SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Unidade Curricular: 
Gestão de Estoque
OBJETIVOS DA AULA 
Compreender: 
 Métodos quantitativos para 
gestão de estoque
MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS 
O gerenciamento de estoques visa, por meio de métodos 
quantitativos aplicados, o pleno atendimento às 
expectativas de produção ou consumo das organizações, 
com a máxima eficiência, redução de custos e tempo de 
movimentação. Busca-se maximizar o capital investido, em 
busca de retornos satisfatórios sobre o investimento 
realizado.
Desta maneira, os estoques não podem ser considerados 
como excesso de recursos, ou materiais ociosos, devido à 
representatividade financeira dos mesmos, a necessidade 
pelo índice de cobertura e vendas. Portanto, os níveis 
estocados devem ser revistos continuadamente, evitando 
problemas de custos excessivos de armazenagem e 
movimentação interna e externa aos depósitos.
A adoção de cálculos para a 
verificação de parâmetros, como 
estoque de segurança, nível de 
ressuprimento, estoque máximo, 
estoque virtual, quantidade a comprar, 
lote econômico de compras, entre 
outros, é uma tarefa vital.
Gestores de estoques que permitem o 
acontecimento da ruptura, ou seja, 
estoque igual a zero, estão sujeitos a 
sérios problemas, passando pela 
ausência da barganha, o registro da 
ordem de compra emergencial, a não-computação 
de vendas, os prejuízos 
associados e a possibilidade do 
fortalecimento da concorrência.
Portanto, existem razões para o pleno controle de estoques, 
sendo elas: 
 Propiciar níveis adequados de estoques e ambientes de incerteza; 
 Necessidade de continuidade em ambientes de produção e 
operações; 
 Capacidade de previsão de demanda futura, em função das 
variações de planejamento de materiais; 
 Disponibilidade de estoques nos fornecedores; 
 Adequação aos prazos de entrega, para evitar multas contratuais e 
queda no nível de serviço proposto; 
 Economia de custos; 
Redução de perdas, desvios de estocagem e depreciação;
Sendo os estoques recursos físicos 
com valor econômico associado, 
há a necessidade de evitar 
dispêndios desnecessários. Para 
tanto, as equações propostas a 
seguir têm a finalidade de manter 
níveis adequados e permanentes 
de estoques.
EQUAÇÕES 
A otimização de estoques passa por estimativas de 
cálculo que devem ser interpretadas e gerenciadas 
para o pleno gerenciamento da área de materiais. 
Todas as equações apresentadas são destinadas 
para a aplicação por item, respeitando o princípio da 
gestão por categoria de materiais.
GRÁFICO DENTE DE SERRA 
Em que: 
Ponto 1: estoque máximo; 
Ponto 2: nível de 
ressuprimento, ou estoque 
médio; 
Ponto 3: estoque virtual. 
Considera-se o estoque real 
armazenado e as 
encomendas; 
Ponto 4: estoque de 
segurança; 
Ponto 5: ponto de ruptura.
ESTOQUE MÁXIMO – EM 
Consiste na quantidade máxima permitida em estoques 
para o item em análise. O nível máximo pode ser atingido 
pelo estoque virtual, quando da emissão da ordem de 
compra até a entrega das mercadorias. O registro de 
estoque máximo é dado por meio das demandas 
analisadas. É uma contradição ao modelo de estoque 
máximo, pelo maior volume possível em depósitos.
EM = NR + TU*IC 
Em que: 
NR = Nível de ressuprimento, ou estoque médio; 
TU = Taxa de utilização, sendo a quantidade prevista pelo 
consumo no tempo; 
IC = Índice de cobertura.
ÍNDICE DE COBERTURA – IC 
Consiste no giro de estoques. 
IC = QV/QC 
Em que: 
QV = quantidade vendida; 
QC = quantidade comprada.
ESTOQUE DE SEGURANÇA – ES 
Considerado como estoque 
mínimo. 
Ou seja, é a quantidade mínima 
aceitável de estoques para suportar 
o tempo de ressuprimento. 
Indica a quantidade de estoques 
para iniciar os pedidos de 
encomendas.
ES = K*TR*CMM 
Em que: 
K = Fator de segurança; 
TR = Tempo de ressuprimento; 
CMM = Consumo médio mensal.
FATOR K 
Consiste em um fator de segurança, 
em virtude da importância e 
sazonalidade dos estoques. Observa-se 
que o fator K não deve ultrapassar a 
escala de 100%. Cada organização 
pode adotar o fator K em virtude do 
processo de tomada de decisão 
gerencial.
ESTOQUE REAL – ER 
Consiste na quantidade real de 
estoques em depósito. Não existem 
estimativas matemáticas para este 
critério. O recomendado para verificar 
a quantidade de estoques é a 
realização de inventários para a 
redução de risco, perdas e depreciação 
de materiais.
ESTOQUE VIRTUAL – EV 
É o estoque real acrescido das quantidades 
encomendadas aos fornecedores. 
EV = ER + Encomendas 
Em que: 
ER = estoque real.
NÍVEL DE RESSUPRIMENTO – NR 
Consiste na quantidade a ser atingida pelo estoque 
real. Indica o nível médio de estoques em função das 
demandas de mercado. 
NR = ES + CMM*TR 
Em que: 
ES = Estoque de segurança; 
CMM = Consumo médio mensal; 
TR = Tempo de ressuprimento.
TEMPO DE RESSUPRIMENTO – TR 
É o intervalo de tempo entre a emissão da ordem de 
compra e o recebimento de mercadorias oriundas dos 
fornecedores. É composto por tempos internos e externos 
de movimentação de estoques. 
TR = TPC + TAF + TT + TRR
Em que: 
TPC = tempo de preparação de compra; 
TAF = tempo de atendimento do fornecedor; 
TT = tempo transporte; 
TRR = tempo de recebimento e regularização.
PONTO DE RUPTURA – PR 
Indica que o estoque está nulo. Ocorre 
quando o consumo de materiais 
chegou ao nível zero. Observa-se que 
a ocorrência do ponto de ruptura é 
negativo para a área de materiais, 
devido a compras emergenciais e sem 
a existência do poder de barganha com 
fornecedores.
QUANTIDADE A COMPRAR – QC 
É a quantidade solicitada em uma ordem de compras para 
a aquisição de estoques. 
QC = EM – EV 
Em que: 
EM = estoque máximo; 
EV = estoque virtual.
PEDIDO INICIAL – QC 
Refere-se à quantidade inicial de compras, sendo a 
primeira aquisição de estoques das organizações. 
QC = CMM*TR*2ES 
Em que: 
CMM = Consumo médio mensal; 
TR = Taxa de ressuprimento; 
2*ES = duas vezes estoque segurança.
LOTE ECONÔMICO DE 
COMPRAS – LEC 
Representa a quantidade ideal de estoques para que os 
custos de compras sejam ótimos e sem perdas. 
Em que: 
CA = Consumo anual em quantidades; 
CC = Consumo unitário do pedido de compra; 
CPA = Custo do produto armazenado; 
PU = Preço unitário do material.
CUSTO TOTAL 
Representa os custos totais da área de materiais. São 
consideradas todas as operações de estocagem em uma 
organização 
Em que: 
CA = consumo anual em quantidades; 
LEC (%) = lote econômico de compras dividido por 100; 
CC = consumo unitário do pedido de compra; 
PU = preço unitário do material; 
CPA = custo do produto armazenado.
CURVA ABC 
 Historicamente a curva ABC foi desenvolvida pelo 
economista Vilfredo Pareto, em 1827, para classificar a 
sociedade em classes econômicas. 
Porém, desde a década de 90, a General Electric decidiu 
utilizar esta metodologia para organizar os seus estoques 
em prioridades. 
Interpretando a curva ABC, pode-se afirmar que:
 Estoques Classe A: Representam o grupo de maior 
valor de consumo e menor quantidade de itens, que devem 
ser gerenciados com muita atenção; 
 Estoques Classe B: Representam o grupo com situação 
intermediária às classes A e B; 
 Estoques Classe C: Representam o grupo com menor 
valor de consumo e maior quantidade de itens, portanto 
financeiramente menos importante e que justifica menor 
atenção no gerenciamento.
Para a elaboração da curva ABC existem algumas fases 
que devem ser respeitadas: (a) levantamento dos itens em 
estoques, considerando a descrição destes, quantidade e 
valores financeiros associados; (b) organização dos 
estoques em uma tabela; (c) interpretação dos estoques, 
em função da tabela-mestra, conforme tabela 1; (d) análise 
dos resultados.
Considerações finais: existem regras básicas de 
aproximação de grandezas de cálculo de materiais para 
facilitar as equações apresentadas. 
Entre elas, destacam-se: 
NR = ER (modelo Push Systems, com a existência de 
estoques nos depósitos); 
NR = ES (modelo Pull Systems, sem a existência de 
estoques nos depósitos ou nos fornecedores); 
PU = TU.
ATÉ A PRÓXIMA AULA...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueMiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueDiego T. Budemberg
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boianifabioboiani
 
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6guest3d59
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02Sirlei Vieira
 
Administração de Estoques
Administração de EstoquesAdministração de Estoques
Administração de EstoquesAlison Gabriel
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoquesogerente
 
Grupo Estoques[1]
Grupo Estoques[1]Grupo Estoques[1]
Grupo Estoques[1]fabrina29rs
 
Custos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de EstoquesCustos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de Estoquesvjoao
 
01 materiais
01 materiais01 materiais
01 materiaisTom Souto
 
Gestão de Estoques - Acreditação Hospitalar
Gestão de Estoques - Acreditação HospitalarGestão de Estoques - Acreditação Hospitalar
Gestão de Estoques - Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEKamilla Lima
 
Gestao estoques mestrado
Gestao estoques mestradoGestao estoques mestrado
Gestao estoques mestradoHelenJully
 
Apostila de Administração de Materiais
Apostila de Administração de MateriaisApostila de Administração de Materiais
Apostila de Administração de Materiaispcm1nd
 
Logística Aula 8
Logística Aula 8Logística Aula 8
Logística Aula 8robsonnasc
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifadoVera Gomes
 

Mais procurados (20)

MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - EstoqueMiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
MiniBA - Gestão de Microempresas - Estoque
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
gestão de estoques
gestão de estoquesgestão de estoques
gestão de estoques
 
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
 
Gestão de estoques aula 02
Gestão de estoques  aula 02Gestão de estoques  aula 02
Gestão de estoques aula 02
 
Administração de Estoques
Administração de EstoquesAdministração de Estoques
Administração de Estoques
 
Aula 1 conceitos básicos
Aula 1   conceitos básicosAula 1   conceitos básicos
Aula 1 conceitos básicos
 
Gestao De Estoques
Gestao De EstoquesGestao De Estoques
Gestao De Estoques
 
Apresentação4
Apresentação4Apresentação4
Apresentação4
 
Grupo Estoques[1]
Grupo Estoques[1]Grupo Estoques[1]
Grupo Estoques[1]
 
Custos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de EstoquesCustos de Manutenção de Estoques
Custos de Manutenção de Estoques
 
01 materiais
01 materiais01 materiais
01 materiais
 
Gestão de Estoques - Acreditação Hospitalar
Gestão de Estoques - Acreditação HospitalarGestão de Estoques - Acreditação Hospitalar
Gestão de Estoques - Acreditação Hospitalar
 
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUEESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
ESTOQUES - GESTÃO DE ESTOQUE
 
Gestão de estoques
Gestão de estoquesGestão de estoques
Gestão de estoques
 
Gestao estoques mestrado
Gestao estoques mestradoGestao estoques mestrado
Gestao estoques mestrado
 
Como uma Armazenagem Perfeita permite o atendimento do Pedido Perfeito
Como uma Armazenagem Perfeita permite o atendimento do Pedido PerfeitoComo uma Armazenagem Perfeita permite o atendimento do Pedido Perfeito
Como uma Armazenagem Perfeita permite o atendimento do Pedido Perfeito
 
Apostila de Administração de Materiais
Apostila de Administração de MateriaisApostila de Administração de Materiais
Apostila de Administração de Materiais
 
Logística Aula 8
Logística Aula 8Logística Aula 8
Logística Aula 8
 
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
61321330 adm-estoque-e-almoxarifado
 

Destaque

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...
UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...
UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...Alexandre Marciano de Freitas
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoBenjamim Garcia Netto
 
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?""Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"Cardinalis Consultoria
 
A Importância de evitar a ruptura de estoque
A Importância de evitar a ruptura de estoqueA Importância de evitar a ruptura de estoque
A Importância de evitar a ruptura de estoqueDESENVOLVA CONSULTORIA
 
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SP
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SPGDP Materiais – Road Show 11.40 - SP
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SPTOTVS Connect
 
Quality consult vonpar
Quality consult vonparQuality consult vonpar
Quality consult vonparCamila Maciel
 
Custos dos estoques e lec 2003
Custos dos estoques e lec 2003Custos dos estoques e lec 2003
Custos dos estoques e lec 2003bhandrade
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoqueElvis Bruno
 
treinamento de 5S
treinamento de 5Streinamento de 5S
treinamento de 5SAne Costa
 
Aula 02 just in time e kanban 1
Aula 02   just in time e kanban 1Aula 02   just in time e kanban 1
Aula 02 just in time e kanban 1josmar faria
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)Robson Costa
 
As 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidadeAs 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidadeinstitutocarvalho
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoSara Dantas
 

Destaque (20)

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...
UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...
UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE ESTOQUE DE EMBALAGENS, NUMA PERSPECTIVA DE MELHORI...
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
 
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?""Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"
"Gestão de Estoque: uma Obrigação ou uma Necessidade?"
 
Logística Compras
Logística ComprasLogística Compras
Logística Compras
 
A+f
A+fA+f
A+f
 
A Importância de evitar a ruptura de estoque
A Importância de evitar a ruptura de estoqueA Importância de evitar a ruptura de estoque
A Importância de evitar a ruptura de estoque
 
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SP
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SPGDP Materiais – Road Show 11.40 - SP
GDP Materiais – Road Show 11.40 - SP
 
5 s's
 5 s's  5 s's
5 s's
 
Quality consult vonpar
Quality consult vonparQuality consult vonpar
Quality consult vonpar
 
Custos dos estoques e lec 2003
Custos dos estoques e lec 2003Custos dos estoques e lec 2003
Custos dos estoques e lec 2003
 
A Carreira do Almoxarife
A Carreira do Almoxarife A Carreira do Almoxarife
A Carreira do Almoxarife
 
Sistema de estoque
Sistema de estoqueSistema de estoque
Sistema de estoque
 
Gestão de estoque farmácias
Gestão de estoque farmáciasGestão de estoque farmácias
Gestão de estoque farmácias
 
treinamento de 5S
treinamento de 5Streinamento de 5S
treinamento de 5S
 
Engenharia De Processos
Engenharia De ProcessosEngenharia De Processos
Engenharia De Processos
 
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
Aula 4 custo_de_estoque_modulo6
 
Aula 02 just in time e kanban 1
Aula 02   just in time e kanban 1Aula 02   just in time e kanban 1
Aula 02 just in time e kanban 1
 
Just in time (jit)
Just in time (jit)Just in time (jit)
Just in time (jit)
 
As 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidadeAs 7 ferramentas_da_qualidade
As 7 ferramentas_da_qualidade
 
Engenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produçãoEngenharia de operações e processos da produção
Engenharia de operações e processos da produção
 

Semelhante a T&q

Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.pptAbraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.pptAndersonBarbosa629031
 
Apresentação 2.pptx
Apresentação 2.pptxApresentação 2.pptx
Apresentação 2.pptxssuser7bf558
 
Gestao stock4º trabalho
Gestao stock4º trabalhoGestao stock4º trabalho
Gestao stock4º trabalhojorgecs6
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisõesLeonor Alves
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisõesLeonor Alves
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoHytalo Rafael
 
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptUFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptMarcusMartins46
 
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptxNIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptxJannieli Moraes
 
Felipe cesconetto custos de estoque
Felipe cesconetto   custos de estoqueFelipe cesconetto   custos de estoque
Felipe cesconetto custos de estoqueAgnaldo Cruz
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaAgnaldo Cruz
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptaugustocosta82
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptaugustocosta82
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdfThiago Thome
 
Políticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoquePolíticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoqueMarlonFranca
 
Gestão de Stocks
Gestão de StocksGestão de Stocks
Gestão de Stocksdiogovelez
 
O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finaljoaoprates
 

Semelhante a T&q (20)

Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.pptAbraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
Abraao Conceitos de gestao de estoques.ppt
 
Apresentação 2.pptx
Apresentação 2.pptxApresentação 2.pptx
Apresentação 2.pptx
 
Gestao stock4º trabalho
Gestao stock4º trabalhoGestao stock4º trabalho
Gestao stock4º trabalho
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisõesFicha de trabalho nº15   mod 4 - cv- revisões
Ficha de trabalho nº15 mod 4 - cv- revisões
 
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de SucessoControle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
Controle dos Estoques e Logística: Receita de Sucesso
 
Cap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.pptCap6Stocks.ppt
Cap6Stocks.ppt
 
Gestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de StocksGestão de Materiais e de Stocks
Gestão de Materiais e de Stocks
 
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.pptUFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
UFCD 5945 Gestão de Stocks.ppt
 
Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)Controle de estoques (funcionalidades)
Controle de estoques (funcionalidades)
 
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptxNIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
NIVEIS DE ESTOQUE - PROF JANNIELI MORAES.pptx
 
Felipe cesconetto custos de estoque
Felipe cesconetto   custos de estoqueFelipe cesconetto   custos de estoque
Felipe cesconetto custos de estoque
 
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadistaCustos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
Custos de estoques e parâmetros de ressuprimento estudo de caso em um atacadista
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
 
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.pptADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
ADMINISTRAÇÃOFINANCEIRADEESTOQUES.ppt
 
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
2 Fundamentos da Administração de Estoques.pdf
 
Gest estoques1
Gest estoques1Gest estoques1
Gest estoques1
 
Políticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoquePolíticas de gestão de estoque
Políticas de gestão de estoque
 
Gestão de Stocks
Gestão de StocksGestão de Stocks
Gestão de Stocks
 
O aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks finalO aprovisionamento gestão de stocks final
O aprovisionamento gestão de stocks final
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamentalgeone480617
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino FundamentalCartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
Cartilha 1º Ano Alfabetização _ 1º Ano Ensino Fundamental
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 

T&q

  • 2. OBJETIVOS DA AULA Compreender:  Métodos quantitativos para gestão de estoque
  • 3. MÉTODOS QUANTITATIVOS APLICADOS O gerenciamento de estoques visa, por meio de métodos quantitativos aplicados, o pleno atendimento às expectativas de produção ou consumo das organizações, com a máxima eficiência, redução de custos e tempo de movimentação. Busca-se maximizar o capital investido, em busca de retornos satisfatórios sobre o investimento realizado.
  • 4. Desta maneira, os estoques não podem ser considerados como excesso de recursos, ou materiais ociosos, devido à representatividade financeira dos mesmos, a necessidade pelo índice de cobertura e vendas. Portanto, os níveis estocados devem ser revistos continuadamente, evitando problemas de custos excessivos de armazenagem e movimentação interna e externa aos depósitos.
  • 5. A adoção de cálculos para a verificação de parâmetros, como estoque de segurança, nível de ressuprimento, estoque máximo, estoque virtual, quantidade a comprar, lote econômico de compras, entre outros, é uma tarefa vital.
  • 6. Gestores de estoques que permitem o acontecimento da ruptura, ou seja, estoque igual a zero, estão sujeitos a sérios problemas, passando pela ausência da barganha, o registro da ordem de compra emergencial, a não-computação de vendas, os prejuízos associados e a possibilidade do fortalecimento da concorrência.
  • 7. Portanto, existem razões para o pleno controle de estoques, sendo elas:  Propiciar níveis adequados de estoques e ambientes de incerteza;  Necessidade de continuidade em ambientes de produção e operações;  Capacidade de previsão de demanda futura, em função das variações de planejamento de materiais;  Disponibilidade de estoques nos fornecedores;  Adequação aos prazos de entrega, para evitar multas contratuais e queda no nível de serviço proposto;  Economia de custos; Redução de perdas, desvios de estocagem e depreciação;
  • 8. Sendo os estoques recursos físicos com valor econômico associado, há a necessidade de evitar dispêndios desnecessários. Para tanto, as equações propostas a seguir têm a finalidade de manter níveis adequados e permanentes de estoques.
  • 9. EQUAÇÕES A otimização de estoques passa por estimativas de cálculo que devem ser interpretadas e gerenciadas para o pleno gerenciamento da área de materiais. Todas as equações apresentadas são destinadas para a aplicação por item, respeitando o princípio da gestão por categoria de materiais.
  • 10. GRÁFICO DENTE DE SERRA Em que: Ponto 1: estoque máximo; Ponto 2: nível de ressuprimento, ou estoque médio; Ponto 3: estoque virtual. Considera-se o estoque real armazenado e as encomendas; Ponto 4: estoque de segurança; Ponto 5: ponto de ruptura.
  • 11. ESTOQUE MÁXIMO – EM Consiste na quantidade máxima permitida em estoques para o item em análise. O nível máximo pode ser atingido pelo estoque virtual, quando da emissão da ordem de compra até a entrega das mercadorias. O registro de estoque máximo é dado por meio das demandas analisadas. É uma contradição ao modelo de estoque máximo, pelo maior volume possível em depósitos.
  • 12. EM = NR + TU*IC Em que: NR = Nível de ressuprimento, ou estoque médio; TU = Taxa de utilização, sendo a quantidade prevista pelo consumo no tempo; IC = Índice de cobertura.
  • 13. ÍNDICE DE COBERTURA – IC Consiste no giro de estoques. IC = QV/QC Em que: QV = quantidade vendida; QC = quantidade comprada.
  • 14. ESTOQUE DE SEGURANÇA – ES Considerado como estoque mínimo. Ou seja, é a quantidade mínima aceitável de estoques para suportar o tempo de ressuprimento. Indica a quantidade de estoques para iniciar os pedidos de encomendas.
  • 15. ES = K*TR*CMM Em que: K = Fator de segurança; TR = Tempo de ressuprimento; CMM = Consumo médio mensal.
  • 16. FATOR K Consiste em um fator de segurança, em virtude da importância e sazonalidade dos estoques. Observa-se que o fator K não deve ultrapassar a escala de 100%. Cada organização pode adotar o fator K em virtude do processo de tomada de decisão gerencial.
  • 17. ESTOQUE REAL – ER Consiste na quantidade real de estoques em depósito. Não existem estimativas matemáticas para este critério. O recomendado para verificar a quantidade de estoques é a realização de inventários para a redução de risco, perdas e depreciação de materiais.
  • 18. ESTOQUE VIRTUAL – EV É o estoque real acrescido das quantidades encomendadas aos fornecedores. EV = ER + Encomendas Em que: ER = estoque real.
  • 19. NÍVEL DE RESSUPRIMENTO – NR Consiste na quantidade a ser atingida pelo estoque real. Indica o nível médio de estoques em função das demandas de mercado. NR = ES + CMM*TR Em que: ES = Estoque de segurança; CMM = Consumo médio mensal; TR = Tempo de ressuprimento.
  • 20. TEMPO DE RESSUPRIMENTO – TR É o intervalo de tempo entre a emissão da ordem de compra e o recebimento de mercadorias oriundas dos fornecedores. É composto por tempos internos e externos de movimentação de estoques. TR = TPC + TAF + TT + TRR
  • 21. Em que: TPC = tempo de preparação de compra; TAF = tempo de atendimento do fornecedor; TT = tempo transporte; TRR = tempo de recebimento e regularização.
  • 22. PONTO DE RUPTURA – PR Indica que o estoque está nulo. Ocorre quando o consumo de materiais chegou ao nível zero. Observa-se que a ocorrência do ponto de ruptura é negativo para a área de materiais, devido a compras emergenciais e sem a existência do poder de barganha com fornecedores.
  • 23. QUANTIDADE A COMPRAR – QC É a quantidade solicitada em uma ordem de compras para a aquisição de estoques. QC = EM – EV Em que: EM = estoque máximo; EV = estoque virtual.
  • 24. PEDIDO INICIAL – QC Refere-se à quantidade inicial de compras, sendo a primeira aquisição de estoques das organizações. QC = CMM*TR*2ES Em que: CMM = Consumo médio mensal; TR = Taxa de ressuprimento; 2*ES = duas vezes estoque segurança.
  • 25. LOTE ECONÔMICO DE COMPRAS – LEC Representa a quantidade ideal de estoques para que os custos de compras sejam ótimos e sem perdas. Em que: CA = Consumo anual em quantidades; CC = Consumo unitário do pedido de compra; CPA = Custo do produto armazenado; PU = Preço unitário do material.
  • 26. CUSTO TOTAL Representa os custos totais da área de materiais. São consideradas todas as operações de estocagem em uma organização Em que: CA = consumo anual em quantidades; LEC (%) = lote econômico de compras dividido por 100; CC = consumo unitário do pedido de compra; PU = preço unitário do material; CPA = custo do produto armazenado.
  • 27. CURVA ABC  Historicamente a curva ABC foi desenvolvida pelo economista Vilfredo Pareto, em 1827, para classificar a sociedade em classes econômicas. Porém, desde a década de 90, a General Electric decidiu utilizar esta metodologia para organizar os seus estoques em prioridades. Interpretando a curva ABC, pode-se afirmar que:
  • 28.  Estoques Classe A: Representam o grupo de maior valor de consumo e menor quantidade de itens, que devem ser gerenciados com muita atenção;  Estoques Classe B: Representam o grupo com situação intermediária às classes A e B;  Estoques Classe C: Representam o grupo com menor valor de consumo e maior quantidade de itens, portanto financeiramente menos importante e que justifica menor atenção no gerenciamento.
  • 29. Para a elaboração da curva ABC existem algumas fases que devem ser respeitadas: (a) levantamento dos itens em estoques, considerando a descrição destes, quantidade e valores financeiros associados; (b) organização dos estoques em uma tabela; (c) interpretação dos estoques, em função da tabela-mestra, conforme tabela 1; (d) análise dos resultados.
  • 30.
  • 31. Considerações finais: existem regras básicas de aproximação de grandezas de cálculo de materiais para facilitar as equações apresentadas. Entre elas, destacam-se: NR = ER (modelo Push Systems, com a existência de estoques nos depósitos); NR = ES (modelo Pull Systems, sem a existência de estoques nos depósitos ou nos fornecedores); PU = TU.
  • 32. ATÉ A PRÓXIMA AULA...