O Valor das Normas Internacionais Voluntárias para         o Desenvolvimento Sustentável                 Lisangela da Cost...
Perfil  Fundada em 1957  Responsável pela transmissão de 40% da energia consumida no  Brasil  Operação complexa – 15 UHE, ...
Uma longa trajetória de engajamento com as demandasda sociedade 1998 – 1º Balanço Social – Mudanças na cena social e polít...
2003 – Adesão ao Pacto GlobalRevisão das relações com as comunidades; mudança maisrelevante – menos assistencialista; base...
Os Oito Objetivos de Desenvolvimentodo Milênio
Equidade de Gênero 2004 – Grupo Gênero 2011 – Nomeação da 1ª Diretora (Planejamento, Gestão de Negócios e Participações) A...
Lacunas em Gestão e Planejamento da ResponsabilidadeSocial e Sustentabilidade Desde 2006 – Diretrizes da GRI Desde 2005 – ...
GEE 2007 – Pacto de Ação em Defesa do Clima do CEBDS 2008 – Filiação ao Programa Brasileiro GHG Protocol (MMA e FGV) Prest...
Grupo de Trabalho Internacional Multi-stakeholder emResponsabilidade Social  5 anos de processo de negociação  Baseado no ...
Obrigada!     Lisangela da Costa Reis       lida@furnas.com.brDepartamento de Sustentabilidade
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O Valor das Normas Internacionais Voluntárias para o Desenvolvimento Sustentável - Lisangela da Costa Reis

409 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
39
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Valor das Normas Internacionais Voluntárias para o Desenvolvimento Sustentável - Lisangela da Costa Reis

  1. 1. O Valor das Normas Internacionais Voluntárias para o Desenvolvimento Sustentável Lisangela da Costa Reis Departamento de Sustentabilidade 17 de junho de 2012
  2. 2. Perfil Fundada em 1957 Responsável pela transmissão de 40% da energia consumida no Brasil Operação complexa – 15 UHE, 2 UTE e 20.000 km de LT Novos empreendimentos: 4 UHE, 17 parques eólicos, 26 LT e 15 SE
  3. 3. Uma longa trajetória de engajamento com as demandasda sociedade 1998 – 1º Balanço Social – Mudanças na cena social e política Demanda da sociedade por transparência e accountability pelas empresas; e por uma participação mais ampla das empresas no desenvolvimento do país
  4. 4. 2003 – Adesão ao Pacto GlobalRevisão das relações com as comunidades; mudança maisrelevante – menos assistencialista; baseada nas necessidadese nos ativos de cada comunidade; gama mais ampla destakeholders, incluindo lideranças comunitárias
  5. 5. Os Oito Objetivos de Desenvolvimentodo Milênio
  6. 6. Equidade de Gênero 2004 – Grupo Gênero 2011 – Nomeação da 1ª Diretora (Planejamento, Gestão de Negócios e Participações) Agraciada 3 vezes com o Selo Pró-Equidade de Gênero da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres do Governo Federal, em parceria com a ONU 2010 – Princípios de Empoderamento das Mulheres (Pacto Global e ONU Mulheres)
  7. 7. Lacunas em Gestão e Planejamento da ResponsabilidadeSocial e Sustentabilidade Desde 2006 – Diretrizes da GRI Desde 2005 – Avaliação pelo ISE Bovespa (na qualidade de controlada da Eletrobras) Desde 2006 – Avaliação pelo DJSI 2008 – Criação do Comitê de Sustentabilidade Empresarial; Plano Estratégico em Sustentabilidade – baseado na ISO 9001, 14001, 26000, OHSAS 18001 e indicadores de outras iniciativas voluntárias
  8. 8. GEE 2007 – Pacto de Ação em Defesa do Clima do CEBDS 2008 – Filiação ao Programa Brasileiro GHG Protocol (MMA e FGV) Presta informações anualmente ao CDP (via Eletrobras)
  9. 9. Grupo de Trabalho Internacional Multi-stakeholder emResponsabilidade Social 5 anos de processo de negociação Baseado no Consenso 90 países 450 especialistas
  10. 10. Obrigada! Lisangela da Costa Reis lida@furnas.com.brDepartamento de Sustentabilidade

×