei a Estrela da manhã. Mas o que é ou quem é esta Estrela?
  177. 177. Apocalipse. 22:16 Eu, Jesus, enviei o meu anjo, para vos testificar estas coisas nas igrejas. Eu sou a raiz e a geração de Davi, a resplandecente Estrela da Manhã.
  178. 178. Jesus Cristo é a resplandecente Estrela da Manhã também para os dias de hoje e para os que hoje vencem; vencem porque tem na presença de Cristo a luz para o tempo das dificuldades e das reais ou aparentes trevas.
  179. 179. Mas Estrela da Manhã também se refere ao prêmio final que será entregue no glorioso dia de sua inegável volta. É como se Ele estivesse dizendo: Eu me darei ao que vencer. Eu me darei àquele que tem ouvidos e que ouve o que o Espírito diz às igrejas.
  180. 180. Se você já é contado dentre um destes, permaneça assim; permaneça um vencedor, pois é assim que Deus nos vê. É o que Deus faz de todo aquele que Dele se aproxima e se rende ao Seu governo.

×