UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS
PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA
MESTRADO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA
NÍVEL MESTRADO
He...
HEBERT JOSÉ BALIEIRO TEIXEIRA
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD
GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊN...
FICHA CATALOGRÁFICA
T266i Teixeira, Hebert José Balieiro
Implicações do conceito de inteligência de Howard
Gardner a uma d...
HEBERT JOSÉ BALIEIRO TEIXEIRA
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGENCIA DE HOWARD
GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊN...
Dedico este trabalho aos meus pais
Sebastião Campos e Francisca Balieiro pelo
que representam.
AGRADECIMENTOS
Acima de tudo a Deus que me deu a vida e a saúde,
possibilitando concluir esta pesquisa;
A meus pais Sebast...
“Instrui ao sábio, e ele se fará mais, sábio; ensina ao
justo, e ele crescerá em entendimento. O temor do
Senhor é o princ...
RESUMO
Trata-se de uma pesquisa sobre a teoria das Inteligências Múltiplas aplicada na
educação em Ciências, desenvolvida ...
RESUMEN
Se trata de una investigación sobre la teoría de las Inteligencias Múltiples aplicada
en la enseñanza de la Cienci...
LISTA DE FIGURAS
FIGURA 01 – Bases Epistemológicas para uma Neuropedagogia ...........................16
FIGURA 02 – Trian...
LISTA DE TABELAS
TABELA 01 – Inteligências Múltiplas e suas características ............................ 41
TABALA 02 – Cr...
LISTA DE GRÁFICOS
GRÁFICO 01 – A influência das disciplinas no processo de produção de
conhecimento..........................
LISTA DE ABREVEATURAS E SIGLAS
GEPEDIC – Grupo de Estudo e Pesquisa em Didática das Ciências e seus
Processos Cognitivos
I...
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO...........................................................................................................
3.3 Processos cognitivos: Os sentimentos/emoções envolvidos na construção de
conhecimento dos mestrandos no período do PID...
15
INTRODUÇÃO
Esta é uma pesquisa na área da Educação em Ciências, que toma as
Ciências Cognitivas e as Neurociências como...
16
No Amazonas, a Neuropedagogia, ainda está em vias de consolidação.
Surgiu como proposta de pesquisa em uma universidade...
17
Teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner como aporte epistemológico
mais adequado à nossa pesquisa, pois, p...
18
didático pedagógico de aprendizagem na Educação em Ciências. Tentaremos a
partir de um conceito estruturado – a Teoria ...
19
ao se apropriar do conhecimento sobre como o ser humano aprende possa auxiliar
no processo de aprendizagem do estudante...
20
um segundo momento, apresentamos o estado da arte sobre estudo da inteligência,
possibilitando identificar quais os pro...
21
1 A CIÊNCIA COGNITIVA E SEUS FUNDAMENTOS
Neste capítulo retomamos os estudos realizados na época da graduação,
dialogan...
22
comportamento ou da conduta, pelo exercício ou repetição, em função de condições
ambientais e condições orgânicas”.
O p...
23
às habilidades cognitivas de cada estudante, propiciando, assim, um conhecimento
mais sólido por parte destes.
Para aux...
24
Nesta perspectiva, a visão da Neuropsicologia entende o processo de ensino
aprendizagem como o processo que leva ao con...
25
modelagem do cérebro, para aprender a sentir-se melhor (KANDEL, 2009;
IZQUIERDO, 2002; RELVAS, 2005).
De acordo com est...
26
1.2 MAPEAMENTO DO ESTUDO SOBRE A INTELIGÊNCIA: DO TESTE DO QI ÀS
INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS
O estudo sobre a inteligência ...
27
Inteligências Múltiplas, formulada por Howard Gardner, a qual é a base de nossa
pesquisa, e será discutida mais profund...
28
a teoria das inteligências múltiplas pode ser uma ferramenta teórico-epistemológica
e metodológica para auxiliar na pro...
29
A cultura tem um papel muito importante neste processo, pois é através do
meio cultural que o indivíduo está inserido, ...
30
instintos transmitidos de geração a geração. É através da linguagem que este
processo ocorre, sendo a cultura uma criaç...
31
Entende-se desta feita, que o papel do professor, em qualquer cultura e nível
de ensino, é de renovar-se com os estudos...
32
Stenrberg & Grigorenko (2003), no livro intitulado “Inteligência Plena”,
enfatizam o contexto sociocultural como um dos...
33
local deve ser compreendida como parte do processo de construção do
conhecimento.
Algumas formas de inteligências (habi...
34
surgindo no curso de interações culturais, outras como um resultado de programas
explícitos fornecidos tanto pela educa...
35
conhecimentos e respeito mútuo (VIGTSKI, 2007; ALMEIDA, 2004), para desta feita,
proporcionar a produção de novos conhe...
36
conhecimento. Somos seres humanos que podemos transformar uma sociedade
através do conhecimento que possuímos desta cul...
37
2 INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: A GÊNESE DE UMA TEORIA
São inúmeros os estudiosos contemporâneos que citam ou recorrem às id...
38
Foram relacionadas por Gardner (2001), no princípio de sua teoria, apenas
sete tipos de inteligências. No entanto, com ...
39
uma visão pluralista da mente, reconhecendo muitas peculiaridades distintas e
separadas da cognição. Reconhecendo ainda...
40
de evidência psicológica: 1) as correlações entre testes psicológicos e 2) os
resultados das tentativas de treinamento ...
41
Tabela 01: Inteligências Múltiplas e suas características
CARACTERIZAÇÃO DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS
INTELIGÊNCIA DESCR...
42
abstracionistas
Físico-Cinestésica
(hemisfério direito)
Capacidade de usar o próprio corpo de
maneiras altamente difere...
43
Como pode ser observado na tabela anterior, nós, seres humanos, possuímos
múltiplas habilidades, as quais devem ser est...
44
Para que este processo de aquisição da compreensão ocorra é necessário
um ambiente educacional favorável, entendido com...
45
Outras duas formas de inteligência, não muito bem compreendidas e difíceis
de estudar, mas imensamente importantes, são...
46
identificar as competências intelectuais humanas, mas que estas habilidades
deveriam ser avaliadas e aprovadas após pas...
47
característica,
culminando em
desempenho
especializado
Certamente uma inteligência não se desenvolverá em isolamento, e...
48
simplesmente o desenvolvimento de um grau superlativamente mais aguçado de
capacidades que todos os indivíduos normais ...
49
A teoria das inteligências múltiplas, embora tenha sido desenvolvida há cerca
de duas décadas e meia, não permaneceu es...
50
Gardner (2001) ao refletir sobre a possibilidade de uma inteligência espiritual
fica impressionado com a natureza compl...
51
cultivar tanto a inteligência como a moral, trabalhando-as juntas como virtudes
(GARDNER, 2001).
A inteligência pictóri...
52
oito regiões intelectuais que a maioria dos seres humanos possui
independentemente se são talentosos ou não.
Gardner (1...
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

1.823 visualizações

Publicada em

Trata-se de uma pesquisa sobre a teoria das Inteligências Múltiplas aplicada na educação em Ciências, desenvolvida no segundo semestre de 2010, em uma turma de mestrado, de um Programa de Pós-Graduação, de uma Universidade pública do Estado do Amazonas, onde se realizou, entre as disciplinas obrigatórias do curso, um Planejamento Integrado de Disciplinas. Esta pesquisa foi centrada na seguinte problematização: quais das Inteligências Múltiplas propostas por Gardner aparecem no trato pedagógico do espaço de aula no mestrado, no segundo semestre de 2010, e em que medida as práticas pedagógicas dos professores do Mestrado em Educação em Ciências contribuem para a produção de conhecimento dos estudantes do Mestrado? Os fundamentos do percurso metodológico foram subsidiados pela abordagem de nível qualitativa, sob perspectiva hermenêutica. Constatou-se que a didática das ciências utilizada pelos professores, desenvolvida no segundo semestre de 2010, foi o Planejamento Integrado de Disciplinas, onde as disciplinas se interligavam numa conjectura integrada, e as inteligências múltiplas mais estimuladas neste processo foram a inteligência linguística, a logico-matemática, as pessoais e a naturalista.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS

  1. 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS NA AMAZÔNIA NÍVEL MESTRADO Hebert José Balieiro Teixeira IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Manaus 2013
  2. 2. HEBERT JOSÉ BALIEIRO TEIXEIRA IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Dissertação apresentada como requisito para obtenção de título de Mestre em Educação em Ciências, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas. Linha de Pesquisa 1: Educação em Ciências, Cognição e Currículo. Orientador: Prof. Dr. Evandro Ghedin. Manaus 2013
  3. 3. FICHA CATALOGRÁFICA T266i Teixeira, Hebert José Balieiro Implicações do conceito de inteligência de Howard Gardner a uma didática na educação em ciências / Hebert José Balieiro Teixeira. – Manaus: UEA , 2013. 134 p. : il. ; 30 cm Orientador: Profº. Drº. Evandro Ghedin Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências na Amazônia) - Universidade do Estado do Amazonas, 2013. 1. Educação em Ciências. 2. Cognição. 3. Inteligências Múltiplas. 4. Planejamento Integrado de Disciplinas. I. Teixeira, Hebert José Balieiro. II.Título. CDU 372.85
  4. 4. HEBERT JOSÉ BALIEIRO TEIXEIRA IMPLICAÇÕES DO CONCEITO DE INTELIGENCIA DE HOWARD GARDNER A UMA DIDÁTICA NA EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção de título de Mestre, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Ensino de Ciências na Amazônia, da Universidade do Estado do Amazonas. Aprovado em 22 de março de 2013. BANCA EXAMINADORA ______________________________________________________________ Prof. Dr. Evandro Ghedin Presidente - UERR/UEA ______________________________________________________________ Profa. Dra. Evelyn Lauria Noronha Membro Interno - UEA _____________________________________________________________ Prof. Dr. Hector José Garcia Mendoza Membro Externo - UFRR
  5. 5. Dedico este trabalho aos meus pais Sebastião Campos e Francisca Balieiro pelo que representam.
  6. 6. AGRADECIMENTOS Acima de tudo a Deus que me deu a vida e a saúde, possibilitando concluir esta pesquisa; A meus pais Sebastião e Francisca, meus primeiros professores e orientadores; Ao professor Evandro Ghedin, orientador deste projeto, pelos seus conhecimentos; À professora Patrícia Sánchez Lizardi, pela sua cooperação, que foi de suma importância a esta pesquisa; Aos professores e estudantes da primeira turma de Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências na Amazônia pela prestação das valiosas informações que me serviram de estudo para o presente trabalho; Ao meu amigo e colega Ricardo Queiroz, que esteve ao meu lado nas horas de dificuldade; Agradeço também ao amigo e colega Fábio Marques, que me ajudou na correção ortográfica deste trabalho; Agradeço ainda a todos da secretária do Programa, pelo apoio e gentil atenção que prestaram; À CAPES, pelo apoio financeiro, possibilitando, assim, a realização desta pesquisa.
  7. 7. “Instrui ao sábio, e ele se fará mais, sábio; ensina ao justo, e ele crescerá em entendimento. O temor do Senhor é o princípio sabedoria; e o conhecimento do Santo é o entendimento”. (Provérbios 9: 9, 10)
  8. 8. RESUMO Trata-se de uma pesquisa sobre a teoria das Inteligências Múltiplas aplicada na educação em Ciências, desenvolvida no segundo semestre de 2010, em uma turma de mestrado, de um Programa de Pós-Graduação, de uma Universidade pública do Estado do Amazonas, onde se realizou, entre as disciplinas obrigatórias do curso, um Planejamento Integrado de Disciplinas. Esta pesquisa foi centrada na seguinte problematização: quais das Inteligências Múltiplas propostas por Gardner aparecem no trato pedagógico do espaço de aula no mestrado, no segundo semestre de 2010, e em que medida as práticas pedagógicas dos professores do Mestrado em Educação em Ciências contribuem para a produção de conhecimento dos estudantes do Mestrado? Os fundamentos do percurso metodológico foram subsidiados pela abordagem de nível qualitativa, sob perspectiva hermenêutica. Constatou-se que a didática das ciências utilizada pelos professores, desenvolvida no segundo semestre de 2010, foi o Planejamento Integrado de Disciplinas, onde as disciplinas se interligavam numa conjectura integrada, e as inteligências múltiplas mais estimuladas neste processo foram a inteligência linguística, a logico- matemática, as pessoais e a naturalista. Palavras-chave: Educação em Ciências. Cognição. Inteligências Múltiplas. Planejamento Integrado de Disciplinas.
  9. 9. RESUMEN Se trata de una investigación sobre la teoría de las Inteligencias Múltiples aplicada en la enseñanza de la Ciencia, desarrollada en el segundo semestre de 2010, una clase magistral, un Programa de Postgrado, una universidad pública en el Estado de Amazonas, donde ocupó una Planificación Integrada Disciplinas. La investigación se centró en la siguiente problemática: ¿cuál de las Inteligencias Múltiples propuestas por Gardner parece en tracto pedagógica espacio master class en el segundo semestre de 2010, y en qué medida las prácticas pedagógicas de los profesores de la Maestría en Ciencias de la Educación contribuye a la producción de conocimiento de los alumnos del Máster? Los fundamentos de la metodología fueron subvencionados por el nivel de la investigación cualitativa, en la perspectiva hermenéutica. Se encontró que la enseñanza de la ciencia utilizada por los profesores, desarrollados en el segundo semestre de 2010, el proyecto fue Planificación Disciplinas Integradas, donde los sujetos estaban conectados en una conjetura integrado, y de las inteligencias múltiples más estimulado en este proceso fueron las inteligência lingüística, lógico-matemática, el personal y naturalista. Palabras clave: Cognición. Inteligencias Múltiples. Ciencias de la Educación. Planificación Integrada Disciplinas.
  10. 10. LISTA DE FIGURAS FIGURA 01 – Bases Epistemológicas para uma Neuropedagogia ...........................16 FIGURA 02 – Triangulação dos conceitos base da pesquisa ...................................19 FIGURA 03 – Atividade no laboratório interdisciplinar ..............................................57 FIGURA 04 – Disciplina de Fundamentos da Educação em Ciências ......................65 FIGURA 05 – Disciplinas compostas no Planejamento Integrado de Disciplinas (PID)........................................................................................................66 FIGURA 06 – Seminário de apresentação das resenhas dos mestrandos ...............70 FIGURA 07 – Atividade de análise de textos escritos por egressos do mestrado.....74 FIGURA 08 – Atividade da Disciplina Fundamentes da Educação em Ciências ......82 FIGURA 09 – Os processos envolvidos na constituição da Neuropedagogia...........95 FIGURA 10 – Aula da disciplina de Pesquisa em Educação em Ciências..............102
  11. 11. LISTA DE TABELAS TABELA 01 – Inteligências Múltiplas e suas características ............................ 41 TABALA 02 – Critérios de uma inteligência ..................................................... 46
  12. 12. LISTA DE GRÁFICOS GRÁFICO 01 – A influência das disciplinas no processo de produção de conhecimento.........................................................................................................93
  13. 13. LISTA DE ABREVEATURAS E SIGLAS GEPEDIC – Grupo de Estudo e Pesquisa em Didática das Ciências e seus Processos Cognitivos IM – Inteligências Múltiplas PID – Planejamento Interdisciplinar Integrado QI – Quociente de Inteligência SNC – Sistema Nervoso Central
  14. 14. SUMÁRIO INTRODUÇÃO..........................................................................................................15 1 A CIÊNCIA COGNITIVA E SEUS FUNDAMENTOS .............................................21 1.1 Uma retomada: Dialogando sobre os processos cognitivos................................21 1.2 Mapeando o estudo sobre a inteligência: do teste do QI às inteligências Múltiplas ....................................................................................................................26 1.3 Entrelaçando, educação, inteligência e cultura ...................................................29 2 INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: A GÊNESE DE UMA TEORIA............................37 2.1 A reformulação do conceito de inteligência.........................................................48 2.2 A guisa de uma (in)clusão...................................................................................49 2.3 A teoria versus a prática......................................................................................51 2.4 As implicações didáticas da obra de Gardner nos processos e ensino- aprendizagem na Educação em Ciências .................................................................54 3 UM OLHAR SOBRE A FORMAÇÃO DOS MESTRANDOS EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS ..............................................................................................................60 3.1 A trajetória metodológica da pesquisa ................................................................60 3.1.2 O contexto da pesquisa....................................................................................64 3.2 A proposta do Planejamento Curricular Integrado de Disciplinas (PID) ..............65 3.2.1 As práticas pedagógicas integradoras no mestrado em educação em ciências ..................................................................................................................67 3.2.1.1 As práticas didáticas na disciplina Pesquisa em Educação em Ciências......75 3.2.1.2 As práticas didáticas na disciplina Fundamentos da Educação em Ciências79 3.2.1.3 As práticas didáticas na disciplina de História da Filosofia da Ciência na Educação em Ciências...........................................................................................82 3.2.1.4 Triangulação do conhecimento .....................................................................85 3.2.2 Vantagens e desvantagens do planejamento integrado no processo de produção de conhecimento dos mestrandos.............................................................89
  15. 15. 3.3 Processos cognitivos: Os sentimentos/emoções envolvidos na construção de conhecimento dos mestrandos no período do PID.................................................94 3.4 A visão do pesquisador .....................................................................................100 CONSIDERAÇÕES PARA UM NOVO COMEÇO ..................................................104 REFERÊNCIAS.......................................................................................................108 APÊNDICE A - Termo de consentimento.............................................................113 APÊNDICE B - Entrevista......................................................................................115 APÊNDICE C - Questionário.................................................................................116 ANEXO - Planejamento Integrado........................................................................119
  16. 16. 15 INTRODUÇÃO Esta é uma pesquisa na área da Educação em Ciências, que toma as Ciências Cognitivas e as Neurociências como epistemologia estruturante para elaboração dos fundamentos teórico/práticos de uma Neuropedagogia que agrega, de forma transdisciplinar, os processos de ensino. Objetivamos com esta pesquisa contribuir com a construção/elaboração de processos/produtos técnico científicos para uma didática fundamentada nas conquistas/conhecimentos, das áreas acima citadas, estruturado numa epistemologia e organizada aos processos de educação, isto é, uma didática centrada nos processos próprios do funcionamento do sistema nervoso central (SNC). O conhecimento da Neuropedagogia surgiu a partir dos estudos da Neurociência e Ciências Cognitivas por volta dos anos de 1980, envolvendo os estudos neurológicos vinculados à didática do professor para um produto neuropedagógico, o qual desde esta data vem procurando compreender como o estudante, cognitivamente, aprende e como o professor ensina. Para entender esta relação, de como se aprende e como se ensina, tem-se procurado estudar as fases de aprendizagem conceitual, comportamental e atitudinal, que todo ser humano possui. Para isso, busca-se desenvolver novas maneiras de conduzir a arte de ensino centrado nos processos que ocorrem no modo próprio em que o cérebro produz novos conhecimentos, de modo a aproximar os processos cognitivos às metodologias de ensino articulados ao processo de aprendizagem de conceitos científicos. Esta Neuropedagogia, ao ocupar-se do estudo e da pesquisa sobre os processos mentais superiores, que implicam na aprendizagem do estudante, defende que “não dá para ensinar sem saber como se aprende”, ou seja, é necessário o professor compreender o processo pelo qual o sistema nervoso central funciona, para, com base nesta compreensão, aplicar uma didática que estimule a aprendizagem deste estudante, de forma que este produza novos conhecimentos a partir do já existente.
  17. 17. 16 No Amazonas, a Neuropedagogia, ainda está em vias de consolidação. Surgiu como proposta de pesquisa em uma universidade pública no ano de 2007, com o Grupo de Estudo e Pesquisa em Didática das Ciências e seus Processos Cognitivos – GEPeDIC. Este grupo visava a priori construir as bases para a implantação do laboratório de Neurodidática, termo este que após estudos foi redefinido como Neuropedagogia. Este novo campo do conhecimento, na cidade de Manaus vem sendo consolidado ao longo dos últimos seis anos, pois o grupo, desde o seu início tem aprofundado as pesquisas sobre o estudo dos processos didáticos e cognitivos. Com nossa inserção no curso de Pós-Graduação Stricto sensu, deu-se a possibilidade de continuidade da pesquisa que estávamos desenvolvendo desde a graduação pelo GEPeDIC, grupo este que tem como aporte teórico o estudo epistemológico das Neurociências, Ciências Cognitivas e Educação em Ciências, para a estruturação de uma base fundante de uma Neuropedagogia. O grupo almeja consolidar este conceito como forma de pensar os processos próprios de construir o conhecimento científico numa perspectiva transdisciplinar Abaixo, o diagrama basilar desta estrutura epistemológica. Figura 01: Bases Epistemológicas para uma Neuropedagogia. A nossa proposta, a princípio, era “o estudo da inteligência”, partindo do pressuposto da Filosofia da Mente, mas com as devidas orientações recebidas e as leituras realizadas no caminhar da pesquisa, esta foi encaminhada para o estudo da Neurociências NEUROPEDAGOGIA Ciências Cognitivas Educação em Ciências
  18. 18. 17 Teoria das Inteligências Múltiplas de Howard Gardner como aporte epistemológico mais adequado à nossa pesquisa, pois, proporcionaria um maior aprofundamento do que vínhamos pesquisando desde a iniciação científica, por isso, achamos interessante relembrarmos no início desta pesquisa os conceitos a priori definidos naquela época, para em seguida podermos compreender a teoria das Inteligências Múltiplas e suas implicações didáticas no ensino de ciências. Enfatizamos que desde nossa graduação tivemos uma inquietude sobre os complexos processos de ensino aprendizagem. O caminho que construímos tem sido articulado com questões relacionadas com as metodologias especificas aos processos cognitivos que elas implicam, para que a aprendizagem aconteça, pois desde 2007, neste processo de construção de conhecimento, viemos reunindo uma literatura de estudo significativa, realizando, assim, leituras, fichamentos e sínteses para a construção desta pesquisa, almejando estabelecer uma ponte entre as conquistas sobre o conhecimento do sistema nervoso central e os processos de ensino aprendizagem de forma a contribuir com as bases fundantes de uma Neuropedagogia. Entendemos que essa possibilidade pode abrir novos horizontes no sentido de procurar aproximar os processos de funcionamento do cérebro às metodologias de ensino articulados ao processo de aprendizagem de conceitos científicos no campo da Educação em Ciências e das ciências que estudam o SNC para uma educação de qualidade. Não há como pensar os produtos utilizados no processo de ensino aprendizagem sem considerar os processos cerebrais como condição para a potencialização do conhecimento, tais como a reflexão; a percepção; a memória; a emoção; a consciência; e, a própria inteligência. Com base nos conhecimentos dos processos cognitivos, já consolidados e acima citados, é que foi possível avançar em nossa pesquisa, entendo que a partir dos estudos Neuropedagógicos, se abrirá um leque de possibilidades de investigação, possibilitando o estudo de outros processos cognitivos para a maior consolidação desta área do conhecimento. Para isso, é preciso entender que os processos cognitivos são diversos e se inter-relacionam no processo de produção do conhecimento biopsicocultural do ser humano. Salientamos, também, que nesta pesquisa nos ateremos especificamente sobre o novo conceito de inteligência definido por Howard Gardner, onde analisaremos a história do estudo sobre a inteligência e sua influência no processo
  19. 19. 18 didático pedagógico de aprendizagem na Educação em Ciências. Tentaremos a partir de um conceito estruturado – a Teoria das Inteligências Múltiplas – entender em que medida esse conceito pode auxiliar na instituição de uma didática das ciências. Para tanto, esta pesquisa parte da seguinte problematização: quais das Inteligências Múltiplas propostas por Gardner foram identificadas nas aulas do mestrado, e como as práticas pedagógicas dos professores na execução do Planejamento Integrado contribuíram para a produção de conhecimento pelos estudantes? Para atender a complexidade do objeto de estudo e contemplar os elementos apresentados no problema, a pesquisa teve como objetivo geral: analisar as inteligências múltiplas implicadas na educação em ciências para a constituição de uma didática das ciências, a partir do conceito de inteligência proposto por Gardner, no curso de Mestrado em Educação em Ciências na Amazônia. Visando alcançar o objetivo geral, propomos os seguintes objetivos específicos: 1) identificar os processos cognitivos que podem ajudar na constituição de uma didática das ciências mediado pelo conceito de inteligência formulado por Gardner; 2) determinar quais das inteligências múltiplas apresentadas por Gardner ficaram evidentes no trato pedagógico do curso no período pesquisado; 3) Analisar em que medida as práticas pedagógicas dos professores contribuíram para a produção de conhecimento dos estudantes do curso de Mestrado em Educação em Ciências. Para isso, analisamos o Planejamento Integrado de Disciplinas (PID), composto pelas disciplinas: História da Filosofia da Ciência na Educação em Ciências, Pesquisa em Educação em Ciências e Fundamentos da Educação em Ciências, de uma turma do Programa de Pós-Graduação, da Universidade pública do Estado do Amazonas, realizado no segundo semestre de 2010, com carga horária total de 180 horas de aula. Dessa forma, esperamos que a pesquisa em questão contribua para a discussão referente aos estudos sobre a cognição, pois de acordo com Ghedin (2010)1 “a ideia não é construir uma didática neurológica, mas uma pedagogia que 1 Orientação aos mestrandos (orientandos) do Curso em Educação em Ciências na Amazônia, pertencentes à Linha de Pesquisa 1: Educação em Ciências, Cognição e Currículo, 2010.
  20. 20. 19 ao se apropriar do conhecimento sobre como o ser humano aprende possa auxiliar no processo de aprendizagem do estudante”. Para isso, procuramos aproximar o conhecimento sobre os processos do funcionamento do cérebro à metodologia de ensino adotada no PID, articulado ao processo de construção de conhecimento dos estudantes. Abaixo (Figura 01) podemos ver o entrelaçamento entre os conceitos a serem trabalhados no decorrer da pesquisa. Figura 02: Triangulação dos conceitos base da pesquisa. *Turma de Mestrado Acadêmico em Educação em Ciências na Amazônia (2010). Vale ressaltar que, por se tratar de uma pesquisa de cunho interpretativo, definimos a hermenêutica como processo de construção do saber, pois esta se baseia na interpretação do objeto que não fala por si só, mas pela interação entre o sujeito e seus conceitos, de forma que o pesquisador neste processo assuma uma posição neutra, não tendo uma visão distorcida da realidade. Entender os instrumentos e técnicas que permitiriam a caminhada metodológica da investigação foi necessário, pois nos pautamos numa abordagem qualitativa, utilizando como técnicas a observação participante, a entrevista e o questionário semiestruturado. No entanto para que os resultados da pesquisa sejam fiéis aos dados coletados escolhemos como instrumentos de coleta de dados: diário de campo, bloco de anotações, roteiro, gravações, filmagens e fotografias. O capítulo I da dissertação, denominado “A Ciência Cognitiva e seus fundamentos” procura fazer uma retomada dos estudos da época da graduação. Em Didática das Ciências Inteligência Educação em Ciências*
  21. 21. 20 um segundo momento, apresentamos o estado da arte sobre estudo da inteligência, possibilitando identificar quais os processos envolvidos na aprendizagem do estudante, tomando como base fundante as Ciências Cognitivas e as Neurociências. Por sua vez, em um terceiro momento, fizemos um entrelaçamento entre a educação, inteligência e cultura, para entender como ocorre o processo da construção do conhecimento nas perspectivas biológica e cultural. O capítulo II deste trabalho é intitulado “inteligências múltiplas: a gênese de uma teoria”, a qual se apresenta a teoria das Inteligências Múltiplas, desde a sua criação, apresentando as características e os critérios para se definir uma inteligência na perspectiva de Howard Gardner. No transcorrer deste capítulo revemos o novo conceito de inteligência proposto por Gardner e a possibilidade da inclusão de novas inteligências. Analisamos ainda a teoria das Inteligências Múltiplas versus a prática pedagógica, bem como, as implicações didáticas das inteligências múltiplas na Educação em Ciências. O capítulo III deste trabalho, que tem como título “um olhar sobre a formação dos mestrandos em educação em ciências”, discute-se o processo desenvolvido, sendo composto por quatro momentos, assim, denominado: a trajetória metodológica da pesquisa; o Planejamento Integrado de Disciplinas; Processos cognitivos: os sentimentos/emoções envolvidos na produção de novos conhecimentos dos mestrandos no período do PID; por fim, apesentamos a visão do pesquisador. Acompanhamos não só as atividades do PID in loco, mas também apresentamos e analisamos os dados coletados no período do Planejamento Integrado de Disciplinas (PID), possibilitando uma compreensão de todo o processo desta pesquisa. Em todos os momentos da investigação levamos em consideração a intersubjetividade dos sujeitos envolvidos na pesquisa, respeitando e valorizando as suas peculiaridades culturais, ao mesmo tempo em que procuramos fazer a articulação dos conceitos discutidos na fundamentação teórica com as práticas desenvolvidas no processo da pesquisa.
  22. 22. 21 1 A CIÊNCIA COGNITIVA E SEUS FUNDAMENTOS Neste capítulo retomamos os estudos realizados na época da graduação, dialogando sobre os processos envolvidos na aprendizagem do estudante numa perspectiva biológica, filosófica e cognitiva. Abordamos, ainda, o mapeamento do estudo sobre a inteligência na tentativa de compreendermos melhor este fenômeno e aprofundamos o conceito de inteligência tomando como base fundante a teoria das IM. Por conseguinte, entrelaçaremos os conceitos de educação, inteligência e cultura, bem como, descrevemos a gênese de uma teoria como fundamento teórico desta pesquisa. 1.1 UMA RETOMADA: DIALOGANDO SOBRE OS PROCESSOS COGNITIVOS No final do processo de nossa primeira pesquisa, ainda na graduação, percebemos que todo o percurso que acarretou na inicialização da construção de nossa identidade como futuro docente despertou-nos para a amplitude da profissão de professor. Com a conclusão da graduação, e o conhecimento e a experiência adquirida na iniciação científica o ingresso em um curso de Pós-Graduação Stricto sensu, ampliamos nosso repertório científico cultural. Como na graduação, pensamos agora, em nível de mestrado, aprofundar ainda mais nossa pesquisa, procurando entender como ocorre o processo de aprendizagem em estudantes de uma turma de mestrado de um curso de Pós- Graduação, de uma universidade pública do Estado do Amazonas. Para isso, recorremos a uma breve retrospectiva do que investigamos na graduação, rediscutindo as definições do tema proposto, de modo que, com base nesta breve discussão, pudéssemos afunilar a atual pesquisa sobre o conceito de inteligência. Para tentarmos compreender sobre as indagações que se fazem a respeito da mente humana, recorremos primeiramente, a Campos (2002, p. 31), sobre a compreensão do processo de aprendizagem. Para a autora a mais geral das definições de aprendizagem pode resumir-se em “uma modificação sistemática do
  23. 23. 22 comportamento ou da conduta, pelo exercício ou repetição, em função de condições ambientais e condições orgânicas”. O processo de ensino aprendizagem é um processo complexo que ocorre através de uma adaptação do indivíduo ao ambiente no qual está inserido, sendo que ela não é apenas a aquisição de conhecimentos ou de conteúdo, como alguns a podem compreender, em uma concepção estreita e acadêmica do fenômeno, como também não pode se limitar apenas ao exercício da memória, mas, sim, um processo complexo que envolve a maioria dos processos cognitivos. Nesta nova perspectiva, na qual o professor passa a compreender melhor o desenvolvimento dos processos cognitivos no estudante, há uma propensa facilidade por parte do professor em propor novas abordagens didático-pedagógicas que venham ajudar ao estudante a produzir novos conhecimentos a partir de uma didática adequada. Por entendermos que é necessária a análise das capacidades cognitivas, revisamos a priori as concepções de inteligência de alguns pesquisadores que já estudaram e/ou estudam sobre a temática, para em sequencia adentrarmos na teoria das Inteligências Múltiplas, como a base desta pesquisa, e discutirmos o que Gardner fala sobre o assunto. Só a partir desta retomada, compreenderemos melhor a influência de sua teoria no processo didático pedagógico, com a finalidade de saber em que medida a compreensão dos componentes do processo cognitivo são importantes para o processo de ensino em sala de aula. Não dá mais para continuarmos alheios aos estudos das Ciências Cognitivas e Neurociências voltadas para a área da educação, tendo em vista que muitos estudos acerca deste tema têm sido publicados dentro e fora do país, como por exemplo: “Psicologia e Neurociência cognitiva: Alguns avanços recentes e implicações para a educação”, de Andrade e Prado (2003); “NEUROEDUCA – Inserção da neurobiologia na educação”, de Guerra et al (2004); “Mente Cérebro e Cognição”, de João de Fernandes Teixeira (2008); “Neurociência e educação: Como o cérebro aprende”, de Consenza e Guerra (2011), e muitos outros trabalhos que poderíamos citar. Este trabalho pode ser de grande relevância para a sociedade, e principalmente para os profissionais da educação, pois entendemos que o professor, como agente formador que busca compreender como ocorre o processo individual cognitivo do estudante, pode elaborar abordagens didático-pedagógicas apropriadas
  24. 24. 23 às habilidades cognitivas de cada estudante, propiciando, assim, um conhecimento mais sólido por parte destes. Para auxiliarmos o professor, adentramos nos estudos das Ciências Cognitivas e Neurociências a fim de compreendermos o conceito de inteligência, a qual Gardner (1994a, p. x), em seus primeiros estudos conceituou como “a capacidade de resolver problemas ou de criar produtos que sejam valorizados dentro de um ou mais cenários culturais”. Duas décadas mais tarde, em seu livro “Inteligência: Um Conceito Reformulado” ele reelabora este conceito, mas com a mesma essência, ou seja, dependendo da cultura em que o indivíduo está inserido ele será capaz de resolver problemas ou criar produtos nos seus diferentes cenários culturais, ocorrendo com isto o que ele chama de inteligência que, por sua vez, é uma questão filosófica profunda, uma questão que exige base biológica, filosófica e cognitiva. Neste debate acerca da compreensão da inteligência, recorremos também a Piaget (1987), o qual nos diz que esta habilidade, seguindo o conceito de aprendizagem, “é uma adaptação”, ou seja, do ponto de vista biológico, a inteligência como um dos processos cognitivos, é uma adaptação ao meio ambiente, que consiste na capacidade individual de acomodação ao meio. Desta forma, o processo cognitivo teria início nos reflexos fortuitos e difusos no recém-nascido, desenvolvendo-se por estágios até alcançar o nível adulto do raciocínio. Por sua vez, Ryle apud Lopes e Abib (2003) define a inteligência como a capacidade de manifestar determinada atualização e quando essa for precedida de uma determinada alteração. Os autores nos dizem que cada operação realizada é em si mesma uma nova lição, ou seja, a realização de uma ação inteligente. Contudo esta ação só exibe inteligência quando o sujeito está pensando no que está fazendo, consequentemente, não desempenhará tão bem a tarefa se não pensar para fazer. Nesta perspectiva, o indivíduo para ter uma ação inteligente, deve necessariamente pensar no que está fazendo, pondo em prática a ação pensada, possibilitando, assim, um comportamento inteligente. Continuando o debate a respeito das habilidades cognitivas humanas, Spelke apud Dobbs (2005) afirmam que todos os humanos nascem com capacidades cognitivas que lhes permitem entender o mundo em volta, sendo esse conhecimento básico, aquele inato na criança, que fundamenta tudo o que seremos ao longo de nossa vida.
  25. 25. 24 Nesta perspectiva, a visão da Neuropsicologia entende o processo de ensino aprendizagem como o processo que leva ao conhecimento, tendo como resultado o próprio desenvolvimento cognitivo. Para tanto, é necessário a combinação de fatores ambientais e culturais (tais como a estimulação) com fatores genéticos (relacionados ao amadurecimento do neurônio e das áreas cerebrais). Nessa concepção, muitos pesquisadores acreditam que o conhecimento neurocientífico constitui-se em um instrumento essencial aos educadores, na medida em que possibilita a compreensão mais abrangente do processo de ensino- aprendizagem, e, por conseguinte, pode subsidiar uma eficiente ação pedagógica por parte dos professores. Entendemos que é nos primeiros anos de vida da criança, bem como, no desenvolver diário da vida do estudante, em um ambiente estimulador, seja em casa ou na escola, que ocorre a potencialização do desenvolvimento de suas habilidades, propiciando-se o surgimento de um adulto com suas habilidades cognitivas bem desenvolvidas. Portanto, as Neurociências entendem que o aprendizado ou cognição é a capacidade que todo ser vivo, dotado de um sistema nervoso, tem de modificar o comportamento em função de experiências passadas, e essa modificação comportamental ocorre no sistema nervoso centra através da propriedade chamada “plasticidade cerebral”, que Relvas (2005), a denomina como “capacidades adaptativas do Sistema Nervoso Central (SNC)”, ou seja, a habilidade para modificar sua organização estrutural própria. Esta plasticidade é a propriedade do sistema nervoso que permite o desenvolvimento de alterações estruturais em resposta à experiência, à adaptação a condições mutantes, bem como, a estímulos repetidos. Sendo, assim, entendemos que a estimulação adequada e eficaz das inteligências, no processo de ensino aprendizado, é de fundamental importância para o desenvolvimento das funções motoras e sensitivas da pessoa que aprende, proporcionando uma aprendizagem concreta e significativa por parte do estudante que aprende. Nesta concepção os estudos desenvolvidos por Neurocientistas mostram que o cérebro não é estável e imutável com uma memória fixa semelhante a um computador, mas que, durante a vida o cérebro muda e molda-se. Situações desafiadoras e ambientes complexos, agradáveis e favoráveis fornecem a capacidade extra que o cérebro precisa para reconfigurar-se, propiciando a
  26. 26. 25 modelagem do cérebro, para aprender a sentir-se melhor (KANDEL, 2009; IZQUIERDO, 2002; RELVAS, 2005). De acordo com estes estudos, existem cerca de 200 bilhões de neurônios em nosso cérebro que se comunicam através de micro partículas denominadas de neurotransmissores que transmitem e recebem informações umas às outras, através de suas cadeias e/ou mapas cerebrais (UEA, 2001). Desse modo, toda a atividade da nossa mente (pensar, agir, perceber etc.) é um resultado da neurotransmissão. Este breve diálogo que descrevemos a cerca da cognição humana sempre nos inquietou, e com a participação no processo de iniciação científica na faculdade pudemos, de fato, ser esclarecidos sobre como ocorrem os processos neuronais da aprendizagem. Após esta retomada à discussão concernente ao intelecto humano, entendemos que estas informações nos dão aporte para adentrarmos ainda mais nos campos de conhecimento tão complexos que são os das Neurociências e das Ciências Cognitivas, pois relembrando as várias concepções de inteligência e sua influência no processo didático-pedagógico da aprendizagem, entendemos que há um leque de informações que podem ser mais bem aprofundadas, e que outros pesquisadores poderão aproveitar este pequeno tijolo de uma grande construção epistemológica e construir outros conhecimentos. No transcorrer da pesquisa debruçaremos sobre os processos cognitivos, a educação em ciências e mais especificamente como se deu o processo do estudo sobre a inteligência desde os meados de 1900 até a formulação da Teoria das Inteligências Múltiplas por Gardner e o desenvolvimento desta teoria, sendo esta teoria a base fundante desta pesquisa. Pretendemos também com este estudo compreender as implicações do conceito de inteligência de Howard Gardner a uma didática na educação em Ciências, contribuindo, desta forma, para uma discussão que, apesar do tempo, parece apenas ter iniciado.
  27. 27. 26 1.2 MAPEAMENTO DO ESTUDO SOBRE A INTELIGÊNCIA: DO TESTE DO QI ÀS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS O estudo sobre a inteligência vem sendo pesquisado com profundidade há bastante tempo, e mais precisamente com os estudos de Alfred Binet, por volta de 1900 na tentativa de quantificá-la. Estes estudos avançaram ainda mais, devido à descoberta do teste de inteligência pelo mesmo, que se debruçou na pesquisa sobre a medição do Quociente de Inteligência (QI) do ser humano. A partir deste momento, o teste do QI pareceu o maior sucesso da psicologia behaviorista, como um instrumento científico legitimamente útil para se testar a inteligência. Agora a inteligência parecia ser quantificável, pois podia-se medir a altura real ou potencial intelectual de alguém. Tinha-se uma dimensão da capacidade mental de um ser humano. Com isso, a busca da medida perfeita da inteligência prosseguiu a passo acelerado. Gardner (1994a) nos fala que após esta descoberta, duas concepções principais alusivas ao constructo do intelecto foram instituídas. Um grupo dos estudiosos denominados “ouriço” e ou outro denominado “raposas”. Os ouriços eram simpáticos à noção de uma inteligência geral, de fator “g”. Teoria esta formulada a priori pelo próprio Alfred Binet e prosseguida por outros estudiosos, como Charles Spearman (1927). Por outro lado, outro conjunto adversário e simpático a uma visão pluralista de inteligência denominados “raposas”, assumiam uma abordagem multifatorial do intelecto, como por exemplo, L. L. Thurstone (1938) que definia a inteligência a partir de fatores, nos quais as capacidades mentais primárias eram divididas em 7 fatores (ou vetores da mente), outro defensor dessa abordagem era J. P. Guilford (1967-88) que em suas pesquisas afirmava que a inteligência era estruturada por até 150 “fatores do intelecto” – explicando a inteligência como tendo muitos componentes dissociáveis. Por sua vez, Catell, Vernon e Carroll (1971) entendiam a inteligência como modelos hierárquicos. A inteligência para eles era geral com dois subfatores: a fluida e a cristalizada. Outras Teorias alternativas, no entanto, foram formuladas no avançar das pesquisas, como por exemplo: “A do Contexto Cultural” e “A Teoria Triarquica – Prática, analítica, criativa” de Sternberg; e, mais recentemente, a Teoria das
  28. 28. 27 Inteligências Múltiplas, formulada por Howard Gardner, a qual é a base de nossa pesquisa, e será discutida mais profundamente no transcorrer de toda esta pesquisa. No entanto é saliente informar que todas essas teorias foram importantes nas suas épocas e seus respectivos cenários culturais, pois foi só com base nestas primeiras pesquisas que temos um conhecimento mais apurado sobre a inteligência. Gardner (1995) baseia a sua teoria, em parte, nos achados científicos que ainda não existiam no tempo de Binet, ou seja, a Ciência Cognitiva (o estudo de mente) e a Neurociência (o estudo do cérebro). A teoria das Inteligências Múltiplas neste caso é uma alternativa para a mudança conceitual do termo inteligência que, seguindo a linha dos “raposas”, quebra com o paradigma behaviorista de uma inteligência única e geral de fator (g), que alguns pesquisadores do século XX, com suas convicções, transmitiram ao público em geral. Howard Gardner com sua insatisfação a respeito da ideia de se medir as habilidades humanas individualmente a partir de testes ortodoxos do intelecto, compreendeu que o conceito de inteligência, no seu sentido mais amplo, pode ser entendido como a composição de diversas “faculdades mentais” relativamente autônomas, porém, dependentes umas das outras, não sendo apenas em uma combinação das habilidades isoladas como se faz no teste de QI, pois na sua concepção as habilidades humanas são multifatoriais e mesmo independentes se interligam (GARDNER, 2008). Mesmo considerando relevantes os testes psicométricos, Howard Gardner é um dos críticos desta forma de estrutura mental, acreditando e defendendo que nos dias de hoje que devemos nos afastar totalmente dos testes e das correlações entre os testes, e, ao invés disso, observar as fontes de informações mais naturais a respeito de como as pessoas, no mundo todo, desenvolvem habilidades importantes para seu modo de vida (GARDNER, 1995). Estas inteligências múltiplas são mais latentes em seres humanos com perda grave ou leve do Sistema Nervoso Central, após um trauma. Foi por causa da clareza na construção epistemológica sobre o processo intelectual humano do autor que debruçamos sobre a sua obra. Vimos em nosso contexto educacional a possibilidade da aplicabilidade desta teoria na educação em ciências a partir de um projeto curricular integrado de disciplinas, pois partindo do pressuposto que somos sujeitos autônomos e distintos com conhecimentos diversos,
  29. 29. 28 a teoria das inteligências múltiplas pode ser uma ferramenta teórico-epistemológica e metodológica para auxiliar na produção de conhecimento dos estudantes em Educação em Ciências. Cada um dos estudantes tem suas habilidades distintas que podem ser potencializadas proporcionando, assim, a produção de novos conhecimentos. Para Gardner (1994a, p. 45), [...] não há e já mais haverá uma única lista, irrefutável e universalmente aceita de inteligências humanas, tendo em vista que jamais haverá um rol mestre de três, sete ou trezentas inteligências que possam ser endossadas por todos os investigadores. Nesse sentido, a sua teoria tem o objetivo de focalizar, sobretudo as habilidades importantes dos estudantes para o sucesso educacional e competência para resolver problemas. A princípio foram relacionadas sete inteligências distintas, sendo duas delas pessoais, mas estuda-se a inserção de outras inteligências, como veremos no transcorrer do texto. Gardner (1994a) ao propor uma visão alternativa, baseada numa visão pluralista da mente, reconhece muitas facetas diferentes e separadas da cognição, onde as pessoas têm forças cognitivas diferenciadas e estilos cognitivos contrastantes, considerando, ainda, que todos nós temos capacidades para desenvolver diversos tipos de habilidades, sendo o potencial de cada um o fruto da interação dessas competências e/ou habilidades. Foi nessa interação de competências e habilidades que ele as distinguiu de “Inteligências Múltiplas” (GARDNER, 2001). É necessário enfatizar que as inteligências não nascem prontas no indivíduo como se pode pensar, mesmo que se apresentem em níveis mais elevados em uns do que em outros, sendo esta presença das capacidades humanas o sinal da existência da inteligência. Com base na afirmação acima, entendemos que a combinação tanto de fatores genéticos como aprendidos por meio da cultura é que proporciona o desenvolvimento das inteligências humanas.
  30. 30. 29 A cultura tem um papel muito importante neste processo, pois é através do meio cultural que o indivíduo está inserido, que uma inteligência pode ser estimulada ou inibida, tanto é que Maturana (2006) reforça esta afirmativa dizendo que a cultura e a genética humana não são dissociadas uma da outra, porém interagem-se, pois todos nós, seres humanos, somos seres biológico-culturais. Nesse mesmo pensamento, Pinker (1994) nos diz que há uma propensão a atividades naturalistas no cérebro, pois os seres humanos passaram muito mais tempo aprendendo a sobreviver na natureza do que vivendo em edifícios fechados e isolados dos dias atuais. O ser humano por ser biológico e cultural está envolto no contexto cultural em que se relaciona com o meio, e, dependendo do meio em que vive, desenvolverá as múltiplas inteligências que possui. Partindo deste pressuposto, na sessão seguinte, triangularemos os conceitos de educação, inteligência e cultura, para uma maior compreensão desse processo. 1.3 ENTRELAÇANDO EDUCAÇÃO, INTELIGÊNCIA E CULTURA Um debate sobre a relação entre educação, inteligência e cultura é pertinente nesta pesquisa devido, em nosso entendimento, ser um processo indissociável. Nesta conjectura, Gardner (1994a), criador da teoria das IM, nos alerta que as habilidades cognitivas que possuímos podem ser moldadas por indivíduos e culturas. Para o autor, é a cultura que define o desenvolvimento do indivíduo, através de etapas, pois grande parte das informações que o ser humano possui está inserida na cultura mais do que no próprio indivíduo (fator genético). As tradições, os costumes, os valores, as crenças, a educação, enfim, tudo o que é criado pelo homem, pois de acordo com Ferreira (2001), a cultura pode ser definida como “o conjunto de características humanas que não são inatas, e que se criam e se preservam ou aprimoram através da comunicação e cooperação entre indivíduos em sociedade”. Neste processo, tanto o conhecimento como a inteligência e a cultura são adquiridas pela aprendizagem e não simplesmente herdadas geneticamente pelos
  31. 31. 30 instintos transmitidos de geração a geração. É através da linguagem que este processo ocorre, sendo a cultura uma criação exclusiva dos seres humanos, portanto, um traço distintivo da humanidade. Dependendo da moldagem ou exploração da cultura local, os padrões tanto de leitura como de escrita serão diferentes, tendo em vista que nem todos são iguais e nem toda cultura é a mesma, dependendo do local e dos indivíduos inseridos nela. Desse ponto de vista, ninguém é só uma ilha, para crescer, aprender e construir conhecimento. Para se construir, o ser humano precisa dos outros (VIGOTSKI, 2000; 2007; 2008). Para compreendermos melhor esta relação nos reportamos a Lev Vigotski que foi o primeiro psicólogo moderno a enfatizar que a cultura se integra ao homem pela atividade cerebral, estimulada pela interação entre parceiros sociais, mediada pela linguagem. A linguagem, neste caso, é a ferramenta que torna o animal, homem, verdadeiramente humano. Por isso, entendemos que a avaliação dos processos mentais envolvidos na compreensão do mundo e o modelo de aprendizagem descrito pelas suas ideias representou um grande salto para a educação (VIGOTSKI, 2000; 2007). Para melhorar o nível de aprendizagem Vigotski (2008) descobriu que mais do que o indivíduo agir sobre o meio, precisava interagir. Neste sentido todo sujeito produz conhecimentos a partir de relações intersociais de troca com o meio, ou seja, aquilo que parece individual na pessoa é, na verdade, resultado da construção da sua relação com o outro coletivo que veicula a cultura, sendo a educação um importante fator para esta construção. É aí, no palco da cultura, dos seus valores, da negociação de sentidos tramada pelos grupos sociais, que se internaliza o conhecimento. Ainda que um indivíduo tenha biologicamente o potencial de se desenvolver, se não interagir com o meio e com o outro, não se desenvolverá como deveria. Howard Gardner (1994a, p. 44), sustenta esta mesma tese no livro Frames of Mind, onde diz que “a cultura nos possibilita examinar o desenvolvimento e a implementação de competências intelectuais”, ou seja, a existência de habilidades sobrepujantes em alguns indivíduos de culturas diferentes sugere que a aquisição desta habilidade não é um reflexo de habilidades inatas e fortuitas, mas sim, ocorre através do treinamento de estímulo cultural.
  32. 32. 31 Entende-se desta feita, que o papel do professor, em qualquer cultura e nível de ensino, é de renovar-se com os estudos e descobertas para proporcionar ao estudante o desenvolvimento das suas habilidades cognitivas e repensar tanto a postura diante do saber, quanto das escolhas didático-pedagógicas de ensino. Nesse contexto, o professor é o agente que assume o papel de central estimulador das inteligências no estudante para que de acordo com Candau (2001, p. 17) este estudante possa “aprender a aprender”, desenvolvendo e estimulando suas inteligências, de modo a construir novos conhecimentos, pois como nos fala Gardner (1994a), está cada vez mais difícil negar a convicção da existência de diversas inteligências humanas, sendo estas relativamente independentes umas das outras, podendo ser tanto modeladas como combinadas em uma multiplicidade de maneiras adaptativas por indivíduos e culturas. Neste sentido, como já falamos anteriormente, a cultura, a inteligência, bem como, a educação, como processo mediador, estão interligadas, pois somos seres humanos cognitivamente complexos, com intelecto, vivendo em um determinado contexto sociocultural, no qual as relações culturais são forjadas, numa ligadura de processos que vai do cerebral ao cultural, fazendo com que o intelecto humano não possa ser dissociado da relação sociocultural (MORIN, 2008). A cultura forma o indivíduo por meio do ensino, proporcionando, assim, uma relação contínua entre intelecto humano, a cultura e a educação produzida no transcorrer da vida. Segundo Maturana & Varela (2010, p. 33) “não há descontinuidade entre o social, o humano e suas raízes biológicas”, ou seja, numa perspectiva da filosofia, da antropologia e da biologia cultural, a cultura é adquirida pela aprendizagem através da sociabilidade existente entre os seres humanos e não herdada pelos instintos, sendo antes transmitida de geração a geração pelo viés da linguagem. Neste sentido, a cultura de cada sociedade consiste em uma realidade objetiva de natureza coletiva, escapando ao controle dos indivíduos. A cultura, nesse caso, possui uma memória, construída ao longo dos milhares de anos, pois, conforme afirma Kandel (2009), “Somos quem somos por obra daquilo que aprendemos e de que lembramos”, ou seja, o ser humano é um ser cultural, vivendo em um determinado contexto cultural, aprendendo com esta cultura. Ele precisa resgatar a cultura de seus ancestrais para saber quem é, e saber para onde vai. A educação entra aí para proporcionar o conhecimento de sua história tanto passada como futura e para saber para onde vai.
  33. 33. 32 Stenrberg & Grigorenko (2003), no livro intitulado “Inteligência Plena”, enfatizam o contexto sociocultural como um dos fatores que compõe a inteligência, com isto, querem dizer que o sucesso de uma pessoa só pode ser definido em termos de um meio sociocultural. O sucesso não ocorre no abstrato; ele ocorre relacionado a um conjunto de padrões ou expectativas, quer da própria pessoa quer dos outros. Dessa forma, a importância dos contextos socioculturais fica evidente no ensino, pois de acordo com os autores, as estratégias que funcionam bem em um contexto podem não funcionar bem em outro, e mesmo dentro do mesmo país podem existir grandes diferenças. É por isso que Ghedin (2011, p. 19) nos fala que [...] qualquer projeto de ensino-aprendizagem está ligado ao contexto e ao modelo de cultura que orienta um modelo de homem/mulher que pretendemos formar, para responder aos desafios desta sociedade. Por esta razão, entendemos que é de fundamental importância que os professores e professoras saibam que tipo de ser humano pretendem formar para esta sociedade, pois disto depende, em grande parte, as escolhas que fazemos pelos conteúdos que ensinamos, pela metodologia que optamos e pelas atitudes que assumimos diante dos alunos. [...] Como o ato pedagógico de ensino-aprendizagem constitui-se, a longo prazo, num projeto de formação humana, entende-se que esta formação seja orientada por um processo de produção autônoma do conhecimento, como forma de promover a democratização dos saberes e como modo de elaborar a crítica da realidade existente. Neste contexto, a Amazônia brasileira, sendo uma região com múltiplas culturas, onde é inegável a sua peculiaridade multicultural. Nem melhor, nem pior, das demais regiões do país, deve ser explorada na sua plenitude a través de projetos de ensino aprendizagem interligados ao seu contexto cultural e o saber já existente, pois sendo rica culturalmente não pode ser negligenciada no contexto educacional, possibilitando aos estudantes uma formação autônoma do conhecimento, quando culturalmente consciente de sua realidade. Somente no conhecimento do todo é que poderemos entender que a Amazônia integra um cenário de seres humanos com múltiplos olhares. Por isso, é necessário valorizar os predicativos “social, cultural, moral e científico” desta região a partir de uma educação para a autonomia do conhecimento dos sujeitos inseridos nela. Tudo isso a partir de Projetos Curriculares Interdisciplinares, onde a cultura
  34. 34. 33 local deve ser compreendida como parte do processo de construção do conhecimento. Algumas formas de inteligências (habilidades cognitivas) são similares em diversas culturas, sendo resistentes às moldagens culturais. Porém no que se refere às inteligências pessoais, descritas por Howard Gardner em sua teoria das IM, a cultura assume um papel importante, pois a aprendizagem e o uso do sistema simbólico da cultura fazem com que as inteligências pessoais assumam a sua própria característica em culturas distintas. Neste caso, como já enfatizamos anteriormente, a cultura é importante para a formação do sujeito, tendo em vista que Gardner (1994b, p. 37) sustenta a tese do antropólogo Clifford Geertz, que “um ser humano sem cultura seria uma monstruosidade com alguns instintos relevantes, mas nenhuma inteligência”. Os humanos, nesse sentido, são criaturas tanto cerebrais como culturais, sendo que as nossas tomadas de decisões passam primeiramente pelo hemisfério cerebral, que processa as informações internas e externas. Por outro lado, diferentemente de todos os outros seres, fazemos parte de uma cultura muito rica, que teve o seu próprio desenvolvimento ao longo de milhares de anos, ou seja, também somos criaturas de nossa cultura, tanto quanto somos de nosso cérebro. Tornou-se evidente que os modos nos quais a cultura interage com o cérebro não podem ser ignorados, nem tão pouco tomada como garantida absoluta, pois “a mente existe igualmente no crânio, nos objetos disseminados na cultura e nos comportamentos de outros indivíduos com quem alguém interage e de quem aprende” (GARDNER, 1994b, p. 39). Por isso, longe do ser humano ser considerado, desde a tenra infância, um “papel em branco”, no qual não possui nenhum conhecimento, este, no entanto, surge como um organismo notavelmente bem programado e qualquer diferença individual inata que possa vir a existir. Devendo ser lembrado que parte da mente que surge já existe além da pele da criança por meio da cultura que os adultos dirigem ao futuro membro da comunidade. Segundo Morin (2008), a cultura é imprescindível para o desenvolvimento total do cérebro, o qual é indispensável tanto à cultura como à sociedade humana. Seguindo esta linha de pensamento, entendemos que os seres humanos exibirão muitas novas formas de conhecimento no decorrer de sua vida. Algumas
  35. 35. 34 surgindo no curso de interações culturais, outras como um resultado de programas explícitos fornecidos tanto pela educação formal como pela informal. Reforçamos que uma inteligência ou habilidade pode ser encerrada em culturas que exibam sistemas de valores muito diferentes, como o exemplo da inteligência musical, que pode ser reprimida em um indivíduo que viva numa sociedade e/ou cultura que enfatize majoritariamente as inteligências linguística e lógico-matemática. Embora todos recebam as inteligências como parte de nosso direito inato, a cultura de um povo é que molda o sujeito culturalmente e cognitivamente. A cultura escolar pode ser um fator preponderante para o desenvolvimento das inteligências múltiplas, pois, ao se refletir sobre a proposta de uma educação que tem por base a pluralidade da mente. Tenta-se romper com o paradigma de uma escola como espaço estrutural em que exige o conteúdo social acumulado; porém a escola deve ser vista como espaço de produção do conhecimento, na qual o estudante é sujeito principal no processo de transformação social e cognoscitivo. Dado a importância do estudante e sua formação como ser integral crítico- reflexivo sobre sua cultura e meio social, é imprescindível que os agentes da escola estejam envolvidos em prol de estabelecer mudanças nos modos atuais em que se encontra a educação, de forma a potencializar a produção de novos conhecimentos por parte dos sujeitos envolvidos. Como Gardner bem enfatiza em seu livro “A Criança Pré-Escolar: Como Pensa e Como a Escola Pode Ensiná-la”, a criatividade dos estudantes deve ser estimulada, tendo por base uma educação centrada no sujeito, mas não é o que percebemos na realidade de muitas instituições escolares, onde o ensino é generalista e o individual é deixado de lado. A criatividade nestes cenários educativos é deixada de lado em prol de um ensino continuísta e todas as suas manifestações criativas do sujeito são esquecidas na escola, desde a educação básica ao ensino superior. Para sustentar esta afirmativa recorremos a Morin (2008, p. 69) que subsidia esta afirmação ressaltando que “o conhecimento cerebral necessita evidentemente do estímulo do meio para operar e desenvolver-se”. A escola deve ser vista como um local de interação de pessoas com diversidades culturais que convivem no mesmo espaço compartilhando saberes,
  36. 36. 35 conhecimentos e respeito mútuo (VIGTSKI, 2007; ALMEIDA, 2004), para desta feita, proporcionar a produção de novos conhecimentos. Ao reconhecer essas relações culturais, educativas e cognitivas, entendemos que todo ser humano tem potencialidade para aprender qualquer coisa, desde que estimulado para tal aprendizado, pois de acordo com esta perspectiva, “todos nós estamos aptos a conhecer o mundo através da linguagem, da analise lógico- matemática, da apresentação espacial, do pensamento musical, do uso do corpo para resolver problemas ou para fazer coisas, de uma compreensão de nós mesmos” (GARDNER, 1994a, p. 14). Ao compreendermos que a aprendizagem ocorre na interação da carga genética “inata” do indivíduo como adquirida por meio da cultura, voltamos o nosso olhar para a realidade do grupo pesquisado, que deriva de múltiplas realidades e culturas. Podemos perceber que os estudantes envolvidos no Planejamento Integrado de Disciplina (PID) em sua formação derivam de ambientes sociais totalmente distintos, pois tiveram a sua formação acadêmica nas várias áreas do conhecimento, tais quais: Ciência Biológica, Pedagógica, Filosófica, Literária, Exata, Artística e Ciências Sociais, cada um seguindo o curso de sua vida. Porém no decorrer Planejamento Curricular Integrado passaram por mudanças conceituais de seus próprios conceitos científicos e culturais, outrora já estabelecidos, numa interação com o outro, de forma a produzir novos conhecimentos. Como já frisado anteriormente, todo ser humano tem potencialidade para sempre aprender algo novo, pois todos nós estamos aptos a conhecer o mundo através das múltiplas habilidades que possuímos para resolver problemas, para criar coisas, bem como ter uma compreensão de nós mesmos e ressignificar os nossos conhecimentos. Com esse pressuposto, entendemos que é indispensável uma boa formação dos professores em todos os níveis de ensino, propiciando uma prática educativa construtiva, criativa e estimulante, fazendo da aula um lugar estimulante para quem ensina e quem aprende. Forquin (1993) em seu livro enfatiza que a cultura educacional, assim, como a cultura no seu sentido mais amplo, não pode ser negligenciada, por ser definida como o conjunto de conteúdos cognitivos e simbólicos que selecionados, organizados e rotinizados, didaticamente, constituem o objeto de uma produção de
  37. 37. 36 conhecimento. Somos seres humanos que podemos transformar uma sociedade através do conhecimento que possuímos desta cultura. Neste sentido, uma educação multiculturalista personalizada, que olha a todos e a cada um ao mesmo tempo, proporciona uma educação onde os estudantes utilizem as suas diversas competências para que possam pensar de muitas formas diferentes, para a construção de novos conhecimentos, é de fundamental importância. Desta maneira, o processo de ensino-aprendizagem pode romper com o modelo de uma educação centrada exclusivamente no ensino das habilidades lógico-matemática e linguística altamente homogeneizante, potencializando, assim, as diversas habilidades cognitivas que o estudante possui. O compromisso como educador é de contribuir e trazer à tona em nossa região o debate sobre a multiplicidade do intelecto humano e a sua relação com a cultura que o estudante está situado, em particular a amazônica, pois ensinar nesta perspectiva é colocar o sujeito na presença de vários elementos, sob várias óticas científicas, a fim de que venha a se nutrir, incorporando à sua substância, bem como, construir sua identidade intelectual e pessoal. Tal projeto repousa necessariamente sobre uma concepção seletiva e normativa da cultura (FORQUIN, 1993), tendo em vista que as culturas e os contextos educacionais diversos oferecem uma oportunidade única para se obter novas visões sobre como os contextos culturais podem moldar a prática educacional, pois a combinação de várias competências diretamente influenciadas pela sociedade, pela cultura e pelo cotidiano educacional em que o individuo está inserido, pode fazer dele um ser único em sua capacidade cognitiva e em seu ritmo de construção de conhecimento.
  38. 38. 37 2 INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS: A GÊNESE DE UMA TEORIA São inúmeros os estudiosos contemporâneos que citam ou recorrem às ideias de Howard Gardner para fundamentar ou apoiar suas pesquisas, tais quais: Thomas Armistrong, Jie-Qi Chen, Hapy Hoi-Ping Cheung, Zhilong Shen, Seana Moran, Anna Craft, entre outros. O evidente respeito de estudiosos, a nossa identificação com suas ideias e a forma brilhante da escrita do autor foram alguns dos motivos que levaram à sua eleição. Considero possível e produtivo selecionar algumas das suas ideias, por parecerem ter obtido maiores repercussões ou que, pelo menos, são mais citadas (inclusive pelo autor) nas últimas duas décadas, desde a formulação da teoria das Inteligências Múltiplas. Por isso, a presente sessão tem como aporte principal seis livros deste renomado pesquisador, além de incluir outras obras que subsidiam esta pesquisa. Dessa forma, acredito compreender, dentro do limite colocado para uma produção deste tipo, as principais ideias, argumentos e reflexões de Howard Gardner, pelo menos, no que diz respeito, mais diretamente ao tema desta pesquisa. Uma análise deste tipo assume um lugar privilegiado na formação e na atuação do professor, assim, como na reflexão do pesquisador. Desta forma, este trabalho suscita ricas discussões em vários espaços tanto psicológicos, em especial naqueles relacionados à educação, uma vez que a prática educacional é considerada por Gardner como o meio facilitador da aprendizagem, cuja reformulação tem sido objeto das suas últimas pesquisas. Levantar aspectos relacionados à produção de conhecimentos do ser humano e suscitar discussões, especialmente no aspecto social da mente, têm se apresentado como necessidades sistematicamente observadas, principalmente no contexto educacional, pois o Gardner enfatiza a importância de trabalhar a formação ética simultaneamente ao desenvolvimento das inteligências que cada indivíduo possui. A Teoria das Inteligências Múltiplas tem como objetivo focalizar, sobretudo, as habilidades importantes dos estudantes para o sucesso escolar e habilidade para resolver problemas tanto escolar como cotidianos.
  39. 39. 38 Foram relacionadas por Gardner (2001), no princípio de sua teoria, apenas sete tipos de inteligências. No entanto, com a recente reformulação da mesma, acrescentou-se mais uma inteligência no rol das já existentes. Ainda estuda-se a possibilidade de acréscimo de outras inteligências, porém, para que isto aconteça será necessário à realização de muitos outros estudos. Como já enfatizado neste texto, foi a partir de sua insatisfação a respeito da concepção tradicional (behaviorista) de inteligência que Gardner, através de pesquisa empírica, formulou a teoria das IM, que a priori engloba as Inteligências lógico-matemática, linguística, musical, espacial, físico-cinestésica (ou corporal- cinestésica), as pessoais: intrapessoal e interpessoal, e a naturalista, bem como, a possível inserção da Espiritual e da Existencial, sendo que estas últimas duas habilidades ainda não são contadas como inteligências completas, pois de acordo com Gardner (2008) ainda não foi encontrado com precisão o local, em que estas se encontram no cérebro humano; no máximo, são meia inteligência. De acordo com esta nova visão de inteligência, nós temos capacidades para desenvolver diferentes tipos de habilidades, sendo o potencial de cada um o fruto da interação dessas competências com o meio externo, pois as inteligências, para Gardner (1994a), não nascem prontas no indivíduo como se pode pensar, embora possam apresentar em níveis mais elevados em uns do que em outros, sendo esta presença das capacidades humanas, o sinal da existência da inteligência. Para se chegar a essa conclusão, Gardner (1994a) buscou constituir as bases de sua teoria discorrendo sobre os fundamentos biológicos da inteligência. É necessário enfatizar que Gardner (1994a) mesmo sendo contrário ao teste do Quociente de Inteligência (QI), não o menospreza, embora questione a suposição de que a inteligência possa ser medida por instrumentos verbais padronizados. Ao Contrapor-se a esta visão behaviorista da mente, Howard Gardner a analisa minunciosamente, pois entende que o teste do QI foi criado no início do século XX para quantificar a inteligência e, ainda, administrado no mundo inteiro, pela ausência de uma maneira melhor de se pensar sobre a inteligência e de obter melhores meios para avaliar as capacidades de um indivíduo. Somente a partir deste questionamento é que Gardner (1995), após pesquisa empírica, procurou compreender as competências intelectuais humanas, contrapondo-se à visão do QI, com uma visão alternativa, baseada numa visão da mente radicalmente diferente, que produz um tipo de escola muito diferente, ou seja,
  40. 40. 39 uma visão pluralista da mente, reconhecendo muitas peculiaridades distintas e separadas da cognição. Reconhecendo ainda que as pessoas têm forças e estilos cognitivos diferenciados uns dos outros. Sua pesquisa, porém, não foi uma tentativa para relacionar o cérebro à atividade mental, o que não era uma ideia nova, pois, nos tempos passados, os egípcios, os gregos e os hindus, o antecederam, tendo em vista que estes tentaram separar a gama de atividades intelectuais humanas nos seus respectivos tempos. Sendo através destes achados que a teoria das IM baseou-se, principalmente, nos estudos biológicos da inteligência, pois sempre se estudou o funcionamento do cérebro, entendendo que a inteligência sendo “uma competência intelectual humana [...] deve apresentar o potencial para encontrar ou criar problema, por meio disto proporcionando o lastro para a aquisição de conhecimento novo” (GARDNER, 1994a, p. 46). Antunes (2003), mais tarde fazendo uma analise desta afirmativa, compreende a inteligência, da mesma forma, como um produto de uma operação cerebral e que capacita ao sujeito na resolução de problemas, e ainda, de criar produtos dentro de cenários culturais distintos, ou seja, dependendo do meio social e ambiental em que o indivíduo está inserido, ele será capaz de resolver problemas ou criar produtos que sejam valorizados em sua cultura, pois o desenvolvimento cognitivo do indivíduo depende do modo como este se relaciona com o mundo e com os elementos culturais que constituem essa relação. Como psicólogo do desenvolvimento, Gardner acreditava que suas pesquisas sobre inteligência teriam repercussão entre seus pares, no entanto, o que ocorreu foi que a sua teoria das IM o tornou mundialmente conhecido e estudado, principalmente por educadores. Tanto é que nos últimos anos tem se dedicado especialmente a estudar as implicações educacionais de sua teoria, optando não chamar essas inteligências de “talentos”, visto a grandiosidade que a inteligência possui. Por se tratar de uma teoria que tem como base a pluralidade da mente, na qual as pessoas possuem múltiplas inteligências, não há nenhuma razão para que aprendamos da mesma maneira, pois cada estudante é um ser cognoscitivo distinto (GARDNER, 1994b). Com base nesta concepção de inteligência, Gardner e seu grupo de pesquisa conseguiram, após análises da cognição em diferentes grupos de culturas, dois tipos
  41. 41. 40 de evidência psicológica: 1) as correlações entre testes psicológicos e 2) os resultados das tentativas de treinamento de capacidades (GARDNER, 2001). Nesta pesquisa, foram estudados os resultados da melhor forma para se tentar organizar as habilidades humanas de uma maneira que fizesse sentido. Sua lista resultou em sete inteligências, sendo uma tentativa preliminar de sistematizar a massa de informações obtidas. Porém, recentemente houve a inclusão da inteligência naturalista. Gardner (2008) até o presente momento define a sua teoria em oito inteligências, podendo ser acrescentadas novas outras inteligências. A Inteligência, nesta ótica, é um potencial biopsicológico, ou seja, é biológico e psicológico, que agrega valores culturais. É parte de nosso cérebro e de nossa mente fazer coisas e resolver problemas valorizados em uma cultura ou comunidade. Cada um dos potenciais pode ser uteis para resolução problemas em uma comunidade. A prova maior das existências das IM é que diferentes habilidades ocupam diferentes luares de nosso sistema nervoso. Neste sentido, as inteligências são independentes umas das outras, pois podemos ser bons em algumas coisas e em outras coisas não. A inteligência está além dos testes, pois não se pode medir a inteligência através de um simples teste de QI, como muito se fazia até a década de 1990, pois todos nós somos seres inteligíveis. Basta que haja a estimulação destas habilidades, ou seja, as inteligências são independentes umas das outras, mas sempre funcionam de forma combinada numa multiplicidades de maneiras adaptativas, e qualquer papel adulto sofisticado envolverá uma fusão de várias delas, desde que estimuladas essas habilidades, exceto em indivíduos anormais. Na folha seguinte podemos ver as Inteligências Múltiplas sistematicamente organizadas em uma tabela:
  42. 42. 41 Tabela 01: Inteligências Múltiplas e suas características CARACTERIZAÇÃO DAS INTELIGÊNCIAS MÚLTIPLAS INTELIGÊNCIA DESCRIÇÃO RELAÇÃO COM OUTRAS INTELIGÊNCIAS EXEMPLOS PESSOAIS HABILIDADES Linguística (hemisfério esquerdo) Conexão dos circuitos que transformam os sons em palavras. Esta inteligência envolve sensibilidade para a língua falada e escrita, a habilidade para aprender línguas e a capacidade de usar a língua para atingir certos objetivos. Relaciona-se com todas as demais e, particularmente, com a lógico-matemática e a físico-cinestésica. Shakespeare, Dante Alighieri, Cervantes, Dostoiévski, Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Cartola, Adoniran Barbosa, Vinicius de Moraes, escritores, radialistas, advogados e, principalmente poetas. Descrever, Narrar, Observar, Comparar, Relatar, Avaliar, Concluir, Sintetizar Lógico-matemática (lobos parietais esquerdos) Envolve a capacidade de analisar problemas com lógica, de realizar operações matemáticas e investigar questões cientificamente, sendo que esta forma de pensamento pode ser traçada de um confronto com o mundo de objetos. Inteligência linguística, espacial, físico-cinestésica e principalmente a musical. Euclides, Pitágoras, Newton, Bertrand Russel, Einstein, engenheiros, físicos, arquitetos e mestres de obras Enumerar, Seriar, Deduzir, Medir, Comparar, Concluir, Provar Musical (hemisfério direito) Acarreta habilidades na atuação, na posição e na apreciação de padrões musicais, ou seja, as áreas do cérebro ligadas aos movimentos dos dedos da mão esquerda são muito sensíveis e facilitam a execução de instrumentos de corda. Mais intensamente com a lógico-matemática e com a físico-cinestésica. Beethoven, Chopin, Brahns, Schubert, Tchaikóvski, Carlos Gomes, Villa-Lobos, Tom Jobim, Cartola, Caetano Veloso, compositores, poetas, naturalistas Observar, Identificar, Relatar, Reproduzir, Conceituar, Combinar Espacial (hemisfério direito) Regulação do sentido de lateralidade e direcionalidade, aperfeiçoando a coordenação motora e a percepção do corpo no espaço por meio de um modelo mental. Com todas as demais, especialmente a linguística, a musical e a físico- cinestésica. Ray Bradbury, Isaac Assimov, Karl Marx, Picasso, Darwin, Dalton, Chico Buarque de Holanda, escritores de ficção, exploradores, geógrafos, marinheiros, artistas Localizar no espaço, Localizar no tempo, Comparar Observar, Deduzir, Relatar, Combinar, Transferir
  43. 43. 42 abstracionistas Físico-Cinestésica (hemisfério direito) Capacidade de usar o próprio corpo de maneiras altamente diferenciadas e hábeis para propósito expressivos assim como voltados a objetivos. Relaciona-se principalmente com as inteligências linguística e espacial. Nijinsky, Nureyev, Pelé, Garrincha, Magic Johnson, mímicos, bailarinos, atletas e também concertistas, cirurgiões e muitos outros. Comparar, Medir, Relatar, Transferir, Demonstrar, Interagir, Sintetizar, Interpretar, Classificar Interpessoal (lobo frontal) Habilidade de entender e responder adequadamente a humores, temperamentos, motivações e desejos de outras pessoas. Relaciona-se com todas as demais, particularmente com a linguística, a naturalista e a físico- cinestésica. Madre Tereza de Calcutá, Gandhi, Mandela, pessoas reconhecidas como “carismáticas”, políticos, líderes religiosos, psicoterapeutas e psicólogos Interagir, Perceber, Relacionar-se com empatia, Apresentar auto-estima e autoconhecimento, Ser ético Intrapessoal (lobo frontal) Habilidade para ter acesso aos próprios sentimentos, sonhos e ideias, para discriminá-los e lançar mãos deles na solução de problemas pessoais. É a capacidade para formular uma imagem de si própria, permitindo que detectemos e simbolizemos conjuntos de sentimentos altamente complexos e diferenciados. Relaciona-se com todas as demais, particularmente com a linguística, a naturalista e a físico- cinestésica. Freud, Platão, Carl Rogers, Gandhi, outras pessoas como políticos, líderes religiosos, psicanalistas, psicólogos, assistentes sociais e professores Interagir, Perceber, Relacionar-se com empatia, Apresentar auto-estima e autoconhecimento, Ser ético Naturalista (hemisfério direito) São potenciais existenciais não só nos estados acabados como reconhecimento e classificação de numerosas espécies – a flora e a fauna – de seu ambiente, mas também em muitos outros padrões, que vão da caça e pesca a lavoura, jardinagem e culinária e etc. Com todas as demais, especificamente com as inteligências linguística, musical e espacial. Darwin, Hamboldt, La Condamine, Mendel, Ruschi, Noel Nutels, Villas- Boas, Burle Marx, naturalistas, botânicos, geógrafos, paisagistas e jardineiros Interagir, Perceber, Classificar, Lidar com elementos que implicam na relação humano com a natureza Fonte: Adaptada de Antunes (2003); Gardner (1994a; 1995; 2001); Fronza et al. (2007).
  44. 44. 43 Como pode ser observado na tabela anterior, nós, seres humanos, possuímos múltiplas habilidades, as quais devem ser estimuladas no processo didático pedagógico, de forma que o estudante compreenda todo o processo de construção de conhecimento pelo qual venha a passar. Com base nas IM, uma educação deve propiciar a compreensão do conhecimento e não apenas a aquisição de determinado conteúdo, ou seja, deve-se aprofundar em diferentes áreas do conhecimento, como por exemplo, em um projeto curricular interdisciplinar, de modo a oferecer formas diferentes de fazer com que os estudantes possam “[...] pensar, conhecer, agir e “aprender a aprender” (DANTAS, 2005, p. 1), propiciando que representem diferentes formas de pensar sobre determinado tema”. Reconhecendo, assim, suas competências e ampliando sua compreensão para que possam pensar de muitas formas diferentes, utilizando as diferentes competências que possam a desenvolver. A função do professor, nesta perspectiva de ensino (educação para a compreensão), é o fazer o estudante perceber que quando ele aprende sobre determinado assunto, ele muda o modo de pensar. Quando ele aprende sobre a terra, ele não tem a visão ingênua do assunto, mas de forma reflexiva constrói um novo saber. Mas perguntamo-nos: Como o estudante aprende para compreensão? Como ele compreende? Entendemos que um dos recursos didático-pedagógicos para alcançar este resultado é o planejamento Integrado interdisciplinar, que realizado adequadamente pode proporcionar uma educação para a compreensão. O estudante aprende para a compreensão quando este pensa e reflete sobre o conhecimento estudado e construído, não se baseando em uma única lente, mas nas mais várias visões da ciência. Quando vê diferentes opiniões. Quando na verdade é desafiado a se posicionar frente a uma questão. É nesta ótica que Gardner, sendo o primeiro acadêmico a dizer que nem todos são iguais, nos alerta que não há nenhuma razão para que aprendamos e construamos o conhecimento da mesma maneira. Se uma aprendizagem responsável deve acontecer, se compreensões dinâmicas e criativas devem ser alcançadas, é crucial que os estudantes e professores tomem a responsabilidade pela educação, permitam a si mesmos tornarem-se vulneráveis, e, então, explorem esta vulnerabilidade de modo a adquirir conhecimento e habilidades que podem ser mobilizados na aquisição da compreensão. (GARDNER, 1994b, p. 209)
  45. 45. 44 Para que este processo de aquisição da compreensão ocorra é necessário um ambiente educacional favorável, entendido como um local na qual se considera que as pessoas são diferentes, que trabalham com as diferenças e avaliam o conhecimento como um bem e não como um conjunto de informações passageiras. Por isso o processo de construção de conhecimento adequado seria aquele que ajudasse o estudante a aprender com compreensão, possibilitando uma educação transformadora, a qual tem o professor como um instrumento facilitador no processo desta construção, a partir da compreensão de que os estudantes são detentores de múltiplas habilidades. No caso da inteligência linguística, que parece mais democraticamente compartilhada nos seres humanos, é o meio ideal para transmitir os conceitos básicos em um livro texto, pois, de acordo com Brennand e Vasconcelos (2005), se traz significado à palavra através da representação dos códigos escritos em papeis, numa interação entre a vida do indivíduo com a aprendizagem da linguagem. A Inteligência lógico-matemática, em contraste com as inteligências linguística e musical, ao não originar-se na esfera auditivo-oral como as duas, mesmo sendo uma habilidade poderosamente equipada para manejar determinados tipos de problemas e criar soluções factíveis, não é em sentido algum superior às demais. Entretanto, em nossa sociedade por nós as colocamos numa “hierarquia”, pois grande parte da testagem está baseada na alta valorização das capacidades verbais e matemáticas, se torna importante enfatizar que todas as inteligências devem ter igual atenção. Por conseguinte, na Inteligência musical, o indivíduo ao atribuir significado a sons, pode representar e elaborar conhecimentos a partir deles (sons), pois é no “hemisfério direito, nos lobos frontal e temporal, que se localizam redes neurais responsáveis pelo desenvolvimento da potencialidade musical” (GARDNER, 1995, p. 92). A Inteligência espacial, por ser a habilidade de perceber o mundo com precisão, efetuar transformações e modificações sobre as percepções iniciais e de recriar aspectos da experiência visual, mesmo na ausência de estímulos físicos relevantes – quando ocorrem danos em determinadas regiões do hemisfério direito – podem causar “prejuízos na capacidade de o indivíduo de se deslocar por espaços que já tenha conhecido, de reconhecer rostos ou cenas e de observar detalhes pequenos” (GARDNER, 1995, p. 26).
  46. 46. 45 Outras duas formas de inteligência, não muito bem compreendidas e difíceis de estudar, mas imensamente importantes, são as inteligências intrapessoal e Interpessoal. A inteligência intrapessoal é a capacidade correlativa a aspectos introspectivos, propiciando a capacidade de formar um modelo acurado e verídico de si mesmo. Porém, “o autista e o esquizofrênico exemplificam casos de indivíduos com a inteligência intrapessoal prejudicada” (BRENNAND e VASCONCELOS, 2005). Por sua vez, a Inteligência Interpessoal, possibilita o indivíduo a compreender outras pessoas – o que as motiva, como elas trabalham e como trabalhar cooperativamente com elas. Por fim, destacamos a Inteligência naturalista, que só recentemente foi incluída entre a gama de habilidades que o ser humano possui, pois “o próprio termo naturalista alia uma descrição de habilidade essencial a uma caracterização de um papel valorizado por muitas culturas” (GARDNER, 2001, p. 64). De acordo com esta característica, um naturalista demonstra grande experiência no reconhecimento e na classificação de numerosas espécies como a flora e a fauna de um ambiente. Em uma entrevista para o Jornal da Tarde, no primeiro semestre de 1996, Gardner apresenta a oitava inteligência. Em sua entrevista ele diz: “Eu agora, na verdade, falo sobre oito tipos de inteligência. A oitava inteligência tem a ver com o mundo natural: ser capaz de entender diferenças entre diversos tipos de plantas, de animais. Todos nós a temos em nosso cérebro” (GARDNER apud ANTUNES, 2003, p. 61). Esta inteligência se refere à capacidade de reconhecer e categorizar objetos naturais. Provavelmente a inteligência naturalista localiza-se no hemisfério direito do cérebro. A inteligência naturalista causa no ser humano certo sentimento de êxtase diante do não construído pelo homem. A associação entre as inteligências naturalista e físico-cinestésica, manifesta-se em atividades ciclísticas em áreas de proteção ambiental como os bosques, onde o professor e o estudante podem fazer descobertas incríveis, sendo ótimos locais de estimulação da percepção naturalista, visto que há uma interação com a natureza. Quando o estudante é levado a descobrir os elementos naturais, em um processo dinâmico, interativo e perceptivo, esta ação contribui para a expansão da inteligência naturalista neste estudante. Para que ocorresse a criação deste “rol de inteligências”, apresentado na tabela 01 e descrito no contexto, Gardner (1994a) enfatiza que não bastava
  47. 47. 46 identificar as competências intelectuais humanas, mas que estas habilidades deveriam ser avaliadas e aprovadas após passarem pelos critérios preestabelecidos pelo autor e sua equipe de pesquisa. Somente após esta avaliação é que foram identificadas uma a uma das inteligências, já citadas. Neste sentido, a lista de conjuntos que constituem uma inteligência deve satisfizer determinadas especificações das raízes disciplinares da ciência biológica, da lógica e da psicológica. Os pré-requisitos são um modo de assegurar que uma inteligência será genuinamente útil e importante em determinados cenários culturais (GARDNER, 1994a), tendo em vista que o critério final para uma inteligência é a sustentabilidade de codificação num sistema de símbolos. Abaixo podemos ver, de modo ordenado, os oito “sinais” ou critérios, pelos quais uma habilidade possa ser julgada inteligência: Tabela 02: Critérios de uma inteligência. CRITÉRIOS DE UMA TEORIA INTELIGÊNCIA SINAIS / CRITÉRIOS DESCRIÇÃO 1. Isolamento potencial por dano cerebral Na medida em que uma faculdade particular pode ser destruída ou poupada em isolamento, em decorrência de dano cerebral, sua relativa autonomia de outras faculdades parece provável. Assim, tanto a separação da linguagem das outras faculdades como sua semelhança essencial em formas orais, auditivas, escritas e de sinais apontam uma inteligência linguística independente. 2. Existência de idiots savants, prodígios e outros indivíduos excepcionais É importante para os pesquisadores aproveitar os acidentes da natureza, tais como traumatismos ou derrames, que lhes permitem observar a identidade e as operações de uma inteligência específica com destaque. A natureza oferece outra recompensa a quem estuda as inteligências múltiplas: gente que, sem qualquer sinal documentado de lesão cerebral, tem perfis de inteligência inusitados. A existência destas populações nos permite observar a inteligência humana em isolamento. A condição de que uma inteligência específica destas populações possa está ligada a fatores genéticos, ou a regiões neurais específicas, é melhorada. Ao mesmo tempo, a ausência seletiva de uma habilidade intelectual prova ser uma confirmação por negação de uma determinada inteligência. 3. Operação cerebral ou conjunto de operações identificáveis Centrais a noção de inteligência é a existência de uma ou mais operações ou mecanismos de processamento de informações que possam lidar com tipos específicos de input. É provável que estas capacidades sejam medidas por mecanismos neurais geneticamente programados para serem ativados por tipos de informações interna ou externamente. Dada esta definição, torna-se crucial ser capaz de identificar estas operações centrais, localizar seu substrato neural e aprovar que estes “centros” são, de fato, separados. 4. Trajetória de desenvolvimento Uma inteligência deriva de uma história desenvolvimento identificável ontogenética, no qual indivíduos normais e talentosos passam.
  48. 48. 47 característica, culminando em desempenho especializado Certamente uma inteligência não se desenvolverá em isolamento, exceto numa pessoa incomum; então torna-se necessário focalizar os papéis ou situações onde a inteligência ocupa papel central. 5. História e plausibilidade evolutiva Todas as espécies apresentam áreas de inteligência (e ignorância) e os seres humanos não constituem exceção. Apesar de todas as falhas, provas sobre a evolução de nossa espécie são cruciais para qualquer discussão sobre a mente e o cérebro contemporâneos, sendo proveitosas para um estudioso das inteligências múltiplas. Uma inteligência específica fica mais plausível na medida que se pode localizar seus antecedentes evolutivos inclusive capacidades compartilhadas com outros organismos; deve-se também estar atento a capacidade computacionais específicas que pareçam funcionar em isolamento em outras espécies mas tornaram-se unidas nos seres humanos. 6. Apoio de tarefas psicológicas experimentais Muitos paradigmas favorecidos na psicologia experimental esclarecem o funcionamento de inteligências candidatas. Empregando os métodos do psicólogo cognitivo pode-se, por exemplo, estudar, com exemplar especificidade, detalhes de processamento linguístico ou espacial. A relativa autonomia de uma inteligência pode ser também investigada. Estes experimentais podem fornecer apoio convincente para a alegação de que as competências particulares são (ou não) manifestações das mesmas inteligências. 7. Apoio de achados psicométricos Resultados de experiências psicológicas constituem uma fonte de informação relevante para as inteligências; os resultados de testes padronizados (como testes de QI) fornecem outro indício, sendo eles relevantes. Mas existe motivo de preocupação, pois os resultados psicométricos provam ser inamistosos à constelação de inteligência propostas. Além disso, a ênfase em métodos papel e lápis com frequência exclui o teste adequado para determinadas capacidades, assim, a interpretação de achados psicométricos não é sempre uma questão direta. 8. Sustentabilidade à codificação em um sistema simbólico Grande parte da representação e da comunicação humana de conhecimento ocorre através de sistemas de símbolos societais quanto pessoais que permitem que as pessoas em certos tipos de significados. Linguagem, desenho, matemática são apenas três dos sistemas simbólicos que se tornaram importantes no mundo inteiro para a sobrevivência e a produtividade humana. É bem possível que uma característica principal da inteligência humana seja sua gravidade “natural” em direção à incorporação em um sistema simbólico. Fonte: Gardner (1994a; 2001; 2010). O estudo que até agora estamos devolvendo nos dá a entender, concordando com o Gardner (1994a), que cada inteligência é relativamente autônoma uma da outra, mas ao mesmo tempo, nenhuma dessas inteligências se desenvolve de maneira independente. Neste sentido, as habilidades intelectuais de um indivíduo, não podem ser inferiores, nem superiores às demais, pois as inteligências são
  49. 49. 48 simplesmente o desenvolvimento de um grau superlativamente mais aguçado de capacidades que todos os indivíduos normais possuem. Nesta perspectiva, a teoria das IM introduz o conceito de uma educação centrada no indivíduo, que considera seriamente a visão multifacetada de inteligência, ou seja, o ser humano é possuidor de múltiplas capacidades inatas e adquiridas, que podem ser estimuladas no ambiente educacional e cultural, tendo em vista que o conhecimento cresce rapidamente e “somos desafiados a explorar a nossa inteligência pondo em destaque o potencial múltiplo da inteligência humana de aprender crescentemente” (BRENNAND e VASCONCELOS, 2005, p. 21). 2.1 A REFORMULAÇÃO DO CONCEITO DE INTELIGÊNCIA A reformulação do conceito de inteligência foi proposto por Gardner na obra “Inteligências múltiplas: um conceito reformulado”. Publicado no Brasil em 2001, ao nos trazer um relatório sobre o desenvolvimento de sua teoria, a obra nos descreve como sua teoria evoluiu ao longo do tempo, introduzindo a possibilidade de novas inteligências, mas que no momento, por causa de falta de estudos, introduziu apenas uma: a inteligência naturalista, descrevendo sobre outras duas, argumentando que o conceito de inteligência deve ser expandido, pois as dimensões exatas deste conceito evoluíram com o tempo e o cenário. Antunes (2003), ao sustentar esta ideia, nos fala que a inteligência é produto de uma operação cerebral, permitindo ao sujeito resolver problemas. Complementando o conceito de inteligência múltipla, notamos que as inteligências estão vinculadas a diversos fatores: físicos, neurológicos ou sociais como a cultura onde se insere o indivíduo (FLECK, 2008), pois, na conjectura atual, a mente humana compõe-se de muitas faculdades, apresentando provas de que os seres humanos têm uma gama de capacidades, que, tanto individual quanto em conjunto, podem ser usadas de muitas formas produtivas, fazendo com que os indivíduos não só venham a entender suas inteligências como também desenvolvê- las de forma altamente flexíveis e produtivas dentro dos papeis humanos nas várias sociedades.
  50. 50. 49 A teoria das inteligências múltiplas, embora tenha sido desenvolvida há cerca de duas décadas e meia, não permaneceu estática, tendo em vista que Gardner ao definir a priori uma inteligência como “uma capacidade ou potencial geral que cada pessoa possui em maior ou menor extensão” (ROPELATO, 2011, p. 213). Praticamente duas décadas depois das ideias defendidas em Frame of Mind, Gardner apresenta uma nova definição mais refinada do conceito de inteligência. Agora conceitua a inteligência como “um potencial biopsicológico para processar informações que pode ser ativado num cenário cultural para solucionar problemas ou criar produtos que sejam valorizados numa cultura” (GARDNER 2001, p. 47). Essa modesta alteração do enunciado de acordo com Gardner (2001) é importante porque sugere que as inteligências não são objetos que podem ser vistos nem contados. Elas são potencialidades neurais que poderão ser ou não ativados, dependendo dos valores de uma cultura específica, das oportunidades disponíveis nessa cultura e das decisões pessoais tomadas por indivíduos em particular e/ou comunidade. Sendo assim, uma inteligência específica atua em ambientes ricos em conjunção com outras inteligências em diversos ambientes como, por exemplo, na escola desde a educação básica à universitária, que em como finalidade a promoção do conhecimento. No entanto, uma inteligência pode ser reveladoramente encerrada em culturas que exibem papéis e sistemas de valores muito diferentes. No entanto, em geral as inteligências convivem livremente. Afinal de contas, as inteligências vêm da combinação da herança genética do indivíduo com as condições de vida numa cultura e numa era dada. 2.2 A GUISA DE UMA INCLUSÃO Com base nas literaturas pesquisadas, entendemos que tanto Gardner quanto outros estudiosos como, por exemplo, Celso Antunes um dos grandes defensores desta teoria no Brasil, apresentam algumas inteligências que poderão ser, um dia, incluídas no rol das inteligências já estruturadas por Gardner. Dessas inteligências podemos citar: uma espiritual, uma existencial, uma moral e uma pictórica.
  51. 51. 50 Gardner (2001) ao refletir sobre a possibilidade de uma inteligência espiritual fica impressionado com a natureza complicada do “conteúdo” dessa inteligência, com seus aspectos afetivos e fenomenológicos; suas afirmações frequentemente privilegiadas, mas substanciais com respeito ao valor da verdade e sua necessidade de ser identificada, em parte, através de seu efeito sobre os outros. O autor supõe que seja razoável questionar sobre uma possível inteligência espiritual ou ainda um conjunto de inteligências relacionadas com o espírito. No entanto, por causa de toda essa controversa concernente a esta competência, Gardner (2001, p. 78) “acha melhor deixar de lado o termo espiritual, com suas conotações e problemas e falar de uma inteligência que explora a natureza da existência em suas múltiplas formas”. Por isso, o termo inteligência existencial é o tipo de inteligência espiritual, aqui definido de forma mais estrita, podendo só, assim, essa inteligência ser admissível. Enquanto que o termo “inteligência espiritual”, sendo uma definição mais ampla, não pode ser aceita (GARDNER, 2001). A inteligência espiritual, nesta perspectiva, revela a habilidade de o indivíduo lidar com informações que não são adquiras em relações materiais, mas imateriais, constituindo mundos sobrenaturais e abstratos, proporcionando o alcance de estados de compreensão da existência individual (BRENNAND e VASCONCELOS, 2005). Apesar da necessidade de melhor definição e mais evidências, a inteligência existecial abrange a capacidade de refletir e ponderar sobre as grandes questões fundamentais da existência, e elabora de forma abstracta e genérica sobre elas. Seria característica de líderes espirituais, de pensadores e filósofos (a que gera e tenta responder as maiores perguntas sobre a natureza e preocupações humanas). Porém, Gardner (2008) considera que nem a inteligência espiritual ou a existencial sejam completas, mas uma meia inteligência, pois ainda não foi encontrado com precisão o local em que esta se encontra no cérebro humano, por isto é preciso prudência, pelo menos por ora. Já o termo inteligência moral, a qual Gardner menciona em uma de suas obras, é considerada inaceitável enquanto tiver a conotação de adoção de qualquer código moral específico, pois as inteligências são amorais, e qualquer inteligência pode ser usada para construir ou destruir. Neste sentido, devemos nos esforçar para
  52. 52. 51 cultivar tanto a inteligência como a moral, trabalhando-as juntas como virtudes (GARDNER, 2001). A inteligência pictórica, por sua vez, não mencionada por Gardner, é atualmente discutida e difundida, no Brasil. A sua existência, a qual de acordo com os pesquisadores brasileiros pode ser observada em pessoas que se expressam admiravelmente bem por meio de desenhos ou imagens gráficas de maneira geral (ANTUNES, 2003). Apresentamos estas possíveis inteligências, pelo fato de muitos já a definirem como inteligências, no entanto ainda não pertencem ao espectro das inteligências múltiplas, pois Gardner Costuma apresentar a inteligência em termos de um estado acabado, o que as referidas “inteligências”, na visão do autor, ainda não são. Gardner considera um trabalho inútil sair em busca de uma inteligência “pura” – seja ela qual for. O que importa é o uso das inteligências, individualmente e em conjunto, para realizar atividades valorizadas por uma sociedade, tendo em vista que todos nós (seres humanos) possuimos essas inteliências e não há dois seres humanos – nem mesmo gêmeos idênticos – que possuam o mesmo perfíl em suas qualidades e suas limitações em termos de inteligência, pois a maioria de nós é diferente dos de nossa espécie (GARDNER, 2010). Os leitores estão convidados a examinar os critérios que Gardner elaborou e que apresentamos anteriormente e chegar às suas próprias conclusões sobre estas inteligências. Embora seja interessante pensar numa nona inteligência, Gardner não acrescenta à sua lista uma inteligência, seja existencial, espiritual, moral ou ainda uma pictórica. Não acrescentou por falta de estudos mais aprofundados e deixa claro que um dia essas inteligências poderão ser acrescentadas ou outras ainda. 2.3 A TEORIA VERSUS A PRÁTICA Ao examinar a teoria das inteligências múltiplas com o olhar mais crítico, observamos que o mundo está envolto em significados, fazendo-se necessário construir uma interligação entre as principais linhas desta teoria aos aspectos da prática educacional, pois as inteligências são um esforço para esquematização das
  53. 53. 52 oito regiões intelectuais que a maioria dos seres humanos possui independentemente se são talentosos ou não. Gardner (1995) deixa claro que cada forma de inteligência pode ser subdividida, ou ainda, ser reorganizada. O ponto importante neste caso é deixar clara a existência de uma pluralidade do intelecto, que poderá conduzir à noção de uma educação centrada no indivíduo, voltada para um entendimento e desenvolvimento do perfil cognitivo de cada estudante. O planejamento de um ensino, nesta nova concepção, baseia-se em duas suposições. A primeira é que nem todas as pessoas têm os mesmos interesses e habilidades, nem aprendem da mesma maneira; a segunda, por sua vez, é que, atualmente, ninguém pode aprender tudo o que há para ser aprendido. Neste sentido, uma educação centrada no sujeito seria rica na avaliação das capacidades e tendências individuais (GARDNER, 1995), pois uma educação na perspectiva das IM procuraria adequar os indivíduos não apenas a áreas curriculares, mas também as maneiras particulares de ensinar esses assuntos para os que apresentam perfis cognitivos incomuns, como é o caso de um planejamento curricular integrado, onde várias visões sobre determinado conteúdo poderiam ser vistos. Embora muitos pretendam valer desta concepção, ainda é muito difícil a implementação desta teoria, tendo em vista, que a maioria das metodologias utilizadas pelos professores ainda, mesmo em cursos de Pós-Graduação, carrega uma carga de tradicionalismo, pois nestes cursos a formação é baseada nas inteligências linguística e lógico-matemática, sendo muitas vezes, negligenciadas as demais inteligências. No esforço de quebrar com o paradigma de um currículo fragmentado e isolado, sem interatividade dos conteúdos, os professores do curso de mestrado de um Programa de Pós-Graduação, de uma Universidade pública do Estado do Amazonas, no ano de 20102 , mesmo não tendo por base a teoria das IM, aliaram os currículos das três disciplinas do primeiro semestre da turma de mestrado, em um Planejamento Interdisciplinar de Disciplinas (PID), proporcionando, assim, a possibilidade da produção, tanto individual como coletiva, do conhecimento pelos próprios estudantes, numa triangulação entre os conteúdos (saberes) das disciplinas 2 Por confidencialidade o nome da IES não é citado na dissertação.

×