SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 67
Baixar para ler offline
EDITAL SEE-MG- 2011
Prof. Rodrigo de Oliveira
O TEXTO E A CONSTRUÇÃO DOS SENTIDOS- O texto é um todo
organizado de sentido, cujas partes se relacionam dentro de determinado
contexto (explícito ou implícito) a fim de gerar determinado efeito de
sentido.
Dessa forma, é uma manifestação linguística produzida por alguém, em
algum contexto com determinada intenção, pressupondo um interlocutor.
Contexto – circunstâncias que acompanham um fato ou uma situação
(externo); conjunto de palavras e frases que contribuem para o
encadeamento do discurso (interno)
Contexto de produção
•Autor do texto (papel social, época, lugar)
•Interlocutores e sua representação social (depende do assunto, das
características formais, da linguagem, do meio em que circulou)
•Finalidade/objetivo do texto (intenção)
•Circulação (meio)
REFERÊNCIAS TEXTUAIS
Explícitas – presença de marcas textuais que explicitam o contexto.
A gripe suína tornou-se um problema de saúde global.
Gripe suína é um problema de saúde pública. Gripe suína é “global”
Pressupostos – circunstância ou fato considerado antecedente natural
de outro, ou seja, uma informação que integra o enunciado e denuncia
determinada situação. Não é possível negá-la. Parei de fumar há dois
anos. Pressuposto: Eu fumava.
Não para de chover aqui. Pressuposto: Chove há muitos dias.
“Família Silva. Somos membros da associação de escotismo; liga de
futebol mirim; grupo de jovens religiosos; encontros da juventude...E
assinamos qualquer revista de planejamento familiar.”
Pressuposto: Eles têm muitos filhos.
Implícitos ou subentendidos – algum fato ou juízo envolvido em
determinado contexto que é apenas sugerido, mas não revelado por ele.
Trata-se da maneira como se entende o enunciado, mas é possível negá-
la.
Helga afirma que
por trás de um
grande homem há
uma grande
mulher. Como
Helga está
caminhando à
frente dele, fica
implícita a noção
de que ela não o
considera um
grande homem.
Note, porém, que
em nenhum
momento ela afirma
categoricamente
isso.
Inferências – conclusão decorrente do levantamento de indícios e da
compreensão da realidade associada àquela situação.
Indícios: Um globo
terrestre estilizado para
parecer um porco.
- A presença de
“atchim” indica que o
porco está com gripe.
- o globo representa o
mundo “globalizado”
Compreensão da
realidade:
- Gripe (atchim) suína
(porco) atinge o mundo
(globo)
INTERTEXTUALIDADE - Intertextualidade significa interação entre
textos, um diálogo entre eles que pode ocorrer tanto por meio de
elementos formais quanto temáticos. Dessa forma, é comum, ao lermos
determinado texto, lembrarmos de outros inúmeros que façam parte de
nosso repertório. A recorrência a outros textos é muito comum na
literatura e nas propagandas.
A) INTERTEXTUALIDADE EXPLÍCITA
Dentre a intertextualidade explícita, temos vários gêneros, como: epígrafe,
citação, paráfrase, paródia, tradução.
1) Epígrafe constitui uma escrita introdutória de outra.
CANÇÃO DO EXÍLIO
Gonçalves Dias
[Conheces o país onde florescem as laranjeiras?
Ardem na escura fronde os frutos de ouro...
Conhecê-lo? Para lá, para lá quisera eu ir!]
Goethe (tradução de Manuel Bandeira)
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Minha terra tem primores,
Que tais não encontro eu cá;
Em cismar — sozinho, à noite —
Mais prazer encontro eu lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Não permita Deus que eu morra,
Sem que eu volte para lá;
Sem que desfrute os primores
Que não encontro por cá;
Sem qu'inda aviste as palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Coimbra, julho de 1843
2) Citação - transcrição de texto alheio, marcada por aspas.
■ Osório Duque Estrada, 1909 •••••
HINO NACIONAL BRASILEIRO
(trecho)
”Do que a terra mais garrida
Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;”
"Nossos bosques têm mais vida",
"Nossa vida" no teu seio "mais amores".
3) Paráfrase - A paráfrase é a reprodução do texto de outrem com as
palavras do autor, com sua ampliação ou interpretação particular. Ela
não confunde com o plágio porque seu autor explicita a intenção, deixa
clara a fonte. Apesar de as palavras serem mudadas, a ideia do texto é
confirmada pelo novo texto, a alusão ocorre para atualizar, reafirmar os
sentidos ou alguns sentidos do texto citado.
É dizer com outras palavras o que já foi dito.
Paráfrase.
Meus olhos brasileiros se fecham saudosos
Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’.
Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’?
Eu tão esquecido de minha terra...
Ai terra que tem palmeiras
Onde canta o sabiá!
(Carlos Drummond de Andrade, “Europa,
França e Bahia”).
4) Paródia - A paródia é uma forma de apropriação que, em lugar de
endossar o modelo retomado, rompe com ele, sutil ou abertamente.
Ocorre, aqui, um choque de interpretação, a voz do texto original é
retomada para transformar seu sentido, levando o leitor a uma reflexão
crítica.
CANTO DO REGRESSO À PÁTRIA
Oswald de Andrade
Minha terra tem palmares
Onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá
Minha terra tem mais rosas
E quase que mais amores
Minha terra tem mais ouro
Minha terra tem mais terra
Ouro terra amor e rosas
Eu quero tudo de lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte para lá
Não permita Deus que eu morra
Sem que volte pra São Paulo
Sem que veja a Rua 15
E o progresso de São Paulo
Observe ainda a paródia nas imagens a seguir:
Mona Lisa, Leonardo da Vinci. Óleo
sobre tela, 1503.
Mona Lisa, de Marcel Duchamp,
1919.
Mona Lisa, Fernando
Botero, 1978.
Mona Lisa, propaganda publicitária
5)Tradução - A tradução de um texto literário implica em recriação, por isso ela
está no campo da intertextualidade. Veja um poema de Edgar A. Poe traduzido
por dois escritores da língua portuguesa:
Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
Vagos curiosos tomos de ciências ancestrais,
E já quase adormecia, ouvi o que parecia
O som de alguém que batia levemente a meus umbrais
‘Uma visita’ eu me disse, ‘está batendo a meus umbrais
E só isto, e nada mais.
(Tradução de Fernando Pessoa)
Em certo dia, à hora, à hora
Da meia-noite que apavora,
Eu caindo de sono e exausto de fadiga,
Ao pé de muita lauda antiga,
De uma velha doutrina, agora morta
Ia pensando, quando ouvi à porta
Do meu quarto um soar devagarinho
E disse estas palavras tais:
‘É alguém que me bate à porta de mansinho:
Há de ser isso e nada mais.
(Tradução de Machado de Assis)
O poema é o mesmo, mas Machado de Assis traduziu do francês para o
português, enquanto Fernando Pessoa partiu direto do inglês, por isso as
traduções ficarem bem diferentes, embora a essência dele continue nos
dois textos traduzidos.
B) Intertextualidade implícita- Quando uma articulista de jornal
escreve sobre a importância dos direitos humanos na atualidade, suas
ideias fazem parte de um discurso ideológico, portanto, com certeza, seu
texto mantém diálogo implícito (ou explícito) com a Declaração Universal
dos Direitos Humanos da ONU e outros documentos.
Bibliografia
Paulino, Graça; Walty, Ivete; Cury, Maria Zilda Cury. Intertextualidades: Teoria e Prática, 1ª edição,
Belo Horizonte-MG, Editora Lê, 1995.
Barros, Diana Luz Pessoa de; Fiorin, José Luiz (organizadores). Dialogismo, Polifonia, Inter-
textualidade. lª edição, São Paulo, Edusp, 1994.
Site “Por trás das Letras”
Exercícios
Álcool, crescimento e pobreza.
O lavrador de Ribeirão Preto recebe em média R$ 2,50 por tonelada
de cana cortada. Nos anos 80, esse trabalhador cortava cinco toneladas
de cana por dia. A mecanização da colheita o obrigou a ser mais
produtivo. O corta-cana derruba agora oito toneladas por dia.
O trabalhador deve cortar a cana rente ao chão, encurvado. Usa
roupas mal-ajambradas, quentes, que lhe cobrem o corpo, para que não
seja lanhado pelas folhas da planta. O excesso de trabalho causa a
birola: tontura, desmaio, cãibra, convulsão. A fim de aguentar dores e
cansaço, esse trabalhador toma drogas e soluções de glicose, quando
não farinha mesmo. Tem aumentado o número de mortes por exaustão
nos canaviais. O setor da cana produz hoje uns 3,5% do PIB. Exporta
US$ 8 bilhões. Gera toda a energia elétrica que consome e ainda vende
excedentes. A indústria de São Paulo contrata cientistas e engenheiros
para desenvolver máquinas e equipamentos mais eficientes para as
usinas de álcool. As pesquisas, privada e pública, na área agrícola (cana,
laranja, eucalipto etc.) desenvolvem a bioquímica e a genética no país.
Folha de S. Paulo, 11/3/2007 (com adaptações).
Confrontando-se as informações do texto com as da charge acima,
conclui-se que
a)- a charge contradiz o texto ao mostrar que o Brasil possui tecnologia
avançada no setor agrícola.
b)- a charge e o texto abordam, a respeito da cana-de-açúcar brasileira,
duas realidades distintas e sem relação entre si.
c)- o texto e a charge consideram a agricultura brasileira avançada, do
ponto de vista tecnológico.
d)- a charge mostra o cotidiano do trabalhador, e o texto defende o fim
da mecanização da produção da cana-de-açúcar no setor
sucroalcooleiro.
e)- o texto mostra disparidades na agricultura brasileira, na qual
convivem alta tecnologia e condições precárias de trabalho, que a
charge ironiza.
Exercício de inferência de ideias
“Natal 1961
Deslocados por uma operação burocrática – o recenseamento da terra –
a Virgem e o carpinteiro José aportam a Belém.
“Não há lugar para essa gente”, grita o dono do hotel onde se realiza um
congresso internacional de solidariedade.
O casal dirige-se a uma estrebaria, recebido por um boi branco e um
burro cansado do trabalho.
Os soldados de Herodes distribuem elementos radioativos a todos os
meninos de menos de dois anos.
Uma poderosa nuvem em forma de cogumelo abre o horizonte e súbito
explode.
O menino nasce morto.” MENDES, Murilo. Conversa portátil. Poesia completa e prosa.Rio de
Janeiro: Nova Aguilar, 1944. p. 1486.
2. Pode-se inferir que o autor do texto:
I.Atualiza a história de Cristo, adaptando o sentido da paixão cristã às
duras condições de vida nas grandes cidades.
II. Faz ver que, em nossa era, o advento de um Cristo seria impossível,
em vista das atrocidades em que os homens se especializaram.
III. Ironiza a corrida armamentista, comparando-a a fatos narrados em
passagens bíblicas.
Está correto somente o que se afirma em:
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e II.
e) II e III.
Anacronismo. S.m. 1. Confusão de data quanto a acontecimentos ou
pessoas.
3. Com base na definição acima, do Novo Dicionário Aurélio da Língua
Portuguesa, o autor se vale intencionalmente de um anacronismo quando
associa:
a) a Virgem e o carpinteiro José à cidade de Belém;
b) a fala do dono de um hotel à realização de um congresso;
c) nuvem em forma de cogumelo a súbita explosão,
d) soldados de Herodes a elementos radioativos;
e) uma estrebaria a um boi branco e um burro cansado.
O gráfico abaixo mostra a área desmatada da Amazônia, em km2, a cada
ano, no período de 1988 a 2008.
4. As informações do gráfico indicam que:
a)-( ) o maior desmatamento ocorreu em 2004.
b)-( ) a área desmatada foi menor em 1997 que em 2007.
c)-( ) a área desmatada a cada ano manteve-se constante entre 1998 e
2001.
d)-( ) a área desmatada por ano foi maior entre 1994 e 1995 que entre
1997 e 1998.
e)-( ) o total de área desmatada em 1992, 1993 e 1994 é maior que
60.000 km2.
5) A propaganda
ao lado estabelece
diálogo intertextual
com uma outra.
Esclareça a que
outra propaganda
ela se vincula e
que elemento deixa
claro tal vínculo.
6)A propaganda acima
parte da
plurissignificação do
vocábulo “enrolado” para
gerar efeito de sentido.
Esclareça os dois sentidos
deste adjetivo utilizados
na propaganda e que
palavras são modificadas
por ele.
De enrolados já
bastam os homens.
VARIAÇÃO LINGUÍSTICA –
Toda língua possui variações que podem ser divididas em:
a) Variação histórica (ou diacrônica)
- no som/pronúncia ou na flexão e na derivação;
Vossa Mercê – Vosmecê – Você – Cê - Vc
Em boa hora - embora
Arbores – árvores
Fidele - fiel
Debere – dever
Super - sobre
conceptu - conceito
(Gramática Histórica - Ismael de Lima Coutinho)
— nos padrões de estruturação da frase e/ou no nível dos significados;
Antigamente
"Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas
mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras,
em geral dezoito. Os janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé-
de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do
balaio." Carlos Drummond de Andrade
— pela introdução de novas palavras (neologismos e
estrangeirismos). Deletar – mensalão – blogueiro.
b) Variação regional (espacial ou diatópica)
FONÉTICA : Porta – para cariocas – piracicabanos- paulistanos
LEXICAL :mandioca – aipim – macaxeira / cheiro – beijo
SINTÁTICA
Tu já estudaste? Você já estudou?
Assaltante Mineiro
Ô sô, prestenção... Isso é um assalto, uai...
Levanta os braços e fica quetin que esse trem na minha mão tá cheio de
bala...
Mió passá logo os troado que eu num tô bão hoje.
Vai andando, uai! Tá esperando o que uai!!
Assaltante Gaúcho
Ô guri, ficas atento... Báh, isso é um assalto. Levantas os braços e te
quieta, tchê.
Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê.
Passa as pilas prá cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro
fala.
c) Variação social (ou diastrática)
Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes,
usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à
educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua
falada que na língua escrita.
FONÉTICA : peneu em vez de pneu / adevogado em vez de advogado
LEXICAL: presunto em vez de cadáver / rolê em vez de passeio
SINTÁTICA : Houveram muitas percas. / Naonde posso ponhar isso?
O Poeta da Roça
Sou fio das mata, canto da mão grossa,
Trabáio na roça, de inverno e de estio.
A minha chupana é tapada de barro,
Só fumo cigarro de paia de mío.
Sou poeta das brenha, não faço o papé
De argun menestré, ou errante cantô
Que veve vagando, com sua viola,
Cantando, pachola, à percura de amô.
Não tenho sabença, pois nunca estudei,
Apenas eu sei o meu nome assiná.
Meu pai, coitadinho! Vivia sem cobre,
E o fio do pobre não pode estudá.
Meu verso rastero, singelo e
sem graça,
Não entra na praça, no rico
salão,
Meu verso só entra no campo
e na roça
Nas pobre paioça, da serra
ao sertão.
(...)
d) Variação situacional (ou diafásica). - Pessoas de mesmo grupo social
expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes
situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo.
Assim, fatores tais como sexo, faixa etária, condição socioeconômica,
profissão, religião e até mesmo convicções político-partidárias e
esportivas, entre outros, condicionam mudanças no uso efetivo da
língua.
ara quaisquer falantes de português, “homem” pode ter um
sentido amplo, geral, de “ser humano” ou mais específico, isto é “ser
humano do sexo masculino”.
No entanto, em certas situações de uso, a mesma palavra pode
significar “polícia”, como em “-Corre, que lá vem os home!”, ou “patrão”,
como em “O homem te mandou embora?”
Além disso, há falares específicos para grupos específicos, como
profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de
informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos
marginalizados, entre outros. São as gírias e os jargões.
Níveis de linguagem
-Formal, Culto ou Padrão = linguagem gramaticalmente correta, objetiva
e clara. Usada em textos técnicos, científicos, jornalísticos, em situações
que exigem formalidade.
- Informal ou Coloquial = admite alguns deslizes na norma culta, como
abreviaturas, expressões como a gente (em lugar de nós), pra (em lugar
de para), entre outras. É usada em contexto de informalidade, como bate-
papo pela internet e diálogos.
Exercícios
1)As aspas marcam o uso de uma palavra ou expressão de variedade
linguística diversa da que foi usada no restante da frase em:
a) Essa visão desemboca na busca ilimitada do lucro, na apologia do empresário
privado como ‘grande herói’ contemporâneo.
b) Pude ver a obra de machado de Assis de vários ângulos, sem participar de
nenhuma visão ‘oficialesca’.
c) Nas recentes discussões sobre os ‘fundamentos’ da economia brasileira, o
governo deu ênfase ao equilíbrio fiscal.
d) O premio Darwin, que ‘homenageia’ mortes estúpidas, foi instituído em 1993.
e) Em fazendas de Minas e Santa Catarina, quem aprecia o campo pode aproveitar
o frio, ouvindo ‘causos’ à beira da fogueira
2) Assinale o trecho do diálogo que apresenta um registro informal, ou
coloquial, da linguagem.
a)- “Tá legal, espertinho! Onde é que você esteve?!”
b)- “E lembre-se: se você disser uma mentira, os seus chifres cairão!”
c)- “Estou atrasado porque ajudei uma velhinha a atravessar a rua...”
d)- “...e ela me deu um anel mágico que me levou a um tesouro”
e)- “mas bandidos o roubaram e os persegui até a Etiópia, onde um
dragão...”
Ema
O surgimento da figura da Ema no céu, ao leste, no anoitecer, na
segunda quinzena de junho, indica o início do inverno para os índios do
sul do Brasil e o começo da estação seca para os do norte. É limitada
pelas constelações de Escorpião e do Cruzeiro do Sul, ou Cut'uxu.
Segundo o mito guarani, o Cut’uxu segura a cabeça da ave para garantir
a vida na Terra, porque, se ela se soltar, beberá toda a água do nosso
planeta. Os tupis-guaranis utilizam o Cut'uxu para se orientar e
determinar a duração das noites e as estações do ano.
A ilustração a seguir é uma representação dos corpos celestes que
constituem a constelação da Ema, na percepção indígena.
A próxima figura mostra, em campo de visão ampliado,
como povos de culturas não-indígenas percebem o
espaço estelar em que a Ema é vista.
3) Assinale a opção correta a respeito da linguagem empregada no
texto “A Ema”.
a)- A palavra Cut’uxu é um regionalismo utilizado pelas populações
próximas às aldeias indígenas.
b)- O autor se expressa em linguagem formal em todos os períodos do
texto.
c)- A ausência da palavra Ema no início do período “É limitada (...)”
caracteriza registro oral.
d)- A palavra Cut’uxu está destacada em itálico porque integra o
vocabulário da linguagem informal.
e) No texto, predomina a linguagem coloquial porque ele consta de um
almanaque.
ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO
No ato da fala, pode-se observar:
•o emissor: aquele que diz algo a alguém
•o receptor: aquele com quem o emissor se comunica
•a mensagem: tudo o que é transmitido do emissor para o receptor
•o código: a convenção que permite ao receptor compreender a
mensagem. Ex: Língua Portuguesa
•o canal: o meio que conduz a mensagem ao receptor. Ex: a língua oral
•o referente: o assunto da mensagem
FUNÇÕES DA LINGUAGEM
Emotiva ou Expressiva – O emissor imprime no texto as marcas de sua
atitude pessoal: emoções, avaliações, opiniões. O leitor sente no texto a
presença do emissor
Eu sempre quis viajar para a Alemanha.
“Não só baseado na avaliação do Guia da Folha, mas também por
iniciativa própria, assisti cinco vezes a “Um filme falado”. Temia que a
crítica brasileira condenasse o filme por não se convencional, mas tive
uma satisfação imensa quando li críticas unânimes na imprensa. Isso
mostra que, apesar de tantos enlatados, a nossa crítica é antenada com o
passado e o presente da humanidade e com as coisas que acontecem no
mundo. Fantástico! Parabéns, Sérgio Rizzo, seus textos nunca me
decepcionam.”
Luciano Duarte. Guia da Folha, 10 a 16 de junho 2005.
Apelativa ou Conativa- ênfase no receptor, persuadindo-o, seduzindo-o.
Nas mensagens em que predomina essa função, busca-se envolver o leitor
com o conteúdo transmitido, levando-o a adotar este ou aquele
comportamento.
Beba coca-cola! Aproveite a viagem!
 
RESERVA CULTURAL
Você nunca viu cinema assim.
Não perca a retrospectiva especial de inauguração, com 50% de desconto,
apresentando cinco filmes que foram sucesso de público. E, claro, de crítica
também.
Fática – palavra fático significa “ruído, rumor”. Foi utilizada inicialmente
para designar certas formas que se usam para chamar a atenção (ruídos
como psiu, ahn, ei). Essa função ocorre quando a mensagem se orienta
sobre o canal de comunicação ou contato, buscando verificar e fortalecer
sua eficiência.
Olá, estão todos ouvindo?
Referencial ou Denotativa – referente é o objeto ou situação de que a
mensagem trata. A função referencial privilegia justamente o referente da
mensagem, buscando transmitir informações objetivas sobre ele. Essa
função predomina nos textos de caráter científico e é privilegiado nos
textos jornalísticos.
Este refrigerante contém açúcar.
UM FILME FALADO - Idem. França/Itália/Portugal, 2003. Direção:
Manoel de Oliveira. Com: Leonor Silveira, John Malkovich, Catherine
Deneuve, Stefania Sandrelli e Irene Papas. Jovem professora de
história embarca com a filha em um cruzeiro que vai de Lisboa a
Bombaim. 96 min. 12 anos. Cinearte 1, desde 14. Frei Caneca
Unibanco Arteplex7, 13h, 15h10, 17h20, 19h30 e 21h50.
Metalinguística – quando a linguagem se volta sobre si mesma,
transformando-se em seu próprio referente, ocorre a função metalinguística.
Ênfase no código, usado para explicar ou discutir o próprio código.
Escrever é um processo ao mesmo tempo complexo e prazeroso.
Organizar as ideias e expressa-las no papel parece difícil, mas não é
impossível.
Palavra de origem latina, "ars" significa técnica ou habilidade. Segundo o
dicionário Houaiss, arte é a "produção consciente de obras, formas ou
objetos voltada para a concretização de um ideal de beleza e harmonia ou para a
expressão da subjetividade humana".
Poética – ênfase na mensagem, quando a mensagem é elaborada de
forma inovadora e imprevista, utilizando combinações sonoras ou rítmicas,
jogos de imagem ou de ideias, temos a manifestação da função poética da
linguagem. Essa função é capaz de despertar no leitor prazer estético e
surpresa. É explorado na poesia e em textos publicitários. Presença de
musicalidade, rimas, linguagem figurada (conotativa)
Todos bebemos futebol!
A bela e a fera.
Tecendo a manhã
João Cabral de Melo Neto
Um galo sozinho não tece uma manhã:
ele precisará sempre se outros galos.
De um que apanhe esse grito que ele
e o lance a outro; de um outro galo
que apanhe o grito que um galo antes
e o lance a outro; e de outros galos
que com muitos outros galos se cruzem
os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma tela tênue,
se vá tecendo, entre todos os galos
Assinale a alternativa incorreta sobre os elementos que compõem a
comunicação:
a)Emissor é aquele que envia uma mensagem a um receptor por meio de
um canal (meio);
b)O canal de comunicação entre duas pessoas não varia, é sempre o
contato físico entre elas;
c)O código utilizado na comunicação é essencial para a compreensão da
mensagem, se você utiliza um código desconhecido, sua mensagem não é
interpretada de maneira coerente.
d)Quando se utiliza uma linguagem diferente daquela que a pessoa está
costumada, existe um problema de comunicação porque o código usado
entre as pessoas é diferente.
e)O receptor da mensagem pode corresponder a uma só pessoa, como
também pode se referir a um grupo de pessoas.
TIPOS TEXTUAIS
 
 NARRATIVO- ficção e criação (personagens)
Gêneros: contos, lendas, fábulas, romances, crônicas, histórias em
quadrinhos, texto teatral.
EXPOSITIVO ou INFORMATIVO - divulgação de algum conhecimento
Gêneros: artigos científicos, conferências, sinopses, verbetes de
enciclopédias
- relato de algo que ocorreu. Gêneros: diários, reportagens, relatórios,
biografias, notícias.
-processamento de informações - Gêneros: bilhete, e-mail, telegrama, fax,
memorando, ofício, resenhas não-críticas, indicadores, previsão do
tempo, cotações, obituários.
ARGUMENTATIVO - defesa de um posicionamento
Gêneros: carta aberta, carta de leitor, carta de reclamação, abaixo-
assinado, artigo de opinião, editorial, comentário, artigo, dissertações,
resenha crítica, requerimento, caricaturas, charges.
INSTRUCIONAL - - informação de procedimentos.
Gêneros: manuais, tutoriais, receitas, regras de jogos, regulamentos,
estatutos.
ALGUNS GÊNEROS TEXTUAIS
CRÔNICA
-A crônica é uma forma que ganhou invulgar vitalidade literária nas
últimas décadas, tendo experimentado momentos altos em Rubem
Braga, Manuel Bandeira, Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino,
Carlos Drummond de Andrade.
- A crônica é um gênero egresso das páginas fugazes de jornais e
revistas que, em certos casos de elaboração estética das informações do
cotidiano, merece permanência entre o que há de melhor no patrimônio
literário do Brasil.
- Pode focalizar: memórias, lembranças da infância, flagrantes do cotidiano,
comentários metafísicos, considerações literárias, poemas em prosa e
pequenos contos.
-A crônica brasileira privilegia a linguagem escrita e falada no contexto
urbano, dando ênfase ao registro coloquial e informal da variedade padrão
da língua portuguesa.
O BEIJO
O beijo é uma coisa que todo mundo dá em todo mundo. Tem
uns que gostam muito, outros que ficam aborrecidos e limpam o rosto
dizendo já vem você de novo e tem ainda umas pessoas que quanto mais
beijam, mais beijam, como a minha irmãzinha que quando começa com o
namorado dá até aflição. O beijo pode ser no escuro e no claro. O beijo no
claro é o que o papai dá na mamãe quando chega, o que eu dou na vovó
quando vou lá e mamãe obriga, e que o papai deu de raspão na
empregada noutro dia, mas esse foi tão rápido que eu acho que foi sem
querer... (Millôr Fernandes)
Autor: Carlos Heitor Cony. Publicado na Folha Online
Um brasileiro de 38 anos, Vítor Negrete, morreu no Tibete após escalar pela
segunda vez o ponto culminante do planeta, o monte Everest. Da primeira, usou
o reforço de um cilindro de oxigênio para suportar a altura. Na segunda (e última),
dispensou o cilindro, devido ao seu estado geral, que era considerado ótimo.
As façanhas dele me emocionaram, a bem sucedida e a malograda. Aqui do
meu canto, temendo e tremendo toda a vez que viajo no bondinho do Pão de
Açúcar, fico meditando sobre os motivos que levam alguns heróis a se
superarem. Vitor já havia vencido o cume mais alto do mundo. Quis provar mais,
fazendo a escalada sem a ajuda do oxigênio suplementar. O que leva um ser
humano bem sucedido a vencer desafios assim?
Ora, dirão os entendidos, é assim que caminha a humanidade. Se cada um
repetisse meu exemplo, ficando solidamente instalado no chão, sem tentar a
aventura, ainda estaríamos nas cavernas, lascando o fogo com pedras, comendo
animais crus e puxando nossas mulheres pelos cabelos, como os trogloditas –se
é que os trogloditas faziam isso.
Somos o que somos hoje devido a heróis que trocam a vida pelo risco. Bem
verdade que escalar montanhas, em si, não traz nada de prático ao resto
da humanidade que prefere ficar na cômoda planície da segurança.
Mas o que há de louvável (e lamentável) na aventura de Vítor Negrete é
a aspiração de ir mais longe, de superar marcas, de ir mais alto, desafiando
os riscos. Não sei até que ponto ele foi temerário ao recusar o oxigênio
suplementar. Mas seu exemplo –e seu sacrifício- é uma lição de luta,
mesmo sendo uma luta perdida.
Carta do Leitor: Carta de leitor é um gênero cujos textos aparecem em
seções específicas de jornais ou revistas, em que os leitores expressam
suas opiniões sobre os textos publicados.
"Li ontem o artigo da senadora Marina Silva ('Leitura obrigatória', Opinião)
e penso que o verbo "regularizar" deveria ser banido do vocabulário
brasileiro, pois ele tem construído uma consciência política de que não vale
a pena cumprir a lei, já que sempre é possível "regularizar" uma situação de
fato, mesmo que ilegal.
Assim, surgem monstruosidades como a MP 458, o Código Ambiental
Catarinense e outras tantas anistias fiscais." ANTÔNIO JOSÉ MOREIRA
DA SILVA (Chapecó, SC)
"Se a criminosa Suzane von Richthofen for solta, estará provado que, no Brasil, o
crime compensa. Matar os pais, ameaçar o irmão e ficar apenas três anos presa...
Isso é um convite ao crime. Fica fácil matar, dar uma de santa dentro da prisão e
então ser solta. Para crimes como esse deveria ser obrigatório o cumprimento das
penas na sua totalidade. Sem essa de diminuição de pena, o que apenas servirá
de exemplo a outros.“ ANTONIO JOSÉ G. MARQUES (São Paulo, SP)
Charge - As charges, caricaturas e ilustrações editoriais são um meio visual e
extremamente eloquente de expressar opiniões, geralmente por meio de técnicas
de humor.
Tira: A tira é um gênero cujos textos normalmente aparecem em domínios
jornalísticos, em sua composição existe o predomínio dos tipos narrativo e
argumentativo. Na tira abaixo, observe como a argumentação foi utilizada para nos
levar a pensar.
Sinopse: A sinopse é um gênero cujos textos normalmente aparecem em
domínios jornalísticos, sites de editoras, em materiais publicitários ou na ciência,
sua composição existe o predomínio do tipo expositivo e narrativo, depende do
assunto da sinopse. Se a sinopse for de um filme, além do resumo da trama, o
texto já traz algum posicionamento crítico (uma classificação por estrelinhas, por
exemplo, e que nos auxilia a levantar hipóteses sobre o que iremos assistir).
“Billy Elliot”, de Stephen Daldry (2000)
Billy Elliot (interpretado por Jamie Bell) é um menino de onze anos, filho de mineiro de
carvão do norte da Inglaterra, que, em plena greve dos mineiros de 1984, decide ter aulas
de ballet com a Sra. Wilkinson (Julie Walters). Billy se escondendo do pai viúvo e do
irmão, ambos participantes ativos do movimento grevista. Mas logo seu segredo vem a
tona e suas esperanças são barradas. Entretanto a paixão de Billy pela dança e seu talento
são reconhecidos pelo pai que o leva a inscrever-se no Royal Ballet em Londres. O filme
de Daldry busca exprimir de forma alegórica a transição de uma época histórica para
outra (este é, por exemplo, o mesmo tema de The Full Monty, de Peter Cattaneo,
realizado em 1997 e que utilizou o mote da flexibilização do corpo para traduzir as novas
disposições de subjetivação do capital pós-fordista). Billy é o contraste pessoal de seu
irmão mais velho, Tony Elliot - enquanto ele é mineiro e sindicalista, vinculado à
sociedade industrial de velho tipo, das minas de carvão e da indústria de chaminé; Billy,
por outro lado, é o jovem talentoso e sensivel, entusiasmado pela arte do ballet, cujas
qualidades pessoais (e a escolha profissional) estão ligadas à denominada "sociedade pós-
industrial de serviços".
Artigo de Opinião: O artigo de opinião é um texto de caráter argumentativo,
publicado em jornais, revistas e internet. É marcado pela opinião do articulista/autor
sobre uma questão polêmica de relevância social.
NOVO ENEM: PRENÚNCIO DE UMA NOVA ERA
Anunciada pelo Ministro da Educação, a mudança no sistema de seleção para as
universidades, mais conhecido como vestibular, é uma realidade. A proposta de
unificar o exame e modificar a natureza dos conteúdos, baseando-se no atual
modelo do ENEM, para um recrutamento mais justo e democrático, foi recebida de
forma satisfatória por mais de 90% das instituições públicas consultadas, apesar da
necessidade de um planejamento sereno e responsável.
Toda mudança, é óbvio, requer uma adaptação ao processo. Em relação a isso, o
Brasil continua o mesmo. A proposta inicial era de que todos os aderentes (48 das
52 instituições que participaram do encontro no Ministério) já adotassem as
mudanças para este ano. Isto poderia inviabilizar a seleção em certas instituições,
como a UFRN, a qual modificou o vestibular há apenas dois anos. Depois de
algumas ponderações, ficou acertado que cada universidade terá autonomia para
decidir quando e como inicia o novo processo. Elas adaptar-se-ão conforme suas
necessidades e realidades, não havendo um modelo pré-definido ou imposição do
Governo Federal.
Com o novo sistema, um aluno poderá, realizando um único processo seletivo,
concorrer a vagas para mais uma instituição. Isso é um dos pontos positivos.
Alguém que realiza, por exemplo, cinco processos seletivos em lugares diferentes
vive um verdadeiro massacre mental, um desgaste que nem todos têm condições de
superar. O outro ponto-chave é que os alunos terão mais liberdade de raciocínio,
pois não precisarão, necessariamente, decorar fórmulas ou conceitos para fazer
uma boa prova. Aspecto que tem sido discutido ao longo das décadas nas escolas e
órgãos de ensino superior. Assim, para se ter uma vaga idéia, uma questão de
Língua Portuguesa (Linguagens e Códigos) priorizará a capacidade interpretativa e
gramatical, mas não do ponto de vista técnico e sim, do raciocínio, pela depreensão,
hipótese, inferência. Não será necessário decorar o que é VERBO TRANSITIVO
DIRETO. Ao aluno caberá apenas entender que determinado vocábulo é
indispensável numa sentença por atribuir sentido ao elemento anterior,
independentemente de saber-se o nome desse elemento. Continua sendo
imprescindível dominar o conteúdo. Ou seja, os melhores continuarão a ser os
escolhidos. A prova de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira é um exemplo
claro. O aluno que se limita a decorar nomes de elementos gramaticais, que não lê
integralmente as obras ou, lendo-as, não faz as devidas conexões com as temáticas
sociais, é sempre um candidato ao fracasso. Isso, em minha maneira de enxergar, é
um avanço na medida em que precisamos realmente é raciocinar e não fazer do
vestibular um motivo para conhecer técnicas de memorização.
A decoreba é deixada de lado, não sendo suficiente para promover no aluno os
recursos que ele precisa para ser bem-sucedido. A adaptação, nesse sentido, não
deverá provocar maiores traumas.
No entanto, o aspecto negativo dessa nova proposta também existe. Essa
pressa de querer que todas as universidades façam o ajuste desde agora revela um
problema crônico em nosso país, que é a falta de planejamento. Reitero que
mudança exige cautela, análise cuidadosa e aperfeiçoamento dos profissionais da
educação, para que ao invés de virar um problema, transforme-se em solução, em
melhoria na qualidade das seleções. É um momento de transição ao qual nos
devemos acostumar, sem aquela resistência ao novo, típica, desnecessária e
inexplicável. Mas tudo deve ser da maneira correta, sem excessos e
sensacionalismos baratos.
Observadas tais questões, vejo nesse processo o início de uma nova era. Se
trabalharmos corretamente, se nos dispusermos a encarar esse sistema como um
crescimento do ponto de vista educacional, certamente os frutos saudáveis virão em
maior escala. É evidente que precisamos encontrar meios para fazermos dessa
nova empreitada um salto de qualidade na seleção de pessoas mais preparadas e
com perspectivas futuras muito positivas, sendo o raciocínio, agora, o elemento
definidor da qualidade dos escolhidos.
Cassildo Souza em http://centraldasletras.blogspot.com/2009/04/novo-enem-prenuncio-de-uma-nova-
era.html
Texto instrucional: volta-se a regular ou indicar formas de agir. Eles descrevem
etapas que devem ser seguidas: receitas culinárias, tutoriais, manuais de
instrução para montar equipamentos, manual de economia de energia elétrica,
programa de dieta alimentar, instruções de jogos.
Instruções para economizar água:
No banheiro
Feche a torneira ao escovar os dentes e ao fazer a barba
Não tome banhos demorados
Mantenha a válvula de descarga do vaso sanitário sempre regulada e não use o
vaso como lixeira ou cinzeiro
Conserte os vazamentos o quanto antes
Na cozinha
Antes de lavar pratos e panelas, remova bem os restos de comida e jogue-os no
lixo
Mantenha a torneira fechada ao ensaboar as louças
Deixe de molho as louças com sujeira mais pesada
Só ligue a máquina da lavar louça quando estiver cheia
O texto abaixo servirá de referência para responder as questões 01 a
03
A nuvem
- Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue
escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem
espinafrar!
E meu amigo falou da água, telfone, Light em geral, carne, batata,
transporte, custo de vida, buracos na rua, etc. etc. etc. Meu amigo está,
como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso
fazer? Até que tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar
rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai agüentar me ler? Acho
que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos.
Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e
outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram
um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado
feio eu confessar que há uma jovem gostando de mim?
Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro
duram pouco. São caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz
bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se
irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre
as cinzas de meu crepúsculo.
E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga.
Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos. (Rubem Braga, Ai de ti,
Copacabana)
1. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o
narrador cronista:
a)sente-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público;
b) reflete sobre a oposição entre literatura e realidade;
c) reflete sobre diversos aspectos da realidade e sua representação na
literatura;
d) defende a posição de que a literatura não deve ocupar-se com
problemas sociais;
e) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está
acompanhando os novos tempos.
Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência,
velho Braga", o narrador:
a) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou;
b) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu;
c) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo;
d) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem
metafórica;
e) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor
comum.
Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica:
a) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação
objetiva;
b) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos;
c) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público
leitor;
d) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas;
e) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem
metafórica
EXERCÍCIOS
O texto a seguir é um trecho de uma conversa por meio de um
programa de computador que permite comunicação direta pela internet
em tempo real, como o MSN Messenger. Esse tipo de conversa, embora
escrita, apresenta muitas características da linguagem falada, segundo
alguns linguistas. Uma delas é a interação ao vivo e imediata, que
permite ao interlocutor conhecer, quase instantaneamente, a reação do
outro, por meio de suas respostas e dos famosos “emoticons” (que
podem ser definidos como “ícones que demonstram emoção”).
João diz: oi
Pedro diz: blz?
João diz: na paz e vc?
Pedro diz: tudo trank
João diz: oq vc ta fazendo?
(...)
Pedro diz: tenho q sair agora...
João diz: flw
Pedro diz: vlw, abc
Para que a comunicação, como no “MSN Messenger”, se dê em tempo
real, é necessário que a escrita das informações seja rápida, o que é
feito por meio de
(A)frases curtas e simples (como “tudo trank”) com abreviaturas
padronizadas pelo uso (como “vc” – você – “vlw – valeu!).
(B) frases completas, escritas cuidadosamente com acentos e letras
maiúsculas (como “oq vc ta fazendo?”).
(C) uso de reticências no final da frase, para que não se tenha que
escrever o resto da informação.
(D) estruturas coordenadas, como “na paz e vc”.
(E) flexão verbal rica e substituição de dígrafos consonantais por
consoantes simples (“qu” por “k”).
QUINO, J. L Mafalda. Tradução de Monica S. M. da Silva, São Paulo: Matins Fontes, 1988.
Observe a charge com atenção.
O efeito de humor foi um recurso utilizado pelo autor da tirinha para
mostrar que o pai de Mafalda.
(A)queria consultar o dicionário para tirar uma dúvida, e não ler o livro,
como sua filha pensava.
(B) tentava ler um dicionário, que é uma obra muito extensa.
(C) causou surpresa em sua filha, ao se dedicar à leitura de um livro tão
grande.
(D) revelou desinteresse na leitura do dicionário.
(E) demonstrou que a leitura do dicionário o desagradou bastante, fato
que decepcionou muito sua filha.
EXERCÍCIO
A escrita é uma das formas de expressão que as pessoas utilizam
para comunicar algo e tem várias finalidades: informar, entreter,
convencer, divulgar, descrever. Assim o conhecimento acerca das
variedades linguísticas sociais, regionais e de registro torna-se necessário
para que se use a língua nas mais diversas situações comunicativas.
Considerando as informações acima, imagine que você está à procura de
um emprego e encontrou duas empresas que precisam de novos
funcionários. Uma delas exige uma carta de solicitação de emprego. Ao
redigi-la, você
(A) fará uso da linguagem metafórica.
(B) apresentará elementos não verbais.
(C) utilizará o registro informal.
(D) evidenciará a norma padrão.
(E) fará uso de gírias.
EXERCÍCIO
Páris, filho do rei de Troia, raptou Helena, mulher de um rei grego. Isso
provocou um sangrento conflito de dez anos, entre os séculos XIII e XII a.C.
Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos
conseguiram enganar os troianos. Deixaram à porta de seus muros
fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o
presente, puseram-no para dentro. À noite, os soldados gregos, que
estavam escondidos no cavalo, saíram e abriram as portas da fortaleza
para a invasão. Daí surgiu a expressão “presente de grego”.
DUARTE, Marcelo. O guia dos curiosos. São Paulo:Companhia das Letras, 1995.
Em “puseram-no”, a forma pronominal “no” refere-se.
(A) ao termo “rei grego”.
(B) ao antecedente “gregos”.
(C) ao antecedente distante “choque”.
(D) aos termos “presente” e “cavalo de madeira”
(E) à expressão “muros fortificados”.
EXERCÍCIO
Em Touro Indomável, que a cinemateca lança nesta semana nos
Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, a dor maior e a violência
verdadeira vêm dos demônios de La Motta – que fizeram dele tanto um
astro no ringue como um homem fadado à destruição. Dirigida como um
senso vertiginoso do destino de seu personagem, essa obra-prima de
Martin Scorcese é daqueles filmes que falam à perfeição de seu tema (o
boxe) para então transcendê-lo e tratar do que importa: aquilo que faz dos
seres humanos apenas isso mesmo, humanos e tremendamente
imperfeitos.
Revista Veja, 18 fev. 2009 (adaptado).
Ao escolher este gênero textual, o produtor do texto objetivou
A) construir uma apreciação irônica do filme.
B) evidenciar argumentos contrários ao filme de Scorcese.
C) elaborar uma narrativa com descrição de tipos literários.
D) apresentar ao leitor um painel da obra e se posicionar criticamente.
E) afirmar que o filme transcende o seu objetivo inicial e, por isso,
perde sua qualidade.
COERÊNCIA E INFERÊNCIA DE IDEIAS
Luciana trabalha em uma loja de venda de carros. Ela tem um papel muito
importante de fazer a conexão entre os vendedores, os compradores e o serviço de
acessórios. Durante o dia, ela se desloca inúmeras vezes da sua mesa para resolver
os problemas dos vendedores e dos compradores. No final do dia, Luciana só pensa
em deitar e descansar as pernas. Na função de chefe preocupado com a
produtividade (número de carros vendidos) e com a saúde e a satisfação dos seus
funcionários, a atitude correta frente ao problema seria
(A) - propor a criação de um programa de ginástica laboral no início da jornada de
trabalho.
(B) - sugerir a modificação do piso da loja para diminuir o atrito do solo e reduzir as
dores nas pernas.
(C) - afirmar que os problemas de dores nas pernas são causados por problemas
genéticos.
(D) - ressaltar que a utilização de roupas bonitas e do salto alto são condições
necessárias para compor o bom aspecto da loja.
(E) - escolher um de seus funcionários para conduzir as atividades de ginástica
laboral em intervalos de 2 em 2 horas.
As imagens seguintes fazem parte de uma campanha do Ministério da Saúde contra o
tabagismo.
O emprego dos recursos verbais e não-verbais nesse gênero textual
adota como uma das estratégias persuasivas
(A)evidenciar a inutilidade terapêutica do cigarro.
(B) indicar a utilidade do cigarro como pesticida contra ratos e baratas.
(C) apontar para o descaso do Ministério da Saúde com a população
infantil.
(D) indicar que os que mais sofrem as consequências do tabagismo são os
fumantes ativos, ou seja, aqueles que fazem o uso direto do cigarro.
(E) mostrar a relação direta entre o uso do cigarro e o aparecimento de
problemas no aparelho respiratório.
A figura é uma adaptação da bandeira nacional. O uso dessa imagem no
anúncio tem como principal objetivo.
(A) mostrar à população que a Mata Atlântica é mais importante para o país do
que a ordem e o progresso.
(B) criticar a estética da bandeira nacional, que não reflete com exatidão a
essência do país que representa.
(C) informar à população sobre a alteração que a bandeira oficial do país sofrerá.
(D) alertar a população para o desmatamento da Mata Atlântica e fazer um apelo
para que as derrubadas acabem.
(E) incentivar as campanhas ambientalistas e ecológicas em defesa da
Amazônia.
DIGA NÃO AO NÃO
Quem disse que alguma coisa é impossível?
Olhe ao redor. O mundo está cheio de coisas que,
segundo os pessimistas, nunca teriam acontecido.
“Impossível”.
“Impraticável”.
“Não”.
E ainda assim, sim.
Sim, Santos Dumont foi o primeiro homem a decolar a bordo de um
avião, impulsionado por um motor aeronáutico.
Sim, Visconde de Mauá, um dos maiores empreendedores do Brasil,
inaugurou a primeira rodovia pavimentada do país.
Sim, uma empresa brasileira também inovou no país.
Abasteceu o primeiro voo comercial brasileiro.
Foi a primeira empresa privada a produzir petroléo na Bacia de Campos
Desenvolveu um óleo combustível mais limpo, o OC Plus.
O que é necessário para transformar o não em sim?
Curiosidade. Mente aberta. Vontade de arriscar.
E quando o problema parece insolúvel, quando o desafio é muito
duro, dizer: vamos lá.
Soluções de energia para um mundo real.
Jornal da ABI. nº 336, dez. de 2008, (adaptado).
O texto publicitário apresenta a oposição entre ‘’impossível’’, ‘’impraticável’’,
‘’não’’ e ‘’sim’’, ‘’sim’’. Essa oposição, usada como um recurso
argumentativo, tem a função de
(A) minimizar a importância da invenção do avião por Santos Dumont.
(B) mencionar os feitos de grandes empreendedores da história do Brasil.
(C) ressaltar a importância do pessimismo para promover transformações.
(D) associar os empreendimentos da empresa petrolífera a feitos históricos
(E) ironizar os empreendimentos rodoviários de Visconde de Mauá no Brasil.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia Paulo Gabriel
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptxssuserb21eb0
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraAna Tapadas
 
Graciliano ramos - Vidas Secas
Graciliano ramos -  Vidas SecasGraciliano ramos -  Vidas Secas
Graciliano ramos - Vidas SecasJuliana Lucio
 
O que é para mim a poesia
O que é para mim a poesiaO que é para mim a poesia
O que é para mim a poesiabibliodinis
 
Análise assobiando à vontade
Análise assobiando à vontadeAnálise assobiando à vontade
Análise assobiando à vontadeSandra Machado
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoafromgaliza
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOelianegeraldo
 
Análise de venha ver o pôr do sol
Análise de venha ver o pôr do solAnálise de venha ver o pôr do sol
Análise de venha ver o pôr do solma.no.el.ne.ves
 
Biografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa SaramagoBiografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa Saramagoletrasbriteiros
 
O papel de Baltasar Sete Sóis
O papel de Baltasar Sete SóisO papel de Baltasar Sete Sóis
O papel de Baltasar Sete Sóisancrispereira
 
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. SaramagoEnsaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. SaramagoDina Baptista
 
Camilo castelo branco
Camilo castelo brancoCamilo castelo branco
Camilo castelo brancoMaria Paredes
 

Mais procurados (20)

Guimarães rosa
Guimarães rosaGuimarães rosa
Guimarães rosa
 
Queimada viva
Queimada vivaQueimada viva
Queimada viva
 
Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia Machado de assis - Biografia
Machado de assis - Biografia
 
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
12. SIMBOLISMO - EDIÇÃO 2021.pptx
 
Ensaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a CegueiraEnsaio Sobre a Cegueira
Ensaio Sobre a Cegueira
 
Graciliano ramos - Vidas Secas
Graciliano ramos -  Vidas SecasGraciliano ramos -  Vidas Secas
Graciliano ramos - Vidas Secas
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Literatura comparada
Literatura comparadaLiteratura comparada
Literatura comparada
 
O que é para mim a poesia
O que é para mim a poesiaO que é para mim a poesia
O que é para mim a poesia
 
Análise assobiando à vontade
Análise assobiando à vontadeAnálise assobiando à vontade
Análise assobiando à vontade
 
Dom quixote
Dom quixoteDom quixote
Dom quixote
 
Senhora
SenhoraSenhora
Senhora
 
O primo Basílio
O primo BasílioO primo Basílio
O primo Basílio
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇOTrabalho de portugues - O CORTIÇO
Trabalho de portugues - O CORTIÇO
 
Análise de venha ver o pôr do sol
Análise de venha ver o pôr do solAnálise de venha ver o pôr do sol
Análise de venha ver o pôr do sol
 
Biografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa SaramagoBiografia de José de Sousa Saramago
Biografia de José de Sousa Saramago
 
O papel de Baltasar Sete Sóis
O papel de Baltasar Sete SóisO papel de Baltasar Sete Sóis
O papel de Baltasar Sete Sóis
 
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. SaramagoEnsaio sobre a cegueira, de J. Saramago
Ensaio sobre a cegueira, de J. Saramago
 
Camilo castelo branco
Camilo castelo brancoCamilo castelo branco
Camilo castelo branco
 

Destaque

Exercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidadeExercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidadema.no.el.ne.ves
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Olivier Fausti Olivier
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivojlsr1970
 
Atividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 sérieAtividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 sérieSHEILA MONTEIRO
 
Modelo de texto expositivo día del padre
Modelo de texto expositivo día del padreModelo de texto expositivo día del padre
Modelo de texto expositivo día del padreOrlando Abanto
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAweleslima
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoAnne Clea Lima
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseJomari
 
Apostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoApostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoAraujo Silva
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidadevanysouza
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfraseMarcia Facelli
 
Como elaborar un texto expositivo
Como elaborar un texto expositivoComo elaborar un texto expositivo
Como elaborar un texto expositivomartacostamonllau
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidadelisiane23
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Lurdes Augusto
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos complementoindirecto
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivosCarla Souto
 

Destaque (20)

Exercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidadeExercícios sobre intertextualidade
Exercícios sobre intertextualidade
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
 
Texto expositivo
Texto expositivoTexto expositivo
Texto expositivo
 
Atividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 sérieAtividades complementares 7 série
Atividades complementares 7 série
 
Modelo de texto expositivo día del padre
Modelo de texto expositivo día del padreModelo de texto expositivo día del padre
Modelo de texto expositivo día del padre
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Apostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressaoApostila comunicacao-e-expressao
Apostila comunicacao-e-expressao
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 
Apostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoApostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
 
Como elaborar un texto expositivo
Como elaborar un texto expositivoComo elaborar un texto expositivo
Como elaborar un texto expositivo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Atividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propagandaAtividades de por análise de propaganda
Atividades de por análise de propaganda
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 

Semelhante a Intertextualidade 20-11-2011-expositivas

Intertextualidade e interdiscutividade
Intertextualidade e interdiscutividadeIntertextualidade e interdiscutividade
Intertextualidade e interdiscutividadeEdilson A. Souza
 
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literárias
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literáriasIntertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literárias
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literáriasEdilson A. Souza
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADECris Damian
 
Focalização e modalização do discurso no enem
Focalização e modalização do discurso no enemFocalização e modalização do discurso no enem
Focalização e modalização do discurso no enemma.no.el.ne.ves
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramaticaAline Roma
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramaticaAline Roma
 
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdf
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdfFIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdf
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdfBianca Damacena
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciatyromello
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010ma.no.el.ne.ves
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Isabella Silva
 

Semelhante a Intertextualidade 20-11-2011-expositivas (20)

Intertextualidade e interdiscutividade
Intertextualidade e interdiscutividadeIntertextualidade e interdiscutividade
Intertextualidade e interdiscutividade
 
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literárias
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literáriasIntertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literárias
Intertextualidade e interdiscursividade nas linguagens midiáticas e literárias
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Focalização e modalização do discurso no enem
Focalização e modalização do discurso no enemFocalização e modalização do discurso no enem
Focalização e modalização do discurso no enem
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Simulado l. c.
Simulado l. c.Simulado l. c.
Simulado l. c.
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica1 ano literatura gramatica
1 ano literatura gramatica
 
Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdf
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdfFIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdf
FIORIN, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade.pdf
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enemConteúdo de linguagem cobrado no enem
Conteúdo de linguagem cobrado no enem
 
Wole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existênciaWole soyinka e o ciclo da existência
Wole soyinka e o ciclo da existência
 
2. MAIS PAIC - Intertextualidade.pptx
2. MAIS PAIC - Intertextualidade.pptx2. MAIS PAIC - Intertextualidade.pptx
2. MAIS PAIC - Intertextualidade.pptx
 
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
Prova discursiva de língua portuguesa e literatura da ufes 2010
 
Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2Exercicio variacao linguistica_2
Exercicio variacao linguistica_2
 

Último

Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 

Intertextualidade 20-11-2011-expositivas

  • 1. EDITAL SEE-MG- 2011 Prof. Rodrigo de Oliveira O TEXTO E A CONSTRUÇÃO DOS SENTIDOS- O texto é um todo organizado de sentido, cujas partes se relacionam dentro de determinado contexto (explícito ou implícito) a fim de gerar determinado efeito de sentido. Dessa forma, é uma manifestação linguística produzida por alguém, em algum contexto com determinada intenção, pressupondo um interlocutor. Contexto – circunstâncias que acompanham um fato ou uma situação (externo); conjunto de palavras e frases que contribuem para o encadeamento do discurso (interno) Contexto de produção •Autor do texto (papel social, época, lugar) •Interlocutores e sua representação social (depende do assunto, das características formais, da linguagem, do meio em que circulou) •Finalidade/objetivo do texto (intenção) •Circulação (meio)
  • 2. REFERÊNCIAS TEXTUAIS Explícitas – presença de marcas textuais que explicitam o contexto. A gripe suína tornou-se um problema de saúde global. Gripe suína é um problema de saúde pública. Gripe suína é “global” Pressupostos – circunstância ou fato considerado antecedente natural de outro, ou seja, uma informação que integra o enunciado e denuncia determinada situação. Não é possível negá-la. Parei de fumar há dois anos. Pressuposto: Eu fumava. Não para de chover aqui. Pressuposto: Chove há muitos dias. “Família Silva. Somos membros da associação de escotismo; liga de futebol mirim; grupo de jovens religiosos; encontros da juventude...E assinamos qualquer revista de planejamento familiar.” Pressuposto: Eles têm muitos filhos.
  • 3. Implícitos ou subentendidos – algum fato ou juízo envolvido em determinado contexto que é apenas sugerido, mas não revelado por ele. Trata-se da maneira como se entende o enunciado, mas é possível negá- la. Helga afirma que por trás de um grande homem há uma grande mulher. Como Helga está caminhando à frente dele, fica implícita a noção de que ela não o considera um grande homem. Note, porém, que em nenhum momento ela afirma categoricamente isso.
  • 4. Inferências – conclusão decorrente do levantamento de indícios e da compreensão da realidade associada àquela situação. Indícios: Um globo terrestre estilizado para parecer um porco. - A presença de “atchim” indica que o porco está com gripe. - o globo representa o mundo “globalizado” Compreensão da realidade: - Gripe (atchim) suína (porco) atinge o mundo (globo)
  • 5. INTERTEXTUALIDADE - Intertextualidade significa interação entre textos, um diálogo entre eles que pode ocorrer tanto por meio de elementos formais quanto temáticos. Dessa forma, é comum, ao lermos determinado texto, lembrarmos de outros inúmeros que façam parte de nosso repertório. A recorrência a outros textos é muito comum na literatura e nas propagandas. A) INTERTEXTUALIDADE EXPLÍCITA Dentre a intertextualidade explícita, temos vários gêneros, como: epígrafe, citação, paráfrase, paródia, tradução. 1) Epígrafe constitui uma escrita introdutória de outra. CANÇÃO DO EXÍLIO Gonçalves Dias [Conheces o país onde florescem as laranjeiras? Ardem na escura fronde os frutos de ouro... Conhecê-lo? Para lá, para lá quisera eu ir!] Goethe (tradução de Manuel Bandeira)
  • 6. Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Minha terra tem primores, Que tais não encontro eu cá; Em cismar — sozinho, à noite — Mais prazer encontro eu lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá. Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá. Coimbra, julho de 1843
  • 7. 2) Citação - transcrição de texto alheio, marcada por aspas. ■ Osório Duque Estrada, 1909 ••••• HINO NACIONAL BRASILEIRO (trecho) ”Do que a terra mais garrida Teus risonhos, lindos campos têm mais flores;” "Nossos bosques têm mais vida", "Nossa vida" no teu seio "mais amores". 3) Paráfrase - A paráfrase é a reprodução do texto de outrem com as palavras do autor, com sua ampliação ou interpretação particular. Ela não confunde com o plágio porque seu autor explicita a intenção, deixa clara a fonte. Apesar de as palavras serem mudadas, a ideia do texto é confirmada pelo novo texto, a alusão ocorre para atualizar, reafirmar os sentidos ou alguns sentidos do texto citado. É dizer com outras palavras o que já foi dito.
  • 8. Paráfrase. Meus olhos brasileiros se fecham saudosos Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’. Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’? Eu tão esquecido de minha terra... Ai terra que tem palmeiras Onde canta o sabiá! (Carlos Drummond de Andrade, “Europa, França e Bahia”). 4) Paródia - A paródia é uma forma de apropriação que, em lugar de endossar o modelo retomado, rompe com ele, sutil ou abertamente. Ocorre, aqui, um choque de interpretação, a voz do texto original é retomada para transformar seu sentido, levando o leitor a uma reflexão crítica.
  • 9. CANTO DO REGRESSO À PÁTRIA Oswald de Andrade Minha terra tem palmares Onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá Minha terra tem mais rosas E quase que mais amores Minha terra tem mais ouro Minha terra tem mais terra Ouro terra amor e rosas Eu quero tudo de lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte para lá Não permita Deus que eu morra Sem que volte pra São Paulo Sem que veja a Rua 15 E o progresso de São Paulo
  • 10. Observe ainda a paródia nas imagens a seguir: Mona Lisa, Leonardo da Vinci. Óleo sobre tela, 1503. Mona Lisa, de Marcel Duchamp, 1919. Mona Lisa, Fernando Botero, 1978. Mona Lisa, propaganda publicitária
  • 11. 5)Tradução - A tradução de um texto literário implica em recriação, por isso ela está no campo da intertextualidade. Veja um poema de Edgar A. Poe traduzido por dois escritores da língua portuguesa: Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste, Vagos curiosos tomos de ciências ancestrais, E já quase adormecia, ouvi o que parecia O som de alguém que batia levemente a meus umbrais ‘Uma visita’ eu me disse, ‘está batendo a meus umbrais E só isto, e nada mais. (Tradução de Fernando Pessoa) Em certo dia, à hora, à hora Da meia-noite que apavora, Eu caindo de sono e exausto de fadiga, Ao pé de muita lauda antiga, De uma velha doutrina, agora morta Ia pensando, quando ouvi à porta Do meu quarto um soar devagarinho E disse estas palavras tais: ‘É alguém que me bate à porta de mansinho: Há de ser isso e nada mais. (Tradução de Machado de Assis)
  • 12. O poema é o mesmo, mas Machado de Assis traduziu do francês para o português, enquanto Fernando Pessoa partiu direto do inglês, por isso as traduções ficarem bem diferentes, embora a essência dele continue nos dois textos traduzidos. B) Intertextualidade implícita- Quando uma articulista de jornal escreve sobre a importância dos direitos humanos na atualidade, suas ideias fazem parte de um discurso ideológico, portanto, com certeza, seu texto mantém diálogo implícito (ou explícito) com a Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU e outros documentos. Bibliografia Paulino, Graça; Walty, Ivete; Cury, Maria Zilda Cury. Intertextualidades: Teoria e Prática, 1ª edição, Belo Horizonte-MG, Editora Lê, 1995. Barros, Diana Luz Pessoa de; Fiorin, José Luiz (organizadores). Dialogismo, Polifonia, Inter- textualidade. lª edição, São Paulo, Edusp, 1994. Site “Por trás das Letras”
  • 13. Exercícios Álcool, crescimento e pobreza. O lavrador de Ribeirão Preto recebe em média R$ 2,50 por tonelada de cana cortada. Nos anos 80, esse trabalhador cortava cinco toneladas de cana por dia. A mecanização da colheita o obrigou a ser mais produtivo. O corta-cana derruba agora oito toneladas por dia. O trabalhador deve cortar a cana rente ao chão, encurvado. Usa roupas mal-ajambradas, quentes, que lhe cobrem o corpo, para que não seja lanhado pelas folhas da planta. O excesso de trabalho causa a birola: tontura, desmaio, cãibra, convulsão. A fim de aguentar dores e cansaço, esse trabalhador toma drogas e soluções de glicose, quando não farinha mesmo. Tem aumentado o número de mortes por exaustão nos canaviais. O setor da cana produz hoje uns 3,5% do PIB. Exporta US$ 8 bilhões. Gera toda a energia elétrica que consome e ainda vende excedentes. A indústria de São Paulo contrata cientistas e engenheiros para desenvolver máquinas e equipamentos mais eficientes para as usinas de álcool. As pesquisas, privada e pública, na área agrícola (cana, laranja, eucalipto etc.) desenvolvem a bioquímica e a genética no país. Folha de S. Paulo, 11/3/2007 (com adaptações).
  • 14.
  • 15. Confrontando-se as informações do texto com as da charge acima, conclui-se que a)- a charge contradiz o texto ao mostrar que o Brasil possui tecnologia avançada no setor agrícola. b)- a charge e o texto abordam, a respeito da cana-de-açúcar brasileira, duas realidades distintas e sem relação entre si. c)- o texto e a charge consideram a agricultura brasileira avançada, do ponto de vista tecnológico. d)- a charge mostra o cotidiano do trabalhador, e o texto defende o fim da mecanização da produção da cana-de-açúcar no setor sucroalcooleiro. e)- o texto mostra disparidades na agricultura brasileira, na qual convivem alta tecnologia e condições precárias de trabalho, que a charge ironiza.
  • 16. Exercício de inferência de ideias “Natal 1961 Deslocados por uma operação burocrática – o recenseamento da terra – a Virgem e o carpinteiro José aportam a Belém. “Não há lugar para essa gente”, grita o dono do hotel onde se realiza um congresso internacional de solidariedade. O casal dirige-se a uma estrebaria, recebido por um boi branco e um burro cansado do trabalho. Os soldados de Herodes distribuem elementos radioativos a todos os meninos de menos de dois anos. Uma poderosa nuvem em forma de cogumelo abre o horizonte e súbito explode. O menino nasce morto.” MENDES, Murilo. Conversa portátil. Poesia completa e prosa.Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1944. p. 1486.
  • 17. 2. Pode-se inferir que o autor do texto: I.Atualiza a história de Cristo, adaptando o sentido da paixão cristã às duras condições de vida nas grandes cidades. II. Faz ver que, em nossa era, o advento de um Cristo seria impossível, em vista das atrocidades em que os homens se especializaram. III. Ironiza a corrida armamentista, comparando-a a fatos narrados em passagens bíblicas. Está correto somente o que se afirma em: a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III.
  • 18. Anacronismo. S.m. 1. Confusão de data quanto a acontecimentos ou pessoas. 3. Com base na definição acima, do Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, o autor se vale intencionalmente de um anacronismo quando associa: a) a Virgem e o carpinteiro José à cidade de Belém; b) a fala do dono de um hotel à realização de um congresso; c) nuvem em forma de cogumelo a súbita explosão, d) soldados de Herodes a elementos radioativos; e) uma estrebaria a um boi branco e um burro cansado.
  • 19. O gráfico abaixo mostra a área desmatada da Amazônia, em km2, a cada ano, no período de 1988 a 2008.
  • 20. 4. As informações do gráfico indicam que: a)-( ) o maior desmatamento ocorreu em 2004. b)-( ) a área desmatada foi menor em 1997 que em 2007. c)-( ) a área desmatada a cada ano manteve-se constante entre 1998 e 2001. d)-( ) a área desmatada por ano foi maior entre 1994 e 1995 que entre 1997 e 1998. e)-( ) o total de área desmatada em 1992, 1993 e 1994 é maior que 60.000 km2.
  • 21. 5) A propaganda ao lado estabelece diálogo intertextual com uma outra. Esclareça a que outra propaganda ela se vincula e que elemento deixa claro tal vínculo.
  • 22. 6)A propaganda acima parte da plurissignificação do vocábulo “enrolado” para gerar efeito de sentido. Esclareça os dois sentidos deste adjetivo utilizados na propaganda e que palavras são modificadas por ele. De enrolados já bastam os homens.
  • 23. VARIAÇÃO LINGUÍSTICA – Toda língua possui variações que podem ser divididas em: a) Variação histórica (ou diacrônica) - no som/pronúncia ou na flexão e na derivação; Vossa Mercê – Vosmecê – Você – Cê - Vc Em boa hora - embora Arbores – árvores Fidele - fiel Debere – dever Super - sobre conceptu - conceito (Gramática Histórica - Ismael de Lima Coutinho)
  • 24. — nos padrões de estruturação da frase e/ou no nível dos significados; Antigamente "Antigamente, as moças chamavam-se mademoiselles e eram todas mimosas e muito prendadas. Não faziam anos: completavam primaveras, em geral dezoito. Os janotas, mesmo sendo rapagões, faziam-lhes pé- de-alferes, arrastando a asa, mas ficavam longos meses debaixo do balaio." Carlos Drummond de Andrade — pela introdução de novas palavras (neologismos e estrangeirismos). Deletar – mensalão – blogueiro. b) Variação regional (espacial ou diatópica) FONÉTICA : Porta – para cariocas – piracicabanos- paulistanos LEXICAL :mandioca – aipim – macaxeira / cheiro – beijo SINTÁTICA Tu já estudaste? Você já estudou?
  • 25. Assaltante Mineiro Ô sô, prestenção... Isso é um assalto, uai... Levanta os braços e fica quetin que esse trem na minha mão tá cheio de bala... Mió passá logo os troado que eu num tô bão hoje. Vai andando, uai! Tá esperando o que uai!! Assaltante Gaúcho Ô guri, ficas atento... Báh, isso é um assalto. Levantas os braços e te quieta, tchê. Não tentes nada e cuidado que esse facão corta uma barbaridade, tchê. Passa as pilas prá cá! E te manda a la cria, senão o quarenta e quatro fala. c) Variação social (ou diastrática) Em sociedades complexas convivem variedades linguísticas diferentes, usadas por diferentes grupos sociais, com diferentes acessos à educação formal; note que as diferenças tendem a ser maiores na língua falada que na língua escrita.
  • 26. FONÉTICA : peneu em vez de pneu / adevogado em vez de advogado LEXICAL: presunto em vez de cadáver / rolê em vez de passeio SINTÁTICA : Houveram muitas percas. / Naonde posso ponhar isso? O Poeta da Roça Sou fio das mata, canto da mão grossa, Trabáio na roça, de inverno e de estio. A minha chupana é tapada de barro, Só fumo cigarro de paia de mío. Sou poeta das brenha, não faço o papé De argun menestré, ou errante cantô Que veve vagando, com sua viola, Cantando, pachola, à percura de amô. Não tenho sabença, pois nunca estudei, Apenas eu sei o meu nome assiná. Meu pai, coitadinho! Vivia sem cobre, E o fio do pobre não pode estudá. Meu verso rastero, singelo e sem graça, Não entra na praça, no rico salão, Meu verso só entra no campo e na roça Nas pobre paioça, da serra ao sertão. (...)
  • 27. d) Variação situacional (ou diafásica). - Pessoas de mesmo grupo social expressam-se com falas diferentes de acordo com as diferentes situações de uso, sejam situações formais, informais ou de outro tipo. Assim, fatores tais como sexo, faixa etária, condição socioeconômica, profissão, religião e até mesmo convicções político-partidárias e esportivas, entre outros, condicionam mudanças no uso efetivo da língua. ara quaisquer falantes de português, “homem” pode ter um sentido amplo, geral, de “ser humano” ou mais específico, isto é “ser humano do sexo masculino”. No entanto, em certas situações de uso, a mesma palavra pode significar “polícia”, como em “-Corre, que lá vem os home!”, ou “patrão”, como em “O homem te mandou embora?” Além disso, há falares específicos para grupos específicos, como profissionais de uma mesma área (médicos, policiais, profissionais de informática, metalúrgicos, alfaiates, por exemplo), jovens, grupos marginalizados, entre outros. São as gírias e os jargões.
  • 28. Níveis de linguagem -Formal, Culto ou Padrão = linguagem gramaticalmente correta, objetiva e clara. Usada em textos técnicos, científicos, jornalísticos, em situações que exigem formalidade. - Informal ou Coloquial = admite alguns deslizes na norma culta, como abreviaturas, expressões como a gente (em lugar de nós), pra (em lugar de para), entre outras. É usada em contexto de informalidade, como bate- papo pela internet e diálogos.
  • 29. Exercícios 1)As aspas marcam o uso de uma palavra ou expressão de variedade linguística diversa da que foi usada no restante da frase em: a) Essa visão desemboca na busca ilimitada do lucro, na apologia do empresário privado como ‘grande herói’ contemporâneo. b) Pude ver a obra de machado de Assis de vários ângulos, sem participar de nenhuma visão ‘oficialesca’. c) Nas recentes discussões sobre os ‘fundamentos’ da economia brasileira, o governo deu ênfase ao equilíbrio fiscal. d) O premio Darwin, que ‘homenageia’ mortes estúpidas, foi instituído em 1993. e) Em fazendas de Minas e Santa Catarina, quem aprecia o campo pode aproveitar o frio, ouvindo ‘causos’ à beira da fogueira
  • 30.
  • 31. 2) Assinale o trecho do diálogo que apresenta um registro informal, ou coloquial, da linguagem. a)- “Tá legal, espertinho! Onde é que você esteve?!” b)- “E lembre-se: se você disser uma mentira, os seus chifres cairão!” c)- “Estou atrasado porque ajudei uma velhinha a atravessar a rua...” d)- “...e ela me deu um anel mágico que me levou a um tesouro” e)- “mas bandidos o roubaram e os persegui até a Etiópia, onde um dragão...” Ema O surgimento da figura da Ema no céu, ao leste, no anoitecer, na segunda quinzena de junho, indica o início do inverno para os índios do sul do Brasil e o começo da estação seca para os do norte. É limitada pelas constelações de Escorpião e do Cruzeiro do Sul, ou Cut'uxu. Segundo o mito guarani, o Cut’uxu segura a cabeça da ave para garantir a vida na Terra, porque, se ela se soltar, beberá toda a água do nosso planeta. Os tupis-guaranis utilizam o Cut'uxu para se orientar e determinar a duração das noites e as estações do ano. A ilustração a seguir é uma representação dos corpos celestes que constituem a constelação da Ema, na percepção indígena.
  • 32. A próxima figura mostra, em campo de visão ampliado, como povos de culturas não-indígenas percebem o espaço estelar em que a Ema é vista.
  • 33. 3) Assinale a opção correta a respeito da linguagem empregada no texto “A Ema”. a)- A palavra Cut’uxu é um regionalismo utilizado pelas populações próximas às aldeias indígenas. b)- O autor se expressa em linguagem formal em todos os períodos do texto. c)- A ausência da palavra Ema no início do período “É limitada (...)” caracteriza registro oral. d)- A palavra Cut’uxu está destacada em itálico porque integra o vocabulário da linguagem informal. e) No texto, predomina a linguagem coloquial porque ele consta de um almanaque.
  • 34. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO No ato da fala, pode-se observar: •o emissor: aquele que diz algo a alguém •o receptor: aquele com quem o emissor se comunica •a mensagem: tudo o que é transmitido do emissor para o receptor •o código: a convenção que permite ao receptor compreender a mensagem. Ex: Língua Portuguesa •o canal: o meio que conduz a mensagem ao receptor. Ex: a língua oral •o referente: o assunto da mensagem FUNÇÕES DA LINGUAGEM Emotiva ou Expressiva – O emissor imprime no texto as marcas de sua atitude pessoal: emoções, avaliações, opiniões. O leitor sente no texto a presença do emissor Eu sempre quis viajar para a Alemanha.
  • 35. “Não só baseado na avaliação do Guia da Folha, mas também por iniciativa própria, assisti cinco vezes a “Um filme falado”. Temia que a crítica brasileira condenasse o filme por não se convencional, mas tive uma satisfação imensa quando li críticas unânimes na imprensa. Isso mostra que, apesar de tantos enlatados, a nossa crítica é antenada com o passado e o presente da humanidade e com as coisas que acontecem no mundo. Fantástico! Parabéns, Sérgio Rizzo, seus textos nunca me decepcionam.” Luciano Duarte. Guia da Folha, 10 a 16 de junho 2005. Apelativa ou Conativa- ênfase no receptor, persuadindo-o, seduzindo-o. Nas mensagens em que predomina essa função, busca-se envolver o leitor com o conteúdo transmitido, levando-o a adotar este ou aquele comportamento. Beba coca-cola! Aproveite a viagem!   RESERVA CULTURAL Você nunca viu cinema assim. Não perca a retrospectiva especial de inauguração, com 50% de desconto, apresentando cinco filmes que foram sucesso de público. E, claro, de crítica também.
  • 36. Fática – palavra fático significa “ruído, rumor”. Foi utilizada inicialmente para designar certas formas que se usam para chamar a atenção (ruídos como psiu, ahn, ei). Essa função ocorre quando a mensagem se orienta sobre o canal de comunicação ou contato, buscando verificar e fortalecer sua eficiência. Olá, estão todos ouvindo? Referencial ou Denotativa – referente é o objeto ou situação de que a mensagem trata. A função referencial privilegia justamente o referente da mensagem, buscando transmitir informações objetivas sobre ele. Essa função predomina nos textos de caráter científico e é privilegiado nos textos jornalísticos. Este refrigerante contém açúcar. UM FILME FALADO - Idem. França/Itália/Portugal, 2003. Direção: Manoel de Oliveira. Com: Leonor Silveira, John Malkovich, Catherine Deneuve, Stefania Sandrelli e Irene Papas. Jovem professora de história embarca com a filha em um cruzeiro que vai de Lisboa a Bombaim. 96 min. 12 anos. Cinearte 1, desde 14. Frei Caneca Unibanco Arteplex7, 13h, 15h10, 17h20, 19h30 e 21h50.
  • 37. Metalinguística – quando a linguagem se volta sobre si mesma, transformando-se em seu próprio referente, ocorre a função metalinguística. Ênfase no código, usado para explicar ou discutir o próprio código. Escrever é um processo ao mesmo tempo complexo e prazeroso. Organizar as ideias e expressa-las no papel parece difícil, mas não é impossível. Palavra de origem latina, "ars" significa técnica ou habilidade. Segundo o dicionário Houaiss, arte é a "produção consciente de obras, formas ou objetos voltada para a concretização de um ideal de beleza e harmonia ou para a expressão da subjetividade humana". Poética – ênfase na mensagem, quando a mensagem é elaborada de forma inovadora e imprevista, utilizando combinações sonoras ou rítmicas, jogos de imagem ou de ideias, temos a manifestação da função poética da linguagem. Essa função é capaz de despertar no leitor prazer estético e surpresa. É explorado na poesia e em textos publicitários. Presença de musicalidade, rimas, linguagem figurada (conotativa)
  • 38. Todos bebemos futebol! A bela e a fera. Tecendo a manhã João Cabral de Melo Neto Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre se outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro; de um outro galo que apanhe o grito que um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo, para que a manhã, desde uma tela tênue, se vá tecendo, entre todos os galos
  • 39. Assinale a alternativa incorreta sobre os elementos que compõem a comunicação: a)Emissor é aquele que envia uma mensagem a um receptor por meio de um canal (meio); b)O canal de comunicação entre duas pessoas não varia, é sempre o contato físico entre elas; c)O código utilizado na comunicação é essencial para a compreensão da mensagem, se você utiliza um código desconhecido, sua mensagem não é interpretada de maneira coerente. d)Quando se utiliza uma linguagem diferente daquela que a pessoa está costumada, existe um problema de comunicação porque o código usado entre as pessoas é diferente. e)O receptor da mensagem pode corresponder a uma só pessoa, como também pode se referir a um grupo de pessoas.
  • 40. TIPOS TEXTUAIS    NARRATIVO- ficção e criação (personagens) Gêneros: contos, lendas, fábulas, romances, crônicas, histórias em quadrinhos, texto teatral. EXPOSITIVO ou INFORMATIVO - divulgação de algum conhecimento Gêneros: artigos científicos, conferências, sinopses, verbetes de enciclopédias - relato de algo que ocorreu. Gêneros: diários, reportagens, relatórios, biografias, notícias. -processamento de informações - Gêneros: bilhete, e-mail, telegrama, fax, memorando, ofício, resenhas não-críticas, indicadores, previsão do tempo, cotações, obituários.
  • 41. ARGUMENTATIVO - defesa de um posicionamento Gêneros: carta aberta, carta de leitor, carta de reclamação, abaixo- assinado, artigo de opinião, editorial, comentário, artigo, dissertações, resenha crítica, requerimento, caricaturas, charges. INSTRUCIONAL - - informação de procedimentos. Gêneros: manuais, tutoriais, receitas, regras de jogos, regulamentos, estatutos. ALGUNS GÊNEROS TEXTUAIS CRÔNICA -A crônica é uma forma que ganhou invulgar vitalidade literária nas últimas décadas, tendo experimentado momentos altos em Rubem Braga, Manuel Bandeira, Paulo Mendes Campos, Fernando Sabino, Carlos Drummond de Andrade. - A crônica é um gênero egresso das páginas fugazes de jornais e revistas que, em certos casos de elaboração estética das informações do cotidiano, merece permanência entre o que há de melhor no patrimônio literário do Brasil.
  • 42. - Pode focalizar: memórias, lembranças da infância, flagrantes do cotidiano, comentários metafísicos, considerações literárias, poemas em prosa e pequenos contos. -A crônica brasileira privilegia a linguagem escrita e falada no contexto urbano, dando ênfase ao registro coloquial e informal da variedade padrão da língua portuguesa. O BEIJO O beijo é uma coisa que todo mundo dá em todo mundo. Tem uns que gostam muito, outros que ficam aborrecidos e limpam o rosto dizendo já vem você de novo e tem ainda umas pessoas que quanto mais beijam, mais beijam, como a minha irmãzinha que quando começa com o namorado dá até aflição. O beijo pode ser no escuro e no claro. O beijo no claro é o que o papai dá na mamãe quando chega, o que eu dou na vovó quando vou lá e mamãe obriga, e que o papai deu de raspão na empregada noutro dia, mas esse foi tão rápido que eu acho que foi sem querer... (Millôr Fernandes)
  • 43. Autor: Carlos Heitor Cony. Publicado na Folha Online Um brasileiro de 38 anos, Vítor Negrete, morreu no Tibete após escalar pela segunda vez o ponto culminante do planeta, o monte Everest. Da primeira, usou o reforço de um cilindro de oxigênio para suportar a altura. Na segunda (e última), dispensou o cilindro, devido ao seu estado geral, que era considerado ótimo. As façanhas dele me emocionaram, a bem sucedida e a malograda. Aqui do meu canto, temendo e tremendo toda a vez que viajo no bondinho do Pão de Açúcar, fico meditando sobre os motivos que levam alguns heróis a se superarem. Vitor já havia vencido o cume mais alto do mundo. Quis provar mais, fazendo a escalada sem a ajuda do oxigênio suplementar. O que leva um ser humano bem sucedido a vencer desafios assim? Ora, dirão os entendidos, é assim que caminha a humanidade. Se cada um repetisse meu exemplo, ficando solidamente instalado no chão, sem tentar a aventura, ainda estaríamos nas cavernas, lascando o fogo com pedras, comendo animais crus e puxando nossas mulheres pelos cabelos, como os trogloditas –se é que os trogloditas faziam isso.
  • 44. Somos o que somos hoje devido a heróis que trocam a vida pelo risco. Bem verdade que escalar montanhas, em si, não traz nada de prático ao resto da humanidade que prefere ficar na cômoda planície da segurança. Mas o que há de louvável (e lamentável) na aventura de Vítor Negrete é a aspiração de ir mais longe, de superar marcas, de ir mais alto, desafiando os riscos. Não sei até que ponto ele foi temerário ao recusar o oxigênio suplementar. Mas seu exemplo –e seu sacrifício- é uma lição de luta, mesmo sendo uma luta perdida. Carta do Leitor: Carta de leitor é um gênero cujos textos aparecem em seções específicas de jornais ou revistas, em que os leitores expressam suas opiniões sobre os textos publicados. "Li ontem o artigo da senadora Marina Silva ('Leitura obrigatória', Opinião) e penso que o verbo "regularizar" deveria ser banido do vocabulário brasileiro, pois ele tem construído uma consciência política de que não vale a pena cumprir a lei, já que sempre é possível "regularizar" uma situação de fato, mesmo que ilegal. Assim, surgem monstruosidades como a MP 458, o Código Ambiental Catarinense e outras tantas anistias fiscais." ANTÔNIO JOSÉ MOREIRA DA SILVA (Chapecó, SC)
  • 45. "Se a criminosa Suzane von Richthofen for solta, estará provado que, no Brasil, o crime compensa. Matar os pais, ameaçar o irmão e ficar apenas três anos presa... Isso é um convite ao crime. Fica fácil matar, dar uma de santa dentro da prisão e então ser solta. Para crimes como esse deveria ser obrigatório o cumprimento das penas na sua totalidade. Sem essa de diminuição de pena, o que apenas servirá de exemplo a outros.“ ANTONIO JOSÉ G. MARQUES (São Paulo, SP) Charge - As charges, caricaturas e ilustrações editoriais são um meio visual e extremamente eloquente de expressar opiniões, geralmente por meio de técnicas de humor.
  • 46. Tira: A tira é um gênero cujos textos normalmente aparecem em domínios jornalísticos, em sua composição existe o predomínio dos tipos narrativo e argumentativo. Na tira abaixo, observe como a argumentação foi utilizada para nos levar a pensar.
  • 47. Sinopse: A sinopse é um gênero cujos textos normalmente aparecem em domínios jornalísticos, sites de editoras, em materiais publicitários ou na ciência, sua composição existe o predomínio do tipo expositivo e narrativo, depende do assunto da sinopse. Se a sinopse for de um filme, além do resumo da trama, o texto já traz algum posicionamento crítico (uma classificação por estrelinhas, por exemplo, e que nos auxilia a levantar hipóteses sobre o que iremos assistir). “Billy Elliot”, de Stephen Daldry (2000) Billy Elliot (interpretado por Jamie Bell) é um menino de onze anos, filho de mineiro de carvão do norte da Inglaterra, que, em plena greve dos mineiros de 1984, decide ter aulas de ballet com a Sra. Wilkinson (Julie Walters). Billy se escondendo do pai viúvo e do irmão, ambos participantes ativos do movimento grevista. Mas logo seu segredo vem a tona e suas esperanças são barradas. Entretanto a paixão de Billy pela dança e seu talento são reconhecidos pelo pai que o leva a inscrever-se no Royal Ballet em Londres. O filme de Daldry busca exprimir de forma alegórica a transição de uma época histórica para outra (este é, por exemplo, o mesmo tema de The Full Monty, de Peter Cattaneo, realizado em 1997 e que utilizou o mote da flexibilização do corpo para traduzir as novas disposições de subjetivação do capital pós-fordista). Billy é o contraste pessoal de seu irmão mais velho, Tony Elliot - enquanto ele é mineiro e sindicalista, vinculado à sociedade industrial de velho tipo, das minas de carvão e da indústria de chaminé; Billy, por outro lado, é o jovem talentoso e sensivel, entusiasmado pela arte do ballet, cujas qualidades pessoais (e a escolha profissional) estão ligadas à denominada "sociedade pós- industrial de serviços".
  • 48. Artigo de Opinião: O artigo de opinião é um texto de caráter argumentativo, publicado em jornais, revistas e internet. É marcado pela opinião do articulista/autor sobre uma questão polêmica de relevância social. NOVO ENEM: PRENÚNCIO DE UMA NOVA ERA Anunciada pelo Ministro da Educação, a mudança no sistema de seleção para as universidades, mais conhecido como vestibular, é uma realidade. A proposta de unificar o exame e modificar a natureza dos conteúdos, baseando-se no atual modelo do ENEM, para um recrutamento mais justo e democrático, foi recebida de forma satisfatória por mais de 90% das instituições públicas consultadas, apesar da necessidade de um planejamento sereno e responsável. Toda mudança, é óbvio, requer uma adaptação ao processo. Em relação a isso, o Brasil continua o mesmo. A proposta inicial era de que todos os aderentes (48 das 52 instituições que participaram do encontro no Ministério) já adotassem as mudanças para este ano. Isto poderia inviabilizar a seleção em certas instituições, como a UFRN, a qual modificou o vestibular há apenas dois anos. Depois de algumas ponderações, ficou acertado que cada universidade terá autonomia para decidir quando e como inicia o novo processo. Elas adaptar-se-ão conforme suas necessidades e realidades, não havendo um modelo pré-definido ou imposição do Governo Federal.
  • 49. Com o novo sistema, um aluno poderá, realizando um único processo seletivo, concorrer a vagas para mais uma instituição. Isso é um dos pontos positivos. Alguém que realiza, por exemplo, cinco processos seletivos em lugares diferentes vive um verdadeiro massacre mental, um desgaste que nem todos têm condições de superar. O outro ponto-chave é que os alunos terão mais liberdade de raciocínio, pois não precisarão, necessariamente, decorar fórmulas ou conceitos para fazer uma boa prova. Aspecto que tem sido discutido ao longo das décadas nas escolas e órgãos de ensino superior. Assim, para se ter uma vaga idéia, uma questão de Língua Portuguesa (Linguagens e Códigos) priorizará a capacidade interpretativa e gramatical, mas não do ponto de vista técnico e sim, do raciocínio, pela depreensão, hipótese, inferência. Não será necessário decorar o que é VERBO TRANSITIVO DIRETO. Ao aluno caberá apenas entender que determinado vocábulo é indispensável numa sentença por atribuir sentido ao elemento anterior, independentemente de saber-se o nome desse elemento. Continua sendo imprescindível dominar o conteúdo. Ou seja, os melhores continuarão a ser os escolhidos. A prova de Língua Portuguesa e Literatura Brasileira é um exemplo claro. O aluno que se limita a decorar nomes de elementos gramaticais, que não lê integralmente as obras ou, lendo-as, não faz as devidas conexões com as temáticas sociais, é sempre um candidato ao fracasso. Isso, em minha maneira de enxergar, é um avanço na medida em que precisamos realmente é raciocinar e não fazer do vestibular um motivo para conhecer técnicas de memorização.
  • 50. A decoreba é deixada de lado, não sendo suficiente para promover no aluno os recursos que ele precisa para ser bem-sucedido. A adaptação, nesse sentido, não deverá provocar maiores traumas. No entanto, o aspecto negativo dessa nova proposta também existe. Essa pressa de querer que todas as universidades façam o ajuste desde agora revela um problema crônico em nosso país, que é a falta de planejamento. Reitero que mudança exige cautela, análise cuidadosa e aperfeiçoamento dos profissionais da educação, para que ao invés de virar um problema, transforme-se em solução, em melhoria na qualidade das seleções. É um momento de transição ao qual nos devemos acostumar, sem aquela resistência ao novo, típica, desnecessária e inexplicável. Mas tudo deve ser da maneira correta, sem excessos e sensacionalismos baratos. Observadas tais questões, vejo nesse processo o início de uma nova era. Se trabalharmos corretamente, se nos dispusermos a encarar esse sistema como um crescimento do ponto de vista educacional, certamente os frutos saudáveis virão em maior escala. É evidente que precisamos encontrar meios para fazermos dessa nova empreitada um salto de qualidade na seleção de pessoas mais preparadas e com perspectivas futuras muito positivas, sendo o raciocínio, agora, o elemento definidor da qualidade dos escolhidos. Cassildo Souza em http://centraldasletras.blogspot.com/2009/04/novo-enem-prenuncio-de-uma-nova- era.html
  • 51. Texto instrucional: volta-se a regular ou indicar formas de agir. Eles descrevem etapas que devem ser seguidas: receitas culinárias, tutoriais, manuais de instrução para montar equipamentos, manual de economia de energia elétrica, programa de dieta alimentar, instruções de jogos. Instruções para economizar água: No banheiro Feche a torneira ao escovar os dentes e ao fazer a barba Não tome banhos demorados Mantenha a válvula de descarga do vaso sanitário sempre regulada e não use o vaso como lixeira ou cinzeiro Conserte os vazamentos o quanto antes Na cozinha Antes de lavar pratos e panelas, remova bem os restos de comida e jogue-os no lixo Mantenha a torneira fechada ao ensaboar as louças Deixe de molho as louças com sujeira mais pesada Só ligue a máquina da lavar louça quando estiver cheia
  • 52. O texto abaixo servirá de referência para responder as questões 01 a 03 A nuvem - Fico admirado como é que você, morando nesta cidade, consegue escrever uma semana inteira sem reclamar, sem protestar, sem espinafrar! E meu amigo falou da água, telfone, Light em geral, carne, batata, transporte, custo de vida, buracos na rua, etc. etc. etc. Meu amigo está, como dizem as pessoas exageradas, grávido de razões. Mas que posso fazer? Até que tenho reclamado muito isto e aquilo. Mas se eu for ficar rezingando todo dia, estou roubado: quem é que vai agüentar me ler? Acho que o leitor gosta de ver suas queixas no jornal, mas em termos. Além disso, a verdade não está apenas nos buracos das ruas e outras mazelas. Não é verdade que as amendoeiras neste inverno deram um show luxuoso de folhas vermelhas voando no ar? E ficaria demasiado feio eu confessar que há uma jovem gostando de mim? Ah, bem sei que esses encantamentos de moça por um senhor maduro duram pouco. São caprichos de certa fase. Mas que importa? Esse carinho me faz bem; eu o recebo terna e gravemente; sem melancolia, porque sem ilusão. Ele se irá como veio, leve nuvem solta na brisa, que se tinge um instante de púrpura sobre as cinzas de meu crepúsculo.
  • 53. E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga. Deixe a nuvem, olhe para o chão - e seus tradicionais buracos. (Rubem Braga, Ai de ti, Copacabana) 1. É correto afirmar que, a partir da crítica que o amigo lhe dirige, o narrador cronista: a)sente-se obrigado a escrever sobre assuntos exigidos pelo público; b) reflete sobre a oposição entre literatura e realidade; c) reflete sobre diversos aspectos da realidade e sua representação na literatura; d) defende a posição de que a literatura não deve ocupar-se com problemas sociais; e) sente que deve mudar seus temas, pois sua escrita não está acompanhando os novos tempos.
  • 54. Em "E olhem só que tipo de frase estou escrevendo! Tome tenência, velho Braga", o narrador: a) chama a atenção dos leitores para a beleza do estilo que empregou; b) percebe que, por estar velho, seu estilo também envelheceu; c) exalta o estilo por ele conquistado e convida-se a reverenciá-lo; d) revela ter consciência de que cometeu excessos com a linguagem metafórica; e) dá-se conta de que sua linguagem não será entendida pelo leitor comum. Com relação ao gênero do texto, é correto afirmar que a crônica: a) tem um modelo fixo, com um diálogo inicial seguido de argumentação objetiva; b) tem como função informar o leitor sobre os problemas cotidianos; c) apresenta uma linguagem distante da coloquial, afastando o público leitor; d) parte do assunto cotidiano e acaba por criar reflexões mais amplas; e) consiste na apresentação de situações pouco realistas, em linguagem metafórica
  • 55. EXERCÍCIOS O texto a seguir é um trecho de uma conversa por meio de um programa de computador que permite comunicação direta pela internet em tempo real, como o MSN Messenger. Esse tipo de conversa, embora escrita, apresenta muitas características da linguagem falada, segundo alguns linguistas. Uma delas é a interação ao vivo e imediata, que permite ao interlocutor conhecer, quase instantaneamente, a reação do outro, por meio de suas respostas e dos famosos “emoticons” (que podem ser definidos como “ícones que demonstram emoção”). João diz: oi Pedro diz: blz? João diz: na paz e vc? Pedro diz: tudo trank João diz: oq vc ta fazendo? (...) Pedro diz: tenho q sair agora... João diz: flw Pedro diz: vlw, abc
  • 56. Para que a comunicação, como no “MSN Messenger”, se dê em tempo real, é necessário que a escrita das informações seja rápida, o que é feito por meio de (A)frases curtas e simples (como “tudo trank”) com abreviaturas padronizadas pelo uso (como “vc” – você – “vlw – valeu!). (B) frases completas, escritas cuidadosamente com acentos e letras maiúsculas (como “oq vc ta fazendo?”). (C) uso de reticências no final da frase, para que não se tenha que escrever o resto da informação. (D) estruturas coordenadas, como “na paz e vc”. (E) flexão verbal rica e substituição de dígrafos consonantais por consoantes simples (“qu” por “k”).
  • 57. QUINO, J. L Mafalda. Tradução de Monica S. M. da Silva, São Paulo: Matins Fontes, 1988. Observe a charge com atenção.
  • 58. O efeito de humor foi um recurso utilizado pelo autor da tirinha para mostrar que o pai de Mafalda. (A)queria consultar o dicionário para tirar uma dúvida, e não ler o livro, como sua filha pensava. (B) tentava ler um dicionário, que é uma obra muito extensa. (C) causou surpresa em sua filha, ao se dedicar à leitura de um livro tão grande. (D) revelou desinteresse na leitura do dicionário. (E) demonstrou que a leitura do dicionário o desagradou bastante, fato que decepcionou muito sua filha.
  • 59. EXERCÍCIO A escrita é uma das formas de expressão que as pessoas utilizam para comunicar algo e tem várias finalidades: informar, entreter, convencer, divulgar, descrever. Assim o conhecimento acerca das variedades linguísticas sociais, regionais e de registro torna-se necessário para que se use a língua nas mais diversas situações comunicativas. Considerando as informações acima, imagine que você está à procura de um emprego e encontrou duas empresas que precisam de novos funcionários. Uma delas exige uma carta de solicitação de emprego. Ao redigi-la, você (A) fará uso da linguagem metafórica. (B) apresentará elementos não verbais. (C) utilizará o registro informal. (D) evidenciará a norma padrão. (E) fará uso de gírias.
  • 60. EXERCÍCIO Páris, filho do rei de Troia, raptou Helena, mulher de um rei grego. Isso provocou um sangrento conflito de dez anos, entre os séculos XIII e XII a.C. Foi o primeiro choque entre o ocidente e o oriente. Mas os gregos conseguiram enganar os troianos. Deixaram à porta de seus muros fortificados um imenso cavalo de madeira. Os troianos, felizes com o presente, puseram-no para dentro. À noite, os soldados gregos, que estavam escondidos no cavalo, saíram e abriram as portas da fortaleza para a invasão. Daí surgiu a expressão “presente de grego”. DUARTE, Marcelo. O guia dos curiosos. São Paulo:Companhia das Letras, 1995. Em “puseram-no”, a forma pronominal “no” refere-se. (A) ao termo “rei grego”. (B) ao antecedente “gregos”. (C) ao antecedente distante “choque”. (D) aos termos “presente” e “cavalo de madeira” (E) à expressão “muros fortificados”.
  • 61. EXERCÍCIO Em Touro Indomável, que a cinemateca lança nesta semana nos Estados de São Paulo e Rio de Janeiro, a dor maior e a violência verdadeira vêm dos demônios de La Motta – que fizeram dele tanto um astro no ringue como um homem fadado à destruição. Dirigida como um senso vertiginoso do destino de seu personagem, essa obra-prima de Martin Scorcese é daqueles filmes que falam à perfeição de seu tema (o boxe) para então transcendê-lo e tratar do que importa: aquilo que faz dos seres humanos apenas isso mesmo, humanos e tremendamente imperfeitos. Revista Veja, 18 fev. 2009 (adaptado). Ao escolher este gênero textual, o produtor do texto objetivou A) construir uma apreciação irônica do filme. B) evidenciar argumentos contrários ao filme de Scorcese. C) elaborar uma narrativa com descrição de tipos literários. D) apresentar ao leitor um painel da obra e se posicionar criticamente. E) afirmar que o filme transcende o seu objetivo inicial e, por isso, perde sua qualidade.
  • 62. COERÊNCIA E INFERÊNCIA DE IDEIAS Luciana trabalha em uma loja de venda de carros. Ela tem um papel muito importante de fazer a conexão entre os vendedores, os compradores e o serviço de acessórios. Durante o dia, ela se desloca inúmeras vezes da sua mesa para resolver os problemas dos vendedores e dos compradores. No final do dia, Luciana só pensa em deitar e descansar as pernas. Na função de chefe preocupado com a produtividade (número de carros vendidos) e com a saúde e a satisfação dos seus funcionários, a atitude correta frente ao problema seria (A) - propor a criação de um programa de ginástica laboral no início da jornada de trabalho. (B) - sugerir a modificação do piso da loja para diminuir o atrito do solo e reduzir as dores nas pernas. (C) - afirmar que os problemas de dores nas pernas são causados por problemas genéticos. (D) - ressaltar que a utilização de roupas bonitas e do salto alto são condições necessárias para compor o bom aspecto da loja. (E) - escolher um de seus funcionários para conduzir as atividades de ginástica laboral em intervalos de 2 em 2 horas.
  • 63. As imagens seguintes fazem parte de uma campanha do Ministério da Saúde contra o tabagismo.
  • 64. O emprego dos recursos verbais e não-verbais nesse gênero textual adota como uma das estratégias persuasivas (A)evidenciar a inutilidade terapêutica do cigarro. (B) indicar a utilidade do cigarro como pesticida contra ratos e baratas. (C) apontar para o descaso do Ministério da Saúde com a população infantil. (D) indicar que os que mais sofrem as consequências do tabagismo são os fumantes ativos, ou seja, aqueles que fazem o uso direto do cigarro. (E) mostrar a relação direta entre o uso do cigarro e o aparecimento de problemas no aparelho respiratório.
  • 65. A figura é uma adaptação da bandeira nacional. O uso dessa imagem no anúncio tem como principal objetivo. (A) mostrar à população que a Mata Atlântica é mais importante para o país do que a ordem e o progresso. (B) criticar a estética da bandeira nacional, que não reflete com exatidão a essência do país que representa. (C) informar à população sobre a alteração que a bandeira oficial do país sofrerá. (D) alertar a população para o desmatamento da Mata Atlântica e fazer um apelo para que as derrubadas acabem. (E) incentivar as campanhas ambientalistas e ecológicas em defesa da Amazônia.
  • 66. DIGA NÃO AO NÃO Quem disse que alguma coisa é impossível? Olhe ao redor. O mundo está cheio de coisas que, segundo os pessimistas, nunca teriam acontecido. “Impossível”. “Impraticável”. “Não”. E ainda assim, sim. Sim, Santos Dumont foi o primeiro homem a decolar a bordo de um avião, impulsionado por um motor aeronáutico. Sim, Visconde de Mauá, um dos maiores empreendedores do Brasil, inaugurou a primeira rodovia pavimentada do país. Sim, uma empresa brasileira também inovou no país. Abasteceu o primeiro voo comercial brasileiro. Foi a primeira empresa privada a produzir petroléo na Bacia de Campos Desenvolveu um óleo combustível mais limpo, o OC Plus. O que é necessário para transformar o não em sim? Curiosidade. Mente aberta. Vontade de arriscar. E quando o problema parece insolúvel, quando o desafio é muito duro, dizer: vamos lá. Soluções de energia para um mundo real. Jornal da ABI. nº 336, dez. de 2008, (adaptado).
  • 67. O texto publicitário apresenta a oposição entre ‘’impossível’’, ‘’impraticável’’, ‘’não’’ e ‘’sim’’, ‘’sim’’. Essa oposição, usada como um recurso argumentativo, tem a função de (A) minimizar a importância da invenção do avião por Santos Dumont. (B) mencionar os feitos de grandes empreendedores da história do Brasil. (C) ressaltar a importância do pessimismo para promover transformações. (D) associar os empreendimentos da empresa petrolífera a feitos históricos (E) ironizar os empreendimentos rodoviários de Visconde de Mauá no Brasil.