2ª Aula para Formação de Discipuladores

276 visualizações

Publicada em

Seminário para Formação de Discipuladores
Igreja Batista Central de Jacarepaguá
Pr. Julio Cesar
http://www.ibcjrj.com.br

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

2ª Aula para Formação de Discipuladores

  1. 1. Segunda Aula Para Formação De Discipuladores. Ide Fazei Discípulos! Jesus Cristo
  2. 2. Este imperativo de Jesus Cristo alcança a todo aquele que se converteu ao seu evangelho. Mas quem é essa pessoa? Ou melhor, quem sou diante Daquele que por tão grande amor tanto fez por mim? Eu quero propor algumas respostas possíveis e, a partir de tais respostas nossa aula será desenvolvida.
  3. 3. Quem sou diante Daquele que por tão grande amor tanto fez por mim? SOU SERVO!
  4. 4. Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou. 2 Coríntios 5:14,15
  5. 5. A dificuldade, sobretudo para os que vivem num tempo e numa realidade em que escravidão é coisa se aprende nas aulas de História, em fim, existe uma profunda e porque conveniente dificuldade para se entender o que significa ser ‘servo’ que, no contexto Neotestamentário, tem a mesma aplicação para o termo ‘escravo’. ...
  6. 6. Percebemos que este não era um problema para os autores do Novo Testamento e nem para Igreja primitiva. Por isso, é comum encontrarmos as expressões: Paulo, servo de Jesus Cristo... Simão Pedro, servo de Jesus Cristo... Tiago, servo de Jesus Cristo... Lucas nos revela que até mesmo Maria, denominou-se serva do Senhor. Ouçamos alguns textos:
  7. 7. “Pois aquele que, sendo escravo, foi chamado pelo Senhor, é liberto e pertence ao Senhor; semelhantemente, aquele que era livre quando foi chamado, é escravo de Cristo. Vocês foram comprados por alto preço; não se tornem escravos de homens.” "Porque, sendo livre para com todos, fiz- me servo de todos para ganhar ainda mais." 1 Coríntios 7:22,23 e I Coríntios 9:19
  8. 8. "Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o SENHOR; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus.“ "Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo." (II Coríntios 4:5) e (Gálatas 1:10)
  9. 9. "Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus;" "E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor;" (Efésios 6:6) e (II Timóteo 2:24)
  10. 10. A palavra mais usada no NT para ‘servo’ é (doulos) que significa “atar um laço, prender”. A palavra (doulos) significa “escravo, servo, alguém que se rende à vontade do seu Senhor; no contexto cristão: aqueles cujo serviço é aceito por Cristo, pois está preso à Ele. Doulos é o termo mais comum usado para ‘servo’ e ‘escravo’, alguém que está permanentemente em servidão, em sujeição ao seu mestre...
  11. 11. Talvez, o maior expoente no NT que tenha vivido na pele todas as aplicações e implicações deste termo foi Paulo. Pois doulos revela um sentido de subordinação, obrigação e responsabilidade para com o seu Senhor pelo qual o apóstolo dos gentios não retrocedeu...
  12. 12. É interessante notar que a conceito Paulino de escravidão está intimamente relacionado ao conceito de liberdade, ao mesmo tempo em que todos somos chamados para a liberdade, somos chamados também para ser servos uns dos outros em amor (Gal. 5:13). O próprio Paulo se faz a si mesmo servo de todos por meio do evangelho ( I Cor. 9:19). Ouçamos os textos:
  13. 13. Gálatas 5:13 - Porque vós, irmãos, fostes chamados à liberdade. Não useis então da liberdade para dar ocasião à carne, mas servi-vos uns aos outros pelo amor. 1ª Coríntios 9:19 - Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais.
  14. 14. Agora... É importante perguntar: Por que Paulo é um escravo? Por que Paulo escolhe ser um escravo? Por que Paulo faz questão de se apresentar como escravo? Que status Paulo ocupa como Doulos?
  15. 15. A cultura romana para os escravos nos ajuda a responder estas perguntas, na sociedade romana os escravos não ocupavam posições comuns como escravos apenas (escravos não eram todos iguais), mas muitos deles serviam em casas particulares e alguns como escravos livres. Significa dizer que havia diferentes graus de escravatura e diferentes senhores. Sendo assim, os próprios escravos viviam e estavam em diferentes status.
  16. 16. Quando um escravo era transferido, vendido, mudava também sua situação, a qual podia ser menos ou mais importante. Por exemplo: um escravo no palácio do imperador e um escravo numa casa mais pobre. Resumindo, a situação e a posição de um escravo estava intimamente relacionada com a autoridade e grandeza de seu senhor.
  17. 17. Para se ter uma idéia, no império romano havia uma lei que obrigava ao escravo a estar a mercê absoluta de seu amo, para a vida ou para a morte, estava sujeito ao menor capricho de seu dono. Ainda sim, ser um escravo de Jesus Cristo não é para Paulo uma vergonha ou um status baixo, mas é simplesmente o mais alto lugar de serviço. Seu valor como escravo está ligado a posição de seu Senhor. Paulo é um exclusivo escravo de Jesus Cristo, o que, para Paulo, é uma honra...
  18. 18. Todavia Paulo não é um servo ou escravo por temor, porque seu serviço está baseado no amor do seu Senhor, o qual foi provado e escrito com sangue (Romanos 5:8). Paulo era um escravo de Cristo por amor, se considerava propriedade de Cristo e completamente sob seu controle.  Mas Deus prova o seu amor para conosco,  em que Cristo morreu por nós, sendo nós  ainda pecadores.
  19. 19. Deste modo, Paulo não é meramente aliado de Jesus Cristo, ou seu súdito, ou seu amigo, Paulo é o livre que em sua liberdade escolheu voluntariamente ser escrevo do Senhor dos Senhores e, desta forma, fazer sua vontade. E olha que Paulo conhecia muito bem a realidade dos escravos do seu tempo... Os escravos eram:
  20. 20. Pessoas destituídas de tudo o que possuíam no mundo. Sem liberdade, sem autonomia, sem vontade própria e sem nome. Transformados em mercadoria, tinham preços e seus valores eram discutidos. Furavam sua orelha e ali colocavam uma argola com o nome do seu dono. Não tinham identidade. Não recebiam paga alguma pelo trabalho. Por estas coisas ouvimos de Jesus Cristo:
  21. 21. "Qual de vocês que, tendo um servo que esteja arando ou cuidando das ovelhas, lhe dirá, quando ele chegar do campo: ‘Venha agora e sente-se para comer’? Pelo contrário, não dirá: ‘Prepare o meu jantar, apronte-se e sirva-me enquanto como e bebo; depois disso você pode comer e beber’? Será que ele agradecerá ao servo por ter feito o que lhe foi ordenado? Lucas 17:7-9
  22. 22. Sabedor que era da resposta, ainda que não verbalizada, Jesus pôde logo em seguida completar seu ensinamento: Assim também vocês, quando tiverem feito tudo o que lhes for ordenado, devem dizer: ‘Somos servos inúteis; apenas cumprimos o nosso dever’.
  23. 23. Em outras palavras, o ‘servo-escravo’ que não faz o que seu Senhor manda não é servo e engana-se a si mesmo. Para ser um DISCIPULADOR é preciso ser SERVO-ESCRAVO, do contrário é impossível cumprir com o IDE DE JESUS. Paulo aprendeu a lição.
  24. 24. Paulo é o livre que em sua liberdade escolheu voluntariamente ser escrevo do Senhor dos Senhores e, desta forma, fazer sua vontade. Por onde passou Paulo fez discípulos.
  25. 25. A igreja de Cristo precisa de DISCIPULADORES que estejam igualmente preparados, dispostos e disponíveis para o cumprimento de outras missões. Esta é uma lei que não pode ser desprezada.
  26. 26. IBCJ TODO DISCÍPULO UM DISCIPULADOR!

×