Pesquisa Quantitativa x Qualitativa.Basica x Aplicada

1.187 visualizações

Publicada em

Diferenças entre abordagens quantitativa e qualitativa de pesquisa.
Diferenças entre pesquisa básica e aplicada

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.187
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
437
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
57
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa Quantitativa x Qualitativa.Basica x Aplicada

  1. 1. Pesquisa Quantitativa e Qualitativa Profa. Dra. Hilma Khoury Universidade Federal do Pará/IFCH/Faculdade de Psicologia hilmatk@yahoo.com.br Fones: 98112-4808/98800-5762
  2. 2. “Enquanto o homem individualmente é um quebra-cabeça insolúvel, no conjunto ele se torna uma certeza matemática. Você nunca pode prever o que um homem fará, mas você pode dizer com precisão o que, em média, um deles fará. Individualmente, eles variam, mas, em média, se mantém constantes”. Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes
  3. 3. “É essencial no estudo dos seres humanos descobrir como eles definem as situações nas quais se encontram, porque “se eles definem situações como reais, elas são reais em suas conseqüências”. William Thomas, Sociólogo americano.
  4. 4. Pesquisa Quantitativa Galileu, Descartes, Comte, Durkheim, Pavlov. ARGUMENTOS E PROPOSIÇÕES
  5. 5. É possível traçar uniformidades e encontrar regularidades no comportamento humano. Regularidades predizíveis existem em qualquer fenômeno, inclusive os sociais ou humano-culturais.
  6. 6. “Enquanto o homem individualmente é um quebra-cabeça insolúvel, no conjunto ele se torna uma certeza matemática. Você nunca pode prever o que um homem fará, mas você pode dizer com precisão o que, em média, um deles fará. Individualmente, eles variam, mas, em média, se mantém constantes”. Conan Doyle, criador de Sherlock Holmes
  7. 7. Pesquisa Qualitativa Dilthey, Max Weber, Malinowski, Mead, Freud. ARGUMENTOS E PROPOSIÇÕES
  8. 8. É essencial na investigação social a compreensão do significado da ação humana, ou seja, as motivações, as intenções, definições ou interpretações de situações e acontecimentos. O fenômeno social é histórico e, portanto, significativo em sua singularidade.
  9. 9. “É essencial no estudo dos seres humanos descobrir como eles definem as situações nas quais se encontram, porque “ se eles definem situações como reais, elas são reais em suas conseqüências”. William Thomas, Sociólogo americano.
  10. 10. SÃO ABORDAGENS OPOSTAS OU COMPLEMENTARES?
  11. 11. A abordagem qualitativa não é útil para compor grandes perfis populacionais ou indicadores sociais. Mas, é muito importante para acompanhar e aprofundar algum problema levantado por estudos quantitativos. O estudo qualitativo pode também ser útil para a formulação de hipóteses e a definição de variáveis a serem posteriormente utilizadas em levantamentos estatísticos.
  12. 12. Referências e Bibliografia Consultada Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22 (2), 201-210. Minayo, M. C. de S., & Sanches, O. (1993). Quantitativo- qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, 9 (3), p.239-262.
  13. 13. Pesquisa Básica e Aplicada Profa. Dra. Hilma Khoury Universidade Federal do Pará/IFCH/Faculdade de Psicologia hilmatk@yahoo.com.br Fone: 98112-4808/98800-5762
  14. 14. É inadequada a distinção entre ciência básica e aplicada; o que existe é a ciência e as aplicações da ciência, unidas como a árvore e o fruto que produz (Louis Pasteur). Nada tão prático quanto uma boa teoria (Kurt Lewin).
  15. 15. Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada Aronson et al. (2002) Objetivo: Encontrar a melhor resposta para a pergunta sobre porque as pessoas se comportam de certas maneiras, puramente por razões de curiosidade intelectual. Não é feita tentativa direta para solucionar um problema social ou psicológico específico. Objetivo: Solucionar um problema social existente. Formular uma teoria de comportamento é, em geral, secundário em relação a solucionar um problema específico, tal como amenizar o racismo ou reduzir a violência sexual. Salkind (2012) Não possui aplicação imediata no momento em que é concluída Possui aplicação imediata no momento de sua conclusão.
  16. 16. Pesquisa Básica Pesquisa Aplicada Rodrigues et al. (2015) Objetivos: Promover avanços teóricos; Lançar luz sobre um problema específico; Promover refinamento metodológico; Avaliar a eficácia de uma intervenção; Verificar a estabilidade e a generalidade de achados anteriores através da condução de réplicas.
  17. 17. É uma maneira conveniente de classificar as atividades de pesquisa, mais do que lançar alguma luz sobre o propósito do pesquisador ou importância do estudo. Quase toda pesquisa básica acaba resultando em alguma aplicação útil em longo prazo. PESQUISA BÁSICA E APLICADA (Salkind, 2012)
  18. 18. Na maioria das ciências é confusa a distinção entre pesquisa básica e aplicada. Há incontáveis exemplos de progressos em ciência básica que, na ocasião, careciam de valor de aplicação conhecido, porém, mais tarde se revelaram fundamentais para solucionar importantes problemas aplicados. PESQUISA BÁSICA E APLICADA (Aronson et al., 2002)
  19. 19. A psicologia social é uma ciência e seus achados podem ser aplicados na resolução de problemas específicos. Quando se lança mão de um achado específico para a solução de um problema determinado, trata-se de aplicação simples. Quando combinamos achados provenientes de diferentes áreas das ciências sociais para utilizá-los na solução de um problema social específico, trata-se de aplicação complexa ou Tecnologia Social. PESQUISA BÁSICA E APLICADA (Rodrigues et al., 2015)
  20. 20. Referências e Bibliografia Consultada Aronson, E., Wilson, T. D., & Akert, R. M. (2002). Metodologia: Como os cientistas sociais fazem pesquisas. Em E. Aronson, T. D. Wilson & R. M. Akert, Psicologia social (pp. 17-36). Rio de Janeiro/RJ: LTC. Rodrigues, A., Assmar, E. M. L, & Jablonski, B. (2015). Psicologia Social (Parte 1). Petrópolis/RJ: Vozes. Salkind, N. J. (2012). Exploring research. New York: Pearson.

×